2 de junho de 2010

Rio Sol Grand Prestige Rosé 2008 #cbe


Este vinho foi degustado como vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs. A sugestão de uma degustação de espumante produzido no Nordeste foi dada pela Fabiana Andrade, do blog Vim, Vinho, Venci, que sugeriu a degustação de um espumante produzido no Nordeste - por acaso acabamos escolhendo o mesmo vinho que a Fabiana.

Nome: Rio Sol Grand Prestige Rosé
Safra: 2008
País: Brasil
Região: Vale do São Francisco
Produtor: Rio sol
Site: http://www.vinibrasil.com.br/
Importador: -

Uvas/Corte: Syrah 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 25,90
Onde foi comprado: Cobal do Humaitá
Quando foi comprado: 22 de maio de 2010
Degustado em: 30 de maio de 2010
Onde bebeu: Casa do Mauro e da Marcela, no Rio
Harmonizado com: Feijoada do Mauro
Com quem: Claudio, Rafaela, Mauro, Marcela, Regina Helena, Andréa e Tab

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bela cor de ferrugem
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A feijoada do Mauro estava tão boa que deixou o espumante bem apagadinho. Na verdade, achei que não harmonizou em nada. Eu prefiro espumantes mais doces e este, com a comida, ficou mais para amargo. Sozinho, ele até que pode ser bebido, mas, diferente do ótimo Amadeu, este não serve para ser bebido com feijoada.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo: Combinação de cores da garrafa é bem feita. O conjunto é bonito.
Exame visual: Cor bastante atraente, intenso rosado. Perlagem fina e discreta.
Exame olfativo: Bem fechado, depois de algum tempo apareceram notas discretas de frutas vermelhas.
Exame gustativo: Esperava mais deste espumante. A ideia era degustar este espumante rosé com uma feijoada, pois em experiências anteriores com o Amadeu Rosé o resultado foi excelente. O espumante se mostrou básico na boca, fechado, duro e com um leve amargor. A garrafa demorou a ser degustada, o que para um espumante não era um bom sinal. Tentamos harmonizar com a feijoada e o resultado também não agradou. No geral em nenhum momento da degustação o espumante não mostrou à que veio e não empolgou. Temos que provar um outro espumante do Nordeste brasileiro.
Nota: 84,0

Um comentário:

Vinho para Todos disse...

Vocês escolheram/encontraram um espumante diferente dos demais confrades, mas igualmente deixou a desejar.
Teria lhe faltado acidez?
Acidez não é característica de climas frios?
Se as respostas forem SIM, os espumantes do nordeste não serão gastronômicos e equiparados aos do RS.
Mas vocês foram cruéis ao compararem com o Amadeu, que embora seja de uma linha mais básica, é produzido pela respeitada Cave Geisse.
Saúde.