10 de março de 2014

Primogénito 2009, um Pinot Noir da Patagônia

Nome: Primogénito
Safra: 2009
País: Argentina
Região: Patagônia
Produtor: Bodega Pattriati
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot noir 100%
Teor alcoólico: 13,9%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: US$ 19,50 
Onde foi comprado: Free Shop em Buenos Aires
Quando foi comprado: Dezembro de 2012
Degustado em: 4 de janeiro de 2014
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa com molho de tomates caseiro
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color rojo rubí, brillante, con tonos suaves y atractivos. Una elegante nariz con notas florales como violetas y fruta fresca como cerezas y guindas. Las notas tostadas y la vainilla aportadas por su crianza en roble, están muy bien integradas. Vino balanceado con taninos amables, buena estructura y larga persistencia.

Impressões da Rafaela
Nesses dias de sensação térmica beirando os 50ºC, percebe-se ainda mais a importância de o vinho ser servido na temperatura certa. Este vinho estava guardado fora da adega, apresentando uma temperatura bem alta. Melhorou consideravelmente depois que o resfriamos. De qualquer forma, ao bebê-lo, fiquei me perguntando por que alguns vinhos são tão sem graça. Este é um vinho correto, não tem nada de errado, mas também nada que desperte interesse. Há vinhos que são agradáveis justamente por não brigar com a comida, por acompanharem a refeição sem sobressaltos. Este, porém, é tão apagado, que você se questiona do porquê de o estar ingerindo. É para ser bebido realmente sem compromisso. Neste dia fizemos um passeio pela Barra da Tijuca em busca de móveis novos para nossa varanda. Infelizmente ainda não encontramos as cadeiras de nossos sonhos.  

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: 
Exame olfativo:
Exame gustativo: Comprei este vinho no freeshop do aeroporto de Buenos Aires quando estivemos por lá em 2012. Escolhi esta garrafa pelo simples fato de não conhecer este produtor. Um Pinot bem ao estilo novo mundo. As primeiras notas em boca mostram um vinho de boa intensidade com notas que lembram tabaco e algo tostado. Depois de um início promissor, com o tempo em taça. o vinho mudou, e surgiu um amargor no final de boca. Sem final é curto e foi perdendo a intensidade com o tempo. Não é um vinho ruim, mas ficou devendo dizer a que veio.

Nenhum comentário: