7 de março de 2014

Novidade dos Campos de Cima da Serra: Família Lemos de Almeida Pinot Noir 2012

Nome: Família Lemos de Almeida
Safra: 2012
País: Brasil
Região: Muitos Capões, nos Campos de Cima da Serra
Produtor: Vinícola Fazenda Santa Rita
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 13,3%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Presenteado por Luci ao Claudio
Onde foi comprado: Loja da vinícola em Vacaria/RS
Quando foi comprado: -
Degustado em:  27 de dezembro de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio, Rafaela e Luci

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela

Depois do ótimo Aracuri que provamos dias atrás, mais um bom vinho da minha região no Rio Grande do Sul. Este vinho foi trazido pela mãe para o Claudio. Ela ficou muito animada quando ouviu a propaganda no rádio, pois seria um presente diferente - ainda mais que já provamos quase tudo que é feito na região. O vinho apresenta aromas que remetem à cereja. É bastante leve, mas tem sabor marcante. Nesta noite, combinamos o vinho com pizzas feitas pelo Claudio. As pizzas estavam ótimas, especialmente porque Claudio usou uma nova farinha, 00, com moagem mais fina. Neste dia, a mãe e eu visitamos o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar. Um dia cheio que terminou muito bem com as pizzas caseiras e o vinho de Muitos Capões. 

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: Leve grená
Exame olfativo: Notas de embutido com alguma fruta.
Exame gustativo: Quem nos acompanha aqui no blog, sabe que sempre ficamos de olho nos vinhos que vêm sendo produzidos na região dos Campos de Cima da Serra, terra da Rafaela. Comentamos aqui o surgimento de alguns produtores, como Aracuri e Sozo. Mais uma vez, em primeira mão, provamos um vinho de um novo produtor daquela área, a Vinícola Fazenda Santa Rita. Provamos este pinot noir, que é um dos vinhos top da vinícola. Esta foi a primeira safra vinificada na vinícola Viapiana, em Flores da Cunha. O vinho foi uma boa surpresa, especialmente por ser a primeira vinificação. A uva mostrou boas qualidades. Em boca, fruta firme, boa intensidade, notas de cereja e de embutidos/defumados. O vinho passou por barricas francesas por 12 meses. A madeira se mostrou um pouco desintegrada. Comprei uma outra garrafa para ver sua evolução. Acredito que deva crescer, e a madeira ficar mais integrada ao conjunto. É um pinot que vai dar o que falar daqui a alguns anos, pois me pareceu uma boa matéria-prima. Falta agora descobrir os detalhes da vinificação, coisa que só o tempo vai dizer. Provamos todos os outros vinhos desta vinícola (seis diferentes rótulos) e, em breve, postaremos nossos comentários. Bom começo.
Nota: -

Nenhum comentário: