20 de setembro de 2012

Bellavista Estate Bueno Paralelo 31 2009

Nome: Bellavista Estate Bueno Paralelo 31
Safra: 2009
País: Brasil
Região: Campanha
Produtor: Miolo
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon, Merlot, Petit Verdot
Teor alcoólico: 13.5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Presente de aniversário do Marcelo
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 21 de agosto de 2012
Onde Bebeu: Casa do Mario
Harmonizado com: pães, queijos
Com quem: Claudio, Miguel, Carlinhos, Ricardo, Mario e Marcelo

Comentário do Produtor
Elevada intensidade corante com tonalidade vermelho rubi, profundo.
Aroma penetrante de fruta madura de casca escura, envolta em elegantes notas de tosta e de tabaco de charuto.
Gosto denso e equilibrado, com refrescantes notas balsâmicas e uma muito balanceada acidez fixa. Os taninos estão plenos de vigor, garantindo uma sólida e sedutora estrutura.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Ganhei esta garrafa de presente do Marcelo no ano passado. Aproveitei que íamos nos reunir na casa do Mario e levei a garrafa para provarmos. Este é o vinho que o narrador Galvão Bueno faz em parceria com a Miolo na região da Campanha no Rio Grande do Sul. É um vinho que não chega a empolgar, álcool está domado, não apresenta amargor, desequilíbrio ou qualquer defeito mais aparente, mas falta um pouco mais de extração e presença em boca. Talvez uma acidez mais marcada faria muito bem a este vinho. É um vinho que você bebe e fica com a impressão que ficou faltando alguma coisa. De qualquer modo a noite foi agradável em mais um encontro dos amigos de faculdade.
Nota: - 

18 de setembro de 2012

Grand Tasting Grand Cru 2012 - Belo evento recheado de ótimos vinhos


No dia 10 de agosto, aconteceu aqui no Rio o Grand Tasting da importadora Grand Cru nos salões do Restaurante Real Astória com bela vista para o Pão de Açúcar e a Baía de Guanabara.
Evento muito bem organizado, com a presença de diversos produtores, quantidade de público adequada para ser possível provar e conversar com os expositores. Uma quantidade grande de bons vinhos foi apresentada. Infelizmente, não consegui provar tudo que queria, mas provei excelentes vinhos, boas surpresas, com ótimo custo-benefício. A Grand Cru está com um portfólio bem consistente e interessante.
Seguem abaixo alguns destaques e boas dicas de compras:
- Lambrays Morey Saint Denis Les Loups 2008, um clássico Borgonha, com muita complexidade. Um dos destaques da feira.
- A italiana Allegrini, com os sempre ótimos Palazzo dela Torre, La Grola e o top La Poja, um vinhaço.
- O clássico espanhol Quinta da Sardonia, um grande vinho com um final muito longo.
- Crozes Hermitage Des Grands Chemins, muita qualidade e um bom preço para um vinho francês, mais uma ótima compra.
- Barbaresco Produttori, vinho do estilo que gosto.
- Pingus Psi, um tempranillo que merece ser provado.
- Um dos grandes destaques, para mim, foi este Don Olegário Albariño, um branco espanhol muito fresco, ótima acidez, gostoso que tem tudo a ver com nosso clima. Vale comprar.
- Ótima dica: Talenti Zirlo IGT, bela surpresa da Toscana, por excelentes R$ 39.
- O Brunello di Montalcino da mesma Talenti, excelente vinho.
- Todos os Toscanos da Brancaia, vale provar.
- Ótimos vinhos do produtor Massolino do Piemonte.
- Mais um ótima compra, o branco italiano Garofoli Anfora Verdicchio dei Castelli, por R$ 38.
- E, finalmente, todos os vinhos do Vale do Loire de Henri Bourgeois, brancos e tintos complexos, delicados, bem feitos, ótimos preços. Vinhos que quero muito provar novamente.

Parabéns para a Grand Cru pelo ótimo portfólio e pela organização do evento.

17 de setembro de 2012

Undurraga Brut Rosê Royal

Nome: Undurraga Brut Rosè Royal
Safra: -
País: Chile
Região: Vale de Leyda
Produtor: Viña Undurraga
Importador: Abflug

Uvas/Corte: Pinot Noir
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Comprado diretamente da importadora
Quando foi comprado: -
Degustado em: 19 de agosto de 2012
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: China in Box - sim, nós percebemos... não andamos fazendo muita comida em casa e isso é péssimo...
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Este vino fue producido bajo el método Charmat con uvas 100% Pinot Noir provenientes de nuestros viñedos del Valle de Leyda. De color rosado fresco, atractivo y novedoso, muy característico en este tipo de vino, producto de la maceración de la piel con su jugo por un determinado período de tiempo. En nariz ofrece abundantes sensaciones muy complejas, eminentemente frutales recordando frutos rojos
como la guinda y el cherry, además de delicados toques florales a rosa. De burbujas persistentes y
uniformes, en boca es seco y delicado, frutoso y con cuerpo.Ideal para acompañar sus aperitivos, comidas y postres. Sírvalo entre 7 y 9 grados.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Espumante gostoso, com coloração interessante, mas no começo apresentou-se um pouco alcoólico. Foi bem com a comida chinesa de caixinha. Fazia um tempão que não bebíamos um espumante rosè. Boa escolha.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: Bonita garrafa com rótulo em tons rosè.
Exame visual: Bonita cor. Um rosa tipo casca de cebola. Perlage fina e intensa.
Exame olfativo: Nariz delicado e fresco. Algo leve frutado, nariz cresce com o tempo.
Exame gustativo:  Bom espumante chileno. Espumante de corpo leve e sabor intenso e marcante.  Leve notas de frutas, agradável em boca e de final longo. Poderia ter acidez um pouco mais pronunciada. Vai bem com comida e funciona bem também sozinho. Boa opção de espumante rosé. Vale provar.
Nota: -

15 de setembro de 2012

Siegrist Sonnenberg GG 2008

Nome: Siegfrist
Safra: 2008
País: Alemanha
Região: Pfalz
Produtor: Weingut Siegfrist
Importador: -

Uvas/Corte: Riesling
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 22 euros
Onde foi comprado: Kaufhof, em Frankfurt, Alemanha
Quando foi comprado: 23 de abril de 2012
Degustado em: 5 de agosto de 2012
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Comida do Orienthai
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Dia de muita chuva - aliás, acho que um dos únicos nos meses de julho e agosto. De dia, passeamos por Ipanema e almoçamos no Felice, onde adoro comer salada verde com molho vinagrete que só ali sabem fazer. Vinho ácido na medida certa, gostoso, também doce na medida certa. Uma escolha que fiz por acaso diante de tantos vinhos nas prateleiras da Kaufhof, mas que pareceu bem acertada. Neste dia, começamos a pesquisar sobre a Toscana, para onde pretendemos ir em 2013. Alguém quer nos acompanhar?
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: Limpo, com uso de dourado em hotstamp e preto. Equilibrado e interessante.
Exame visual: Dourado leve.
Exame olfativo: Nariz de boa complexidade, com boa mistura de notas adocicadas e florais com algo ligado à petróleo. Bem intenso.
Exame gustativo: Excelente riesling alemão. É um vinho muito bem feito, delicado e complexo, ótima acidez. É aquele tipo de vinho que limpa a sua boca e prepara para uma nova garfada, no caso de comida Thai. Muito equilibrado, notas de abacaxi, uva verde e leve nota mineral. Boa complexidade e final muito agradável. Foi uma ótima surpresa e excelente dica para quem curte os Rieslings alemães
Nota: 91,0 +

6 de setembro de 2012

Château Léoville-Las Cases Grand Vin - Saint Julien Medoc 1970 / Boscarelli Vino Nobile di Montepulciano Riserva 2005

Nome: Château Léoville-Las Cases Grand Vin / Vino Nobile di Montepulciano Riserva 
Safra: 1970 / 2005
País: França / Itália
Região: Saint Julien - MedocToscana - Vino Nobile di Montepulciano - Vinhedos em Cervognano
Produtor:  Château Léoville-Las Cases / Boscarelli
Importador: - / Decanter

Uvas/Corte: - / 90% Prugnolo Gentile (clone local da Sangiovese), 10% Merlot
Teor alcoólico: - / 14,5%
Rolha: Cortiça em perfeito estado / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 8 de agosto de 2012
Onde Bebeu: Giuseppe Grill
Harmonizado com: Picanha
Com quem: -

Comentário do Produtor
-
Vermelho rubi particularmente luminoso. Nariz caleidoscópico com cerejas ginjas maceradas em álcool, rosas e violetas secas, tons balsâmicos, terrosos e minerais. Raça e sutileza na boca, com taninos sedosos, acidez perfeita e poderoso final a alcaçuz.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual:
Exame olfativo: Nariz intenso que evolui depois de aberto, notas de fritas maduras.
Exame gustativo: É sempre uma experiência interessante provar vinhos com muitos anos de vida. Fui convidado pelo amigo A. para degustarmos juntos este Bordeaux de 42 anos de vida. Para abrir a noite levei um vinho italiano que ainda não tinha bebido e que me surpreendeu positivamente. Um Vino Nobile di Montepulciano da safra de 2005 que foi colocado no decanter e começou a abrir e mostrar todo o seu potencial depois de 1 hora respirando. Um belo vinho que mistura perfeitamente potência com a elegância de um vinho do velho mundo. Potencial para envelhecer ainda mais um pouco, mas já pode ser degustado. Vinho muito envolvente e que gostaria de provar novamente. Típico italiano que me agrada. Partimos para o Bordeaux, que ficou mais de 2 horas no decanter. Um vinho muito elegante, com um complexa sutileza em boca. Vinho ainda vivo apesar de já mostrar sinais da idade com uma acidez já em declínio. Vinho muito prazeroso e uma experiência muito rica provar um vinho com está idade. Foi uma bela noite.
Nota: -

Mas Rebel 2010 / Altas Cumbres Malbec 2010


Nome: Mas Rabell / Altas Cumbres
Safra: 2010 / 2010
País: Espanha / Argentina
Região: Catalunya / Lujan De Cuyo
Produtor: Torres / Lagarde
Importador: -

Uvas/Corte: Cariñena e Garnacha Tinta / Malbec
Teor alcoólico: 13.5% / 13%
Rolha: Cortiça /
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 39,00 / Gentilmente oferecido pelo Marcelo
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul
Quando foi comprado: -
Degustado em: 1 de agosto de 2012
Onde Bebeu: Casa do Mario
Harmonizado com: "muchangas"
Com quem: Claudio, Miguel, Carlinhos, Ricardo, Mario Wagner e Marcelo

Comentário do Produtor
Deep dark crimson colour. Clearly Mediterranean, it offers seductive aromas of fruits (blackberries) and spices. Its soft tannins offer a velvery palate, with notes of fine liquorice and forest fruits.

De intenso color, con matices rojos, voluminoso en aromas, sobresale el carácter a mermelada y frutos del bosque. Buena persistencia en boca, armónico y complejo.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Resolvemos marcar um novo encontro dos amigos da faculdade para aproveitar a presença do Wagner no Brasil. Desta vez fomos para a casa do Mario e resolvi passar antes no Zona Sul e comprar este vinho espanhol que recentemente passou a ser vendido no supermercado. É um vinho de perfil bem moderno, com bastante fruta madura em boca. Não chega a ser enjoativo, ele é bem feito, sem arestas, mas talvez não é o meu estilo preferido de vinho. De qualquer maneira acompanhou bem a noite. Depois bebi uma taça o argentino que o Marcelo levou. Vinho bastante conhecido, que já comentamos aqui no blog, correto, um bom malbec para um jantar descompromissado.
Nota: - 

5 de setembro de 2012

Martinborough Vineyards 2005 - 30th anniversary

Nome: Martinborough Vineyards
Safra: 2005
País: Nova Zelândia
Região: Martinborough
Produtor: Martin Borough Vineyards
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: -
Rolha: Rosca
Numeração da garrafa: - / 756
Preço: -
Onde foi comprado: Na Nova Zelândia
Quando foi comprado: -
Degustado em: 1 de agosto de 2012
Onde Bebeu: Clube Paisandu
Harmonizado com: petiscos diversos
Com quem: Claudio, Miguel, Carlinhos, Ricardo, Mario Wagner e Marcelo

Comentário do Produtor
Just released as a one off wine to celebrate their 30th Anniversary and after their 2008 reserve cleaned up in the States in a big blind tasting this is a great follow up. The 1998 beat 19 other pinots from around the world and was judged the best but what was impressive is that it was one of the least expensive ( the fifth wine retails at $6000/btl! ) Only 756 bottles made of the 2005 with only 300 available in NZ. The fruit has come from their oldest blocks which are up to 25 yrs of age. The wine was bottled in February 2007 so its been aged for over 4 years before release! "On the nose this wine is full of black cherry and savoury characters with layers of complex forest floor and spice notes. The concentrated palate shows the benefit of older vines with a broad density yet having the suppleness and complexity of great Pinot Noirs. The structure allows the concentration of fruit and tannin weight to combine seamlessly on the palate. W ehave Whilst this wine is superb drinking now, our experience tells us this wine will start entering bottle maturity after four years and then age gracefully for 10+ years." Martinborough Vineyards

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Exame visual: 
Exame olfativo:
Exame gustativo: Depois de muito tempo conseguimos reunir todos os amigos de faculdade em nosso encontro mensal. Isto só foi possível pois o Wagner, depois de três anos, veio passar férias no Brasil. Foi ele que nos presenteou com o vinho da noite, este excelente Martin Borough Pinot Noir. Nos encontramos no Paisandu e ali na agradável varanda abrimos vários vinhos além deste: TH Pinot Noir, Jean Bousquet Reserva Pinot Noir que infelizmente estava bouchonné, Um outro Pinot Noir que o Wagner trouxe e que não anotei o nome e ele também não lembra e ainda deu tempo de abrir um Jean Bousquet Grande Reserva Malbec. A noite foi animada e não fiz anotações sobre os vinhos, mas fiz questão de prestar atenção ao Martin Borough. Esta garrafa é uma edição especial, comemorativa do 30 aniversário da vinícola, com uma tiragem de apenas 756 garrafas. um Pinot Noir de alta gama, com muita complexidade e tipicidade. Envolvente e de excelente presença em seu final. Vinho que entrou para minha lista de vinhos que quero provar novamente. Ótima noite.
Nota: - 

4 de setembro de 2012

Paulo Laureano 2010

Nome: Paulo Laureano
Safra: 2010
País: Portugal
Região: Alentejo
Produtor: Paulo Laureano

Uvas/Corte: Aragonês, Trincadeira e Alfrocheiro
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 40
Onde foi comprado: Joaquina Bar, na Cobal Humaitá, no Rio
Quando foi comprado: 6 de agosto de 2012
Degustado em: 6 de agosto de 2012
Onde Bebeu: Joaquina Bar, na Cobal Humaitá, no Rio
Harmonizado com: Petisquetes
Com quem: Rafaela, Ana Rosa, Antonio, Angela, Neusa e Antonio

Comentário do Produtor
Cor: Granada Aroma: Frutos negros, maduros e complexos com forte toque a especiarias. Prova: Macio com acidez bem balanceada. Final de Boca: Final longo e bastante atractivo.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fazia um tempão que não nos encontrávamos. Aí quando a saudade aumenta demais e as agendas resolvem colaborar, conseguimos nos rever. É sempre tão bom estar perto dos meus queridos amigos do mestrado. Há sempre tanto para conversar. E sempre fico tão feliz depois de nossos animados encontros. Desta vez não foi diferente. Tomara que venham muitos outros ainda neste ano.
Nota: 89.0

Uma aula de vinhos portugueses com Rui Falcão

Portugal quer conquistar as taças dos brasileiros. Com promoção da ViniPortugal, associação responsável exatamente por divulgar a imagem do país como produtor de vinhos de excelência, participei de uma aula ministrada com muita competência e simpatia por Rui Falcão o principal crítico de vinhos de Portugal. Durante uma manhã/tarde passamos na companhia de diversos vinhos de todas as principais regiões produtoras de Portugal harmonizados com muita informação e histórias das cepas e  vinhos da terrinha.
A iniciativa é muito interessante e o objetivo é treinar e passar informação que ajude o consumidor brasileiro a conhecer os vinhos e que facilite o processo de venda e escolha dos vinhos. Algumas particularidades dos vinhos portugueses que transitam bem entre a tradição e a modernidade valem o destaque: - a grande quantidade de cepas plantadas, número acima de 300 variedades e muitas vezes os nome mudam de região para região. - Apesar do tamanho do país, a grande diversidade de clima e solo encontrado proporcionam vinhos muito diferentes e com características próprias, uma grande quantidade de microclimas. - a mistura natural das vinhas que por não serem plantadas separadamente o cruzamento das cepas acontece naturalmente. Com a entrada do país na comunidade européia, Portugal conseguiu dinheiro para se modernizar e hoje se encontra tanto as mais tradicionais vinícolas quanto as mais modernas e tecnológicas. Mesmo nas mais modernas vinícolas, a tradição e hábitos da produção de vinhos ainda podem ser vista.
Em resumo podemos dizer que hoje Portugal produz vinhos únicos, que não seguem moda, com castas distintas, com muita personalidadee história para contar.
Pudemos provar diversos vinhos das principais regiões vinícolas, veja o que foi provado:
- Conde de Villar Alvarinho 2011 - feito com uma das principais uvas brancas, grande acidez, frescor e mineralidade.
- Carm Rabigato Douro 2010 - uva pouco plantada, usada em cortes e com acidez muito marcante.
- Quinta da Chocapalha Arinto 2010, vinho regional de Lisboa, uva também muito usada em cortes, em boca muitas notas cítricas e acidez.
- Quinta da Falorca Dão 2010 - feito principalmente com a uva Encruzado, bom vinho que ocupa toda a boca e leve doçura.
- Pera Manca branco 2009 - um clássico do Alentejo, feito com as uvas Arinto e Antão Vaz. Um vinho que tem um estilo mais oxidado, com grande corpo e que envelhece muito bem. Deve ser decantado. Um vinho muito bom, ícone de Portugal.
Após o almoço voltamos e partimos para os vinhos tintos:
- Carm Reserva 2009 Douro - bom tinto com taninos presentes, pouco açúcar residual e boa acidez.
- Pedra Cancela 2009 - Dão, um corte de 4 cortes, fruta delicada, taninos finos e que vai envelhecer bem.
- Encontro Bairrada 2009 - feito da difícil e cultuada uva Baga com tinta roriz e touriga Nacional, vinho tânico, com peso e que pede comida gordurosa. Vinho para envelhecer.
- Quinta da Chocapalha 2007, Lisboa, um vinho bem feito e sem muita complexidade. Vinho ideal para pessoas que não costumam beber regularmente.
- Quinta da Alorna 2009, Tejo, vinho fácil de se beber de estilo novo mundo.
-Vale da Judia 2009, Setúbal. Um corte de Trincadeira Castelão e aragonês, taninos marcados, seco e gastronômico.
- .com 2010 Estremoz, vinho moderno e com muita fruta em boca.

Assim pudemos provar um pouco de toda a diversidade de clima, cepas e estilos dos vinhos portugueses. Um interessante investimento em educação e treinamento que a ViniPortugal levou para diversas cidades do Brasil muito bem conduzido por Rui Falcão.

2 de setembro de 2012

Brancaia Chianti Classico DOCG 2008 #cbe

Nome: Brancaia Chianti Classico
Safra: 2008
País: Itália
Região: Chianti
Produtor: Brancaia
Importador: Grand Cru

Uvas/Corte: Sangiovese, com um pouco de merlot
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça e bem longa
Numeração da garrafa: -
Preço: 19,99 euros
Onde foi comprado: Kaufhof, em Frankfurt, Alemanha
Quando foi comprado: 23 de abril de 2012
Degustado em: 14 de agosto de 2012
Onde Bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa com molho vermelho
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: "Frutas maduras"diz o CLaudio. É cheiroso, mas não consegui identificar cheiro de que.
Exame gustativo: Vinho muito bom, harmônico, especialmente depois de aberto por algum tempo. Obrigada ao Alexandre pela indicação, uma bela desculpa para beber um Chianti. 
Nota: -


Comentário do Claudio
Rótulo: Minimalista, moderno e limpo. Estilo que marca.
Exame visual:
Exame olfativo: Nariz intenso que evolui depois de aberto, notas de fritas maduras.
Exame gustativo: A Rafaela trouxe esta garrafa da Alemanha e assim que o Alexandre divulgou o tema da Confraria Brasileira de Enoblogs deste mês, foi escolhida para ser o nosso vinho do mês. Por acaso, o próprio Alexandre escolheu este vinho também. Gosto bastante de Chiantis, mas acabo provando menos do que gostaria. Este se mostrou um belo exemplar. Recomendo deixar respirando em um decanter por algum tempo antes de servir, pois ele cresce muito com tempo em contato com o oxigênio. Também acho que ele tem muita vida pela frente e quem quiser comprar uma garrafa para guardar, não irá se arrepender. Chianti muito bem feito, boa estrutura e acidez, será uma bela companhia para bons pratos de massa. Final intenso com uma leve nota amarga que não atrapalha. Muito bom vinho que trás prazer ao beber. 
Nota: -