25 de maio de 2012

Wine Tour 2012 - Descobrindo os vinhos da Bourgogne



Em 19 de abril de 2012, Claudio participou da Wine Tour 2012 Bourgogne, no hotel Sofitel

Comentário do Claudio
Dia 19 de abril foi um dia movimentado. O primeiro evento do dia foi a palestra e degustação de vinhos da Bourgogne no hotel Sofitel. Marquei de encontrar o amigo e blogueiro de Brasília, o Guilherme. Foi uma oportunidade interessante para conhecer as regiões e as classificações dos vinhos da Borgonha. Na palestra tivemos um panorama geral da produção dos vinhos. Alguns números interessantes da região:
- 5 regiões - Chablis & Grand Auxerrois; Côte de Nuits; Côte de Beaune; Côte Chalonnaise e Mâconnais
- 27.900 hectares plantados
- 60.000 vinhos diferentes
- 200 milhões de garrafas produzidas por ano
- 0,5% da produção mundia de vinhos
- 3.800 vinícolas
- 250 negociants
- 23 cooperativas
- 3% dos vinhedos franceses
- 2 cepas principais - Chardonnay (46% da produção) e Pinot Noir (36% da produção)
- 2.000 anos de história

Durante a palestra tivemos a oportunidade de degustar alguns vinhos:
- Borgogne Blanc, Cuvée dês Forgets 2010 – Domaine Patrick Javillier: nariz um pouco fechado, abrindo para algo de manteiga e nozes. Na boca  uma bela acidez, notas minerais e final um pouco curto.
- Borgogne Hautes Cotes de Nuits 2010 – Domaine Philippe Gavinet: nariz leve e agradável. Em boca um estilo um pouco diferente de Pinot Noir. Muita presença em boca com taninos realmente marcante. 
- Pouilly-Fuisse 2009 – Domaine Pascal Rollet: Segundo branco degustado e com mais complexidade que o primeiro. Um vinho menos mineral e mais redondo.  Bom corpo, característica dos vinhos desta região.
- Mercurey 2009 – Domaine du Chateau de Chamirey: Mais um Pinot com características distintas. Muito vivo em boca, final forte. Vinho ainda novo e com potencial para envelhecer.
- Meursault 1er Cru Genevrières 2009 – Domaine Latour Giraud: nariz bastante complexo e interessante. Em boca bem macio, notas de frutas tropicais e algo de baunilha e madeira. Um vinho longo. 
- Gevrey-Chambertin 1er Cru Cherbaudes 2008 – Domaine des Beaumont: nariz delicado e elegante. Estilo mais clássico de Pinot Noir. Em boca, complexo, boa fruta, elegante e ainda muito jovem. Final de boca típico de Pinot Noir. Boa presença.
- Chablis Grand Cru Valmur 2009 – Domaine Christian Moreau: o grande destaque da degustação. Um grande de vinho, ainda jovem, muito vivo no nariz. Boa mineralidade, boa complexidade, uma explosão de sabores em boca. Excelente final. Um vinho para se provar novamente.
- Corton Grand Cru Le Rognet et Corton 2008 – Domaine Michel Mallard & Fils: Último vinho da degustação um Pinot com muita complexidade e potencial para envelhecer.
Foi muito interessante conhecer e provar um pouco mais sobre a Borgonha. Com certeza deu ainda mais vontade de voltar novamente na região.
Após a palestra visitamos a feira que ocorria no salão ao lado. Como iríamos ainda para o evento da World Wine, ficamos menso tempo do que deveríamos por lá. Mais um bom evento que passou pelo Brasil.

23 de maio de 2012

Nimbus Estate - Cabernet Sauvignon 2007 / Lealtanza Crianza - Tempranillo 2007


Nome: Nimbus Estate / Lealtanza Crianza
Safra: 2007 / 2007
País: Chile / Espanha
Região: Casablanca / Rioja
Produtor: Viña Casablanca / Bodegas Altanza
Importador: Casa Flora / Vinoteca

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100% / Tempranillo 100%
Teor alcoólico: 14% / 13,5%
Rolha: Cortiça / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 70 / R$ 20
Onde foi comprado: A Garrafeira no Leblon
Quando foi comprado: 17 de abril de 2012
Degustado em: 17 de abril de 2012
Onde Bebeu: Clube Paissandu, no Leblon, no Rio
Harmonizado com: File à Oswaldo Aranha
Com quem: Claudio, Miguel, Mario, Carlinhos e Ricardo

Comentário do Produtor
Nimbus - A smooth dark ruby color is apparent on this delicate yet firm Cabernet Sauvignon. It is laden with soft notes of currants and poppy flowers that transition into a palate of cassis, dark chocolate and cedar. Its tannins are soft and subtle, its finish is graceful and elegant.
Lealtanza - Aspecto: Intenso color rojo granate, de una capa media alta. Limpio, poco evolucionado. Aroma: Potente intensidad aromática, notas de frutos rojos como frambuesa y fresa combinados con las notas a tostados que le proporciona la madera francesa. Sabor: Entrada agradable, muy equilibrado y redondo. Intenso, amplio, con un postgusto muy duradero.

Comentário do Claudio
Rótulo: 

Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Resolvi comprar uma garrafa de vinho antes de ir para o encontro mensal dos colegas de faculdades. Como o encontro seria na agradável varanda do clube Paissandu e lá é possível levar sua garrafa de vinho para acompanhar o jantar, achei que poderia ser uma boa. Passei na boa loja a Garrafeira no Leblon e acabei escolhendo este vinho que gosto e que já não provava há algum tempo. Começamos pelo ótimo Cabernet chileno. É um vinho muito bem feito, bom corpo, boa estrutura, em boca temos frutas maduras bem elegantes, taninos macios. Um vinho muito agradável que dá vontade beber mais uma taça. Um vinho que recomendo bastante. Depois passamos para a meia garrafa do vinho espanhol. Como o primeiro vinho tinha sido muito bom, este ficou prejudicado. É um viho mais simples, correto e agradável. Um bom vinho para o dia a dia. Mais um encontro divertido.
Nota: 91.0 / 86.0+

22 de maio de 2012

Chateau de Garguille 2009 - Bordeaux

Nome: Chateau de Garguille
Safra: 2009
País: França
Região: Bordeaux
Produtor: Chateau de Garguille

Uvas/Corte: Merlot, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 19,96
Onde foi comprado: Zona Sul, em Botafogo
Quando foi comprado: 16 de abril de 2012
Degustado em: 16 de abril de 2012
Onde Bebeu: Zona Sul, no Rio
Harmonizado com: Pizza
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
-
Comentário do Claudio
Rótulo: 
Simples e com clássico estilo da ilustração do Chateau
Exame visual: Translúcido
Exame olfativo: leve álcool, perfumado e leve fruta como cereja.
Exame gustativo: Mais um vinho dos novos vinhos franceses que o Zona Sul está vendendo. Comprei esta meia garrafa para acompanhar a pizza. Sem nenhuma referência sobre este vinho escolhi este rótulo por ser meia garrafa. Foi uma boa surpresa. Não é nenhum grande vinho, mas ele é correto, sem nenhum defeito aparente e agradável. Vinho básico com notas de frutas como cereja e morango. Final um pouco curto. Não lembra muito o estilo clássico dos vinhos de Bordeaux, cresceu na taça e não comprometeu. Cumpriu seu papel.
Nota: 86.0 +

Brogsitter Referenz - Grauburgenter 2009

Nome: Brogsitter Referenz
Safra: 2008
País: Alemanha
Região: -
Produtor: -

Uvas/Corte: Pinot Grigio = Grauburgunder
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Tao, em Bad Godesberg, Bonn, Alemanha
Quando foi comprado: 19 de abril de 2012
Degustado em: 19 de abril de 2012
Onde Bebeu: Restaurante Tao, em Bad Godesberg, Bonn, Alemanha
Harmonizado com: Comida tailandesa deliciosa
Com quem: Rafaela

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Durante a minha estava na Alemanha em abril, eu provei três tacinhas de vinho. A primeira delas foi um Chianti, em Colônia, para acompanhar a melhor massa com molho de tomates que comi nos últimos tempos. Dá vontade de voltar a Colônia só para comer novamente aquela massa no Restaurante Campi. Fui à Alemanha para um seminário do trabalho. Antes de ir para Bonn, onde fica a sede do meu trabalho, passei um dia em Colônia. Durante a semana que passei em Bonn, fui jantar duas noites com os colegas que também estavam na Alemanha - o grupo era formado por colegas de Nova York, Paris, Londres, Cairo, Hanoi, Pequim, Varsóvia, Jakarta e Nairóbi. Em uma das noites, fomos ao Vapiano, lá bebi uma tacinha de merlot, que foi perfeita com a bruschetta e a salada. Noutra noite, fomos convidados pelo trabalho para um jantar. O restaurante escolhido foi um tailandês, chamado Tao, bem agradável, perto do hotel onde estávamos hospedados. A comida foi muito bem acompanhada por um deliciosa taça de pinot grigio! A viagem foi muito boa! Que venham outras para o velho mundo!
Nota: -

21 de maio de 2012

Cuvée Mythique - 2008


Nome: Cuvée Mythique
Safra: 2008
País: França
Região: Vin de Pay's D'Oc
Produtor: Les Vignerons de la Méditerranée

Uvas/Corte: Syrah 30%, Mourvèdre 30%, grenache 30%, carignan 10%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 47,00
Onde foi comprado: Zona Sul, em Botafogo
Quando foi comprado: Agosto de 2011
Degustado em: 13 de abril de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio

Comentário do ProdutorLa Robe : Très belle robe de couleur pourpre intense aux reflets violets
Le Nez : Le nez, associant des arômes de cerises noires et de légères touches de cacao, se termine après aération sur des notes de marrons rôtis
La bouche  La bouche de bonne longueur est pleine avec beaucoup de gras. Les tanins sont intenses mais de bonne maturité, et des arômes d’épices et de prunes viennent flatter les papilles en finale.


