15 de julho de 2013

Circuito Brasileiro de Degustação 2013 no Rio de Janeiro

Em 4 de julho de 2013, pelo terceiro ano, o Circuito Brasileiro de Degustação, uma iniciativa do Ibravin, desembarcou no Rio de Janeiro. No amplo salão o Iate Clube do Rio de Janeiro, 28 expositores apresentaram os lançamentos de alguns dos melhores vinhos brasileiros. Muito interessante ver que é uma feira já consolidada, com um excelente público presente e principalmente pude observar dezenas de donos de lojas e de restaurantes cariocas provando e negociando os vinhos nacionais.
Cheguei um pouco tarde na feira e não pude ver tudo o que queria. Além de chegar tarde, encontrei diversos amigos e pessoas conhecidas que já não via por algum tempo, o que também me fez provar menos coisas do que queria... mas o que seria do vinho sem os amigos.

Vamos ao que consegui provar: Aracuri, Routier & Darricarrère, Don Abel, além dos vinhos da Copa da Lidio Carraro, um espumante rosé da Luiz Argenta e alguns sucos de uva que estavam em exposição na feira (para quem ainda não viu, estamos postando sobre sucos de uva aqui no blog).
Na Aracuri, conversei bastante com a simpática enóloga Paula Schenato, que entrou na vinícola no início do ano. Na feira, apresentou vinhos muito interessantes e que ainda vão dar muito o que falar. O Pinot Noir e o Chardonnay, ambos já comentados aqui no blog, foram muito procurados por quem estava na feira. Provei ainda toda a linha de tintos, destaque para o ótimo Collector, além de um espumante Charmat e um Sauvignon Blanc, muito interessante que para o meu paladar, que mostrou muita personalidade e potencial, com toque minerais fortes e notas salgadas, assim como toda a linha, vinhos para ficar de olho. A Paula me garantiu que os vinhos da safra 2013 estão vindo muito bons, esperar pelas surpresas que ela irá colocar nos vinhos. Guardem esta vinícola dos Campos de Cima da Serra.
Outra vinícola que queria muito conhecer era a Routier & Darricarrère. Os vinhos são vendidos aqui no Rio pela Confraria Carioca, do Duda Zagari. Já tinha provado o vinho de entrada da vinícola, o gostoso Red, vinho já degustado e comentado aqui no blog, que me gerou muita curiosidade para provar os outros vinhos desta vinícola. Provei e gostei de um Cabernet Sauvignon e de um Chardonnay, outro nome para guardar e acompanhar a evolução desta novata da Camapanha. Conversei bastante com a Eliete Schubert, que me contou um pouco sobre a vinícola, alguns planos e sobre os vinhos. Interessante ver duas regiões distintas, com duas vinícolas novas, produzindo com muita qualidade e mostrando todo um potencial pela frente.

A Don Abel passou a ser distribuída no Rio pela Zahil. Já provamos alguns vinhos deles, mas há algum tempo não os bebia. Passei muito rapidamente pelo estande, quero voltar a provar os vinhos com calma, mas lá provei um Cabernet Sauvignon que realmente chamou minha atenção, o Rota 324, vinho muito consistente, vale provar.

Na Lidio Carraro, provei os dois vinhos da Copa, um corte branco e um corte tinto. Ambos cumprem muito bem o propósito, como mesmo disse o Giuliano: vinhos fáceis, leves, com fruta e será fácil as pessoas gostarem. O branco, um corte de Chardonnay, Sauvignon Blanc e Pinot Grigio, e o tinto um corte de 11 uvas, que representam os 11 jogadores em campo. Vinhos sem maiores complicações.

Já quase no final da feira, provei uma taça de um espumante rosé da Luiz Argenta, que estava muito bom, mas não peguei nenhuma informação sobre ele.

Por fim, provei alguns sucos de uva, mas isto é assunto para um outro post.

Parabéns ao Ibravin pela organização da feira, que a cada ano traz boas novidades de produtos e produtores.

2 comentários:

Vitor disse...

Caríssimos,
Consegui um Don Abel Rota 324 a "preço de antes da fama" - R$ 55,00. Tô com ele aqui, pensando em abrir. Vcs acham que devo guardá-lo mais um pouquinho ou abro logo?
Valeu,
Vitor
loucoporvinhos.blogspot.com.br

l disse...

Vitor,
Acho q já dá para abrir.
Abs,
Claudio