31 de janeiro de 2012

H. Stagnari Premier - Tannat 2011

Nome: H. Stagnari Premier
Safra: 2011
País: Uruguai
Região: -
Produtor: Vinos Finos H. Stagnari
Importador: -

Uvas/Corte: Tannat 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 200 pesos uruguaios, o equivalente a R$ 20, meia garrafa
Onde foi comprado: La Otra, em Montevidéu
Quando foi comprado: 28 de dezembro de 2011
Degustado em: 28 de dezembro de 2011
Onde Bebeu: La Otra, em Montevidéu
Harmonizado com: Parrillada con papas fritas
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Ficamos com nossas mães até o dia 27 de dezembro. No fim de semana, além de visitar o Vale dos Vinhedos, passeamos por Gramado. Gostamos muito da experiência. As duas são boas companheiras de viagem. Na terça, partimos para Porto Alegre, onde dormiríamos uma noite. Fizemos pequenos passeios no centro de Porto Alegre e, à noite, meus compadres Márcia e Jacy e meu afilhado Nicolas, além do vô Beto, foram nos ver no hotel. Na manhã de quarta, partimos rumo ao Uruguai. No meio da manhã, paramos em São Lourenço do Sul para uma Pepsi e os pastéis do Schultz, à beira da Lagoa dos Patos. Imperdível! Achei muito legal conhecer pessoalmente a Lagoa sobre a qual havia estudado no colégio décadas atrás. A parada seguinte foi na fronteira. Fomos por Jaguarão. Antes de passar na aduana, passamos rapidamente, e bem rapidamente mesmo, pelas lojas. Carimbados os passaportes, seguimos para Treinta y Tres, onde nosso amigo Fernando mora. Por lá ficamos meia hora, tempo de beber uma água gelada e pegar dicas com o Fernando, que é de Montevideo. Quando chegamos à capital uruguaia ainda tinha sol! Tomamos banho e fomos a um restaurante perto do hotel, já comentado por outros blogueiros. Chama-se La Otra, fica numa casa de esquina. Nem vi como era dentro, pois ficamos sentados nas mesinhas da calçada. A comida era boa, mas nada de especial. Como não aceitava cartão de crédito, acabamos tomando um vinho mais básico - e barato -, mas que estava delicioso. Foi um bom começo.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Saímos cedo de Porto Alegre em direção à capital uruguaia. A estrada é boa, acho que 80% dela é em linha reta, com pouco movimento e algumas paradas no caminho. Não chegou a ser uma viagem cansativa, mesmo sendo longa. Estava com vontade de jantar e beber uma taça de vinho para relaxar. Estávamos com algumas indicações de restaurante. O La Otra era perto e resolvemos seguir diretamente para lá. A carta não é grande, mas tem algumas boas opções. Como descobrimos que o restaurante não aceitava cartão e estávamos com pouco dinheiro, o fator preço foi decisivo na hora da escolha. Escolhemos uma meia garrafa deste Tannat. É um vinho de entrada, jovem, que não passa em madeira. É um vinho muito bem feito e gostoso, mais rico e interessante que vários vinhos de entrada de outras vinícolas. Fácil de beber, foi na medida para fechar a noite. Acompanhou bem o meu bife de vacio, o qual, para meu paladar, estava um pouco passado demais.
Nota: -

30 de janeiro de 2012

Casa Valduga 130 Brut

Nome: 130
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Incluído no valor da Ceia, que custou R$ 280 por casal
Onde foi comprado: Villa Valduga, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Quando foi comprado: 24 de dezembro de 2011
Degustado em: 24 de dezembro de 2011
Onde Bebeu: Villa Valduga, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Harmonizado com: Ceia de Natal
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena e Luci

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Passamos a ótimo suco de uva até este dia, quando, na Ceia de Natal, tomamos 130. A ceia, com nossas mães, foi na Casa Valduga. O jantar foi bastante agradável. Fomos os primeiros a chegar e os últimos a sair. Não havia muita gente, não mais do que 40 pessoas. Havia um músico tocando piano, que depois encontraríamos novamente em janeiro tocando no café da manhã. A comida estava muito boa.  O 130, como sempre, se comportou muito bem. Como tínhamos direito a duas garrafas, acabamos trazendo uma para o Rio. Esta será degustada à beira-mar em breve.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: Leve notas de brioche misturado com frutas como pêssego e maçã.
Exame gustativo: Durante o ano de 2011, bebemos muitas garrafas deste ótimo espumante em função de termos conseguido comprá-las por um ótimo preço aqui no Rio. Quando estávamos pensa,do onde seria a ceia de Natal, surgiu a oportunidade de jantar na Casa Valduga. Dentro do menu especial para a noite, seria servido o espumante 130. O jantar estava delicioso. Uma sequência de diversos pratos servidos no bonito restaurante Maria Valduga. Foi muito agradável e gostoso. O serviço na Casa Valduga sempre é muito atencioso e na noite de Natal não foi diferente. Ótimo clima que foi muito bem escoltado pelo 130.
Nota: -

22 de janeiro de 2012

Visita Vallontano Vinhos Nobres

Nome: Visita Vallontano Vinhos Nobres
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Vallontano Vinhos Nobres
Realizada em: 24 de dezembro de 2011
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena e Luci

Comentário da Rafaela
Saindo da vinícola do seu Adolfo Lona, fomos almoçar no Canta Maria. Comida italiana, sopa de agnolini muito boa! E ali ainda fica uma lojinha de vinhos e de produtos da região muito interessante. Compramos bons cremes por lá. Depois do almoço, seguimos para o Vale dos Vinhedos, onde havíamos marcado com nossa amiga de Instagram, Ana Paula Valduga. As mães ficaram no café e nós fomos conheces as instalações da Vallontano. Foi um começo de tarde muito bacana. Provamos também alguns vinhos, que estavam muito bons. Agradecemos de coração a recepção calorosa da Ana Paula.

Comentário do Claudio
Depois de almoçarmos no restaurante Canta Maria, com seu típico menu italiano, com sopa, galeto, polenta e cia., seguimos para o Vale dos Vinhedos. Tínhamos combinado com nossa amiga virtual, Ana Paula Valduga, de nos conhecermos e de conhecermos a Vallontano. Já provamos alguns vinhos deles e sempre tive a curiosidade de conhecer a vinícola. Desta vez, conseguimos ir. Ana Paula nos mostrou as instalações, contou um pouco da história, como foi que os vinhos passaram a ser comercializados com exclusividade pela Mistral. Nos contou também a parceria com a italiana Masi em um projeto de fazer um vinho ao estilo do Vêneto, com uvas passificadas. Depois provamos alguns dos vinhos, inclusive o ótimo espumante brut. Gosto muito dos vinhos da Vallontano e foi muito bacana conhecer de perto como são feito.

20 de janeiro de 2012

Visitamos Adolfo Lona em Garibaldi


Nome: Visita Adolfo Lona
País: Brasil
Região: Garibaldi
Produtor: Adolfo Lona
Realizada em: 24 de dezembro de 2011
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena e Luci

Comentário da Rafaela
O dia começou com uma rápida viagem a Garibaldi, onde iríamos conhecer Adolfo Lona. Chegamos pontualmente às 10h. Quer dizer, chegamos faltando uns 20 minutos, mas resolvemos dar uma volta pela cidade antes de tocarmos a campainha. A visita foi ótima. Ficamos duas horas lá de conversa! Depois de conhecermos as instalações, nos sentamos entre as garrafas e degustamos três ótimos espumantes. Na saída, queria ter comprado um demi-sec... Acabei ganhando-o de presente, para meu total constrangimento. Muito obrigada, seu Adolfo!

Comentário do Claudio
No início de dezembro, por sugestão do Beto Duarte, alguns blogueiros compraram uma caixa do espumante Orus produzido por Adolfo Lona e uma das garrafas ficou comigo. Fiquei curioso para conhecer um pouco mais sobre quem produzia este espumante que estava sendo muito comentado na internet pela altíssima qualidade. Mandei uma mensagem para o Adolfo Lona que prontamente respondeu e combinamos de, na manhã do dia 24 de dezembro, nos encontrar em Garibaldi, sede da vinícola. Fomos muito bem recebidos pelo próprio Adolfo, um argentino que chegou ao Brasil em 1973, que gentilmente nos mostrou todas as instalações e nos convidou para provar alguns de seus espumantes. Sentados junto as garrafas que repousavam, conversamos muito sobre vinhos nacionais, sobre a trajetória do Adolfo no Brasil e sobre espumantes. Tivemos uma pequena aula de como se conseguir um espumante de qualidade. Tudo isto enquanto provávamos 3 de seus "filhos": um brut Charmat, um brut pelo método tradicional e um rosé brut. Todos muito interessantes e gostosos. Passamos momentos agradáveis na companhia do Adolfo e o melhor, deixamos um encontro marcado em janeiro, no Rio de Janeiro, onde Adolfo estará passando férias, para degustarmos o Orus, em plena praia de Ipanema. Em breve contamos como foi este encontro aqui no blog.

18 de janeiro de 2012

Visitamos a Vinícola Luiz Argenta em Flores da Cunha


Nome: 
Visita Vinícola Luiz Argenta
País: Brasil
Região: Flores da Cunha
Produtor: Luiz Argenta
Realizada em: 23 de dezembro de 2011
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena e Luci

Comentário da Rafaela
Desde maio estamos planejando esta viagem, na qual contamos com a companhia de nossas mães. Viajamos para o Rio Grande do Sul no dia 22 de dezembro. Minha querida amiga Eliane nos buscou no aeroporto. Enquanto Claudio e a mãe permaneceram em Caxias, eu segui para Vacaria para buscar minha mãe. Voltamos no dia seguinte, de carro, e nos encontramos com nosso pequeno grupo em Antonio Prado. Conheci neste dia o Marlon, afilhado lindo da Eliane. Depois de darmos umas voltas pela simpática pequena cidade, seguimos para almoçar no Nostra Cantina, entre Antonio Prado e Flores da Cunha. Logo depois de muita sopade agnolini, polenta e galeto, fomos fazer a primeira das várias visitas a vinícolas que faríamos nos 15 dias seguintes. A escolhida foi a Luiz Argenta, vinícola relativamente nova, mas impressionante. Tanto pela bela estrutura construída onde antes funcionava a Granja União, quanto pelo número de tipos de uvas plantados nos 55 hectares. São 19 variedades. Fiquei bem impressionada também com os vinhos. Experimentamos os ótimos , (vírgula) e " (aspas). Todos os nomes têm uma explicação. Gostei muito do espumante. Saímos de lá com as primeiras garrafas. Durante a visita que fizemos no prédio, fomos guiados pela simpática Mari. Na degustação, também conversamos um pouco com a Daiane. Ficamos muito agradecidos pela atenção. Enquanto isso, as mães nos aguardavam sentadinhas num confortável sofá na recepção. Feita a visita fomos passear nos Caminhos da Colônia. Chegamos primeiro ao centrinho de Otávio Rocha, distrito de Flores da Cunha, onde as ruas têm nomes de uvas. As uvas da praça central estavam todas destruídas pelo granizo que havia caído na cidade alguns dias atrás.

Comentário do Claudio
Estávamos planejando nossa viagem de final de ano, quando percebi que iríamos passar na estrada que liga Antonio Prado a Flores da Cunha. Resolvemos tentar visitar a vinícola Luiz Argenta, que fica exatemente nesta estrada, bem na chegada a Flores. Trocamos algumas mensagens pelo Facebook e dia 23 de dezembro lá estávamos para conhecer a belíssima vinícola. Há algum tempo chegamos a provar um vinho desta vinícola e estávamos muito curiosos para conhecê-la. Ao chegar, você já fica impressionado com o projeto arquitetônico da vinícola, assim como com a bela vista dos vinhedos e o cuidado com cada detalhe. Fomos recepcionados pela Mari e pela Daiane, que nos acompanharam na visita, tiraram algumas dúvidas e degustaram alguns vinhos conosco. Ao final da visita, o proprietário, Deunir Luis Argenta, chegou por lá e o parabenizei pela bela vinícola. Ele me perguntou se os vinhos estavam à altura. A resposta é sim. Provamos alguns vinhos, começamos por um interessantíssimo espumante brut: rico no nariz e muito gostoso em boca. Uma mistura com notas de amêndoas e mel.  Trouxe uma garrafa para provar com calma novamente. Na sequência, provamos um Gran Reserva Chardonnay, surpreende pelo aroma riquíssimo. Provamos uma novidade, um vinho jovem feito de Syrah. Leve e gostoso, o destaque fica por conta da garrafa diferenciada, ela pode ficar na mesa em duas posições. Por falar nisto, vale destacar o belo trabalho em design que eles fazem. Provamos ainda um Cabernet Franc e um Cabernet Sauvignon. Todos vinhos bem feitos, equilibrados e com personalidade. Vale ficar de olho no trabalho que sai de Flores da Cunha e conhecer a vinícola.

17 de janeiro de 2012

Casa Valduga Premium Cabernet Sauvignon 2007

Nome: Casa Valduga Premium
Safra: 2007
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 30 (meia garrafa)
Onde foi comprado: La Trattoria, em Copacabana, no Rio
Quando foi comprado: 17 de dezembro de 2011
Degustado em: 17 de dezembro de 2011
Onde Bebeu: La Trattoria, em Copacabana, no Rio
Harmonizado com: Massas variadas
Com quem: Claudio, Rafaela, Ricardo e Raquel

Comentário do Produtor
Visão: Vermelho rubi com tons elegantes de envelhecimento.
Olfato: Complexo e vigoroso no bouquet, lembrando frutas como ameixa preta e cerejas, notas de especiarias aliadas ao equilíbrio do carvalho.
Paladar: Corpo intenso e acidez equilibrada; apresenta taninos macios que dão suporte a um notável volume em boca.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois do lauto almoço de natal antecipado, ainda saímos para jantar com Raquel e Ricardo. Fomos ao La Trattoria, onde já havíamos ido uma vez há muito tempo. A comida estava muito gostosa. Pedimos meia garrafinha de vinhos porque a Raquel queria muito beber um vinho. Serviu para acompanhar muito bem meu nhoque à bolognesa. Ótima maneira de encerrar a noite de sábado.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Para acompanhar a massa na Trattoria, nós quatro dividimos uma meia garrafa deste Cabernet da Casa Valduga. Uma taça por pessoa. Não fiz anotações sobre o vinho, mas é um Cabernet com um estilo mais velho mundo, que melhora com a comida e final um pouco curto. Como já tínhamos bebido vinho no almoço, a meia garrafa ficou de bom tamanho.
Nota: -

16 de janeiro de 2012

Jean Bousquet Reserva - Malbec 2009

Nome: Jean Bousquet Reserva
Safra: 2009
País: Argentina
Região: Vale de Tupungato
Produtor: Domaine Jean Bousquet
Importador: Abflug

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 14,6%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 41,80
Onde foi comprado: Cadeg, em São Cristóvão
Quando foi comprado: 18 de dezembro de 2011
Degustado em: 18 de dezembro de 2011
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color | Violeta oscuro, casi negro típico de los mejores Malbec de Argentina.
Nariz | Aromas ricos intensos de mora con notas de pimienta negra y grosella negra.
Boca | Vino muy equilibrado y elegante, con expresión de frutas puras. Sabores de frambuesa, mora e higo sobre notas de chocolate, grafito y mineral. Buena acidez con una sensación en boca suave, una excelente
estructura y un final largo.
Maridaje Culinario | Pastas, carnes rojas, carnes con salsas, quesos y chocolate

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fazia tanto tempo que eu não bebia um malbec tão bom que fiquei especialmente feliz nesta noite. Que coisa boa este vinho! Ainda mais depois de uma tarde inteira planejando a viagem de fim de ano, que também incluirá a Argentina. Mesmo com 14,6% de teor alcoólico, é um vinho superequilibrado e muito gostoso. Recomendo - e muito!
Nota: 91.0

Comentário do Claudio
Rótulo: 
Um rótulo limpo, clássico e equilibrado.
Exame visual: Rubi vibrante
Exame olfativo: Nariz com fruta como amixa preta bem intensa e framboesa.
Exame gustativo: Não venho bebendo muitos malbecs argentinos. Os últimos provados eram muito parecidos entre si e já estava um pouco cansado do estilo. Este Jean Bousquet Reserva foi uma ótima surpresa. Assim como outros vinhos degustados desta vinícola, este reserva se mostrou muito equilibrado e elegante. Bastante fruta em boca, mas sem os exageros de outros malbecs. É um vinho muito bem feito, macio que pede mais uma taça. Boa presença em boca, leve nota adocicada em seu final, com algo de tabaco também. Muito bom vinho e uma ótima compra pelo seu preço. Recomendo.
Nota: 89,0 +

Norton Cosecha Especial Extra Brut / Jean Bousquet - Cabernet Sauvignon 2010

Nome: Cosecha Especial / Jean Bousquet
Safra: 201x / 2010
País: Argentina / Argentina
Região: Mendoza / Vale de Tupungato
Produtor: Bodega Norton / Domaine Jean Bousquet
Importador: Trop / Abflug

Uvas/Corte: Chardonnay / Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 12% / 13,7%
Rolha: Cortiça / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 31,95 / R$ 23,50
Onde foi comprado: Cadeg, em São Cristóvão
Quando foi comprado: Dezembro de 2011
Degustado em: 17 de dezembro de 2011
Onde Bebeu: Casa de Regina Helena
Harmonizado com: Almoço de Natal adiantado, com direito a tudo que se tem direito: arroz de vinho, rocambole de bacalhau, peru, presunto, farofa deliciosa...
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena, Marcela, Mauro, Flavio, Nelita, Márcia, Luiz Fernando e Tânia

Comentário do Produtor
Color amarillo dorado con sutiles tonalidades verdosas. Espléndidamente equilibrado, de intensos aromas de frutas maduras combinado con un cuerpo redondo, delicada textura y características notas de levadura y vainilla. Refinado y largo final en boca.

Color | Color púrpura intenso con tonos rojizos.
Nariz | Nariz intensa de frutas rojas mezcladas con especias suaves.
Boca | De estilo elegante, con muchos minerales, cereza y grosella. Una acidez viva lo mantiene refrescante hasta el final. El paladar esta lleno de sabores concentrados de frutas maduras, con notas de tabaco y de pimienta negra. El final es largo y estructurado con taninos finos. Maridaje Culinario | Pastas, carnes rojas y carnes con salsa.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Como vamos viajar no dia 22 para o Rio Grande do Sul, a mãe do Claudio, que irá conosco, resolveu antecipar o tradicional almoço de Natal, para que a Marcela e o Mauro pudessem estar juntos. A data pode ter sido antecipada, mas estava tudo lá! Comida gostosa à beça, ótimas sobremesas, troca de presentes e conversa animada. Foi muito bom. E pensar que ainda haveria comemorações quando o Natal de verdade chegasse. :)
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: No almoço antecipado de Natal, escolhi dois vinhos para acompanhar. Compramos os dois com ótimos preços na Cadeg. Abrimos o almoço com um espumante argentino que degustamos em outras duas oportunidades, indicação do amigo João Filipe Clemente. O Norton se mostrou mais uma vez um espumante leve e agradável. Leves notas de frutas e macio em boca. Uma boa pedida para quem quer provar um espumante argentino. Passamos para o segundo vinho, de uma vinícola que tem chamado muito a minha atenção: Domaine Jean Bousquet. Todos os vinhos que já provei desta vinícola se mostraram muito interessantes, valorizando a elegância, sem perder fruta em boca. No caso deste Cabernet Sauvignon, não foi diferente. Muito bom vinho por um ótimo preço, cerca de R$ 23. Difícil achar vinho por este preço com a qualidade que ele oferece. Um vinho fácil de se beber, muito agradável em boca. A garrafa acabou logo. Fiquem de olho nos vinhos desta vinícola. Em breve, vamos postar um reserva Malbec deles.
Nota: -

12 de janeiro de 2012

Encontro Natalino de Mestres

Encontro com amigos da turma de mestrado da Rafaela

Quando: 11 de dezembro de 2011

Com quem: Claudio, Rafaela, Ana Rosa, Antônio, Neusa, Ângela, Tati, Rodrigo e Oscar

Vinhos degustados: Chandon Passion Rosé Demi-Sec (Brasil, Garibaldi), Joaquim Blanc de Noir (Brasil, Santa Catarina, 12,9%), Chateau Malescot St. Exupéry Margaux (França, 1982), Mateus Rosé (Portugal, 11%), Chaminé (Portugal, Aragonês e Syrah, 13,5%) e Reservado (Carmenere, Concha y Toro, 12,5%)

Harmonização: Chester e maçãs assadas preparadas pela Ângela, paçoca de pinhão e arroz preparados pelo Claudio, Escondidinho de bacalhau preparado pela Neusa, enorme tábua de queijos e frios trazida pelo Antonio, salada deliciosa feita pela Ana, que também trouxe uma sobremesa muito boa, e brigadeiros trazidos pela Tati.

Comentário da Rafaela
Mais um encontro animado com meus colegas de mestrado. Nos reunimos para celebrar muitas coisas, mas especialmente a nossa amizade. Eu não canso de dizer que minha experiência aqui no Rio não seria tão boa se eu não tivesse conhecido a Ana, o Antonio, a Neusa, a Angela e a Tati. Como sempre, rimos à beça, comemos um monte e bebemos nossa combinação variada de vinhos. Foi uma beleza. Não vejo a hora de marcarmos o primeiro encontro de 2012.

Comentário do Claudio
Encontro divertido dos colegas de mestrado da Rafaela aqui em casa. Muitos vinhos bebidos. Vamos aos destaques: o espumante catarinense Joaquim se mostrou bem refrescante e fácil de beber. Uma boa pedida para um dia quente. A cor deste espumante é quase transparente, parece até um Moscatel. Depois deste espumante, fui abrir uma garrafa de quase 30 anos. O Rodrigo trouxe um Chateau Malescot St. Exupéry Margaux 1982. Tive a missão de abri-lo. Antes, porém, já dava para notar que o vinho não parecia mais vivo, mas, como a esperança é a última que morre, com todo cuidado consegui tirar a rolha.  O vinho estava bastante turvo e o colocamos em um decanter. Deixamos algum tempo por lá até o provarmos. Infelizmente, ele estava realmente morto. De qualquer forma foi uma experiência interessante. A noite foi agradável, como sempre!