31 de janeiro de 2013

Primus 2008

Nome: Primus
Safra: 2008
País: Chile
Região: Valle Casablanca
Produtor: Veramonte
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 46%, Syrah 20%, Merlot 15% e Carmenère 19%
Teor alcoólico: 14,5 %
Rolha: De cortiça, tamanho médio, com logomarca gravada
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido por Regina Helena
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul
Quando foi comprado: Dezembro de 2012
Degustado em: 31 de dezembro de 2012
Onde bebeu: Casa de Regina Helena, em Copacabana, no Rio
Harmonizado com: Arroz com lentinha e cebolas fritas, tender e uma entradinha de tomates com manjericão e mussarela de búfala, além de um pão caseiro com manjericão
Com quem: Claudio, Rafaela, Mauro, Marcela e Regina Helena

Comentário do Produtor
Un vino poderoso, contundente con notas de especies exóticas y fruta madura. Aterciopelado con sabores a mora y cerezas se combinan con taninos intensos pero suaves.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A nossa noite de ano novo começou com uma caminhadinha de Botafogo até Copacabana. Esquecemos de comprar o bilhete do metrô a tempo e acabamos indo de ônibus para Copacabana. No meio do caminho, o motorista anunciou que faria um desvio, decidimos descer do ônibus perto do Cemitério São João Batista e seguir a pé. Depois de meia hora de caminhada, chegamos a casa da mãe do Claudio, que nos esperava com um belo jantar. Levamos como entrada uma salada caprese com pesto à parte e pão feito pela nossa panificadora. Estava bem boa. Para acompanhar, havia este Primus, que me surpreendeu. Das outras vezes em que eu o havia provado havia ficado a lembrança de um vinho mais pesado e forte, mas neste noite ele estava muito agradável.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Rótulo equilibrado, estilo antigo, remetendo a algo religioso.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O Primus foi o nosso vinho na ceia de final de ano. Minha mãe havia comprado esta garrafa para um outro jantar, mas a garrafa não foi aberta. Já degustamos este vinho, desta e de outras safras, em várias ocasiões. Na última vez, quando provamos um da safra 2008, comentei que precisava de um tempo em garrafa para ficar melhor. E não deu outra: o vinho ficou delicioso. Vinho de bom corpo, taninos arredondados, que vai bem com comida. Sempre achei que este vinho iria evoluir com um tempo de guarda. Tenho na adega um da safra 2006, que guardei para este teste e em breve pretendo abrir. Quem encontrar o 2008, compre! Vinho que vale muito pelo seu preço e está ótimo para ser aberto. No Zona Sul, está entrando a nova safra, 2009. Depois do jantar, seguimos para ver os fogos na praia de Copacabana, que por sinal foi muito bonito este ano.
Nota: 90.0 

30 de janeiro de 2013

Chandon Réserve Brut

Nome: Chandon Réserve Brut
Safra: -
País: Brasil
Região: Garibaldi
Produtor: Chandon
Importador: -

Uvas/Corte: Riesling, Chardonnay e Pinot Noir
Teor alcoólico: 11,8%
Rolha: Rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 18 (meia garrafa)
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: Novembro de 2012
Degustado em: 31 de dezembro de 2012
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
A cor amarelo-esverdeada, a espuma abundante e persistente e o perlage de borbulhas finas, ativas e numerosas, caracterizam esse clássico assemblage das variedades Chardonnay, Pinnot Noir e Riesling Itálico. O aroma revela sutilezas florais e frutadas. A primeira impressão ao paladar é uma acidez equilibrada, seguida de nítida sensação de redondeza e frescor. Por fim, são percebidas notas de frutas secas e cítricas com uma persistência média.

Comentário da Rafaela
Exame visual:
 -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Esta garrafinha baby foi comprada para o aniversário do Claudio, mas como havia tantas outras garrafas de vinho em casa, acabou ficando esquecida na geladeira. No último dia do ano, pouco antes de partirmos para Copacabana, resolvemos fazer o último brinde do ano. Ela dá duas tacinhas na medida. Com este brinde, agradecemos tudo de bom que nos aconteceu neste ano e com a alegria de tantas lembranças boas, começamos mais um ano. Que seja próspero em amizades, felicidade, saúde e alegria!
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
 Um rótulo bem cuidado pela Chandon. Uso correto e equilibrado do preto e dourado.
Exame visual:
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Último dia do ano, estávamos em casa preparando algumas comidinhas para a noite. Minha prima Patrícia tinha ficado de passar aqui para se arrumar, antes de seguir para a festa de réveillon em um barco. Separei um espumante para bebermos com ela e o Brendon. Quando soubemos que não viriam mais, resolvemos abrir esta garrafa baby apenas para fazer um brinde de final de ano. Este Chandon Brut é correto, bem feito, mas não me desperta outras emoções. Valeu pelo brinde na varanda antes de partirmos para ver os fogos em Copacabana.
Nota: -

29 de janeiro de 2013

Bouza Albariño 2011

Nome: Bouza Albariño
Safra: 2011
País: Uruguai
Região: Montevidéu
Produtor: Vinícola Bouza
Importador: -

Uvas/Corte: Albariño 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 128/18624
Preço: 400 pesos uruguaios
Onde foi comprado: Na própria vinícola
Quando foi comprado: 2 de janeiro de 2012
Degustado em: 18 de novembro de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Arroz integral e Bacalhau ao Alho Negro da Voilà
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color amarillo. Aroma a fruta tropical y flores blancas. En boca se presenta equilibrado y vivaz acidez. Con importante volumen y prolongado final. CV y EB, 3/8/2012

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Estava cheia de planos para esta noite, queria ter ido encontrar alguns amigos, mas a verdade é que o dia foi de tanto calor, que só o que conseguimos fazer foi ir ao supermercado comprar alguns legumes para fazer uma saladinha antes do jantar, que teria como prato principal o ótimo bacalhau com alho negro da Voilà, outra gentileza do amigo Emerson. A comida foi perfeitamente bem acompanhada por este maravilhoso vinho branco. Eu amei! Já provei bons vinhos, mas este com certeza foi um dos tops de 2012. Tomara que voltemos ao Uruguai para comprar novas garrafas.
Nota: 93.0, e não estou exagerando

Comentário do Claudio
Rótulo: Segue a linha básica da vinícola. Clássico e correto.
Exame visual: -
Exame olfativo: Bastante aromático com notas de frutas brancas como pera e pêssego.
Exame gustativo: Já tinha lido alguns comentários sobre este Albarinho da Bouza. No final de 2011, quando tivemos no Uruguai, marcamos uma visita à vinícola. Lugar muito bonito e com um restaurante excelente, recomendo muito a visita. Durante a visita, comprei esta garrafa no varejo da vinícola. Nossa ideia inicial era preparar uma brandade de bacalhau para acompanhar o vinho, mas ganahamos do nosso amigo Emerson um prato excelente de Bacalhau da Voilà. Foi a companhia perfeita para este excelente vinho. Em boca ele confirmou todos os comentários que já havia lido: ótimo exemplar da casta, excelente acidez, bastante equilibrado e fácil de se beber. Corpo leve, refrescante e com notas de frutas e leve nota doce em seu final de boca que é bem marcante. Vinho que vale conhecer para quem é fã desta uva e para quem não é. Gostei bastante!
Nota: 90.0

Cuvée Giuseppe - Cabernet Sauigon e Merlot 2003 / Maycas Limari - Cabernet Sauvignon 2005

Nome: Cuvée Giuseppe / Maycas del Limarí
Safra: 2003 / 2005
País: Brasil / Chile
Região: Vale dos Vinhedos / Valle del Limarí
Produtor: Miolo / Viña Maycas del Limarí
Importador:- / Enoteca Fasano

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 60% e Merlot 40% / Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13% / 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecidos pela madrinha do Claudio
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 25 de dezembro de 2012
Onde bebeu: Casa da madrinha do Claudio, em Secretário, Itaipava
Harmonizado com: Comidas variadas.
Com quem: Claudio, Rafaela, Gustavo e Gabriela

Comentário do Produtor
Cuvée Giuseppe - Vinho de guarda, com estrutura para suportar vários anos de envelhecimento. Análise Visual: Coloração púrpura e vermelho rubi intensa. Análise Olfativa: Alta intensidade aromática, com harmonia entre a fruta e a madeira de carvalho. Descritores: - Geléia de frutas - Cereja - Café Tostado - Cassis - Cacau - Amora - Uvas-passas Análise Gustativa: Este vinho apresenta-se bem estruturado, com grande volume de boca, com taninos marcantes, e presença harmônica da madeira (carvalho).

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Já havíamos provado esses dois vinhos. O Cuvée Giuseppe em junho de 2008 e o Maycas del Limarí em várias outras ocasiões. Este foi o primeiro Natal sem o padrinho do Claudio. Gustavo, o único dos filhos que aprecia vinhos, resolveu pedir ao Claudio uma ajuda para identificar quais vinhos deviam permanecer guardados e quais deveriam ser consumidos primeiro. Tarefa cumprida, escolheram duas garrafas para abrimos mais tarde. Os vinhos serviram para embalar a conversa com Gabi e Gustavo. Gostamos muito da companhia dos dois, mas infelizmente são raros os nossos encontros. 
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Na noite do dia 25 de dezembro, o Gustavo resolveu abrir uns vinhos para acompanhar o final de noite. Antes, fomos analisar os vinhos que estavam guardados no sítio. Este foi o primeiro Natal que passamos sem a presença do meu padrinho e o Gustavo me pediu para ajudar a ver entre os dos vinhos quais deveriam ser bebidos mais rapidamente. Acabamos abrindo duas garrafas. A primeira um vinho brasileiro de 2003, que já apresentava algumas marcas dos seus 10 anos de vida, mas ainda estava agradável e bem evoluído. Na sequência, abrimos um vinho chileno de uma vinícola que gosto bastante, a Maycas del Limari. Havia bebido este mesmo vinho há algum tempo lá mesmo no sítio na companhia de meu padrinho. Na minha opinião, esta garrafa que abrimos não apresentava as boas características deste Cabernet, parecia que o vinho estava ficando bouchonné. A noite foi agradável, assim como o papo com a Gabi e o Gustavo.
Nota: -

28 de janeiro de 2013

Viu Manent - Carmenère / La Loubière Costières de Nîmes 2008

Nome: Viu Manent / La Loubière Costières de Nîmes
Safra: - / 2008
País: Chile / França
Região: Vale do Colchágua / Château La Tour Loubière Costières-de-Nîmes
Produtor: Viu Manent Winery / Domaine La Loubière
Importador: - / Fabrizio Fasano

Uvas/Corte: Carmenère 100% / Grenache 50% , Syrah 45% e Carignan 5%
Teor alcoólico: - / 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecidos pela madrinha do Claudio
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 24 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Lombo de porco com salada
Com quem: Claudio, Rafaela, Gustavo, Gabriela, Pedro, Arthur, Fernando, Eliane, Bruno, Fernanda, Mariana, Renato, Laura, Sonia, Mauro, Marcela, Regina Helena

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de reencontrar parentes em Tremembé e de passar horas agradáveis com os amigos de Campinas, pegamos novamente a estrada. O destino agora era Secretário, distrito de Petrópolis, próximo à Itaipava. Outra parte da família do Claudio reúne-se lá para passar o Natal. Chegamos no final da tarde, quando todos aproveitavam o sol do final da tarde à beira da piscina. Logo já começaria a movimentação para a ceia de Natal. Gustavo havia separado alguns vinhos para a ceia, que foram muito bem com a grande variedade de pratos preparados tanto pela madrinha do Claudio, Sonia, quanto pela mãe, Regina. Estava tudo tão bom! Foi bom também reencontrar a criançada toda. Laura está enorme e falante. Mariana, cada vez mais doce e inteligente.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Saímos pela manhã de Campinas rumo à região serrana do Rio de Janeiro para passar a noite de Natal. Chegamos no final da tarde e logo em seguida aconteceria a ceia. O Gustavos separou dois vinhos para a noite. Começamos com o Viu Manent Carmenerè. Um vinho correto, que apresentava uma fruta doce em boca, diferenciando das características desta cepa. Um vinho fácil e que deve agradar a maioria. Na sequência abrimos um francês da região de Nîmes. Também um bom vinho, fácil, sem grandes complexidades. Funcionou bem com as deliciosas comidas da noite.
Nota: -

23 de janeiro de 2013

Paella, pizzas, 21 garrafas de vinho: esbórnia em Campinas

Quando: 22 de dezembro de 2012

Onde: Espaço Gourmet, gentilmente cedido por Anna e Emerson

Com quem: Claudio, Rafaela, Emerson, Anna, Vanessa, Alexandre, Beto, Daniel, Tatiana, Cristiano, Valdirene, Guilherme, Eric, Rafael, Deco e Luca

Vinhos degustados:
3 garrafas de Valmarino & Churchill Extra Brut, Cave Geisse Brut Blanc de Blanc, Jean Bousquet Chardonnay, Trio Chardonnay/Pinot Blanc/Pinot Grigio,  2 garrafas de Orus Pas Dosé Rosé,  2 garrafas de Familia Gascón Rosé 2011, Canals & Munné Cava Brut 2006, Lavigny-les-Beaune 2008, Remole 2010, Altos 2008, Altos Rioja 2008, Lagar de Robla, Familia Gascón Rosé, Triennes St. Auguste1999, Sibaris 2010, J. P. Moscatel 2000,  Viña Maipo Reserva Chardonnay 2009 e Goulart Reserva.

Comentário da Rafaela
Aproveitamos a viagem que faríamos a Campinas para revermos os queridos amigos de Campinas. Anualmente, eles se reúnem para celebrar o Natal juntos. Tratamos de nos encaixar na festa. O assunto começou a ser discutido ainda em novembro, quando os recebemos no Rio. Demorou, mas chegou o dia tão esperado. Fomos os primeiros a chegar ao condomínio do Emerson. Eric e Rafael já estavam lá começando os trabalhos. Os dois têm o restaurante Duo, em Campinas. Nós ainda não tivemos chance de conhecê-lo, mas nossos amigos adoram o lugar. Aos poucos, todos foram chegando, alguns de Campinas, outros de Jundiaí e São Paulo. Nem bem, a comida começou a ser preparada, começaram a ser abertas as primeiras das 21 garrafas que seriam bebidas até a noite. Sim, pois a festa teve duas fases. A primeira foi a ótima Paella do Eric e do Rafael; a segunda, com as pizzas sempre inspiradoras do Emerson. Eu gosto muito de arroz, então paella é um prato que sempre me agrada. Esta então estava maravilhosa! Repeti duas vezes! Provei vários vinhos, mas, sinceramente, depois de tantas taças assim, imagina se vou me lembrar de alguma coisa. Isso sempre me faz pensar que em festas com muita gente e muitas garrafas, o melhor é investir em vinhos com bom custo/benefício. Nada de vinho barato, mas nada de vinhos muito especiais, pois, no geral, não há um aproveitamento à altura dos vinhos. Depois desses encontros com nossos amigos de SP, sempre bate uma tristezinha por sermos tão sozinhos aqui no Rio. Ainda bem que 2013 promete muitos encontros.


Comentário do Claudio
Uma tarde/noite das mais agradáveis. Assim foi nosso encontro com alguns amigos blogueiros em Campinas. Este encontro foi pensado com alguma antecedência e quando soubemos a data que iríamos até Taubaté, conseguimos organizar tudo para estarmos presentes. Os chefs Eric e Rafaela do restaurante Duo de Campinas preparou uma das melhores paellas que já comi. O almoço se estendeu até a noite. Aí entrou em cena o Emerson que preparou pizzas no forno à lenha. Para acompanhar as comidas e o agradável dia e a conversa, 21 garrafas de vinhos foram abertas! Vael comentar sobre alguns deles. Todos os espumantes bebidos estavam ótimos. Nada menos do que 3 garrafas de Valmarino & Churchill, espumante de bastente corpo e complexidade que gosto bastante e já comentado aqui no blog, foram bebidas. Além disto, degustamos 2 garrafas do excelente e sempre cativante Orus do amigo Adolfo Lona, uma garrafa do Cave Geisse Blanc de Blanc, novidade que ainda não conhecia e me surpreendeu muito. Três espumantes brasileiros de respeito! Bebemos um Cava que também estava ótimo. Entre muitos tintos e brancos, vale destacar o Borgonha levado gentilmente pelo Deco que estava um espetáculo e o evoluído e gostoso  Triennes St. Auguste, gentilmente oferecido pelo Emerson. Foi um dia memorável e que neste ano a gente consiga repetir diversos encontros como este!

16 de janeiro de 2013

Valmarino & Churchill - Extra Brut 2009 / Tenuta di Casteglione - 2008

Nome: Valmarino & Churchill / Tenuta di Casteglione
Safra: 2009 / 2008
País: Brasil / Itália
Região: Vale dos Vinhedos / Toscana
Produtor: Valmarino / Marchesi di Frescobaldi
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay 90% e Pinot Noir 10% / 50% Cabernet Sauvignon, 30% Merlot, 10% Cabernet Franc, 10% Sangiovese.
Teor alcoólico: 12% /
Rolha: Cortiça / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecidos pelos nossos anfitriões Vanessa e Alexandre
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 22 de dezembro de 2012
Onde bebeu: Em Campinas
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio, Rafaela, Alexandre e Vanessa

Comentário do Produtor
Valmarino: Dourado claro com perlage fina e muito elegante. Leve de frutas cítricas com toque de pão torrado. Agradável de notável frescor e complexidade, lembrando frutas cítricas e carvalho. Boa acidez, exibindo uma persistência longa
Tenuta: The rich Tenuta Frescobaldi di Castiglioni, this estate’s iconic wine, is clearly in a modern key, but holds fast to the qualities of its local terroir. The labels of the bottles prior to the 2009 vintage presented the caption as “Tenuta di Castiglioni”. The 2008 grape harvest on Frescobaldi’s nine wine  estates, located in various areas of Tuscany, ended on October 10. The 2008 spring will be remembered as the rainiest of the last few decades, with temperatures dipping well below average. Rain and wind in June, right during the bloom period, led to less than optimal fruit set; the clusters showed smaller-sized grapes. In July and August, however, generous sunlight and warm temperatures in Tuscany partially remedied the slow development. The  summer months, including September, were sunny and hot, and sufficient reserves of water in the soil helped ensure ideal ripeness levels across all grape varieties.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Chegamos à nova casa de Baco já estava escuro. Achei que Tremembé seria mais perto de Campinas. Ainda assim, chegamos para o jantar. :) Vanessa tinha preparado tantas coisinhas gostosas de entrada que acabamos ficando nos pães e acompanhamentos e foi muito bom. Para acompanhar, os vinhos escolhidos não poderiam ser melhores. Primeiro, um espumante que gostamos muito e já provamos algumas vezes, sempre tendo uma experiência agradável. Em seguida, um italiano. Alexandre tem bom gosto para vinhos! Era só o começo de nossa rápida passagem por Campinas, que, como sempre, foi muito boa. Fiquei muito feliz em rever o Baco! No dia seguinte, encontraríamos todos os nossos amigos de São Paulo para o tão esperado almoço do fim do mundo.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois do almoço em Taubaté, seguimos para Campinas para a casa do Alexandre e da Vanessa. Chegamos a noite e eles tinham preparado um monte de coisas gostaosa para comermos. Alexandre providenciou os vinhos. Começamos pelo sempre bom Valmarino & Churchill. Espumante que já degustamos outras vezes, muito interessante, com bastante corpo devido a seu vinho base passar por barricas. Rico e de boa complexidade é um espumante mais sério e que merece ser provado. Na sequência, partimos para um tinto da região que todos na mesa e principalmente o Alexandre é fã: Toscana, Itália. Nunca tinha provado este vinho, feito com uvas francesas e junto com a Sangiovesse. Belo vinho, muito elegante, boa intensidade em boca e ideal para acompanhar o papo e as comidinhas. Quero provar novamente.
Nota: -

15 de janeiro de 2013

Valley of the Moon - Pinot Blanc 2010

Nome: Valley of the Moon
Safra: 2010
País: Estados Unidos
Região: -
Produtor: Valley of the Moon Winery
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Blanc 98%, Chardonnay 1%, Muscat Canelli 1%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pela Patty e pelo Brandon
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Dezembro de 2012
Degustado em: 22 de dezembro de 2012
Onde bebeu: Casa de Marilena e Luiz Heleno, em Tremembé
Harmonizado com: Comidinhas variadas
Com quem: Claudio, Rafaela, Marcela, Mauro, Regina Helena, Marilena, Luiz Heleno, Patty, Brendon, Lê, Thiago, Oswaldinho, Érika, Bruna, Nathália, José Guilherme, Regina, Paula, Guilherme, Flávia, Fábio, Carlos, Lucila, Suzi, Maria Clara, Márcio, Bruno, Carol, Ligia, Duda, Márcia, Aquiles, Marta e demais convidados

Comentário do Produtor
Aromas of baked apple, peach and lychee nut are enhanced with mineral notes. Integrated fruit flavors of pear, white peach and green melon lead to a rich mouthfeel and lengthy finish balanced with bright acidity. This traditional Alsatian-style wine is a blend of grapes from vineyards that are located in the Russian River Valley and the Southern Sonoma Valley. Both viticultural areas have deep alluvial soil and a cool climate due to the moderating influence of the Pacific Ocean and the San Pablo Bay. These cool microclimates are responsible for preserving the crisp acidity and fresh fruit and floral characteristics of the wine. The 2010 Pinot Blanc was whole-cluster pressed and the majority was fermented at cool temperatures in stainless steel tanks to preserve the varietal fruit aromas and flavors of the grapes. Approximately 23 percent of this vintage was fermented and aged sur lies in three-year old French oak barrels and new and used French Acacia wood barrels for added richness and complexity.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Tão logo a Patty confirmou que viria ao Brasil, já começou a movimentar os parentes todos para um encontro em Tremembé. Deu certo! No dia 22, nos reunimos todos na casa dos tios Marilena e Luiz Heleno, para várias horas de bate papo, comidas deliciosas e sobremesas tentadoras. Foi bom rever todo mundo. Com exceção da Renata, todos os primos do Claudio estavam presentes. O dia estava superquente e quando a Patty perguntou se aceitávamos uma taça de vinho, não titubeamos. Este estava geladinho e chegou em boa hora. Depois do almoço, partimos para Campinas, para encontrar Baco, Vanessa e Alexandre.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Exame visual:
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Todas as vezes que a Patty vem ao Brasil ela consegue mobilizar a família e prepara um almoço em Tremembé. Ela também sempre traz alguns vinhos da California para eu provar. Desta vez não foi diferente, dia 22 de dezembro estávamos todos reunidos em um almoço muito gostoso e divertido. É sempre bom rever alguns primos que moram em outras cidades e nem sempre conseguimos  encontrar. Durante o almoço a Patty perguntou se não queríamos provar um Pinot Blanc californiano. Claro que topamos. Minha primeira impressão sobre o vinho foi positiva, fresco boa fruta, leve e combinou com o calor do dia. A Patty comentou que a procura por vinhos desta uva estava crescendo na California. Como ela trouxe uma garrafa deste mesmo vinho (além de outras) vou degustar com calma e coloco meus comentários aqui. Obrigado Patty e Brendon!!
Nota:

14 de janeiro de 2013

Don Guerino Blanc de Blancs Brut

Nome: Don Guerino Blanc de Blancs
Safra: - 
País: Brasil
Região: Alto Feliz / Serra Gaúcha
Produtor: Don Guerino
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay 70%, Prosecco 30%
Teor alcoólico: 11,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 32
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: Novembro de 2012
Degustado em: 21 de dezembro de 2012
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Comida Thai do Orienthai
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Elaborado pelo método Champenoise, aonde a segunda fermentação é feita em garrafa. Com 12 meses de autólise. Notas de Degustação: Cor amarelo palha, perlage fino e elegante. Aromas a pão tostado, levedura, e frutas tropicais. Em boca é equilibrado, cremoso, intenso e com retrogosto agradável.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O mundo não acabou! Então resolvemos fazer um brinde. E foi com este ótimo espumante da Don Guerino, que além de gostoso vem em uma bela garrafa. Muito agradável. Pedimos comida thai, mas parece que desta vez faltou algum tempero. Talvez seja hora de dar um tempo nos pedidos. Mas o espumante vale muito a pena!
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Exame visual: Amarelo pálido com boa espuma e cremosidade.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nunca tinha bebido um espumante da Don Guerino. Quando vi esta garrafa na Cadeg, resolvi arriscar para ver como era. É um corte das uvas Chardonnay com Prosecco, feito pelo método Champenoise. Espumante muito bem feito e de boa qualidade, agradável, boa cremosidade e elegante. Notas de frutas, algo como pêssego. Em seu final, aparece uma nota adocicada, muito provavelmente em função da Prosecco. Para o meu paladar, esta nota poderia não existir, mas, com certeza, irá agradar a muitas pessoas. Um bom espumante, boa surpresa que foi bem com nossa comida Thai.
Nota: 87,0

TH - Cabernet Sauvignon 2009 / Château Caronne Ste Gemme - Cabernet Sauvignon, Merlot e Petit Verdot 2007


Nome: TH /  Château Caronne Ste Gemme
Safra: 2009 / 2007
País: Chile / França
Região: Valle del Maipo / Haut Medoc
Produtor:  Viña Undurraga / Château Caronne Ste Gemme
Importador: Abflug / -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100% / Cabernet Sauvignon 65%, Merlot 30% e Petit Verdot 5%
Teor alcoólico: 13,5% / 13%
Rolha: Cortiça / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: - / 10,95 euros
Onde foi comprado: gentilmente presenteado pela Abflug / Em Toulon, no Carrefour, na França
Quando foi comprado:  - / set/10
Degustado em: 17 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: Restaurante Gonzalo, no Leblon
Harmonizado com: Bife de chorizo, frango, bife de vazio e ojo de bife
Com quem: Claudio, Rafaela, Gilberto e Julia

Comentário do Produtor
-
Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este jantar foi oferecido a mim e a Julia pelo Claudio e pelo Gilberto. Foi o jantar da firma! E estava muito bom! Os vinhos combinaram perfeitamente com a comida gostosa servida no Gonzalo, restaurante de inspiração uruguaio e atendimento perfeito. Não vejo a hora de voltarmos para provarmos uma bela salada que vi servida nas mesas vizinhas. O encontro com Gilberto e Julia foi bom como sempre. Tomara que a C-Brand resolva fazer mais comemorações durante o ano também.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Dois ótimos vinhos degustados no novo e excelente restaurante uruguaio Gonzalo no Leblon. Em mais uma reunião de final de ano, fomos conhecer este restaurante que já estava curioso em ir desde sua abertura. Passei antes por lá para ver a carta de vinhos. Ela não é extensa, tem alguns bons rótulos, perguntei se seria possível levar o próprio vinho e fui informado que sim  e que ataxa de rolha era de R$ 35,00, que considerei justo. Escolhi estas duas garrafas. Ao chegar no restaurante com os vinhos, o sommelier de pronto recebeu as garrafas, encaminhou para a adega e em seguida abriu a primeira garrafa e colocou no decanter a segunda. Um trabalho muito profissional da equipe do restaurante, sem haver aquele constrangimento que você passa em alguns restaurantes quando leva o seu próprio vinho. Ponto para a casa! Pedimos as carnes, estavam todas ótimos, com acompanhamentos diferentes e interessantes. O primeiro vinho foi o Cabernet da linha Terroir Hunters, com boa tipicidade,  notas clássicas dos bons Cabernets chilenos, bom corpo e taninos polidos. Segundo vinho da noite foi este Haut Medoc, que ficou um tempinho no decanter, vinho com boa fruta, elegante e bem feito. Os dois funcionaram bem com as carnes. Fica a dica do restaurante Gonzalo para comer um boa parrilla uruguaia.
Nota: 90.0 / 90.0

13 de janeiro de 2013

Toques & Clochers Oceanique Limoux e Chateau de L’ Estang 2009, Côtes de Castillon.

Nome: Toques & Clochers Oceanique Limoux Chardonnay /  Chateau de L’ Estang
Safra: - / 2009
País: França
Região: Languedoc-Roussillon / Côtes de Castillon
Produtor: Sieur d'Arques /
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay / Cabernet FrancCabernet SauvignonMerlot
Teor alcoólico: 13% / -
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço:
Onde foi comprado: Gentilmente nos oferecido pelo Márcio e pela Andrea do Zot Gastrobar
Quando foi comprado: 16 de dezembro de 2012
Degustado em: 16 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: Zot Gastrobar
Harmonizado com: Diversas comidinhas gostosas
Com quem: Claudio, Rafaela, Márcio e Andrea

Comentário do Produtor
This Limoux Chardonnay presents elegant notes of citrus fruit on the nose, characteristic of the 'Oceanic' terroir. Fruity with fresh, aromatic impressions of the sea, it is soft with well rounded, discrete scents of oak leading to a lively finish. It will be a perfect companion for seafood, fish with sauce or a bass cooked in foil with dried herbs.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Em menos de um mês, fomos umas quatro vezes no Zot Gastrobar. Nesta noite de domingo, fomos para fazer a entrega de uma encomenda de um amigo. Acabamos sentando-nos com o Márcio, que logo providenciou taças e vinhos deliciosos. Para acompanhar, ainda fez alguns pedidos certeiros para a cozinha. Foi uma noite muito agradável. Gostamos muito do lugar e ficar na média de visitas nos próximos meses não seria uma má ideia.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Dois bons vinhos em uma noite muito agradável na companhia do Márcio e da Andrea no Zot Gastrobar. Em uma noite de domingo, fomos até o Zot entregar uma encomenda ao Márcio, proprietário do local. Chegando por lá, Márcio e sua esposa Andrea gentilmente nos convidaram para nos sentarmos e já providenciou taças para a mesa e abriu um gostoso Chardonay de Limoux. Não é uma região que eu lembre de cara quando penso em Chardonnay. Gostei bastante do vinho. Seguindo a noite, o Marcio pediu algumas coisas gostosas para provarmos e abriu um tinto, um Bordeaux da região Côtes de Castillon. Não fiz nenhuma anotação sobre este vinho e como o papo estava animado, só posso dizer que ele é um ótimo companheiro para um bom papo entre amigos. Assim foi nossa agradável noite de domingo no Zot.
Nota: -

12 de janeiro de 2013

Avondale Rosè - 2010

Nome: Avondale Rosè
Safra: 2010
País: África do Sul
Região: Paarl
Produtor: Avondale
Importador: -

Uvas/Corte: Muscat de Frontignon 85% e Mourvedre 15%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 60
Onde foi comprado: Oui Oui, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 17 de dezembro de 2008
Degustado em: 17 de dezembro de 2012
Onde bebeu: Oui Oui, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Moqueca de peixe
Com quem: Rafaela, Ursula N., Ursula D, Christian, Rebeca, Rita, Betina e Celso

Comentário do Produtor
-


Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Junto com o fim do ano, chegam também as inúmeras comemorações. No trabalho, tivemos duas: a primeira, um jantar com convidados; a segunda, um almoço só com os oito funcionário do Rio. Escolhemos o Oui Oui e lá fomos nós na semana antes do Natal. Foi um almoço bem agradável. Como todos pensaram em pedir uma taça de vinho, nosso chefe acabou pedindo duas garrafas de vinho. Este Avondale é superrefrescante, muito bom. Eu já havia provado o vinho de sobremesa desta marca e ele continua sendo o meu preferido. Este rosè parece ter sido feito para dias como esse, de muito calor. Recomendo!
Nota: 89.0

11 de janeiro de 2013

Espumantes em festa de final de ano

Quando: 15 de dezembro de 2012

Onde: Em volta da piscina da casa da Joy, no Leblon

Com quem: Claudio, Rafaela, Roberta, Karla, Joy, Victoria, Gilberto, Julia, Tatiana, Vitor, Simone, Monica, Flavia, Marcelo, Ana e Jorge


Vinhos degustados:
Vallontano Brut; Amadeu Brut Rosé; Amadeu Brut; Adolfo Lona Rosé; Viapiana 192 Brut

Onde foi Comprado: Vallontano na Mistral e os demais na Cadeg

Comentário da Rafaela
O encontro começou logo depois das três. Cariocas almoçam no meio da tarde aos fins de semana. Apesar dos tantos anos morando no Rio, ainda estranho um pouco essa decisão, mas já a entendo melhor. Afinal, no sábado e no domingo é bom não ter horário para levantar, tampouco para tomar café, o que acaba empurrando o almoço para mais tarde, depois da praia ou de uma manhã bem aproveitada. Neste dia, confesso, até gostei do horário. Na noite anterior, havíamos nos encontrado com meus colegas do mestrado e a esbórnia foi total. Beber espumante era a última coisa que queria para aquele sábado. E foi mais ou menos assim. Das 12 garrafas abertas, creio que bebi umas duas taças apenas. No resto do tempo, usei e abusei do bebedouro. O local da festa não podia ter sido melhor e os colegas de sala (dos professores) do Claudio são bem bacanas. Achei que me sentiria meio deslocada, mas todos fizeram com que me sentisse integrada. Aproveitei para colocar a conversa em dia com a Julia e para brincar um pouco com o Toddy, o simpático cachorro da Joy, que adora um guardanapo e não perde oportunidades, especialmente quando um pedaço de quiche está dando sopa bem no cantinho da mesa. O almoço seguiu até o final da tarde com ótimas entradinhas, destaque para a salada caprese e para um risoto muito gostoso feito por um príncipe (Stimmt, oder, Tatiana?!)! Foi uma ótima experiência, apesar de ter deixado passar a chance de provar bons espumantes. Que venha a próximo!

Comentário do Claudio
Você já deve ter ouvido falar nas seguintes expressões: "Espumante para ser bebido em volta da piscina" e "Espumante combina com o calor" ou ainda "Espumante é para celebrar com os amigos". Na tarde do dia 15 de dezembro, pudemos comprovar na prática essas expressões e cunhar mais uma, "Espumante traz alegria para as festas". Há algum tempo, colegas professores do Departamento de Artes e Design da PUC-RJ (sim, eu também dou aulas por lá!) comentavam sobre tentar organizar um encontro. No final do ano passado, a ideia tomou corpo e gentilmente a Joy ofereceu a sua casa para marcarmos o encontro. De pronto, sugeri que a bebida do evento fosse espumante. Todos aceitaram e me conferiram a missão de fazer a seleção e a compra das garrafas. Sabia que algumas pessoas não bebiam espumantes com regularidade, então procurei escolher alguns rótulos que eu já tivesse provado, de bom custo e que fossem em geral frescos e fáceis de agradar. Garrafas compradas, geladas, era hora de colocar à prova a seleção escolhida.
Partimos para o lindo apartamento da Joy, que nos fez nos sentirmos em casa. Cada um levou ou preparou coisas gostosas para comermos e assim a festa estava feita. Servimos primeiro o Vallontano Brut (já comentado aqui no blog), espumante feito pelo método Charmat longo, de muita boa qualidade, fresco e elegante, um espumante que recomendo. Partimos para os dois espumantes da família Geisse: primeiro o Amadeu Brut rosé (leia). Já tinha provado este espumante de bonita cor com feijoada (aqui) e desta vez o provamos com uma excelente entrada, uma salada caprese preparada pela Simone. Um bela harmonização que pretendo repetir e mostrou toda a versatilidade deste Rosé.
A esta altura da festa, os espumantes já tinham surpreendido alguns convidados que ou não curtiam rosés ou não conheciam muitos rótulos brasileiros. Seguimos para o ótimo Amadeu Brut, que considero uma ótima compra (já comentado), excelente qualidade para seu valor. Depois, partimos para outro espumante que gosto muito, o rosé do amigo Adolfo Lona (veja), espumante também feito pelo método Charmat, elegante em boca. Esse espumante figura em diversas cartas de vinhos de restaurantes cariocas. A tarde foi passando e as garrafas acabando. O último rótulo da seleção foi um Viapiana, não sei se as pessoas lembram dele, mas um espumante de acidez marcante que recomendo para acompanhar um prato com um pouco mais de gordura.
Foi um encontro muito divertido, saboroso e agradável. Espero repetir a dose em breve!

10 de janeiro de 2013

Yellow Tail - Shiraz 2010

Nome: Yellow Tail
Safra: 2010
País: Austrália
Região: South Eastern Austrália
Produtor: Casella Wines

Importador: Abflug

Uvas/Corte: Shiraz
Teor alcoólico:13,6%
Rolha: rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Winet Club
Quando foi comprado: Novembro de 2012
Degustado em: 14 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: Casa da Ana Rosa, no Rio
Harmonizado com: Comidinhas gostosas de Natal
Com quem: Claudio, Rafaela, Ana Rosa, Livia, Renato, André, Maurício, Neusa, Angela e Antonio

Comentário do Produtor
Deep and dark in the palate, this Shiraz offers classic red berry fruit, Christmas cake spices, dried figs and a long, juicy finish. Serve with herb crusted leg of lamb, medium rare, and a handful of oven baked potato wedges.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este ano não foi um ano fácil para marcar encontros com os colegas do mestrado. As agendas de todos estão cada vez mais ocupadas. De qualquer modo, depois de várias tentativas, conseguimos acertar uma data. Infelizmente, nosso grupo estava incompleto, pois Tati não conseguiu ir. No dia anterior, a cidade havia parado com uma chuva forte e, quando isso acontece, todo mundo fica com medo de sair de casa. Ainda mais se o destino for a Barra da Tijuca. Ir à Barra no final de tarde é para fortes! Como levaríamos este vinho, pensamos em ir de táxi. Aqui no Rio, a Lei Seca é uma lei (finalmente uma!) que pegou. Todas as noites, há blitz em um ou mais pontos da cidade. Quando chegamos para pegar o táxi, o taxista disse que não poderia ir para a Barra naquela hora. Resultado: voltamos para casa e resolvemos ir de carro mesmo. Claudio passou a noite bebendo água. Então, sinto informar, que se alguém quiser saber mais sobre este vinho, terá de ler algo no blog do Deco: Enodeco. Este não foi o único vinho da noite, mas foi o que mais gostei. Provaria novamente, com certeza! Obrigada, Ana, por nos receber de forma tão carinhosa, como sempre! E, Ângela, vamos ver se no ano que vem mantemos nossa tradição do amigo-secreto!
Nota: -

Nieto Senetiner Extra Brut

Nome: Nieto Senetiner Extra Brut
Safra: -
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Bodegas Nieto Senetiner
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço:
Onde foi comprado: Parilla em Palermo
Quando foi comprado: 9 de dezembro de 2012
Degustado em: 9 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: Parilla em Palermo
Harmonizado com: Pollo com batatas fritas e salada
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Sua cor vai do salmão ao âmbar, com, minúcsculas olhas numerosas e persistentes, o qie revela o cuidado na sua elaboração. 

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Na noite de sábado, havíamos passado em frente a este restaurante e reparado na fila. Àquela hora, já havíamos jantado, mas ficamos com ele guardado na memória. No dia seguinte, depois de dar umas passeadas pelo tranquilo Palermo, que estava acordando aos poucos, resolvemos conferir se o restaurante estava aberto. Sim, estava e meio vazio ainda. Como nosso táxi nos apanharia no meio da tarde, resolvemos comer logo de uma vez. Pouco depois do meio-dia, estávamos instalados e provando, mais uma vez, assados. A comida, no final das contas, era mediana, mas este espumante se revelou uma bela surpresa. Adorei! Foi uma ótima escolha para fechar nosso fim de semana em Buenos Aires.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: Discretamente rosado, com perlage bem fina.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: No outra vez que estivemos em Buenos Aires, eu percebi que a oferta de espumantes nas lojas de vinho tinha crescido muito. As principais vinícolas apresentavam diversos espumantes e fiquei curioso para provar. Neste último dia de nossa passagem por Buenos Aires, caminhamos um pouco por Palermo e quando bateu a fome resolvemos experimentar um restaurante que vimos lotado na véspera, muito frequentado por locais e suas famílias. Ao chegar ao restaurante e devido ao calor que estava no dia, resolvemos finalmente provar um espumante por lá. As opções não eram muitas e escolhemos por acaso este da Nieto Senetiner. Feito apenas com Pinot Noir ele surpreendeu. Bem feito, fácil de se beber, agradável. Um espumante simples e que vai agradar. Poderia ter um pouquinho mais de acidez, mas nada que atrapalhe. Quem quiser provar um espumante argentino, de baixo custo e fácil de se beber, fica a dica, fácil de se encontrar no Brasil.
Nota: 87.0

9 de janeiro de 2013

Septima - Cabernet Sauvignon 2008

Nome: Septima
Safra: 2008
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Bodega Septima
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 40 pesos argentinos
Onde foi comprado: Parilla em Palermo
Quando foi comprado: 8 de dezembro de 2012
Degustado em: 8 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: Parilla em Palermo
Harmonizado com: Pollo e bife de chorizo com batatas fritas e salada
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor

Color: Rojo rubí intenso con matices caoba.
Aroma: Muy complejo y especiado, presenta notas de pimiento asado, ciruelas y un fondo de mermelada de frutas acompañada por minerales como el grafito. Aromas tostados, café y vainilla.
Boca: Elegante entrada en boca, guinda y frutilla en mezcla perfecta con pimiento rojo asado, taninos potentes y dulces. Gusto posterior con presencia de madera de roble ahumada. Permanencia en boca, bien estructurado y agradable final.


Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Começamos o sábado novamente com um museu. Desta vez, o Malba (Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires), que fica em uma bela construção, projetada especialmente para abrigar o museu. Assim como o do dia anterior, este tem uma pegada contemporânea, com peças do último século. Muitos artistas argentinos têm peças nos dois. Gostei bastante. Valeu também a caminhada. Depois, voltamos lentamente para casa, comemos empanadas pelo caminho e voltamos ao hotel para aproveitar um pouco a piscina e o jardim. Também queríamos degustar o vinho oferecido na reserva do Splendia. À noite, caminhamos por Palermo, meio sem ideias. Foi engraçado, desta vez não planejamos muito onde comeríamos. Também ficamos um pouco espantados com os preços altos. Como planejamos gastar uma quantidade de dinheiro, procuramos não sair muito do nosso orçamento. Fomos então a um restaurante de churrasco perto do hotel, que nem chegamos a anotar o nome. Era bom, mas bastante simples. Como já havíamos bebido um vinho à tarde, pedimos apenas uma meia garrafa para acompanhar a comida. Novamente um vinho simples. Apesar de a viagem ter sido ótimo, não foi uma viagem, de descobertas em relação aos vinhos.
Nota:

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este é um vinho básico e de entrada da vinícola. Fomos jantar e como já havíamos bebido uma garrafa de vinho na parte de tarde no hotel, queríamos uma meia garrafa apenas para acompanhar a comida. Havia escolhido outro rótulo, mas não tinha na adega. Como as opções não eram muitas acabamos escolhendo este vinho. É um vinho para o dia-a-dia e que não trouxe nenhuma emoção em especial. Depois do jantar caminhamos mais um pouco pelo agradável bairro de Palermo.
Nota: -

Alamos Seleccion de Viñedos - Chardonnay 2010

Nome: Alamos - Seleccion de Viñedos de Altura Plantados
Safra: 2010
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Catena Zapata
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay, oriundos das Viñas Silvana, Alamos e Vicente
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Oferecido na reserva pelo site Splendia
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: 8 de dezembro de 2012
Degustado em: 8 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: L'Hotel Palermo
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Alamos Chardonnay 2011 shows a straw-yellow color with light shades of green. The nose offers ripe tropical fruit aromas with citrus and floral notes. The mouthfeel is full and rich, with concentrated ripe pear and fig fruit mingled with vanilla and sweet spice oak flavors. The finish is clean and fresh with bright, crisp acidity.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Quando fiz a reserva do hotel no Splendia, vi que havia uma garrafa de vinho de cortesia. Fiquei feliz e já imaginando qual vinho poderia ser. Pela boa aparência do hotel, imaginei que seria algo bom. E foi! Este Alamos Chardonnay estava delicioso à beira da piscina em um dia lindo de sol. O hotel que escolhi já havia sido visitado por uma amiga e ela falou que era bom. Resolvi seguir a dica e fiz a reserva. Realmente é um lugarzinho fantástico em Palermo. Reservado, com poucos quartos e atendimento bem personalizado. Gostei bastante. Os quartos não são muito grandes, mas são muito bonitos, com uma das melhores camas que já dormi na minha vida. Deu até vontade de transformar nosso quarto de casa em um quarto de hotel boutique, com roupas de cama bonitas e travesseiros fofos! Quem sabe em 2013.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A viagem presente que ganhei de aniversário para Buenos Aires incluia também o hotel. A Rafaela reservou um hotel muito bacana em Palermo, um hotel pequeno, com uma piscina e um jardim interno. No ato da reserva ela ganhou uma garrafa de vinho a ser degustada no hotel. Aproveitamos a bela tarde de sol de sábado para sentarmos um pouco no jardim e aproveitar a piscina, momento ideal para o vinho O vinho era um Alamos, marca muito conhecida e exportada. A garrafa era da série "Seleccion de Viñedos" de um Chardonnay. Salvo engano, esta série só é vendida na Argentina. A linha Alamos é conhecida pela confiabilidade de seus rótulos e neste caso não foi diferente. Um Chardonnay, bem feito, sem exageros, arredondado na madeira mas sem incomodar. Acredito que o vinho ficou ainda melhor em função do clima do lugar e do dia bonito. Mais uma vez Obrigado pelo presente, Rafaela.
Nota: -

8 de janeiro de 2013

Emilia - Malbec 2010

Nome: Emilia
Safra: 2010
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Nieto Senetiner
Importador: -

Uvas/Corte: Malbec
Teor alcoólico: 12,7%
Rolha: Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: 70 pesos argentinos
Onde foi comprado: Don Julio, em Palermo, em Buenos Aires
Quando foi comprado: 7 de dezembro de 2012
Degustado em: 7 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: Restaurante Pinuccio e Figli, em Palermo, em Buenos Aires
Harmonizado com: Pappardelle Piduccio (21 + 35 pesos) e pappardelle funghi (35 + 23 pesos)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color: rojo gránate intenso, que denota juventud. Brillante y límpido. Nariz: Aromas a ciruela madura, mermelada de frutos rojos. Boca: Elegante y equilibrado. Taninos suaves y largo final de boca.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho extremamente simples, mas gostoso. Poderia estar um pouco gelado. Gostei da comida. Aproveitamos a manhã de sexta-feira para irmos até o centro da cidade. Pegamos o metrô na Plaza Italia e seguimos até a Plaza de Mayo. Dali fomos conhecer a loja/restaurantes Aldos. Bem bacana. Estava tocando uma música muito legal e a garçonete me informou que era uma de uma rádio on-line (no site www.jazzradio.com). Dali caminhamos até Puerto Madero, onde queríamos visitar um novo museu. Diferente das outras vezes que estivemos em Buenos Aires, desta priorizamos os museus. Este primeiro chama-se Coleccion de Arte Amalia Lacroze de Fortabat (35 pesos) e é composto por belas peças. As que mais chamaram minha atenção foram as do artista argentino Antonio Berni. Quando bateu a fome, fomos comer em um restaurante de comidas rápidas, mas onde parece que as comidas são feitas com carinho, o Green Eat. Dali, voltamos lentamente para o hotel. Neste dia, estimamos, caminhamos uns 13 quilômetros. No final, eu estava com minhas panturilhas destruídas e faminta. Por isso, acabei escolhendo este italiano praticamente do lado do hotel. Não aguentava mais caminhar. Claudio ainda tinha ido a duas ou três lojas de vinhos. Este restaurante era frequentado por locais. No Foursquare todos os comentários são negativos, mas eu achei bem tranquilo e com preços honestos. Consideraria até voltar. O vinho que escolhemos eu já tinha visto em várias lojas. É de uma bodega bem conhecida e parece ser bem feito, apesar de bastante simples.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Segundo dia em Buenos Aires e pudemos ter a ideia de como os preços subiram na Argentina. Caminhamos bastante pela cidade, programa que gostamos de fazer pois é uma cidade bastante agradável de se passear. Cansados no final do dia acabamos comendo em um simpático restaurante italiano perto do hotel. Era um restaurante simples, mas as nmassas pareciam ser boas e resolvemos ficar ali mesmo. Única coisa ruim era que não tinha uma carta de vinhos, apenas alguns vinhos eram oferecidos. Acabamos escolhendo este Emilia que ainda não conhecia. Fui sem muitas expectativas e até que o vinho se comportou bem. Esta linha de vinhos procura ser mais leve, fácil e suave. É um vinho fácil de se beber, bastante agradável, os 12,7% de álcool já indicam que é um malbec argentino com outra proposta. Me pareceu interesssante a ideia da vinícola de ter uma linha de vinhos com este perfil. Um vinho excelente para ser bebido no dia a dia.
Nota: -

7 de janeiro de 2013

Ave Premium - Malbec 2010

Nome: Ave Premium
Safra: 2010
País: Argentina
Região: Perdriel, Juan de Cuyo, Mendoza
Produtor: Italian Winemakers in the New World
Importador: -

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 14,3%
Rolha: Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: 160 pesos argentinos
Onde foi comprado: Don Julio, em Palermo, Buenos Aires
Quando foi comprado: 6 de dezembro de 2012
Degustado em: 6 de dezembro de 2012
Onde Bebeu: Don Julio, em Palermo, Buenos Aires
Harmonizado com: 1/4 Pollo (55 pesos), 1/2 bife de chorizo (60 pesos), Salada verde (40) temperada na hora e batatas fritas (38 pesos)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
“AVE!” (El clásico saludo de los Césares). La pasión de este significativo saludo se ve reflejada en nuestros vinos, en los cuales la tradición de la Toscana y la modernidad del Nuevo Mundo se funden en perfecto unísono. Ave es nuestro principal proyecto en Argentina, en él se incorporan el estilo y sabor italianos con aquellos argentinos. Ave es pensado, realizado y firmado por el enólogo de fama internacional, Alberto Antonini.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Um dos presentes de aniversário de 40 anos do Claudio foi esta viagem a Buenos Aires. Partimos na quinta-feira, meio da tarde, e regressamos no domingo. Logo que chegamos à cidade, enquanto esperávamos o táxi, vimos na televisão que muitas ruas estavam alagadas e havia bairros sem luz. Ficamos ressabiados, mas isso foi só naquele dia mesmo. De sexta a domingo, fez dias lindos. Nesta primeira noite, aproveitamos a dica do livro Bistrôs de Buenos Aires, de Alex Herzog, e fomos ao Don Julio, uma casa de carnes perto do hotel. Notamos que tudo havia dobrado de preço, se comparado aos preços do livro. De qualquer modo, foi um jantar muito bom. A comida que escolhemos não tem muito erro em Buenos Aires. Gostei que a salada verde foi temperada na hora. O malbec estava muito bom! Foi uma ótima experiência.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: Grená vivo.
Exame olfativo: Algo doce sem ser enjoativo
Exame gustativo: Um Malbec Argentino com alma italiana, este é o gostoso Ave Premium, degustado no ótimo restaurante Don Julio, em Buenos Aires. Estivemos recentemente na capital Argentina, pois ganhei de presente de aniversário da Rafaela um final de semana por lá. Chegamos em uma quinta feir,a na parte da tard,e exatamente na hora que caia uma intensa chuva, alagando diversas ruas. Por sorte, não pegamos complicações no trajeto até Palermo. Depois de uma caminhada pelo bairro e uma visita a uma loja de vinhos, onde vi alguns vinhos desta vinícola, escolhemos para o jantar uma Parrilla, o restaurante Don Julio. A carta de vinho é muito boa, com diversas opções, inclusive este Ave. Vendo a carta de vinhos, pudemos notar o quanto a Argentina encareceu em função da inflação. Este vinho é fruto da vinda de alguns produtores italianos a Mendoza e que estão fazendo vinho ali: uvas argentinas, mas com um sotaque italiano. Assim é este Malbec, que gostei bastante. Foge do estilo de muita extração e busca uma elegância que deveria ser seguida por outros produtores. Um vinho básico da vinícola, mas muito interessante e que me despertou a vontade de provar outros destes produtores. Boa escolha, boa surpresa que funcionou muito bem com minha carne!
Nota: 88.0 +

Os novos vinhos importados pela Domno Brasil

Quando: 03 de dezembro de 2012

Onde: Restaurante Eça, no Centro do Rio

Com quem: Claudio, demais convidados da degustação

Vinhos degustados: Ponto Nero Brut, Don Tommaso Chianti Classico 2007- Principe Corsini; Camporsino Chianti 2011 - Principe Corsini; Frontaura Reserva 2005; Nexus 2011 - Ribeira del Duero;  Cala nº1 Tinedo 2008; San Cristoforo Barbaresco 2008 - Pietro Rinaldi e Thasos Moscatel de Setúbal 2008

Comentário do Claudio
Em um agradável almoço no Eça, com harmonização feita pela sommelière Deise Novakoski e conduzido pelo diretor da Domno Brasil, o simpático Jones Valduga, foram apresentados os novos vinhos que serão importados pela Domno Brasil. Para quem não conhece, a Domno é uma empresa da família Valduga, que produz espumantes na Serra Gaúcha exclusivamente pelo método Charmat (enquanto a Casa Valduga só produz pelo método tradicional), e importa vinhos da Argentina, Chile, Portugal, França e, agora também, da Espanha e da Itália.
O almoço começou com o espumante brut Ponto Nero, fresco, com boa acidez e muito agradável em boca. Gostei bastante. Tenho que provar com calma toda a linha de espumantes Ponto Nero, o que ainda não consegui fazer. Todos os comentários são positivos e nas poucas vezes que provei uma taça eu gostei. Dos vinhos importados, o primeiro a ser servido foi um excelente Chianti, o Don Tommaso. Vinho empolgante no nariz, com boa acidez e excelente final. O único senão é seu preço, cerca de R$ 280. O segundo tinto, outro Chianti do mesmo produtor, mas desta vez um Chianti mais simples, talvez um vinho de entrada da vinícola, também de boa qualidade e boa presença em boca, com preço em torno de R$ 56.
Seguimos para a Espanha, para um vinho mais sério, com muito volume em boca sem ser exagerado, um belo vinho da região do Toro, safra 2005, que já está gostoso para beber e tem potencial para envelhecer um pouco, preço também alto, R$ 225. Outro espanhol provado foi o Nexus, vinho jovem, com muita fruta, vivo em boca, R$ 99. O último espanhol provado, o Cala nº 1 tem um rótulo diferente e interessante, na boca também mostra fruta, mas para o meu paladar foi o que menos trouxe novidade. Último tinto do almoço, um ótimo Barbaresco, que ainda tem muita vida pela frente e certamente vai crescer muito com mais um tempinho de garrafa, com preço na faixa de R$ 270 Para fechar, um Moscatel de Setúbal acompanhando a sobremesa.
Os vinhos apresentados mostram, sem dúvidas, qualidade em sua produção e um cuidado por parte da Domno na escolha dos rótulos. O único porém fica em relação aos valores dos vinhos, o que poderá ser um dificultador para ganharem o mercado.

6 de janeiro de 2013

O merlot branco da Dúnamis


Quando: 03 de dezembro de 2012

Onde: SBAV Rio

Com quem: Claudio, Rafaela, Orestes, Julio, Angélica, Affonso e outros participantes da degustação

Vinhos degustados: Dunamis Ar Brut, Dunamis Pinot Grigio 2011, Ser 2011, Dunamis Merlot Branco 2011 e Merlot

Comentário da Rafaela
Fazia um bom tempo que não ia a uma degustação como esta. Nem me lembro, na verdade, quando participei de uma pela última vez. Os vinhos da Dúnamis, inclusive um merlot branco, foram apresentados pelo divertido Julio. Ele foi explicando sobre as características dos vinhos, os diferentes terroirs do Rio Grande do Sul. Além de degustarmos ótimos vinhos, também foi bom ouvir um sotaque tão parecido com o meu. Depois dali, fomos ao Entre Tapas.

Comentário do Claudio
No início de dezembro, fomos convidados a participar do evento "Curto Circuito Dúnamis 2012", no qual a grande novidade era a apresentação de um inovador Merlot vinificado em branco. A apresentação foi conduzida pelo então Diretor executivo da empresa, o Julio Kunz. A Dúnamis é uma vinícola novata, com vinhedos em Dom Pedrito, na Campanha Gaúcha, que tem uma proposta interessante e diferente em relação aos seus vinhos e como interagir com o mercado consumidor. Dentro deste perfil jovem e inquieto da empresa, seu último lançamento é o Merlot branco, um dos pouquíssimos existentes no Mundo. Começamos a noite provando o bom e refrescante espumante AR Brut. As uvas dos espumantes são da Serra Gaúcha. Já havia provado este espumante antes e ele se confirmou muito agradável. Na sequência, provamos dois vinhos brancos da vinícola: um Pinot Grigio, que também havia provado antes de seu lançamento, um vinho que na minha opinião cresce com alguma comida, frutos do mar, por exemplo; e provamos também o Ser, um corte também incomum de Sauvignon Blanc e Chardonnay, com boa presença em boca. Os dois vinhos provados em seguida foram os dois Merlots, o tinto e o vinificado em Branco. Achei o branco muito interessante, um vinho diferente em boca, que não remete a um Merlot tinto, que tem personalidade própria, difere de outros brancos provados, alguma leve doçura em seu final. Provamos o tinto e deu para perceber que são vinhos com muitas diferenças em boca. Foi uma experiência interessante. Este caráter inovador da Dúnamis é bem interessante. Apesar de novata, ela já conseguiu fazer um barulho no mercado, com vinhos diferentes, interessantes e que com certeza vão evoluir ainda mais em qualidade. Vale ficar de olho e provar.

4 de janeiro de 2013

ReD / Três ao Quadrado

Nome: Routhier & Darricarrère - ReD / Três ao quadrado
Safra: -
País: Brasil / Espanha
Região: Rosário do Sul / Ribera del Queiles
Produtor: Routhier & Darricarrère / Winery Arts
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon e Merlot / Cabernet Sauvignon, Merlot e Tempranillo
Teor alcoólico: 12,5% / -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 57 / R$ 90
Onde foi comprado: Zot Gastrobar, no Rio
Quando foi comprado: 23 de novembro de 2012
Degustado em: 23 de novembro de 2012
Onde Bebeu: Zot Gastrobar, no Rio
Harmonizado com: Comidinhas variadas
Com quem: Claudio, Rafaela, Miguel, Paula, Ricardo, Carlinhos, Marcelo, Carol e Lucas

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Comemoramos o aniversário do Claudio por mais de uma semana. Como alguns amigos estavam viajando no dia da festa, marcamos novo encontro. Durante a semana, Claudio havia encontrado com os amigos na tradicional SSS e combinou onde e quando seria. Assim, na sexta-feira voltamos ao Zot. Apesar de o aniversário ser do Claudio, quem ganhou todas as atenções naquela noite foi o Lucas, o bebezinho lindo da Carol e do Marcelo, que estava completando seis meses naquele dia. Foi um ótimo encontro, como sempre.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais uma comemoração do meu aniversário com alguns amigos da faculdade e escolhemos novamente o Zot, lugar que gostamos bastante. Mais uma vez pedimos o Red, vinho brasileiro de ótimo custo benefício, leve e agradável que combina perfeitamente com a tábua com um mix de entradinhas que é servida por lá. Pedimos duas garrafas, mas depois o Marcelo quis trocar o vinho, ele prefere um vinho com mais corpo e escolhemos o espanhol 3 ao quadrado, que é importado pela Confraria Carioca. Toda esta linha de vinhos, além deste, o 6 e o 9, são vinhos muito interessantes. Ainda foi pedido mais um vinho, um malbec Argentino que não anotei absolutamente nada sobre ele. A noite foi divertida.
Nota: -

Cave Amadeu Elementos Brut 2011

Nome: Cave Amadeu Elementos
Safra: -
País: Brasil
Região: Pinto Bandeira
Produtor: Família Geisse
Importador: -

Uvas/Corte:   80% Chardonnay e 20% Pinot Noir
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 32,00
Onde foi comprado: Cadeg, no Rio
Quando foi comprado: Novembro de 2012
Degustado em: 29 de novembro de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Arroz com legumes e feijão
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Cor amarelo ouro com perlage fina. É persistente no nariz e mistura aromas de frutas maduras com notas florais. Possui equilíbrio entre acidez e álcool e deixa na boca a sensação macia. Sua persistência é longa, com boa acidez, apresentando presença de frutas secas e final agradável.
Acompanha muito bem aperitivos, bem como pratos feitos a base de peixe e carnes brancas


Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Ótimo espumante, do mesmo alto nível de outras bebidas da vinícola. Fresco, leve. É daqueles vinhos que você lamenta quando chega ao fim, e o fim chega antes do que você gostaria. Daqueles que dá vontade de espremes a taça.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Limpo e discreto. Gosto do estilo.
Exame visual: Bem clarinho, quase transparente e de boa perlage.
Exame olfativo: Nariz de boa intensidade aromatico, bem interessante.
Exame gustativo: Os Geisse sabem fazer bons espumantes. Este Cave Amadeu seria o espumante de "entrada" deles e de muito boa qualidade. Ótimo custo/benefício é aquele tipo de espumante versátil, que tende a agradar à muitas pessoas e que a garrafa acaba rapidamente. Tem boa presença em boca, com cremosidade e fianl de boca com notas de frutas como pêssego. Boa acidez, o conjunto é muito agradável. Vai bem sozinho ou com comidas leves. É um espumante para se ter em casa pois ele funciona bem em diversos momentos. Boa qualidade pelo seu preço.
Nota: 87.0 +

3 de janeiro de 2013

Casa Valduga Prosecco / Casa Perini Brut Champenoise

Nome: Casa Valduga Prosecco / Perini Brut Champenoise
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga / Perini
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay e Pinot Noir
Teor alcoólico: 11,5% / 11,8%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 80 / R$ 70
Onde foi comprado: Champanharia Ovelha Negra, no Rio
Quando foi comprado: 27 de novembro de 2012
Degustado em: 27 de novembro de 2012
Onde Bebeu: Champanharia Ovelha Negra, no Rio
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio, Rafaela, Milena, Emília e Ana Cristina

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Final de semestre causa uma alegria, mas este tem algo um quê de melancolia. Diferente da turma de mestrado, vários colegas neste primeiro ano de doutorado são de outros estados, o que significa que fizeram o máximo de matérias possível e agora estão voltando para casa. Dá uma tristezinha. Nas últimas semanas, tudo parece ser em clima de despedida. Este encontro não foi diferente. Seria a última terça-feira de aulas neste ano. As meninas passaram o semestre querendo ir na champanharia Ovelha Negra. Assim, a despedida da Emília foi marcada ali. Eu já gostei mais da champanharia. O lugar continua sendo supersimpático, mas o público deu uma variada. Agora, cobram ingresso dos homens. Claudio pagou R$ 25. As mulheres têm entrada liberada, o que já causa pensamentos. Mesmo com esses poréns, o encontro com as meninas foi bem bacana, ficamos alheias ao que se passava ao redor. Bebemos estes dois espumantes, muito bons, na minha opinião. O segundo talvez ficasse ainda melhor com uma comida. Tomara que, apesar das distâncias a partir de agora, o contato com as amizades feitas neste semestre sigam firmes vida afora.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: As amigas do doutorado da Rafaela resolveram marcar um encontro de final de período na Champanharia Ovelha Negra em Botafogo. A Ovelha Negra é um lugar bacana, em uma antiga casa, com uma decoração simples e rústica, um grande mesão no meio e uma boa carta de espumantes. Nos últimos anos o local mudou um pouco o perfil, com música, cobrando entrada dos homens e ficando lotado todos os dias, viru um local de "pegação". Apesar da mudança, a carta de espumantes segue boa. Quando chegamos por lá, as meninas já estavam bebendo um Prosecco da Casa Valduga. Não é o meu preferido deste ótimo produtos de espumantes, mas estava bom. O segundo espumante da noite foi o Perini Champenoise, que eu mesmo escolhi. Já estava querendo provar esta espumante há algum tempo. Gostei bastante, mas tenho que provar novamente para uma melhor avaliação, de preferência acompanhando uma comida, pois achei que ele tem uma boa acidez e bom corpo.
Nota: 

GSM - 2010

Nome: GSM
Safra: 2010
País: França
Região: -
Produtor: J. V. Fleury
Importador: Vila Porto

Uvas/Corte: Grenache 50%, Syrah 30% e Mourvèdre 20%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 45
Onde foi comprado: Winet Club
Quando foi comprado: Outubro de 2012
Degustado em: 23 de novembro de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pães de queijo de entrada e risoto de brie com aspargos frescos Voilà Gourmets
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Neste dia, me revoltei e resolvi não fazer nenhuma anotação. Aí, já viu, né? Não me lembro de nada do vinho. Em compensação me lembro muito bem do risoto Voilà Gourmet nos presenteado pelos amigos Anna e Emerson. Como estava bom! Este vinho veio em outubro no Winet Club. É uma pena que tivemos de dar um tempo no clube de vinhos, mas foi necessário. Temos tanto vinho em casa! E não temos dado conta de beber na mesma medida em que os vinhos têm chegado. Claudio cancelou também o clube wine. Quem sabe no próximo ano dê para voltarmos. Até lá, o número de garrafas estará mais sob controle.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: Trabalha com as letras iniciais das uvas do corte. Pode não ser dos mais bonitos, mas é marcante.
Exame visual: Rubi
Exame olfativo: Não é intenso, delicado.
Exame gustativo: Mais um vinho escolhido pelo amigo Deco Rossi em seu Winet Club. Uma boa escolha. Um vinho agradável, fácil de beber. Boa acidez, notas de frutas maduras no final da boca puxando uma leve doçura. Evolui um pouco na taça. Um vinho francês, que certamente irá agradar, para acompanhar um jantar despretensioso.
Nota: 87.0

2 de janeiro de 2013

Adolfo Lona Rosè Brut

Nome: Adolfo Lona Rosè
Safra: 
País: Brasil
Região: Garibaldi
Produtor: Adolfo Lona
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay e Pinot Noir
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 62
Onde foi comprado: Irajá Gastrô, em Botafogo, no Rio
Quando foi comprado: 19 de novembro de 2012
Degustado em: 19 de novembro de 2012
Onde Bebeu: Irajá Gastrô
Harmonizado com: Fritas caseiras, queijo fundido, maionese de manteiga dourada, mostarda cipriani e Chips de mandioca, grana padano e manteiga de garrafa / Bombom de alcatra "marchand du vin", mandioca salardaise e massa
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Aproveitamos o aniversário do Claudio para conhecer o Irajá. Foi uma boa experiência. Chegamos cedo, mas já havia fila, esperamos sentados no corredor que existe ao lado da simpática casinha da Conde de Irajá. Por ali, todas as casas tem esse desenho, a exemplo do Oui Oui e do Entre Tapas. Não demorou tanto para conseguirmos uma mesa. Ao caminharmos até ela, avistamos o chefe na cozinha, o que é meio raro de se ver em restaurantes nos quais o chefe já conseguiu estabelecer um nome. O atendimento foi meio lento, pedimos o espumante do seu Adolfo, que chegou depois da primeira entrada. Como fomos avisados que os pratos estavam demorando um pouco, resolvemos pedir outra entrada, pois queríamos aproveitar o espumante com calma. Para nossa surpresa, as batatas feitas caseiras chegaram junto com os pratos principais. Os garçons se olharam sem saber o que fazer. Nós menos ainda. Por fim, o chefe determinou que refaria os pratos, pois não seria bom comer a entrada junto com os principais. Como enchemos a barriga de batatas, quando chegou minha massa, eu já estava com pouca fome e acabei deixando metade do prato, o que é uma tristeza, uma vez que estava muito bom e que não era barato. Voltamos para casa caminhando e já fazendo planos para a viagem a Buenos Aires que o Claudio ganhou como penúltimo dos 40 presentes de aniversário.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Véspera do meu aniversário resolvemos sair para fazer um jantar de despedida dos 39 anos. Lugar escolhido foi o Irajá, novo restaurante aqui em Botafogo que já estava querendo provar. O lugar é bacana, vimos o chef comandando a cozinha e para acompanhar o jantar escolhemos o sempre gostoso Brut Rosé de nosso amigo Adolfo Lona. Espumante que figura em diversas cartas de vinhos dos bons restaurantes da cidade. O serviço do salão foi um pouco confuso, pedimos uma entrada que chegou primeiro que o nosso espumante. Nos informaram que o prato demoraria e resolvemos pedir uma outra entrada. Chegou tudo junto, os pratos com a entrada. De qualquer modo, gostamos do restaurante e pretendo voltar. A carta de vinhos poderia ter uma marcação menos agressiva.
Nota: -

Hex von Wein - Cabernet Sauvignon 2007

Nome: Hex von Wein Reserva Especial
Safra: 2007
País: Brasil
Região: Picada Café
Produtor: Vinícola Hex von Kaffeeschneis
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 12,6%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 18 de novembro de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Risotto Voilà
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Os últimos amigos foram embora no final da tarde e bateu aquela sensação de vazio. Para combatê-la, nada melhor que um risotto Voilà, nos presenteado pelos amigos Emerson e Anna, e um bom vinho. Como o feriado havia sido de muitas garrafas, optamos por provar novamente esta meia garrafa de Hex von Wein, vinho que nunca decepciona.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais uma garrafa que degustamos do sempre impressionante Hex von Wein. Já o provamos algumas vezes (posts antigos) e venho acompanhando a sua evolução. Mais uma vez se mostrou em forma, com variação na taça, mas com estilo inconfundível que me agrada bastante. Em boca, desta vez, mostrou notas discretas de fruta misturadas com algo que lembra café, bem ao estilo velho mundo, muito elegante. Ainda tenho outras garrafas e vamos esperar mais um tempo para ver até onde ele aguenta ir. Ótima experiência.
Nota: -

1 de janeiro de 2013

Almoço de 6 anos do Le Vin au Blog no Zot Gastrobar



Quando:
17 de novembro de 2012

Onde: Zot Gastrobar

Com quem: Claudio, Rafaela, Alexandre, Vanessa, Cristiano, Valdirene, Emerson, Anna, Beto, Renata e Marcio

Vinhos degustados: Casa Valduga Extra Brut Gran Reserva 2006 (Brasil); Tsarine Brut Champagne (França); Unique Sauvignon Blanc 2010 (França); Altazor 2008 (Chile); Erasmo 2007(Chile); Bosan 2001 - Amarone Cesari (Itália); Costasera 2006 - Amarone - Masi (Itália); Aszú Tokaj Leonis Selection 2006 (Hungria) - ReD (Brasil)

Harmonização: Veja a foto acima

Comentário da Rafaela
Para não levantar muitas suspeitas do Claudio para o fato de vários amigos virem para cá no feriado do dia 15 de novembro, quando eu faria sua festa surpresa de aniversário, fui sugerindo a ideia de comemorarmos os seis anos do Le Vin au Blog aqui no Rio neste ano. Ele gostou da ideia e convidou nossos amigos blogueiros. Depois de um levantamento em alguns restaurantes, consideramos que o Zot era o que oferecia o melhor custo/benefício. A decisão se revelou muito acertada, pois a comida ali é ótima e fomos muito bem recebidos pelo Márcio e pelo simpático pessoal que atende ao salão. A tarde foi muito gostosa na companhia de amigos queridos, boa comida e bons vinhos. Os meninos acabaram escolhendo a mesa mais alta para se instalar e as meninas ficaram em outra mesa. Vale observar que a dos meninos ganhou mais atenção dos garçons, mas depois que demos um puxão de orelha no garçom, ele passou a nos trazer todos os vinhos que os meninos estavam abrindo e provando. Foi uma ótima experiência!

Comentário do Claudio
Ano passado, tínhamos comemorado os cinco anos do blog em um almoço muito bacana em São Paulo. Durante este almoço, sugeri que a comemoração de 6 anos do blog deveria ser no Rio. Conseguimos realizar o almoço no agradável Zot Gastrobar em Copacabana, que gentilmente abriu as portas para o almoço de sábado especialmente para nosso grupo. Assim como no ano passado, cada um levou uma garrafa de vinho, e fechamos um delicioso menu para o almoço (veja na foto acima). Começamos com um espumante da Casa Valduga, o Extra Brut, bem interessante em boca, mas com final curto. O segundo foi a Champagne Brut, do mesmo produtor que havíamos degustado um rosé no café da manhã (leia alguns post anteriores). Seguimos com um delicioso branco do Loire, o Unique. Já havia provado este vinho em uma feira e mais uma vez confirmei sua qualidade. É uma boa compra. Passamos para os tintos, inicialmente com dois chilenos: o Altazor, um potente e gostoso vinho que tem muita presença em boca, e o Erasmo, vinho que gosto muito, mas que acho que a safra 2007 ainda está muito nova. Tenho uma garrafa na adega e vou esperar algum tempo para abri-la. Na sequência, dois Amarones matadores: o Bosan, já com 11 anos e ainda com toda sua força, e o Costasera Masi, um Amarone com muita elegância, um vinho que merece ser degustado novamente com calma. Para fechar, Márcio, um dos donos do Zot nos ofereceu um ótimo Tokaj e também o brasileiro Red que alguns não conheciam. Foi uma tarde muito agradável e divertida. Vamos começar a programar como será a festa de 7 anos do blog.