28 de dezembro de 2010

Rio Sol Winemaker's Selection- Touriga Nacional 2008


Nome: Rio Sol Winemaker's Selection
Safra: 2008
País: Brasil
Região: Vale do São Francisco, Lagoa Grande - PE
Produtor: Vitivinícola Santa Maria - ViniBrasl
Importador: -

Uvas/Corte: Touriga Nacional 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Permuta feita com o Gilberto por um café (preço cerca de R$ 34,00)
Onde foi comprado: Supermercado Guanabara da Barra da tijuca
Quando foi comprado: Dezembro de 2010
Degustado em: 17 de dezembro de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Omelete de queijos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Afinamento em madeira
6 meses em barricas de carvalho francês.
Notas de Prova
Vermelho-grená intenso e brilhante. Aromas complexos que lembram frutas negras bem maduras, como amoras e framboesas, notas de pinheiro, chá earl grey e especiarias. Sedutor e encorpado, com taninos nobres.
Harmonização
Combina bem com assados, caças como javali e coelho, risotos, massas de queijo ou tomate, pratos bem condimentados, queijos fortes.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Costumam dizer que ovo não vai muito bem com vinho. Sei lá se isso é mesmo verdade, mas, se for, não fez a mínima diferença nesta noite em que decidimos provar esse Rio Sol. Começamos o jantar na varanda e acabamos a garrafa assistindo ao Globo Repórter especial sobre vinhos. Nem me lembro mais qual tinha sido a última vez que assisti ao GR. A fórmula ainda é a mesma. Uma grande reportagem. Gostei desta. Deu uma saudade grande de Mendoza e do Vale dos Vinhedos. Fomos tuitando as nossas impressões sobre o programa. Curioso foi que o médico que pesquisa sobre vinhos é nascido na mesma região que eu no Rio Grande do Sul. Quando ao vinho, é daqueles para deixar decantando por uma boa meia hora. Primeiro, porque pode ter bastante depósito. Segundo, porque melhora de forma impressionante depois de um tempo aberto. Boa compra.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Segue a identidade visual da linha Rio Sol. Correta,mas sem grandes apelos visuais.
Exame visual: -
Exame olfativo: Nariz magro, ficou devendo.
Exame gustativo: Fazia algum tempo que não bebia um vinho tinto da região do vale do São Francisco. Resolvemos provar este Touriga Nacional que é produzido pelos portugueses da Dão Sul. É interessante observar o processo de conhecimento e evolução de uma região produtora de vinhos completamente nova de tudo que existe no mundo. Várias pesquisas são publicadas sobre a região e acredito que aos poucos vão descobrindo os caminhos e caracteríesticas da região. É certo que ainda tem muito caminho a percorrer. Este tinto mostra algumas qualidades. Inicialmente apresentou um tanino muito amarrado, que colava na lingua e secava a boca. Devia ter colocado em um decanter por algum tempo ou usado o aerador. Não sei como este vinho se comportaria com mais alguns anos na garrafa. De cara já deu para perceber um vinho com mais extração da fruta, um vinho com mais presença em boca que outros tintos bebidos da região. Depois de um tempo aberto, a boa surpresa: evoluiu muito. Taninos ficaram menos agressivos, notas agradáveis de frutas e uma tendência à elegância bem interessante. A impressão final que passou foi a de que ainda precisa de uma evolução e um conhecimento sobre a região, mas algumas características de qualidade já começam a aparecer. Degustamos este vinho assistindo ao Globo Repórter sobre Vinho e Saúde.
Nota: 86.0 +

27 de dezembro de 2010

Dignus Brut - Pinot Noir e Chardonnay


Nome: Dignus Brut
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinícola Aurora
Comprador: Zona Sul

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: 12,4%
Rolha: Rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 6,50 (187ml)
Onde foi comprado: Zona Sul Botafogo
Quando foi comprado: 11 de dezembro de 2010
Degustado em: 11 de dezembro de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pão de Queijo caseiro
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vinho branco espumante natural brut. Método Charmat. Graduação alcoólica: 12% vol. Elaborado a partir de uma escolha de uvas Pinot Noir e Chardonnay, provenientes de algumas das melhores regiões de cultivo da Serra Gaúcha, sob a supervisão direta e criteriosa do enólogo Adolfo Lona e do sommelier Danio Braga. Seus atributos de aroma e frescor o transformam na companhia ideal para todos os momentos em que é exigida uma bebida leve, agradável e ao mesmo tempo marcante.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Desde que vim morar aqui, sempre vejo esse espumante no Zona Sul, mas até então nunca tínhamos comprado. Ontem, fomos comprar um suco no super e pensamos: por que não levamos essa garrafinha para acompanhar nosso lanche. Foi bom para provar. Não é assim o meu espumante favorito, mas é bem justo. Descobri também, depois, que é fabricado pela Aurora.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Compramos esta garrafa baby para acompanhar o nosso lanche. É um espumante produzido pela vinícola Aurora com exclusividade para o Supermercado Zona Sul pelo método Charmat. É umespumante simples e correto. Pode funcionar bem em uma festa com muitas pessoas, não compromete.
Nota: 86.0

23 de dezembro de 2010

Pergunta da Semana - 200

Chegamos à "Pergunta da Semana" de número 200. Nesta semana o Le Vin au Blog gostaria de agradecer aos amigos que participaram durante estas 200 semanas, respondendo às perguntas, visitando e lendo os post do nosso Blog.

Gostaríamos de desejar um ótimo Natal e um 2011 repleto de bons momentos acompanhados por bons vinhos.

Aproveitamos para convidar para nos seguir no Twitter: @LeVinauBlog

Feliz Natal e um ótimo 2011.

Grande Cuvée 1531 de Aimery 2007


Nome: Grande Cuvée 1531 de Aimery
Safra: 2007
País: França
Região: Crémant de Limoux
Produtor: Sieur D'Arques
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Chardonnay 70%, Chenin 20% e Mauzac 10%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 33
Onde foi comprado: Zona Sul Botafogo
Quando foi comprado: 5 de dezembro de 2010
Degustado em: 5 de dezembro de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Torta de cebolas
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
The History of the Languedoc vineyard dates back to the 5 th century BC when the Greeks first introduced grape vines and their cultural practices.
It was in 1531, one century before Dom Pérignon, that wines from Limoux stepped onto the world stage thanks to Benedictine nuns from the St Hilaire Abbey, a neighbouring village, who created the first sparkling wine in the world: La Blanquette de Limoux.
The earliest written references to Blanquette de Limoux can be traced back to the lord of the region, “le Sieur d’Arques” who swigged down “flasks of Blanquette” to celebrate his victories.
Four centuries later, in 1946, the founding winemakers of our winery christened their wine, Sieur d’Arques.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Amarelo clarinho.
Exame olfativo: Começo com bastante álcool aparente, que dá tosse e coceira (daquelas que levam ao espirro) no nariz.
Exame gustativo: Este domingo foi especialmente quente no Rio, um dos primeiros, depois de meses de tempo nublado e chuvoso. Como estou mais do que atrasada com minha dissertação, fiquei em casa estudando. Claudio foi à praia. Quando ele voltou, decidimos o que jantar e joguei um verde: um espumantezinho bem que cairia bem hoje, não? Enquanto lá fora todo mundo comemorava o título do Fluminense como campeão do Brasileirão, Claudio desceu rapidinho ali no Zona Sul. Voltou todo molhado, estava começando uma das maiores chuvas dos últimos tempos, que acabou com a festa dos tricolores e alagou boa parte da cidade. Sorte que decidimos ficar em casa nesta noite. Espumantes prometem ser a bebida deste verão aqui em casa. Já estamos planejando até uma noite só de espumantes até o fim do ano. Quanto a este, ele estava muito bom. Parecia cremoso e, como bom espumante, quando entrava em contato com a língua fazia uma cosquinha com suas bolhinhas. Boa experiência. Vale ler o comentário do produtor, parece se tratar de um vinho com história.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: Amarelo bem claro, perlage fina, mas não intensa.
Exame olfativo: Notas de amêndoas e leve brioche
Exame gustativo: Depois de um dia muito quente, nada melhor que fechar a noite com um espumante gelado. Este francês funcionou bem para isto. Em boca possui boa cremosidade, boa acidez, bem fresco. Notas leves de frutas mescladas com algo como amêndoas. É um espumante delicado e leve de bom custo/benefício. É aquele tipo de espumante fácil de se beber, a garrafa acaba rapidamente. Fica aqui a dica para o final de ano. Nesta semana este espumante está em promoção por cerca de R$ 29,00.
Nota: 88.0

22 de dezembro de 2010

Confraternização com colegas do mestrado


Entre os colegas do mestrado, apenas uma não é tão fã de vinhos. Entre os demais, a bebida faz sucesso. Por isso, em nossos encontros, invariavelmente bebemos vinhos. Neste, realizado aqui em casa no dia 3 de dezembro de 2010, não foi diferente. Claudio comprou algumas garrafas, Antonio, Ângela e Ana trouxeram outras. Foi uma festa! E sobraram algumas para o próximo encontro. Foi muito receber meus colegas Ana, Antônio, Neusa, Ângela e Tati em casa, mais o Rodrigo e o Maurício. Que venham outros encontros.

Quando: 3 de dezembro de 2010

Vinhos degustados: Casa Valduga Arte Brut 2009, Doña Dominga - Chardonnay/Semillon 2010 (Viña Casa Silva / Chile), Veramonte - Cabernet Sauvignon 2008 (Bodegas Veramonte / Chile), Argento Reserva - Malbec 2009 (Bodegas Esmeralda / Argentina), Doña Dominga - Cabernet Sauvignon 2009 (Viña Casa Silva / Chile)e Amadeu Rosé Brut 2008 (Vinícola Geisse / Brasil)

Harmonização: Salada Rafaela, Berinjela feita pela Ana Rosa, Linguicinha no forno, pão de queijo caseiro, torta de cebolas e paçoca de pinhão. Para a sobremesa, Neusa gentilmente atendeu ao meu pedido e trouxe seu incomparável bolo de chocolate!

Pergunta da Semana - 201

Nesta semana Le Vin au Blog quer saber:

Quais vão ser/foram os vinhos e o menu da Virada do Ano? Onde você vai passar/passou?

Um ótimo 2011 para todos os nossos amigos e leitores!

21 de dezembro de 2010

Mythique - Languedoc 2009


Nome: Mythique
Safra: 2009
País: França
Região: Languedoc
Produtor: Cuvée Mythique Languedoc
Importador: -

Uvas/Corte: Syrah 40%, Grenache 40% e Carignan 20%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 018924
Preço: R$ 26,98
Onde foi comprado: Zona Sul Botafogo
Quando foi comprado: 1º de dezembro de 2010
Degustado em: 1º de dezembro de 2010
Onde bebeu: Zona Sul Botafogo
Harmonizado com: Pizzas, para variar :)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: Da cor, eu não lembro, mas o rótulo é muito fofo.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Entramos num círculo vicioso que parece não ter fim: Nossa despensa está meio desfalcada, por isso acabamos comendo muito na rua. Como estamos sempre na rua, acabamos nunca fazendo comida em casa. Neste dia, estávamos tentando resolver essa situação, fazendo umas comprinhas no Zona Sul, mas quem disse que voltamos para casa para cozinhar? Acabamos comendo a boa e velha pizza do Zona Sul. Como já havíamos tomado suco na última vez, decidimos degustar um vinho nesta. Claudio me deu algumas opções e acabei escolhendo este pelo rótulo que tem uma meiga corujinha. Vinho bem agradável.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Muito interessante a ilustração da corujinha.
Exame visual:
Grená escuro.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Boa surpresa este vinho do Languedoc. É difícil encontrar vinhos franceses nesta faixa de preço com qualidade. Sempre que vou testar algum vinho francês de baixo custo procuro por regiões menos badaladas, como este do Sul da França. Vinho mostra qualidades em boca. Corpo médio, boa presença com notas de café e especiarias, bem interessante. Bem feito e fácil de se beber. Ótima relação custo-benefício. Um bom vinho para o dia-a-dia para quem quer variar um pouco dos chilenos e argentinos.
Nota: 87.0

20 de dezembro de 2010

Cozinha Tradicional Portuguesa - Importadora Barrinhas e Restaurante Foz do Tejo


Fomos convidados para conhecer o Festival de Gastronomia Portuguesa realizado pelo restaurante Foz do Tejo. No último sábado, fui conferir. A ideia do restaurante é muito boa: eles desenvolveram menus-degustação especiais inspirados nas regiões de Portugal. Neste sábado, o tema foi "Entre Douro e Minho". Foram servidos 7 diferentes pratos, entre entradas, pratos principais e sobremesas. Os vinhos ficaram por conta da importadora Barrinhas que escolheu para harmonização os seguintes vinhos: Muralhas de Monção, Alvarinho Deu La Deu, Evel Grande Escolha tinto 2005 e Royal Oporto 10 anos.

Os dois vinhos brancos eram frescos, de boa acidez e agradáveis. Destaque para o Alvarinho com um pouco mais de corpo. Os dois funcionaram muito bem com as entradas e cresceram com a comida. Gostei muito do prato Açorda da Mãe, com tempero no ponto certo.

O Evel é um tinto de bastante estrutura e corpo. Vinho arredondado pela madeira e bastante fruta em boca. Vinho muito interessante. Por último, foi servido um vinho do Porto que funcionou muitíssimo bem com as duas sobremesas incluídas no menu. Acho que foi a melhor harmonização no almoço. Destaque para a deliciosa rabanada.

Ótimo almoço com vinhos bem selecionados.

O festival da cozinha portuguesa continua até janeiro e o próximo menu, com pratos da Estremadura, será servido no dia 08 de janeiro. Esta é uma ótima chance de conhecer a rica cultura eno-gastronômica dos nossos irmãos portugueses.

P.s. da Rafaela: Infelizmente, eu não entendi que o convite era para um almoço. Como imaginei que seria uma apresentação de vinhos, com muitos convidados, e como eu estava com muitos afazeres para o sábado, acabei não indo. Depois, ao saber do formato, me arrependi de não ter encontrado um espacinho na agenda.

130 - Casa Valduga #cbe


Nome: 130
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 37,80
Onde foi comprado: Griffe dos Vinhos, na Cadeg, em São Cristóvão, no Rio
Quando foi comprado: 11 de dezembro de 2010
Degustado em: 14 de dezembro de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Comida tailandesa comprada no Orienthai
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do ProdutorVisão: Límpido e brilhante, de coloração dourada e fascinante perlage.Olfato: Bouquet elegante e intenso de frutas secas, amêndoas e um leve tostado.Paladar: Persistente e cremoso, de amplo e pleno sabor, harmônico.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Estou adorando este verão antes mesmo de ele chegar. Há um prenúncio de que este será o verão dos espumantes e dos vinhos brancos aqui em casa, e estou bem animada com isso. Este 130 estava na nossa lista há algum tempo, mas sempre acabava perdendo para os tintos. Agora, pelo menos para mim, os tintos estão em baixa por aqui. Este é um espumante de alto nível. Pena que não harmonizou assim tão bem com a comida tailandesa. A comida era forte demais para o espumante, mas sem problemas. Uma garfada, um golinho d'água e outro de espumante e tudo resolvido. Com a comida, o espumante ficava com um gosto que lembrava suco com laranja já meio estragada. Algo que me chamou a atenção foi o final prolongado. Queremos repetir!
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
O conjunto é muito bonito. Garrafa de formato diferenciado, com o rótulo me sua base. Uso correto e equilibrado do preto e do cobre. Bonita garrafa.
Exame visual: Bonita cor dourada. Perlage inicial intensa, mas não ficou por muito tempo.
Exame olfativo: Nariz rico com notas de brioche, amêndoas e algo como um melado. Diminuiu a intensidade depois de um tempo aberto.
Exame gustativo: Belo exemplar de espumante nacional que escolhemos para ser o vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs (indicação do mês foi do amigo Silvestre do blog Vivendo a Vida). O 130 é muito bem feito e em boca mostra todo o seu valor. Ataque inicial com boa cremosidade e boa presença em boca. Boa complexidade de sabores com algumas notas cítricas aparecendo. Boa acidez, sem ser muito elevada e um bom corpo. Espumante envolvente e elegante. Agradável e longo final. É um espumante que merece ser provado. Conseguimos comprar esta garrafa por R$ 37,80. Um preço excelente pela qualidade que oferece. Nesta faixa de preço, é imbatível. Quem ainda não conhece este espumante da Casa Valduga fica aqui a recomendação. Vamos beber outras vezes.
Nota: 90.0

Collezioni Bertani - Valpolicella 2008


Nome: Collezioni Bertani
Safra: 2008
País: Itália
Região: Grezzana
Produtor: Bertani Produzioni Vino
Importador: Casa Flora

Uvas/Corte: Corvina
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 59
Onde foi comprado: Anna, em Ipanema
Quando foi comprado: 21 de novembro de 2010
Degustado em: 21 de novembro de 2010
Onde bebeu: Anna, em Ipanema
Harmonizado com: Massas variadas
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena, Marcela e Mauro

Comentário do ProdutorDai terreni più antichi, quelli della Valpolicella, le uve rosse, e la Corvina in particolare, esprimono calore, forza e concentrazione di ciliegia, da godere insieme alle pietanze più strutturate come le carni ed i primi con sughi ricchi.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O dia do aniversário do Claudio foi de programação intensa, eram tantos compromissos sociais que tivemos de deixar o almoço de aniversário para o dia seguinte. No sábado, tomamos café da manhã no Jardim Botânico, no La Bicyclette, café com influência francesa, bem bom! Dali, caminhamos um pouco por Ipanema, compramos alguns presentes e passeamos pelo bairro. O dia estava bem bonito. O almoço foi, na verdade, um lanchinho rápido no Terzetto, com um pedaço de empadão de frango e um salpicão gostoso. Caminhamos mais um pouco de voltamos para casa para nos prepararmos para a festinha de 5 anos da Luisa, prima do Claudio. Estava bem divertida, especialmente a parte do mágico. Adorei! Quando saímos de lá, já estava quase na hora de outra festa, de 20 anos de formatura do 2º Grau do Claudio. Foi uma festa muito bacana, com boas músicas dos anos 1980, caipirinhas e acepipes. Muito divertida! No domingo, o almoço foi em família no Anna, um restaurante relativamente novo que foi aberto do lado do Artigiano. Ambos, aliás, junto com o Pomodorino e Fiorino, são dos mesmos donos. O atendimento foi muito bom e a comida estava deliciosa. Como era aniversário do Claudio, bebemos um vinho. Leve, elegante, que combinou com a qualidade da comida. Foi um bom almoço de aniversário do meu amorzinho.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Para acompanhar os deliciosos pratos de massa do restaurante Anna no almoço de comemoração do meu aniversário, escolhi um Valpolicella básico que acompanhou bem a comida. Sentamos em uma mesa perto da entrada, o dia estava bonito e tínhamos a vista para o Jardim de Alah. Acho que ainda sob influência de nossa viagem, acabei escolhendo um vinho do Vêneto. Um vinho leve, bem feito e agradável. Fácil de se beber.
Nota: -

17 de dezembro de 2010

Pergunta da Semana - 199

Nesta semana Le Vin au Blog quer saber:

Já comprou seus presentes de Natal? Vai presentear alguém com vinhos ou acessórios?

Pago de Cirsus Oak Aged - 2008


Nome: Pago de Cirsus Oak Aged
Safra: 2008
País: Espanha
Região: Navarra
Produtor: Pago de Cirsus de Iñaki Nuñez
Importador: -

Uvas/Corte: Merlot, Cabernet Sauvignon, Tempranillo
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 48
Onde foi comprado: Fiametta
Quando foi comprado: 12 de novembro de 2010
Degustado em: 12 de novembro de 2010
Onde bebeu: Fiametta
Harmonizado com: Pizza Napoletana
Com quem: Claudio, Rafaela, Ricardo e Raquel

Comentário do Produtor
De intenso color cereza picota; en nariz presenta aromas de especias y frutos rojos bien maduros. En boca desarrolla una textura aterciopelada y redonda con un elegante aporte del roble francés con un final goloso y largo.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de um dia intenso, de muito estresse, finalmente pude relaxar. A correria começou bem cedo, pois estava em plena aplicação dos questionários da minha pesquisa de campo. Corri para muitos lugares, literalmente, neste dia. Fui à Tijuca, depois voltei a Botafogo, depois a São Cristóvão e novamente à Tijuca. Passei em casa para um banho rápido e fui trocar uns ingressos na Maison de France. A calmaria só veio quando a peça começou. Fazia séculos que eu não ia ao teatro. Foi bom relembrar como é bom. A peça chamava-se Deus da Carnificina. Gostei bastante. Depois, seguimos para a Fiametta, no Rio Plaza. Gostamos muito dali. Raquel e Ricardo também. Para acompanhar, esse gostoso tempranillo. Boa escolha!
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Esta é a terceira vez que provo este vinho. É um vinho de bom custo e foi nossa escolha para acompanhar o jantar na Fiametta. É um vinho jovem, bem feito, de paladar intenso, com bastante fruta na boca. Desta vez achei um pouco over, mas quero provar este vinho novamente com calma para emitir uma opinião final. De qualquer modo é uma boa opção para acomapnhar uma pizza.
Nota: -

16 de dezembro de 2010

Collector - Cabernet Sauvignon 2008


Nome: Aracuri Collector
Safra: 2008
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra, Muitões Capões
Produtor: Aliprandini & Meyer
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 00886/3000
Preço: -
Onde foi comprado: Super Bortolon, em Vacaria
Quando foi comprado: Julho de 2010
Degustado em: 11 de novembro de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizza requentada :)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
A nossa Safra 2008 trás o Cabernet Sauvignon Collector elaborado com uvas com excelente maturação, provenientes de blocos selecionados dos vinhedos próprios, localizado em uma região fria, município de Muitos Capões, a 960 m de altitude. A elevada altitude prolonga a fase de maturação, favorecendo a produção de pigmentos e aromas. O sistema de condução é em espaldeira, com produtividade baixa de 8 toneladas/ha. A colheita foi manual, com seleção de cachos. As uvas foram somente desengaçadas, com adição de leveduras selecionadas e fermentação com temperatura controlada em torno dos 26ºC visando à extração lenta e delicada dos componentes de aroma e cor. Tempo de contato com as cascas até o término da fermentação alcoólica (cerca de 10 dias). A passagem de 1 ano em barricas de carvalho agregou complexidade e doçura.
O vinho apresenta-se límpido, brilhante, com coloração vermelha de alta intensidade. No aroma destacam-se características especiais do Terroir, aroma intenso de frutas negras maduras, cassis e amora muito bem fundida com aromas tostados, café, chocolate, tabaco e especiarias, na boca elegante, com ataque inicial agradável, arredondado, concentrado, muita fruta seguido do aparecimento gradual das notas de baunilha e chocolate, com bom corpo com acidez equilibrada, taninos suaves e volumosos, final persistente e harmônico.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este vinho podia muito bem ter um nome em português, mas sabe-se lá por que colocaram um nome em inglês... Eu não gosto muito. O vinho, porém, é bem gostoso. Não tem retrogosto forte, mas é bem feito e foi muito bem com nossa pizza aquecida no forninho. Aliás, nesse período, pelo jeito, passamos somente à pizza...
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo que pode evoluir. É preciso trabalhar melhor os elementos existentes.
Exame visual: Rubi
Exame olfativo: Nariz um pouco fechado.
Exame gustativo: Mais uma boa surpresa vinda dos Campos de Cima da Serra. Este Cabernet se mostrou muito agradável, bem equilibrado e fácil de se beber. Na boca vinho de corpo médio, com paladar que mistura bem algo de fruta com notas claras de pimenta preta. Dá para perceber qualidade na uva. Faltou um pouco mais de presença no final de boca. De qualquer modo foi um Cabernet que cumpriu bem o seu papel. Mostrou potencial. Vamos ficar de olho no que a vinícola está fazendo.
Nota: 86.0 - 87.0

Campo Lindo Gran Reserva - 2003


Nome: Campo Lindo Gran Reserva
Safra: 2003
País: Espanha
Região: Pla de Bages, Barcelona
Produtor: Bodegas Roqueta
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Tempranillo 80%, Cabernet Sauvignon 15% e Syrah 5%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 29,85
Onde foi comprado: Zona Sul Botafogo, no Rio
Quando foi comprado: 4 de novembro de 2010
Degustado em: 4 de novembro de 2010
Onde bebeu: Zona Sul Botafogo, no Rio
Harmonizado com: Pizzas
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor-

Comentário da Rafaela
Exame visual: Belo rótulo! Grená.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho que não impressiona à primeira vista, mas que evolui muito com o tempo. E melhora consideravelmente com a comida. Trata-se de uma bela compra pelo preço, mas, como dito antes, é para acompanhar uma comida. Fazia um tempão que não bebíamos um vinho espanhol.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Estilo de rótulo que passa credibilidade ao vinho devido aos textos presentes. Outro diferencial é o tamanho do rótulo: ele é maior, indo para trás da garrafa. Assim foi possível colocar as informações do contra rótulo em uma única impressão.
Exame visual: Grená
Exame olfativo: Fruta límpida no nariz.
Exame gustativo: Fomos ao Zona Sul e resolvemos comer uma pizza por lá. Escolhi este espanhol depois de ler o rótulo: um vinho de 2003, de vinhas velhas e que envelhece por 24 meses em barrica e com um corte interessante. Resolvi pagar para ver o que esta mistura tinha a oferecer. De início é um vinho estranho, paladar fechado e final um pouco ruim. Depois de um tempo aberto o vinho muda consideravelmente. Apresente um sabor muito intenso de fruta madura que se concentra no céu da boca, mas seu final permanece curto. Ficou mais redondo e macio depois de algum tempo. Quem for provar este vinho, aconselho deixar aberto por algum tempo antes de degustar.
Nota: 87,0

15 de dezembro de 2010

Geografico Vernaccia di San Gimignano 2009 / Chablis Thierry Laffay 2008 / Rosenblin Cellars Zinfandel 2007


Nome: Vernaccia di San Gimignano Geografico / Chablis Thierry Laffay / Rosenblun Cellars
Safra: 2009 / 2008 / 2007
País: Itália / França / Estados Unidos
Região: Vernaccia di San Gimignano / Chablis / Paso Robles-Califórnia
Produtor: Agricoltori del Geografico / Thierry Laffay / Rosemblum Cellars
Importador: Zona Sul / - / -

Uvas/Corte: Sangiovese e Canaiolo / Chardonnay / 88% Zinfandel, 12% Petite Sirah
Teor alcoólico: 12,5% / 12,5% / 14,8%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 22 / 5,40 euros / US$ 18
Onde foi comprado: Zona Sul / Da própria adega de Thierry Laffay / Gentilmente comprado pela Patty nos Estados Unidos
Quando foi comprado: Outubro de 2010 / 31 de agosto de 2010 / Gentilmente comprado pela Patty nos Estados Unidos em dezembro de 2009
Degustado em: 1º de novembro de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Couvert de azeites, panelinhas de brandade de bacalhau, peru com risotto de cogumelos e torta de limão
Com quem: Claudio, Rafaela, José Rodrigo e Sabrina

Comentário do Produtor
Geografico Vernaccia di San Gimignano: Colore: Giallo paglierino brillante. Profumo: Fragrante di crosta di pane, floreale di fiori bianchi. Persistente. Gusto: fresco e asciutto, con un piacevole finale di mandorla.
Rosemblum: Dark in color, the wine is displays notes of black cherry, raspberry, rhubarb, violets andcracked white pepper spice in the bouquet. Full-bodied, the wine reveals dense and juicy darkfruits in the mouth, as supple tannins melt into a lingering finish. Versatile as far as foodcompliments go, this Zinfandel pairs well with rotisserie chicken, baby back ribs or heartypasta like lasagna Bolognese.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Marcado semanas antes, este jantar foi muito especial com a companhia de dois amigos queridos, o Zé Rodrigo e a Sabrina. Voltamos a preparar a brandade de bacalhau da nona harmonização virtual realizada lá em outubro de 2008. Este prato continua sendo um sucesso. Eu, pessoalmente, adoro, além de ser superfácil de fazer. Como havíamos comprado um vinho para temperar as comidas que parecia bonzinho, começamos a noite com ele, o Geográfico. Depois, entramos nos vinhos programados, que foi esse Chablis bem gostoso comprado no nosso tour pela França. Para harmonizar com o peru, em uma alusão ao dia de Ação de Graças, escolhemos o zinfandel trazido pela Patty dos EUA no ano passado. Ficou tudo muito bom! Enquanto o Claudio, acertava os últimos detalhes na cozinha, Zé Rodrigo acessava a web com seu inseparável telefone em busca de informações sobre o dia de ação de graças. Isso foi bom, mas mais explicativa foi a lembrança da Sabrina de cenas de filmes em que crianças fazem um teatrinho vestidas de índio, peru, milho... :)
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Começamos a noite com o vinho branco italiano que havia comprado para cozinhar. Ele se mostrou agradável, porém, bem básico. Não comprometeu, mas também não trouxe nenhuma surpresa. O segundo vinho da noite foi um Chablis que compramos diretamente do produtor na nossa última viagem. Esta foi a primeira garrafa aberta dos vinhos que trouxemos. Já contamos aqui a história de como compramos este vinho. Um Chablis fresco, boa mineralidade. Um vinho bastante elegante e agradável. Fácil de beber e foi uma boa companhia para nossa brandade de bacalhau. Por último, abrimos um Zinfandel que veio direto da Califórnia, trazido pela Paty. Achei que era um vinho "bombado e musculoso" demais para o meu paladar. Muita fruta e geléia, tudo muito over. Apenas eu achei ele um pouco over, nossos convidados gostaram. A noite foi muito agradável e é sempre bom estar com o Zé e a Sabrina. Vamos programar outros para 2011.
Nota: 86.0, 89.0 + , 87.0

14 de dezembro de 2010

Finca El Portillo - Malbec 2009


Nome: Finca El Portillo
Safra: 2009
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Bodegas Salentein
Site: http://www.bodegasalentein.com/
Importador: -

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 12 (taça)
Onde foi comprado: Restaurante Carmelo, no Catete, no Rio
Quando foi comprado: Outubro de 2010
Degustado em: Outubro de 2010
Onde bebeu: Restaurante Carmelo, no Catete, no Rio
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vino de color rojo rubí con tonos violáceos de gran intensidad. En nariz se percibe fresco y frutado, con recuerdos a ciruela, frutas negras y un toque de vainilla. En boca se destaca la fruta fresca, los taninos dulces y redondos, y la muy buena estructura aportada por el roble. Posee un largo y frutado final. Ideal para acompañar asados, carnes al horno, empanadas, pastas rellenas, quesos duros y picantes.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Sabe aquelas noites em que já está supertarde, você está morrendo de fome, com uma preguiça danada de fazer comida e meio sem ideias? Estávamos assim nessa noite. Depois de tentar pensar em algumas opções, deu vontade de comer uma massa. Lembramos então de um restaurante no Catete aonde havíamos ido com a Marie. É um restaurante bem simpático, todo bonitinho e com comida boa de preço justo. O Carmelo parece ser sempre uma boa opção. Resolvi harmonizar minha massa com uma tacinha de vinho. Ficou bom.
Nota: -

Ruca Malen Reserva Petit Verdot 2007 - Gimenez Mendez Premium Tannat 2006 - Alges 2008 - Viu Manent Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2008


Nome: Ruca Malen Reserva / Gimenez Mendez Premium / Alges / Viu Manent Gran Reserva
Safra: 2007 / 2006 / 2008 / 2008
País: Argentina / Uruguai / Espanha / Chile
Região: Mendoza / Las Brujas / Costers del Segre / Valle de Colchagua
Produtor: Bodega Ruca Malen / Gimenez Mendez / Pons Tradició / Viu Manent
Importador: Hannover / Hannover / RJU / Hannover

Uvas/Corte: Petit Verdot 100% / Tannat 100% / Tempranillo, Garnacha y Syrah / Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13,7% / 13,5% / 14% / 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 41,90 / R$ 47,90 / R$ 39,00 / R$ 43,75
Onde foi comprado: Cadeg e Cobal do Humaitá
Quando foi comprado: 16 de outubro de 2010
Degustado em: 20 de outubro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Queijos, pães, hot-dogs
Com quem: Claudio, Miguel, Marcelo, Ricardo, Mario e Wagner via Skype

Comentário do Produtor
Notas de Cata: Rojo violáceo, intenso y brillante. La nariz es intensa, frutal y muy compleja.
Las notas de frutos rojos, ciruelas, cerezas frescas y leves notas florales como rosas armonizan
con los aromas de caramelo, vainilla y moca aportados por la madera. De buen volumen, muy
graso y untuoso. Acidez presente y bien equilibrada que da relieve en boca. Taninos dulces
muy suaves. Muy buena persistencia aromática, con notas frutales y especiadas.

De color negro ciruela, de gran extracción, no permite pasar la luz, ofrece un menisco violáceo neto. Al girar la copa la tiñe de un atractivo y vivaz color. En nariz, notas frescas de mentol, fruta muy expresiva con un fondo que recuerda los orejones de ciruela, especias y confituras.
En boca es seco, amplio, untuoso y complejo, delicioso, señorial y corpulento, con taninos carnosos muy pulidos. Refrescante acidez con persistencia sostenida sobre la fruta.
Pronto para acompañar carnes rojas asadas, jabalí, ciervo, faisán y ñandú, quesos intensos y estacionados.

Potente, equilibrado, fragante y afrutado, CLOS PONS ALGES se expresa en nariz como pura fruta, arropada por una madera ligera que lo hace elegante y sutil. Los frutos rojos con toques acompotados, el regaliz y las cerezas destacan sobre notas minerales, fondo especiado y una marcada acidez que lo hace fresco y agradable.

Deep ruby red in color, on the nose this wine exhibits lifted notes of blackcurrant, fig and date. In the mouth opulent notes of plum, dark chocolate and espresso bean dominate. A well integrated oak backbone backed by firm yet round tannins leads to a long finish. Serving temperature: 17 to 18°C.

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Noite de 4 bons vinhos. Começamos com um Petit Verdot muito bem feito, taninos redondos e sabor firme e característico. Vinho muito interessante e fácil de agradar. Acho a Petit Verdot uma casta muito interessante. Seguimos com um Tannat uruguaio. è um bom vinho, talvez esperasse um pouco mais dele. Taninos estavam domados, não tão presente quanto outros Tannat já degustados, mas vale provar. Na sequência partimos para um espanhol que comprei sem ter nenhuma referência e comprei para testar. Foi uma boa surpresa. Tinto de muita potência com notas claras de chocolate, café, mas em um conjunto sem exageros. Vale deixar aberto por um tempo para respirar, vinho de bom custo/benefício. Para finalizar, abri novamente o Gran Reserva Cabernet da Viu Manenet. Mais uma vez se mostrou um vinho excelente pelo preço que paguei. Vinho moderno, redondo e bem feito, também fácil de se agradar, sem deixar de lado uma boa tipicidade da casta. Bom vinho. A noite foi muito divertida com a presença via Skype do Wagner diretamente da Nova Zelândia.
Nota: 89.0, 87.0, 89.0, 89.0

13 de dezembro de 2010

Veramonte Reserva Merlot 2008


Nome: Veramonte
Safra: 2008
País: Chile
Região: Vale de Casablanca
Produtor: Veramonte
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: 89% Merlot, 4% Syrah, 4% Cabernet Franc y 3% Carmenere.
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 22
Onde foi comprado: Zona Sul de Botafogo
Quando foi comprado: Outubro de 2010
Degustado em: 30 de outubro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Queijos e pão
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color Rojo rubí intenso. Aroma Con olores a mora y cerezas negras especiado con toques de pimienta negra y tabaco junto con un leve toque mentolado y perfectamente integrado con los aromas propios de la barrica. Sabor Intensos sabores a frutas del bosque de gran intensidad y concentración.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Pimentão, cheiro ardido.
Exame gustativo: Gosto bastante desse vinho da Veramonte, mas não achei que ele harmonizou tanto com os queijos que escolhemos. De repente, ficou vegetal de mais. Com um tempo aberto, ele evoluiu um pouco para um sabor mais amigável. Fiquei com a impressão de que teria ficado melhor sem comida, apesar de eu sempre preferir beber vinhos para acompanhar um jantar ou almoço. No finalzinho, estava bem melhor. Talvez devêssemos ter decantado.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Poderia ter um equilíbrio melhor. Possui elementos gráficos interessantes que poderia ser melhor explorados.
Exame visual: -
Exame olfativo: Notas vegetais e boa tipicidade.
Exame gustativo: Esta linha Veramonte é muito interessante. Tem um ótimo custo pela qualidade que oferece. São vinhos de boa tipicidade e alguma complexidade. Este Merlot 2008, comprova isto. Inicialmente notas vegetais, como pimentão, dominava o paladar. Evoluiu na taça para algo um pouco mais frutado e macio. Notas de frutas vermelhas passam a se misturar com toques vegetais. É interessante. Vinho bem feito, de corpo médio assim como o seu final. Um bom vinho para você ter sempre uma garrafa em casa.
Nota: 87.0

Paulo Laureano Premium 2005



Nome: Paulo Laureano Premium
Safra: 2005
País: Portugal
Região: Alentejo
Produtor: Paulo Laureano Vinus
Importador: Adega Alentejana

Uvas/Corte: Como escrito no rótulo: "só castas portuguesas"
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 19,80
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: 16 de outubro de 2010
Degustado em: 16 de outubro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Hamburguer feito em casa
Com quem: Claudio
Comentário do Produtor-
Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: Rubi sem muita intensidade. Apresentou depósitos
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Comprei esta meia garrafa na Cadeg depois de ter deixado a Rafaela no aeroporto. Resolvi preparar um hamburguer caseiro para acompanhar. Ao abrir o vinho já deu para perceber que ele não estava 100%. Pareceu já em declínio, mas também algum problema na rolha que estava influênciando o seu paladar. Depois de aberto um tempo, melhorou um pouco. Com certeza vou ter que provar novamente para verificar o potencial deste vinho e deste produtor.
Nota: -

12 de dezembro de 2010

Le Pavillon 2008 - Muscadet Côtes de Grandlieu sur Lie


Nome: Le Pavillon
Safra: 2008
País: França
Região: Muscadet Côtes de Grandlieu sur Lie
Produtor: Domaine du Haut Bourg
Site: http://hautbourg.free.fr/
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Melon de Borgogne 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 29
Onde foi comprado: Zona Sul Botafogo
Quando foi comprado: 12 de outubro de 2010
Degustado em:
12 de outubro de 2010
Onde bebeu:
Casa da Marcela e Mauro, no Rio
Harmonizado com: Moqueca do Mauro
Com quem: Claudio, Rafaela, Marcela, Mauro, Fernanda, André, Regina Helena, Andrea, Paulino e Ana Carolina

Comentário do Produtor
Robe : légèrement verte avec des reflets or
Arômes : ananas, fruits exotiques, minéral
Bouche : riche avec une très belle longueur

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo:
Depois de uma manhã de trabalho, apesar de ser feriado, fomos provar mais uma vez a deliciosa moqueca do Mauro. Foi uma tarde bem agradável com os amigos deles e a afilhadinha Ana Carolina.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
As informações estão colocadas de forma confusão. Merece uma reorganização.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo:
Convidados para mais uma moqueca de camarão e lulas feita pelo Mauro, sempre levamos o vinho para acompanhar. Na última edição tinha escolhido um Sauvignon Blanc. Ainda sob influência da nossa viagem, acabei escolhendo este Muscadet. Vinho agradável, de bom custo-benefício. Boa acidez, sem ser exagerada, fácil de se beber. Funcionou bem com o prato e acho que todos gostaram. Um vinho que vale provar e pode funcionar bem com peixes, saladas.
Nota: 87.0

Finca la Anita - Petit Verdot 2005


Nome: Finca la Anita
Safra: 2005
País: Argentina
Região: Lujan de Cuyo, Mendoza
Produtor: Finca la Anita
Site: http://www.fincalaanita.com/esp.html
Importador: -

Uvas/Corte: Petit Verdot 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: - / 5.206
Preço: 120 pesos
Onde foi comprado: Ligier, em Buenos Aires
Quando foi comprado: 07 de dezembro de 2007
Degustado em: 11 de outubro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Tortéi com molho de tomates
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
En nariz es intenso, equilibrado, elegante y agradable, entrega notas florales (violetas) muy marcadas, frutas rojas frescas y una nota muy sutil a tabaco.
En boca, repite las notas florales y frutales que entrego en nariz, gran cuerpo, taninos maduros y una correcta y refrescante acidez se conjugan para redondear una experiencia por demás placentera.
El final es de intensidad media/larga, con recuerdos a violetas y tabaco.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Adocicado. Dá uma coceirinha no nariz.
Exame gustativo: Vinho de qualidade, muito bom, saboroso, elegante, forte sem perder a elegância. Com certeza, provaria novamente este vinho. Ele me lembra a Argentina, o que é sempre um bom sentimento. Soubemos há pouco da morte de Marcel Lapierre e ficamos bem tristes.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Segue a linha da bodega. É característico, mas pode ser melhorado.
Exame visual: Bonito tom de rubi, apresentou depósitos.
Exame olfativo: Nariz de difícil definição. Não é tão forte.
Exame gustativo: Sou fã dos vinhos da Finca la Anita. Todos os vinhos que degustei são vinhos diferenciados e com personalidade. Este foi a primeira safra da uva Petit Verdot que foi vinificada. Como havia lido em alguma crítica deste vinho, a Finca la Anita ainda está domando a uva. Neste vinho, pode-se perceber isto. Vinho de sabor intenso, final firme na boca. Notas altas, um pouco licoroso, taninos marcados. Você percebe a busca da vinícola pela personalidade que ela sempre consegue com outras safras, mas ainda não está 100% encaixada neste Petit Verdot. É um vinho muito bom, mas que, se percebe, vai ser melhor nas próximas safras. Vale ficar de olho.
Nota: 89.0

11 de dezembro de 2010

Vernaiolo Chianti - 2008


Nome: Vernaiolo
Safra: 2008
País: Itália
Região: Chianti - Siena
Produtor: Rocca delle Macie
Site: http://www.roccadellemacie.com/
Importador: Decanter

Uvas/Corte: Sangiovese 85%, Merlot 15%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 49,00
Onde foi comprado: La Botella em Ipanema
Quando foi comprado: 8 de outubro de 2010
Degustado em: 8 de outubro de 2010
Onde bebeu: La Botella em Ipanema
Harmonizado com: Penne ao Pomodoro e Sanduíche de hamburguer de lombinho
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Caratteristiche organolettiche: Colore: rosso rubino vivace con riflessi porpora.Profumo: netto con sentori di frutta rossa, piacevolmente vinoso.Sapore: fresco e piacevolmente sapido con buona struttura e morbidezza.
Consigli del produttoreVino che ben si accompagna a differenti proposte gastronomiche, é indicato con carni bianche e primi piatti.Servire ad una temperatura di 16°-18°C.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho gostoso, simples, seria bem barato na Europa. É caro aqui para o que é. Ficou bom com a massa. Sempre gostei dessa massinha do La Botella, mas depois que aprendemos a fazer nosso próprio molho de tomate, acho que perdeu um pouco o encanto. De qualquer forma, ainda recomendo prová-la.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: Nariz leve e discreto
Exame gustativo: Na nossa fase pós-viagem, fomos ao La Botella e resolvemos ecolher um vinho italiano. Este Chianti é básico, sem complexidade. Funciona bem para acompanhar uma comida. Um vinho sem muitas pretenções. É difícil conseguir vinhos italianos ou franceses de baixo custo com uma qualidade boa. E pensar que pelo mesmo valor, na Itália, beberíamos um vinho muito mais interessante que este.
Nota: 86.0 +

10 de dezembro de 2010

Pergunta da Semana - 198

Final de ano chegou e com ele as festas e falando nelas, logo nos lembramos dos espumantes. Nesta semana o Le Vin au Blog quer pedir dicas de espumantes. Provou algum recentemente que nos indicaria?

9 de dezembro de 2010

Viu Manent Gran Reserva - Cabernet Sauvignon 2008 / Salton Moscatel


Nome: Viu Manent Gran Reserva / Salton Moscatel
Safra: 2008/ -
País: Chile /Brasil
Região: Valle de Colchagua / Vale dos Vinhedos
Produtor: Viu Manent / Salton
Site: http://www.viumanent.cl/ / http://www.salton.com.br/
Importador: Hanover

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100% / Moscato
Teor alcoólico: 14% / 7,5%
Rolha: Cortiça / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 43 (este foi reposto pela importadora, pois o primeiro que compramos estava ruim) / R$ 17
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: Junho 2010 / Setembro 2010
Degustado em: 1 de outubro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Salada Rafaela com pães e azeites de entrada, massa da Veronese com molho de tomate caseiro e mil folhas da Veronese de sobremesa
Com quem: Claudio, Rafaela, Flavio e Cris

Comentário do Produtor
Deep ruby red in color, on the nose this wine exhibits lifted notes of blackcurrant, fig and date. In the mouth opulent notes of plum, dark chocolate and espresso bean dominate. A well integrated oak backbone backed by firm yet round tannins leads to a long finish. Serving temperature: 17 to 18°C.

Coloração amarelo claro esverdeado, brilhante, com espuma abundante e grande quantidade de finas borbulhas, nuances de aromas de flores cítricas, frutas tropicais, pêssego e maçã verde. Sabor levemente ácido cremoso e com um intenso frutado.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Finalmente pudemos provar o Viu Manent com Cris e Flavio. Na primeira tentativa, o vinho estava ruim. Ao comunicarmos o fato à importadora, logo eles nos enviaram uma nova garrafa. É um vinho bem feito, do tipo que eu gosto. Para acompanhar a sobremesa, um espumante que eu havia comprado havia meses e estava na geladeira à espera de um bom motivo. Harmonizou perfeitamente com os mil folhas da Veronese. Para repetir! Ah, sim, muito obrigada ao Flávio e à Cris pelo empréstimo do Manoel, o GPS mais legal do mundo!
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Começamos a noite com o Viu Manent. Esta garrafa foi trocado por outra que havíamos comprado e estava ruim. A importadora rapidamente nos repôs a garrafa e abrimos nesta noite. Vinho muito agradável, bem feito, com taninos redondos e sabor agradável. Vinho de perfil moderno, mas sem exageros. Vinho que com certeza vai agradar e pela faixa de preço que pagamos, cerca de R$ 43,00, é uma excelente compra. Vale provar. Para acompanhar a sobremesa, abrimos o Salton Moscatel. É um espumante que sozinho se torna um pouco enjoativo pelo açúcar, porém harmonizado com o mil folhas funcionou muito bem, combimou perfeitamente. Foi um jantar muito agradável.
Nota: 90.0; 86.0+

8 de dezembro de 2010

Santa Colina Reserva - Tannat 2006


Nome: Santa Colina Reserva
Safra: 2006
País: Brasil
Região: Santa do Livramento / Campanha
Produtor: Vinícola Aliança
Site: http://www.vinhos-alianca.com.br/web/default.asp
Importador: -

Uvas/Corte: Tannat 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 1.436/3.300
Preço: R$ 32
Onde foi comprado: Tumelero Bebidas, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 10 de julho de 2010
Degustado em: 30 de setembro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Carne de soja assada e arroz de cenoura e milho
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Elaborado com uvas selecionadas originárias de vinhedos orientados para uma produção mínima, fator que permite obter o potencial máximo da variedade. Envelhecido em barris de carvalho francês, por um período de 12 meses, de coloração vermelho rubi intensa, denso, aroma que lembra baunilha, cassis, cacau e café. No paladar é equilibrado entre acidez, álcool e taninos. Pode ser considerado um vinho de guarda.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Forte, denso, encorpado. Confesso que tinha um leve preconceito com a Aliança, por ser uma vinícola onde os guias levam os turistas, mas fiquei bem impressionada com este Santa Colina. É um 14% potencializado, mas muito bom. Gostei muito e recomendo. Falando em recomendação, ele foi uma recomandação do vendedor da Tumelero Bebidas, lá de Caxias do Sul. Quando ele me recomendar outro, vou aceitar. Boa escolha.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo bem equilibrado, dividido em duas partes com uso de preto, branco e dourado.
Exame visual: Muito escuro e denso
Exame olfativo: Início fechado, abriu com o tempo pra algo como doce de frutas escuras, leve baunilha e intenso cassis
Exame gustativo: Grata surpresa este Tannat. Vinho muito bem feito, com muito corpo e estrutura. Vinho que aguenta mais alguns anos na garrafa. Na boca boa tipicidade da Tannat, com taninos firmes e presentes. Ideal decantar por algun tempo antes de servir. Paladar segue para frutas bem maduras, com perfil de vinho moderno. É sem dúvida um vinho potente na boca. Mostrou muita evolução na taça. Realmente nos impressionou. Fiquei com vontade conseguir uma outra garrafa para guardar por mais uns dois anos e ver como ele se comporta. Fique de olho neste vinho.
Nota: 88.0-89.0

La Joya Cab. Sauvignon 2008 - Château Lamartine 2006 - Cahors / Vinhas da Ciderma Donzel 2005


Nome: Château Lamartine - Donzel
Safra: 2006 - 2005
País: Chile - França - Portugal
Região: Cahors - Douro
Produtor: Viña Bisquertt - Château Lamartine - Vinhas da Ciderma
Site: http://www.bisquertt.cl/ http://www.vinhasdaciderma.com/ - http://www.cahorslamartine.com/
Importador: World Wine - Premium Wines - Premium Wines

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon - 90% Malbec, 10% Merlot - Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz
Teor alcoólico: -
Rolha: - , Cortiça, Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: La Botella em Ipanema
Quando foi comprado: 27 de setembro de 2010
Degustado em: 27 de setembro de 2010
Onde bebeu: La Botella em Ipanema
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio, Ricardo, Miguel e Marcelo

Comentário do Produtor
Cor vermelho rubi vivo. Aromas vinosos, ligeiramente amadeirado, com notas de alcaçuz e pequenos frutos vermelhos esmagados. Na boca é potente e untuoso, com um herbáceo prazeroso e agradável adstringência. Este vinho promete um longo envelhecimento, mas já é agradável pela juventude de suas frutas.

Cor rubi. Aroma frutado e intenso com sabor complexo e equilibrado, presença de taninos macios e com um final de boca longo e persistente.

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Em mais um dos encontros mensais dos amigos da faculdade, resolvemos ir no La Botella. Começamos com o Chileno La Joya. Apesar de correto, não é um vinho muito do meu estilo. Muito doce e frutado. Um pouco exagerado para o meu paladar. Partimos para o segundo vinho, que foi o melhor da noite, um Cahors. Vinho agradável, correto, sem excessos. O terceiro vinho da noite foi este português que não conhecia. Seguia um estilo mais moderno e frutado é um bom vinho, mas também não fez muito o meu estilo. A noite foi agradável e pude reencontrar o Marcelo que não via desde seu casamento.
Nota: 85.0; 87.0+; 86.0+

Geografico - Chianti Colli Senesi 2009


Nome: Geográfico
Safra: 2009
País: Itália
Região: Chianti Colli Senesi, Toscana
Produtor: Agricoltori del Geografico
Site: http://www.chiantigeografico.it/
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Sangiovese 85% e Canaiolo 15%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 29,98
Onde foi comprado: Zona Sul, em Botafogo, no Rio
Quando foi comprado: 29 de setembro de 2010
Degustado em: 29 de setembro de 2010
Onde bebeu: Zona Sul, em Botafogo, no Rio
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Degustazione: Colore: Rosso rubino carico. Profumo: leggermente vinoso, fruttato con sentori di frutti a bacca rossa. Gusto: armonico ed equilibrato.
Servizio: Temperatura di servizio: 16-18 C° Aprire la bottiglia almeno un’ora prima di servirlo

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Estamos com tantos vinhos para publicar que fica difícil lembrar de detalhes daqueles sem anotações, como é o caso deste italiano. Lembro, porém, de termos combinado de não beber vinho todas as vezes que fôssemos ao Zona Sul. Intercalaríamos com sucos, para podermos gastar um pouco mais quando fôssemos escolher um vinho.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de voltar de viagem, ficamos com aquela vontade de beber os vinhos dos países que passamos. Para acompanhar nossa pizza no Zona Sul, escolhi este Chianti, mas não lembrou muito os vinhos que bebemos por lá. É um vinho básico que, se não apresenta defeitos, não chega a empolgar. Acompanhou bem nossa pizza, mas nos deixou ainda com a vontade de beber um bom vinho italiano.
Nota: 85.0

7 de dezembro de 2010

Santa Cristina - Sangiovese 2008


Nome: Santa Cristina
Safra: 2008
País: Itália
Região: Toscana
Produtor: Antinori
Site: http://www.antinori.it/
Importador: Winebrands

Uvas/Corte: Sangiovese 90%, Merlot 10%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Lorenzo, no Jardim Botânico, no Rio
Quando foi comprado: 26 de setembro de 2010
Degustado em: 26 de setembro de 2010
Onde bebeu: Lorenzo, no Jardim Botânico, no Rio
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio, Rafaela, José Rodrigo e Sabrina

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Recém-voltados de nossa viagem, marcamos dois almoços nesse fim de semana, com a família no sábado e com o Zé Rodrigo e a Sabrina no domingo. Como eles ainda não conheciam, resolvemos dar uma segunda chance ao Lorenzo. Eu acabei nem bebendo vinho, mas gostaria de comentar que nossa segunda experiência foi - novamente - meio decepcionante. Primeiro, esqueceram de fazer nossos pratos. Nos distraímos, mas depois de quase uma hora começamos a achar que havia algo errado. Logo em seguida, acho que também caiu a ficha dos garçons. Pediram desculpas, mas mesmo assim foi bem desagradável. E a comida podia estar melhor do que veio, pelo preço que custa. Acho que pensaremos muito bem antes de repetir o restaurante, se é que repetiremos.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Marcamos um almoço com José Rodrigo e a Sabrina no restaurante Lorenzo. Nossa primeira experiência neste restaurante tinha sido desastrosa. Resolvemos dar uma segunda chance e, novamente, o rstaurante deixou muito a desejar. Para acompanhar o almoço pedi uma taça deste toscano. É um bom vinho, correto e agradável. Já o restaurante....
Nota: 87,0

4 de dezembro de 2010

Pergunta da Semana - 197

Ontem o calor chegou com força por aqui. Em uma situação assim, o Le Vin au Blog pergunta:

- Você prefere abrir um vinho branco, um rosé ou um espumante?

2 de dezembro de 2010

Marco Luigi Conceito - Tempranillo 2006


Nome: Conceito
Safra: 2006
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Marco Luigi
Site:
Importador: -

Uvas/Corte: Tempranillo 100%
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Tumelero Bebidas, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 10 de julho de 2010
Degustado em: 25 de setembro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizza de mussarela e calabresa, para variar
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Aproveitamos esta degustação pós-viagem para fazermos o teste final do nosso aerador. Ele serve realmente muito bom como filtro. Este vinho apresentava muito depósito, por isso lembramos do aerador. Resolveu bem, o vinho saiu limpinho. Depois de quase um mês só de vinhos europeus, foi engraçado voltar a beber os sul-americanos. Sorte que começamos por um bom. E que combinou com a pizza.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Estilo clean. Ainda pode evoluir com relação ao peso das fontes.
Exame visual: Rubi vivo, mas com muito depósito e cristais.
Exame olfativo: Nariz fechado, com influência da rolha. Abre para notas de frutas vermelhas.
Exame gustativo: Mais um vinho bem feito pela Marco Luigi. Um vinho simples, mas bastante agradável. Esta garrafa que bebemos, pareceu já ter passado do seu auge e no início parecia que estava com influência da rolha, mas sumiu com um tempo aberto. Corpo leve, final bem marcado. É um vinho que não desagrada. A garrafa apresentou muito depósito.
Nota: 86.0

1 de dezembro de 2010

Reserva Del Fin Del Mundo 2009 - Pinot Noir #cbe



Nome: Reserva Del Fin Del Mundo
Safra: 2009
País: Argentina
Região: Patagônia
Produtor: Bodegas del Fin del Mundo
Site: http://www.bodegadelfindelmundo.com/
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 33,50
Onde foi comprado: Arte dos Vinhos, Cadeg, Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 11 de novembro de 2010
Degustado em: 14 de novembro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizza Domino's, comprada no Largo do Machado logo após assistir Parto de Viagem
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do ProdutorColor rojo rubí. Brillante
Aroma a frutos rojos, a guindas y frambuesas. Sutiles notas a vainilla y chocolate.
En boca agradable, muy frutado, de taninos suaves y largo final de boca.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Saímos do cinema já tarde, era domingo, véspera de feriado. Resolvemos comprar uma pizza na Domino's que fica perto do cinema São Luís e trazer para casa. Chegando em casa... Por que não abrir um vinhozinho? Claudio lembrou-se desse pinot que havia comprado dias antes na Cadeg. Poderia ser o vinho do mês. Trata-se de um vinho leve como um bom pinot deve ser. Bem feito, gostoso. Tem, como dizem os entendidos, notas de frutas vermelhas, mas com um que de salgado - vá entender... Diferente de outros vinhos, esse não mancha os dentes, o que acho bem bom. Vale ser provado.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo bem simples, com destaque para o triângulo dourado no centro.
Exame visual: Cor clássica de Pinot Noir, transparente e levemente alaranjado.
Exame olfativo: Nariz discreto. Não abriu durante toda a degustação
Exame gustativo: A Patagônia está ficando conhecida por produzir bons vinhos da casta Pinot Noir. Esta garrafa da Bodegas Del Fin del Mundo não chega a ser um vinho excepcional, mas é bem feito e agrada. Na boca é um vinho de corpo leve, com boa tipicidade, notas de frutas como morango e cereja. Leve mineralidade, seguindo notas salgadas. Taninos vivos e seu final fica concentrado na boca. Tem boa evolução na taça. Pelo preço que pagamos, R$ 33,50, se mostra uma opção interessante. Guarda por mais um ano apenas. Não chega a surpreender, mas vai agradar.
Nota: 87,0