22 de julho de 2014

Savigny-les-Beaune 2008 - Catherine et Claude Maréchal

Nome: Savigny-les-Beaune
Safra: 2008
País: França
Região: Borgonha
Produtor: Catherine et Claude Maréchal
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris
Quando foi comprado: Agosto de 2013
Degustado em: 18 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pães, queijos e aceto
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Récolte manuelle en caisse pour éviter l’oxydation et à l’optimum de maturité, pour obtenir des vins riches et gras mais sans sucre résiduel. Pressurage des raisins entiers suivi d’un débourbage soigné (élimination des éléments indésirables tels les résidus terreux…). La fermentation commencera après quelques jours de latence grâce aux levures du raisin. Cette dernière s’effectuera sous température contrôlée afin d’éviter des pertes aromatiques. Lorsque la phase tumultueuse de fermentation est passée, nous écoulons le vin de la cuve en tonneaux. La fermentation s’achèvera et l’élevage se fera ainsi sur lie. Après une période comprise entre 9 et 12 mois, le vin est biologiquement terminé. Il s’en suivra un soutirage (élimination des lies) et nous le tirerons en bouteilles sans filtration si la turbidité est correcte.

Impressões da Rafaela
Fim de semana intenso. Muito estudo, compras pelo bairro, visita à nova delicatessen chamada Deli Delícia, pizza com os amigos no Bráz. Fechamos o domingo com este vinho francês na medida certa (uma meia garrafa). Vinho com personalidade e um amarguinho no final. Tinha um gostinho de "já tô meio cansado". Durante o jantar, nos lembramos do dia que passamos pela cidadezinha chamada Beaune. Deu vontade enorme de voltar à região com mais tempo.

Comentário do Claudio
Exame visual: Leve dourado, já com sinais de envelhecimento.
Exame olfativo: Bem interessante, uma mistura de notas doces com algo de toffe e leve mineral. Delicado e rico.
Exame gustativo: Este vinho já estava em seu limite para ser bebido. Tem bom corpo, boa complexidade de sabores, mas já não apresenta tanta vivacidade. Bom final, levemente licoroso e com notas claras de seu envelhecimento. Acredito que com dois anos a menos ele estaria no ponto correto. De qualquer forma, foi uma boa experiência.

20 de julho de 2014

Dádivas Merlot/Cabernet Sauvignon 2012

Nome: Dádivas
Safra: 2012
País: Brasil
Região: Encruzilhada do Sul
Produtor: Lidio Carraro

Uvas/Corte: Merlot  e Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 0679/8100
Preço: R$ 14,50, meia garrafa
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: 03 de maio de 2014
Degustado em: 03 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pães e queijos
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Aroma de frutas maduras, como ameixa, morango, groselha e amora, evoluindo para notas de especiarias e um toque de chocolate e couro. Taninos maduros, bom frescor, equilibrado e complexo.
Um clássico para deleitar-se


Comentário do Claudio
Exame visual: Rubi.
Exame olfativo: Difícil definição, mas aparece leve fruta vermelha. 
Exame gustativo: Achei esta meia garrafa na Cadeg e como estava sozinho resolvi comprar para acompanhar o meu lanche. Já havia provado e gostado do Pinot Noir e do Chardonnay deste mesmo vinho. Este corte se mostrou também agradável, com notas de frutas maduras e algo de chocolate, taninos macios. Vale abrir a garrafa e deixar ele respirar um pouco antes de beber. Um vinho agradável, bem feito, se mostrou um bom vinho pelo seu custo. Não é tao marcante quanto os Dádivas das outras cepas, mas vai agradar.

17 de julho de 2014

Para comemorar: Taittinger, o champagne oficial da Copa

O Brasil ainda estava prestes a disputar a segunda partida da Copa do Mundo quando fomos convidados para conhecer a Casa Taittinger Rio de Janeiro, instalada em uma ampla e bonita residência na Gávea. Claudio foi um dos primeiros a chegar e pode trocar algumas palavras com o simpático Clovis Taittinger, diretor de exportação da Casa Taittinger, que veio ao Brasil para divulgar o champagne oficial da Copa.

O encontro foi bem internacional, pois além de Clovis, estava presente a Master of Wine e crítica finlandesa especializada em Champagnes Essi Avelan, que conduziu a apresentação dos incríveis Champagnes Taittinger.

Como bem falou o Clovis, Champagne é a bebida oficial dos grandes eventos. A Taittinger viu que a Copa no Brasil seria uma bela oportunidade de tornar a marca ainda mais forte mundialmente e mais presente no país, que tem o clima (festivo e de temperatura) perfeito para se beber um bom Champagne.
Neste encontro, um dos primeiros da Casa Taittinger Rio, reservado a um pequeno grupo de jornalistas e blogueiros, foram apresentados os quatro champagnes produzidos pela família Taittinger na região próxima à cidade de Reims, na França.
Fomos recepcionados, literalmente, em volta da piscina, com o Champagne oficial da Copa, uma tiragem com rótulo especial contendo efeitos de holografia com bolas de futebol. Este Champagne é o mesmo Brut Reserve que encontramos com o rótulo tradicional. Um excelente produto que pode ser comprado nas lojas aqui do Rio de Janeiro por cerca de R$ 200-250.
Na sequência, partimos para a apresentação do Clovis e da Essi. Neste momento, provamos os Champagnes guardados em garrafas Magnum. Esta foi uma dica valiosa da crítica finlandesa: todos os Champagnes em garrafas de 1,5 litros ganham em complexidade e envelhecem melhor. Ao provar o Brut Reserve, que é feito a partir de um blend de cerca de 35 vinhos-base diferentes, vindos de vinhedos diferentes (os enólogos demoram cerca de três meses no processo de decisão do blend perfeito), pudemos comprovar isto. A grande complexidade dos Champagnes em geral vem exatamente deste blend aliada a um bom envelhecimento nas garrafas. O Brut Reserve é feito com um corte de cerca de 40% de Chardonnay e o restante de Pinot Noir e Pinot Meunier.
Provamos ainda mais três opções incríveis. 
O Taittinger Prestige Rosé, de bela cor e paladar complexo e envolvente, boa acidez, vivo e elegante. Um belo rosé. 
Partimos então para provar dois safrados. Primeiro o Taittinger Comtes de Champagne Blanc de Blancs 2005, feito somente de Chardonnay e em safras especiais. Champagne incrível, de muita complexidade, boa estrutura, muito cremoso em boca e uma elegância única arredondando todo o conjunto. Excelente acidez e notas minerais o deixam ainda mais rico. Com nove anos de vida, está perfeito para se beber agora, mas também tem potencial para envelhecer. Realmente marcante. Foi o meu preferido. 
Por último, o Taittinger Comtes de Champagne Rosé 2005, feito com 70% de Pinot Noir, que apresenta todas as qualidades do Blanc de Blancs, mas com um aporte maior de corpo e notas frutadas em boca. Achei que este ainda poderia crescer mais na garrafa, com um potencial de guarda maior. Outra belíssima bebida. Dois espumantes que te deixam com aquela vontade de provar novamente.
Foi uma manhã/tarde muito agradável, pela simpatia dos nossos anfitriões e pela bela organização do espaço e do evento. Realmente um gol de placa da Taittinger. 
A Copa do Mundo terminou, mas tenho certeza que você vai encontrar motivos para celebrar e beber belos Champagnes como estes feitos pela Taittanger.

15 de julho de 2014

Aracuri - Merlot 2009


Nome: Aracuri
Safra: 2009
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra
Produtor: Aracuri Vinhos

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Gentilmente oferecido pela vinícola
Degustado em: 25 de abril de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizza caseira
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Perfil Sensorial: aromas complexos e elegantes, destacando-se frutas vermelhas maduras, com notas de chocolate, que se repetem no paladar. Vinho estruturado com taninos macios e acidez equilibrada.

Comentário do Claudio
Exame gustativo: Mais um vinho provado da jovem Vinícola Aracuri, oriundo da também jovem (na produção de vinhos) região dos Campos de Cima da Serra. Sempre estamos provando os lançamentos dessa região. Trata-se da terra natal da Rafaela, por isso nosso interesse especial. Aracuri é uma das vinícolas que está mostrando um trabalho consistente. Todos os vinhos que já provamos mostram um perfil bem definido e interessante: vinhos elegantes, sem álcool em excesso, sem muita concentração, agradáveis, fáceis de beber, boa companhia para comida e bom preço. Este merlot se encaixou dentro desse perfil. Vinho de corpo médio e boas características da cepa. Um bom vinho. Vale provar os vinhos da Aracuri.

8 de julho de 2014

Achaval Ferrer Malbec 2011, um vinho que merece ser provado

Nome: Achaval Ferrer
Safra: 2011
País: Argentina
Região: Pedriel
Produtor: Achaval Ferrer

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Gentilmente oferecido pelo Mauro
Degustado em: 27 de abril de 2014
Onde bebeu: Casa da Marcela e do Mauro
Harmonizado com: Risoto com filé
Com quem: Claudio, Marcela, Mauro e Regina Helena

Comentário do Produtor
Intense, pure, full colours and young aromas. This wine completes our vision of Malbec. We wish
to honour the insignia variety of Mendoza. We want to emphasize all the characteristics of this unique cepage. Our work in the vineyards reinforces leaf system over root system, and emphasizes the soul of the fruit. Our objective is to preserve the vertebral column of variety as the first step of a trilogy that continues in ascending stairs with Quimera – a design wine - and Finca Altamira, Finca Bella Vista and Finca Mirador, through which we showcase the expression of terroir. The wine was aged during 9 months in French Oak barrels. We took special care to preserve the necessary balance between wood and fruit without losing its spontaneity.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A Achaval Ferrer é uma vinícola de que gosto bastante, pois produz vinhos muito consistente e que alta qualidade. O vinho mais "básico" deles é exatamente este malbec. Já tinha provado este vinho em outras oportunidades, sempre gostei dele, mas não me chamava tanto a atenção. Nas duas últimas safras, incluindo este 2011, a coisa mudou de figura. Achei que houve um grande salto de qualidade, conseguiram equilibrar muito bem a potência típica de alguns malbecs argentinos com uma elegância muito interessante. O resultado é um vinho envolvente, com notas de frutas maduras, sem exageros, com boa acidez e final agradável. Vinho muito bom, com um estilo marcante e interessante, um vinho que merece ser provado agora ou que ainda se pode esperar mais uns dois anos na garrafa, pois deverá crescer.

7 de julho de 2014

Depois do Encontro de Vinhos Off, Mendel Unus com pizza

Nome: Mendel Unus
Safra: -
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Mendel Wines
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon e Malbec
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo amigo Déco Rossi
Quando foi comprado: -
Degustado em: 21 de abril de 2014
Onde bebeu: Em São Paulo
Harmonizado com: - 
Com quem: Claudio, Déco e Julie

Comentário do Claudio
Exame gustativo: O Encontro de Vinhos Off já entrou para o roteiro de eventos pré-Expovinis em São Paulo. Fui nas primeiras edições desta feira, organizada pelos amigos e blogueiros Beto Duarte e Daniel Perches, e acompanhei seu crescimento. O Encontro acontece sempre na véspera da abertura da Expovinis e é um lugar perfeito para rever os amigos e encontrar novidades de produtores e importadores. Neste ano, a Wines of Argentina participou da feira e, durante o evento, o Deco Rossi deu uma palestra muito interessante sobre os diversos terroirs encontrados na Argentina. Participei da palestra, na qual foram servidos diversos vinhos, um painel muito interessante e didático. Como sobrou uma garrafa aberta de Mendel Unus, o levamos para casa e acompanhou uma pizza para fechar a noite. Este vinho é um corte de Cabernet Sauvignon com Malbec, vinho de muita estrutura, bom corpo, muito bem feito, um vinhaço. Como abrimos este vinho no meio da tarde e só fomos bebê-lo à noite, acabou respirando bastante, o que, para o meu paladar, deixou o vinho muito mais interessante, sem aquela potência toda. É um vinho que merece ser guardado por alguns anos ou ser decantado por um bom tempo antes de ser bebido. Vale provar.

6 de julho de 2014

Um belo Cabernet Franc argentino com 13 anos de vida

Nome: Marcus Gran Reserva
Safra: 2001
País: Argentina
Região: Rio Negro, Patagônia
Produtor: Humberto Canale
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Franc 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo amigo Déco Rossi
Quando foi comprado: -
Degustado em: 20 de abril de 2014
Onde bebeu: Em São Paulo
Harmonizado com: - 
Com quem: Claudio e Déco

Comentário do Claudio
Exame gustativo: Em abril estive em São Paulo para o Encontro de Vinhos Off e para a Expovinis. Cheguei no domingo e fui muito bem recepcionado pelo amigo e blogueiro Déco Rossi. Cheguei a São Paulo para o almoço. Era domingo de Páscoa. Déco achou que os restaurantes poderiam estar cheios e seguimos para o Clube Harmonia, onde poderíamos abrir um vinho sem problema. Sou fã da uva Cabernet Franc, e o Déco, que é o representante da Wines of Argentina no Brasil, também gosta muito. Sempre que viaja à Argentina, procura descobrir os vinhos de Cabernet Franc feitos por lá. Gentilmente, ele resolveu abrir uma garrafa argentina já com 13 anos de vida, um Cabernet Franc da Patagônia. O vinho estava muito interessante, já amadurecido, mas vivo, com boa acidez, taninos bem arredondados, notas claras que mostram o efeito do tempo sem aquela intensidade dos vinhos argentinos.Na minha opinião, no ponto certo para se beber. Boa experiência. Obrigado, Déco, pela recepção.

1 de julho de 2014

Hex Von Wein Moscato 2012

Nome: Hex Von Wein
Safra: 202
País: Brasil
Região: Picada Café
Produtor: Vinícola Hex Von Wein
Importador: -

Uvas/Corte: Moscato
Teor alcoólico: 
Rolha: Tampa de rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos enviado pela representante do vinho no Rio, Amora Verde
Quando foi comprado: -
Degustado em: 18 de abrilde 2014
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
Com quem: Claudio

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: Início mais intenso com algo de frutas tropicais depois de um tempo ele se apaga um pouco.
Exame gustativo: Já estava com esta garrafinha de 187 ml deste vinho branco há algum tempo comigo. Como a Rafaela estava viajando, decidi abrir e provar este Moscato da Hex Von Wein. Quem acompanha aqui o blog sabe que gosto muito do Cabernet Sauvignon que eles fazem. Produção orgânica, uma vinícola de garagem que faz um Cabernet de respeito. Em boca o vinho mostrou certa untuosidade, uma boa acidez, notas levemente picantes e algo mineral também. Um vinho correto e foi uma boa surpresa.