31 de março de 2014

Muitos vinhos no encontro com Adolfo Lona na Confraria Carioca


Encontro ocorrido na Confraria Carioca na companhia de Adolfo Lona, Alain Ingles, Pedro Hermeto, Duda Zagari e Claudio no dia 13 de janeiro. 
Todas as vezes que o mestre Adolfo Lona vem ao Rio, marcamos um encontro que sempre é acompanhado por um bom papo, bons vinhos e espumantes. Desta vez, o Duda nos recebeu na ótima Confraria Carioca, loja de vinhos e winebar que fica no shopping Casa & Gourmet de Botafogo. Foi uma noite mais do que agradável entre alguns bons vinhos degustados. Provamos diversos vinhos: espumantes do Adolfo Lona, um riesling da Alsácia, o Kuentz-Bas, um ótimo branco italiano, o I Frati - Cá dei Frati, passamos para um vinho branco da Borgonha, o Saint-Aubin do Hubert Lamy e um Champagne R. Pouillon. Mas a grande estrela da noite ficou para o final: um vinho da região de Juraçon, sudoeste da França, o memorável Les Jardins de Babylone safra 2007, do grande produtor Didier Dagueneau. Um vinho de uma complexidade incrível, de extrema qualidade e já candidato a um dos melhores vinhos degustados no ano. Quem nunca provou este vinho, vale a experiência. Um grande final para uma noite muito agradável.

24 de março de 2014

Almoço no peruano Lima com um Cour-Cheverny

Nome: Domaine de Montcy
Safra: 2008
País: França
Região: Cour-Cheverny
Produtor: Domaine de Montcy
Importador: -

Uvas/Corte: Romorantin
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo Duda Zagari
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 12 de janeiro de 2014
Onde Bebeu: Lima, em Botafogo
Harmonizado com: Comidas peruanas saborosas, cebiches
Com quem: Claudio, Rafaela, Rômulo Lobo, Duda e namorada, Deco, Fábio, Gabí (com Bento na barriga) e Camila

Comentário do Produtor
AOC Cour Cheverny, des vins blancs produits à partir d'un cépage ancien, unique et très rare, le Romorantin. Ce dernier existe uniquement dans cette appellation et dans cette région de France et permet de produire des vins blancs secs ou moelleux très riches ayant un potentiel de garde supérieur à 10 ans.

Impressões da Rafaela
Fazia meses que o Claudio estava querendo ir conhecer o Lima, restobar aberto há um ano em Botafogo. Não deveríamos ter esperado tanto. A comida é maravilhosa. Mesmo eu que não gosto de peixe cru - e os cebiches são o carro-chefe ali -, adorei tudo que já provei, inclusive o pisco sour de morango. Foi um almoço animado, especialmente pelo bom humor do Rômulo Lobo, autor do blog Goles e Dicas, que conhecemos naquele dia. Foi um começo de tarde animado, especialmente o final quando tive um ataque de riso ao descobrir que a querida Gabí havia passado o almoço inteiro sentada em cima de uma bandeja sem reclamar. Quando o Deco voltou ao Rio no carnaval, fomos lá de novo.



Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O amigo e blogueiro Deco Rossi veio passar o final de semana no Rio e, antes de voltar para São Paulo, marcou um almoço no restaurante peruano Lima. Deco convidou algumas pessoas e, assim, se formou um divertido almoço de domingo. O Duda gentilmente levou esta garrafa de um vinho branco feito de uma uva que eu não conhecia, a Romorantin. Boa surpresa este vinho do Loire, já com 6 anos de vida: boa acidez, notas minerais e bastante agradável em boca. Foi bem com o ceviche do ótimo Lima. Neste almoço, tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o Rômulo autor do blog Goles e Dicas.

23 de março de 2014

Tem suco no blog: 23 - Ecocitrus


Suco de uva integral Ecocitrus
Suco de uva tinto integral (sem adição de açúcar, sem conservantes, não contém glúten)
Ecocitrus, Montenegro/RS
Supermercado Guanabara
120kcal em cada 200ml

Cor intensa, roxa, bem fechada.
Sem uma doçura que chame a atenção. Ideal para quem não suporta suco de uva muito doce. Destaca-se mesmo é o gosto da uva. Pareceu-nos bastante rústico. Gostamos muito.
Recomendamos.

11 de março de 2014

Empanadas cariocas preparadas para um amigo argentino

Nome: Orus
Safra: 2013
País: Brasil
Região: Garibaldi
Produtor: Adolfo Lona
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay, pinot noir
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos oferecido pelo casal Lona
Quando foi comprado: -
Degustado em: 10 de janeiro de 2014
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Empanadas caseiras
Com quem: Claudio, Rafaela, Adolfo, Silvia, Deco, Camila e Alain

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
O Claudio tem uma ideias esquisitas às vezes. Onde já se viu se oferecer para fazer empanadas justamente para um casal de argentinos? Argentinos de Mendoza ainda por cima. Com uma receita que já havíamos feito anos atrás, passamos sete horas na cozinha produzindo pouco mais de 100 empanadas. Inicialmente, seríamos seis, mas lá pelo meio da semana descobrimos que o Deco viria ao Rio e também participaria da pequena reunião. No final, acabou dando tudo certo. Para o meu gosto, as empanadas ficaram boas e combinaram muito bem com o Orus trazido pelo seu Adolfo Lona. O espumante também foi muito bem com a saladinha caprese que preparamos. Ficamos muito felizes por receber pessoas que gostamos tanto. Que venham outros encontros!


Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Quando ficamos sabendo que o nosso amigo Adolfo Lona viria ao Rio, o convidamos para vir aqui em casa comer algumas empanadas que iríamos preparar.  Dito e feito, convidamos um argentino para provar empanadas cariocas. E para acompanhar as empanadas o Adolfo nos trouxe um dos melhores espumantes feito em nosso país, o Orus. Além do Orus, bebemos também outros espumantes feitos pelo próprio Adolfo. Os amigos Deco Rossi e Alain Ingles também vieram provar as empanadas. Abrimos o vinho tinto feito pelo Deco em parceria com a Susana Balbo. O Alain trouxe outras garrafas de vinhos franceses para provarmos além de um excelente Champagne, o Les Beaudiers - Lahert Freres, muito peculiar e complexo, um rosé feito de Pinot Meunier de vinhas velhas. Um Champagne que vale provar. Foi uma noite divertida e agradável. Acho que o Adolfo Lona gostou das nossas empanadas... não estavam nota 10, mas acho que foram aprovadas. E o Orus, como sempre, incrível!

Monte do Pintor - 2009 / Casa Silva Coléccion

Nome: Monte do Pintor / Casa Silva Coléccion
Safra: 2009 / 2011
País: Portugal / Chile
Região: Alentejo / Angostura
Produtor: Sociedade Agrícola da Sossega / Casa Silva
Importador: - / Vinhos do Mundo

Uvas/Corte: Aragonês, trincadeira e castelão / Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 14.5% / 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: em torno de R$ 70 cada um
Onde foi comprado: Alessandro e Frederico, em Ipanema
Quando foi comprado: 11 de janeiro de 2014
Degustado em: 11 de janeiro de 2014
Onde Bebeu: Alessandro e Frederico, em Ipanema
Harmonizado com: Empanadas caseiras
Com quem: Claudio, Rafaela, Miguel, Paula, Marcelo, Carol, Lucas, Ricardo, Raquel, Tito, Mario, Ana, Maria Claudia e Carlinhos

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Se tem algo que é certo todos os anos, isto é a comemoração do aniversário do Miguel. Ainda bem, pois é uma das oportunidades cada vez mais raras de encontrarmos todos os amigos de faculdade do Claudio. Antes era mais fácil, mas as agendas têm ficado cada vez mais cheias e complicadas. Nos últimos anos, os encontros estão cada vez mais difíceis de serem marcados, o que eu lamento muito. Talvez a vida seja assim mesmo. Uma pena. Este encontro estava bem animado, uma mesa grande, comidas saborosas. Eu não me lembrava da pizza do Alessandro e Frederico ser tão boa, mas estava especial nesta noite. Ingredientes de qualidade, realmente muito gostosa. Os vinhos foram bebidos somente por mim, Miguel e Marcelo. Maria Claudia depois tomou uma tacinha. Harmonizaram muito bem com o clima da noite e com as comidas. Tomara que saiam outros encontros ao longo do ano.

10 de março de 2014

Primogénito 2009, um Pinot Noir da Patagônia

Nome: Primogénito
Safra: 2009
País: Argentina
Região: Patagônia
Produtor: Bodega Pattriati
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot noir 100%
Teor alcoólico: 13,9%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: US$ 19,50 
Onde foi comprado: Free Shop em Buenos Aires
Quando foi comprado: Dezembro de 2012
Degustado em: 4 de janeiro de 2014
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa com molho de tomates caseiro
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color rojo rubí, brillante, con tonos suaves y atractivos. Una elegante nariz con notas florales como violetas y fruta fresca como cerezas y guindas. Las notas tostadas y la vainilla aportadas por su crianza en roble, están muy bien integradas. Vino balanceado con taninos amables, buena estructura y larga persistencia.

Impressões da Rafaela
Nesses dias de sensação térmica beirando os 50ºC, percebe-se ainda mais a importância de o vinho ser servido na temperatura certa. Este vinho estava guardado fora da adega, apresentando uma temperatura bem alta. Melhorou consideravelmente depois que o resfriamos. De qualquer forma, ao bebê-lo, fiquei me perguntando por que alguns vinhos são tão sem graça. Este é um vinho correto, não tem nada de errado, mas também nada que desperte interesse. Há vinhos que são agradáveis justamente por não brigar com a comida, por acompanharem a refeição sem sobressaltos. Este, porém, é tão apagado, que você se questiona do porquê de o estar ingerindo. É para ser bebido realmente sem compromisso. Neste dia fizemos um passeio pela Barra da Tijuca em busca de móveis novos para nossa varanda. Infelizmente ainda não encontramos as cadeiras de nossos sonhos.  

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: 
Exame olfativo:
Exame gustativo: Comprei este vinho no freeshop do aeroporto de Buenos Aires quando estivemos por lá em 2012. Escolhi esta garrafa pelo simples fato de não conhecer este produtor. Um Pinot bem ao estilo novo mundo. As primeiras notas em boca mostram um vinho de boa intensidade com notas que lembram tabaco e algo tostado. Depois de um início promissor, com o tempo em taça. o vinho mudou, e surgiu um amargor no final de boca. Sem final é curto e foi perdendo a intensidade com o tempo. Não é um vinho ruim, mas ficou devendo dizer a que veio.

9 de março de 2014

Herdade do Esporão V - Verdelho 2012, nosso presente do amigo-secreto da Wine

Nome: V
Safra: 2012
País: Portugal
Região: Alentejo
Produtor: Herdade do Esporão
Importador: -

Uvas/Corte: Verdelho
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Amigo-oculto da Wine.com.br
Quando foi comprado: -
Degustado em: 31 de dezembro de 2013
Onde Bebeu: Casa de Regina Helena
Harmonizado com: Ceia de Ano Novo
Com quem: Claudio, Rafaela, Luci, Regina Helena, Mauro e Marcela

Comentário do Produtor

Colour: Crystal clear, pale straw with green hues.Aroma: Vibrant grassy aroma with tropical and citric fruit notes of lime and grapefruit.Palate: The palate is fresh and elegant with mineral notes and a clean acid finish which is long and persistent.

Impressões da Rafaela
Escolhemos este vinho para o último jantar do ano e ele foi muito bem com os pratos preparados pela mãe do Claudio. É um vinho descomplicado, gostoso. Foi uma ótima escolha do Alexandre e da Vanessa que nos enviaram este vinho e mais outro como presente no amigo-secreto realizado pela Wine.com.br. Achamos a ideia muito interessante e ficamos muito felizes com os nossos presentes. 

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: No final do ano passado, a Wine, loja virual de vinhos, fez uma ação promocional muito bacana, um amigo-secreto entre blogueiros de vinho. Eles selecionaram alguns blogs, fizeram um sorteio e disponibilizaram um valor em compras no site. Você selecionava o vinho ou vinhos e eles faziam a entrega do presente. Quem nos tirou no amigo-secreto foi o blog Diário de Baco, dos amigos Alexandre e Vanessa. Recebemos dois vinhos e um deles foi este branco português, que abrimos na noite do dia 31 de dezembro. Nunca tinha provado este vinho da Herdade do Esporão, tradicional vinícola portuguesa. Um vinho branco de bom corpo e certa estrutura, acidez presente que deixava o conjunto muito interessante e acompanhou bem o jantar. Um vinho agradável de bom final. Gostei.

7 de março de 2014

Novidade dos Campos de Cima da Serra: Família Lemos de Almeida Pinot Noir 2012

Nome: Família Lemos de Almeida
Safra: 2012
País: Brasil
Região: Muitos Capões, nos Campos de Cima da Serra
Produtor: Vinícola Fazenda Santa Rita
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 13,3%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Presenteado por Luci ao Claudio
Onde foi comprado: Loja da vinícola em Vacaria/RS
Quando foi comprado: -
Degustado em:  27 de dezembro de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio, Rafaela e Luci

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela

Depois do ótimo Aracuri que provamos dias atrás, mais um bom vinho da minha região no Rio Grande do Sul. Este vinho foi trazido pela mãe para o Claudio. Ela ficou muito animada quando ouviu a propaganda no rádio, pois seria um presente diferente - ainda mais que já provamos quase tudo que é feito na região. O vinho apresenta aromas que remetem à cereja. É bastante leve, mas tem sabor marcante. Nesta noite, combinamos o vinho com pizzas feitas pelo Claudio. As pizzas estavam ótimas, especialmente porque Claudio usou uma nova farinha, 00, com moagem mais fina. Neste dia, a mãe e eu visitamos o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar. Um dia cheio que terminou muito bem com as pizzas caseiras e o vinho de Muitos Capões. 

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: Leve grená
Exame olfativo: Notas de embutido com alguma fruta.
Exame gustativo: Quem nos acompanha aqui no blog, sabe que sempre ficamos de olho nos vinhos que vêm sendo produzidos na região dos Campos de Cima da Serra, terra da Rafaela. Comentamos aqui o surgimento de alguns produtores, como Aracuri e Sozo. Mais uma vez, em primeira mão, provamos um vinho de um novo produtor daquela área, a Vinícola Fazenda Santa Rita. Provamos este pinot noir, que é um dos vinhos top da vinícola. Esta foi a primeira safra vinificada na vinícola Viapiana, em Flores da Cunha. O vinho foi uma boa surpresa, especialmente por ser a primeira vinificação. A uva mostrou boas qualidades. Em boca, fruta firme, boa intensidade, notas de cereja e de embutidos/defumados. O vinho passou por barricas francesas por 12 meses. A madeira se mostrou um pouco desintegrada. Comprei uma outra garrafa para ver sua evolução. Acredito que deva crescer, e a madeira ficar mais integrada ao conjunto. É um pinot que vai dar o que falar daqui a alguns anos, pois me pareceu uma boa matéria-prima. Falta agora descobrir os detalhes da vinificação, coisa que só o tempo vai dizer. Provamos todos os outros vinhos desta vinícola (seis diferentes rótulos) e, em breve, postaremos nossos comentários. Bom começo.
Nota: -

6 de março de 2014

Os vinhos do almoço de Natal

Nome: Casa Silva Collection / Santa Cristina
Safra: 2013 / 2012
País: Chile / Itália
Região: Vale de Colchágua / Toscana
Produtor: Casa Silva / Antinori
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay / Sangiovese 60% e Merlot 40%
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Oferecidos pela Claudine
Quando foi comprado: -
Degustado em: 25 de dezembro de 2013
Onde Bebeu: Casa de Regina Helena
Harmonizado com: Comidas natalinas
Com quem: Claudio, Rafaela, Luci, Regina Helena, Mauro, Marcela, Claudine, Roberto, Sonia, Renato, Lurdinha e Luis Fernando

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Passamos a noite de Natal na casa do Mauro e da Marcela e o almoço ficou marcado na casa da mãe do Claudio. A comida estava ótima como sempre. Como não bebi na noite anterior, resolvi provar o vinho branco no almoço. Ele foi bem com as pastinhas de entrada e depois com os pratos especiais preparados para o almoço. Depois da comilança, fomos dar uma caminhada por Copacabana com a mãe antes de voltarmos para casa. O clima estava ótimo. 


Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Colocando as postagens em dia aqui no blog, dois vinhos que bebemos no almoço de Natal, vinhos que foram escolhidos pela Claudine. Começamos com um chardonnay da tradicional vinícola chilena Casa Silva. Na verdade provamos duas safras diferentes deste mesmo vinho. Foi bem com o calor do dia, com notas amanteigadas e leve doçura. Um chardonnay que vai agradar. Na sequência, passamos para um tinto básico dos Antinori, o Santa Cristina. Vinho fácil de se achar e de se beber. Bem feito, notas frutadas presentes, um vinho jovem e versátil, combina com diversas comidas. Foi um ótimo almoço de Natal.