26 de junho de 2014

Pietro Marini Malbec 2008, o vinho que a Rafaela ganhou do Gil para abrir quando quisesse

Nome: Pietro Marini
Safra: 2008
País: Argentina
Região: Valle de Cafayate, Salta
Produtor: Bodega el Transito
Importador: Porto Mediterrâneo

Uvas/Corte: Malbec
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente presenteado à Rafaela pelo Gil
Quando foi comprado: -
Degustado em: 10 de abril de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Brillante y de color intenso desarrolla tonos violáceos que anticipan su expresión en nariz, donde presenta aromas a frutos rojos, con recuerdos de ciruelas secas y algunas notas especiadas que recuerdan el clavo de olor. Como varietal expresa exquisitamente la riqueza que le aporta la altura, presentando en boca taninos dulces y redondos. Armónico y equilibrado se prolonga y persiste en boca, gracias a una equilibrada acidez.

Impressões da Rafaela
Ganhei este vinho do Gil na última vez em que estive em Uberlândia. De tanto me ouvir reclamar que eu tinha que "pedir permissão" ao Claudio para abrir um vinho quando estava sozinha em casa, Gil me disse que eu teria então meu próprio vinho, para abrir quando eu bem entendesse. Aconteceu, no final das contas, de eu abri-lo junto com o Claudio, o que, segundo o Gil, me dava então o direito de abrir um outro vinho - no caso, qualquer um de nossa adega. Vamos ver se isso vai dar certo algum dia. A verdade é que eu não gosto de beber vinho quando estou sozinha. Vinho para mim é uma bebida para ser compartilhada, para ser bebida com amigos, acompanhando uma boa conversa. Este vinho foi bem com nossas pizzas caseiras, feitas com farinha 00, molho de tomates feito em casa e mussarela de búfala de boa qualidade. Obrigada, Gil!

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este malbec da região de Salta na Argentina foi um presente do amigo Gil para a Rafaela. O vinho ficou guardado na adega por algum tempo. Pareceu-me que deveríamos tê-lo aberto antes, pois tinha características de um vinho jovem, para ser bebido com um ou dois anos de vida. Em boca, mostrou uma boa fruta, misturado com algo de especiarias e um pouco de pimenta. Paladar interessante, que deveria estar muito melhor dois ou três anos atrás. Funcionou bem com a pizza. Não conhecia esta vinícola, sobre a qual o Gil sempre falou bem, e fiquei com vontade de provar outros vinhos de lá.

Aurora Reserva - Cabernet Sauvignon 2011

Nome: Aurora Reserva
Safra: 2011
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinícola Aurora

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 051768
Preço: -
Onde foi comprado: Ganhamos este vinho no kit da Wine Run
Quando foi comprado: -
Degustado em: 7 de abril de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa caseira com molho de tomate
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Aromas de chocolate e baunilha, com um ligeiro frutado. Típico Cabernet Sauvignon, harmonizará principalmente com pratos com carnes vermelhas. Picanha grelhada, costela de cordeiro, quibe cru, sanduíches de rosbife e filé mignon. Acompanha também strogonoff de frango e queijos como o Gruyère.

Impressões da Rafaela
Vinho gostoso, simples, fácil de gostar. Deve ser bom para acompanhar jantares animados e descompromissados. Fiz massa em casa, com molho de tomate errado, mas gostoso. Comemos felizes de qualquer modo. Recebemos este vinho no kit da Wine Run, corrida que fizemos dias atrás com os amigos blogueiros Gil e Érika, do Vinho para Todos.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Acho que nunca tinha provado este vinho. Ganhamos esta garrafa na inscrição da Wine Run. Quando chegamos em casa de volta de Bento Gonçalves, resolvemos abrir este Cabernet para acompanhar a nossa massa. Confesso que esperava menos. É um vinho simples, fácil de beber, descomplicado. Um vinho básico, mas correto, que não faz feio. Não sei o preço dele no mercado, mas pode ser uma opção para quem procura um vinho simples para o dia a dia.

25 de junho de 2014

Encontro com um blogueiro chileno na Confraria Carioca

Uma das boas coisas proporcionadas pelo nosso blog é a oportunidade de conhecer novas pessoas.
No final de março, recebi uma mensagem do Guilherme, amigo blogueiro de Brasília, autor do Um papo sobre Vinho. Ele me falava sobre um blogueiro chileno que estava no Rio com umas garrafas de vinho para abrir com alguém. Assim, acabei conhecendo e bebendo alguns vinhos com Max Morales, chileno de Santiago, dono da loja de vinhos Andes Wine na capital chilena e autor do site de mesmo nome.
Marcamos o encontro na Confraria Carioca, loja em Botafogo do amigo Duda Zagari, que também provou os vinhos conosco. Além dos dois vinhos trazidos pelo Max, Duda resolveu abrir mais alguns vendidos na Confraria para o Max provar.
Durante a conversa, provamos os seguintes vinhos: o Oda Veranda Syrah 2008, um vinho muito interessante da região de Colchagua, e o Calyptra Assemblage Gran Reserva, que o Max julgou não estar bom para ser bebido. Na sequência  dois ótimos espumantes nacionais: o Cave Geisse Blanc de Blanc e o Maximo Boschi Speciale 2008. O Duda, que é um cara sempre empolgado, ainda abriu mais dois tintos, o brasileiro Maximo Boschi Merlot 2004 e o interessante Barbaresco Piero Busso Mondino 2008.
O resultado foi uma noite divertida com o vinho proporcionando bons encontros.

24 de junho de 2014

Premiação pós-corrida: Identidade Premium Gewürtztraminer e Mundvs Malbec

Nome: Identidade Premium / Mundvs
Safra: 2013 / 2011
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga

Uvas/Corte: Gewürtztraminer Malbec
Teor alcoólico: 13% / 14,2%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Maria Valduga, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Quando foi comprado: 5 de abril de 2014
Degustado em: 5 de abril de 2014
Onde bebeu: Restaurante Maria Valduga, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Harmonizado com: Rodízio italiano
Com quem: Claudio, Rafaela, Gil e Érika

Comentário do Produtor
Identidade - Ideal para tardes de verão, possui coloração amarelo-palha e complexidade aromática com notas de maçã verde, pera, lichia e licor de laranja. Em boca é expressivo, fresco com final persistente e agradável.
Mundvs - Aos pés da Cordilheira dos Andes, em Mendoza, a mais de 980 metros de altitude, surge Mundvs Malbec. Vinho de grande personalidade, com aromas de frutas vermelhas maduras ressaltadas por nuances de baunilha. Visão: Vermelho-rubi escuro, límpido e brilhante. Olfato: Bouquet elegante e intensas notas de frutos vermelhos com destaque para ameixas, amoras e especiarias, ressaltadas por nuances de baunilha. Paladar: Corpo robusto, encorpado, equilibrado e harmônico, com taninos maduros.

Impressões da Rafaela
Depois de uma tarde de descanso, à noite eu estava recuperada do esforço empreendido no começo do dia. Pronta para apreciar o jantar de gala na Casa Valduga. Apesar de o cardápio ser parecido com outros servidos na região, o rodízio italiano da Valduga tem um quê de refinamento. O tempero é mais suave, o local é silencioso, os garçons são nada invasivos. Nós gostamos muito. Para acompanhar o jantar, nossa sommelière Érika escolheu os vinhos. Gostei especialmente do segundo, o Mundvs.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Ainda estávamos nos recuperando da Wine Run que corremos pela manhã  e já era hora de nosso jantar de comemoração. Sempre que passamos pelo Vale dos Vinhedos damos um pulo na Casa Valduga para comer no restaurante da vinícola. A organização da prova também sugeriu na programação o jantar, um típico rodízio italiano, com galetos, massas e outras delícias. Bebemos dois vinhos durante o jantar. Abrimos com o um aromático Gewurztraminer, vinho muito marcante no nariz e em boca se mostrou fresco e agradável, a garrafa foi rápido. Depois o Gil sugeriu um dos vinhos da linha Mundvs, vinho que a Casa Valduga faz em parceria com outras vinícolas em diversos países. O escolhido foi o Malbec, vinho de perfil bem típico da cepa e com as clássicas característica dos bons malbecs argentinos. Um ótimo jantar para fechar um dia muito intenso no Vale dos Vinhedos.

23 de junho de 2014

Angheben Brut para comemorar a medalha na Wine Run 2014

Nome: Angheben Brut
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinícola Angheben

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Canta Maria, em Bento Gonçalves
Quando foi comprado: -
Degustado em: 5 de abril de 2014
Onde bebeu: Restaurante Canta Maria, em Bento Gonçalves
Harmonizado com: Galetinho e polenta
Com quem: Claudio, Rafaela, Gil e Érika

Comentário do Produtor
Com aparência brilhante apresenta-se levemente na coloração dourada. Seu aroma intenso remete a frutas brancas e notas amanteigadas. Com grande volume, o paladar mostra-se equilibrado, com boa persistência final e cremosidade em boca.

Impressões da Rafaela
Chegamos a Bento Gonçalves na sexta-feira à noite e logo nos encontramos com o Gil e a Érika, que também estavam na cidade para participar da Wine Run 2014. Na noite anterior à prova, fomos comer um xis em frente ao hotel, como esperado há meses. Sábado acordamos cedinho e partimos para a prova. Tudo ocorreu de forma muito organizada. Érika e eu fomos com a primeira turma. Como era uma prova de revesamento, Claudio e Gil seguiriam um pouco mais tarde. Apesar de eu não estar treinada como deveria, gostei do meu desempenho. Confesso que nem sabia se conseguiria completar a prova, mas deu certo! Quer dizer, depois da corrida me deu uma dor de cabeça horrível. Eu acabei tomando apenas uma sopinha no Canta Maria, enquanto Claudio, Gil e Érika comiam um galetinho. Também não provei o espumante, mas depois de uma bela tarde de sono estava pronta para nosso jantar de gala na Valduga.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Combinamos com os amigos Gil e Érika do blog Vinho para Todos de participarmos da Wine Run 2014, corrida disputada no Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves. A corrida foi disputada em diferentes terrenos, com muitas subidas e descidas, em um cenário muito bonito entre os vinhedos e as vinícolas. Corrida muito bem organizada. Mesmo cansados, depois da corrida partimos para um almoço no Canta Maria para comer um galetinho e repor as energias. Para acompanhar, escolhemos este ótimo espumante dos Angheben. Já provei em duas outras oportunidades e mais uma vez ele mostrou toda a sua qualidade. Um espumante bem seco, de boa acidez, gastronômico, muito bem feito!

11 de junho de 2014

Vinho com bom preço atrai muito mais consumidores: Viapiana na Pizzaria Eccelenza

Nome: Viapiana Corte V
Safra: -
País: Brasil
Região: Altos Montes, Flores da Cunha
Produtor: Vinhos Viapiana
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon e merlot
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 9,50 (taça)
Onde foi comprado: Pizzaria Eccelenza, em Botafogo, Rio
Quando foi comprado: 3 de abril de 2014
Degustado em: 3 de abril de 2014
Onde Bebeu: Pizzaria Eccelenza, em Botafogo, Rio
Harmonizado com: Pizza marguerita
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Coloração vermelho-rubi. Aroma com boa intensidade e notas agradáveis de frutas vermelhas como ameixa, sem presença de madeira. Em boca, se apresenta leve com média estrutura, taninos jovens, macio e equilibrado.

Impressões da Rafaela
Fomos comer uma pizza em uma restaurante aqui da vizinhança e ficamos impressionados com uma cena: várias pessoas bebiam vinhos - e invariavelmente era este Viapiana. Quando abrimos o cardápio, entendemos. O vinho tinha um preço realmente convidativo, pouco mais de R$ 30 a garrafa e menos de R$ 10 a taça. Nós mesmos acabamos pedindo duas taças. Como iríamos viajar na manhã seguinte, resolvemos não exagerar. Vinho simples, mas muito bem feito. Ficamos bem felizes com a ideia da vinícola e do restaurante, pois acabam incentivando o consumo.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: 
Exame gustativo: Este post é para registrar que quando uma vinícola trabalha bem uma parceria, o vinho nacional vende e é bem aceito pelos consumidores. Foi esta experiência que presenciamos na pizzaria Eccelenza, em Botafogo, aqui no Rio. Logo que chegamos ao restaurante, percebemos que em várias mesas havia uma garrafa de vinho aberta. Observando um pouco mais, percebemos que eram vinhos da Vinícola Viapiana. Bom preço, equipe treinada, boa divulgação, tudo isto nos mostra que com um trabalho bem feito o vinho brasileiro pode aparecer cada vez mais nas mesas dos restaurantes. O Corte V é um vinho bem feito, fácil de se beber, um bom parceiro para as pizzas.

Rippon Vineyard & Winery da Nova Zelândia apresenta seus vinhos no Esplanada Grill

No dia 28 de março, a convite do amigo e dono da Confraria Carioca, ótima loja de vinhos no Rio, Duda Zagari, participei do almoço de apresentação dos vinhos da vinícola neo-zelandesa Rippon no restaurante Esplanada Grill, em Ipanema, com a presença do produtor, Nick Mills. 

Comentário do Claudio
Em uma bela tarde de sol, tive a oportunidade de conhecer os vinhos da vinícola Rippon da Nova Zelândia. Durante um descontraído almoço no Esplanada Grill, provei 5 diferentes vinhos: um branco da uva Gewurztraminer e uma sequência com 4 ótimos Pinot Noir. Fiquei muito bem impressionado com os vinhos, marcantes, de muita personalidade e elegantes. A Pinot Noir é uma uva que se adaptou muito bem na Nova Zelândia. Olhando as fotos do site da vinícola, dá para ver o belíssimo cenário de onde saem estas uvas. Como cheguei um pouco atrasado ao almoço, não consegui provar o Riesling, que, pelos comentários de todos, estava excelente. Primeiro vinho provado foi um Gewurztraminer de muita expressão e personalidade, com um final bem acentuado com especiarias e leve doçura. Vinho muito bem feito. Na sequência, provamos o primeiro Pinot do almoço, o Jeneusse 2008. O Pinot de "entrada" da vinícola, perfil jovem, bem fresco, acidez viva e direto. Um bom Pinot, descomplicado. Depois passamos para o Rippon Mature 2008, que apresentou um pouco mais de complexidade, boa acidez e taninos bem marcados, 14% de álcool e notas de madeira aparecendo. Partimos para os dois últimos vinhos do almoço e exatamente os dois que mais marcaram: Emma's Block 2009 e o Tinker's Field 2009. Dois grandes Pinots, em comum a boa estrutura e a perfeita mistura entre potência e elegância. Dois vinhos envolventes, de excelente qualidade e marcantes que mostram todo o potencial que a Pinot pode apresentar na Nova Zelândia. A mesa ficou dividida entre os que preferiram o Emma's e os que gostaram mais do Tinker's. Fiquei com o Emma's, que me pareceu mais elegante, enquanto o outro estava um pouco fechado ainda, mostrando grande potencial. Belos vinhos de uma linda vinícola.

5 de junho de 2014

Chateau Timberlay - Bordeaux Superieur 2010

Nome: Chateau Timberlay
Safra: 2010
País: França
Região: Bordeaux
Produtor: Robert Giraud, Domaine de Loiseau
Importador: Symposium Vinhos

Uvas/Corte: Merlot e Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Presenteado ao Claudio pelo Carlinhos
Onde foi comprado: Symposium Vinhos
Quando foi comprado: Novembro de 2013
Degustado em: 29 de março de 2014
Onde bebeu: Na varanda de casa
Harmonizado com: Penne feito na hora, vendido no Supermercado Farinha Pura
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
The grapes (half Cabernet Sauvignon and half Merlot) are hand picked in several waves. They are traditionally fermented in heat-regulated cement vats. The wine stays on the skins for around three weeks. Ageing takes place in oak barrels, two thirds new and. one third a year old. This excellent wine has a deep color and a fine, elegant nose with ripe fruit aromas. The bouquet is slightly toasty. It has a hint of spice and a touch of vanilla. Rich, full-bodied, with well balanced soft tannin, it has a generous finish with extremely well-integrated oak.

Impressões da Rafaela
Este dia foi um animado dia com a família do Claudio. A pequena Antônia, filha da Paula e do Guilherme, foi batizada com a presença de tios, primos, avós. Ela é uma pequena adorável, fofinha como a mãe. Depois do batismo em uma capelinha escondida entre prédios e casas na Gávea, seguimos para o Empório Pax, no Jockey Club. Depois de um almoço delicioso, assistimos até a uma corrida de cavalos. Para fechar um dia bem agradável, fizemos uma massa acompanhada por um vinhozinho francês.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: Fruta vermelha com leve nota de álcool em seu começo
Exame gustativo: Ganhei este vinho do Carlinhos no meu aniversário. Como não tinha nenhuma referência sobre ele, resolvemos abrir para provar. Um típico e agradável Bordeaux básico, vinho bem feito e fácil de se beber. Notas claras de frutas vermelhas em boca, taninos vivos e ficou melhor com uma temperatura um pouquinho mais baixa. Final um pouco curto onde também apareciam as frutas. Um bom vinho, despretencioso, mas que vai ser um vbom companheiro para um prato mais simples.

Sushi com espumante, combinação que sempre dá certo

Nome: Casa Valduga Reserva Blush
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 31
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: Setembro de 2013
Degustado em: 1º de abril de 2014
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Sushi
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Rosado claro e cristalino, perlage fino e constante. Aroma frutado lembrando frutas secas, brioche e um leve amanteigado. Elegante no paladar, com agradável frescor e cremosidade em boca.

Impressões da Rafaela
Seis meses depois do meu aniversário, chegamos à última garrada deste Casa Valduga Blush. Compramos uma dúzia para minha festa, mas acabou sobrando várias garrafas, o que nem foi tão mau assim. Como sempre fazemos quando queremos comer sushi, demos um pulinho ali no Matsuda, pedimos nossos sushis favoritos ao Inácio e voltamos para casa felizes com nossa encomenda. Chegando aqui, escolhemos este espumante que sempre agrada. Foi um jantarzinho perfeito.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nossa última garrafa de Blush foi perfeita para acompanhar nossos sushis. Nos últimos meses bebemos algumas garrafas do ótimo espumante rosé da Casa Valduga. Quem não conhece o Blush deve provar: um espumante muito bem feito, versátil e com um bom preço. E ainda vai bem com sushis.

3 de junho de 2014

Winebar Salton: Reserve Ouro, Intenso e Talento #winebar

Nome: Salton Reserve Ouro / Salton Intenso / Salton Talento
Safra: - / 2010 / 2009
País: Brasil
Região: Serra Gaúcha
Produtor: Vinícola Salton

Uvas/Corte: 70% Chardonnay, 20% Pinot Noir e 10% Riesling / Merlot / Cabernet Sauvignon, Merlot e Tannat
Teor alcoólico: 12,5% / 13,5% / 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos enviado pela Salton para participação no Winebar
Quando foi comprado: -
Degustado em: Final de março de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Diferentes pratos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Salton Reserve Ouro - Cor amarelo claro com grande quantidade de finas borbulhas com formação de espuma persistente. Aromas de pão torrado, fermento, nozes, amêndoas, flores e frutas cítricas. Na boca apresenta excelente acidez com grande cremosidade.
Salton Intenso - Cor roxo intenso com aromas maduros de ameixas e uvas passas, pimentão doce, caramelo, café, amora, tabaco, chocolate, carvalho e especiarias. Seu sabor é macio, aveludado e saboroso.
Salton Talento - Límpido com coloração roxo intenso, com aromas de frutas vermelhas, compotas de frutas, cogumelos, chocolate, cânfora e flores de acácia. Seu sabor é intenso com taninos macios que conferem boa estrutura.

Impressões da Rafaela
Tivemos a oportunidade de provar três vinhos da Salton durante o Winebar realizado no final de março. O Salton Talento já é nosso velho conhecido e gostamos muito. Tanto o espumante quanto o Salton Intenso foram duas boas surpresas.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Colocando os nossos posts em dia: no final de março, participamos de mais um Winebar, degustação on-line projeto dos amigos Alexandre Frias e Daniel Perches. Recebemos três garrafas para degustação. Um espumante feito pelo método Charmat, o Reserva Ouro, de novo rótulo, mais bonito, que valorizou a garrafa. Espumante leve, agradável, boa acidez, leves notas doces em seu final. Não é complexo, fácil de beber, a garrafa vai rápido. Provamos também mais um vinho da linha Intenso. Esta linha é um belo trabalho da Salton, um vinho muito bem feito, de boa qualidade e que é vendido por cerca de R$ 21 aqui no Rio. Já indiquei este vinho para mais de uma pessoa, belo preço para um bom e surpreendente vinho. Por último, provamos mais uma vez o Talento, que está completando 10 anos. Sempre consistente, bom corpo, boa fruta em boca. Sempre um bom vinho. Muito interessante ver a política de preços da vinícola e a qualidade dos produtos.

130 Brut - Casa Valduga

Nome: 130
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente nos presenteado pelo vinícola
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 15 de março de 2014
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Tortéi feito em casa com molho vermelho com frango
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Visão: Límpido e brilhante, de coloração dourada e fascinante perlage. Olfato: Bouquet elegante e intenso de frutas secas, amêndoas e um leve tostado. Paladar: Persistente e cremoso, de amplo e pleno sabor, harmônico.

Impressões da Rafaela
Ganhamos este espumante em nossa viagem ao Vale dos Vinhedos - graças à Érika Mesquita! Estávamos almoçando na Casa Valduga quando fomos abordados por simpáticos funcionários do marketing da vinícola, que gostariam de nos entregar um presente. Este realmente é um dos meus espumantes favoritos! Harmonizamos o 130 com uma receita que estávamos há tempos para fazer: tortéi. Agora que temos uma máquina para fazer massas, ficou tudo mais fácil. Ainda precisa de uns retoques, mas ficou muito bom para uma primeira vez. Repetiremos!

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Escolhemos o 130, espumante da Casa Valduga que gostamos bastante, para acompanhar uma receita que estávamos testando pela primeira vez. Já provamos e comentamos o 130 aqui diversas vezes. É um espumante que mantém um bom nível sempre, muito constante e muito bem feito. Quem nunca provou, vale conhecer. Funcionou bem com nosso tortéi, que ainda vai precisar de alguns ajustes, mas chegaremos lá.

2 de junho de 2014

Um belo jantar no Bazzar na companhia de Adolfo Lona e Alain Inglês

Nome: Orus / LAM / Castoro Cellars
Safra: 2012 / 2011 / 1998
País: Brasil / Africa do Sul / Estados Unidos
Região: -
Produtor: -
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay, Pinot Noir e Merlot / Pinotage / Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Bazzar, em Ipanema, Rio de Janeiro
Quando foi comprado: -
Degustado em: 14 de março de 2014
Onde bebeu: Restaurante Bazzar, em Ipanema, Rio de Janeiro
Harmonizado com: Ótimos pratos do restaurante
Com quem: Claudio, Adolfo Lona e Alain Inglês

Comentário do Produtor
-

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Sempre que o mestre Adolfo Lona vem ao Rio, ele avisa a mim e ao amigo Alain que está trazendo na bagagem garrafas do espumante Orus para bebermos juntos. Sempre conseguimos marcar um jantar para colocarmos a conversa em dia e beber bons vinhos. Desta vez não foi diferente. Adolfo Lona veio participar do Encontro de Vinhos e aproveitamos a oportunidade para marcar um jantar no ótimo restaurante Bazzar em Ipanema. Como de costume, levamos alguns vinhos. Primeiro degustamos o excelente Orus, espumante mais do que especial, que o Adolfo Lona produz cerca de 800 garrafas por safra. Já comentamos aqui no blog, é um dos melhores espumantes nacionais: grande complexidade, boa estrutura e acidez, potencial de envelhecimento. Realmente é um espumante único, que merece ser provado. Depois do Orus, partimos para um vinho natural sul-africano que havia ganhado do Daniel Perches. Sabia que era um vinho diferente e que faria sucesso com o Alain e o Lona. Realmente um vinho instigante. Um Pinotage com acidez elevada, notas peculiares de frutas, leve em boca, em alguns momentos lembrou um Pinot Noir, muita evolução na taça e personalidade. Cresceu muito com a comida. Não é um vinho fácil de se beber, mas muito interessante. Gostei. Para finalizar, um vinho californiano com 16 anos de vida, gentilmente levado pelo Alain. Um Cabernet já maduro e bastante envolvente. Mais uma vez foi um ótimo encontro. Que venham outros!

Noite aprazível com amigos blogueiros

Nome: Estrelas do Brasil /  Villa Francioni
Safra: - / 2012
País: Brasil
Região: Serra Gaúcha / Santa Catarina
Produtor: Estrelas do Brasil / Villa Francioni
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay, Viognier e Riesling Itálico/ Sauvignon Blanc
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Aprazível, em Santa Teresa, Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 12 de março de 2014
Degustado em:  12 de março de 2014
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Restaurante Aprazível, em Santa Teresa, Rio de Janeiro
Com quem: Claudio, Rafaela, Beto, Renata e Daniel

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela

O Encontro de Vinhos já se tornou uma tradição no calendário de eventos de vinho no Rio de Janeiro, o que me deixa bem feliz. Desta vez, o Dani conseguiu até dar uma passadinha aqui em casa. Fomos jantar no Aprazível, em Santa Tereza, lugar arejado, simpático e com ótimos pratos. Beto foi quem escolheu as bebidas. Eu já havia provado este espumante e novamente achei que ele não é para mim, forte demais para o meu gosto (forte = amargo). Já o vinho da Villa Francioni desce mais harmonioso.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual:
Exame olfativo:
Exame gustativo: Os amigos blgueiros Daniel Perches e Beto Duarte chegaram ao Rio para mais uma edição do Encontro de Vinhos no Rio de Janeiro. O Encontro de Vinhos é um evento organizado pela dupla reunindo diversos importadores e produtores de vinhos. O evento tem cinco edições durante o ano. Certamente uma das mais animadas é a do Rio, sempre um sucesso de público. O evento já faz parte do calendário dos eventos de vinho mais importantes da cidade. Beto e Daniel chegaram na véspera do evento. Combinamos de ir ao agradável restaurante Aprazível em Santa Tereza. Para quem não conhece, o Aprazível tem uma excelente carta de vinhos com foco em vinhos brasileiros de pequenos produtores. Assim o Beto escolheu dois vinhos interessantes, o primeiro foi o espumante Estrelas do Brasil Brut, um espumante de boa complexidade, estrutura e corpo, com leves notas oxidadas. Um espumante de personalidade e bem interessante, que funciona bem com comida. O segundo vinho da noite foi o ótimo Vila Francioni Sauvignon Blanc, um exemplar com boa tipicidade, boa acidez e complexidade. Um vinho branco brasileiro que merece ser provado. Foi uma noite bem agradável, bem aprazível. Quem também estava no restaurante era o cantor Jack Jonhson.

1 de junho de 2014

Berço do Infante 2009, um vinho português fácil de beber

Nome: Berço do Infante
Safra: 2009
País: Portugal
Região: Estremadura
Produtor: Martim Joannes Gradil
Importador: -

Uvas/Corte: Aragonez e Castelão
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Gentilmente presenteado pelo Mario
Degustado em:  8 de março de 2014
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela

Vinho bem feito, não muito complexo, foi muito bem com nossa pizza. Hoje acordei bem cedo para terminar um frila - uma tradução de verbetes de futebol do alemão para o português. Talvez fosse mais fácil se eu entendesse de futebol. Bom, mas deu tudo certo e ao meio-dia o trabalho estava concluído. À tarde fizemos compras, fomos novamente ao peruano (Lima) e Claudio dez a massa das pizzas que comeríamos hoje à noite. Ficaram muito boas. O vinho foi um bom companheiro.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual:
Exame olfativo: Nariz bem frutado, apareceu leve nota de álcool.
Exame gustativo: Para acompanhar a nossa pizza, escolhemos este vinho português, presente do meu amigo Mario. Um vinho da região da Estremadura, bem feito, jovem, com muita fruta presente, um vinho português bem típico. Vinho fácil de se beber, sem complicações, boa fruta e sem excessos, um bom vinho para o seu dia-a-dia. Foi bem com a nossa pizza.