Comentário do Claudio
Rótulo: A ilustração da corujinha e a tonalidade telha alaranjada tornam este rótulo marcante e bem interessante.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Havia degustado este vinho no ano passado e tinha gostado dele. Achei que era um vinho que tinha potencial para ficar guardado por mais um tempo e que ele evoluiria. Comprei uma garrafa para deixar guardada por um tempo, mas de uma outra safra a 2008. Iria guardar por mais tempo, mas como vi que ainda tinha no supermercado, resolvi abrir para provar como estava e acabei bebendo em dois dia diferentes. Pelo que lembrava, este 2008 não chegou a evoluir muito. É um vinho agradável, correto, mas esperava que ele estivesse mais arredondado. De qualquer forma é uma boa compra. Cheguei a ver uma garrafa do 2007 ainda em uma das filiais do supermercado...quem sabe a safra não tenha feito diferença. Se provar novamente conto aqui. De um dia para ele ficou bem, evoluiu um pouquinho.
Nota: -

Red Tree - Petite Sirah 2010

Nome: Redtree
Safra: 2010
País: EStados Unidos
Região: Califórnia
Produtor: Cecchetti Wine Company

Uvas/Corte: Petite Sirah 100%
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: Presenteado ao Claudio pela Regina, que veio do Canadá e pegou esta garrafinha no voo para dá-la ao Claudio
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Março de 2012
Degustado em: 11 de abril de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizza
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Our 2010 Petite Sirah displays aromas of dark fruits and strawberries, with a hint of herbs in the background. This medium-bodied wine provides a mouthful of blackberry flavors and more red fruits, finishing with soft but full tannins.

Comentário do Claudio

Rótulo: -
Exame visual: Violeta escuro
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Resolvi abrir esta garrafinha de 187 ml deste vinho americano para acompanhar a minha pizza. Abri este vinho sem esperar muito dele. A Regina estava vindo do Canadá e pegou este vinho para mim no avião. Foi uma boa surpresa. É um vinho com bastante fruta madura em boca. Corpo médio, sabor intenso, mas sem ser enjoativo e sim bastante agradável. Não é um vinho complexo, mas não decepciona. Vi que ele é importado pela Grand Cru. Quem quiser provar um exemplar americado de Petite Syrah, pode ser um bom exemplo.
Nota: 87.0

20 de maio de 2012

Cornogrande Montepulciano D'Abruzzo Riserva - 2006


Nome: Cornogrande
Safra: 2006
País: Itália
Região: Abruzzo
Produtor: Cantine Galasso
Importador:

Uvas/Corte: Montepulciano 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 70
Onde foi comprado: Artigiano, em Ipanema
Quando foi comprado: 8 de abril de 2012
Degustado em: 8 de abril de 2012
Onde Bebeu: Artigiano, em Ipanema
Harmonizado com: Massas variadas
Com quem: Claudio, Rafaela, tio Roberto, Claudine, Mauro, Marcela e Regina Helena

Comentário do Produtor
COLORE: Rosso rubino tendente al granato.
BOUQUET:Aromi eterei con sentori di frutta rossa matura e spezie.
GUSTO:Corposo, leggermente tannico e persistente

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nesta época do ano, sempre nos encontramos com a Claudine e o tio Roberto para um almoço comemorativo. Tio Roberto e Marcela fazem aniversário no final de março e Claudine na primeira dezena de abril. O Artigiano é um dos restaurantes preferidos do tio Roberto. Então, nada mais apropriado que marcarmos o encontro lá. O almoço foi superagradável. Para acompanhar, um vinho italiano, que harmonizou com as massas.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -

Exame visual: Violeta intenso.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Almoço de família no restaurante Artigiano. A carta de vinhos deste restaurante é boa, com diversos rótulos de vinhos italianos com uma marcação bastante razoável. Muitos rótulos da carta eu não conhecia. Resolvi arriscar um Montepulciano. Ano passado estive em uma feira somente com vinhos da região de Abruzzo. A seleção de produtores desta feira foi muito boa, todos os vinhos provados mostrou boa qualidade. Desde então sempre procuro algum vinho desta região para provar. Assim escolhemos esta garrafa. Vinho bem feito, agradável. Notas de frutas maduras em boca e no ponto para ser bebido. Boa companhia para massas. Vinho agradável e interessante.
Nota: -

17 de maio de 2012

Grumbach Merum Magnum - Riesling 2009

Nome: Merum Magnum
Safra: 2009
País: Alemanha
Região: Mosel
Produtor: Grumbach

Uvas/Corte: Riesling
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 13 euros
Onde foi comprado: Na vinícola, em Lieser
Quando foi comprado: 7 de agosto de 2011
Degustado em: 7 de abril de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Comida tailandesa do Orienthai
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Die Trauben 
Manuelle Selektion von 65% vollreifen und 35% überreif-botrytizierten Trauben
aus unserer Lieserer „Ersten Lage“ Niederberg-Helden. Die Reben sind 40 Jahre alt und wachsen auf reinen Devonschieferverwitterungsböden mit 50° Hangneigung,
Ertrag  35 hl/ha, 96° Oechsle.
Der Wein
Barocke Riesling-Konzentration, reiche Frucht nach Pfirsich, Aprikose, Ananas,
cremiger, komplexer Körper mit ausgewogenem Frucht-Säure-Spiel, enorme Länge,
18g/l Restsüße.
Dieser Wein ist nur in Spitzenjahren möglich. Die von uns bisher erzeugten Jahrgänge von MERUM MAGNUM, 2005,  2007 und 2009 gehörten zu den
höchstprämierten Weißweinen Deutschlands.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este vinho me traz boas lembranças da Alemanha, especialmente do dia em que visitamos Trier e esta vinícola. Era o primeiro fim de semana. Este foi o que mais gostei da degustação que participamos. Harmonizou bem com um queijinho que tínhamos em casa.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo: 
O formato das garrafas de riesling é bonito. O rótulo limpo e clássico ajuda a formar um bom conjunto.
Exame visual: Amarelo bem clarinho.
Exame olfativo: Rico e de difícil definição. Algo mineral junto com toques de frutas cítricas leves. Bem interessante.
Exame gustativo: Um belo Riesling alemão. Em boca apresenta boa mineralidade. Ele é elegante e delicado, mas com boa presença e intensidade. Final de boca vivo. Sabor límpido e algumas notas doces em seu final. Vinho muito bem feito e agradável, fácil de se beber. 65% das uvas são de vinhas velhas e 2009 foi um ótima safra na região. Muito bom vinho.
Nota: 90.0 +

Massaya - Vinhos Libaneses


No dia 4 de abril, Claudio participou de degustação à convite da importadora Au Vin

Comentário do Claudio
No início de março, durante o Encontro de Vinhos que aconteceu aqui no Rio de Janeiro, conheci os vinhos libaneses da vinícola Massaya e o simpático casal João Felipe e Vanessa, da importadora Au Vin, que apostaram em trazer vinhos estes vinhos libaneses para o Brasil. A todos os amigos que chegavam na feira eu indicava provar os vinhos e todos voltavam surpresos com a qualidade dos vinhos vindos de um país, que para nós, não é um produtor tão tradicional.

Um mês depois, no início de abril, fui convidado para um almoço de apresentação dos vinhos com a presença do produtor, Sami Ghosn. O almoço foi realizado no restaurante Bottega del Vino, no Leblon, e um menu especial foi preparado para a harmonização. Pudemos testar os vinhos com diversas e ótimas comidas. Enquanto ouvíamos um pouco sobre a história dos vinhos no Vale do Bekaa, provamos o vinho de entrada da vinícola: Massaya Classic. O vinho surpreende pela sua versatilidade. Um vinho jovem, mas com personalidade e boa capacidade de harmonização. Um corte de Cinsault 60%, Cabernet Sauvignon 20% e Syrah 20%. Um vinho fácil de se gostar.

Segundo vinho do almoço foi o Massaya Silver Selection 2007. Vinho que considerei pronto para beber e com muita qualidade. Sami explicou um pouco da influência francesa no histórico do vinho libanês, assim como da parceria que a vinícola com famílias francesas da região de Saint Emilion e Chateauneuf du Pape. Estas parcerias emprestam um pouco de conhecimento técnico ao vinho, mas a personalidade é toda libanesa. O silver é um corte de 40% Cinsault, 30% Grenache, 15% Cabernet Sauvignon e 15% Mourvèdre. Bom corpo, gastronômico, belo vinho.

Fechamos o almoço com chave de ouro ou melhor com vinho de ouro: uma vertical da linha Gold. Provamos as safras 2005, 2007 e 2008 da linha Massaya Gold Reserve. Este é o vinho top da vinícola, vinho intenso e com grande potencial de evolução. Provamos inicialmente o 2008, é possível ver toda a qualidade do vinho que irá fica ainda melhor com mais algum tempo de garrafa. É um vinho de guarda. A safra 2005 já mostrava uma boa evolução, mas ainda com bom potencial de guarda. Um belo vinho com muita estrutura. Corte de 50% Cabernet Sauvignon, 40% Mourvèdre e 10% de Syrah.

Foi um almoço muito agradável, com vinhos que realmente surpreendem. Uma bela escolha para quem gosta de provar vinhos com personalidade, de regiões diferentes. Impossível ficar indiferente a eles. Recomendo. A vinícola tem ainda um corte branco e um rosé que não são importados para o Brasil, mas que o João Filipe me confidenciou estar tentando trazer por ser ainda mais surpreendente. Vamos aguardar.

15 de maio de 2012

Chateau St. Jean - Cabernet Sauvignon 2006

Nome: Chateau St. Jean
Safra: 2006
País: Estados Unidos
Região: Sonoma
Produtor: Chateau St. Jean

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14,2%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Trazido pela Patty, dos Estados Unidos
Quando foi comprado: -
Degustado em: 5 de abril de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pães e queijos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Inviting aromas of blackberry, black tea and hints of leather begin the nose of this Sonoma County Cabernet Sauvignon. The wine is concentrated and structured with a ripe fruit core of dark berry fruit. The palate is round and full and leads to a lingering finish.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Exatamente o cheiro de madeira do armário da sala de jantar de nossa casa em Esmeralda.
Exame gustativo: Bombadão. É gostoso, de início, para quem gosta de vinhos superamadeirados, mas acaba ficando meio enjoativo depois de um certo tempo. Tirando essa característica marcante, é difícil encontrar nele outras qualidades/defeitos. Não chama a atenção por outros aspectos. Temos uma teoria de que quando o vinho é bom, a gente nem sente bebê-lo. Este, apenas para ilustrar, sobrou em nossas taças.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Um rótulo de estilo clássico e bem feito. Não combina com o estilo do vinho.
Exame visual: Violeta vivo
Exame olfativo: Início com um pouco de álcool. Depois surgem notas de frutas escuras maduras.
Exame gustativo: Este é mais um vinho americano que a Patty trouxe dos Estados Unidos para provarmos. Em geral, todos os vinhos que ela nos trouxe tiveram uma boa avaliação. Este Chateau St. Jean tem um estilo que não me agrada muito. É um vinho carregado na madeira, mas muita madeira mesmo. O problema de tanta madeira é que ele vai ficando enjoativo e você não consegue chegar ao final da garrafa. É macio, notas clássicas de baunilha. Vinhos amadeirados têm o seu público, principalmente nos Estados Unidos, mas para o meu paladar este vinho errou na mão. No contra-rótulo fala em "nuances de madeira"..., no paladar aparecem e mais que nuances.
Nota: 84.0

14 de maio de 2012

Reverse Six 2008 / Château La Croix Melin Saint Émilion 2008

Nome: Reverse Six / Château La Croix Melin
Safra: 2008 / 2008
País: Espanha / França
Região:  Ribeira del Queiles / Saint Émillion
Produtor: Winery Arts / Château La Croix Melin

Uvas/Corte: Tempranillo 75%, Merlot 25% / Merlot 75%, Cabernet Franc 25%
Teor alcoólico: 13,5% / 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: La Botella, em Ipanema
Quando foi comprado: 22 de março de 2012
Degustado em: 22 de março de 2012
Onde Bebeu: La Botella, em Ipanema
Harmonizado com: 
Com quem: Claudio, Rafaela e Helton

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Dia desses comentei (o óbvio) com um conhecido meu - que não fala português, mas de vez em quando acessa o blog - que, apesar de ter o blog, eu não entendo quase nada de vinho. Aí ele retrucou dizendo que tinha conseguido entender no blog a palavra exame. Depois disso, fiquei pensando se deveríamos mudar para outra palavra mais apropriada, uma vez que raramente faço um exame gustativo dos vinhos que bebo. :) Como é o caso destes vinhos que bebemos com nosso amigo Helton no La Botella. Foi um encontro muito bom. Fazia um tempão que não encontrávamos com o Helton e é sempre tão bom conviver com aquele jeito tranquilo dele. Os vinhos estavam bons e foram perfeitos para acompanhar a conversa e a massa com molho vermelho que só a equipe do La Botella sabe fazer! 
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Interessante ver lado a lado um rótulo clássico, estilo muito visto em Bordeaux e um muito moderno, o do espanhol. Qual você prefere?
Exame visual: -
Exame olfativo:-
Exame gustativo: Noite muito agradável, no La Botella, lugar que gostamos muito, na companhia sempre agradável do amigo Helton, e com dois bons vinhos de estilos diferentes. Abrimos a noite com este espanhol, um dos três vinhos da linha "9" desta vinícola. Provamos estes vinhos em uma feira de vinhos espanhóis, quando este produtor não tinha importador para o Brasil. A Confraria Carioca passou a importar a linha. Este 6 é um vinho de boa presença em boca, com boa fruta. Vale provar. O segundo vinho da noite foi um francês da região de St. Emillion. Sempre gosto de descobrir vinhos franceses, de boa qualidade e por um preço justo. Foi o caso deste. Vinho bastante agradável, estilo velho mundo, elegante. Ótima noite. Esperamos nova visita do Helton por aqui!
Nota: -

Dádivas - Chardonnay 2011

Nome: Dádivas
Safra: 2011
País: Brasil
Região: Terras de Encruzilhada do Sul - RS
Produtor: Lídio Carraro

Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 59
Onde foi comprado: Zot, em Copacabana
Quando foi comprado: 31 de março de 2012
Degustado em: 31 de março de 2012
Onde Bebeu: Zot, em Copacabana
Harmonizado com: Brandade de bacalhau e baroa, bolinhas de batata e carne seca e polentinha com gongorzola
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Aroma elegante de flores brancas, notas tropicais de abacaxi, melão, pera e toque mineral. Ao paladar é envolvente, equilibrado, persistente e possui ótimo frescor. Considerado um dos melhores Chardonnays da atualidade. Uma verdadeira Dádiva!

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Na Revista Rio Show do jornal O Globo saiu uma reportagem sobre lugares bacanas de Copacabana. O bairro famoso mundialmente não é o preferido dos cariocas, mas agora começa a ter atrativos diferenciados que talvez chamem a atenção até mesmo dos locais. Passei o dia estudando, mas nas duas saídas que dei de casa neste sábado, fomos parar em Copacabana. Almoçamos no Amir, tomamos café no Fiducia. À noite, fomos até o Zot, bar de vinhos aberto há pouco mais de mês. O lugar estava cheio, fenômeno normal depois de sair no jornal. Assim mesmo, tão logo chegamos, já conseguimos um cantinho no bar. Foi uma noite muito agradável e a escolha do vinho foi perfeita. A linha Dádivas é realmente especial. E o preço no Zot estava ok. As comidinhas são gostosas, especialmente a brandade de bacalhau.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo simples e direto. Não compromete.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Neste dia fomos conhecer um novo bar em Copacabana que eu já tinha ouvido falar e que tinha saído no jornal naquela final de semana, o Zot. O local não é muito grande, mas bem decorado e aconchegante. Sentamos no bar, de onde observamos que na grande maioria das mesa, as pessoas estavam bebendo vinhos. A carta não é muito grande, mas conta com opções interessantes e com uma marcação de preço razoável. Neste dia estava com vontade de beber um branco ou um espumante. Ao ver a carta, vi este vinho da Lidio Carraro e pedi. A linha Dádivas é bastante interessante. Gosto muito do Pinot Noir e agora este Chardonnay também entrou para a lista de bons vinhos nacionais. Não passa por madeira. Este Chardonnay é elegante em boca e muito bem feito. Boa combinação de acidez e fruta em boca com leve toque de algo mineral em seu final. Gostei bastante tanto do Zot quanto do vinho.
Nota: 88.0

10 de maio de 2012

Fontanafredda Barolo 2006

Nome: Barolo
Safra: 2006
País: Itália
Região: Serralunga D'Alba
Produtor: Fontanafredda

Uvas/Corte: Nebbiolo 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 24,95 Euros
Onde foi comprado: Galeria Kaufhof, em Saarbrücken, Alemanha
Quando foi comprado: Agosto de 2011
Degustado em: 30 de março de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Il frutto del lungo affinamento, grazie soprattutto alle doti naturali di questo prodotto, si sostanzia in un vino ricco di struttura, pieno e robusto, in grado di resistere bene negli anni. Nel calice, il Barolo è vino affascinante sin dal colore, rosso rubino con riflessi granati che, col tempo, si fanno aranciati. Il profumo è netto e intenso, ampio, con sentori tipicamente di fiori appassiti, spezie, foglie secche e sottobosco.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho leve, macio e gostoso. Foi bem com a pizza. Foi bom para fechar uma semana intensa, que começou com encontro de amigos, seguiu com muito trabalho, aulas na faculdade, viagem a São Paulo e outras tantas atividades.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Cinza e azul. Pelo modo como a tipologia foi utilizada ele marca, porém esteticamente não é tão interessante.
Exame visual: rubi transparente
Exame olfativo: Início com leve álcool e depois abre para uma mistura leve de frutas vermelhas e algo de especiarias.
Exame gustativo: Este é um bom Barolo. Em boca aparece um pouco de groselha misturado a algo picante. Agradável e e interessante. Em boca parece leve, gastronômico. Abre bastante depois de um tempo em taça e se torna mais interessante. Foi muito bem com a nossa pizza caseira. Acho que ele pode ficar um tempinho a mais na garrafa, acredito que ainda dá para evoluir. Um Barolo correto e bem agradável.
Nota: 88.0 +

Encontro de mestres - 1 ano de formados

Fazia já um tempão que não nos reuníamos e a saudade já estava grande. Depois de intensa troca de e-mails conseguimos fechar uma data, em plena segunda-feira. Como já havia sido combinado anteriormente, Claudio seria responsável por preparar nosso jantar: pizzas de variados sabores. Foi tudo muito bom. A conversa esteve animada como sempre, rimos, cantamos, fizemos fotos. Eu ainda tive uma alegria a mais, a presença da Sheila, filha de um dos meus 40 primos. Aproveitamos também para comemorar um ano de formados.

Quando: 26 de março de 2012

Com quem: Rafaela, Claudio, Ana Rosa, Antonio, Angela, Neusa, Tatiana e Sheila

Vinhos degustados:  Norton Syrah 2007, Quinta do Caleiro Reserva 2007 - Douro, Mateus Rosé,  Doña Dominga Gran Reserva Carmenere 2009 e Moet &Chandon Brut

Harmonização: Pizzas crocantes de sabores diversos feitas gentilmente pelo Cláudio

8 de maio de 2012

Adolfo Lona Nature

Nome: Adolfo Lona Nature Pas Dosé
Safra: -
País: Brasil
Região: Garibaldi
Produtor: Adolfo Lona

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: -%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 15
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul
Quando foi comprado: Março de 2012
Degustado em: 24 de março de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Voilá - Risotto de linguiça flambada na cachaça e ossobuco
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
O Nature é produzido a partir de um assemblage de vinhos da safra 2004 elaborado com as uvas tradicionais da Champagne - Chardonnay e Pinot Noir - misturadas a uma parcela menor de Merlot, vinificado em branco. A presença de uma pequena porcentagem de blanc de noir Merlot permitiu reduzir ligeiramente a acidez e torná-la mais amável. O resultado é um espumante de cores pálidas, transparente, com um pérlage intenso e persistente, aromas refinados com toques de pão torrado e mel, onde se destaca a complexidade e a leveza dada pela harmonia entre acidez e álcool. A ausência absoluta de açúcares é um desafio que exige esse equilíbrio.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Passamos a manhã deste sábado na rua fazendo pesquisa de preço. Quando a fome bateu, resolveu comer um árabe ali no Largo do Machado. Quando estávamos prestes a sair de casa, caiu a maior chuva de verão dos últimos tempos. Resolvemos então olhar o que tínhamos na geladeira e ficarmos por aqui mesmo. Para nossa total felicidade, tínhamos ainda dois pratos Voilá em casa. Fizemos os dois e estavam maravilhosos. Pena que o Emerson mora em Campinas, mas esperamos e torcemos para que logo seus produtos sejam vendidos também aqui no Rio. Para combinar, abrimos este espumante muito bom do seu Adolfo Lona. Fiquei feliz ao me dar conta de que tanto a comida quanto a bebida foram preparadas com todo cuidado por pessoas que gostamos muito. Foi uma combinação das boas!
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 

Exame visual: leve dourado.
Exame olfativo: Notas de maçã e amêndoas. Fundo com algo de abacaxi também.
Exame gustativo: Escolhemos esta garrafa de um Nature do nosso amigo Adolfo Lona para acompanhar os pratos da Voilà, empresa de congelados gourmet do também amigo Emerson Donadon. Almoço que só poderia dar certo. Compramos esta garrafa no Supermercado Zona Sul, acredito que eles estavam queimando o estoque e este excelente espumante estava por um ótimo preço. Espumante muito bem feito pelas mãos do craque Adolfo Lona. Boa acidez na taça, boa presença em boca repetindo as notas sentidas no olfato. Muito bem equilibrado, é uma boa opção para acompanhar um prato de comida. Muito agradável. Compramos outras garrafas. Vale provar.
Nota: 89,0

7 de maio de 2012

Don Próspero Tannat - Merlot 2010

Nome: Don Próspero
Safra: 2010
País: Uruguai
Região: Canelón Chico
Produtor: Pizzorno
Site: http://www.pizzornowines.com/
Importador: Grand Cru

Uvas/Corte: 60 % Tannat, 40 % Merlot
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 23,90
Onde foi comprado: Grand Cru, Leblon
Quando foi comprado: 20 de março de 2012
Degustado em: 20 de março de 2012
Onde bebeu: Clube Paissandu
Harmonizado com: Filet Oswaldo Aranha
Com quem: Claudio, Ricardo, Miguel, Marcelo e Carlinhos

Comentário do Produtor
La vinificación de cada variedad se realizó por separado, respetando la maduración enológica de cada una de ellas. Maceración en frío  por 48 hs. Fermentación a temperatura controlada. Luego de la fermentación maloláctica se realiza el corte en búsqueda de fruta y estructura. Permanece en tanques de Inox hasta el momento de ser embotellado.
Nota de cata: Color rojo rubí intenso, con trazas violáceas.
Aromas complejos de frutas rojas y negras y algo de pimientos; bien equilibrado en boca, con una textura media con un largo final.
Gastronomía: Ideal para acompañar cordero, pollo, pastas y pizzas.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de me encontrar com o Guilherme no La Botella, segui para o clube Paissandu onde iria acontecer mais um encontro mensal dos colegas da faculdade. Antes, porém, resolvi passar no supermercado para comprar um espumante do Adolfo Lona que gostaria de beber, mas infelizmente não encontrei mais. Acabei passando na Grand Cru para procurar algo e escolhi este uruguaio. É o vinho de entrada da vinícola. Bem feito, com muita fruta em boca e de estilo moderno. Não é do meu estilo de vinho preferido. Já bebi vinhos de entrada uruguaios que achei mais interessante, mas com certeza é um vinho que terá um público para ele.
Nota: -

4 de maio de 2012

Corsini Barbaresco 2007

Nome: Corsini
Safra: 2007
País: Italia
Região: Barbaresco
Produtor: Araldica Vini
Importador: Decanter

Uvas/Corte: Nebbiolo 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 110,00
Onde foi comprado: La Botella
Quando foi comprado: 20 de março de 2012
Degustado em: 20 de março de 2012
Onde Bebeu: La Botella
Harmonizado com: Pães e queijos
Com quem: Claudio e Guilherme

Comentário do Produtor
Colore: Rosso rubino con riflessi granati.
Profumo: Etereo, con note di rosa, tabacco e spezie dolci.
Gusto: Asciutto, con tannini perfettamente bilanciati, di ottimo corpo e lunga persistenza.

Comentário do Claudio
Rótulo: -

Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Aproveitando que o amigo Guilherme, do blog Um Papo sobre Vinhos, estava no Rio combinamos de nos encontrar no La Botella, loja/bar de vinhos que gosto bastante em Ipanema. Quando cheguei por lá o Guilherme já estava e já tinha visto todos os vinhos da casa e sugeriu este Barbaresco. Sugestão aceita, este Nebbiolo se mostrou bem interessante. Acabamos não nos concentrando em analisar o vinho devido ao bom papo, mas certamente é um vinho bem feito e que rapidamente acabou. Vale provar. Não ficamos muito tempo ali pois tinha um outro compromisso, mas deixamos agendado um novo encontro do Rio.
Nota: -

Leopoldo - Cabernet Sauvignon e Merlot 2007

Nome: Leopoldo
Safra: 2007
País: Brasil
Região: Urupema, Santa Catarina
Produtor: Vinícola Santo Emílio

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon e Merlot
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 280
Preço: -
Onde foi comprado: Presenteado pela Claudine
Quando foi comprado: -
Degustado em: 18 de março de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Santo Emilio Leopoldo apresenta coloração vermelho intenso e profundo. Bouquet frutado, especiarias, baunilha, ameixa seca e geléias de frutas vermelhas. Bom corpo, taninos marcantes, mas agradáveis e maduros, final de boca amplo. Vinho aveludado, cujo amadurecimento se realizou em barricas de carvalho francês durante 10 meses. Sua boa estrutura está dada por um predomínio da fruta sobre a madeira.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Simples, gostoso para acompanhar uma pizza. Eu havia acabado de chegar do Rio Grande do Sul, para onde fui a trabalho e tirei uns dias para visitar minha mãe. Claudio havia começado a beber esse vinho na noite anterior.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: -

Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Bebi este vinho em duas etapas. O que mais me chamou atenção foi durante toda a degustação, nos dois dias, como este vinho mudou. Dá para dizer que é um vinho mutante. Ficou até difícil de definir o vinho, pois seu comportamento variou o tempo todo. Não foi uma questão de evolução na taça, o que geralmente ocorre em outros vinhos que com o passar do tempo em contato com o oxigênio vão evoluindo e abrindo os aromas e o paladar. Neste caso ele apresentava características diferentes praticamente a cada gole. Inicialmente deu para perceber algo tostado e notas de chocolates na boca. Final um pouco curto. Depois surgiram algumas notas vegetais. No dia seguinte algo de fruta, mas sem tanta vitalidade. Enfim, difícil de definir.
Nota: -

3 de maio de 2012

Primus 2008



Nome: Primus
Safra: 2008
País: Chile
Região: Valle Casablanca
Produtor: Veramonte
Site: http://www.veramonte.com
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 46%, Syrah 20%, Merlot 15% e Carmenère 19%
Teor alcoólico: 14,5 %
Rolha: De cortiça, tamanho médio, com logomarca gravada
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 23,90 - meia garrafa
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul
Quando foi comprado: 15 de março de 2012
Degustado em: 15 de março de 2012
Onde bebeu: Supermercado Zona Sul
Harmonizado com: Pizza
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Un vino poderoso, contundente con notas de especies exóticas y fruta madura. Aterciopelado con sabores a mora y cerezas se combinan con taninos intensos pero suaves.

Comentário do Claudio
Rótulo: Rótulo equilibrado, estilo antigo, remetendo a algo religioso.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Segunda vez que provo a safra 2008 do bom Primus. A primeira vez que provei foi em julho de 2010 (veja aqui) e na época tinha achado ele ainda muito jovem. Este vinho sempre comentei que era um vinho que poderia evoluir e ficar ainda melhor com mais tempo de garrafa. Tenho um da safra 2006 na adega que vou fazer esta experiência de guardar por algum tempo para ver como se comporta. Este 2008 já estava melhor que a primeira vez que provei. Com bastante tempo em taça ele evolui bastante e fica bem melhor. Ainda provarei novamente este vinho  em alguns meses para ver sua evolução, acho que tende a ficar melhor. É uma boa compra pelo seu valor.

Nota: 87.0 +

Paulo Laureano Clássico 2009

Nome: Paulo Laureano Clássico
Safra: 2009
País: Portugal
Região: Alentejo
Produtor: Paulo Laureano Vinus
Importador: Adega Alentejana

Uvas/Corte: Trincadeira, Alfrocheiro e Aragonez
Teor alcoólico: 14,5 %
Rolha: Rosca
Numeração da garrafa: -
Preço:
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado:
Degustado em: 14 de março de 2012
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizza
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Cor: Granada intensa.
Aroma: Privilegia claramente a componente de aromas primários onde ressaltam notas de ameixa confitada, amoras silvestres, pimentão vermelho maduro e especiaria, tudo num conjunto equilibrado e atrativo. Prova:
Macio, a lembrar as quentes planícies alentejanas, mostra uma frescura agradável, taninos sedosos e macios e uma elegante e longa persistência.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Paulo Laureano é um bom produtor português. Todos os seus vinhos são consistentes de qualidade. Compramos esta garrafinha de uma dose na Cadeg e aproveitei que estava sozinho em casa e resolvi abrir para acompanhar a minha pizza. A dose é pequena e como estava agradável foi rápido. Não fiz anotações, mas vale provar os vinhos deste produtor.
Nota: -

2 de maio de 2012

La Croix Beaucourt Bordeaux 2009

Nome: La Croix Beaucourt
Safra: 2009
País: França
Região: Bordeaux
Produtor: Solvex-Woltner
Importador: Supermercado Zona Sul

Uvas/Corte: Merlot 65%, Cabernet Sauvignon 35%
Teor alcoólico: 13,0%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente levado para o almoço de Natal pelo Luis Fernando
Quando foi comprado: -
Degustado em: 10 de março de 2012
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa
Com quem: Claudio, Rafaela, Márcia e Nicolas

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de um dia de passeios com a Márcia e o Nicolas pela cidade, resolvemos jantar em casa. A massa comprada na Veronese estava ótima e o vinho acompanhou bem a comida. Começamos o dia indo até a Quinta da Boa Vista. Queríamos levar o Nicolas lá, mas ele acabou não curtindo tanto. :) Somos meio sem experiência com gostos de crianças. De lá, fomos almoçar em Ipanema e descobrimos que Miguel e Paula estavam logo ali, na praia. Fomos para lá. Aí sim o Nicolas aproveitou. Rafa e Arthur também estavam brincando. De banho tomado, ainda fomos no chá de fraldas do bebê da Cris e do Flávio. Lá, foi outra diversão para o Nicolas, que jogou duas partidas de futebol com o Mauro. Ele adorou! Depois, voltamos para casa, preparamos a massa e abrimos este vinho para encerrar um sábado passado na companhia de muitos amigos queridos.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Uso de hot stamp dourado cria algum prestígio para o vinho.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Recentemente, o Supermercado Zona Sul passou a importar alguns novos vinhos franceses. Conseguir escolher vinhos franceses, para ter um bom custo para ser vendido em supermercado é sempre uma tarefa difícil. Este foi o primeiro destes vinhos que provo e comento aqui no blog. Aproveitamos que a Márcia e o Nicolas estavam aqui e resolvi abrir esta garrafa para acompanhar a nossa massa. No primeiro gole, achei que seria um vinho difícil de beber, tinha algo estranho em seu paladar, mas com o passar do tempo, na taça, o vinho abriu e se mostrou agradável e um bom companheiro para a massa. É um Bordeaux simples, mas que se deixar respirar por um tempo, não fará feio.
Nota: -