27 de fevereiro de 2013

Sábado de Carnaval com muitos espumantes na VPT Farm

Foto: Gil Mesquita
Nome: Casa Valduga 130 / Grand Legado Brut Champenoise / Salton Gerações / Cave Geisse Blanc de Blanc
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos / Pinto Bandeira
Produtor: Casa Valduga / Salton / Gran Legado / Cave Geisse
Importador: -

Uvas/Corte: -
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 9 de fevereiro de 2013
Onde bebeu: VPT Farm, em Catalão/GO
Harmonizado com: Churrasco
Com quem: Claudio, Rafaela, Gil, Érika, Cristiano, Valdirene, Vanessa, Alexandre, Paulo, Carol, Antônia

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A esbórnia de verdade estava apenas começando. O grupo ficou completo no final da manhã com a chegada do Cris e da Val e do Paulo e da Carol. Nesta manhã também conhecemos o simpático Tatá, pai da Érika, que fez todas as nossas vontades: colheu milho novinho, jambo, mandioca, limão, laranja, temperos verdes e verduras fresquinhas. Para começar bem o dia, depois do café, Vanessa, Érika e eu fomos fazer uma caminhada, em uma tentativa de gastar as (muitas) calorias que viriam depois. Fiquei feliz de observar que todo mundo começou o ano tentando cuidar melhor da saúde. Todos estão fazendo atividade física e tentando controlar a alimentação. Isso é muito bom! O fim de semana foi uma exceção, mas também quem poderia resistir a tanta comida boa?! Neste dia, para acompanhar o churrasco, foi feita uma seleção de espumantes. Eu acho que nenhum bate o 130, mas estavam bem refrescantes.
Nota: -

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nosso carnaval na verdade foi uma maratona eno-gastronômica no VPT Farm. E nada melhor que começar tudo com espumantes. Comprei algumas garrafas de espumantes aqui no Rio para levar. Acabei escolhendo rótulos que estava com vontade de provar. Para acompanhar a nossa tarde e um churrasco que estava sendo feito, abrimos os trabalhos com o 130 da Casa Valduga que já comentamos no post anterior. Na sequência abrimos o "medalhado" Gran Legado. Já estava com vontade de provar este espumante há algum tempo. Chama a atenção a quantidade de adesivos de premiação que a garrafa ostenta. Esta estratégia de venda tem dois lados: talvez o consumidor que não beba com regularidade se sinta atraído e até compre uma garrafa, por outro lado, cria uma expectativa alta em relação ao espumante e que na nossa opinião não foi atingida. Não é um espumante ruim, mas falta um pouco de cremosidade e delicadeza. Final de boca com algo torrado e notas cítricas. Poderia ser mais vivo em boca. Depois passamos para a edição especial que a Salton fez, o Gerações. Um espumante que passa 3 anos em contato com as leveduras e isto é nítido em boca. Complexo, evoluído, diferente e interessante. Um pouco duro em boca, a mesma sensação que tive quando provei o 100 anos, outro espumante especial produzido pela Salton. Falta também um pouco de elegância talvez, mas vale provar pela complexidade.  O último espumante da tarde foi o Blanc de Blanc dos Geisse. Já havia degustado este espumante e mais uma vez mostrou muita qualidade e equilíbrio que sempre todos os espumantes desta vinícola apresenta. Leves notas cítricas, boa acidez, um ótimo espumante. E o Carnaval estava só começando....
Nota: -

22 de fevereiro de 2013

Casa Valduga 130 Brut - Abrindo o Carnaval


Nome: 130
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido por Gil e Érika
Quando foi comprado: -
Degustado em: 8 de fevereiro de 2013
Onde bebeu: VPT Farm
Harmonizado com: Queijos, frutas, torradinhas, geleia de pimentões deliciosa feita pela Érika
Com quem: Claudio, Rafaela, Gil, Érika, Vanessa e Alexandre - Antônia estava dormindo quando chegamos

Comentário do Produtor
Visão: Límpido e brilhante, de coloração dourada e fascinante perlage. Olfato: Bouquet elegante e intenso de frutas secas, amêndoas e um leve tostado. Paladar: Persistente e cremoso, de amplo e pleno sabor, harmônico.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este é disparado o meu espumante preferido. Não adianta vir com nenhum outro, não vai ter para ninguém! Fazia um tempão que não o bebia. Estava com saudades! Então imagina a minha alegria ao vê-lo logo de chegada na VPT Farm, a deliciosa sede campestre dos amigos do blog Vinho Para Todos, Gil e Érika. Para completar, Érika havia preparada uma bela mesa de frios, queijos e frutas para nos esperar. Ah, sim, ela também havia feito uma deliciosa geleia de pimentões. Sim, nós somos muito sortudos! O nós, no caso, somos Claudio e eu, mais Vanessa e Alexandre (do Diário de Baco). Foi um ótimo começo de feriado de carnaval. Muito obrigada, Érika e Gil, por nos receberem de maneira tão acolhedora. E também ao seu Tatá e a d. Lúcia. Adoramos a VPT Farm!
Nota: -

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Combinamos de passar o Carnaval em Catalão, mais precisamente no VPT Farm a convite dos amigos Érika e Gil. Chegamos na sexta-feira à noite em Uberlândia. Gil estava nos esperando. Alexandre e Vanessa já tinham chegado. Rumamos de carro e uma hora e pouco depois já estávamos no VPT Farm. A Érika nos esperava com três garrafas do 130 no gelo e uma mesa de coisas gostosas para comermos. Melhor impossível. O 130 é nosso velho conhecido aqui do blog. É um espumante de ótima qualidade, que a cada nova safra se mantém consistente. Ficamos comentando se, com a nova prensa da Casa Valduga, o 130 não tinha ficado mais intenso e com mais cor... Não chegamos a uma conclusão, mas concordamos que ele deve estar com um potencial de envelhecimento um pouco maior. Nossa noite de sexta foi ótima, um excelente abre-alas para nosso carnaval.
Nota: -

19 de fevereiro de 2013

Dancing Bull - Zinfandel 2010 / Penedo Borges Reserva - Cabernet Sauvignon 2010

Nome: Dancing Bull / Penedo Borges Reserva
Safra: 2010 / 2010
País: EUA / Argentina
Região: Modesto, California / Mendoza
Produtor: Dancing Bull Wines / Bodega Yuhan
Importador: Wine / Ana Santos

Uvas/Corte: Zinfandel 100%Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13,9% / 14%
Rolha: Sintética / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Clube W / Paissandú
Quando foi comprado: -
Degustado em: 4 de fevereiro de 2013
Onde Bebeu: Clube Paissandú
Harmonizado com: Omelete e salada
Com quem: Claudio, Miguel, Ricardo, Marcelo e Carlinhos

Comentário do Produtor
No shortage of flavor here. Blackberry, black cherry and raspberry mix with spicy notes of pepper and vanilla, making our Dancing Bull Zinfandel one of the best things to ever happen to barbeque. Originally introduced under the Rancho Zabaco label, our Zin remains a fan favorite for its bold, award-winning style. Pair this smooth, spicy wine with braised pork ribs and burgers, or try it with pasta in a rich tomato sauce.
A brilliant red wine dark ruby. The maturation in oak barrels grants seductive fig and dry fruit aromas, smoked and pepper y notes compounding a complex nose. Opulent and round taste, with a fine finish; apt for guard. Refreshing acidity.
Pairing: juicy rost beef, meat fillet, stewed lamb, canelone.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: 
Exame gustativo: Em mais um encontro dos amigos de faculdade, resolvi levar o tão falado Dancing Bull. Este vinho veio pelo clube W. Muitos outros blogueiros provaram e muitos comentários negativos foram postados sobre este vinho. Vocês já ouviram falar no ditado popular que fala que o melhor tempero para comida é a fome? Se pudesse fazer um paralelo sobre este ditado para o vinho, eu diria que o melhor tempero para um vinho seria a expectativa que você coloca nele. No caso do Dancing Bull Zinfandel, fui provar este vinho sem nenhuma expectativa, ou melhor, achando que seria um péssimo vinho...  E até que não foi dos piores. Tem todo aquele perfil de vinho moderno, com fruta, madeira... Como foi dividido em várias taças, não deu tempo de ficar enjoativo. Na sequência, pedimos um vinho já comentado aqui no blog, o Penedo Borges, bem feito e de ótimo valor. Foi uma noite divertida na varanda do Paissandú.
Nota: -

18 de fevereiro de 2013

S - Meyer-Näkel Spätburgunder 2009

Nome: S
Safra: 2009
País: Alemanha
Região: Dernau, Ahr
Produtor: Meyer-Näkel
Importador: -

Uvas/Corte: Spätburgunder 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Cônsul alemão
Quando foi comprado: Agosto de 2012
Degustado em: 4 de fevereiro de 2013
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Queijos de Cruzilha/MG, pão de abobrinha do Café Botânica, azeite presenteado pelo Rodrigo e pão caseiro
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
In der Nase findet sich eine elegante Kombination aus Brombeeren, Heidelbeeren, roten Kirschen, Himbeere, Vanille, Zartbitterschokolade und Veilchen, unterstrichen von dezenten Holzaromen. Feingliedrige Gerbstoffe; starke Struktur und Intensität auf dem Gaumen; vielschichtiger Nachhall und gutes Potential.

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este vinho foi comprado meio por acaso. O cônsul alemão no Rio estava de mudança para a França e resolveu se desfazer de parte da adega. Enviou um e-mail aqui para o trabalho oferecendo os vinhos. Outra colega e eu nos interessamos. Claudio e eu compramos três garrafas e a colega umas seis garrafas. Enviei minha lista e no dia seguinte meu vinhos estavam aqui. Ela não teve a mesma sorte, pois recebeu outros vinhos, bem diferentes do que ela esperava. Até aí, tudo bem. Esses dias, porém, ela me contou que pelo menos três deles estavam avinagrados. Quando ela me contou isso, resolvi sugerir ao Claudio que abríssemos os nossos logo. Aproveitamos que estávamos com uns queijos trazidos pela mãe dele de Cruzilha/MG e fizemos uma noite de queijos e vinhos. Para nossa felicidade, estava tudo perfeito! Tanto os vinhos, quanto os queijos. Foi uma noite fantástica. Este alemão harmonizou muito bem com o queijo gorgonzola. O vinho é muito gostoso, bem feito, equilibrado. Agora torcer para que os outros dois também estejam bem bons.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
 Clássica combinação entre preto e dourado que traz muita elegância para a garrafa.
Exame visual: Cor típica de Pinot do velho mundo.
Exame olfativo: Agradável e elegante com leve notas de cereja.
Exame gustativo: Excelente Pinot Noir da Alemanha. Compramos este vinho da adega do cônsul da Alemanha, que estava indo embora do Rio e não queria transportar seus vinhos. Que bela compra! Um vinho de muita qualidade e personalidade, que estava bom para beber agora, mas tem muita vida ainda pela frente. Em boca, o vinho se mostrou de boa complexidade, boas características da cepa e muita elegância. Evoluiu muito na taça, apresentando uma fruta limpa e delicada.Um vinho que vale conhecer, bem como os queijos de Cruzília/MG. Belo Pinot Noir! Bela noite!
Nota: 91.0+

17 de fevereiro de 2013

Viapiana Corte V - Cabernet Sauvignon e Merlot

Nome: Viapiana Corte V
Safra: -
País: Brasil
Região: Altos Montes, Flores da Cunha
Produtor: Vinhos Viapiana
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon e merlot
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 9,50 (taça)
Onde foi comprado: Pizzaria Eccelenza, em Botafogo, Rio
Quando foi comprado: 3 de fevereiro de 2013
Degustado em: 3 de fevereiro de 2013
Onde Bebeu: Pizzaria Eccelenza, em Botafogo, Rio
Harmonizado com: Pizza de muzzarela
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Coloração vermelho-rubi. Aroma com boa intensidade e notas agradáveis de frutas vermelhas como ameixa, sem presença de madeira. Em boca, se apresenta leve com média estrutura, taninos jovens, macio e equilibrado.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: Pouca expressão no nariz.
Exame gustativo: Resolvemos comer uma pizza em um domingo a noite. Vi que alguma mesas estavam tomando este vinho, que é servido em taça na pizzeria. Resolvi experimentar e pedi uma taça para acompanhar a pizza. Este é o vinho básico da vinícola. A primeira sensação em boca são notas levemente doces. É um vinho simples, que no final de boca apresenta algo mais quente e leve amargor. Depois de um tempo na taça, as notas doces se intensificam, lembrando algo de chocolate. Funcionou com a pizza. É um vinho simples que irá agradar muitas pessoas pelas suas notas doces, mas não chega a empolgar.
Nota: -

14 de fevereiro de 2013

La Posta Cocina - Malbec 2010

Nome: La Posta Cocina
Safra: 2010
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: La Posta del Viñatero
Importador: Vinci

Uvas/Corte: Malbec
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Presenteado ao Claudio pelo Carlinhos
Onde foi comprado: Sypomsium Vinhos
Quando foi comprado: Novembro 2012
Degustado em: 26 de janeiro de 2013
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Salada caprese com pão caseiro, massa com molho bolognese e bolo de rolo com sorvete de morango
Com quem: Claudio, Rafaela, Sheila e Dmitri

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Neste fim de semana, recebemos visitas: Sheila e Dmitri. Sheila é filha de um dos meus mais de 40 primos pelo lado paterno. Ela e o namorado vieram fazer provas aqui no Rio e passaram alguns dias conosco. Na véspera da prova, decidimos fazer algo em casa, para que dormissem cedo e pudessem estar descansados para dia longo que teriam. Compramos massa e molho na Veronese e o prato foi muito bem recebido. Nós, particularmente, adoramos os produtos da Veronese. O vinho mostrou-se bastante gostoso e foi bem com a massa. Ah, sim, malbecs são sempre bem-vindos!
Nota: -

Comentário do Claudio 
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Aproveitamos o jantar que preparamos para nossas visitas de Recife, a Sheila e o Dmitri, para abrirmos a garrafa deste bom Malbec. Ganhei este vinho do Carlinhos no meu aniversário no ano passado. Carlinhos anda se aventurando pelo mundo do vinho e fez uma boa escolha de presente. Esta linha de vinhos La Posta é muito interessante, vinhos bem feitos por diversos vinhateiros argentinos (este no caso foi uma seleção de Laura Catena), de preço atraente e resultado que agrada. Não foi diferente aqui. Um malbec com menos extração, mas igualmente saboroso. Tinha uma nota de álcool presente que acredito que vá sumir com um pouco mais de tempo na garrafa. Foi bem com o nosso jantar. Até para aquelas pessoas que já estão cansadas de beber malbecs argentinos, este não vai fazer feio, um vinho descomplicado.
Nota: -

Pol Clément Brut

Nome: Pol Clément Brut
Safra: -
País: França
Região: Loire
Produtor: CFGV - Compagnie Française des Grands Vins 
Importador: -

Uvas/Corte: Chenin, Sauvignon Blanc e Ugni Blanc 
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecida pelo Miguel
Onde foi comprado: Cavist
Quando foi comprado: Janeiro 2013
Degustado em: 25 de janeiro de 2013
Onde bebeu: Clube Paissandu
Harmonizado com: Várias comidinhas gostosas
Com quem: Claudio, Rafaela, Miguel, Paula, Mario, Carol, Marcelo, Lucas, Maria Claudia, Marcinha, Maria, Erika, Raquel, Ricardo, Patricia e demais convidados

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Miguel, o amigo mais novo entre os amigos de faculdade do Claudio, chegou também aos 40! Para comemorar, ele organizou uma festona no Paissandu. Quando chegamos, a família e os parentes já estavam instalados. Os demais amigos foram chegando aos poucos. Lá pelas tantas, os primeiros foram para a pista, para minha felicidade. Eu não sei dançar, mas adora me balançar ao som da música. O DJ inclui alguns clássicos dos anos 1980, o que nos deixou bastante felizes. Fomos os últimos a deixar o clube.
Nota: -

Comentário do Claudio 
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nunca tinha provado este espumante. Miguel tinha me pedido algumas dicas sobre qual espumante comprar para sua festa de 40 anos. Dei alguns nomes para ele e depois de um tempo ele voltou me perguntando sobre este espumante francês. Já tinha visto esta garrafa em algumas lojas, mas nunca tinha provado. Na verdade, sempre fico desconfiado de espumantes italianos e franceses que chegam a um bom custo por aqui. Procurei algumas informações sobre ele na internet, passei para o Miguel que acabou comprando este. Durante a festa, provei algumas taças que até me surpreendeu. É um espumante que vai funcionar bem para festas. É fácil de se beber, sem arestas ou defeitos aparentes e que vai agradar à maioria. É um espumante simples, que poderia ter um pouco mais de acidez aparente, mas que bem gelado cumpre bem o seu papel. Se encontrar com ele em alguma festa, pode provar sem susto. Vai combinar com um ambiente de descontração.
Nota: -

13 de fevereiro de 2013

Encontro com Adolfo Lona no Zot - parte 2


Com quem: Claudio, Rafaela, Adolfo, Márcio, Andrea, Alain, Affonso, Paola, Sheila, Dmitri e Duda

Vinhos degustados: Adolfo Lona Brut RoseOrus Pas Dose, Hex Von Wein Cabernet Sauvignon, Fulvia Cabernet Franc, 9

Harmonização: Comidinhas gostosas do Zot

Comentário da Rafaela
Esta noite foi dividida em duas etapas. Receberíamos visitas, que chegariam no Galeão depois das 21h. O encontro estava marcado para as 20h. Como não sabia se Sheila e Dmitri iriam querer ir à Copacabana, decidi ir um pouco com o Claudio às 20h e voltaria mais tarde, se fosse o caso. Tomei uma tacinha do Adolfo Lona Brut Rosè, bem gostoso, antes de pegar o metrô para voltar para casa. Felizmente, as visitas não estavam cansadas e toparam ir à Copa. Pude provar o ótimo brandade de bacalhau do Zot. Acabei voltando para casa sem o Claudio, que, assim como na outra quinta-feira, seguiu para o Cervantes com Alain e seu Adolfo.

Comentário do Claudio
Na semana anterior, havíamos deixado marcado mais um encontro com Adolfo Lona no mesmo agradável Zot, em Copacabana. Desta vez, a noite começou com o espumante brut rosé que Lona faz pelo método Charmat. Este espumante está em boa parte das cartas de vinho de restaurantes cariocas. Espumante que já comentamos por aqui e é sempre uma escolha certeira. Acho que bebemos duas ou três garrafas dele antes de passarmos para o Orus. Espumante elegante e de boa complexidade que já comentamos aqui no blog também. Bebemos duas garrafas. Encomendei uma garrafa dele com o Lona, a qual vou deixar repousando um pouco antes de beber. Acho que ainda vai crescer. Na sequência, bebemos dois vinhos, o Hex von Wein, que levei, e o Fvlvia Cabernet Franc, levado pelo Alain. Eram vinhos que estávamos curiosos para saber a opinião do Adolfo Lona. Não vou adiantar o que ele achou aqui no blog, pois ele prometeu que faria um post lá no blog dele . De qualquer modo, o Hex Von Wein é um vinho que gosto muito e não decepcionou. O Fvlvia, do Marco Danielle, também é um vinho interessante, segunda vez que provo e gosto. Marco Danielle é um produtor que gera calorosos debates, contra ou a favor. Muitos consideram suas garrafas grandes vinhos; outros, nem tanto. Gostei bastante deste Cabernet, mas para o meu paladar ainda não foi o grande vinho que muitos comentam. Para fechar a noite, ainda abrimos uma garrafa do vinho espanhol "9".  Para comer, o Marcio conseguiu providenciar empanadas, que estavam ótimas... Tomara que entrem no cardápio do Zot. E para não quebrar a tradição, demos um pulinho no Cervantes para fechar a agradável noite.

7 de fevereiro de 2013

Morandé Edición Limitada - Syrah e Cab. Sauvignon 2007

Nome: Morandé Edición Limitada
Safra: 2007
País: Chile
Região: Valle Central
Produtor: Morandé
Importador: -

Uvas/Corte: Syrah e Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Casa China, em Ponta Porã
Quando foi comprado: Janeiro de 2010
Degustado em: 21 de janeiro de 2013
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Risoto de calabresa flambada na cachaça 
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
At the production stage the most important points are the special climatic conditions and the potential of the terroirs of origin. After remaining in barrels for 16 months, some varieties are bottled with little filtering, so as to retain their flavours in the best possible way.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de passar uns dias no Rio Grande do Sul, cheguei ao Rio com vontade de um jantarzinho tranquilo em casa. Lembrei que ainda tínhamos alguns Voilà no freezer e pedi para o Claudio escolher um, assim como um vinho para jantarmos quando eu chegasse. A combinação não poderia ter sido melhor. Este Morandè, que comprei sem pensar muito em uma viagem ao Mato Grosso do Sul, mostrou-se muito gostoso. Ele não é pesadão e foi muito bem com o sempre ótimo risoto.
Nota: 89.0

Comentário da Rafaela
Rótulo: Gosto muito da composição de cores e da diagramação.
Exame visual: Rubi intenso
Exame olfativo: Nariz bem vivo e presente com notas de frutas e pimentas.
Exame gustativo: Já havia degustado a safra 2005 deste vinho e tinha gostado muito. Quando escolhi este vinho para abrir a noite, coloquei uma expectativa de como estaria aquela garrafa. É um vinho muito bem feito, mas não estava igual a lembrança que tinha deste vinho. Em boca notas apimentadas, um vinho bem franco e vivo. Taninos de boa qualidade, sem dúvida um vinho bem feito. Talvez pudesse esperar mais um aninho para ser aberto. Funcionou bem com o ótimo Risto da Voilà.
Nota: 88.0 +

6 de fevereiro de 2013

Gato Negro - Cabernet Sauvignon 2011

Nome: Gato Negro
Safra: 2011
País: Chile
Região: Viñedos de Molina
Produtor: Viña São Pedro
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,2%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pela Juliana e pelo Cuco
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 19 de janeiro de 2013
Onde bebeu: Casa da Ju e do Cuco
Harmonizado com: -
Com quem: Rafaela, Juliana e Cuco

Comentário do Produtor
De color rojo rubí oscuro. Cabernet muy intenso, predominan notas de berries, cherry y cassis perfectamente mezcladas con suaves tonos de vainilla y chocolate.. Es un vino fresco en boca, de excelente acidez que realza la fruta, con una rica concentración, taninos suaves y un final muy redondo.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fazia muitos meses que eu não ia a Vacaria. Aproveitei para rever muitas pessoas. Conheci as filhas gêmeas de pouco mais de um mês, filhas de meu primo Marcio e da Lúcia, revi meus padrinhos e minha tia Onira. Aproveitei também para ir ver minha amiga Ju e recebi a visita da Lisély, minha amiga querida de Esmeralda. Na casa da Ju, não tem jeito, sempre se come mais do que deveria, mas tudo é sempre tão bom! Desta vez, havia tanta comida, que daria para passar a semana lá. :) Para acompanhar, Cuco disse para eu escolher entre alguns vinhos. Como aprecio tomar vinhos que tenham gato no rótulo, não tive dúvidas. Foi uma boa escolha para acompanhar a comida com influências italianas.
Nota: 88.0

Encontro com Adolfo Lona no Zot - parte 1

Com quem: Claudio, Adolfo, Márcio, Andrea, Alain, Affonso e Paola.

Vinhos degustados: Orus Pas Dose, Volubis, Maximo Boschi, Bulle de Blanquette Nº 1

Harmonização: Comidinhas gostosas do Zot

Comentário do Claudio
Adolfo Lona me mandou uma mensagem dizendo que estaria novamente de férias no Rio e que estava trazendo o seu excelente espumante Orus para bebermos juntos. Então, combinei de nos encontrarmos no Zot em Copacabana, pois o Márcio gostaria de conhecê-lo pessoalmente. Para completar o time, Alain e Affonso também participaram. Foi uma noite das mais agradáveis, que terminou com o Adolfo Lona provando um dos clássicos sanduíches do Cervantes (quem conhece, sabe do que estou falando).
A companhia do Adolfo Lona é sempre agradável, o papo flui naturalmente e sempre se aprende um pouco mais sobre vinhos, espumantes, produção, mercado etc. Uma aula acompanhada de excelente espumante. Provamos a nova edição do Orus. Como sempre, estava ótimo. É um espumante que gosto muito, de muita complexidade em boca e que já comentei por aqui. De produção muito pequena e boa parte degustada pelo próprio produtor, é o "embaixador da marca" como o Adolfo Lona diz. Foram nada menos que 4 garrafas na noite. Se você ainda não conhece, tem que provar.
O Alain levou um vinho branco francês, orgânico do Loire, o Volubilis. Primeiro vinho com tampinha tipo de garrafa de cerveja que vejo. Bebemos também um Máximo Boschi Merlot, além de um Bulle de Blanquette Nº 1, gostoso espumante francês. Provamos várias comidinhas do Zot e, como sempre, só coisas boas. Lá pelas tantas o Márcio surge da cozinha com empanadas, para a alegria do argentino Lona. As empanadas foram motivo para marcarmos um novo encontro, na semana seguinte que depois conto por aqui.
Depois de uma noite divertidíssima, já dentro do táxi, o Alain pergunta se o Adolfo Lona conhecia o Cervantes... Fechamos a noite com um clássico sanduíche.
Obrigado, Márcio, por ter gentilmente nos recebido. Obrigado, Adolfo Lona, pelos espumantes e pelo papo. Alain, Affonso, Andrea e Paola, por tornar a noite ainda mais agradável!

Aguardem o relato do outro encontro.

5 de fevereiro de 2013

Toro Loco - Tempranillo 2011 / TH - Syrah 2008 / Freixenet

Nome: Toro Loco / TH - Syrah / Freixenet Rosè
Safra: 2011 / 2008 / -
País: Espanha / Chile / Espanha
Região: Utiel Pequena / Limari / Catalunia
Produtor: - / Undurraga / Freixenet
Importador: -

Uvas/Corte: Tempranillo / Syrah / -
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 12 de janeiro de 2013
Onde bebeu: Casa da Sabrina e do Zé Rodrigo
Harmonizado com: Comida Thai
Com quem: Claudio, Rafaela, Sabrina e Zé Rodrigo

Comentário do Produtor
Toro Loco: Vinho tinto frutado com aromas que remetem a amora fresca, ameixa fresca e gerânio. Em boca tem sabor macio e frutado, confirmando os aromas em nariz. Possui acidez refrescante e taninos suaves. Apesar de ser um vinho espanhol, tem estilo bem moderno, muito parecido com os vinhos do novo mundo.

Freixenet: he grape varieties used in the production of the base wine for this Cava are Trepat and Garnacha. The harvest begins at the end of September with the Trepat, and is followed at the beginning of October with the Garnacha. We chose the Trepat for the very special aromatic characteristics which it gives to both still wines and Cavas. It is a variety indigenous to the region of Conca de Barberà in the Province of Tarragona. There are only 1000 ha planted in the whole of Catalunya. Its particular characteristics do not only depend on winemaking and ageing, but also on the soils, the climate and the management of the vineyards.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Para nossa alegria, Sabrina e Zé Rodrigo vieram morar no Rio. Mesmo não nos encontrando o quanto gostaríamos, já tivemos algumas oportunidades de nos revermos. Esta foi uma delas. Depois de um ótimo almoço no Adegão Português, Sabrina nos convidou para irmos jantar com eles no sábado seguinte. Claudio escolheu um Syrah para levar, mas tão logo chegamos, Zé resolveu abrir o Toro Loco. Como ainda não tinha provado o mais falado vinho de 2012, fiquei animada. O vinho é leve, gostoso, fácil de beber e de gostar. Esta foi a minha impressão, bem positiva. O vinho realmente tem um ótimo custo-benefício. Depois, para terminar o jantar, continuamos com o bom syrah Terroir Hunters e, já na fase da gula, com um Freixenet, fresco e gostoso.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fomos convidados pela Sabrina e pelo Zé Rodrigo para conhecer a nova casa deles aqui no Rio. Depois de uma temporada em São Paulo, agora estão por perto e com certeza faremos muitos encontros como este. Eles preparam um cardápio completo de comida thai, aprendido durante viagem pela região. Tudo delicioso. Para acompanhar começamos pelo famoso Toro Loco, que eu ainda não tinha provado. Este vinho é um fenômeno de vendas. Acho que muita gente que não estava acostumada a comprar vinhos, comprou uma garrafinha deste. Acho que por este aspecto, o Toro Loco já tem seu valor. É claro que não é o melhor vinho do mundo, como erradamente se espalhou por aí. É um vinho que, na sua faixa de preço e pela sua proposta, não faz feio. É besteira querer comparar com outros vinhos mais caros e superiores, o Toro loco vai perder, mas se você pensar que é um vinho básico, para o seu dia a dia, ele tem seu valor: bem feito, redondo, final um pouco curto, mas que vai agradar muita gente que comprou e que não tem hábito de beber vinho com regularidade. Na sequência, abrimos o Syrah do Limarí, do projeto Terroir Hunters que estava muito bom, (o meu Syrah favorito desta linha) dentro da consistência dos vinhos deste projeto chileno. A noite estava animada e ainda deu tempo para uma taça de Freixenet Rosé. Que venham novos jantares.
Nota: -

4 de fevereiro de 2013

Bossa Nº 1 Brut

Nome: Bossa Nº 1
Safra:
País: Brasil
Região: Serra do Sudoeste
Produtor: Vinícola Hermann
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente nos presenteado pelo seu Aníbal, da loja Espírito do Vinho, na Cobal Humaitá, no Rio
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Dezembro de 2012
Degustado em: 8 de janeiro de 2013
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Bolo de carne de frango e salada
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
O nariz apresenta frutas cítricas, florais e leves notas de pão, fermento. Na boca é fresco, equilibrado e persistente. Grande versatilidade à mesa: Ideal para acompanhar canapés diversos, sushis e sashimis, saladas com frutos do mar, aperitivos em geral.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O Rio tem passado por dias de calor intenso. Neste dia, não foi diferente. A temperatura passou longe dos 30ºC, quase chegando aos 40ºC. Não é fácil, mas não há o que fazer. É preciso continuar vivendo como se nada fosse. Tinha um compromisso em Copacabana, para onde fui no final da tarde. Antes de sair, anunciei que o jantar seria com espumante por conta do calor. Claudio ficou me olhando como quem diz: tudo bem, quer furar a dieta, depois teremos de arcar com as consequências. Explico: faz alguns dias que estavam controlando os vinhos, os carboidratos, as frituras, os açúcares etc. Tem dado resultado. Vez ou outra, porém, dá vontade de melhorar o jantar com um vinhozinho fresco. Este foi bem o caso desse Bossa, nos presenteado pelo seu Aníbal. Espumante com cara de festa! Em um casamento, faria muito sucesso. É leve, fresco, ideal para espantar o calor. Encaixa-se também na categoria brut sem ser bruto.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Poderia ser mais equilibrado.
Exame visual: Amarelo bem claro com perlage fina e intensa.
Exame olfativo: Nariz delicado, com notas levemente doce e alguma fruta branca.
Exame gustativo: No último dia do ano, passamos pela Cobal do Humaitá. Aproveitei e passei na loja Espírito do Vinho, que vende os vinhos importados pela Decanter, para desejar um Feliz Ano Novo ao dono da loja, Sr. Aníbal. Começamos a conversar sobre a venda de espumantes e ele comentou sobre a linha de espumante que os donos da Decanter resolveram produzir no Brasil, entre eles este Bossa nº1. Ele falou sobre a surpresa do pessoal da Decanter com a quantidade de garrafas vendidas ali naquela loja, mais de 18.000 deste espumante brasileiro. Como já comentei aqui, acho que os espumantes têm a cara do Rio de Janeiro. Ele nos presenteou com esta garrafa, que ali é vendida por cerca de R$ 25. Provei e gostei. É um espumante leve, bem fresco, boa acidez, com uma nota doce em seu final, que vai agradar a muita gente. Um espumante fácil de se beber, que em boca tem leve cremosidade, com notas de frutas brancas, que até evolui um pouco na taça. Típico espumante que combina com um dia de verão e que a garrafa acaba rapidamente. Feito pelo método Charmat, fiquei com vontade de provar o outro da linha, feito pelo método tradicional.
Nota: 86,0-87,0

2 de fevereiro de 2013

Veramonte Reserva - Merlot 2008

Nome: Veramonte Reserva
Safra: 2008
País: Chile
Região: Vale de Casablanca
Produtor: Veramonte
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Merlot
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 19,80
Onde foi comprado: Zona Sul
Quando foi comprado: outubro de 2010
Degustado em: 4 de janeiro de 2013
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Lombo de porco com salada
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color Rojo rubí intenso. Aroma Con olores a mora y cerezas negras especiado con toques de pimienta negra y tabaco junto con un leve toque mentolado y perfectamente integrado con los aromas propios de la barrica. Sabor Intensos sabores a frutas del bosque de gran intensidad y concentración.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Esta primeira semana do ano começou cheia de novidades, como, por exemplo, o cardápio semanal que começamos a seguir. Vinhos estão incluídos em nossa nova programação alimentar, mas só de vez em quando. Vamos ver como será. Para acompanhar a comida leve que decidimos fazer, Claudio sugeriu algumas opções e eu acabei escolhendo este Veramonte, pois já estava há algum tempo guardado. É um vinho simples, mas gostoso. Lembrou-me os primeiros vinhos que costumávamos beber, quando comprávamos mais vinhos no Zona Sul, para consumirmos no mesmo dia. Depois que começamos a viajar mais e a comprar vinhos em outras lojas, nos distanciamos um pouco da adega do Zona Sul. Nem mesmo pizzas temos ido comer ali. Este Veramonte é um vinho para o dia a dia, daqueles que você nem sofre se deixar um pouco para o dia seguinte ou para cozinhar. Foi bem como nosso prato.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo: A nova safra já apresenta um novo design.
Exame visual: Grená vivo.
Exame olfativo: Suave notas de frutas escuras misturada com pimenta.
Exame gustativo: Gosto dos vinhos desta vinícola. Acho que são consistentes e conseguem chegar ao consumidor a bons preços. Esta linha Reserva é bem interessante pelo custo. Em 2010, bebemos algumas garrafas desta linha e resolvi fazer um teste. Comprei uma garrafa em outubro de 2010 para ver como este vinho se comportaria com mais algum tempo de garrafa. Sabia que era um vinho jovem, sem características de guarda, mas na época ele apresentava uma nota inicial um pouco forte e intensa que achava que quando ela estivesse domada o vinho cresceria. Realmente o ataque inicial dele ficou mais interessante, mas o vinho não ganhou muito com o tempo de garrafa. Continuo com o seu perfil e sua proposta, um pouco mais amigável. É um vinho agradável e franco, final curto, um ótimo vinho para beber sem compromisso e acima dos vinhos na sua faixa de preço.
Nota: 86,0+

1 de fevereiro de 2013

Palau Gazo Cava

Nome: Palau Gazo Cava
Safra: -
País: Espanha
Região: -
Produtor: Finca Manlleu
Importador: Vinho Sul Imp.

Uvas/Corte: MacabeoXarel·loViura and Parellada
Teor alcoólico: 11,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 45
Onde foi comprado: Winet Club
Quando foi comprado: Novembro 2012
Degustado em: 1º de janeiro de 2013
Onde bebeu: Casa de Regina Helena, em Copacabana, no Rio
Harmonizado com: Arroz com lentinha e cebolas fritas, tender, pudim de bacalhau
Com quem: Claudio, Rafaela, Mauro, Marcela, Regina Helena e d. Márcia

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Espumante é a bebida preferida da Marcela. Ela comentou isso na noite anterior. Então resolvemos levar este espumante para acompanhar nosso almoço no dia seguinte. Trata-se de um espumante muito gostoso, com jeito de festa. Um bom acompanhamento para o começo do ano e para a ótima comida preparada pela mãe do Claudio. Este vinho foi uma de nossas últimas aquisições no Winet Club. Boa escolha, Deco!
Nota:-

Comentário do Claudio
Rótulo: Rótulo equilibrado, estilo antigo, remetendo a algo religioso.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nossa primeira garrafa do ano foi um espumante. Um Cava que foi selecionado pelo amigo Deco Rossi em seu Winet Club. Foi uma boa escolha. Gosto muito de espumante, mas confesso que bebe menos Cavas do que deveria. Aproveitando o dia quente e o fato da Marcela também gostar de espumantes, escolhi esta garrafa para o almoço do dia 1º de janeiro. Muito equilibrado e com boa acidez, é um espumante que desce fácil, muito agradável em boca. Me parece ser um excelente custo/benefício.
Nota: