26 de janeiro de 2010

Pergunta da Semana - 153

Toda quarta-feira, publicamos aqui uma pergunta relacionada ao mundo do vinho para saber mais sobre os seus hábitos e gostos. Nesta semana, a pedido do nosso fiel "respondedor" de perguntas da semana, o Marcão, do espressa-mente!, o Le Vin au Blog quer saber:

- Você tem o hábito de colecionar rótulos? Como faz para retirá-los das garrafas? Alguma vez já entrou em contato com alguma vinícola para pedir algum rótulo que gostava?

25 de janeiro de 2010

Qaramy Finca - 2005


Nome: Qaramy Finca
Safra: 2005
País: Argentina
Região: Tunuyán, Mendoza
Produtor: Bodega Viña Qaramy
Site: www.qaramy.com
Importador: -

Uvas/Corte: Malbec 61%, Cabernet Sauvignon 23% e Syrah 16%
Teor alcoólico: 15%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 45 pesos
Onde foi comprado: The Vines, em Mendoza, Argentina
Quando foi comprado: 19 de dezembro de 2009
Degustado em: 11 de janeiro de 2010
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizza Resende
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
TASTING NOTES: Inky jet black with dark garnet hues and like a beautiful concierto, this concentrated wine exudes complexity, fortitude and passion. Complex boysenberry, coffee, blueberry and leather aromas integrate intimately with the smooth, lush plum, leather, red cranberry, cinnamon and dulce de leche flavors. A lingering finish of vibrant tannins and brilliant spices complete this harmonious experience.

Comentário da Rafaela
Exame visual: A cor mais normal de se ver em um vinho tinto: rubi
Exame olfativo: Coça o nariz, cereja, depois, incenso.
Exame gustativo: Este é um dos últimos vinhos trazidos de Mendoza que ainda restavam na adega. É um vinho adorável. Gostoso, com gosto de cereja de chuchu - algo que eu adoro. :) Lembra cobertura de morango. Apesar de qualquer um já estar achando que se trata de um vinho enjoativo, essa é uma impressão falta. O vinho é, na verdade, elegante, intenso e apresenta um quê de especiarias. Vale muito, mas muito mesmo, ser provado.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Simples, moderno e marcante. Belo estilo.
Exame visual:Rubi límpido, não muito escuro.
Exame olfativo: Início fechado e após decantação abriu para algo como doce de ameixa e cereja misturado com alguma coisa de embutido.
Exame gustativo: Belo vinho argentino. Um blend de 3 uvas, e que nem de perto aparenta ter os 15% de álcool divulgado no rótulo. Vinho que foge um pouco da monotonia da grande maioria de vinhos da Argentina, sem madeira aparente, sem excesso de fruta. Uma bela mistura de intensidade de sabor com elegância e um pouco de complexidade. na boca algo com cereja e final tendendo para o doce. Podia ter um final mais longo. É agradável e com personalidade. Fica a dica para quem quer provar um vinho Argentino que não encontramos por aqui.
Nota: 90.0

24 de janeiro de 2010

Crios - Malbec 2008 / Monte das Servas - 2008


Nome: Crios / Monte das Servas
Safra: 2008 / 2008
País: Argentina / Portugal
Região: Mendoza / Alentejo
Produtor: Susana Balbo / Herdade das Servas
Site: www.dominiodelplata.com.ar / www.herdadedasservas.com
Importador: Cantu / -

Uvas/Corte: Malbec / 80% Roupeiro, 10% Rabo de Ovelha, 10% Arinto
Teor alcoólico: 14% /13,5%
Rolha: Rosca / Cortiça
Numeração da garrafa: - / -
Preço: R$ 37,50 / R$ 57,20
Onde foi comprado: L'Orangerie, no Rio
Quando foi comprado: 7 de janeiro de 2010
Degustado em: 7 de janeiro de 2010
Onde bebeu: L'Orangerie, no Rio
Harmonizado com: Queijos e sanduíches
Com quem: Claudio, Rafaela, Josi e Marcelo

Comentário do Produtor
A Herdade das Servas é o berço de vinhos que refletem a história de uma zona de origem demarcada que afirma as suas características e qualidades. A dedicação com que são produzidos há várias gerações, dão-lhe um corpo e uma alma ímpares e inconfundíveis.
Cor Tem cor cítrica, ligeiramente aloirada. Aroma Limpo de frutas tropicais e algumas notas de mel. Sabor Boa acidez, complexo e bem estruturado. Possui agradável e persistente final.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A noite não poderia ter começado melhor com esse Rose Crios. Quando chegamos à L'Orangerie, logo pensei em provar novamente um Crios e fiquei mais do que feliz quando o Marcelo e a Josi escolheram justamente um vinho dessa família. Trata-se de um vinho leve, gostoso. Josi comentou que ele tem um quê de vinho tinto, pela permanência. Adorei. O segundo vinho da noite, mostrou-se levemente docinho, para o meu paladar, no início, mas logo depois o achei mais amargo. Gosto de pêssego. Fazia muito tempo que não saíamos com alguém para bebermos um vinho e falávamos tanto sobre esse assunto. Foi ótimo. Tomara que consigamos repetir a dose quando um dia formar para os lados de Campinas.
Nota: 89.0 / 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:

Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Noite agradável quando conhecemos pessoalmente o Marcelo e a Josi. Durante a conversa degustamos dois vinhos escolhidos pela Josi. Começamos pelo ótimo Crios rosé. Um Rosé com corpo e estrutura, lembrava um tinto leve. Uma boa opção. Aproveitando o dia quente que fez no Rio, a Josi escolheu o branco português. Um bom vinho, mas que não empolgou. Ao primeiro gole achamos que o vinho evoluiria e abriria o que não aconteceu. Um branco com corpo parecendo ter estagiado em madeira. Foi uma óima noite.
Nota: 89.0 / 86.0+

23 de janeiro de 2010

Pergunta da Semana - 152

Toda quarta-feira, publicamos aqui uma pergunta relacionada ao mundo do vinho para saber mais sobre os seus hábitos e gostos. Nesta semana, Le Vin au Blog quer saber:

- Você costuma sentir o cheiro de frutas, especiarias e outros aromas para treinar seu olfato?

21 de janeiro de 2010

Monte Velho - 2008


Nome: Monte Velho
Safra: 2080
País: Portugal
Região: Alentejo
Produtor: Herdade do Esporão
Site: www.esporao.com
Importador: -

Uvas/Corte: Aragonês, Trincadeira e Castelão
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo Gilberto e pela Julia
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 8 de janeiro de 2010
Onde bebeu: Casa de Julia e Gilberto
Harmonizado com: Massa ao pesto
Com quem: Claudio, Rafaela, Julia e Gilberto

Comentário do Produtor
Monte Velho Tinto, possui um sabor a fruta madura, arredondado pelo estágio em madeira. Revela bom corpo e equilíbrio, com uma estrutura de taninos suave. Aspecto límpido, cor rubi intenso. Aroma de frutos vermelhos maduros, suavemente envolvidos em notas de madeira de carvalho americano, mostrando alguma complexidade. Sabor rico em fruta madura, com alguma profundidade e estrutura suave de taninos.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fazia um tempão que estávamos planejando ir jantar lá no Gilberto. Finalmente conseguimos marcar e pude provar novamente a massa ao pesto da Julia. É fantástica. Aliás, o carpaccio também está delicioso - nunca tinha comida por evitar comer carne, mas confesso que estava é perdendo tempo. Muito bom. Foi uma bom encontro. Ah, estava até me esquecendo de falar do vinho. Ele mostrou-se à altura do jantar.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Reformularam o rótulo de toda a linha da Herdade do Esporão. Visual ficou mais moderno sem perder a identidade do vinho.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Como estava dirigindo, não degustei este vinho.
Nota: -

Zanotto - Merlot 2005


Nome: Zanotto
Safra: 2005
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra, RS
Produtor: Vinícola Campestre
Site: http://www.vinicolacampestre.com.br/
Importador: -

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 0588
Preço: Gentilmente presenteado ao Claudio pela mãe da Rafaela
Onde foi comprado: Vacaria, RS
Quando foi comprado: Outubro de 2009
Degustado em: 4 de janeiro de 2010
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa com cogumelos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Elaborado a partir da variedade Vitis Européia Merlot de origem em Bordeaux – França, caracterizando um vinho incomparável. • Aspecto Visual - De cor vermelho rubi, com tons laranjados, boa limpidez, aspecto muito bom no contexto visual. • Aspecto Olfativo - Seus descritores aromáticos complexos, denotando aromas secundários e terciários como frutas vermelhas (amora, framboesa), chocolate, apresentando levemente café, caracterizando um vinho agradável. • Aspecto Gustativo - Em boca com volume, redondo e aveludado, de excelente estrutura, bem equilibrado e boa persistência no paladar, harmônico como sua evolução.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiros domésticos, como, por exemplo, cheiro de massa de pão.
Exame gustativo: Estávamos fazendo uma massa simples, quando perguntei para o Claudio: - vinhozinho? Ele respondeu: - Quer? Escolhemos este Zanotto para provar. Achei bom. É um vinho simples, levinho, sem grandes pretensões. Por isso, talvez, perfeito para acompanhar uma massa em um dia qualquer da semana. Bem feito.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Típico rótulo com excesso de elementos, e sem equilíbrio entre eles que acaba colocando a imagem do vinho para baixo.
Exame visual: Bordô
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho simples e correto. Este é mais um vinho que degustamoa da região dos Campos de Cima da Serra. Vinho sem compromisso que faz uma boa companhia a um prato de massa. Vinho leve, sem excessos, direto. Notas de ameixa. É um bom vinho para sua proposta. Ainda vivo com cinco anos de vida.
Nota: 86.0

18 de janeiro de 2010

Ramón Roqueta - Tempranillo 2007


Nome: Ramón Roqueta
Safra: 2007
País: Espanha
Região: Catalúnia
Produtor: Masies d Avinyó
Site: http://www.roqueta.com/
Importador: Decanter

Uvas/Corte: Tempranillo (Ull de Llebre)
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 28
Onde foi comprado: Essen Vinhos, em Florianópolis
Quando foi comprado: 31 de outubro de 2009
Degustado em: 31 de dezembro de 2009
Onde bebeu: Casa de Regina Helena, em Copacabana, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Lombo de porco com molho de cogumelos, arroz à Piamontese, pudim de bacalhau, lentilha e chutney de manga do Sítio Humaytá
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena, Mauro e Marcela

Comentário do Produtor
Uva seleccionada. Maceración de 15 días y crianza de 3 meses en barrica de roble que confiere complejidad a las notas de frutos del bosque y regaliz típicas de la variedad. Temperatura : 17-18 ºC.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Já recebemos comentários aqui no blog de pessoas ridicularizando as tais harmonizações que fazemos. Não as harmonizações virtuais, mas aquelas vezes em que dizemos que determinado vinho harmonizou com determinada comida. Com certeza essas pessoas mudariam de opinião se tivessem provado este vinho com o lombinho de porco preparado pela mãe do Claudio para a ceia de réveillon. Ele era um vinho quando acompanhava o lombinho e outro quando era degustado com o pudim de bacalhau. Incrível. Depois da ceia, fomos até a Praia de Copacabana para ver os fogos da virada. Foi lindo. Depois dos fogos, fomos pela primeira vez até o mar. Foi muito legal. Nós demoramos muito para decidir sobre o que faríamos na virada do ano. De última hora, nos oferecemos para ir para a casa da mãe do Claudio. A ceia estava ótima.
Nota: 91.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Em azul e dourado com detalhe para a tipologia manuscrita onde aparecem descritas as características do vinho. Conjunto com harmonia
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este é um daqueles vinhos que trazem um boa surpresa para você. Comprei este vinho em Florianópolis por indicação do vendedor da Essen. Sempre são arriscadas as indicações de vendedores, mas neste caso ela foi certeira. A segunda boa surpresa foi que este Tempranillo combinou de forma perfeita com o lombinho de porco que comemos na ceia de final de ano. Vinho bastante agradável e equilibrado, com excelente relação custo/benefício. É um vinho para se ter na adega. Experimente com lombinho de porco assado.
Nota: 88.0+

17 de janeiro de 2010

di Lenardo - Merlot 2007


Nome: di Lenardo
Safra: 2007
País: Itália
Região: Friuli
Produtor: Di Lenard s. s. Gonars
Site: www.dilenardo.it
Importador: Enoteca Fasano

Uvas/Corte: Merlot
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido por Guilherme
Onde foi comprado: Enoteca Fasano
Quando foi comprado: -
Degustado em: 27 de dezembro de 2009
Onde bebeu: Em Secretário, na casa dos padrinhos do Claudio, no interior de Petrópolis
Harmonizado com: Pãezinhos de queijo feitos pela Marcela e Pão de São Francisco, feito pela Regina Helena
Com quem: Claudio, Rafaela, Guilherme, Sônia, Regina Helena, Mauro e Marcela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais uma vez, o padrinho do Claudio insistiu para que escolhêssemos um vinho para bebermos. Para não abusar, fomos à adega número um, que apesar de ser a mais acessível, de todos os pontos de vista, tem coisas boas também. Este italiano mostrou-se mais fraco do que o ótimo chileno bebido na hora do almoço deste dia, mas foi bom também. Muito obrigada aos padrinhos do Claudio pelo ótimo fim de semana.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Simples e equilibrado. O tom de laranja aliado ao preto dá personalidade.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Um merlot italiano bastante agradável. Não é um vinho complexo, mas muito bem feito e agradável. Ficamos de papo em volta da mesa da cozinha comendo pães e afins e o vinho acabou rapidamente. Uma boa escolha.
Nota: 87.0 +

Pergunta da Semana - 151

Toda quarta-feira, publicamos aqui uma pergunta relacionada ao mundo do vinho para saber mais sobre os seus hábitos e gostos. Nesta semana, inspirados em nossa nova cafeteira elétrica, o Le Vin au Blog quer saber:

- Você costuma provar diferentes tipos de café? Utiliza alguma cafeteira em casa ou prefere degustar um café bem tirado fora de casa?

10 de janeiro de 2010

Maycas del Limarí - Cabernet Sauvignon 2005


Nome: Maycas del Limarí
Safra: 2005
País: Chile
Região: Valle del Limarí
Produtor: Viña Maycas del Limarí
Site: http://www.maycasdellimari.com/
Importador: Enoteca Fasano

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo padrinho do Claudio, Guilherme
Onde foi comprado: Enoteca Fasano
Quando foi comprado: -
Degustado em: 27 de dezembro de 2009
Onde bebeu: Em Secretário, distrito de Petrópolis, RJ
Harmonizado com: Arroz, bolinho de arroz, quibebe, frango assado, carne assada, bobó de camarão
Com quem: Claudio, Rafaela, Cristina, Flávio, Guilherme, Sônia, Regina Helena, Marcela e Mauro

Comentário do Produtor
-
Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O padrinho do Claudio vinha falando sobre nós escolhermos um vinho há dias, mas acabávamos nunca fazendo isso. Neste almoço, ele disse que deveríamos ir até a terceira adega, que fica escondidinha e só é aberta em ocasiões especiais. Lá fomos nós. Ficamos meio deslumbrados com os rótulos e Claudio acabou escolhendo este. Eu gostei da cor da cápsula e do rótulo e logo imaginei que seria um bom vinho. E realmente era. No final, eu achei uma pena bebê-lo com uma comida tão do dia-a-dia, comprada em um quilo de ali perto, mas, mesmo assim, foi uma experiência memorável.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo é inspirado no calendário solar Inca. Rótulo marcante e bem resolvido. Dá personalidade ao vinho. Gosto do resultado.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Quando meu padrinho pediu para escpolher um vinho de sua adega pessoal, escolhi este chileno pois já estava querendo provar algum vinho desta vinícola. Este Cabernet não decepcionou. Muito bom vinho, com boa estrutura e bom corpo. Complexo e com a madeira bem integrada ao conjunto. Um Cabernet bem particular, diferente de outros chilenos que provamos. Ainda vai evoluir um pouco na garrafa, mas já está bom para beber agora. Vinho com personalidade e prazeroso. Vale provar.
Nota: 91.0

9 de janeiro de 2010

Masi Passo Doble - 2006 / Esporão D.O.C. Reserva - 2006 / Cave Geisse Brut


Nome: Passo Doble / Esporão D.O.C. Reserva / Cave Geisse Brut
Safra: 2006 / 2006 / -
País: Argentina / Portugal / Brasil
Região: Tupungato / Alentejo / Vale dos Vinhedos
Produtor: Masi Agricola / Finagra SA / Vinícola Casa de Amadeu
Site: www.masi.it / http://www.esporao.com/ / www.cavegeisse.com.br
Importador: Mistral / Qualimpor / -

Uvas/Corte: Malbec 65%, Corvina 30%, Merlot 5% / Aragonês, Trincadeira, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon / 70% Chardonnay, 30% Pinot Noir
Teor alcoólico: 13.5% / 14,5% / 12,5%
Rolha: Cortiça, todos
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 34 / R$ 66 / Gentilmente oferecido por Sônia e Guilherme
Onde foi comprado: Mistral do Rio de Janeiro / Supermercado Mundial / -
Quando foi comprado: 17 de dezembro de 2009
Degustado em: 24 de dezembro de 2009
Onde bebeu: Em Secretário, distrito de Petrópolis, no sítio dos dindos Sônia e Guilherme
Harmonizado com: Chester, bacalhau, presunto e arroz de pinhão
Com quem: Claudio, Rafaela, Guilherme, Sônia, Regina Helena, Marcela e Mauro

Comentário do Produtor
Passo Doble - La doppia fermentazione dell'uva Malbec con una percentuale di uva Corvina leggermente appassita apporta al vino ricchezza di aromi, struttura, tannini eleganti e morbidi, ottenendo così un vino di classe con potenziale di lungo affinamento. Passo Doble è eclettico negli abbinamenti: dalle carni, alla selvaggina, ai formaggi saporiti e stagionati.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Para harmonizar especialmente com o bacalhau que fizemos para a ceia de Natal, Claudio comprou o português Esporão. Antes de chegar a ela, provamos mais uma vez o bom Masi. Esse argentino é muito bom, mas pareceu fraco perto do Esporão. De qualquer forma, os dois foram duas boas companhias para a animada ceia na casa dos padrinhos do Claudio. Somos muito gratos pelo convite. Adoramos passar quatro dias de vagabundagem em Secretário. Para a hora dos presentes, bebemos o Cave Geisse Brut. Eu sou de espumantes mais docinhos, mas estava bom para o brinde.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Estes foram os vinhos que degustamos no Natal. Começamos a noite com este argentino de perfil italiano. O Masi foi um vinho que me agradou muito na safra 2005. Este pareceu um pouco mais pesado, mas continua um opção agradável e de bom custo-benefício. O segundo vinho da noite foi o Esporão. Aproveitando o bom preço que ele estava em um supermercado aqui no Rio (R$ 66,00), comprei para abrirmos na noite de Natal. Vinho muito interessante, com bom corpo, boa complexidade, toques de madeira e taninos bem resolvidos. Ótimo vinho. Terminamos a noite brindando com o agradável Cave Geisse Brut. Uma noite de Natal muito agradável.
Nota: 87.0+; 91.0; 89.0

5 de janeiro de 2010

Porca de Murça - 2008



Nome: Porca de Murça
Safra: 2008
País: Portugal
Região: Douro
Produtor: Real Companhia Velha
Site: http://www.realcompanhiavelna.pt/
Importador: Barrinhas

Uvas/Corte: Viosinho, Gouveio, Moscatel, Arinto e Fernão Pires
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça aglomerada
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 19,85
Onde foi comprado: Zona Sul Botafogo, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 30 de dezembro de 2009
Degustado em: 2 de janeiro de 2010
Onde bebeu: Na varanda de casa, no Rio
Harmonizado com: Peixe com salada Julia (Rafaela), peixe com salada maxmix (Claudio)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
O Porca de Murça 2005 tem uma bela cor citrina. Complexo e com grande intensidade aromática. Sugestões de aromas florais e de frutos brancos caracterizam este vinho, algo encorpado e com uma boa acidez. Na prova realçam-se sabores limonados.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Clarinho, amarelo bem claro.
Exame olfativo: Difícil de identificar algo.
Exame gustativo: Sempre via este vinho no Zona Sul e sempre pensava que um dia iria prová-lo. Fiquei feliz quando foi escolhido como vinho do mês. Pois bem, escolhemos um belo dia de sol para prová-lo. Depois de uma ida à praia, voltamos para casa, cada um de nós preparou uma salada a gosto, Claudio colocou um peixe no forno. Estava pronto nosso almoço para ser degustado junto com o vinho na varanda. E assim foi. Fantástico. O vinho é levemente amargo. Eu sou mais de vinhos brancos adocicados. Ficou melhor mais gelado. Não harmonizou tão bem com a comida. De qualquer modo, isso não tira o brilho do almoço muito bacana, na varanda, com uma brisa fresquinha e vista do Morro da Urca e, parcial, do Pão de Açúcar. Apesar de levinho, achei que o vinho embebeda.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Simples e equilibrado. Poderia ter um pouco mais de destaque.
Exame visual: Bem clarinho, sem destaque.
Exame olfativo: Um mix de abacaxi, maçã e uvas verdes
Exame gustativo: Há dois meses não conseguíamos participar da Confraria por não ter achado o vinho aqui no Rio. Este português foi bem fácil de encontrar no supermercado Zona Sul. O importador é aqui do Rio. Resolvemos degustar este vinho no final de um belíssimo dia de sol. Depois da praia, preparamos umas saladas e o peixe e fomos aproveitar o belo céu azul e o sol do final de tarde e almoçamos na varanda. Acho que a harmonização com este clima foi a melhor parte do vinho. Leve, acidez marcada e um pouco de gás carbônico aparecendo no início. Na boca, notas de abacaxi e um final curto com algo mais cítrico. Depois de um tempo aberto ganhou uma certa cremosidade. É um vinho simples, mas que não compromete.
Nota: 85.0 - 86.0

4 de janeiro de 2010

Artero - Tempranillo 2008


Nome: Artero
Safra: 2008
País: Espanha
Região: Toledo/La Mancha
Produtor: Viñedo y Bodegas Muñoz
Site: http://www.bodegasmunoz.com/
Importador: Decanter

Uvas/Corte: Tempranillo 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 39,50
Onde foi comprado: Fiametta, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 20 de dezembro de 2009
Degustado em: 20 de dezembro de 2009
Onde bebeu: Fiametta, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pizza Napoletana, nossa preferida, sempre
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vermelho-violáceo intenso. Aromas de romã madura, groselhas e amoras, sobre notas de ervas e folhagem úmida. Impacto macio e frutado, com ótimo equilíbrio e agradável final.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Passamos o dia para lá e para cá aproveitando meu primeiro fim de semana sem ter que fazer trabalhos de aula - nesse dia, um domingo, caminhamos 12km pela Zona Sul do Rio. Depois de um dia com horários desregulados, decidimos ir jantar quase às 22h. Na indecisão de sempre, acabamos nos decidindo por ir à Confraria Carioca. Imaginamos: último fim de semana antes do Natal, o shopping vai estar bombando e o lugar vai estar aberto. Pegamos um táxi, já com a intenção de provarmos um vinho. Para nossa tristeza, quando chegamos lá a loja de vinhos estava aberta, mas fomos logo informados de que naquela noite estava encerrada a degustação. Acabamos indo na Fiametta e, como já havíamos saído decididos a tomar um vinho, eu sugeri que bebêssemos o Artero, velho conhecido. O gosto é bastante familiar, lembra as outras vezes que o provamos. É um vinho fácil de se gostar. Combinou com a pizza. Gosto de gelatina de fruta. Fizemos um brinde em homenagem ao nosso Artero, que completou dois anos, e ao Tito, bebê dos nossos amigos Raquel e Ricardo, nascido dia 4 de dezembro de 2009.
Nota: 87.5

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo com um excesso de elementos e misturas de técnicas. Não é um rótulo bonito, mas cria uma identidade que é interessante para este vinho.
Exame visual: -
Exame olfativo: Unidimensional. Pouco interessante.
Exame gustativo: Esta foi a terceira vez que degustamos este vinho e esta safra se mostrou um vinho frutado e sem graça. Fomos pensando em beber outro vinho na Confraria Carioca. Como já era tarde, acabamos na Fiametta. Escolhemos o Artero que acabou funcionando com a pizza, mesmo sendo um vinho meio óbvio. No início apresentou gás carbônico.
Nota: 86.0

3 de janeiro de 2010

Cave de Pedra Special Blend - 2005


Nome: Cave de Pedra Special Blend
Safra: 2005
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinícola Cave de Pedra
Site: www.cavedepedra.com.br
Importador: -

Uvas/Corte: Merlot, Marselan e Ancellotta
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: - /1018
Preço: R$ 64,35
Onde foi comprado: Vinhos.net
Quando foi comprado: Maio de 2009
Degustado em: 18 de dezembro de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Frango mistral - Frango com recheio de cogumelos temperados no forno, com molho à base de mostarda e creme de leite
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Rubi tendendo ao violáceo, mostrando o seu grande potencial de guarda. Com um olfativo rico e extremamente fino, Special Blend demonstra sua grandeza através das notas de tabaco e trufas, provindas da madeira e o maravilhoso frutado de alta maturação que compõe sua base aromática. Na boca apesar de grande estrutura, muito equilíbrio e delicadeza.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bem bordô.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Bom vinho. Depois de um certo tempo, passou a apresentar gosto de frutas vermelhas. Harmonizou bem com o prato inventado pelo Claudio. Vinho que vai bem com comida. Equilibrado. Ficou melhor depois de algum tempo aberto. Quanto mais tempo aberto, melhor. Embebeda um pouco e dá sono, mas, tirando isso, é muito bom.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo que abusa do preto. Elegante, equilibrado, misterioso e sombrio. Dá personalidade ao vinho.
Exame visual: Bordô vivo.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Um vinho com um corte pouco usual. A mistura de Merlot, Ancelotta e Marselan cria um vinho interessante e com boa intensidade em boca. início notas claras de tabaco. Colocamos no decanter e ele foi abrindo e crescendo. A Marsellan passou a marcar presença com notas de cereja e mais doce. Tentei descobrir o percentual das uvas, mas não consegui esta informação. Corpo médio, acidez promunciada e final intenso com média permanência. É um vinho interessante que gostaria de provar novamente com mais alguns anos na garrafa.
Nota: 87.0 - 88.0

2 de janeiro de 2010

Pergunta da Semana - 150

Toda quarta-feira, publicamos aqui uma pergunta relacionada ao mundo do vinho para saber mais sobre os seus hábitos e gostos. Nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Onde você passou a virada de ano? Teve vinho ou espumante? Qual?

Bogle - Petite Sirah 2006


Nome: Bogle
Safra: 2006
País: Estados Unidos
Região: Graton, Califórnia
Produtor: Bogle Vineyards
Site: http://www.boglewinery.com/
Importador: -

Uvas/Corte: Petite Sirah 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça aglomerada, tamanho médio. Logomarca gravada.
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente comprado pela Patrícia na Califórnia
Quando foi comprado: abril de 2009
Degustado em: 14 de dezembro de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa com molho de tomates
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Thirty-one years after it was first produced by the Bogle family in 1978, Petite Sirah is today considered Bogle’s “heritage” varietal. Ripe summer blackberries and plums overwhelm both the nose and palate of this wine. Its trademark inky, jammy qualities are a barrage of black fruit and spice, adding layer upon layer of complexity. Notes of supple leather and toasty oak envelop the flavors through the finish, giving way to wisps of caramel and vanilla. The firm tannins make this a wine that can develop for years to come, but you won’t want to wait that long to enjoy it!

Comentário da Rafaela
Exame visual: Violeta escuro, quase jaboticaba.
Exame olfativo: Cheiro bem doce, ardido.
Exame gustativo: Em um primeiro momento, senti gosto de tabaco, com algo doce. Um pouco adstringente - Claudio discordou. Ele é bastante bom, mas pode parecer um pouco pesado. O dia seguinte comprova que ele não é tão pesado assim. Forte gosto de passas, também de ameixa seca. Bebe-se facilmente. Provaria novamente, com certeza.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Garrafa com formato diferenciado e um rótulo bastante equilibrado. Uso correto de tipologia e destaque para os pequenos pássaros em dourado.
Exame visual: Intenso, grená escuro, tinge o copo e os dentes.
Exame olfativo: Fruta madura e algo de confeito.
Exame gustativo: Este foi o primeiro vinho 100% Petite Sirah que degustamos. Um vinho com sabor diferente e bastante interessante. Notas adocicadas prevaleceram, uma mistura de mel com alguma coisa de tabaco, bastante diferente. Um bom corpo, bem redondo e com um final de boa permanência com toques de chocolate e ameixa. Um vinho intenso, moderno e interessante. Vale provar.
Nota: 89.0

1 de janeiro de 2010

Epu - Cabernet Sauvignon/Carmenére 2001


Nome: Epu
Safra: 2001
País: Chile
Região: Puente Alto
Produtor: Viña Almaviva S.A.
Site: http://www.almavivawinery.com/
Importador: -

Uvas/Corte: 77% Cabernet Sauvignon e 23% Carmenére
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça, levemente infiltrada com logomarca gravada, tamanho médio/grande
Numeração da garrafa: -
Preço: 15.000 pesos
Onde foi comprado: Vinícola Almaviva, em Puente Alto
Quando foi comprado: 07 de dezembro de 2008
Degustado em: 10 de dezembro de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Polenta com carne moída
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Final com cheiro de mel.
Exame gustativo: Uma ótima pausa nos estudos! À luz de velas e com um vinho muy rico, como diriam lá em Mendoza. Realmente este Epu é muito bom. Não sei porque passei tanto tempo com uma implicanciazinha dele. É intenso! É realmente uma ótima compra. Recomendo.
Nota: 93.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo pequeno e simples. Destaque para a safra escrita por extenso e o detalhe do nome do vinho, EPU que significa "dois" na língua do povo Mapuche.
Exame visual: Rubi, evoluído, começando a ir para o alaranjado.
Exame olfativo: Esta garrafa não apresentou um nariz tão atraente e aberto como se esperava. Notas de fruta, mas o paladar é mais rico.
Exame gustativo: Este é o segundo vinho da vinícola Almaviva. Um vinho com 8 anos de vida, mas com estrutura para aguentar mais alguns. Para o meu paladar, acredito que ficará ainda melhor com mais uns dois anos. É um vinho de paladar firme, potente com boa intensidade. Fruta madura como ameixa e cereja, muito equilíbrio. Características da Cabernet Sauvignon chilena falam mais alto. Um bom e longo final com notas mais doces. Vinho de muita qualidade e muito bem feito. Prazeroso. Acho que pode ganhar em elegância com mais tempo na garrafa. Nota: 91.0+