30 de junho de 2011

Quinta do Seival Castas Portuguesas - Touriga Nacional e Tinta Roriz 2006

























Nome:
Quinta do Seival Castas Portuguesas
Safra: 2006
País: Brasil
Região: Campanha - RS
Produtor: Miolo
Importador: -

Uvas/Corte: Touriga Nacional e Tinta Roriz
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço:
Onde foi comprado: Canta Maria, em Bento Gonçalves
Quando foi comprado: 2 de junho de 2011
Degustado em: 19 de junho de 2011
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizza Fiametta, comprada no supermercado Pão de Açúcar, em Copacabana
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vinho com boa intensidade de cor, com tonalidades que vão do vermelho rubi ao púrpura. Apresenta aroma bem típico das castas portuguesas, com boa intensidade e persistência. Descritores do Aroma: - Passas - Figo - Morango - Chocolate - Ameixa seca - Frutas em conserva. Vinho equilibrado ao paladar, com corpo expressivo e taninos macios e redondos com final-de-boca persistente e agradável. Enólogo: Adriano Miolo.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Neste dia me rebelei e não quis fazer anotações. Assim, lembro apenas de ter gostado deste vinho, que não tinha o cheiro de manteiga da primeira vez que o bebemos. anos atrás, na companhia do Joffre, mas nada muito além disso. Falei que iria copiar as anotações do Claudio, mas a letra dele está tão ilegível neste dia, que desisti. De qualquer, são boas compras, tanto a pizza do Pão de Açúcar/Fiametta quanto o vinho da Miolo.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo: Simples, busca algo mais tradicional, pelo uso de um brasão.
Exame visual: Grená
Exame olfativo: Nariz bem intenso com algo como groselha.
Exame gustativo: Mais um vinho trazido da minha viagem a Bento Gonçalves. Se não me engano, foi o amigo Gil, do blog Vinho para Todos, que o indicou. Já havia bebido este vinho há alguns anos e venho lendo bons comentários sobre ele na Internet. Aproveitamos a noite de domingo e, para acompanhar a pizza, abrimos esta garrafa. Vinho bastante interessante e com boas características das cepas portuguesas. Taninos vivos, notas de frutas escuras bem marcada em boca e com um final de boa intensidade. Bem feito e ainda com boa acidez. Acho que este vinho aguenta ainda mais um pouco na garrafa. Vinho bem feito e com boas características. Vale provar.
Nota: 87.0/88.0

28 de junho de 2011

Vinhos de até R$ 50,00 indicados pelos leitores do Le Vin au Blog

Pedimos em nossa última "Pergunta da Semana" aqui no blog para os leitores indicarem vinhos no valor de cerca de R$ 50. A lista ficou bem interessante e resolvemos destacar aqui neste post para compartilhar com todos. Se você tiver mais alguma boa dica deixe comentário abaixo. Segue a lista:

   • Altano
   • Antuco Carmenére Reserva 2007
   • Casa Valduga Premium Cabernet Sauvignon 2006
   • Colonia Las Liebres Bonarda 2009
   • Down Under Shiraz 2010
   • Edulis Crianza
   • Errazuriz Reserva Cabernet Sauvignon
   • Finca La Linda Malbec 2006
   • Finca Resalso Ribera del Duero
   • Gran Lovara
   • Kaiken Corte 2008
   • Lagar de Darei Branco 2008
   • Lagar de Darei tinto 2006
   • Mano a Mano 2008
   • Orzada Cabernet Sauvignon 2005
   • Surazo Five Big Reds Reserva
   • Tahuantinsuyu Syrah 2006
   • The Big Five Collection Pinotage

Miolo Reserva - Cabernet Sauvignon 2009




















Nome: Miolo Reserva
Safra: 2009
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Miolo
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 17,98 (meia garrafa)
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul Botafogo
Quando foi comprado: 15 de junho de 2011
Degustado em: 15 de junho de 2011
Onde bebeu: Supermercado Zona Sul Botafogo
Harmonizado com: Pizza de cogumelos (Rafaela) e pizza portuguesa (Claudio)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Coloração vermelha rubi intensa. Boa intensidade aromática com expressivo caráter varietal, onde a fruta e a madeira do carvalho existem em perfeita harmonia. Vinho estruturado em taninos redondos, com bom volume na boca.

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais uma jantinha no Zona Sul acompanhada por um vinho comprado lá mesmo. Miolo Reserva é um vinho que aparece por aqui. Mero acaso. Talvez seja a localização no próprio supermercado. Fica no começo da prateleira, bem perto de onde as pessoas pesam os cacetinhos. Então fica meio atrolhado por ali. Nesta noite, porém, falei que queria só uma meia garrafa e as opções de meias garrafas no Zona Sul não são muitas. O vinho começou muito bem, mas depois foi como se fosse perdendo o viço. Não sei.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Há algum tempo não provava a linha Reserva da Miolo. Estes vinhos passaram a ser produzidos com uvas provenientes da região da Campanha. Na última vez que fomos comer uma pizza no Zona Sul resolvi pegar esta meia garrafa para provar como estava o Cabernet Sauvignon. Na primeira taça o vinho se mostrou interessante, com uma boa fruta em boca e equilíbrio. Porém de maneira estranha o vinho foi perdendo estas características e foi se apagando. Junto com a pizza ele foi bem, mas o início promissor desapareceu. Achei bem estranho e fiquei curioso para saber se mais alguém provou o vinho e como ele se comportou.
Nota: -

27 de junho de 2011

Da'divas - Merlot / Cabernet Sauvignon 2008




















Nome:
Da'divas
Safra: 2008

País: Brasil
Região: Encruzilhada do Sul - RS
Produtor: Lidio Carraro
Importador: -

Uvas/Corte: Merlot, Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 3612/12000
Preço: R$ 20
Onde foi comprado: Vinícola Lidio Carrato, em Bento Gonçalves
Quando foi comprado: 4 de junho de 2011
Degustado em: 12 de junho de 2011
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizza
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Aroma de frutas maduras, como ameixa, morango, groselha e amora, evoluindo para notas de especiarias e um toque de chocolate e couro. Taninos maduros, bom frescor, equilibrado e complexo. Um clássico para deleitar-se.

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Dia dos Namorados! E só isso! Apaguei sem querer este texto e quem disse que eu lembro o que havia escrito antes. Não que fizesse muita diferença para a humanidade, mas fiquei bem irritada com esta minha mancada. Eu tinha gostado tanto do Da'divas.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Simples, equilibrado, mas com personalidade.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Recentemente, estive no Vale dos Vinhedos a convite do Ibravin. Tive a oportunidade de conhecer a vinícola Lidio Carraro (assunto para um próximo post). Degustei e aprovei toda a linha de vinhos e comprei esta meia garrafa para trazer para casa. Gostamos de ter algumas meias garrafas em casa para aqueles dias que você não quer beber muito. Este Da´divas se mostrou um vinho muito interessante. Assim como toda a linha da vinícola, ele cresce bastante depois de um tempo aberto. Minha dica e abrir a garrafa um tempo antes de beber ou colocar em um decanter. É um vinho muito gostoso, com um sabor límpido de frutas no meio da boca. Percebe-se a boa qualidade das uvas deste vinho. Toques de frutas maduras misturadas com pimenta preta. Paladar limpo. Evolui muito na taça deixando o vinho mais macio e intenso. Acompanha bem comida. É uma ótima opção.
Nota: 88.0

Hex von Wein 2007 / Alma Negra 2007 / Santa Colina Reserva 2007 / Expressiones Reserva Roble 2006 / Burmester Jockey Club Porto



















Nome:
Hex von Wein / Alma Negra / Santa Colina Reserva / Expressiones Reserva Roble / Burmester
Safra: 2007 / 2007 / 2007 / 2006 / -
País: Brasil / Argentina / Brasil / Argentina / Portugal
Região: Picada Café / Mendoza / Serra do Sudeste / Mendoza / Vila Nova de Gaia
Produtor: Vinícola Hex von Wein / Bodegas Esmeralda / Vinícola Aliança / Finca Flichman / Sogevinus
Importador: - / Mistral / - / - / Adega Alentejana

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100% / Corte Secreto / Tannat 100% / Malbec 60% e Cabernet Sauvignon 40% / -
Teor alcoólico: 12,6% / 14% / 14% / 14,5% / 20%
Rolha: Todas de Cortiça
Numeração da garrafa: - / - / 732-2000 / - /-
Preço: -
Onde foi comprado: Cobal Humaitá / Gentilmente trazido pelo Miguel e pela Paula comprado no La Botella / Cadeg / Gentilmente trazido pelo Ricardo e pela Raquel comprado em Buenos Aires / Gentilmente trazido pelo Mario e pela Ana comprado no Lidador
Quando foi comprado: -
Degustado em: 11 de junho de 2011
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Sopa de agnolini, paçoca de pinhão e arroz-carreteiro
Com quem: Claudio, Rafaela, Miguel, Paula, Ricardo, Raquel, Carol, Marcelo, Mario, Ana (com bebê na barriga) e Carlinhos

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Na última viagem que fiz ao Rio Grande do Sul, voltei com a mala carregada de pinhão. Então, nada melhor do que realizar uma segunda edição da bem-sucedida Noite Gaúcha. Foi uma noite muito agradável. A sopa de agnolini, apesar de não ser tão boa quanto a da minha mãe, ficou saborosa. O Claudio, como um bom quase-gaúcho, caprichou nas outras receitas. A companhia, como sempre, foi das melhores. Nesta edição, uma boa notícia: a gravidez da Ana e do Mario. Na primeira edição, a Paula estava esperando o Arthur. Será um menininho muito bem-vindo. A primeira edição da Noite Gaúcha foi realizada em maio de 2008! Que venha a próxima! Quanto aos vinhos, gostei bastante do Alma Negra, apesar de não gaúcho.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fizemos a segunda edição da Noite Gaúcha aqui em casa. Para esta noite tinha feito uma seleção de vinhos do Rio Grande do Sul para acompanhar os pratos típicos. Porém, Miguel Ricardo e Mario trouxeram garrafas de vinhos e acabamos intercalando. Começamos com o já famoso aqui no blog Hex Von Wein. A garrafa aberta era a de 750 ml, que não é reserva, mas como da outra vez que degustei, se mostrou muitíssimo interessante. Surpreendeu todos os convidados que ficaram impressionados com a boa qualidade deste vinho orgânico brasileiro. Mudamos radicalmente e o segundo vinho aberto foi o argentino Alma Negra. É um típico vinho argentino, com bastante fruta, força e madeira arredondando o conjunto. Claras notas doces, para o meu paladar um pouco em excesso. É o típico vinho de muita qualidade e para quem gosta do estilo um prato feito. Na sequência coloquei a prova um vinho que acho muito interessante. Segurou a onda e mesmo depois de toda a potência do vinh argentino segurou a onda e não fez feio. O Santa Colina Reserva Tannat arrancou elogios dos presentes. Um vinho muito interessante, segue um estilo mais moderno, com boa presença em boca. É um vinho que vou comprar e esquecer na adega. Acredito que ele vai surpreender com mais anos na adega. Recomendo. Voltamos para a Argentina com o Expresiones da Finca Flichman. Vinho correto, bem feito e sem exageros. Agradável. Para fechar a noite e acompanhar os charutos que rolavam na varanda e os doces, abrimos o bom Porto que o Mario trouxe. Noite agradável com vinhos de estilos distintos, e que agradou a todos.
Nota: -

26 de junho de 2011

Festinha do mestrado - festa junina















Fazia algumas semanas que não comemorávamos o fim do mestrado. Então, tratamos de nos reunir de novo para mais uma comemoração! E desta vez com o delicioso bolo levado pela Ana Rosa. Angela, como sempre boa anfitriã, fez um caldo verde e ainda um prato com camarão. Antonio, nosso menino, levou pé-de-moleque. Afinal, a ideia era fazer uma festa junina. Neusa fez nosso prometido pudim e ainda fez surpresa ao levar queijadinhas. Estava tudo muito bom!

Quando: 10 de junho de 2010

Onde: Casa da Angela, em Santa Teresa

Quem: Rafaela, Claudio, Neusa, Maria da Conceição, Ana, Tatiana, Angela, Antonio, Rodrigo e Rose

Vinhos degustados: Real Lavrador, Concha e Toro Reservado, o tradicional Doña Dominga, Honero, Chandon Passion e Santa Helena

Harmonização: Salgadinhos para começar, caldo verde, prato de camarão com arroz e salada, pé-de-moleque, bolo e pudim!

Pergunta da Semana - 225

Nesta semana o Le Vin au Blog quer uma indicação: um bom vinho tinto na faixa de R$ 50,00 que você tenha degustado recentemente. Obrigado!

22 de junho de 2011

Hex Von Wein Reserva Especial - Cabernet Sauvignon 2007



Nome: Hex Von Wein Reserva Especial
Safra: 2007
País: Brasil
Região: Picada Café, RS
Produtor: Vinícola Hex von Wein
Site: http://www.vinhoorganico.com.br/index.html
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 12,6%
Rolha: Tampa de rosca na garrafa de 187 ml
Numeração da garrafa: -/1.575
Preço: R$ 10, a garrafa de 375 ml
Onde foi comprado: Diretamente da representante aqui no Rio
Quando foi comprado: -
Degustado em: 9 de junho de 2011
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Nhoque de abóbora "home made" e molho de tomate
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
As parreiras da Hex baseiam-se na biodiversidade, ou seja, na eliminação da monocultura e cultivo de várias espécies no mesmo habitat. Em resumo, na nossa produção voltamos aos antigos modelos de produção agrícola, amenizando as mudanças no sistema biológico. Assim, o solo produz uma fruta mais autêntica, particular, caracterizando o produto de acordo com a região e expressando o real terroir. Quando o solo recebe quimicamente os nutrientes que lhe faltam, até chegar ao ponto ideal de produção, ocorre a massificação da variedade, ou seja, em qualquer lugar do mundo o produto tem as mesmas características. A Coopernatural lançou o vinho Cabernet Sauvignon orgânico certificado Safra 2007 na Bio Fach em São Paulo. As uvas desta safra foram selecionadas a dedo, as melhores uvas, as mais sadias e as mais maduras, somente o melhor da produção, compõem este vinho de alto padrão enológico. A fermentação foi com controle de temperatura, não ultrapasando os 25 graus, o envelhecimento vai ser em barricas de carvalho francês. Com graduação alcoólica de 12,6%. A produção de 2007 está limitada a uma produção de 1.575 unidades. Um dos primeiros vinhos finos orgânicos do Brasil.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Formato diferenciado lembrando uma folha. Simples, correto e equilibrado. De acordo com o vinho.
Exame visual: Bonita cor grená escuro com alos alaranjados.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Abri mais uma das garrafinhas de 187 ml que compramos deste vinho para observar sua evolução. Continua com todas as suas boas características que já descrevemos aqui no blog. Temos outras garrafas guardadas e vamos continuar observando como este vinho surpreendente se comporta com o tempo.
Nota: 89.0

17 de junho de 2011

Sozo Reserva - Chardonnay 2008


Nome: Sozo Reserva
Safra: 2008
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra, RS
Produtor: José Sozo Vinhos
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 152/797
Preço: R$ 33
Onde foi comprado: Supermercado Bortolon, em Vacaria
Quando foi comprado: 8 de maio de 2011
Degustado em: 6 de junho de 2011
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pad Thai do Orienthai
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vinho Sozo Reserva Chardonnay apresenta coloração amarelo-esverdeada, muito frescor, elegante no aroma, remetendo a flores silvestres e néctar, com refinado sabor lembrando abacaxi, pomelo e iogurte com curta passagem por barrica de carvalho francês. Na boca, acidez elegante e excelente final.

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho gostoso, mas não tão leve como se espera de un 12,5%. Achei que talvez tenha fico mais "forte" por causa da pimenta do Pad Thai, mas não sei bem, posso ter sido influenciada. Durante este jantar, aproveitamos para começar o planejamento de nosso viagem ao Uruguai no final do ano.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo leve e um pouco apagado. Pode evoluir.
Exame visual: Um dourado claro.
Exame olfativo: Nariz fresco com notas de abacaxi e frutas cítricas.
Exame gustativo: Mais uma boa surpresa vinda dos Campos de Cima da Serra. Este é o quarto vinho provado de José Sozo e com bom resultado. Vinho com 3 anos de vida, com boa presença em boca, untuosidade e notas de abacaxi. Final relativamente longo e um pouco mais cítrico. Não funcionou muito com a pimenta do prato. De qualquer forma é um vinho que briga de igual com outros nesta mesma faixa de preço. Vale provar.
Nota: 87.0 +

16 de junho de 2011

Winebar: 1ª degustação de vinhos brasileiros



Nem bem o Workshop Mídias Sociais havia chegado ao fim quando alguns dos participantes começaram a ir para um canto da sala de eventos do Farina Park Hotel. Era dali, onde taças haviam sido dispostas e um laptop com uma câmera na mesa principal, que seria transmitida a primeira degustação virtual de vinhos brasileiros. Organizada pelo Ibravin, a degustação do espumante Pizzato Brut 2009 e do vinho Lídio Carraro Merlot Grande Vindima 2005 foi transmitida via Winebar.

Daniel Perches, do blog Vinhos de Corte, sob o olhar atento de Alexandre Frias, do Diário de Baco - os dois criadores do Winebar -, conduziu a degustação técnica realizada pelo sommelier internacional Cristiano Ribeiro. Remotamente, 10 blogueiros espalhados por várias cidades, como Campinas, São Paulo, Vitória e Recife, também degustaram os dois vinhos, que lhes haviam sido enviados dias antes pela Ibravin. A transmissão via Winebar foi acompanhada por aproximadamente 70 pessoas.

Alexandre, que a acompanhou da ponta da mesa, nos enviou o seguinte comentário sobre a experiência: "Diariamente acontecem muitas degustações e, por mais que tentemos nos adequar, é impossível estar em todos e provar novos vinhos. O Winebar permite essa experimentação, só que em casa. No primeiro Winebar, me dividi em dois, gerenciei a transmissão e também provei os vinhos rapidamente, junto com outros amigos, para ter a exata impressão de quem participa. Achei que o resultado foi ótimo, pois trocamos informações e tiramos dúvidas diretamente com o produtor, em uma experiência que não perde em nada para a real, ao contrário, ganhamos em tempo e qualidade".

Rafaela, que estava em casa, sem vinho algum, apenas acompanhando pelo computador, descreve a primeira degustação assim: "Apesar de eu estar posicionada em frente ao computador na hora marcada, comecei a assistir a transmissão alguns minutos depois. Na minha ignorância sobre como funcionava, eu não sabia que tinha de clicar no play para dar início. Resolvido esse probleminha, foi só aproveitar. Achei muito bacana a degustação. Cristiano, com um sotaque bem familiar, realizou de forma interessante toda a degustação. Achei que foi uma verdadeira aula, tudo de forma simples, sem chatices do mundo do vinho. Tudo fluiu naturalmente, na minha opinião. Foi uma boa experiência, mas, da próxima vez, gostaria de entrar na lista de quem recebeu os vinhos em casa!"


Claudio, que estava presente no cenário do Winebar e degustou os vinhos juntamente com Daniel, Alexandre e Cristiano, considerou o seguinte: "O Winebar em Bento Gonçalves foi muito interessante. Todas as pessoas que ficaram até mais tarde no Farina Hotel, depois do Workshop, aproveitaram a experiência. Estava sentado ao lado da Patrícia Carraro, que tentava responder a todos os comentários e perguntas que vinham de todo o Brasil via Facebook. No fundo da sala Flavio Pizzato fazia o mesmo, comentando sobre o espumante. Acho que o clima leve e descontraído do local conseguiu ser transmitido pelas redes sociais. Parabéns ao Ibravin que teve a iniciativa e aos amigos Daniel e Alexandre que idealizaram e conduziram o Winebar. É um serviço muito interessante."

Abrimos a degustação com um Merlot da Lidio Carraro, foi um aperitivo para nós, pois no dia seguinte fizemos uma visita à vinícola, onde pudemos degustar todos os vinhos (conto em um próximo post). Bonita cor escura, grená intenso e fechado. Como bem falou a Patrícia ao meu lado, o vinho precisa passar por um decanter. Assim, fui provando aos poucos e vendo a evolução na taça. Alguns blogueiros abriram a garrafa antes e confirmaram pelo Facebook a evolução. Bom vinho, de boa estrutura e agradável final que deve ir bem com comida.

Passamos para um espumante Brut da Pizzato. Um espumante feito pelo método champenoise com Chardonnay 70% e Pinot Noir 30%. Leve dourado e boa perlage. Nariz muito rico e gostoso. Notas de amêndoas, algo de mel. Espumante com ótima acidez, boa presença em boca. Espumante muito bem feito e fácil de se beber.

Pelo brinde final, pecebeu-se que todos saíram satisfeitos com o resultado do evento.

.Nero - Cabernet Sauvignon 2009



Nome: .Nero
Safra: 2009
País: Brasil
Região: Garibaldi
Produtor: Domno do Brasil Reserva
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Pequena tampa de rosca
Numeração da garrafa: -
Preço:R$ 9
Onde foi comprado: Aeroporto Hugo Cartegiani, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 9 de maio de 2011
Degustado em: 4 de junho de 2011
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Farfalle com molho de tomate e cenouras
Com quem: Rafaela

Comentário do Produtor
Cor vermelho rubi profundo, límpido e envolvente. Aroma fino e elegante com intensas notas de frutas vermelhas maduras, leve toque de baunilha e tostados. Vinho agradável, de bom corpo, taninos finos e maduros; equilibrado e aveludado ao paladar.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este vinho pode ser definido como fofinho! Sim, talvez eu tenha ficado impressionada com a bela garrafinha em que ele veio. Tratava-se de uma garrafinha de 187ml que me chamou a atenção no aeroporto de Caxias. Resolvi comprar para presentear o Claudio, mas, no final, quem acabou bebendo o vinho fui eu. Claudio foi passar o fim de semana em Bento Gonçalves com outros blogueiros e eu fiquei por aqui. Resolvi na noite de sábado beber um vinho. Perguntei para o Claudio qual seria a opção, caso eu resolvesse abrir uma garrafa das que temos em casa. Ele sugeriu essa garrafinha. Estava muito boa. Adorei o vinho, combinou muito bem com minha massa gostosa. Aprovado!
Nota: 89.0

15 de junho de 2011

Pergunta da Semana - 224

Nesta semana o Le Vin au Blog quer saber:

- Você gostaria de produzir o seu próprio vinho?

Almaúnica - Merlot 2009


Nome: Alamúnica
Safra: 2009
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Almaúnica
Importador: -

Uvas/Corte: Merlot
Teor alcoólico: 13 %
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 002174
Preço: R$ 33,90
Onde foi comprado: Tumelero, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 9 de maio de 2011
Degustado em: 29 de maio de 2011
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pães do Talho Capixaba com pastinha Bruschetta de alcachofra e pimentão La Pastina e queijo Prima Donna
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
De coloração rubi profundo, com notas violáceas, límpido e brilhante. Aromas de ameixas, chocolate, café e pimenta. Sabores bem casados e agradáveis. Seu retrogosto é persistente, com frescor e delicioso equilíbrio. Permaneceu por dez meses em barricas novas de carvalho francês e americano.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Friozinho gostoso no Rio. Ainda antes do almoço, já começamos a pensar como seria o jantar de hoje. Estávamos na Cobal e sugeri olharmos se havia a pastinha do seu La Pastina, da World Wine, no Farinha Pura. Achei o preço, R$ 9,90, convidativo e sugeri comprar para o jantar, com um vinhozinho. Claudio comprou a ideia. Provamos as pastinhas La Pastina, chamadas Bruschettas, no dia da World Wine Experience. São ótimas. Elas até me motivaram a ir perguntar ao próprio La Pastina onde poderia comprá-las aqui no Rio. Ele foi bem simpático, mesmo depois de eu ter dito que os vinhos da feira eram bons, mas que eu havia gostado mesmo foi das pastinhas.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Bonita a garrafa e de acordo com a proposta do vinho.
Exame visual: -
Exame olfativo: Nariz interessante e com características da cepa. Notas de pimenta preta e algo de fruta e de embutidos.
Exame gustativo: Dias antes de embarcar para Serra Gaúcha a convite do Ibravin, degustamos este Almaunica Merlot. Durante a visita, no dia 3 de junho, no jantar/degustação de vinhos da D.O. do Vale dos Vinhedos no restaurante Canta Maria, tive a oportunidade de provar o Syrah além de conhecer o produtor, Marcio Brandelli. Provar dois vinhos do mesmo e novo produtor em ocasiões bem próximas foi interessante para ver que a clara proposta de estilo dos seus vinhos. Passamos também pela porta da bela e moderna vinícola no Vale, mas vamos aos vinhos. O Merlot mostrou boas qualidades em taça. Vinho de perfil moderno, taninos macios. Boa presença de fruta madura em boca misturada com toques vindos da passagem por madeira. Evoluiu na taça, cresce depois de um tempo aberto. Final poderia ser mais longo. Me parece que este é a primeira vinificação desta vinícola. Acho que mostra potencial para as evoluções que certamente virão com a experiência de novas safras. Um vinho que nasceu competitivo e busca um estilo moderno de caráter chileno por exemplo. O Syrah estava mais interessante. É um vinho para ficar de olho, também de perfil moderno, macio, com notas de especiarias e frutas envolvidas pela madeira. A Almaunica tem tudo para fazer sucesso com o grande público. Vamos acompanhar.
Nota: 87.0

14 de junho de 2011

Camp du Rouss - Barbera 2007


Nome: Camp du Rouss
Safra: 2007
País: Itália
Região: Piemonte
Produtor: Luiggi Coppo
Importador: -

Uvas/Corte: Barbera
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça, estava levemente infiltrada
Numeração da garrafa: -
Preço: 10,29 euros
Onde foi comprado: Supermercado em Verona, Itália
Quando foi comprado: 12 de setembro de 2010
Degustado em: 27 de maio de 2011
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Bruschettas
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Colore: rosso rubino carico. Al naso: si evidenziano dapprima profumi di cuoio e spezie, per poi aprirsi a sentori di frutta rossa matura. Accompagna primi a base di pasta, secondi di carne bianca o rossa, formaggi e insaccati. Temperatura di servizio: 16°18° C

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro de sabonete.
Exame gustativo: Logo depois dos primeiros goles, Claudio declarou que este vinho estava sendo bebido no momento certo, pois, segundo ele, já apresenta um pouco de cheiro de rolha. Eu, confesso, nem reparei. Gostei bastante, mas, no fundo, este vinho estava cumprindo com sua obrigação. Afinal, um vinho italiano, carregado durante milhares de quilômetros, atravessando o oceano, tem mais é que estar bom mesmo, não? Compartilhei essa minha teoria com o Claudio e fiquei me sentindo meio sem ação quando ele me disse que este vinho era vendido aqui também. Por que compramos lá então? A resposta é bem fácil. Lá custa a metade - ou menos. Argumento aceito! Vale provar. É um vinho bem gostoso.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Simples e sóbrio. A paleta de cores usadas passa seriedade.
Exame visual: Rubi bem vivo.
Exame olfativo: Algo de fruta como cereja e lá no final alguma coisa que indicava que o vinho estava querendo ficar "bouchonee"
Exame gustativo: Trouxemos esta garrafa da Itália. Desconfio que esta garrafa estava levemente fora dos padrões. Era possível perceber o perfil e a estrutura do vinho mas sempre no final da taça aparecia algo leve em boca que mostrava que o vinho já não estava mais 100%. Não chegava a estar ruim, mas fiquei com aquela impressão que o vinho era mais que ele se apresentou.
Nota: -

13 de junho de 2011

A repercussão do Workshop Mídias Sociais



Mídias sociais e vinho sempre rendem boas conversas entre blogueiros. Na semana passada, tive a oportunidade de mergulhar nos dois temas, acompanhado de companheiros de outros blogs de vinhos e, o melhor, de especialistas nos dois assuntos. A convite da Ibravin, passei alguns dias no Vale dos Vinhedos, onde fiz algumas visitas técnicas a vinícolas – assunto para o próximo post – e participei no dia 3 de junho do Workshop Mídias Sociais.

O tema do workshop foi O impacto das redes sociais no mercado do vinho – uma visão geral da ferramenta web e das mídias sociais nos temas atuais. Os amigos blogueiros Daniel Perches, do Vinhos de Corte, e Alexandre Frias, do Diário de Baco, abriram os trabalhos. Depois de uma apresentação geral sobre mídias sociais feitas pelo Daniel, Alexandre mostrou os números expressivos do Enoblogs, o portal que congrega blogueiros do Brasil todo e de Portugal.
Chamaram a atenção os impressionantes números da Wine.com, loja de vinhos virtual e que recentemente abriu a primeira loja no Facebook, maneira interessante de usar as mídias sociais. O case foi apresentado pelo Anselmo Endlich. No total, foram nove palestras, assistidas por aproximadamente 150 pessoas, que lotaram a sala de eventos do Farina Park Hotel. E todos bem conectados. A maioria levou seus notebooks, tablets e smartphones. Afinal, foi incentivado o Facebook para envio de perguntas aos palestrantes.
Nada melhor que saber o que os participantes acharam do que perguntar diretamente a eles. Foi o que fiz. Confira os depoimentos abaixo:
"O workshop envolvendo diferentes visões sobre o mundo dos vinhos aliado ao mundo digital só enriqueceu a minha estrada de aprendizagem nesse universo chamado internet. A presença de pessoas que escrevem em uma linguagem própria e adequada ao meio fez diferença, pois percebeu-se que não são máquinas, não são inatingíveis, não são deuses. São seres de carne e osso que colocam alma no que fazem e o reflexo é a credibilidade conquistada a cada dia, a cada post." Rodrigo Arpini Valerio - Cooperativa Vinícola Aurora Ltda.
“O evento foi excelente e o tema das redes sociais é uma realidade irreversível de relacionamento onde todos nós precisaremos nos adaptar. Penso que o desafio seja utilizar esta nova forma de comunicação nas próprias organizações e inseri-la como parte da cultura das mesmas. No caso da Lidio Carraro, temos muito a aprender e a desenvolver nesta área. Agradeço a colaboração de todos os blogueiros, jornalistas e empresários que contribuíram no evento realizado. O aprendizado foi grande e ampliou muito nossa visão nesta área.” Patricia Carraro - Vinícola Lídio Carraro
“O workshop realizado pelo Ibravin se deu em uma época em que as redes sociais estão em alta. Num momento em que todo mundo busca tudo na internet. Foi interessantíssimo termos esse tipo de abordagem mais específica e com a participação de todos os principais blogueiros e formadores de opinião do mundo do vinho. O workshop foi, realmente, um sucesso.
Hoje em dia, dificilmente uma empresa está fora das redes sociais, seja por iniciativa própria ou de terceiros. Afinal, há que se adaptar aos novos tempos e a essas novas ferramentas. E isso é uma forma de interagir com o cliente. Os blogs relacionados ao mundo do vinho têm sido muito relevantes para as vinícolas, pois todos os posts estão sujeitos aos comentários do grande público, sejam elogios ou críticas, e isso é de extrema importância, diria mais, é vital. Afinal, o que seria de nós se não escutássemos a opinião do cliente?
Os blogs têm muita importância também para a indicação de bons vinhos e espumantes, conforme tive a oportunidade de conversar com grandes conhecedores de vinhos e espumantes como Alexandre Frias, Claudio Werneck e Beto Duarte, que comentaram indicar somente produtos que degustaram e aprovaram, para que seu público acredite na seriedade e comprometimento com os leitores.” Marcela Pastori - Vinícola Marco Luigi

“No Workshop participaram em sua maioria proprietários de Vinícolas, colaboradores da áreas de comunicação e mkt das Vinícolas, blogueiros e parceiros institucionais da categoria. O retorno foi muito positivo pois foi a primeira vez que foi realizado um evento com este foco e na avaliação dos participantes tivemos muitos elogios referentes exposições abordadas pelos palestrantes sobre a importância de conteúdo relevante e focado para o meio web e mídias sociais, ativações promocionais direcionadas para este canal, relacionamento com blogueiros.“ Diego Bertolini - Gerente de Marketing - Ibravin

Foto: Gilmar Gomes

10 de junho de 2011

Pergunta da Semana - 223

Inspirado em recente visita à vinícola, nesta semana o Le Vin au Blog quer saber:

- Você já provou algum vinho do Bettú?

9 de junho de 2011

Boas histórias são feitas com bons personagens - Vilmar Bettú


A conversa corria solta durante nossa primeira noite na Serra Gaúcha, quando alguém lançou uma pergunta:

– E o Bettú?

– Vocês querem ir lá? Perguntou Orestes Andrade, assessor de imprensa da Ibravin.

– Claro! Respondi em coro com os blogueiros Alexandre Frias, do Diário de Baco, Deco Rossi, do Enodeco, Gil Mesquita, do Vinho para Todos, Daniel Perches, do Vinhos de Corte, e Beto Duarte, do Papo de Vinho. Estávamos na região a convite da Ibravin, para a visita que integra o Projeto Imagem e para acompanhar o Workshop Mídias Sociais (depois farei um post sobre isso).

­– Mas quando? Perguntou alguém ao lembrar-se da agenda lotada que teríamos nos dois dias seguintes. – O único horário que temos é amanhã, às onze e meia da noite!

– Vamos tentar! Prometeu Diego Bertolini, diretor de marketing da Ibravin.

Assim, à meia-noite de sexta-feira, éramos convidados por Bettú a entrar em sua tão comentada vinícola (ou seria esconderijo?), em Farroupilha. Antes, porém, um pedido:

– Vocês têm que falar baixo porque meu pai de 95 anos está um pouco doente e já está dormindo – apontando para cima, para a casa onde os Bettú moram, em cima da vinícola.

Considerado controverso por uns, amado por outros e até considerado uma lenda por tantos outros, Bettú é, sem dúvida, um personagem carismático.

Logo depois do pedido para que falássemos baixo, falou que a visita tinha de valer a pena, pois estávamos atrapalhando um de seus passatempos preferidos: o carteado com os amigos.

A visita foi se desenrolando à medida em que Bettú abria garrafa após garrafa. Em determinado momento a empolgação era tanta, que ele teve até de relembrar o que havia pedido no começo. Bem-humorado e bonachão, foi respondendo a cada pergunta.

Quanto aos vinhos, a degustação começou com um excelente espumante. Logo que demos um primeiro gole, todos os presentes se entreolharam. Um belo espumante, 100% Chardonnay, rico e complexo. O Bettú foi logo avisando que este ele não vende, só para quem for lá.

O segundo vinho aberto foi um Gewurztraminer, com incríveis 15% de álcool. Um nariz muito interessante e potente. Na boca, se mostrou um vinho mais difícil e duro, diferente de outros vinhos desta cepa. Na sequência, um rosé de Merlot. Bela cor na taça, na boca um vinho muito bem feito elegante e fácil de beber.

O papo fluía quando o Bettú voltou com Corte Bordalês C 2001. Fechado no nariz, acho que merecia um tempinho no Decanter (como já passava de 1h30 da manhã, acho que não daria para fazer isto naquela madrugada). Sua cor já mostrava um envelhecimento e na boca mostrava elegância. Bom vinho.

Na sequência final, dois vinhos que fecharam a madrugada com chave de ouro. Um Tannat 2003/2004 e um Malvasia de Cândia licoroso. O Tannat mostrou ótima estrutura, com potência em boca e um bom final. Vinho muito interessante, gostei. E para finalizar, um vinho licoroso muito envolvente. Foi aprovado por todos.

Não deixe de assistir o vídeo feito pelo Beto Duarte.

Agradeço ao Diego e ao Orestes por terem conseguido a visita que entrou madrugada adentro.


La Ferette - Gabriel Liogier 2009


Nome: La Ferette
Safra: 2009
País: França
Região: Coteaux du Tricastin
Produtor: Gabriel Liogier
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Grenache, Cinsault e Syrah
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 21
Onde foi comprado: Zona Sul, Botafogo
Quando foi comprado: 25 de maio de 2011
Degustado em: 25 de maio de 2011
Onde bebeu: Zona Sul, Botafogo
Harmonizado com: Pizza de atum (Rafaela) e Pizza portuguesa (Claudio)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheirinho gostoso de vinho rosé - francês, como bem disse o Claudio.
Exame gustativo: Já combinamos várias vezes que vamos dar um tempo com os vinhos bebidos no Zona Sul, mas raramente conseguimos cumprir a promessa de economizar uns tostões bebendo suco de uva. Eu cedo, mas fico controlando o valor do vinho. Nesta semana, havia um monte de vinhos em promoção. Tentei convencer o Claudio a pegar um bom e conhecido Doña Domiga de apenas 13 pratas, mas ele acabou não aceitando. Apontou para uns mais caros, mas diante da minha cara feia acabou optando por este rosé francês. Foi, no final, uma boa compra. Bem gostosto, bom custo/benefício. A garota atendente do Zona Sul ainda nos conseguiu um balde de gelo. Perfeito. As pizzas também estavam triboas.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Clássico e equilibrado. Diferencial fica pela barra amarela no pé do rótulo.
Exame visual: Bonita cor, um tom leve de cereja
Exame olfativo: Suavemente doce e com toques de cereja, muito agradável.
Exame gustativo: Bom vinho de ótimo custo/benefício. Um rosé tipicamente francês, agradável, leve em boca com notas um pouco doces em seu final. Um vinho para beber sem compromissos e que vai cumprir muito bem o seu papel. Vale provar.
Nota: 86,0 +