29 de setembro de 2011

Pergunta da Semana - 239

Nesta semana o Le Vin au Blog pergunta:

- Você aprecia azeites especiais? Pão com azeite é uma boa companhia para o vinho?

La Baume - 2010 Vin de Pays d'Oc

Nome: La Baume
Safra: 2010
País: França
Região: Languedoc Roussillon
Produtor: Domaine de La Baume
Importador: -

Uvas/Corte: 100% Chardonnay
Teor alcoólico: -
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: 30 de agosto de 2011
Degustado em: 30 de agosto de 2011
Onde bebeu: Voo Air France Paris-Rio de Janeiro
Harmonizado com: Fricassê de frango com molho cremoso de mostarda e arroz com milho
Com quem: Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A viagem estava chegando ao fim. De Bonn/Colônia fui para Luxemburgo, de onde sairia meu voo para Paris e, em seguida, para o Rio. Quando começou a atrasar em Luxemburgo, já fiquei com um sentimento estranho. Quando cheguei a Paris faltando menos de meia hora para meu voo, meu instinto me dizia para relaxar. De qualquer jeito, sai correndo feito uma louca pelo aeroporto, mas quando cheguei ao meu portão, não havia sequer funcionários da Air France mais por lá. Fiquei triste, quase chorei até, por dois minutos. Depois pensei que estava em Paris e mais um dia na cidade não seria nada mau. Por sorte eu ainda tinha alguns euros e resolvi nem pensar na minha bagagem, a qual eu não tinha a menor ideia de onde pudesse estar. Tão logo peguei o cartão de embarque e consegui sair da área de embarque, fui correndo pegar um trem para o centro da cidade. Como havia feito isso há menos de um mês, foi tudo bem rápido e em menos de uma hora eu estava olhando para o Sena. Não podia estar mais feliz. Passei um dia superlegal por lá e quando deu umas sete da noite, voltei para o aeroporto. No voo, resolvi comemorar a viagem com um vinho branco. Era bem bonzinho. :) Depois aproveite para ver Meia-noite em Paris novamente e Lost in Translation. Quando cheguei ao Galeão, houve uma pequena angústia, pois fiquei com medo de as malas não terem vindo comigo, mas depois de meia hora, lá estavam elas. E o Claudio já me esperava na porta do desembarque. :)
Nota: -

Domínio del Plata Essential Malbec / Cabernet Sauvignon – 2009 no WineBar

Nome: Domínio del Plata Essential
Safra: 2009
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Domínio del Plata
Importador: Cantu

Uvas/Corte: Malbec, Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 49,00
Onde foi comprado: Garrafa enviada pela vinícola para a degustação no Winebar
Quando foi comprado: 29 de agosto de 2011
Degustado em: 29 de agosto de 2011
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
-

Comentário do Claudio
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Participei no final do mês passado de mais um evento do Winebar. Desta vez os amigos Daniel e Alexandre partiram para Mendoza para ao lado da Enóloga Susana Balbo transmitir mais uma edição do Winebar. Por acaso na véspera tinha provado o 100% malbec deste mesmo vinho. Foi interessante para ver as diferenças entre eles. A linha Essential é muito bem feita, de estilo moderno e fácil de se agradar. O Malbec puro está mais redondo hoje, pronto para beber. O corte provado no Winebar também é um bom vinho, mas acho que com um ano a mais na garrafa tem tudo para crescer. É uma linha de bom custo/benefício. A surpresa veio no final. Susana divulgou a promoção que vai fazer com alguns blogueiros. Serão enviadas 5 amostras de vinhos, pipetas e provetas. Alguns blogueiros terão a missão de fazr o seu próprio corte com as amostras enviadas. O melhor corte decidido pela Susana será vinificado em uma edição especial e lançado na Expovinis. Uma promoção diferente e interessante. Vamos mantendo informado do andamento aqui no blog.
Nota: -

24 de setembro de 2011

Weinfest in Bonn

Nome: Weingut Fuhr Schwarzriesling / Weingut Ernst Bretz Riesling
Safra: 2009
País: Alemanha
Região: -
Produtor: Weingut Fuhr / Weingut Ernst Bretz
Importador: -

Uvas/Corte: Schwarzriesling / Riesling
Teor alcoólico: -
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: entre 3 e 5 euros cada taça
Onde foi comprado: Weinfest, no Münsterplatz, em Bonn, na Alemanha
Quando foi comprado: 27 de agosto de 2011
Degustado em: 27 de agosto de 2011
Onde bebeu: Bonn, Alemanha
Harmonizado com: Salsicha com batata frita e pizza fininha de cogumelos
Com quem: Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois do curso de alemão em Saarbrücken, eu fui a Bonn para um compromisso de trabalho - a matriz da organização alemã para a qual trabalho aqui no Brasil fica em Bonn, a antiga capital alemã. Meu compromisso era na segunda, mas acabei indo no sábado de manhã para aproveitar o fim de semana. Bonn fica do ladinho de Colônia e pensei que poderia ir conhecer a famosa catedral. O curso de alemão acabou na sexta-feira de manhã. À tarde, arrumei o que faltava das malas e à noite tivemos a festa de despedida. Eu fiz caipirinhas pela primeira vez na vida. Nem sei como ficaram, pois acabou não sobrando para eu provar. Ninguém reclamou. :-) Depois da festinha, havia uma outra no Heimbar, uma espécie de bar que fica no alojamento. Eu nunca tinha ido durante o curso, apesar de pelo menos uma vez por semana o grupo se reunir lá. Neste dia, como não haveria aula na manhã seguinte, pensei: por que não? Lá fui eu. Estava tão barulhento no local da festa, que eu mais um grupinho (Ada, Anna, Marketa, Alena, Ivan, Andrej, Aykut, Ralf...) nos refugiamos na cozinha do alojamento. E a noite, superagradável, se estendeu até às 5h, pois não havia ônibus para voltar antes disso. Como eu ainda tinha de dormir um pouco, arrumar as últimas coisas e tomar banho, tudo isso antes do trem que sairia às 9h11  da estação central, pouco antes da cinco aproveitei a carona de um professor (Danke, Ralf!) e fui para casa. Achei que ficaria mais cansada, mas a adrenalina estava tão alta que acabei indo até a noite direto. Quando cheguei a Bonn, ou melhor, a Bad Godesberg, onde fiquei hospedada, era meio da tarde. Resolvi ir conhecer Bonn. Quando cheguei ao centro, uma boa surpresa, havia uma Weinfest. Já conhecia este tipo de festa da outra vez que havia morado na Alemanha. Monta-se uma feira no centro da cidade, com barraquinhas de vinícolas e outras de comida, mais um palco e está pronta a festa. Naquela noite conheci um velhinho que dançou parte da noite em frente ao palco, totalmente sozinho, mas o mais feliz de todos - bem como eu estava me sentindo ali. Conversamos um pouco. Ele falando algumas palavras em espanhol e dizia que amava o Brasil. Foi engraçado. :-)
Nota: -

Montepulciano D'Abruzzo DOC Villa Cervia - 2009

Nome: Montepulciano D'Abruzzo DOC Villa Cervia
Safra: 2009
País: Itália
Região: Abruzzo
Produtor: Villa Cervia
Importador: -

Uvas/Corte: Montepulciano
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: 3,50 euros a taça
Onde foi comprado: Vapiano, em Saarbrücken
Quando foi comprado: 23 de agosto de 2011
Degustado em: 23 de agosto de 2011
Onde bebeu: Vapiano, em Saarbrücken, Alemanha
Harmonizado com:Spaghetti a bolognese
Com quem: Rafaela

Comentário do Produtor
Colore: Rosso rubino intenso. Profumo: Intenso, molto persistente

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Durante o mês que passei em Saarbrücken, sempre pensava que deveria conhecer um bom restaurante da cidade, mas no final isso acabou não acontecendo. Os dias passaram tão rápido, sempre havia outras coisas para fazer. Também, apesar de muitos colegas serem bem legais, não consegui encontrar algum que me parecesse interessado em ir a um restaurante. A maioria era estudante e preferia investir em cerveja, não exatamente em comida. Na última semana, decidi que tinha que comer algo um pouco melhor do que a saladinha que vinha comendo toda noite. Escolhi um lugar que achava bonito de fora, as mesas externas estavam sempre cheias. Quando entrei, percebi que não era bem um restaurante, mas um "fast food" italiano, por assim dizer. Pensei: aqui não vou me sentir sozinha, pois havia várias pessoas desacompanhadas. Depois descobri que este conceito de restaurante existe em vários lugares da Alemanha. É um grande salão, com balcões ao fundo, onde se pode pedir pizzas, massas e saladas. Há também um balcão onde se pode pedir a bebida. Há várias opções de vinhos em taças. Acabei indo duas vezes. Na primeira, comi uma massa com uma tacinha de vinho tinto; na segunda, uma salada bem gostosa, bruschetta, acompanhada de um prosecco (Sacchetto). O lugar é ideal para quem quer comer algo gostoso, beber uma tacinha de vinho e pagar baratinho.
Nota: -

22 de setembro de 2011

Pergunta da Semana - 238

Claudio participou semanas atrás de uma degustação diferente, que também foi realizada em Recife e Porto Alegre. A novata vinícola Dunamis apresentou amostras de um mesmo vinho vinificado em três estilos diferentes. Os degustadores, de leigos a profissionais, deviam apontar suas preferências, pois a partir desses resultados, a vinícola iria preparar os vinhos pra valer. Nesse contexto, o Le Vin au Blog pergunta:

- Você acha válido esse tipo de experiência? Ou o vinho deve ser preparado de acordo com os conhecimentos do enólogo e não de degustadores?

Degustação dos vinhos da Dunamis

Nome: -
Safra: -
País: Brasil
Região: Campanha e Serra Gaúcha
Produtor: Dunamis Vinhas e Vinhedos
Importador: -

Uvas/Corte: -
Teor alcoólico: -
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 26 de agosto de 2011
Onde bebeu: Restaurante Aprazível
Harmonizado com: Delicioso prato de peixe do Aprazível
Com quem: Claudio, Júlio Kunz - Diretor executivo da vinícola, Orestes de Andrade Jr. - Assessor de imprensa da Ibravin e os convidados para a degustação

Comentário do Claudio
Rótulo:
 -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Já tinha lido na internet algumas matérias sobre os vinhos e a filosofia de trabalho da novata Dunamis Vinhos e Vinhedos. Numa tarde de uma sexta feira do mês passado, recebi uma ligação do amigo Orestes me informando que ele e o diretor da vinícola estavam no Rio de Janeiro. Eles então me convidaram para participar de uma degustação especial no agradável restaurante Aprazível, no bairro de Santa Tereza. Era a oportunidade de finalmente conhecer um pouco mais dos vinhos e da proposta da empresa. Tinha especial interesse em conhecer mais detalhes do projeto de aproximar as pessoas do vinho através de pesquisas que eles estão desenvolvendo, pois é uma das áreas que a minha consultoria em gestão de marca, a C-Brand, trabalha. Convite aceito, parti para o Aprazível. Toda a apresentação da empresa e a degustação foi comandada pelo Júlio Kunz, simpático diretor executivo da vinícola. O Projeto Dunamis é muito bem estruturado, percebe-se em cada detalhe o profissionalismo e o cuidado com que tudo foi pensado. Desde o desenvolvimento do nome, escolha de garrafas mais leves, cuidados com o meio ambiente e principalmente o cuidado com os produtos e o foco no consumidor final. Muitas pessoas criticam quando vinícolas trabalham um projeto bem conceituado e estruturado com foco no marketing, mas, pelos vinhos que provei, não há motivos para críticas sobre este modelo: são produtos de qualidade e com foco bem definido.
Apresentação feita, partimos para a degustação, mas não era uma simples degustação e sim uma pesquisa que faz parte do Projeto Cortes 2011. Nossa missão era provar algumas amostras e de forma simples e direta indicar nossas preferências e fazer alguns comentários. Interessante é que para esta degustação aqui no Rio, foram chamados para a mesma mesa pessoas com larga experiência em degustações técnicas e outras pessoas, que são apenas consumidores e apreciadores de vinhos. Esta pesquisa foi realizada em algumas capitais do Brasil com 110 pessoas e os dados serão tabulados e servirão de guia para os enólogos da Dunamis preparar os vinhos para 2011. Primeiro provamos 3 opções de Cabernet Franc. Gosto muito desta cepa e os vinhos apresentados me deixaram muito bem impressionado. Acho a aposta na Cabernet Franc muito correta  e as 3 amostras apresentadas estavam bastante interessantes, com destaque para uma delas. Na sequência, provamos 3 amostras de Merlot. Todas de boa qualidade e, para o meu paladar, com diferenças menores entre elas. Vinho que também têm tudo para agradar. Por último, 3 diferentes cortes que apresentaram uma boa complexidade e equilíbrio. Fiquei com uma ótima impressão de tudo que provei e animado com a política de preços que eles pretendem adotar. Tem tudo para agradar ao mercado. Durante o jantar, tivemos a oportunidade de provar mais alguns vinhos:  o gostoso branco SER, corte inusitado de Sauvignon Blanc e Chardonnay, que acomapnhou muito bem o peixe; um rosé; e dois espumantes, um brut e um Moscatel, que vão dar o que falar, anotem. Por enquanto os vinhos Dunamis estão sendo distribuídos apenas no Rio Grande do Sul. Ouvi rumores que, em breve, os vinhos poderão fazer parte do catálogo do Supermercado Zona Sul aqui no Rio. Vamos ficar na expectativa. O projeto da Dunamis é muito interessante e vale ficar de olho na evolução dos vinhos.
Nota: -

16 de setembro de 2011

Monte Paschoal Frisante / Monte Paschoal Dedicato Pinot Noir 2009 no Winebar

Nome: Monte Paschoal Frisante / Dedicato
Safra: - / 2009
País: Brasil
Região: Farroupilha
Produtor: Basso Vinhos e Espumantes
Importador: -

Uvas/Corte:  Moscatel / Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 7% / 12,5%
Rolha: Rosca / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 12 / R$ 47,  -  As duas garrafas foram enviadas pela vinícola para o evento Winebar.
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 15 de agosto de 2011
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e demais participantes on line do Winebar

Comentário do Produtor
O Frisante Monte Paschoal Branco Suave 750 ml apresenta coloração clara esverdeada, leve desprendimento de finas borbulhas. Possui aromas intensos de frutas como pêssego, pêra e maçã, e florais como jasmim e rosas. Leve e fácil de beber, refrescante, paladar adocicado e extremante frutado.

Vinho Monte Paschoal Pinot Noir 750 ml é limpido, cor tênue e tonalidade viva. Possui aroma franco, bastante frutado com notas de morangos, cerejas, geléia de frutas, maduro e sofisticado com notas de especiarias e tostado. Com paladar desafiador e intrigante, revelando uma acidez agradável e refrescante e taninos doces e maduros que se complementam num vinho suculento, sedoso e com grande potencial de amadurecimento.

Comentário do Claudio 
Rótulo: Bela apresentação das garrafas. Destaque para o Dedicato, garrafa imponente e design feito com cuidado. Causa uma boa impressão.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais um post que estava atrasado. Participei de mais uma degustação do Winebar, boa ideia dos amigos Alexandre Frias e Daniel Perches. Nesta edição, conhecemos um pouco da Vinícola Basso e provamos dois interessantes vinhos. O primeiro vinho apresentado foi um frisante. Acredito que quem costuma beber vinho regularmente tem um certo preconceito com este tipo de vinho. O frisante Monte Paschoal foi uma boa surpresa. É um vinho que tem uma proposta clara e podemos dizer para um público específico. É um frisante leve, refrescante muito fácil de se beber e que certamente irá agradar aos jovens, mulheres e pessoas que não bebem vinhos regularmente. Dentro de sua proposta se mostrou bastante interessante. Durante o Winebar sugeri que ele iria bem com um hotdog. Para tirar a dúvida, acabei preparando um para ver o resultado e em minha opinião foi um ótimo companheiro. Na se nos foi apresentado um Pinot Noir. Foi a primeira vinificação desta difícil casta pela vinícola. Vinho mostrou-se um pouco fechado no início, mas evoluiu. Um bom equilíbrio, um pouco de madeira aparente. Provei o resto da garrafa no dia seguinte e ele se mostrou muito interessante 24 horas depois. Uma vinícola para ficarmos de olho em sua evolução. Quem quiser assisitir ao video completo do Winebar clique aqui.
Nota: -

Chateau la Commanderie de Mazeyres 2005 - Pomerol

Nome: Chateau la Commanderie de Mazeyres
Safra: 2005
País: França
Região: Pomerol
Produtor: Vignobles Clément Fayat
Importador: -

Uvas/Corte: 90% Merlot e 10% Cabernet Franc
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 21 de agosto de 2011
Onde bebeu:  Casa da Leticia, em Frankfurt, Alemanha
Harmonizado com: Almoço delicioso preparado pela Letícia, churrasquinho feito pelo Christophe
Com quem: Rafaela, Leticia, Christophe, Thibault e o fofinho Gautier

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Desde que decidi fazer um curso na Alemanha, eu sabia que em um dos fins de semana iria visitar a Leticia e a Simone, amigas da época em que morei na Alemanha, entre 1999 e 2000. Acabou que a Simone viajou bem no fim de semana que me programei. Foi uma pena, mas passei um domingo bem especial com a família da Leticia. Foi tão bom reencontrá-la, rever o Christophe e conhecer os meninos fotos. Como estávamos numa bolha francesa em plena Frankfurt, é claro que o almoço foi acompanhado de um ótimo vinho, de 2005, a safra do ano em que nasceu Thibault. Tomara que no ano que vem eu possa retribuir todos os agrados. Estamos esperando por vocês aqui no Rio, viu, Leticia?
Nota: -

15 de setembro de 2011

Colomé 2008 Torrontés


Nome: Colomé
Safra: 2008
País: Argentina
Região: Valle Calchaqui, Salta
Produtor: Bodega Colomé
Importador: Decanter

Uvas/Corte: Torrontés 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo Tio Roberto
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 14 de agosto de 2011
Onde bebeu: Casa Regina Helena
Harmonizado com: Feijão branco
Com quem: Claudio, Marcela, Mauro, Tio Roberto e Regina Helena

Comentário do Produtor
À vista apresenta a típica cor palha dourada. Em nariz se desatacam os aromas frutais e florais a rosas, mel, limão e pomelo. Em boca é fresco e elegante com notas de damasco. Um vinho intenso com uma acidez final gentil.

Comentário do Claudio
Rótulo:
 -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: No dias dos pais, almocei na casa da minha mãe. Tio Roberto, o único pai presente no almoço, levou uma garrafa de vinho, este Torrontés. Estávamos comendo uma espécie de feijoada de feijão branco, muito gostosa por sinal, quando resolvemos abrir o Torrontés e ver no que dava aquela harmonização insólita. O Colomé é um bom vinho, bem feito e carrega todas as clássicas características desta cepa argentina. Bastante floral e com frutas em boca, mas o desafio era ver como o vinho funcionaria com o feijão branco. Posso classificar como uma harmonização pitoresca. Não ficou ruim, mas apareceram sabores que nem dá para imaginar. Foi uma harmonização diferente!
Nota: 87,0

14 de setembro de 2011

Pergunta da Semana - 237

Inspirado nas viagens do amigo Gustavo do blog Enoleigos, nesta semana o Le Vin au Blog pergunta:

- Você já visitou um spa do vinho? Que tipo de tratamentos realizou? Se não, alguma vez já usou cremes à base de uva ou vinho? A experiência foi boa?

12 de setembro de 2011

Degustação de Vinhos Hermann Grumbach

Nome: Vinhos Grumbach
Safra: 2010 e 2009
País: Alemanha
Região: Mosel
Produtor: Weingut Hermann Grumbach
Importador: -

Uvas/Corte: Riesling
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: de 7 a 13 euros
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 7 de agosto de 2011
Onde bebeu: Weingut Hermann Grumbach, em Lieser, na região do Mosel, na Alemanha
Harmonizado com: Pão com queijo e presunto
Com quem: Rafaela e os outros integrantes do curso de alemão realizado na universidade de Saarbrücken durante o mês de agosto

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame gustativo:
 Como minhas férias neste ano seriam sem o Claudio, resolvi aproveitá-las para estudar e viajar por um país que eu gosto muito e com o qual me identifico: a Alemanha. Depois de pesquisar sobre alguns cursos no site do DAAD, me decidi pelo curso intensivo oferecido pela Universität des Saarlandes, em Saarbrücken, cidade pequena, mas bem agradável que fica na divida da Alemanha com a França. O curso foi devidamente reservado ainda em março. Nos meses seguintes, vivi em contagem regressiva. Finalmente, chegou o final do mês de julho e embarquei para Paris. Antes de mergulhar no alemão, iria descansar a cabeça na capital francesa, sempre um ótimo lugar para viver alguns dias sem grandes preocupações. Depois de quatro ótimos dias em Paris, segui para Luxemburgo, onde peguei um ônibus para Saarbrücken. Para o primeiro domingo, estava programado um passeio pela região, com uma ida a Trier e ao Saarschleife, local onde o Rio Saar tem o desenho de uma ferradura. No final do passeio, a parte mais esperada por vários, haveria uma degustação de vinhos. Afinal, a região do Mosel é cercada de vinhedos e é superconhecida no país pela produção de vinhos, especialmente vinhos produzidos com a uva riesling. A vinícola escolhida pela organização do curso foi a Hermann Grumbach. Provamos seis vinhos e acabei escolhendo dois para trazer para casa. Todos me pareceram muito bons, mas gostei especialmente do Merum Magnum 2009 e do docinho vinho de sobremesa Liesener Niederberg-Helden 2010.
Nota: -

11 de setembro de 2011

Primus 2008 - La Segreta 2009 Sicília IGT - Peñalolen Cabernet Sauvignon 2006

Nome: Primus / La Segreta / Peñalolen
Safra: 2008 / 2009 / 2006
País: Chile / Itália / Chile
Região: Colchagua Valley / Sicília / Maipo Valley
Produtor: Veramonte / Planeta / Viña Peñalolen
Importador: First / Interfood / -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 46%, Syrah 20%, Merlot 15% e Carmenère 19% / 50% Nero d'Avola, 25% Merlot, 20% Syrah, 5% Cabernet Franc / Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça / Sintética / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 37,50 / R$ 37,80 / R$ 41,50
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul / Cadeg / Cadeg
Quando foi comprado: 14 de julho de 2011 / 31 de julho de 2011
Degustado em: 01 de agosto de 2011
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Queijos, salaminho, Hot dogs
Com quem: Claudio, Miguel, Mario, Carlinhos e Marcelo

Comentário do Produtor
Un vino poderoso, contundente con notas de especies exóticas y fruta madura. Aterciopelado con sabores a mora y cerezas se combinan con taninos intensos pero suaves.

La Segreta prende il nome dal bosco che circonda la nostra vigna all'Ulmo. Questo vino giovane e fresco ottenuto principalmente da uve Nero d'Avola, bandiera della Sicilia del vino, guadagna personalità  e stile con l'aggiunta delle uve internazionali. Tutte le uve sono sapientemente coltivate nei vigneti di proprietà  di Planeta. La Segreta è compagno versatile del bere quotidiano, adatto alle più diverse occasioni. E' un perfetto approccio alla Sicilia del vino con il suo giusto rapporto tra qualità  e prezzo, garantito dal lavoro paziente della famiglia Planeta, dalla vigna sino al vino.

Comentário do Claudio 
Rótulo: -.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais uma edição do encontro mensal dos amigos de faculdade. Desta vez fizemos aqui em casa. Começamos bebendo o restante do Primus que havia degustado para a Confraria Brasileira de Enoblogs. Tinha aberto o vinho na sexta feira e fui provar novamente apenas na segunda. Havia escrito que o vinho parecia que não estava pronto e que ganharia com algum tempo em garrafa. Ao provar o vinho 3 dias depois de aberto ele se mostrou bem interessante, mais redondo e ainda vivo. Vale fazer o teste. Na sequência partimos para um italiano da Sicília. O La Segreta é um vinho agradável, básico, mas bem feito e gastronômico. Bom estilo e bom custo/benefício. Demos uma guinada e abrimos um Cabernet Sauvignon chileno. Esperava um vinho "exagerado" e musculoso, mas para minha surpresa ou pelos 5 anos de vida dele, o Peñalolen tem boa estrutura, um Cabernet com todas as características que conhecemos do Chile, mas bem domado. Gostei. Noite agradável, com vinhos de estilo e propostas diferentes. Valeu!
Nota: 88.0+; 87.0; 88.0

9 de setembro de 2011

Abraxas - Tannat 2007

Nome: Abraxas
Safra: 2007
País: Uruguai
Região: Rocha - Lomas de La Paloma
Produtor: Dominio Cassis
Importador: Domínio Cassis

Uvas/Corte: Tannat
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: - / apenas 600 produzidas
Preço: R$ 65
Onde foi comprado: Encontro de Vinhos
Quando foi comprado: 3 de agosto de 2011
Degustado em: 3 de agosto de 2011
Onde bebeu: North Grill, em São Paulo
Harmonizado com: Bife de chorizo
Com quem: Claudio, Alexandre e Vanessa

Comentário do Produtor
A vinícola Dominio Cassis está localizada a 10Km do Oceano Atlântico e à 4Km da Lagoa de Rocha em solo pedregoso, expostos aos ventos e à brisa marinha.
Os atributos do solo, de baixa matéria orgânica, pedregoso e profundo; bem como a exposição à influência do Oceano e as poucas chuvas que há na região, são ótimas condições para a qualidade da produção e permitindo uma maturação mais lenta das uvas, tendo um resultado de vinho de alta qualidade e de pequena produção

Comentário do Claudio
Rótulo:
 -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Colocando os posts aqui no blog em dia, chegou a vez de falarmos sobre o Abraxas. No início de agosto, fui para São Paulo participar do Encontro de Vinhos, feira organizada pelo Beto Duarte e Daniel Perches. Foi um ótimo evento, repleto de bons vinhos, além de ser uma oportunidade para rever alguns amigos de lá. Mais para o final da feira parei na mesa do Domínio Cassis. Fui provar um excelente azeite chileno que eles estavam vendendo por lá. Ao meu lado estava o amigo Alexandre Frias do Diário de Baco. Fomos atendidos por um simpático senhor uruguaio, Wilton Conde. Avistei sobre a mesa uma garrafa do Abraxas. Já tinha ouvido falar sobre este vinho e tinha muita vontade de provar. Não perdi a oportunidade. Logo no primeiro gole o vinho já seduziu. Virei para o Alexandre e falei para ele imaginar que estava comendo uma bela carne antes de provar. Resultado: compramos a última garrafa que ele tinha ali, e rumamos para o ótimo restaurante North Grill. Abrimos o vinho, pedimos um belíssimo bife de chorizo: hamonização perfeita. Este tannat tem o estilo de vinho que eu adoro:  vinho muito bem feito, elegante,  saboroso, boa estrutura. Com educados 12,5% de álcool, é um vinho com taninos já amaciados, boa presença em boca e um belíssimo final. O amigo João Filipe Clemente também comentou sobre este vinho e acho que tenho o mesmo gosto que ele. Belo vinho, belo jantar, boa companhia, nada melhor para fechar um ótimo dia entre amigos.
Nota: 91,0+

Pergunta da Semana - 236

Em referência à Semana da Pátria, o Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Qual foi o vinho brasileiro que mais chamou sua atenção nos últimos tempos?

Charles Lafitte Brut 1834

Nome: Charles Lafitte 1834
Safra: -
País: França
Região: Champagne
Produtor: Charles Lafitte
Importador: -

Uvas/Corte: 40% Chardonnay, 30% Pinot Noir e 30% Pinot Meunier
Teor alcoólico: -
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: 28 de julho de 2011
Degustado em: 28 de julho de 2011
Onde bebeu: Voo Rio de Janeiro-Paris da Air France
Harmonizado com: Comidinha bem boa
Com quem: Rafaela

Comentário do ProdutorLa cuvée de champagne Charles Lafitte 1834 est dotée d'un assemblage équilibré de Chardonnay et de Pinots, ce Brut alliant avantageusement complexité et vivacité, rondeur et fraîcheur. C'est un talentueux vin d’apéritif, à consommer de préférence avec des petits toasts au foie gras et de fins filets fumés de magrets de canard. Il sera également parfait en accompagnement d’un poisson gras, comme un effeuillé de raie cuisson meunière à la crème d’oseille ou d’un gibier à plumes accompagné d’une sauce délicate. Nous vous en souhaitons une très agréable dégustation !


Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de meses de expectativa, chegou o dia da minha viagem para a Alemanha, com direito a uma paradinha em Paris. Para entrar no clima, pedi um champagne no voo da Air France. O voo teve algumas turbulências, mas nada que fosse muito preocupante. Aproveitei muito os dias seguintes, caminhei quilômetros pela cidade. Sempre com um sorriso nos lábios. Afinal estava em Paris e por lá sempre me pego sorrindo à toa. Durante meus quatro dias na cidade, aproveite para beber algumas tacinhas, mas não fiquei muito preocupada em ficar fazendo anotações. Queria ter bebido um champagne, mas isso ficou para quando o Claudio for junto.
Nota: -

Yauquén - Malbec 2009

Nome: Yauquén
Safra: 2009
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Bodega Ruca Malen
Importador: -

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 13,8%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 28 (meia garrafa)
Onde foi comprado: Restaurante Policarpo, em Botafogo
Quando foi comprado: 27 de julho de 2011
Degustado em: 27 de julho de 2011
Onde bebeu: Policarpo, em Botafogo
Harmonizado com: Massa com molho de tomate e berinjela (Rafaela) e Massa com ragú (Claudio)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color violáceo intenso. En la nariz se destacan aromas de cerezas negras, ciruelas y notas florales que nos recuerdan violetas. Es jugoso, cargado de frutos rojos frescos todo en muy buen balance con su acidez y sus taninos firmes y dulces que dan a este vino excelente estructura. Sutiles notas tostadas, caramelo y vainilla aportan complejidad y hacen a este vino redondo y generoso.

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Na véspera da minha viagem para a Europa, saímos para jantar e acabamos mais um vez no Policarpo, restaurante italiano "descoberto" poucas semanas atrás. A massa estava novamente muito boa. Para acompanhar o jantar, resolvi pedir um vinho. Claudio ainda tinha que trabalhar. Então fomos de meia garrafa. O vinho acompanhou bem o prato e o jantar agradável. No dia seguinte, embarquei para um mês na Alemanha, com uns diazinhos em Paris.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
 -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A Bodega Ruca Malen costuma produzir vinhos interessantes. Este malbec não foge à regra. Mesmo sendo da linha básica da vinícola, é o tipo de vinho feito para agradar. Estilo moderno, sem exageros, fácil de se beber. Bom custo. É uma boa opção para o dia a dia para quem curte Malbecs argentinos. A meia garrafa foi bem para acompanhar nossas massas no Policarpo. Jantar agradável.
Nota: 86,0+

6 de setembro de 2011

Pergunta da Semana - 235

Nesta semana o Le Vin au Blog quer saber:

- Quando você viaja, costuma trazer vinhos na bagagem? Por quanto tempo você deixa o vinho "descanasando" da viagem antes de abrir a garrafa?

Callia Alta - Shiraz/Bonarda 2010

Nome: Callia Alta
Safra: 2010
País: Argentina
Região: Valle de Tulum, San Juan
Produtor: Bodegas Callia
Importador:

Uvas/Corte: Syrah 50% e Bonarda 50%
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: R$ 46,50
Onde foi comprado: Fiammetta do Rio Plaza Shopping
Quando foi comprado: 24 de julho 2011
Degustado em: 24 de julho 2011
Onde bebeu: Fiammetta do Rio Plaza Shopping
Harmonizado com: Pizzas variadas
Com quem: Claudio, Rafaela, Ana Rosa, Angela, Antonio e Neusa

Comentário do Produtor
Vino de profundo color rojo, con brillantes reflejos violáceos. Su aroma es complejo, combinando frutas rojas frescas y especias. En boca se presenta robusto y estructurado con taninos dulces y sabor persistente.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Agendar este encontro com os amigos do mestrado não foi tarefa fácil. Depois de trocar a data várias vezes, as meninas mais velhas determinaram a data e os mais jovens tiveram de aceitar. Ainda bem! Assim conseguimos nos ver antes da minha viagem. Eu sempre fico muito feliz quando me encontro com a turminha do mestrado. Pena que neste encontro a Tati não pôde ir. Fez falta, mas foi por uma boa razão. A conversa foi animada, como sempre. Escolhemos este Callia e foi uma ótima opção. Fazia tempo que estava com vontade de voltar a prová-lo. É sempre uma ótima opção para jantares descompromissados. Vai bem com uma pizza e não atrapalha a conversa.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Esta linha das Bodegas Callia é uma boa opção de custo/benefício. É um vinho correto, bem feito, de estilo moderno, bem amigável e que costuma agradar à todos. Bom custo, é um vinho que não vai comprometer. Funcionou bem com nossa pizza.
Nota: -