31 de outubro de 2013

Abrimos um Aglianico del Vulture - Feudo Monaci 2007 para acompanhar o Winebar com azeites uruguaios

Nome: Aglianico del Vulture
Safra: 2007
País: Itália
Região: Puglia
Produtor: Castello Monaci
Importador: -

Uvas/Corte: Aglianico
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: www.wine.com.br
Quando foi comprado: -
Degustado em: 16 de setembro de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pães e azeites + comida árabe
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Vinho bom, mas sem ser surpreendente. O Winebar sobre os azeites Colinas de Garzón acabou dando vontade de abrir um vinho. Foi bem com a comida árabe que o Claudio trouxe da casa da mãe dele.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: Grená translúcido.
Exame olfativo: Uma mistura leve de algo como caramelo, chocolate e pimentas pretas.
Exame gustativo: Desta vez o Winwbar promoveu uma degustação diferente: azeites uruguaios. Recebemos uma garrafa do ótimo azeite Colinas de Garzon - Arbequina Coratina. Fui muito interessante aprender um pouco sobre azeites. Não temos parâmetros para analisar azeites, mas posso garantir que é muito saboroso. Recomendo. Para acompanhar o jantar desta noite resolvemos abrir esta meia garrafa. Um vinho italiano que pode ser uma boa opção para quem procura um vinho com boa fruta, leves notas doces no final de boca, boa acidez e fácil de se beber. Vinho com notas mais de novo mundo que vai agradar a um público variado.
Nota: -

Tem suco no blog: 13 - Garibaldi e os benefícios do suco de uva para saúde

Suco de uva integral Garibaldi
Suco de uva tinto integral (sem conservantes, sem adição de açúcar, 100% natural)
Cooperativa Vinícola Garibaldi, Garibaldi/RS
500ml, R$ 5,50 (gentilmente oferecido durante visita à vinícola) -  300ml, R$ 4 / 1l, R$ 8 e 1,5l, R$ 10
Uvas bordô, isabel e concord
130kcal em cada 200ml

No último final de semana, fui convidado pela Cooperativa Vinícola Garibaldi para passar o fim de semana na Serra Gaúcha. A programação começou com uma interessante palestra da simpática bio-médica e pesquisadora Dra. Caroline Dani sobre os benefícios do consumo regular de suco de uva para nossa saúde. Durante a palestra, provamos um dos sucos da linha da vinícola.

Mais um bom suco gaúcho que provamos, densidade média, doçura equilibrada, não é um suco dos mais concentrados, mas tem uma boa intensidade em boca. Final sem amargor, boa acidez, paladar muito agradável. Notei que no rótulo indicava o uso de conservantes neste suco. Durante a visita às instalações da vinícola, o enólogo Gabriel Carissimi nos explicou todo o moderno sistema de fabricação do suco. Através do processo de termo maceração, as uvas são aquecidas e na sequência encaminhadas para uma câmera de vácuo em que, pela diferença de pressão e temperatura, todos os aromas são extraídos e preservados. No momento do envase, este aroma natural é novamente colocado no suco, preservando assim as características de um suco feito de uma uva recém-colhida. Como boa parte do suco não é engarrafada na hora, ela fica depositada em grandes pipas de aço e é neste momento que são adicionados os conservantes. A Garibaldi possui um equipamento que praticamente extrai todo o conservante do suco pouco antes dele ser engarrafado. Assim, nesta linha de sucos as quantidades de conservantes presentes no suco engarrafado é praticamente nula, mas como no processo o conservante foi usado, pela legislação é obrigatório constar do rótulo.
Vendo de perto os equipamentos, ouvindo toda a explicação do enólogo, você percebe todo o cuidado e a preocupação com que os sucos da Garibaldi são feitos. Durante nossa visita, participei também de uma prova às cegas de diversos tipos de suco.  Tínhamos que descobrir que tipo de suco estávamos provando (integral, natural, orgânico, reconstituído, adoçado e brancos). Meu desempenho no teste foi ruim, consegui apenas identificar o natural e o orgânico. Por falar nisto, trouxe uma garrafa do orgânico, a qual provaremos com calma e colocaremos nossas impressões aqui no blog, mas já posso adiantar que é um suco de altíssimo nível.

Voltando à palestra da Dra. Caroline, ela nos mostrou diversas pesquisas que já foram feitas e estão em desenvolvimento nas quais diversos benefícios do consumo regular do suco são apontadas. Entre eles, estão a grande capacidade antioxidante, proteção ao fígado, proteção à memória, melhora da circulação sanguínea, prevenção ao aumento de gordura abdominal, proteção ao nosso DNA entre outros benefícios. O consumo de cerca de 400 ml diários de suco vai trazer enormes benefícios para sua saúde. Se eu já acreditava que o suco de uva era benéfico para a saúde, depois de ouvir a palestra da Dra. Caroline, saí convencido que temos que beber diariamente um bom suco de uva (o que não será nenhum sacrifício). Recomendo.

30 de outubro de 2013

Sushi com espumante? Dunamis Ar - Brut

Nome: Dunamis
Safra: -
País: Brasil
Região: Serra Gaúcha
Produtor: Dunamis
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 11,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos presenteado pela Dunamis
Quando foi comprado: -
Degustado em: 13 de setembro de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Sushi do Matsuda
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Possui cor amarelo claro. Boa espuma. Bolhas de tamanho pequeno e persistentes. No aroma lembra maçã, pera, aniz, lavanda, floral. No paladar apresenta acidez equilibrada, corpo intenso e boa persistência.

Impressões da Rafaela
Depois de uma boa orientação - acho que a primeira em muito tempo -, retornei para casa, fiz algumas coisinhas e quando chegou a hora do jantar decidimos dar um pulo ali no Matsuda para comprar uns sushis. O sushiman é supersimpático. Várias vezes fizemos isso de ir pegar uns sushis para comer em casa. Quando voltamos, abrimos este espumante que ganhamos da Dunamis já faz algum tempo. Eu gostei bastante, achei muito saboroso. Trata-se de um espumante docinho na medida certa, perfeito para o meu paladar. Apesar de ser brut, ele não tem aquele amargor clássico dos bruts. E ainda tem a vantagem de não ser enjoativo como os espumantes declaradamente doces, feitos normalmente à base de moscatel. Repetiria fácil!

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: Boa perlage.
Exame olfativo:
Exame gustativo: Compramos uns sushis para levar para casa e resolvemos abrir um espumante para acompanhar. Abrimos o Dunamis, espumante que já tinha provado em outra oportunidade. É um espumante bem feito, leve e versátil, fácil de se beber e de agradar. Feito pelo método Charmat, ele tem boa acidez e algumas notas levemente adocicadas em boca. Foi bem com nosso sushi e deve ir bem com comidas leves e aperitivos. Uma boa opção.
Nota: -

27 de outubro de 2013

Dunamis - Cabernet Franc 2012

Nome: Dunamis
Safra: 2012
País: Brasil
Região: Campanha
Produtor: Dunamis
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Franc 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos presenteado pelo Dunamis
Quando foi comprado: -
Degustado em: 5 de setembro de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizza do Zona Sul
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Cor granate típico, aromas de alecrim, com leve baunilha. Em boca é elegante, redondo, lembrando frutas vermelhas, chocolate branco, e outros lácteos. Excelente retrogosto.

Impressões da Rafaela
Saímos de casa decididos a comer uma pizza no Zona Sul - aqui no Rio praticamente todas as filiais desse supermercado têm uma pizzaria. Quando chegamos lá, sugeri ao Claudio que pegássemos as pizzas e voltássemos para casa para abrirmos um vinho. Estamos com uma boa reserva em casa e seria um desperdício beber um vinho no supermercado. Escolhemos este Dunamis por ter uma graduação alcoólica não tão alta. Achei que é um vinho bom, mas não muito fácil de ser bebido. À medida que você vai bebendo, vai gostando, mas não é daqueles vinho que você já aprecia desde o primeiro gole. Acho que é para ser bebido prestando atenção.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Marcante como toda a linha.
Exame visual: Rubi vivo
Exame olfativo: Nariz muito típico da cepa e com boa intensidade. Uma mistura de notas vegetais com alguma especiaria e chocolate.
Exame gustativo: Para acompanhar nossa pizza, resolvemos abrir este Cabernet Franc da Dunamis para provar. Esta é uma cepa que gosto muito, tem características bem peculiares que dão personalidade aos vinhos. Esta linha da Dunamis tem por objetivo criar vinhos descomplicados. Esta mistura de uma cepa com personalidade e a vontade de fazer vinhos descontraídos resultou em um tinto bem interessante. Em boca uma mistura de notas de vegetais com algo de café, mostrando boa tipicidade. Evoluiu bem na taça, abrindo para notas mais frutadas. Vinho equilibrado, com álcool comportado, foi bem com a pizza. Quem gosta das características da Cabernet Franc, certamente vai gostar deste vinho.

24 de outubro de 2013

Dunamis - Pinot Grigio 2012

Nome: Dunamis
Safra: 2012
País: Brasil
Região: Dom Pedrito
Produtor: Dunamis
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Grigio 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos presenteado pelo Dunamis
Quando foi comprado: -
Degustado em: 3 de setembro de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Orienthai
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Leve intensidade de cor com tonalidades esverdeadas. Aromas de frutas cítricas e tropicais. Em boca, apresenta uma estrutura e acidez bem equilibradas com retrogosto intenso.

Impressões da Rafaela
Este dia transcorreu como se eu tivesse feito uma prova de alemão. Meu chefe me designou para acompanhar um grupo de professores alemães em um passeio a Petrópolis. Foi meio tenso, mas no final deu tudo certo. Ao voltar para casa, desci do metrô e fiquei com vontade de comprar uma comida thai. Foi o que fiz. Como gostamos de comer comida thai com vinho branco, Claudio sugeriu que abríssemos este pinot grigio que ganhamos da Dunamis. O vinho é bastante fresco, harmonizou bem com a comida um pouco picante do Orienthai. Trata-se de um vinho leve, alegre.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual:
Exame olfativo:
Exame gustativo: Segunda vez que provo este vinho. Na primeira, ainda não havia sido lançado no mercado e eu me lembrava de ser um bom vinho, que havia crescido na companhia de comida. Desta vez, provei com calma. Uva pouco plantada por aqui, parece que se deu bem na região da Campanha. Um vinho leve, com boa vivacidade, proveniente de sua interessante acidez. Em boca, notas de frutas como maçã verde e lichia. Final de boca bem marcado e relativamente longo com notas um pouco amargas, o que não me pareceu defeito. Conjunto equilibrado, foi bem com nossa comida Thai. Um vinho bem feito, que vale ser provado. Faça o teste e prove este vinho com alguma comida leve e prove também sozinho.

Dois eventos em um dia: vinhos de Trás-os-Montes e Winebar da península Ibérica

Nome: Viña Borgia Campo de Borja
Safra: 2011
País: Espanha
Região: Borja
Produtor: Bodegas Borsao
Importador: -

Uvas/Corte: Garnacha 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos enviado pelo Winebar
Quando foi comprado: Agosto de 2012
Degustado em: 29 de agosto de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Bebi uma tacinha deste vinho, mas considerei bem fraquinho. Neste dia, fiz uma viagem dentro do Rio de Janeiro. Fui à Bienal do Livro com alguns colegas de trabalho - Rebeca, Julia e Stephan. Levamos uma vida para chegar ao Riocentro, mas valeu a pena, pois eu nunca havia ido a uma bienal e tinha a maior curiosidade. É uma grande feira do livro. Como eu adoro livros, adorei! Havia um belo estande da Alemanha, pois neste ano está ocorrendo a Temporada Alemanha no Brasil.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Aproveitando para colocar alguns posts atrasados em dia, escrevo de dois eventos que aconteceram na mesmo data, no final de agosto: um virtual, o Winebar sobre a Península Ibérica em parceria com a importadora World Wine e outro, presencial, a apresentação de vinhos da região portuguesa de Trás-os-Montes em um hotel de Copacabana. Cheguei praticamente no final da feira e não consegui provar muitas coisas. As feiras de vinhos aqui no Rio têm feito um enorme sucesso, sempre cheias e concorridas. Esta não foi diferente e quem chega no final, como eu fiz, já não encontra muita coisa para provar. Experimentei o vinho branco Sonnini (que esta na foto) e que achei muito interessante para o consumidor carioca. É um vinho muito fresco, leve, com notas minerais, final com leve doçura, boa acidez e baixo teor alcóolico. Um vinho perfeito para um dia muito quente. Um vinho descompromissado, fácil de se beber e refrescante. Corri para casa para acompanhar mais uma edição do Winebar. Desta vez, cada participante recebeu um vinho diferente do portfólio de vinhos portugueses e espanhóis da importadora World Wine. Recebemos o vinho leve, jovem e frutado Viña Borgia Campo de Borja, vinho espanhol de entrada. Foi divertido acompanhar a prova de tantos vinhos diferentes.
Nota: -

23 de outubro de 2013

Winebar apresenta linha Salton Intenso #winebar

Nome: Salton Intenso
Safra: 2011 / 2011
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos e Campanha
Produtor: Salton
Importador: -

Uvas/Corte: Marselan e Teroldego / Merlot e Tannat
Teor alcoólico: 13% / 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos enviados pelo Winebar
Quando foi comprado: Outubro 2012
Degustado em: 20 e 22 de outubro de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa com pesto e quiche de cebola / Cassoulet Voilà e arroz com pesto
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
O vinho possui uma coloração roxa intensa viva, com aromas de frutas vermelhas (amora, framboesa, mirtilo) inclusive de frutas com caroço (ameixa, pêssego). Eucalipto, trufa, e pimentão doce, sabor marcante com taninos macios.
Cor intensa com tonalidade viva, com aromas que lembram frutos negros, ameixas pretas, cassis, amoras, como também nozes, chocolate, folhas secas, eucalipto. Seu sabor é profundo com taninos marcantes.

Impressões da Rafaela
Neste domingo começou o horário de verão, algo que eu adoro. Depois de acordarmos na hora em que bem entendemos, fomos dar uma voltinha no Leblon, onde almoçamos no Mekong. Aproveitei para começar a comprar os presentes de Natal. Sei que é um pouco cedo, mas assim os gastos ficam mais diluídos. Depois, comecei a legendar alguns fotos. É impressionante como nossa memória pode ser fugaz. Nosso plano para o fim de tarde era totalmente outro, mas deu tudo errado. Então, para salvar a noite, resolvemos esquentar comidinhas que tínhamos em casa e abrir este primeiro vinho do Winebar. Assim, quando chegar a terça-feira, já teremos provado um e poderemos abrir um outro. Este é um vinho bastante cheiroso, com aromas de frutas vermelhas. Ele é bem macio, gostoso, mas com personalidade. Gostei bastante. / A terça-feira chegou! Provamos o merlot/tannat. Achei-o mais pesado que o vinho bebido no domingo. Acho que gostei mais do marselan/teroldego. O que foi bem nesta noite foi o Cassoulet Voilà do nosso querido Emerson Donadon. Que delícia! Teremos de rever o Winebar, pois aqui em casa a transmissão ficou superentrecortada.

Comentário do Claudio
Rótulo:
A linha possui rótulos marcantes, com algum exagero nos recursos gráficos. No limite perigoso do bom gosto.
Exame visual:
Exame olfativo: Nariz com frutasvermelhas intensas, vibrante / nariz de fruta escura madura, sem excesso e alguma especiaria.
Exame gustativo: Na última terça feira dia 22 aconteceu mais uma edição do Winebar, desta vez com vinhos brasileiros da vinícola Salton da linha Intenso. Esta linha busca oferecer ao mercado vinhos descomplicados e de bom custo. Provamos dois tintos e tivemos ótimas surpresas com eles. Para aproveitar melhor os vinhos enviados para a transmissão do Winebar, resolvemos abrir uma das garrafas no domingo e deixamos outra para ser aberta na terça, durante o evento. Primeiro vinho provado foi  o frutado e interessante corte de duas uvas que não vemos com tanta frequência por aqui: Marselan e Teroldego. De perfil moderno, tem tudo para agradar ao paladar dos novos consumidores de vinho. Boa presença em boca, boa concentração de fruta, com um final médio onde surgem notas picantes e  boa acidez. Vinho equilibrado e por cerca de R$ 28,00 será uma boa compra. Talvez enfrente a barreira de ser feito de uvas "pouco conhecidas", mas, tirando isto, tem tudo para agradar e fazer sucesso. O outro tinto abrimos na terça durante a transmissão do evento. Corte interessante de Tannat com Merlot. Já provei alguns vinhos uruguaios com este corte e sempre o resultado foi interessante. No caso deste vinho brasileiro não foi diferente. Bem equilibrado em boca, com taninos arredondados pela madeira que foi muito bem usada. Paladar bem original, com uma mistura de frutas e especiarias. Mais encorpado que o primeiro, suporta pratos com mais intensidade. Ótima qualidade pelo preço sugerido. Gostei e recomendo. Recebemos também uma garrafa de espumante desta linha que degustaremos em outra ocasião e comentaremos por aqui. A linha Intenso surpreendeu positivamente pela boa qualidade dos vinhos e pelo ótimo preço de venda. Mais um belo episódio do Winebar.

22 de outubro de 2013

Tem suco no blog: 12 - Galiotto

Suco de uva integral Galiotto
Suco de uva tinto integral (sem conservantes, sem corantes, sem adição de açúcar, 100% natural)
Vinícola Galiotto, Flores da Cunha/RS
1l, R$ 8,90 (Prezunic)

Bom suco, não tão denso, nem tão concentrado, mas com nível de açúcar bom, sem amargor, um suco correto e perfeito para quem gosta de um suco equilibrado, mas não tão concentrado. Bom custo/benefício.Recomendamos.

21 de outubro de 2013

Direto da California, Garnet - Pinot Noir 2010

Nome: Garnet
Safra: 2010
País: Estados Unidos
Região: Napa County / Carneros
Produtor: Garnet Vineyards
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Comprado nos EUA pela Patty
Quando foi comprado: Dezembro de 2012
Degustado em: 31 de agosto de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa La Veronese e Molho Eataly
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Dia comum que terminou com a ótima massa da Veronese acompanhada por saboroso molho comprado no Eataly. Não podia ser melhor. O vinho também era muito bom e por alguma razão que não sei explicar, me lembrou os vinhos que costumávamos beber no La Botella. Uma ótima maneira de começar a semana.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Clean e clássico.
Exame visual: Rubi leve e claro, translúcido.
Exame olfativo: Um leve frutado, uvas vermelhas, elegante.
Exame gustativo: Mais um vinho que a minha prima Patty trouxe da California. Um ótimo pinot noir, de perfil novo mundo, mas muito interessante. Fruta limpa e de boa intensidade em boca, com notas de cereja e leve doçura. Vinho muito bem feito, agradável e com um final de boa intensidade. Cresceu bastante na taça e foi bem com a nossa massa. Não sei se este vinho é importado para o Brasil. Vale provar.

Quorum I - Norton

Nome: Quorum
Safra: 2002 (malbec) - 2005 (merlot) - 2006 (petit verdot)
País: Argentina
Região: Luján de Cuyo, Mendoza
Produtor: Bodega Norton
Importador: Não é importado para o Brasil

Uvas/Corte: Malbec 60%, Merlot 22% e Petit Verdot 18%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: De cortiça, tamanho médio com logomarca gravada.
Numeração da garrafa: -
Preço: 169 pesos
Onde foi comprado: em Buenos Aires
Quando foi comprado: Dezembro de 2012
Degustado em: 27 de agosto de2013
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Quorum es elaborado a partir de una cuidada selección de diferentes cosechas y variedades por parte de nuestro enólogo.Cada cosecha posee cualidades distintivas, y la combinación de las misamas junto con sus estilos y variedades conforman un vino completo, armónico y único.

Impressões da Rafaela
Este post está sendo feito dois meses depois que este vinho foi bebido. Tento evitar este tipo de situação, mas nem sempre é possível atualizar o blog da maneira como gostaríamos. Eu gosto de escrever sobre o que ocorreu de importante para nós no dia em que bebemos o vinho que nomeia o post e fico bem frustrado com situações como esta em que não me lembro nem do que aconteceu tampouco do vinho. O bloquinho sempre ajuda nessas horas, mas há dias em que simplesmente não faço anotação alguma e aí fica difícil escrever. Acho uma pena, pois o blog é o registro de nossos dias e acaba ficando um vazio.

Comentário do Claudio
Exame gustativo: Em nossa última passagem por Buenos Aires, encontrei este vinho em uma pequena loja durante nossas caminhadas pela capital argentina. Em 2007, quando estivemos por lá, compramos uma garrafa, que provamos em 2008 e da qual gostei muito (veja nossas impressões aqui). Um corte de três uvas e três safras diferentes. Na época, avaliei que o vinho poderia ser guardado por mais alguns anos. Assim, quando vi este vinho lá em Buenos Aires no ano passado, resolvi comprar uma garrafa. A Norton não exporta este vinho para o Brasil, a única maneira de encontrá-lo é lá na Argentina. Quando o comprei, achei que parecia não ter sido armazenado em boas condições, mas mesmo assim resolvi arriscar. Infelizmente, ao abri-lo, claramente notei que não estava em suas melhores condições. Dava para perceber todo o seu potencial, mas, muito provavelmente em função de ter sido mal armazenado, ele estava fora de seu padrão. Azar!
Nota: -

20 de outubro de 2013

Reencontro de mestres com House of Madela Sauvignon Blanc 2012, Edulis 2009 e Rayuela Rosé 2012

Encontro com amigos da turma de mestrado da Rafaela

Quando: 23 de agosto de 2013

Com quem: Claudio, Rafaela, Ana Rosa, Antônio, Neusa, Ângela, Tati e Rodrigo

Vinhos degustados: House of Mandela (The Mandela Family, África do Sul, 2012, Sauvignon Blanc); Edulis (Bodegas Altanza, Espanha, 2009); Rayuela (Viu Manent, Chile, 2012, Malbec Rosé)

Harmonização: Quiche de cebola com paçoca de pinhão

Comentário da Rafaela
Com o passar dos anos, conciliar uma data para nos encontrarmos tem ficado cada vez mais difícil, mas vez ou outra, assim de susto, conseguimos marcar rapidamente um jantar. Desta vez foi assim, meio em cima da hora, sem tempo para pensar muito. A saudade era grande. Sempre fico achando que nunca conseguimos colocar a conversa em dia, pois os assuntos são muitos. É sempre tão bom reencontrar estes amigos queridos. Que venham ainda outros encontros neste ano.

Comentário do Claudio
Mais um encontro dos amigos da turma do mestrado da Rafaela. Desta vez, três vinhos foram abertos. Começamos a noite com o vinho branco sul-africano, House of Mandela. Esta garrafa nos foi enviada pelo Winebar. Como estávamos viajando na época, deixamos para provar em outra ocasião. Este Sauvignon Blanc é um vinho leve, fácil de beber, boa acidez e ideal para beber de forma descontraída, como fizemos esta noite. Um vinho descomplicado. O segundo vinho foi um tinto espanhol que é vendido no supermercado Zona Sul. Um vinho bem feito, com taninos redondos. Agradável, funcionou bem com a paçoca de pinhão. Por último, abrimos o vinho rosé que a Ângela trouxe. Não provei este vinho. Noite animada. Na foto, o pudim que a Neusa trouxe.

18 de outubro de 2013

Leyda Reserva - Pinot Noir 2011

Nome: Leyda Reserva
Safra: 2011
País: Chile
Região: Valle de Leyda
Produtor: Viña Leyda
Importador: Grand Cru

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: www.wine.com.br
Quando foi comprado: -
Degustado em: 20 de agosto de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa à bolognesa
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
This Pinot Noir is made in a fruit driven style showing the origin and cold climate influence. Expressive nose with berries as blueberries and strawberries. Earthy notes, mineral and herbaceous makes this wine a true example of Leyda Valley. In palate is fruit concentrated with a lively acidity that enlarges the ending.

Impressões da Rafaela
De início, me pareceu como um suco de uva, mas talvez pela pimenta do prato, acabou ficando mais amargo da segunda taça em diante. De qualquer modo é um vinho muito bom, leve, gostoso. Fizemos um brinde ao presidente Alexandre, que neste dia fez aniversário.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Sempre bom ter na adega meia garrafa de vinho, mas nem sempre as opções de vinhos em meia garrafa são boas. Este Pinot chileno se mostrou muito interessante, com bastante fruta limpa e aberta em boca. Notas de morango, cereja, suco de uva apareciam na boca. Um Pinot de perfil Novo Mundo. Evoluiu muito bem na taça, passando para algo mais licoroso e com um final de boca muito agradável e de boa permanência. Um vinho que agradou bastante e foi uma boa compra. Vale provar.
Nota: -

Puerto Carmelo by Narbona 2010 / Mendel 2009 / Terra Mater Limited Reserve Syrah 2008 no Gonzalo

Nome: Puerto Carmelo by Narbona / Mendel / Terra Mater Limited Reserve
Safra: 2010 / 2009  / 2008
País: Uruguai / Argentina / Chile
Região: Montevidéu / Mendoza / Maipo
Produtor: Puerto Carmelo / Mendel /  Terra Mater
Importador: -

Uvas/Corte: Tannat / Malbec / Shiraz
Teor alcoólico: 14% / - / 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Oferecido pelo Tiago e pela Débora / Este havia nos sido presenteado pela Wines of Argentina para um Winebar / Oferecido pelo Helton
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: 14 de agosto de 2013
Degustado em: 14 de agosto de 2013
Onde bebeu: Restaurante Gonzalo, no Leblon, Rio
Harmonizado com: Miúdos de gado, frango grelhado e carnes com corte uruguaio
Com quem: Claudio, Rafaela, Helton, Tiago e Débora

Comentário do Produtor
Terra Mater - Deep and intense red colour with some violet hints. Rich berry nose with ripe black fruit, well assembled with some meaty aromas, some cocoa and a touch of violets. Well structured, rich and full bodied with abundant ripe tannins which are smooth and well rounded. A long and flavoursome finish.

Impressões da Rafaela
Mais um encontro superagradável com o Helton. Desta vez, acompanhados da Debora e do Tiago. Débora, apesar do sotaque manezinho, é uruguaia. Durante o jantar, ela foi nos falando sobre aspectos culturais do Uruguai. Gostamos muito. Os vinhos foram muito bem com o meu frango. Dos três, o que gostei mais foi do Mendel. E a finalização da noite foi, como sempre, com uma panqueca de doce de leite Lapataia. Muito especial!

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais uma vez marcamos um jantar com amigos no Gonzalo, o ótimo restaurante uruguaio do Leblon. Mais uma vez o atendimento foi muito atencioso e com ótimas comidas. Para acompanhar abrimos 3 vinhos que havíamos levado. Começamos por um tannat uruguaio que não conhecia. Perfil frutado , um tannat diferente, ficou devendo as características da cepa, ou seja, taninos mais intensos e um pouco mais de corpo. Seguimos para um ótimo malbec argentino, o Mendel. Bom vinho, de bom corpo, boa companhia para a carne. Para finalizar, mudamos de uva e de país, partimos para o Chile com a Syrah. Outro vinho que não conhecia, vinho bem equilibrado e com tipicidade da cepa, com especiarias bem presente. A noite foi muito agradávé, na companhia do Helton, Debora e Tiago.
Nota: 

17 de outubro de 2013

Collector Aracuri - Cabernet Sauvignon 2008

Nome: Collector Aracuri
Safra: 2008
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra
Produtor: Aracuri
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 00001, compramos a garrafa número 1!
Preço: R$ 36,90
Onde foi comprado: Supermercado Bortolon em Vacaria
Quando foi comprado: março de 2012
Degustado em: 16 de agosto de 2013
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Aromas complexos e elegantes, destacando-se cassis e ameixa, com notas de pimenta preta, que se repetem no paladar. Vinho estruturado com taninos macios e acidez equilibrada.

Impressões da Rafaela
O vinho é bom, mas foi prejudicado pela harmonização. Combinado com o fondue, ficou levemente amargo e não tão agradável. Como as aulas ainda não haviam começado, aproveite o dia para dar uma geral na casa, arrumar coisas, levar os lixos para o Light Recicla. O jantar acabamos decidindo na hora em que fomos fazer compras no Zona Sul. Com outra comida, o vinho terá outro desempenho.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: Grená translúcido.
Exame olfativo: Uma mistura leve de algo como caramelo, chocolate e pimentas pretas.
Exame gustativo: Resolvemos comer um fondue em casa. Mesmo sabendo que não era a harmonização mais indicada, estava com vontade beber este Cabernet Sauvignon da região dos Campos de Cima da Serra. Resultado: o fondue estava bom, o vinho também só que juntos não harmonizou. Mais um vinho interessante desta jovem vinícola, safra 2008, esperei um pouco mais de um ano depois de ter comprado para provar. Um vinho equilibrado, elegante, boa acidez, notas achocolatadas em boca e um final de boa persistência. Boa experiência por um ótimo preço. Recomendo provar todos os vinhos da Aracuri, você ira encontrar boas surpresas.
Nota: -

16 de outubro de 2013

Tem suco no blog: 11 - Uva'só

Suco de uva integral Uva'só
Suco de uva tinto integral (sem conservantes, sem corantes, sem adição de açúcar, 100% natural)
Econatura, Garibaldi/RS
870ml, R$ 14,99
Uvas Bordô

Ideal para quem gosta de um suco mais docinho. E o melhor, ele é naturalmente mais doce, pois não tem adição de açúcar. Este foi o primeiro orgânico que bebemos. Como o nome já adianta, é um suco feito somente com uva, sem adição de mais nada. No rótulo, há uma explicação de que ele é engarrafado a vácuo pouco tempo depois de as uvas serem colhidas. Claudio considerou que o suco tem um toque de vinho envelhecido, o que é um mérito. Apesar de na garrafa estar escrito que é mais encorpado, achamo a densidade não muito alta. Gostamos muito.
Recomendamos, apesar do preço.

Punto Final - Malbec 2012

Nome: Punto Final
Safra: 2012
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Bodega Renacer
Importador: -

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 69
Onde foi comprado: Livraria Prefácio, em Botafogo, no Rio
Quando foi comprado: 8 de agosto de 2013
Degustado em: 8 de agosto de 2013
Onde bebeu: Livraria Prefácio, em Botafogo, no Rio
Harmonizado com: Bruschettas, frango ao curry
Com quem: Rafaela, Milena e Marie

Comentário do Produtor
Deep ruby red in color with notes of blackberry, blueberry and cassis. On the palate, the wine is balanced and round, with a jammy mouthfeel and a long finish.

Impressões da Rafaela
Tão bom bater papo com as amigas. Milena veio ao Rio para se reunir com a orientadora e conseguimos marcar pelo menos um encontro. Marie chegou logo depois à livraria Prefácio, que eu não sabia, mas tem várias opções de comidinhas no cardápio. Também fazia um tempão que não nos víamos. Conversamos sobre assuntos diversos. Foi muito bom! Decidimos acompanhar o jantar com um vinho. Não tinha muita referência dos outros da carta, então escolhemos este, que é bem conhecido. Estava muito bom, um ótimo malbec. Repetiria sem dúvida.

Na volta para casa, Reserve de Tholomies e Reserve de La Baume, os vinhos da Air France

Nome: Reserve de Tholomies / Reserve de La Baume
Safra: 2012 /2012
País: França
Região: La Chapelle / Languedoc Roussillon
Produtor: Abbaye de Tholomies / Domaine de La Baume
Importador: -

Uvas/Corte: Merlot / Vermentino
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: 4 de agosto de 2013
Degustado em: 4 de agosto de 2013
Onde bebeu: Voo de volta da Air France, Paris-Rio
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Dormimos por algumas poucas horas e quando vimos já estávamos dentro do ônibus da Air France que sai da Gare de Montparnasse. O dia estava amanhecendo. Despachamos nossas malas e não demorou muito para começar o embarque. Desta vez, consegui ver vários filmes - Meu malvado favorito, Django Unchained e Truman Show. Para despedir da Europa, resolvi aceitar o vinho oferecido pelo comissário. Espero poder repetir a experiência em breve!

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: 
Exame gustativo: Como já tínhamos feito no voo de ida, para acompanhar a refeição, pedimos uma garrafinha de vinho que a Air France serve a bordo. Antes, eles também servem uma tacinha de Champagne. O vinho é correto, funciona bem para deixar a vontade de voltar logo para a França. Fim da viagem!
Nota: 

15 de outubro de 2013

Na despedida de Paris, Les Roches - Touraine 2012

Nome: Les Roches
Safra: 2012
País: França
Região: Vale do Loire, Touraine
Produtor: Vignerons des Coteaux Romanais
Importador: -

Uvas/Corte: Sauvignon Blanc
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Bergamote, em Paris
Quando foi comprado: 3 de agosto de 2013
Degustado em: 3 de agosto de 2013
Onde bebeu: Bergamote
Harmonizado com: Pratos de pato e frango deliciosos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Último dia de férias, último dia em Paris. Amanhã cedinho pegamos o voo para o Rio. Antes, porém, resolvemos rever os pontos mais famosos da linda capital francesa. De manhã cedinho fomos ver onde se pegava o ônibus da Air France na Gare de Montparnasse direto para o CDG (o ônibus sai a partir das 6h, do lado esquerdo da estação, custa 17 euros e é pontual). No meio do caminho, compramos umas coisinhas gostosas para nosso café da manhã. Depois, seguimos caminhando em direção a rua Saint-Germain-des-Prés, que de deprê não tem nada. Comprei mais um cremezinho encomendado por uma amiga e um para mim. Fizemos uma parada para uma torta de framboesas, comida na nova escadaria construída em frente do Museu D'Orsay. Seguimos margeando o Sena e apreciando tudo que é oferecido aos moradores. Havia bares, locais para as crianças brincarem, um jardim sensorial, uma ducha sonora (montada embaixo de uma ponte, você passava e tomava um banho de música, eu adorei a ideia), bancos para deitar-se e apreciar o rio e muitas outras coisas mais. Dali, seguimos caminhando até a Torre Eiffel. Não fomos até embaixo dela, mas a vimos bem de pertinho. Como queríamos comprar mais um presente, caminhamos até a Champs-Élysées. Lá fizemos mais um lanchinho leve no Paul. Como eu adoro folhados de maçã! Seguimos passeando, mas no final da tarde voltamos ao hotel para arrumarmos as malas. Assim poderíamos sair tranquilos para jantar. Acabamos repetindo o restaurante, indo ao Bergamote, onde eu também havia jantado em 2011. Desta vez, variei o prato. Estava tudo muito bom. Claudio queria beber um espumante Champagne, para terminar a viagem em alto estilo, mas a opção que tinha era alto estilo demais para nós. :) Fomos de vinho branco mesmo e foi tudo perfeito. Até breve, Paris!

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nossa última noite em Paris e último dia de férias. Nossa ideia inicial era beber um Champagne, mas acabamos não nos programando direito e resolvemos jantar em um conhecido e agradável restaurante, o Bergamote. Para acompanhar, escolhemos um branco do Vale do Loire. Vinho com notas de maçã, acidez marcante, um vinho direto. Um bom Sauvignon Blanc básico que acompanhou bem o nosso jantar e a noite quente do verão parisiense.
Nota: 88.0

8 de outubro de 2013

Tem suco no blog: 10 - Casa da Uva

Suco de uva integral Casa da Uva
Suco de uva tinto integral (sem conservantes, sem corantes, sem adição de açúcar, 100% natural)
Vinícola Serra Gaúcha, Garibaldi/RS
300ml, R$ 6,80

Suco com gosto muito agradável e doçura na medida certa. Sua maior característica é uma boa acidez, deixa a boca salivando. Não muito denso. Este suco compramos meio por acaso na volta de uma viagem que fizemos a Búzios, no litoral fluminense. Nunca o vimos aqui no Rio.
uma boa compra, recomendamos.

1 de outubro de 2013

20ª Harmonização Virtual: Smørrebrød e Champagne Laurent-Perrier Brut #cbe

Este post tem dupla função: contar como foi a 20ª Harmonização entre Blogs e mostrar qual Champagne escolhemos para a degustação do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs (#cbe).

Depois de três anos sem realizar a harmonização virtual, Claudio deu-se conta de que a primeira edição estava completando mais um aniversário - primeiro achamos que eram cinco anos, depois, fazendo as contas direito, vimos que eram seis. Aproveitamos o mote sugerido pelo Daniel Perches, do Vinhos de Corte, escolhendo um Champagne para a 20ª edição. Nina e Marcel, do Gourmandise, nos enviaram então a receita de Smørrebrød para testarmos junto com a bebida.

Nome: Laurent-Perrier Brut
Safra: -
País: França
Região: Champagne, Tours-sur-Marne
Produtor: Laurent-Perrier
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay 50%, Pinot Noir 35% e Pinot meunier 15%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Lavinia Paris
Quando foi comprado: 2 de agosto de 2013
Degustado em: 30 de setembro de 2013
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Smørrebrød
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Pale gold in colour with a steady flow of fine and persistent bubbles. Delicate yet complex, fresh and well-balanced with hints of citrus and white fruits. Well defined, subtly rounded with expressive flavours. The fruit progressively emerges to reveal a finely balanced champagne displaying great length on the finish.

Impressões da Rafaela
Realizamos a harmonização virtual ontem à noite. O pão foi feito pelo Claudio no domingo à tarde, enquanto eu comia um churrasco na casa dos meus padrinhos em Vacaria, no Rio Grande do Sul. Quando cheguei ao Rio, o pão já estava preparado. Fui em busca dos ingredientes para as coberturas das "bruschettas dos dinamarqueses", o chamado Smørrebrød. Acabei não encontrando o surubim nos três mercados aqui perto de casa. Comprei então haddock. A primeira harmonização foi feita com o Smørrebrød de queijo de cabra, tomate-cereja, dill, alcaparras e farelo de pão tostado. Fiquei impressionada com o casamento que há entre os ingredientes da cobertura. A combinação fica deliciosa. Adorei. Nesta primeira parte da harmonização, tudo saiu perfeito. O sabor da comida realçou e complementou o sabor do ótimo Champagne. Na segunda, com haddock, cebola, ovo, pepino e sementes de mostarda, a combinação não foi tão perfeita. Talvez pelo sabor forte do haddock, talvez pelo ovo, acabei achando que o Champagne ficava meio amargo. Não conseguimos fazer a receita certa da cebola. Talvez isso tenha sido o problema. No geral, consideramos que foi um ótimo experiência. O pão ficou maravilhoso. Lembrou-se um pouco os pães alemães, preto e cheio de grãos. Com certeza iremos repetir a receita outras vezes.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fazia um bom tempo que não realizávamos uma Harmonização Virtual em parceria com o blog Gourmandise. Resolvemos fazer uma edição comemorativa. Para ficar mais divertido, aproveitamos a indicação do vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs e fizemos tudo junto. A Champagne escolhida foi uma meia garrafa Laurent-Perrier que compramos em Paris. Muito agradável em boca, muito equilíbrio e elegância. Um Champagne de bom custo, fácil de beber. A garrafa vai rápido e você fica com vontade de beber mais um pouco. Não é um Champagne complexo, mas possui todas as boas características dos vinhos da região. Boa compra, recomendo. Para harmonizar tínhamos uma tradicional comida dinamarquesa, que me lembrou os que comi em Copenhagen há alguns anos. Tínhamos dois Smørrebrøds para ver qual harmonizava melhor. O vencedor da noite foi o com cobertura de queijo de cabra, alcaparras, tomate-cereja. Muito saboroso e muita harmonia entre os ingredientes e o pão. Achei que a comida fez crescer o Champagne, valorizando suas características, boa harmonização. Nossa segunda tentativa, haddock, cebola, ovo, pepino e sementes de mostarda. Também gostei muito da combinação da cobertura, desta vez de sabor mais intenso. A harmonização não foi tão boa quanto a primeira. Acho que o sabor da cebola estava muito intenso o que acabou prejudicando um pouco. A experiência foi muito boa, o pão é ótimo e as combinações de cobertura foram muito bem escolhidas, recomendo. Vamos repetir com toda certeza. A combinação entre Dinamarca e França passou no teste.