29 de agosto de 2013

Não podíamos passar pela Toscana sem provar um vinho dos Antinori: Péppoli Chianti Classico 2010

Nome: Péppoli Chianti Classico
Safra: 2010
País: Itália
Região: Chianti Classico
Produtor: Antinori
Importador: -

Uvas/Corte: 90% Sangiovese, 10% Merlot and Syrah
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Roadhouse
Quando foi comprado: Roadhouse, em um lugar ermo nos arredores do Ibis
Degustado em: 28 de julho de 2013
Onde bebeu: Roadhouse
Harmonizado com: Tagliata d'agnello
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do ProdutorThis is a Chianti Classico made from Sangiovese grapes with a small addition of Merlot and Syrah, grown on the Pèppoli estate. It is designed to be drunk while the fruit is at its most expressive. It is aged in 55hl Slavonian oak barrels (10% in American oak barriques) for a maximum of 9 months, followed by a further maturing period in the bottles.

Impressões da Rafaela
Fomos a Greve in Chianti hoje de novo. Queríamos visitar o museu do vinho, mas não nos atentamos ao horário de funcionamento - de novo. Abre apenas segunda, quarta, quinta e sexta. Claudio ficou dizendo que eu estava sabotando a ida dele ao museu. :) Conseguimos, porém, visitar a cantina do outro lado da rua com uma imensidão de garrafas. Depois, seguimos para a praia, a mesma do dia anterior, Antignano, ao sul de Livorno. Estava muito boa! Muitas das praias não têm areia, mas pedras. O lado bom é que você não fica cheio de areia. O lado negativo é que as pedras podem ficar quentes pra caramba e é preciso ter uma cadeira. Além disso, caminhar nas pedras é para iniciados, e há as algas que nascem nas pedras. Apesar de todos esses poréns é uma experiência que vale muito a pena. 

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: 
Exame gustativo: Foi um dia movimentado pela Toscana. Pela manhã rumamos para Greve in Chianti, como não conseguimos conhecer o Museu do Vinho, resolvemos provar alguns vinhos entre as centenas disponíveis na Cantine. Diversas Enomatic ofereciam uma grande de variedade de vinhos toscanos em taças, principalmente Chiantis. Provamos uns 5 vinhos diferentes e de lá rumamos para o litoral. Paramos na praia de Antignano. Final do dia, voltamos para a região de nosso hotel e por falta de opção jantamos neste restaurante de carnes. Poucas opções de vinhos, mas quando vi um rótulo dos Antinori, um tradicional e gigante produtor de vinhos, na carta não tive dúvida em qual escolher. Este Chianti estava bem redondo, boa fruta em boca, taninos macios, fácil de se beber e de gostar. Notas de cerejas, amaeixa madura. Funcionou muito bem com meu cordeiro e ótimo para fechar o nosso ótimo dia na Toscana.
Nota: -

22 de agosto de 2013

Um almoço inesquecível no Castello di Nipozzano

Nome: Castelo de Pomino / Nipozzano Riserva / Castel Giocondo Brunello di Montalcino
Safra: 2012 / 2010 / 2008
País: Itália
Região: Chianti Rufina / Chianti Rufina / Montalcino
Produtor: Vinícola Marchesi de Frescobaldi
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay e pinot bianco / Sangiovese e outras, como todo Chianti /  Sangiovese e algo que não guardados
Teor alcoólico: 12,5% / 13,5% / 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Servido no almoço na Frescobaldi, gentilmente e especialmente preparado para nós dois
Quando foi comprado: 26 de julho de 2013
Degustado em: 26 de julho de 2013
Onde bebeu: Castelo de Nipozzano
Harmonizado com: Pratos diversos preparados com esmero especialmente para nós
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Saímos atrasados, mas mesmo assim chegamos pontualmente à Frescobaldi, vinícola superinteressante da região de Chianti Rúfina. Adorei a experiência de visitar um castelo construído em 1064! Muito obrigada ao Giacomo, RP da Frescobaldi! Adoramos a visita, o ótimo almoço. Foi tudo perfeito! Uma das melhores experiências na Toscana. A Frescobaldi tem uma produção enorme, mas mantém-se ainda como uma empresa familiar. Durante a visita, Giacomo nos contou algumas experiências que são realizadas na vinícola, como a escolha das melhores barricas. Anualmente, os produtores de barricas são convidados para uma degustação às cegas. A degustação é feita com apenas um vinho. O detalhe é que o vinho passou seis meses em diferentes barricas. Os próprios produtores votam qual deixou o vinho melhor. Outra iniciativa interessante foi ter levado a equipe de relações públicas para fazer poda e trabalhar na terra. Com isso, procurou-se passar aos divulgadores o que realmente é importante no processo. Sem uva boa, não há vinho bom. Acho que nunca havíamos sido tão bem recebidos em uma vinícola.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: 
Exame gustativo: Sem dúvidas esta visita foi um dos pontos altos de nossa viagem. Já visitamos muitas vínicolas em diversas regiões, mas conhecer o Castello di Nipozzano foi especial. Com a preciosa ajuda do pessoal da Ravin, importadora dos vinhos Frescobaldi para o Brasil, conseguimos agendar a nossa visita com mais de um mês de antecedência. Na manhã do dia 26 de julho, rumamos para o Castello que fica em uma bonita região nos arredores de Firenze. Fomos recebidos pelos simpático Giacomo, RP da vinícola, que nos levou para conhecer toda a propriedade: o castelo de 1064, a villa, local que foi a casa da família Frescobaldi e que hoje é preservada para receber convidados e eventuais reuniões familiares. Por falar em família, vale destacar que os Frescobaldi produzem vinhos há 30 gerações... Conhecemos alguns detalhes da produção que fazem com que, mesmo produzindo grande quantidade de vinhos em diferentes rótulos, todas as gamas apresentam excelente qualidade. Muita tradição que resulta em vinhos especiais. Depois desse passeio, Giacomo nos levou para a antiga cozinha da casa, onde uma mesa estava preparada para nosso almoço particular. Antes disso, degustamos 4 vinhos da linha de entrada da Frescobaldi: os brancos Albizzia Chardonnay, vinho leve e fresco, fácil de se beber, e o Attems Pinot Grigio, vinho interessante, com um pouco mais de corpo e boa complexidade para sua faixa de preço. Provamos dois tintos, a nova safra do consagrado Rèmole, com seu novo rótulo (um pouco mais tradicional no design), vinho perfeito para acompanhar uma massa leve, um pizza, um vinho de bom custo que carrega as boas características dos vinhos toscanos, e por último o Castuglioni Chianti 2011, também muito consistente e gastronômico. Muito interessante observar como os vinhos da gama de entrada estão em um nível acima da média.
Depois desta pequena degustação, partimos para o nosso mais do que especial almoço, com tudo que uma boa refeição italiana oferece: pães, azeite produzido pelos Frescobaldi, entrada, primeiro prato (pasta), segundo prato (carne), sobremesa. Para acompanhar, provamos outros três excelentes vinhos. Começamos pelo Pomino Bianco, vinho com muita presença em boca, um branco de respeito. Segundo vinho provado foi o Nipozzano Riserva Chianti Rufina, um clássico Chianti, um dos vinhos preferidos do Giacomo. E por fim, provamos o Castel Giocondo Brunello di Moltacino 2008, vinho envolvente e com boa estrutura que vai envelhecer muito bem e crescer ainda mais. Foi uma visita única e um almoço inesquecível. Os Frescobaldi sabem como fazer vinhos marcantes e principalmente como encantar as pessoas!


21 de agosto de 2013

Tem suco no Blog: 8 - Pietro Felice

Suco de uva integral Pietro Felice
Suco de uva integral (100% natural sem conservantes e sem corantes)
Vinícola Sinuelo, São Marcos/RS
1l, R$ 8,99 (no Supermercado Guanabara)
Uvas bordô

Suco com ótima qualidade, que apresenta claramente as características naturais da fruta que lhe origina, a uva. Apresenta aquele amarguinho característico de suco de uva caseiro, de suco de uva fermentado. Tem uma boa densidade e bela cor. Além disso, pode ser encontrado por um ótimo preço. Uma boa surpresa.
Recomendamos.

20 de agosto de 2013

Voltamos ao Eataly, desta vez em Bologna com Masciarelli Montepulciano d'Abruzzo 2011

Nome: Masciarelli Montepulciano d'Abruzzo
Safra: 2011
País: Itália
Região:
Produtor: Masciarelli
Importador: -

Uvas/Corte: Montepulciano d'Abruzzo
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Eataly Bologna
Quando foi comprado: 25 de julho de 2013
Degustado em: 25 de julho de 2013
Onde bebeu: Eataly Bologna, na Itália
Harmonizado com: Massas supergostosas
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do ProdutorNome Montepulciano d’Abruzzo Masciarelli Doc Bouquet Intenso-complesso-fine Vitigno Montepulciano d’Abruzzo Sapore Note di frutta rossa, ciliegia, ribes, viola, sentore di tobacco Limpidezza Limpido Temperatura 6-18°C Colore Rosso rubino profondo Abbinamenti Carni alla brace-agnello cacio e ove ( formaggio e uova)

Impressões da Rafaela
Hoje visitamos Veneza, um verdadeiro caos! Eu tinha ido a Veneza em 2004, com minha mãe, em um dia superquente de agosto. Na época, pensei que gostaria de voltar. Pois voltei, e achei que foi numa época errada. Apesar de bela e interessante, estava cheia demais. Mesmo assim, gostei de estar lá com o Claudio. Como planejamos, nosso jantar está sendo no Eataly, em Bologna. Aqui é bem menor que o Eataly de Roma, mas é bem agradável. É uma livraria com produtos variados gastronômicos. Eu gostei bastante. O jantar foi gostoso, com vinho simples, mas bem feito. Uma boa experiência. Depois que saímos do Eataly, caminhamos um pouco pelo centro de Bologna, tentando reconhecer o que vimos em 2010, e caminhando por ali nos deparamos com uma sessão de cinema a céu aberto. Deu uma vontade enorme de ficar. Estava cheio e o ambiente superconvidativo, mas decidimos seguir viagem de volta ao hotel.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: 
Exame gustativo: Demos uma fugida rápida da Toscana, passamos o dia em Veneza. Na volta, resolvemos parar em Bologna para o jantar. Fomos a filial do Eataly que fica dentro de uma livraria. Como o espaço é bem menor, neste Eataly a variedade de opções era reduzida, mas os restaurantes estavam ali e as mesas estavam localizadas perto das estantes de livros em um local muito bacana e agradável. Queria ter comprado algum vinho na loja, mas também a variedade era menor. Acabamos escolhendo um dos vinhos do cardápio, uma seleção de vinhos de perfil gastronômico que o Eataly coloca nas cartas dos restaurantes. Como estava fora da Toscana, resolvi pegar um vinho de outra região e desta vez foi um Montepulciano d'Abruzzo. Este vinho é aquele típico vinho italiano feito para acompanhar comida. Corpo leve, acidez correta, notas de frutas misturadas com algo vegetal, um pouco ligeiro na boca. Um vinho sem complicação, que escoltou bem nossas massas. Saindo do Eataly, passeamos pelas agradáveis ruas de Bologna, repleta de pessoas aproveitando as noites quentes do verão. Achamos um cinema a céu aberto em uma praça, repleto de pessoas. Muito bacana, deu vontade de ficar mais tempo por lá.
Nota: -

18 de agosto de 2013

Em Firenze, um Chianti orgânico: Fattoria La Ripa Chianti Classico 2010

Nome Fattoria La Ripa Chianti Classico
Safra: 2010
País: Itália
Região: Chianti Classico
Produtor: Fattoria La Ripa
Importador: -

Uvas/Corte: Sangiovese 90% e Canaiolo 10%, biológicas
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Tamerò, na Piazza Santo Spirito
Quando foi comprado: 24 de julho de 2013
Degustado em: 24 de julho de 2013
Onde bebeu: Tamerò, na Piazza Santo Spirito
Harmonizado com: Frios e queijos, nhoque com molho de tomate, tagliatelle com ragú de porco
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Colore: Rosso rubino profondo; Profumo: Intenso, ciliegia, violetta, spezie, tabacco, rovere e cuoio; Sapore:  Morbido, caldo, molto persistente, ben equilibrato, prugna,  frutti di bosco, ciliegia,  elegante e ben strutturato.

Impressões da Rafaela
Neste dia madrugamos. Comprei ingressos para a Galleria Uffizi, que deviam ser retirados até 9h15. Decidimos ir de trem a Firenze, uma decisão acertada, mas levamos um tempão para achar a estação em Prato. No final, deu certo, chegamos a tempo. A galeria é enorme, repleta de belas pinturas, algumas bem famosas. Essas costumam ser as mais difíceis de serem admiradas, pois há sempre uma multidão por perto. Depois, passeamos pelo centro, fizemos algumas comprinhas e acabamos a tarde em uma loja de vinhos. A simpática atendente nos indicou um restaurante na tranquila praça St. Spirito, o Tamerò. Quando chegamos, ainda não estava aberto. Esperamos na pracinha superagradável. Quase às 19h, nos sentamos ao ar livre e pedimos este vinho e uma bela tábua de frios e queijos. Ainda comemos massas. Lá pelas tantas, o garçom nos perguntou de onde éramos. Quando respondemos, ele começou a falar em português. Claudio percebeu um bah! e logo perguntou se ele era gremista ou colorado. Jean respondeu que se nós fôssemos gremistas, ele não nos atenderia mais. Só gaúcho para entender esse desagravo. :-) Jean é de Caxias do Sul e mora há 18 anos em Florença, namora a Babi do blog Viva Toscana, que vale muito a pena a visita. Foi um jantar muito bacana em um ótimo e diferente restaurante.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: Nariz vivo e intenso, alguma coisa de frutas tropicais.
Exame gustativo: Depois de passear um dia inteiro em uma ensolarada Florença, paramos em uma pequena loja de vinhos, onde estava havendo uma degustação de vinhos, balsâmicos e azeites para um grupo pequeno de americanos. A simpática vendedora da loja nos convidou a participar da degustação de interessantes vinhos de pequenos produtores. Batemos um papo com ela e pedimos algumas indicações de lugares para jantar. Ela nos indicou um restaurante de perfil moderno na simpática Piazza Santo Spirito, local muito agradável, frequentado por moradores locais que aproveitavam o belíssimo final de tarde do verão toscano. Carta de vinhos com opções bem diferentes, fiquei curioso para provar este Chianti Classico feito com uvas de produção biológicas. Em boca, um Chianti diferente dos que provamos: um vinho mais franco, direto, de boa acidez e leve adstringência em boca. Cresceu com a comida e com um tempo na taça. Sabor se concentra na garganta, com final de boca bem marcado. Um bom vinho, boa experiência de provar um vinho orgânico, tendência muito forte na Europa. Bom jantar, bela maneira de fechar um belo dia de verão em Firenze.
Nota: -

Em Siena, Borro del Diavolo Chianti Classico 2008

Nome: Borro del Diavolo Chianti Classico Riserva
Safra: 2008
País: Itália
Região: Chianti Classico
Produtor: Ormanni
Importador: -

Uvas/Corte: Sangiovese 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 25 euros
Onde foi comprado: El Terzi
Quando foi comprado: 23 de julho de 2013
Degustado em: 23 de julho de 2013
Onde bebeu: Ristorante El Terzi, em Siena, Toscana, Itália
Harmonizado com: Queijos variados, pici com ragú, ravioli
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Il Chianti Classico Riserva Ormanni nasce dalla vinificazione tradizionale del Sangiovese in purezza, selezionato a mano, con estrema attenzione, nei migliori vigneti.
L'invecchiamento avviene in piccole barriques in parte nuove e per la maggior parte di secondo passaggio per circa 20 mesi.
L'affinamento in legno completa questo vino e lo predispone ad essere degustato anche dopo 10/15 anni.
L'imbottigliamento, effettuato dai tre ai sei mesi precedenti la commercializzazione, conferisce rotondità ed armonia alla fragranza e al gusto.
* Uvaggio: Sangiovese 100%
* Colore: rosso rubino intenso
* Profumo: fruttato, fine, persistente
* Sapore: Armonico, equilibrato
* Gradazione Alcolica: 14% vol.
* Produzione: circa 11.000 bottiglie
* Abbinamenti gastronomici: cacciagione, arrosti, formaggi stagionati

Impressões da Rafaela
Vinho que acompanha tudo sem criar caso, fácil, amigável. Hoje passeamos por Chianti. O que mais me surpreendeu foi chegar na região e o Claudio não querer percorrer cada cidadezinha, por achar que seria muito entediante para mim olhar cada loja de vinhos... Sou do interior, me sinto bem em cidadezinhas. Gosto de imaginar as vivências dos moradores. É certo que não gosto de entrar em cada loja de vinhos que aparece no caminho, mas sempre acho o que ver nos arredores. Como ele argumentou várias vezes, acabamos o dia em Siena, cidade grande na região, bonita, movimentada. Gostei muito. Escolhemos este restaurante com base no guia Lonely Planet, o qual não tenho a mínima ideia por que se chama assim. Foi uma boa experiência. De manhã, visitamos Greve in Chianti, onde provamos produtos de uma padaria bem pequena, mas com tudo fresco, que adoramos. Greve in Chianti tem um famoso museu do vinho, mas estava fechado bem naquele dia. No caminho para Siena, passamos por outras cidadezinhas da região, todos bem bonitinhas. Almoçamos em um restaurante que é bastante recomendado na região - mesmo sendo carne, encarei, quer dizer, Claudio comeu 95% do meu hambúrguer. O lugar chama-se Antica Macelleria Cecchini, de Dario Cecchini. Quem nos deu a dica foi a Patricia e o Kiko (Obrigada!)

Comentário do Claudio
Rótulo: .
Exame visual: Clássica cor de Chianti.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de passear pela região de Chianti e pela bela Siena, escolhemos um restaurante/enoteca para nosso jantar. Muitas opções de vinhos e resolvi escolher algo desconhecido, assim abrimos este Chianti Classico Riserva. Um Chianti muito interessante, pronto para beber, seguindo um estilo mais tradicional, que gosto bastante.Em boca é um vinho muito equilibrado, uma mistura de frutas vermelhas com notas silvestres, algo de bosque. Leves notas de carvalho bem integrado ao conjunto. Um típico Chianti que vai muito bem com comida. Final de boca de boa intensidade, sem ser muito longo. Um bom vinho para fechar um dia de belos passeios pela Toscana.
Nota: -

17 de agosto de 2013

Tem suco no blog: 7 - Casa Madeira

Suco de uva integral Casa Madeira
Suco de uva integral (100% puro, sem adição de açúcar e conservantes)
Casa Madeira, Vale dos Vinhedos/Bento Gonçalves/RS
1l, R$ 12,99 (no Supermercado Guanabara)
130kcal em cada 200ml

Depois de beber novamente este suco de uva da Casa Valduga, ficamos pensando que se ele não for o melhor que já provamos, está definitivamente entre os melhores. Ele tem a doçura na medida certa. Segundo o Claudio, ele tem uma densidade impressionante, é "quase mastigável". A cor dele é intensa e fechada. Trata-se, sem dúvida, de um suco de extrema qualidade. O preço acaba não sendo dos melhores, mas acreditamos que valha o investimento.
Recomendamos fortemente.

14 de agosto de 2013

Rèmole - Toscana IGT 2011

Nome: Rèmole
Safra: 2011
País: Itália
Região: Toscana
Produtor: Frescobaldi
Importador: -

Uvas/Corte: Sangiovese 85% e Cabernet Sauvignon 15%
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 9,50 euros
Onde foi comprado: Il lupo
Quando foi comprado: 22 de julho de 2013
Degustado em: 22 de julho de 2013
Onde bebeu: il Lupo, Shopping I Gigli, em Campi Bisenzio, próximo a Prato
Harmonizado com: Massas
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Remole 2011 is a luminous and intense purple-red. Articulated olfactory expression with nuances of blackberry, cherry and currants followed by spicy notes of black pepper, vanilla and star anise. Warm and intense, Remole is a balanced medium-bodied wine, pleasingly fruity and persistent.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho bem gostoso. Se tem algo que o Claudio não gosta é de praça de alimentação. Só que chegamos a Prato, onde fica nosso Ibis, e havia um shopping ao lado do hotel. Sem muita informação sobre a região, resolvemos jantar no shopping mesmo. Poucas opções. Escolhemos uma massa. Para acompanhar, um Frescobaldi, vinícola que visitaremos no fim da semana. Serviu para acompanhar a massinha com molho de tomate. Durante o dia, visitamos Volterra e San Gimignano, cidades lindas e interessantes. Adorei especialmente a segunda, que é toda em pedra e tem como característica principal as inúmeras torres. Ah, e tem o melhor sorvete do mundo!
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Como a Rafaela citou, poucas opções para comer e, no local que escolhemos, a opção de vinho era exatamente este Rèmole. Este é um vinho de entrada da Frescobaldi, um corte de Sangiovese e Cabernet Sauvignon muito agradável e bem feito. Em boca, ele é macio, leve fruta, que será a companhia ideal para uma pizza ou um prato leve de massa. Um vinho jovem, de bom preço, a garrafa termina rapidamente. Um bom trabalho da vinícola.
Nota: -

11 de agosto de 2013

Almoço de domingo em Cortona com Surus - Syrah 2010

Nome: Surus
Safra: 2010
País: Itália
Região: Cortona
Produtor: Fonte al Cerro
Importador: -

Uvas/Corte: Syrah 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 15 euros
Onde foi comprado: Trattoria Dardano, em Cortona
Quando foi comprado: 21 de julho de 2013
Degustado em: 21 de julho de 2013
Onde bebeu: Trattoria Dardano
Harmonizado com: Tagliatelle al ragú e tagliatelle ai funghi porcini
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Estou em Cortona! Enquanto escrevo, estou na cidade que foi cenário de Sob o sol da Toscana, e isso me emociona de verdade. Eu adoro filmes, especialmente filmes românticos. Acho esse filme lindo. Estar aqui é muito especial para mim. Na primeira vez que vim à Itália, o filme havia recém-estreado. Márcia, minha amiga mais querida, até brincou que eu deveria me cuidar para não querer ficar. O lugar é lindo mesmo. Naquela época, eu até teria motivos para ficar, mas agora há vários outros para querer voltar para casa. Adoramos este restaurante, simples, movimentado, tradicional, ótima comida, preço ok, tudo de bom! Depois, ainda viajamos para Arezzo, mas a movimentação no centro já estava no final e os lugares que eu queria visitar, fechados. Passeamos um pouco e depois seguimos para nosso hotel, para nos prepararmos rapidinho para a programação da noite, a Ópera Carmen, no Teatro Poliziano, em Montepulciano. Foi uma versão mais curta, mas com todas as músicas famosas. Gostamos bastante da experiência. 
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Seguimos para conhecer a cidade de Cortona e resolvemos fazer o nosso almoço de domingo por lá. Depois de caminhar um pouco na cidade seguimos para a Trattoria Dardano, um restaurante simples, mas estava muito movimentado, com aquele clima de almoço de domingo em família. Resolvemos esperar um pouco até vagar uma mesa. Valeu a espera! Comida muito bem feita, clima agradável e para acompanhar resolvemos pedir um vinho de Cortona. A escolha foi por este Syrah, um vinho simples, leve, feito para acompanhar comida, um vinho que tem a missão de ser coadjuvante. Um belo almoço nesta simpática cidade toscana!
Nota: -

8 de agosto de 2013

A Itália e seus vinhos gastronômicos: Poldo Vino Nobile di Montepulciano - 2006

Nome: Poldo Vino Nobile di Montepulciano
Safra: 2006
País: Itália
Região: Montepulciano
Produtor: Villa S. Anna
Importador: -

Uvas/Corte: Prugnolo Gentile 90%, Canaiolo 2%, Mammolo 1%, Colorino 1%, Merlot 6%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Osteria del Borgo
Quando foi comprado: 20 de julho de 2013
Degustado em: 20 de julho de 2013
Onde bebeu: Osteria del Borgo, mas desta vez no terraço, onde acompanhamos o cair da noite
Harmonizado com: Bruschetta, salada mista e queijo de cabra com mel e nozes
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor

Abbinamenti
Piatti tradizionali della cucina toscana, carni rosse, selvaggina e formaggi stagionati. Vino da meditazione. 

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro bom, mas nada que eu conseguisse identificar.
Exame gustativo: Hoje o dia foi dedicado a uma viagem para o lado leste. Fomos visitar Assis e a cidade de Perugia (cidade na qual eu planejava morar pouco antes de conhecer o Claudio, onde eu pretendia fazer um curso de comunicação internacional, mas acabei mudando os planos). Eu havia visitado Assis em 2004 quando viajei com minha mãe para a Itália. Na época, lembro que pensei que gostaria de voltar. Acabamos não ficando muito, pois queríamos visitar Perugia e ainda conhecer o Lago Trasimeno, que ficava no caminho. Em Perugia, andamos pela região central, comemos pedaços de pizza e escapamos da chuvinha que começou a cair no meio da tarde. Quando chegamos ao lago, o sol já havia voltado. Na margem, há uma infraestrutura bem legal, com um pouco de areia, cadeiras (eu adorei as cadeiras de praia na Itália, elas têm uma parte para proteger contra o sol no rosto, bem prática e útil) e até um espaço com piscina. Quando voltamos, fomos direto para Montepulciano. Chegamos relativamente cedo e conseguimos pegar as lojas abertas pela primeira vez. À noite, olhamos vários restaurantes, mas acabamos voltando ao que havíamos ido duas noites atrás. Só que desta vez na varanda com vista para o vale. Bem bonito. Ainda estava claro e foi uma noite muito agradável. Não estávamos com muita fome e pedimos várias pequenas entradinhas. O vinho estava muito gostoso.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de fazer passeios durante o dia por Assis e Perugia, voltamos para jantar em Montepulciano. Acabamos voltando no mesmo restaurante de duas noites atrás, mas desta vez aproveitamos o por do sol na agradável terraça. Mais uma vez contei com a ajuda do Francesco para escolher o vinho. Depois de algumas sugestões, escolhemos esta garrafa que segundo ele teria características semelhantes ao Lunadoro que havíamos gostado. De fato é um vinho de perfil mais maduro e elegante. Precisava ter sido aberto com pelo menos uma hora de antecedência. Início um pouco fechado, então resolvemos degustar de forma mais lenta. Com o tempo ele foi se abrindo, mas ele realmente brilhou com a chegada das comidinhas. O vinho simplesmente mudou e mostrou toda a sua vocação gastronômica. Taninos bem marcados, boca equilibrada, boa complexidade, muito elegante: um vinho quase didático em relação à como um vinho pode crescer quando bem escoltado por comida. Valeu a experiência em mais uma ótima noite em Montepulciano.
Nota: -

Um jantar inesquecível no Castello Banfi com o Cum Laude IGT Toscana 2010

Nome: Cum Laude IGT 
Safra: 2010
País: Itália
Região: Toscana
Produtor: Castelo Banfi
Importador: -

Uvas/Corte: 30% Cabernet Sauvignon, 30% Merlot , 25% Sangiovese, 15% Syrah
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 20 euros
Onde foi comprado: La Taverna Castelo Banfi
Quando foi comprado: 19 de julho de 2013
Degustado em: 19 de julho de 2013
Onde bebeu: Taverna Castelo Banfi
Harmonizado com: Nhoque com camarões e cordeiro com crosta de ervas
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color: Ruby red, intense and very deep. Bouquet: Full bouquet, with aromas of blackberries and plums, complemented by licorice, black olives, and pipe-tobacco notes. Taste: Full-bodied, with supple tannins.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Enquanto espero uma porção de queijos de cabra com mel, produtos típicos da região de Montalcino, relembro um pouco do dia de hoje. Para não perder o costume, fomos um pouco na piscina, antes de sair para Pienza. A cidade é bonitinha, bem pequena, enfeitada de flores. Depois partimos por uma estradinha para Montalcino. A estrada, que não era exatamente a que deveríamos ter pegado, era bucólica e pouco movimentada. Ao chegarmos a Montalcino, demos uma volta pela cidade, Claudio ficou muito em dúvida sobre qual Brunello comprar. Entrou em todas as lojas! Havia realmente muiiiitas opções. Eu comprei um sapato nesse meio tempo - finalmente encontrei um que gostei. Mais tarde, tínhamos visita agendada no Castelo Banfi, onde fomos recebidos pela Michela. Simpática, nos mostrou caves e o processo da Banfi - um dos destaques é um tanque feito sob medida para a Banfi. Em seguida, como tínhamos tempo, voltamos à cidade, gastamos uma hora. Nosso belo jantar começou às 7:30. Fomos os primeiros a chegar. O jantar está divino! O vinho é jovem, frutado, gostosão! Adorei!!! No final, a taça tem cheiro de incenso. E ainda vai ter Tiramisú com moscadello di Montalcino! É o paraíso! Grazie, Dio!
Nota: 91.0

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Tiramos este dia para visitar Montaltino. A pequena cidade gira em torno do seu famoso Brunello. Tivemos a oportunidade de visitar também o Castello Banfi, uma grande vinícola toscana. Fomos gentilmente recebidos pela Michela, que nos mostrou as principais instalações da vinícola, nos falou do grande tamanho desta jovem vinícola, propriedade de uma família americana que investe na produção de ótimos vinhos na Itália. O grande destaque da vinícola fica na área de recepção dos consumidores e turistas. Junto ao Castello, uma museu, uma pousada, uma loja com área de degustação e um excelente restaurante. Nosso jantar foi ali, no La Taverna. O restaurante tem um serviço impecável e comida deliciosa. Para acompanhar nosso jantar, escolhemos este supertoscano, um dos vários vinhos produzidos pela vinícola. Vinho de estilo mais moderno, com boa fruta madura, leves notas defumadas, ainda jovem, com muita vida pela frente. Este corte de quatro uvas tem boa acidez, é um vinho de bom custo-benefício., vinho para se gostar. O jantar foi excelente em um lugar muito bacana.
Nota: -

1 de agosto de 2013

Quando escolhemos um vinho pelo rótulo, Lunadoro Riserva - 2006 Vino Nobile de Montepulciano #cbe

Nome: Lunadoro
Safra: 2006
País: Itália
Região: Montepulciano
Produtor: Quercione
Importador: -

Uvas/Corte: Prugnolo gentili, canaiolo, mammolo e merlot
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 28 euros
Onde foi comprado:
Quando foi comprado: 18 de julho de 2013
Degustado em: 18 de julho de 2013
Onde bebeu: Osteria del Borgo
Harmonizado com: Tagliata e batatas e nhoque ao ragu
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
With the selection of Vino Nobile "QUERCIONE", we enter into the category of the limited wine production. This interesting wine is perfectly matched between tradition and modernity, elegance and intensity, infact less than five thousand bottles are produced. Despite being a relatively young wine its road to maturity is still long. Like all the oak trees have roots firmly planted in the ground next to that fruity aromas of blueberries and pleasant fume' notes, it carries the heat of the moist earth of the undergrowt and humus with itself. It is an elegant and deep wine that can give big emotions if opened at least half an hour before. The flavour is characterized by a large harmony, round and refined tannins alongside with an aftertaste that leaves its mark for persistence and intensity. It is a wine difficult to forget.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Junto com o de ontem, um dos melhores vinhos da viagem. Adorei! Hoje foi um dia mais relax: manhã na piscina, tentativas de compras em um outlet aqui perto do hotel e final de tarde com massagem, águas termais, tratamento com Vino Nobile na Terme de Montepulciano. Para encerrar, viemos a Montepulciano, onde vimos o ensaio da orquestra de Manchester que abrirá o festival de verão da cidade amanhã à noite, o 38º Cantiere. Depois, resolvemos jantar neste restaurante próximo à Piazza Grande, onde a comida é excelente e há wifi gratuita. :-) (Olha aí, Diário de Baco!) O vinho estava maravilhoso! Montepulciano é uma cidadezinha encantadora, parece cenário de novela da Globo. Você sobe, sobe, sobe. A praça central fica no alto, assim como vários restaurantes. Ainda não conseguimos pegar as lojas abertas. O carro fica estacionado em um dos estacionamentos localizados na base da cidade. Dali, você começa a subida. Para nós, pouco acostumados ao que foi construído antes de 1500, há muitos detalhes que nos chamam a atenção, coisas prosaicas, mas tão inéditas para alguém do novo mundo. Dá vontade de ficar para sempre.
Nota: 93.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Não é um rótulo tão atraente assim, mas foi decisivo para a escolha do vinho. Leia abaixo.
Exame visual: Cor clássica de sangiovese, algo de telha.
Exame olfativo: Nariz muito interessante, algo de madeira envelhecida.
Exame gustativo: Nossa segunda noite em Montepulciano e decidimos jantar na Osteria del Borgo. Nesta Osteria, eles também vendem vinhos. Logo na entrada do restaurante, você enxerga uma grande parede repleta de vinhos, principalmente de Vinos Nobile, e também uma máquina Enomatic com uns 8 vinhos para degustação. Em muitas lojas e restaurantes da Toscana pudemos ver estas máquinas. Diante da grande oferta de rótulos, como escolher apenas 1 para nosso jantar? Conversei com o Francesco, um dos atendentes do restaurante, e comecei a pedir algumas dicas e informações sobre os vinhos. E assim fomos eliminando alguns vinhos e diminuindo as opções. A ideia era ter algum vinho já com alguns anos de vida, de algum produtor não tão conhecido ou badalado, dentro de uma certa faixa de preço. Chegamos a 3 vinhos e a forma para escolher foi pelo rótulo. Assim, este passou a ser o nosso vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs, que neste mês teve o tema escolhido pela Fabiana, do ótimo Escrivinhos. Não há nada melhor do que você escolher uma garrafa desta forma e o vinho escolhido ser excelente. O vinho já mostrava amadurecimento, em geral os Vino Nobile não tem tanta estrutura para envelhecer como os Brunellos, por exemplo. Vinho foi uma boa surpresa, no ponto para ser bebido, taninos redondos, muito interessante, com tudo que se espera de um bom Sangiovese. Vinho muito prazeroso, daquele tipo que dá vontade de beber por um longo tempo. Evoluiu bem na taça e como todo bom vinho italiano, é bastante gastronômico. Belo jantar!
Nota: 91.0 +