24 de junho de 2013

Encontro com Adolfo Lona no Gonzalo

Nome: Orus Rosé Pas Dosé / Château Belregard-Figeac / Hex von Wein
Safra: - / 2006 / 2007
País: Brasil / França / Brasil
Região: Garibaldi / Bordeaux-Saint Emilion Grand Cru / Picada Café
Produtor: Adolfo Lona / Pueyo Frères / Vinícola Hex von Wein
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir e chardonnay/ Merlot, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon / Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: - / 12,5% / -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 4 de maio de 2013
Onde bebeu: Restaurante Gonzalo, no Leblon
Harmonizado com: Cortes variados de carne
Com quem: Claudio, Rafaela, Adolfo, Silvia, Alain, Andrea e o pequeno Vicente

Comentário do Produtor
Orus - No dia 7 de dezembro, fizemos o lançamento de nosso espumante ORUS Rosé Pas Dosé, elaborado pela método tradicional ou champenoise e com ausência total de açúcares, o que equivale ao Nature. A produção deste pequeno lote de ORUS é feito em homenagem os clientes que nos privilegiam com sua preferência e possibilitam o crescimento constante de nosso carro-chefe o Brut Rosé Adolfo Lona. O lote de 608 garrafas anuais resulta de um volume de 500 litros que será a quantidade que irá caracterizar este produto durante toda sua trajetória. O ciclo de produção é de 12 + 12 meses, ou seja doze meses maturando sobre as leveduras onde ganha a complexidade aromática e gustativa que o tempo possibilita devido a autólises das leveduras e doze meses envelhecendo com a rolha definitiva quando ganha sutileza, elegância e potencia. O assemblage é uma mistura de vinhos de 3 variedades, Chardonnay, que participa com seu frescor, Pinot Noir em rosado que agrega força, e uma pequena parcela de Merlot em rosado, que complementa com elegância e ameniza a acidez. A cor é a típica dos rosados feitos pelo método tradicional, rosada laranja clara lembrando casca de cebola, seu aroma é intenso, complexo e convidativo e o gosto é longo, marcante e potente. É um espumante que dignifica o Rio Grande do Sul e nos deixa muito orgulhosos.
Bordeaux - Cold maceration prior to fermentation for 72 hours, then alcoholic fermentation for 8-10 days at 28°, then maceration for about a week, followed by a free run with separation of the free run from the press wine. 50% of this wine is put into French oak casks for a year, the rest into vats. About every two months it is drawn off in order to clarify and stabilize it by adjusting the amount of sulphur which is an essential element in keeping the wine. Blending enables a unique wine to be created from the different grape varieties. Some time before this operation the wine is naturally fined (clarified) with egg white. At the bottling stage we filter for a second time to remove all undesirable elements still in suspension. ( September 2008)
Hex von Wein - A Coopernatural lançou o vinho Cabernet Sauvignon orgânico certificado Safra 2007 na Bio Fach em São Paulo. As uvas desta safra foram selecionadas a dedo, as melhores uvas as mais sadias e as mais maduras, somente o melhor da produção, compõem este vinho de alto padrão enológico. A fermentação foi com controle de temperatura, não ultrapasando os 25º, o envelhecido vai ser barricas de carvalho Frances. Com graduação alcoólica de 12,6%. A produção de 2007 está limitada a uma produção de 1.575 unidades. Un dos primeiros vinhos finos orgânicos do Brasil. Rotulo em Braille nome comercial Hex von Wein.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Desde a última vez que o seu Adolfo havia vindo ao Rio, já havia sido meio que pré-marcado um novo encontro, desta vez com a companhia de sua esposa, a simpática Silvia. Para completar, Alain foi com Andrea e o pequeno Vicente, bebezinho tranquilo que estava saindo à noite pela primeira vez. Foi uma noite superagradável, como sempre o é no Gonzalo. Gostamos demais, de tudo.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais uma vez o mestre Adolfo Lona esteve no Rio de Janeiro e tivemos a oportunidade de marcar um jantar com ele. Adolfo trouxe na bagagem a última safra do seu espumante top, o Orus para provarmos. Escolhemos o restaurante uruguaio Gonzalo para o encontro que também contou com a presença do Alain, da Andrea e da Silvia, esposa do Lona. Além de provar a nova safra do Orus, que mostrou todo o seu potencial, provamos também a safra atual, espumante pronto e de excelente qualidade como sempre. Passar uma noite na companhia de Adolfo Lona é certeza de um papo agradável, descontraído e sempre instrutivo. Além dos espumantes, para acompanhar as carnes abrimos um vinho brasileiro que ele tinha gostado muito da outra vez que provou, o Hex Von Wein, e o Alain levou um ótimo Saint Emillion, que funcionou bem com o jantar. Não fiz anotações sobre os vinhos, mas fica aqui o registro de uma noite muito agradável.
Nota: -

Nenhum comentário: