17 de julho de 2014

Para comemorar: Taittinger, o champagne oficial da Copa

O Brasil ainda estava prestes a disputar a segunda partida da Copa do Mundo quando fomos convidados para conhecer a Casa Taittinger Rio de Janeiro, instalada em uma ampla e bonita residência na Gávea. Claudio foi um dos primeiros a chegar e pode trocar algumas palavras com o simpático Clovis Taittinger, diretor de exportação da Casa Taittinger, que veio ao Brasil para divulgar o champagne oficial da Copa.

O encontro foi bem internacional, pois além de Clovis, estava presente a Master of Wine e crítica finlandesa especializada em Champagnes Essi Avelan, que conduziu a apresentação dos incríveis Champagnes Taittinger.

Como bem falou o Clovis, Champagne é a bebida oficial dos grandes eventos. A Taittinger viu que a Copa no Brasil seria uma bela oportunidade de tornar a marca ainda mais forte mundialmente e mais presente no país, que tem o clima (festivo e de temperatura) perfeito para se beber um bom Champagne.
Neste encontro, um dos primeiros da Casa Taittinger Rio, reservado a um pequeno grupo de jornalistas e blogueiros, foram apresentados os quatro champagnes produzidos pela família Taittinger na região próxima à cidade de Reims, na França.
Fomos recepcionados, literalmente, em volta da piscina, com o Champagne oficial da Copa, uma tiragem com rótulo especial contendo efeitos de holografia com bolas de futebol. Este Champagne é o mesmo Brut Reserve que encontramos com o rótulo tradicional. Um excelente produto que pode ser comprado nas lojas aqui do Rio de Janeiro por cerca de R$ 200-250.
Na sequência, partimos para a apresentação do Clovis e da Essi. Neste momento, provamos os Champagnes guardados em garrafas Magnum. Esta foi uma dica valiosa da crítica finlandesa: todos os Champagnes em garrafas de 1,5 litros ganham em complexidade e envelhecem melhor. Ao provar o Brut Reserve, que é feito a partir de um blend de cerca de 35 vinhos-base diferentes, vindos de vinhedos diferentes (os enólogos demoram cerca de três meses no processo de decisão do blend perfeito), pudemos comprovar isto. A grande complexidade dos Champagnes em geral vem exatamente deste blend aliada a um bom envelhecimento nas garrafas. O Brut Reserve é feito com um corte de cerca de 40% de Chardonnay e o restante de Pinot Noir e Pinot Meunier.
Provamos ainda mais três opções incríveis. 
O Taittinger Prestige Rosé, de bela cor e paladar complexo e envolvente, boa acidez, vivo e elegante. Um belo rosé. 
Partimos então para provar dois safrados. Primeiro o Taittinger Comtes de Champagne Blanc de Blancs 2005, feito somente de Chardonnay e em safras especiais. Champagne incrível, de muita complexidade, boa estrutura, muito cremoso em boca e uma elegância única arredondando todo o conjunto. Excelente acidez e notas minerais o deixam ainda mais rico. Com nove anos de vida, está perfeito para se beber agora, mas também tem potencial para envelhecer. Realmente marcante. Foi o meu preferido. 
Por último, o Taittinger Comtes de Champagne Rosé 2005, feito com 70% de Pinot Noir, que apresenta todas as qualidades do Blanc de Blancs, mas com um aporte maior de corpo e notas frutadas em boca. Achei que este ainda poderia crescer mais na garrafa, com um potencial de guarda maior. Outra belíssima bebida. Dois espumantes que te deixam com aquela vontade de provar novamente.
Foi uma manhã/tarde muito agradável, pela simpatia dos nossos anfitriões e pela bela organização do espaço e do evento. Realmente um gol de placa da Taittinger. 
A Copa do Mundo terminou, mas tenho certeza que você vai encontrar motivos para celebrar e beber belos Champagnes como estes feitos pela Taittanger.

Nenhum comentário: