25 de junho de 2010

Tamaya Reserva 2006


Nome: Tamaya
Safra: 2006
País: Chile
Região: Limary Valley
Produtor: Viña Casa Tamaya
Site: http://www.tamaya.cl/
Importador: -

Uvas/Corte: Merlot, Cabernet Sauvignon e Syrah
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 42,90, gentilmente oferecido pela Marie
Onde foi comprado: Degustare, no Rio
Quando foi comprado: 11 de junho de 2010
Degustado em: 11 de junho de 2010
Onde bebeu: Degustare, em Botafogo, no Rio
Harmonizado com: Queijos parmesão e massdam e salaminho tipo hamburguês
Com quem: Claudio, Rafaela e Marie

Comentário do Produtor
Rubí muy vivo y brillante.En nariz muestra frutos rojos pequeños, toques minerales, condimentos y madera. En boca es suave y de taninos aterciopelados. Viva y fresca estructura gracias a la fruta, logrando armonía y equilibrio. De final mineral.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Estávamos pensando em ir correr em Copacabana quando a Marie enviou uma mensagem perguntando se gostaríamos de fazer algo. Como estava ficando superfrio e caia uma chuvinha fina de pouco em pouco, resolvemos que era melhor abortar a ideia de correr e partir direto para um vinhozinho mesmo. Escolhemos o Degustare pela proximidade com o metrô e por ficar perto de casa. Claudio escolheu um bom chileno, que harmonizou tanto com a conversa quanto com os queijinhos. Foi uma noite muito agradável. Merci, Marie.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo:
Exame gustativo: Vinho de estilo moderno, com notas de frutas aparentes e com final indo para algo levemente amargo, Notas de especiarias. Evolui na taça, ficando mais redondo. É um vinho agradável, talvez esperasse um pouco mais para bebê-lo. Gosto dos vinhos do Vale del Limari e este é mais um bom exemplar vindo de lá.
Nota: 87.0

22 de junho de 2010

4ª Geração - Marselan 2007


Nome: 4ª Geração
Safra: 2007
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Dom Candido
Site: http://www.domcandido.com.br/
Importador: -

Uvas/Corte: Marselan 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 1727
Preço: R$ 35
Onde foi comprado: Tumelero Bebidas, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 24 de maio de 2010
Degustado em: 10 de junho de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa bolognesa
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vinho fino tinto seco, elaborado 100% a partir de uvas selecionadas da variedade Marselan (clone resultante do cruzamento das uvas Grenache Preto e Cabernet Sauvignon - importadas da França). Produzidas em vinhedos próprios.De coloração muito intensa, com tons de vermelho violeta. Elegante. Seus aromas são intensos com características de frutas vermelhas como amoras e toques florais,assim como de especiarias.Quanto ao gosto é um vinho com taninos nobres e macios, bem estruturado e apto para o envelhecimento. Na boca tem corpo perfeito, com retrogosto intensamente persistente.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este vinho, apesar de nosso novo aerador, começou com um pouco de gás carbônico, sentido na ponta da língua. Foi melhorando. Trata-se de um vinho gostoso, mas não creio que seja fácil de beber para quem já não tenha uma 'litragem'. O gosto dele é bastante peculiar. De início, achei que tinha algo de salgado, mas mais para frente, senti que minha boca ficava com gosto de sagu, mais para o doce. Uma coisa boa do nosso aerador é que ele retém todos os resíduos que um vinho possa ter, quase como um bom coador.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Precisa de equilíbrio. Com alguns pequenos ajuste ele apresentaria um conjunto com mais harmonia e personalidade.
Exame visual: Rubi translúcido
Exame olfativo: Início com um pouco de álcool e abre para algo levemente doce.
Exame gustativo: Depois de provar o ótimo Cave Antiga, resolvemos provar outro brasileiro da uva Marselan. Bom vinho, equilibrado e elegante, com taninos macios e notas adocicadas. Presença de frutas como ameixa madura. Utilizamos o aerador que filtrou muito bem os depósitos da garrafa. Vinho bem feito e bastante agradável. Vale provar.
Nota: 87.0

21 de junho de 2010

Primus - 2006



Nome: Primus
Safra: 2006
País: Chile
Região: Valle Casablanca
Produtor: Veramonte
Site: http://www.veramonte.com
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 36%, Syrah 31%, Merlot 17% e Carmenère 16%
Teor alcoólico: 14,5 %
Rolha: De cortiça, tamanho médio, com logomarca gravada
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 23,9o (meia garrafa)
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul
Quando foi comprado: 9 de abril de 2009
Degustado em: 9 de junho de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: pizza e pães
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Un vino poderoso, contundente con notas de especies exóticas y fruta madura. Aterciopelado con sabores a mora y cerezas se combinan con taninos intensos pero suaves.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: -
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo equilibrado, estilo antigo, remetendo a algo religioso.
Exame visual: Bordô translúcido. Bonita cor.
Exame olfativo: Nariz envolvente com notas de especiarias e algo vegetal, lembra uma mistura de vinhos de Bordeaux e Rhône.
Exame gustativo: Logo depois de degustar este vinho pela primeira vez no ano passado, ele entrou em promoção no Zona Sul. Deixamos na adega por mais de um ano até resolvermos abrir. Vinho bastante interessante em um estilo que me agrada. Na boca, uma mistura de notas vegetais com especiarias. Taninos bem marcados, sem notas de madeiras aparente e álcool bem integrado. Segue um estilo velho mundo, equilibrado e de perfil elegante e que escolta bem a comida. Final com sabor aberto e franco. É um vinho que marca. Vale a pena comprar outra garrafa e deixar guardado por um bom tempo. Ele tem todo o perfil de vinho que vai envelhecer muito bem e tornar-se ainda mais interessante. Aproveitamos para testar pela primeira vez o aerador que ganhamos, o Wine Finer. A primeira impressão foi positiva. Ainda vamos fazer outros testes e depois publicaremos nossas impressões aqui. Voltando ao vinho, recomendo e quem tiver paciência para esperar mais alguns anos será brindado com um vinho muito bom.
Nota: 90.0 +

Pergunta da Semana - 174

Como estamos em plena Copa do Mundo, a pergunta não poderia fugir desse tema. Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Na sua opinião, quem vai ganhar a Copa do Mundo 2010? Fora o Brasil, vai torcer por algum país produtor de vinhos?

20 de junho de 2010

Amadeu Brut Rosé 2008


Nome: Amadeu Brut Rosé
Safra: -
País: Brasil
Região: Pinto Bandeira
Produtor: Vinícola Cave de Amadeu
Site: http://www.amadeu.com.br/
Importador: -

Uvas/Corte: 50% Merlot, 30% Cabernet Sauvignon e 20% Pinot Noir
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 28,50
Onde foi comprado: Alipão, em Botafogo
Quando foi comprado: 5 de junho de 2010
Degustado em: 6 de junho de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Feijoada
Com quem: Claudio, Rafaela, José Rodrigo e Sabrina

Comentário do Produtor
Amadeu: O Espumante Amadeu Brut Rosé é elaborado pelo método champenoise, trazendo um caráter mais jovial. NOTAS DE DEGUSTAÇÃO: Apresenta uma bela coloração cereja claro, com excelente perlage. Boa intensidade aromática lembrando frutas vermelhas, como morango. No paladar, apresenta uma boa acidez; agradável e versátil para comida.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Para receber o Zé Rodrigo e a Sabrina, resolvemos fazer uma feijoadinha. Como já tínhamos ótimas experiências com esse Amadeu, resolvemos repeti-lo. A decisão não poderia ter sido mais acertada. É realmente muito bom, não tem aquele amargo dos bruts, que eu não gosto muito, pode ser bebido tanto sozinho quanto com a feijoada, prato com o qual harmoniza realmente muito bom. Pena que o almoço foi rápido demais, Zé e Sabrina precisavam pegar o voo para São Paulo pouco depois do almoço. Quando Claudio foi levá-los ao aeroporto é que me dei conta de que tínhamos esquecido da laranja toda cortadinha dentro da geladeira. :)
Nota: 93.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo um pouco fechado e pesado devido ao preto. Poderia ser mais atraente e leve. Não espelha a bonita cor do espumante.
Exame visual: Linda cor, algo de pêssego rosado.
Exame olfativo: Morango, muito agradável.
Exame gustativo:
Sempre que pensamos em feijoada, o Amadeu Rosé vem como opção pra harmonizar. Conseguimos combinar com o Zé Rodrigo e a Sabrina para eles almoçarem aqui em casa e resolvemos preparar uma feijoada. Mais uma vez o espumante agradou, e funcionou muito bem com o prato. Espmante muito bem feito, fácil de beber e de se gostar. Notas leves de frutas vermelhas e final com uma levíssima nota adocicada que faz toda a diferença. Boa acidez. É um espumante que recomendo, ótima relação custo/benefício. Bebemos duas garrafas durante o almoço.
Nota: 90.0

Pergunta da Semana - 173

Nesta semana o Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Qual dos três saca-rolhas abaixo você prefere?




19 de junho de 2010

Domaine de la Petite Cassagne 2006 - Five Heirs Cabernet Franc 2006 - Pago de Cirsus 2006 - Esteva 2007


Nome: Domaine de la Petite Cassagne - Lourensford Five Heirs Cabernet Franc - Pago de Cirsus - Esteva
Safra: 2006 - 2006 - 2006 - 2007
País: França - Africa do Sul - Espanha - Portugal
Região: Nîmes - Stellenbosch - Navarra - Douro
Produtor: Le Cap de Diane - Lourensford - Bodegas Iñaki Nuñez - Casa Ferreirinha (Sogrape)
Site: - - http://www.lourensford.com/ - http://www.pagodecirsus.com/ - http://www.sogrape.pt/
Importador: Premium - Paralelo 35 - Decanter - Zahil

Uvas/Corte: 30% Grenache, 30% Syrah, 40% Carignan - Cabernet Franc, Mourvedre - 20% Tempranillo, 40% Merlot, 40% Cabernet Sauvignon - Tinta Roriz, Touriga Franca e Tinta Barroca
Teor alcoólico: 13,5% - 14% - 14,5% - 13%
Rolha: Sintética - Sintética - Cortiça com logomarca - Cortiça pequena
Numeração da garrafa: -
Preço: Não anotei
Onde foi comprado: La Botella, em Ipanema
Quando foi comprado: 01 de junho de 2010
Degustado em: 01 de junho de 2010
Onde bebeu: La Botella, em Ipanema
Harmonizado com: sanduíches, queijos
Com quem: Claudio, Miguel, Marcelo e Ricardo

Comentário do Produtor
ESTEVA 2007 caracteriza-se por uma cor vermelha rubi, muito viva. O seu aroma é dominado por frutos vermelhos maduros (groselha e framboesa), e uma ligeira componente floral de violeta. A sua complexidade deve-se tanto à selecção cuidada de lotes com as castas recomendadas da Região do Douro como à evolução na garrafa. Possui um bom equilíbrio resultante da suavidade da Tinta Barroca, do corpo e persistência da Touriga Franca e da elegância e taninos da Tinta Roriz.

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Uma noite de ótimos e diferentes vinhos no La Botella. Em mais um encontro mensal dos amigos da faculdade, aproveitamos a noite fria para degustar alguns vinhos. Começamos com o interessante francês de Nîmes. Vinho leve, elegante e sutil. Uma ótima opção para quem quer um estilo de vinho velho mundo, sem pagar os preços altos dos bons vinhos franceses. Um vinho agradável e que não faz feio. Mudamos um pouco o estilo e seguimos com uma indicação do Jean, um ótimo Cabernet Franc sul-africano. Vinho de bom corpo, com claras notas vegetais e de pimentas, taninos firmes, pronto para beber. Estilo interessante desta cepa que gosto bastante. Partimos para a Espanha, com um vinho de estilo um pouco mais moderno, com mais fruta aparente. Vinho fácil de se beber, macio e que agrada. Para finalizar a noite, ainda tivemos fôlego para uma quarta garrafa: o Esteva. Abrimos e infelizmente o vinho tinha sinais claros de estar bouchoneé. Jean um dos donos do La Botella, abriu uma nova garrafa, na qual toda a vivacidade do vinho estava presente. Ótima noite, com vinhos diferentes e interessantes.
Nota: 87.0+, 90.0, 87.0, 88.0

18 de junho de 2010

Tosca - Chianti Colli Senesi 2006 - 18ª Harmonização Virtual





* Esta é a 18ª Harmonização Virtual Entre Blogs, realizada pelo Gourmandise e pelo Le Vin au Blog. Participaram os amigos Alexandre e Vanessa do Menu de Baco e Daniel do Vinhos de Corte. Não percam também o relato muito especial do Roberto, do Antica Osteria Marino.

Nome: Tosca
Safra: 2006
País: Itália
Região: Montepulciano, Toscana
Produtor: Tenuta Valpiatta
Site: http://www.valdipiatta.it/eng/pag/contatti.htm
Importador: Zahil

Uvas/Corte: 90% Sangiovese, 10% Canaiolo Nero
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça com leve infiltração
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pela Lilian, da Zahil
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: 16 de junho de 2010
Degustado em: 17 de junho de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Fettuccine Bolognese, receita adaptada, pela Nina do Gourmandise, da receita do chef André Mifano (restaurante Vito).
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vermelho rubi com reflexos violáceos. Translúcido, bastante fluído. Muito frutado, desde o início, com toques delicados de madeira, evoluindo para caramelo com algum tempo de taça. Bom equilíbrio na boca, com taninos expressivos.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo:Existem vinhos que parecem ficar melhor sozinhos do que acompanhados. Não é exatamente o caso desse, mas quase. Quando começamos a degustação, eu estava pensando isso, que talvez - apesar de italiano e da fama de italianos acompanharem bem uma comida - ele ficasse melhor sozinho, mas a percepção foi mudando à medida que ele ia respirando um pouco mais. Claudio achou que ele estava com um leve gosto de rolha. Um pouco, mas nada que atrapalhasse o sabor. A coisa ruim do vinho era o gosto excessivo de álcool. Em relação à harmonização, creio que saiu empate - bem no clima desta Copa do Mundo. Tanto o prato e o vinho, juntos, mostraram-se bem equilibrados, apesar de não mostrarem ser a combinação dos sonhos. O prato é realmente bem gostoso. Acabei me lembrando de outra degustação que fizemos com pedacinhos de carne que derretiam na boca. O prato conserva o gosto lácteo dos ingredientes. A receita vale ser repetida.
Nota: 88.0
Harmonização: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Desequilibrado, merece um novo desenho.
Exame visual: Rubi bastante translúcido. Cor de Chianti.
Exame olfativo: Nariz fechado e com notas que pareciam que o vinho estava Bouchonee.
Exame gustativo: Gosto bastante de Chiantis, acho que é um tipo de vinho agradável para acompanhar comidas sem um peso muito grande. Estava com bastante espectativa com relação a esta harmonização. Posso estar sendo chato, mas acho que o vinho não estava em 100% de sua forma. Dava para perceber que o vinho tinha mais a apresentar e algo estava em desacordo. E pelo simples fato de achar que o vinho não estava em perfeitas condições, isso atrapalhou um pouco a harmonização. Gostei muito do prato. A carne ficou com uma textura levemente cremosa, muito macia e com sabores bem interessantes. Um prato que recomendo. O ataque inicial do vinho junto com a comida funcionava muito bem, um certo equilíbrio com uma combinação agradável. Contudo, o seu final acentuava o álcool. Vou provar novamente este vinho para tirar minhas dúvidas e depois coloco minhas notas aqui.
Nota: -

16 de junho de 2010

Don Abel Premium - Cabernet Sauvignon 2005


Nome: Don Abel Premium
Safra: 2005
País: Brasil
Região: Casca, RS
Produtor: Vinícola Dom Abel
Site:www.donabel.com.br
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: Lote 001
Preço: R$ 17,99
Onde foi comprado: Tumelero Bebidas, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 24 de maio de 2010
Degustado em: 4 de junho de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Queijo camembert e Prima Donna, Pães do Talho Capixaba, hambúrguer, cogumelos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
O Don Abel Cabernet Sauvignon Premium foi elaborado a partir de uvas 100% Cabernet Sauvignon produzidas em vinhedos próprios e cuidadosamente selecionadas. É um vinho de cor vermelho rubi intenso, encorpado, maduro e rico em aromas. O paladar é de frutas vermelhas, baunilha. Sem madeira e sem adição de açúcar. Servir entre 16 e 18 graus.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Nariz de vinho simples, mas bem feito.
Exame gustativo: Isso é o que se pode dizer de um vinho com preço justo. Pagamos menos de 20 reais por este vinho. Se estivesse em uma degustação às cegas, provavelmente todos chutariam um valor bem mais alto, pois o vinho mostrou-se realmente merecedor de muitos elogios. Quando vimos já estávamos no fim, o que realmente só acontece com vinho bom. Vale provar!
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Este vinho merecia uma nova programação visual. Rótulo desequilibrado e feio. Não combina com o vinho.
Exame visual: Bordô vivo.
Exame olfativo: Nariz unidimensional. Direto com notas de frutas e algo doce.
Exame gustativo: Esta é a terceira vez que degustamos uma garrafa de Don Abel. Nas outras duas vezes provamos o Merlot e nas duas vezes o resultado foi bastante satisfatório. Desta vez abrimos um Cabernet Sauvignon que foi trazido pela Rafaela de Caxias do Sul. Vinho de paladar intenso, chega a lembrar alguns Cabernets chilenos. Notas de frutas, algo como goiaba e ameixa. Boa estrutura, ainda vivo depois de 5 anos de vida e acho que ainda pode crescer um pouquinho. Vinho fácil de se beber com final firme e vivo. Conseguimos comprar esta garrafa por menos de R$ 20,00. É um valor excelente para o que o vinho oferece. Um vinho brasileiro muito competitivo, pelo valor e pela sua qualidade. Vinho muito interessante.
Nota: 87.0+

15 de junho de 2010

Avondale Reserve - Muscat Blanc 2007 #cbe


Esta é uma edição especial das degustações propostas pela Confraria Brasileira de Enoblogs. A ideia era provar um vinho da África do Sul em referência à Copa do Mundo 2010. A sugestão partiu do confrade Cristiano, do blog Vivendo Vinhos.

Nome: Avondale Reserve
Safra: 2007
País: África do Sul
Região: -
Produtor: Johnathan Grieve
Site: http://www.avondalewine.co.za/
Importador: Vinhos do Mundo

Uvas/Corte: Muscat Blanc 100%
Teor alcoólico: 16%
Rolha: Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo casal Marcelo e Josi, da Branco Tinto
Onde foi comprado: L'Orangerie, em Laranjeiras, no Rio
Quando foi comprado: 7 de janeiro de 2010
Degustado em: 29 de maio de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Tarte Tatin com sorvete de creme
Com quem: Claudio, Rafaela, Miguel, Paula, Marcelo e Carol

Comentário do Produtor
Attractive, crystal golden hue with intense flavour of litchi, lime and even some marzipan. Beautiful balance of flavour sweetness and body leave your tastebuds screaming for more. Finishes nice and clean, nothing sticky but the awesome flavour of Muscat.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Acho que eu nunca tinha provado um vinho de sobremesa tão bom, não que eu me lembre, pelo menos. Além de ser delicioso puro, ele ainda harmonizou de forma espetacular com a nossa estreia como fazedores de Tarte Tatin - ela ficou levemente queimadinha, mas muito boa.
Nota: 94.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Destaque ao belo formato da garrafa, muito atraente. Rótulo, simples e eficiente.
Exame visual: -
Exame olfativo:
Exame gustativo: Belo vinho de sobremesa sul-africano. Aproveitamos para abrir esta garrafa junto com uma Tarte Tatin que fizemos. Vinho muito bem equilibrado, com bom corpo, cremosidade. Na boca, equilibrado e sem açúcar em excesso. Parece um doce em caldas de uvas verdes, sem excesso. Muito bom. Funcionou muito bem com o charuto Romeo y Julieta que o Miguel estava fumando. Boa experiência.
Nota: 90.0

14 de junho de 2010

Dom Rafael 2007 / Norton Reserva 2005 / Salton Moscatel


Nome: Dom Rafael / Norton Reserva / Salton Moscatel
Safra: 2007 / 2005 / -
País: Portugal / Argentina / Brasil
Região: Alentejo / Mendoza / Vale dos Vinhedos
Produtor: Herdade do Mouchão / Bodegas Norton / Salton
Site: www.mouchaowine.pt / www.norton.com.ar / www.salton.com
Importador: Adega Alentejana / Decanter / -

Uvas/Corte: Aragonez, Trincadeira e Alicante Bouschet / Malbec / Moscatel
Teor alcoólico: 14% / 14% / 7,5%
Rolha: Cortiça / Cortiça / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Presenteado ao Claudio pelo Marcelo / Gentilmente oferecido pelo Marcelo / Comprado pela Carol
Onde foi comprado: Castelo do Vinho, no Rio / Buenos Aires / -
Quando foi comprado: novembro de 2009 / fevereiro de 2010 / maio de 2010
Degustado em: 29 de maio de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Salada Rafaela, Quiche de cebola e paçoca de pinhão
Com quem: Claudio, Rafaela, Miguel, Paula, Marcelo e Carol

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Neste ano ainda não tínhamos conseguido fazer um jantar aqui em casa. Em janeiro, no aniversário do Miguel, combinamos vários encontros, mas no final, cada um acabou se envolvendo em projetos pessoais - apartamento novo, casamento, filhos, mestrado... - e as atividades ficaram em segundo plano. Como Marcelo havia comprado esse Norton para ser bebido por ele, Miguel e Claudio, estávamos há um tempão tentando marcar esse jantar. Finalmente, deu certo, mesmo sem a presença do Ricardo e da Raquel. Foi uma noite muito agradável e engraçada. Na minha opinião bem modesta, estava tudo bom, a comida, a bebida, as companhias. Adorei. Os vinhos não decepcionaram. Foi a primeira vez que abrimos uma garrafa magnum. Carol, que "não quis desperdiçar os vinhos", trouxe um espumante e se deliciou com ele. :)
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este encontro foi marcado para degustarmos o Norton Reserva Malbec que o Marcelo trouxe da Argentina. Este vinho tem um significado especial, pois a safra 2002 foi um dos primeiros vinhos que degustamos juntos. Aproveitamos para iniciar a noite com uma outra garrafa que ganhei de aniversário do Marcelo: o Dom Rafael magnum. Foi um vinho que agradou, corpo médio, bem acabado. Evoluiu um pouco na taça. Não é um vinho tão complexo, mas fácil de beber. Ótimo opção. Seguimos para o Norton. Esta safra não estava tão marcante quanto a de 2002. Foi um bom vinho, mas não surpreendeu. A noite foi muito agradável.
Nota: -

10 de junho de 2010

Château Girabelle 2006


Nome: Château Girabelle
Safra: 2006
País: França
Região: Corbières
Produtor: Château Saint Esteve
Site:
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: 45% Carignan, 35% Grenache e 20% Syrah
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 18
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul, em Botafogo
Quando foi comprado: 27 de maio de 2010
Degustado em: 27 e 28 de maio de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Miojo com nugets / Farfalle ao pesto
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo:
A exemplo do que o Claudio havia feito já no início da semana, resolvemos beber uma garrafa de vinho em duas etapas. Foi uma boa ideia. O vinho era bem gostoso, mas não fiz anotações e como ando com a minha cabeça cheia por causa do mestrado, confesso não ter registrado muita coisa sobre ele.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual:
Violeta leve e translúcido.
Exame olfativo: -
Exame gustativo:
Nossa adega anda um pouco vazia de vinhos para degustarmos no dia-a-dia. Com isto temos regularmente comprado vinhos mais baratos aproveitando as ofertas do supermercado Zona Sul. Este francês foi mais um desta lista. Aproveitando que estava um dia mais frio e que estávamos no supermercado, fui ver quais eram as ofertas da semana. Vinhos franceses básicos. Escolhi este de Corbières. É um vinho bem simples, básico, mas correto e agradável. Vinho sem pretenções, mas que com um prato de comida faz muito bem o seu papel. Vale ter em casa para aqueles dias que você quer beber uma taçinha sem maiores preocupações.
Nota:
86.0

Pergunta da Semana - 172

Na semana passada, foi lançado o Descorchados 2010, guia que inicialmente tratava sobre vinhos chilenos, depois expandiu para os vinhos argentinos e nesta edição estreou a avaliação de vinhos brasileiros. A partir dessa notícia, nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Você já comprou alguma edição do Descorchados? O que você acha de o Brasil ter sido incluído? O que você acha do preço - R$ 150?

9 de junho de 2010

Degustação de Vinhos da Espanha



Dia 8 de junho, participamos da Degustação de Vinhos da Espanha. Como o horário estava apertado, acabamos provando apenas alguns dos vinhos apresentados.

Comentário da Rafaela
Ficamos bem felizes quando fomos convidados para a degustação de vinhos espanhóis e logo nos programamos para participar. Só não esperávamos que vários outros compromissos acabassem sendo marcados para o mesmo dia. O resultado foi que acabamos ficando menos do que gostaríamos. Eu até poderia ter ficado um pouco mais, mas apesar de estar de férias nesta semana, tinha alguns assuntos do mestrado para serem resolvidos e precisei voltar para casa logo. A degustação foi realizada no Sheraton Rio, na Avenida Niemeyer.

Para início de conversa, a vista do foyer onde foi realizada a feira é muito bonita. E os organizadores capricharam, pois havia um número significativo de vinícolas, representadas por simpáticos espanhóis. Como ficamos pouco, acabamos conversando apenas com cinco deles. O mais animado e simpático estava ali para apresentar a 'vinícola de su papa', a Vintae. Ricardo nos mostrou todos os vinhos, fazendo comentários e "chistes". Os vinhos brancos, da série Spanish Guerrilla, são muito bons e têm rótulos engraçados. O vinho que gostei mais foi o Nine, uma mistura muito boa de tempranillo com cabernet franc, duas uvas que gosto muito.

Dali, seguimos para a Dominio Basconcillos, onde fomos atendidos por um espanhol bem arrumadinho. O Viña Magna Reserva vale ser provado, pena que ainda não tenha importadora por aqui - tomara que tenha conseguido uma durante a feira. Ah, sim, a primeira prova que fizemos foi de um espumante do Grupo Freixenet, chamado Elyssia, muito gostoso. Passamos um bom tempo provando os vinhos das Bodegas Ramón Bilbao. Gostei especialmente do Ramón Bilbao Mirto. Se pudesse, faria um jantar hoje mesmo acompanhado por esse vinho. Pena que não vende aqui no Brasil, ainda. Na saída, provamos um branco, o Valserrano Crianza, das Bodegas de La Marquesa. O chato é que tivemos de sair correndo e nem pudemos provar outros ou dar a atenção que o moço simpático que nos atendeu merecia. Quem sabe numa próxima.

Um comentário à parte: Gosto muito de ir a essas feiras. São ótimas para descobrir vinhos bem interessantes. Pena que grande parte delas tenha preços tão fora da nossa realidade - em breve serão realizadas a da Mistral, que custa R$ 290 (!!!) por pessoa e a da Decanter, R$ 180 por pessoa. Devem ser bem legais, mas sinceramente não acho que sejam muitos os enófilos com toda essa grana para gastar numa feira. Claro que trazer os produtores custa dinheiro e talvez o público final nem seja o público-alvo, mas bem que podiam oferecer ingressos por um valor menos surreal.

Comentário do Claudio
Nesta terça, estivemos no evento "Vinos de España", uma iniciativa do Instituto Español de Comercio Exterior (ICEX) junto com a Cámara de Comercio e Industria de Valladolid y la Oficina Económica y Comercial de la Embajada de España en Sao Paulo. Evento muito bem organizado, com cerca de 40 expositores/produtores espanhóis, a grande maioria sem importadores para o Brasil. Devido a outros compromissos agendados, tivemos pouco tempo no salão do Sheraton. Ainda assim, conseguimos comprovar a qualidade dos produtos apresentados em cinco expositores, nos provamos os vinhos. Vamos aos destaques:
- Do grupo Freixenet, provamos o ótimo Elyssia Pinot Noir, cava rosé bastante fresco;
- Seguimos para conhecer a linha de vinhos da Vintae - www.vintae.com - onde conversamos com Ricardo. Garrafas e rótulos interessantíssimos. Para que aprecia rótulos difentes, vale conhecer. Além dos rótulos, uma linha de vinhos de brancos chamada Guerrilla. Vinhos aromáticos, leves e refrescantes com um baixo custo. Tem tudo para fazer sucesso aqui no Brasil. Todos os tintos provados mostraram qualidades, destaques para a linha "9".
- Na sequência, provamos os 3 excelentes vinhos da Viña Magna - www.dominiobasconcillos.com. Vinhos da Ribeira del Duero, alta qualidade, de produção pequena e muito bem acabados. Ao provar os vinhos, ficamos imaginando que eles seriam excelentes companhias para comidas. Espero que estes vinhos cheguem ao Brasil.
- Na Ramón Bilbao - www.bodegasramonbilbao.es - começamos provando um ótimo Albariño, o Mar de Frades. Impressionou a qualidade dos vinhos, desde a linha de entrada até o seu top, o excelente Mirto que nos deixou a vontade de degustar uma garrafa com mais calma.
- Por último, estivemos na Bodegas de la Marquesa - www.valserrano.com -, onde provamos mais um ótimo branco, à base de Viura.

A impressão geral foi de um evento muito bem organizado, vinhos mais básicos com uma qualidade interessante, boas surpresas com os vinhos brancos e vinhos de gamas superiores muito bem feitos. Esperamos que logo possamos ver esses vinhos com importadores para o Brasil.

8 de junho de 2010

Bordeaux d'Estournel 2007


Nome: Bordeaux d'Estournel
Safra: 2007
País: França
Região: Bordeaux
Produtor: Les Chais de Rions
Site: -
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Merlot 60% e Cabernet Sauvignon 40%
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 26
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul, em Botafogo
Quando foi comprado: 26 de maio de 2010
Degustado em: 26 de maio de 2010
Onde bebeu: Supermercado Zona Sul
Harmonizado com: Pizzas de calabresa, portuguesa e mussarela
Com quem: Claudio, Rafaela, Marie e Márcia

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Não poderia estar mais feliz neste dia. Minha comadre Márcia havia acabado de chegar para a cobertura do Fashion Rio e veio jantar conosco. Para a noite ficar ainda mais animada, chamei nossa amiga Marie. Claudio foi junto para nos acompanhar na pizza. Como fazemos às vezes com nossas visitas - adoramos cozinhar, mas passamos por épocas pouco inspiradas -, nós as recebemos no Zona Sul. Para acompanhar nosso papo, Claudio escolheu esse francês, também em homenagem à Marie. Ele não fez feio. Estava supergostoso, como a conversa. Pena que esses encontros não são mais frequentes. Sorte que conseguimos nos rever no sábado mais um pouquinho.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Destaque para a pequena ilustração do elefante. Diferente do que normalmente vemos em rótulos de Bordeaux
Exame visual: -
Exame olfativo:
Exame gustativo: Já havíamos degustado este mesmo vinho da safra 2005. Este 2007 se mostrou um Bordeaux básico, mas muito agradável e bem feito. Um vinho leve, fácil de beber e uma boa opção. Boa entrada em boca, notas leves de frutas com um tostado. Álcool na medida para o perfil de vinho. Se tiver nova promoção no Zona Sul, vale comprar outro para beber no meio da semana sem compromisso.
Nota: 86.0+

7 de junho de 2010

Veramonte Reserva Cabernet Sauvignon 2008


Nome: Veramonte Reserva
Safra: 2008
País: Chile
Região: Colchagua Valley
Produtor: Veramonte
Site: www.veramonte.com
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: 94% Cabernet Sauvignon, 4% Merlot, 2% Cabernet Franc
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça com logomarca gravada
Numeração da garrafa: -
Preço: R$26,89
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul, em Botafogo
Quando foi comprado: 21 de maio de 2010
Degustado em: 22 de maio de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Hamburguer caseiro
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Color Rojo profundo, intenso, rubí. Aroma Notas de frutos rojos y negros integrados elegantemente a los aromas de madera del vino. Sabor Intensos sabores a cerezas negras, arándanos y moras se acentúan por una excelente integración de la madera. Taninos grandes, intensos, pero suaves dan una sensación de gran concentración y riqueza de este vino.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Poderia ter um equilíbrio melhor. Possui elementos gráficos interessantes que poderia ser melhor explorados.
Exame visual: Rubi vivo.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Em março, havia degustado a safra 2007 deste vinho. Neste mesmo dia vi que a safra 2008 já estava sendo vendida e por curiosidade o vinho vinha de outro vale, mudou do Maipo para o Colchagua. Fiquei curioso para provar esta outra safra e comparar com a 2007. Rafaela havia viajado e resolvi preparar um hamburguer caseiro e comprei este Cabernet para acompanhar. Bebi em duas etapas. Logo ao abrir o vinho apresntou notas vegetais fortes, que parecia vinda de taninos verdes, mas depois de um longo tempo aberto estas notas diminuiram e algo de fruta como ameixa apareceu. No dia seguinte ele estava mais equilibrado e bastante agradável. No geral acredito que este vinho possa ficar mais um tempo em garrafa para evoluir. É um bom vinho, de ótimo custo e com boas características da Cabernet. Vale ter na adega para abrir sem compromissos.
Nota: 87.0

6 de junho de 2010

Turnbull Old Bull - 2005


Nome: Turnbull Old Bull
Safra: 2005
País: Estados Unidos
Região: Napa Valley
Produtor: Turn Bull Wine Cellar
Site: www.turnbullwines.com
Importador: -

Uvas/Corte: 70% Merlot, 11% Tempranillo, 7% Petite Sirah, 5% Syrah, 4% Sangiovese, 3% Barbera
Teor alcoólico: 14,1%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Nos Estados Unidos, gentilmente pela Patty
Quando foi comprado: Dezembro de 2009
Degustado em: 18 de maio de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa e molho bolognesa, comprados na Suprema, em Copacabana
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Rich with aromas of plums, berries, dried cherries and a touch of mocha, in the glass the dense dark flavors of blackberry and cocoa dominate. A true blend of our estate lots, the wine has additional complexity from the rich tapestry of varietals found within.The Viticulture: Our Old Bull reflects our philosophy that great wines begin in the vineyard. Everything we do in the vineyard is about maximizing varietal character and creating balance in our wines.The Winemaking: A proprietary wine created to be balanced and inviting. We blend varieties to create a wine that is more compelling and richer than the sum of the parts. Each varietal is fermented separately in stainless steel tanks and aged in traditional cooperage for thirteen monthsThe Result: A wine that is fragrant and inviting; a wine of medium body with both power and finesse.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Neste dia, eu fui à dentista em Copacabana. Na volta, pensando no nossa jantinha, resolvi passar na Suprema, uma loja de massas + lanchonete, em Copacabana. Escolhi uma massa fresca e um potinho de bolognesa. Para acompanhar, resolvemos abrir esse americano que já estava há algum tempo na adega. Quando cheguei e fomos esquentar nossa comida, a casa foi invadida por um agradável cheiro de jantinha - mesmo que não feita por nós. O vinho mostrou-se novamente uma boa companhia para o prato. Sabor intenso, final longo. Notas, como dizem os entendidos, de frutas vermelhas. Claudio comentou sobre o vinho ter madeira. Confesso que mesmo depois de mais de 500 garrafas consumidas ainda não sei distinguir quando o vinho foi armazenado em madeira ou metal. Quem sabe depois das próximas 500. Vinho muito bom.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo supersimples.
Exame visual: Grená límpido.
Exame olfativo: Nariz interessante e rico, com notas doces e frutas, como cereja.
Exame gustativo: Este foi o segundo vinho deste produtor que degustamos graças a Patty que sempre que vem ao Brasil traz gentilmente algumas garrafas californianas paraprovarmos. Não tão bom quanto o primeiro Turnbull que degustamos (leia aqui), mas um vinho com personalidade. Como li em alguns comentários de blogs, um vinho que os americanos gostam de beber fazendo churrascos. Sabor forte, taninos bem marcados e um final longo. Entrada de boca é doce, mas não lembra um "fruit bomb", sem excesso. Seu final é intenso e bem marcado, lembrando cacau e mostrando a presença de uma madeira tostada. Final peculiar. Vinho cresce depois de um tempo aberto e é prazeroso. Um blend bem diferente do que estamos acostumados a beber. Um bom vinho.
Nota: 89.0

3 de junho de 2010

Muruve Joven 2008


Nome: Muruve Joven
Safra: 2008
País: Espanha
Região: Toro
Produtor: Bodegas Frutos Villar
Site: http://www.bodegasfrutosvillar.com/
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Tinta de Toro 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 24,78
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul, em Botafogo
Quando foi comprado: 14 de maio de 2010
Degustado em: 14 de maio de 2010
Onde bebeu: Supermercado Zona Sul, em Botafogo
Harmonizado com: Pizzas Calabreza e Marguerita
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color Limpio, brillante, rojo guinda vivo intenso en capa fina, matices azulados y violáceos.Aroma Aromas intensos a fruta verde y madura propios de bayas silvestres (mora y zarzamora).Boca Muy estructurado, amplio y frutoso, en retronasal es persistente, dejando una sensación tánica agradable. Temperatura de servicio 16º - 18 °C Recomendado Carnes y asados.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Vinho de vinho simples, mas bem feito.
Exame gustativo: Vinho bem agradável ao paladar, mas com certa personalidade, ele marca a boca. Não nega os 14% de álcool, apesar de eles estarem bem integrados. Tem um fim de vinho argentino. Ótimo custo-benefício. Boa opção para acompanhar uma pizza do Zona Sul.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
O forte laranja da cápsula e também presente no rótulo dão a personalidade para esta garrafa.
Exame visual: Bordô vivo.
Exame olfativo: Nariz unidimensional. Direto com notas de frutas e algo doce.
Exame gustativo: Aproveitamos a promoção de vinhos espanhóis do Zona Sul para provarmos este vinho do Toro. Vinho direto e correto, com notas de frutas como cereja e framboesa, bem maduros, intenso e levemente doce. Seu final é bem firme. Um vinho com estilo Novo Mundo, com o conjunto um pouco pesado. Funcionou bem com a pizza.
Nota: 86.0+

2 de junho de 2010

Rio Sol Grand Prestige Rosé 2008 #cbe


Este vinho foi degustado como vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs. A sugestão de uma degustação de espumante produzido no Nordeste foi dada pela Fabiana Andrade, do blog Vim, Vinho, Venci, que sugeriu a degustação de um espumante produzido no Nordeste - por acaso acabamos escolhendo o mesmo vinho que a Fabiana.

Nome: Rio Sol Grand Prestige Rosé
Safra: 2008
País: Brasil
Região: Vale do São Francisco
Produtor: Rio sol
Site: http://www.vinibrasil.com.br/
Importador: -

Uvas/Corte: Syrah 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 25,90
Onde foi comprado: Cobal do Humaitá
Quando foi comprado: 22 de maio de 2010
Degustado em: 30 de maio de 2010
Onde bebeu: Casa do Mauro e da Marcela, no Rio
Harmonizado com: Feijoada do Mauro
Com quem: Claudio, Rafaela, Mauro, Marcela, Regina Helena, Andréa e Tab

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bela cor de ferrugem
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A feijoada do Mauro estava tão boa que deixou o espumante bem apagadinho. Na verdade, achei que não harmonizou em nada. Eu prefiro espumantes mais doces e este, com a comida, ficou mais para amargo. Sozinho, ele até que pode ser bebido, mas, diferente do ótimo Amadeu, este não serve para ser bebido com feijoada.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Combinação de cores da garrafa é bem feita. O conjunto é bonito.
Exame visual: Cor bastante atraente, intenso rosado. Perlagem fina e discreta.
Exame olfativo: Bem fechado, depois de algum tempo apareceram notas discretas de frutas vermelhas.
Exame gustativo: Esperava mais deste espumante. A ideia era degustar este espumante rosé com uma feijoada, pois em experiências anteriores com o Amadeu Rosé o resultado foi excelente. O espumante se mostrou básico na boca, fechado, duro e com um leve amargor. A garrafa demorou a ser degustada, o que para um espumante não era um bom sinal. Tentamos harmonizar com a feijoada e o resultado também não agradou. No geral em nenhum momento da degustação o espumante não mostrou à que veio e não empolgou. Temos que provar um outro espumante do Nordeste brasileiro.
Nota: 84,0

1 de junho de 2010

Pergunta da Semana - 171

Na semana passada, perguntamos sobre qual garrafa de espumante era mais atrativa, nesta, o Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Qual das logomarcas das três importadoras abaixo você acha mais impactante?