8 de novembro de 2013

Acordes, o projeto de vinhos premium da Vinícola Garibaldi


Lançamento da linha Acordes da Cooperativa Vinícola Garibaldi

Quando: 25 de outubro de 2013, durante visita à vinícola

Vinhos degustados: Acordes Chardonnay 2012, Acordes Merlot 2010, Acordes Brut

Comentário do Claudio
No último fim de semana de outubro, fui convidado para um tour na Cooperativa Vinícola Garibaldi, para conhecer seus projetos e produtos. Para quem não conhece, a Garibaldi é uma cooperativa que reúne 327 famílias em 12 municípios gaúchos. Com 82 anos de história, estima-se que em 2013 tenha um faturamento de R$ 70 millhões. Sua produção baseia-se em espumantes produzidos pelo método charmat, mais de 1 milhão de garrafas produzidas em 2012 (em breve, colocarei um post aqui no blog falando dos espumantes provados por lá), 3 milhões de litros de suco integral  produzidos no ano passado, vinhos finos e um pouco de vinho de mesa.

Diante deste cenário, a vinícola resolveu tocar um novo projeto: uma linha de vinhos premium composta por um espumante feito pelo método champenoise e corte de Chardonnay e Pinot Noir, um vinho branco 100% Chardonnay e um tinto 100% Merlot. Para isso, a vinícola se preparou e recentemente inaugurou uma cave especial para armazenar vinhos e barricas. Ao lado desta cave, há uma bonita sala de degustação dentro de uma antiga pipa de madeira de 100 mil litros. Nesse cenário, e com a presença do enólogo, nos foi apresentado o projeto Acordes.

Desenvolver uma linha de vinhos ícone para a Vinícola Garibaldi é um grande desafio para o enólogo Gabriel Carissimi. Questionado sobre o que era mais prazeroso, criar uma linha premium ou desenvolver os vinhos de linha da Garibaldi, o enólogo apresentou na resposta um pouco da filosofia da vinícola. Carissimi disse que se sente contente ao desenvolver a linha especial. Porém, ao produzir vinhos e sucos da linha regular, pensa nas famílias dos cooperados que dependem que um bom produto chegue ao mercado, e sabe que tem uma grande responsabilidade, o que faz que sinta também grande prazer com esse trabalho.

Vamos aos vinhos: provei toda a linha naquela noite. Sem dúvida há vinhos muito bem feitos. Por ser a primeira safra de vinhos com este perfil, esta mostrou-se muito potencial. Começamos pelo Chardonnay. Um vinho branco de perfil bastante elegante, o que me agrada, uso moderado da madeira, notas de frutas. No início da degustação, apareceu uma leve nota amarga no final de boca. Deixei o vinho na taça para observar a evolução e não só a nota amarga sumiu, como o vinho cresceu muito, abrindo em aroma e em boca. Acho que ele ainda deve evoluir com mais um tempo de garrafa.
Passamos para o Acordes tinto, um Merlot, que mostrou grande potencial. Um vinho que ainda está jovem e que tudo para crescer. Já mostra boa fruta e grande equilíbrio, boa acidez. Vale provar este vinho e acompanhar a sua evolução a cada ano.
Por último, provamos o espumante. Nós voltamos a provar o espumante no dia seguinte durante a Fenachamp. Na segunda vez, a temperatura em que foi servido estava mais baixa, o que deixou o espumante mais agradável e harmônico. Apresentou boa cremosidade, notas de amêndoas, leve fruta. A temperatura de serviço fez toda a diferença.
Esta primeira "fornada" da linha Acordes mostrou que é um projeto muito bem nascido. Os produtos devem crescer com o tempo em garrafa e com a experiência que a Garibaldi tem com vinhos de alta gama. O preço dos vinhos deve ficar em torno de R$ 100. A produção é muito pequena, cerca de 3 mil garrafas. Os produtos serão vinificados somente em boas safras.

Nenhum comentário: