23 de junho de 2009

Amisfield - Pinot Noir 2006


Nome: Amisfield
Safra: 2006
País: Nova Zelândia
Região: Central Otago
Produtor: Amisfield Vineyard
Site: http://www.amisfield.co.nz/
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir
Teor alcoólico: 13,9%
Rolha: De rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente trazido pela Claudine e pelo Marcus da Nova Zelândia
Onde foi comprado: Nova Zelândia
Quando foi comprado: Março de 2008
Degustado em: 12 de junho de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizza de três queijos da Domino's
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Supple and concentrated, Amisfield Pinot Noir shows the complexity, concentration and texture of great new world Pinot Noir. This is classic Central Otago Pinot with dark rich fruits, spicy aromas and undertones of liquorice and smoke. Finished in a rich palate with fine silky tannins. This wine will only improve with careful cellaring for up to 5 years, but hard to resist when drinking superbly on release. The wine is a deep ruby/magenta with a deep concentrated ripe Pinot nose of dark cherries, violets, mocha and spice. The palate is very powerful with lush ripe dark fruits overlaying a seamless powdery tannin profile suggesting hints of cocoa, cedar and minerals. The finish is long and complex with the French oak integrating into the wine perfectly.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Clarinho, translúcido.
Exame olfativo: Bem cheiroso. A uma certa altura, achei que tinha cheiro de palmolive em barra.
Exame gustativo: Este vinho espetacular foi trazido pela Claudine e pelo Marcus da Nova Zelândia (Obrigada!). Trata-de de um vinho muito bom, com sabor intenso, mas de corpo leve. Estou até meio envergonhada de escrever o que anotei no meu bloquinho, mas lá vai: tem um quê de suco de amora com um leve amarguinho. Por favor, que isso não seja interpretado de maneira errada. Eu gostei realmente deste vinho e esse sabor peculiar foi fundamental. Harmonizou com a nossa pizza de Dia dos Namorados. Estava a maior chuva no Rio nesse dia e nada melhor do que pedir uma comida em casa. :)
Nota: 92.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo limpo, clássico, equilibrado. Usa relevo na tipologia preta e hot stamp no ícone. Bom rótulo
Exame visual: Claro, típico de Pinot.
Exame olfativo: Bem peculiar. Difícil definição, algo como suco de amora e um pouco de bacon ao fundo.
Exame gustativo: Resolvemos passar o Dia dos Namorados em casa e escolhemos este ótimo Pinot Noir da Nova Zelândia para degustar. Este vinho nos foi presenteado pela Claudine que trouxe diretamente de lá. Outro motivo que nos fez escolher este vinho foi que nosso amigo Wagner foi morar na Nova Zelândia e seu embarque foi no dia 13. O wagner trabalha com animação e foi trabalhar em um estúdio na terra dos Pinots e Sauvignons Blancs. (Veja o trabalho do Wagner aqui). Vamos ao vinho: Um Pinot ainda jovem, de sabor intenso, límpido, muito saboroso. Percebe-se a boa qualidade da uva, sem perfil de madeira. Na boca repete o nariz, um mix de frutas, como amora (devido a um bom e leve amargo) e algo de embutido/carne. Taninos vivos, vinho com personalidade. Final muito intenso e persistente. Vinho saboroso e muito interessante. Um belo exemplar da Nova Zelândia.
Nota: 91.0

22 de junho de 2009

Luis Pato - Baga 2005 *



* Esta foi a 13ª edição da harmonização virtual entre blogs. Achamos bem interessante a ideia da Nina e do Marcel, nossos companheiros de harmonização virtual do Gourmandise, sobre escolher um prato clássico e prová-lo, junto com um vinho pré-definido, em um restaurante. Confiram abaixo o resultado da nossa harmonização e vejam também no Gourmandise.

Nome: Luis Pato
Safra: 2005
País: Portugal
Região: Beiras
Produtor: Luis Pato
Site: www.luispato.com
Importador: Mistral

Uvas/Corte: Baga 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça, com logo.
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 53 + R$ 20 de rolha
Onde foi comprado: Mistral, na Gávea, Rio
Quando foi comprado: 16 de junho de 2009
Degustado em: 16 de junho de 2009
Onde bebeu: Restaurante Alfaia, em Copacabana, Rio
Harmonizado com: Arroz de pato
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
De casta única, Baga, é vinificado por forma a salientar os aromas primários e o carácter de chocolate da Baga, sujeita a uma primeira vindima nos finais do mês de Agosto. Este vinho foi fermentado durante três dias em cubas de inox a temperatura controlada. Acompanha pratos grelhados, tanto carnes como peixes. Durará por uns bons dez anos.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô.
Exame olfativo: Típico cheiro de vinho português, mas bastante difícil de definir.
Exame gustativo: A ideia partiu da Nina e do Marcel. Por que não escolher um prato clássico e fazer a harmonização em um restaurante, provando, além da combinação prato+vinho, a qualidade do atendimento, serviço, sentindo o peso da taxa de rolha na conta... Sugestão aceita e prato definido, partimos em busca de um restaurante português que fizesse arroz de pato. Achamos que seria mais fácil. Pensamos em um bem tradicional, mas logo descobrimos que estava fechado. Em uma noite, resolvemos passar por outros dois para perguntar e nada. Sobre um deles, o Claudio havia lido na internet que faziam um ótimo arroz de pato. Resolvemos ligar para lá. A resposta foi diferente da dada pelo garçom pessoalmente. Tinham sim, mas por encomenda. Tudo bem, encomendaríamos então. Foi assim que nos decidimos pelo Alfaia, português tradicional e antigo de Copacabana. Numa noite fria de terça-feira, chegamos lá com nosso vinho. O garçom prontamente colocou as taças à mesa e fez o serviço do vinho. No final, achei justo pagar os R$ 20 de rolha, pois usamos as taças e o garçom foi prestativo. Mais que isso, porém, acharia abusivo. O vinho acabou custando R$ 73, mas provavelmente mais barato do que pagaríamos se fosse comprado no restaurante (não ali, pois não tinham na carta). Quanto ao prato, é delicioso. Vale provar. Só que junto com o vinho não deu muito certo. Ficou amargo, acho que intensificou o gosto do vinho. Vale lembrar que o vinho sozinho se mostrou bem gostoso, de corpo leve, elegante, ou seja, tudo que eu espero de um vinho português. Uma pena não ter ficado bom com a comida. Nem com bolinho de bacalhau deu jeito... Tentaremos em uma outra vez com outra comida. Quem sabe...
Vinho: 89.0
Harmonização: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Dois destaques para o rótulo: o formato diferenciado e a ilustração do pato, comum aos vinhos deste produtor. Bem equilibrado.
Exame visual: Grená, levemente claro.
Exame olfativo: Nariz sutil e elegante, lembra outros vinhos portugueses, com toques de fruta e alguma coisa de chá.
Exame gustativo: Vinho bastante interessante da casta Baga. De corpo leve/médio, este vinho se destaca pelo seu equilíbrio e seu estilo que tende à elegância. Não é um vinho de grande complexidade. É fácil de se beber e muito agradável no paladar. Evoluiu um pouco depois de aberto. Seu final é agradável, com leves toques vegetais. Um vinho próprio para ser companhia para um bom jantar. Nos despertou ainda mais o interesse para ver como funcionaria este vinho com o arroz de pato. Com relação ao serviço do vinho do tradicional restaurante Alfaia, foi bastante correto, de acordo com o perfil do restaurante. O valor cobrado pela rolha me pareceu justo, R$ 20, nos deu a impressão que se este vinho estivesse na carta custaria algo em torno de R$ 90. Infelizmente, não funcionou muito bem com o prato. Não chegou a comprometer o jantar, mas não harmonizou bem. O prato estava muito interessante. Sabor bem marcado, algum tipo de tempero, que, não consegui descobrir qual era, deixava o prato levemente adocicado. Além do pato, o arroz veio com azeitonas pretas e linguiça. Bastante saboroso e com bastante personalidade e presença. O prato não chegou a "matar" o vinho, mas fez sobressair o álcool, acentuando um paladar um pouco amargo. Tentamos com um bolinho de bacalhau, o paladar foi para outra direção e também não harmonizou. Fiquei em dúvida sobre o que poderia funcionar com o Luis Pato. O resultado geral foi: um vinho bastante interessante, fácil e agradável, com paladar próprio que fiquei com vontade de repetir; um prato muito saboroso e bem preparado que vou querer provar novamente.
Nota: 88.0
Harmonização com o vinho: 86.0

21 de junho de 2009

Luca - Pinot Noir 2005



Nome: Luca
Safra: 2005
País: Argentina
Região: Altos de Mendoza
Produtor: Laura Catena
Site: -
Importador: Vinci Vinhos

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 13,9%
Rolha: De cortiça com logomarca gravada
Numeração da garrafa: -
Preço: 160 pesos
Onde foi comprado: Loja Ligier em Buenos Aires
Quando foi comprado: 14 de fevereiro de 2008
Degustado em: 07 de junho de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pão italiano, azeite e queijos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Beautiful medium-red color and aromas of wild strawberries, saddle leather and grilled nuts. A complex Pinot with notes of leather, spice, and cherry/raspberry confiture on the palate. Amazing aroma and pure Pinot flavor for such a young-vine Pinot. Pairs well with foods such as lamb chops, grilled salmon, roasted duck or chicken, and game birds. Pinot lovers may just go ahead and drink it all by itself!

Comentário da Rafaela
Exame visual: Rubi, mais clarinho nas bordas.
Exame olfativo: Café torrado. Apresentou um pouco de álcool no começo.
Exame gustativo: Vinho despretensioso. Tinha um gosto de defumado no começo. Parecia-se com um vinho já provado antes, mas não me perguntem qual. Minha memória não é assim completa. Claudio afirma ter sido um pinot noir provado na Casa Marin, no Chile. Pode ser. Não é um vinho simples. Para mim, ele está à altura da bela garrafa e do belo rótulo. Elegante, bonitão. Trata-se de um vinho especial. E que, de quebra, harmonizou com delicioso pão italiano do Talho Capixaba.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Pequeno rótulo quadrado. Estilo forte. A garrafa deste vinho é extremamente pesada.
Exame visual: Rubi claro.
Exame olfativo: Início com algo defumado/embutido, passando para notas de café e carne.
Exame gustativo: Vinho de boa estrutura, estilo lembrando alguns pinots chilenos já degustados, com notas terrosas e de carne. Corpo médio, mas sabor firme e bastante característico. Instigante. Um vinho moderno, mas sem fruta e madeira em excesso, bom equilíbrio. Taninos finos que evoluiram depois de aberto ficando mais macios. Final de boca intenso e com uma boa permanência. Um pinot bastante interessante, fácil de se beber e que pede mais.
Nota: 91.0

20 de junho de 2009

Pergunta da Semana - 122

Toda quarta-feira o Le Vin au Blog publica uma nova pergunta para conhecer um pouco mais sobre os seus gostos e hábitos. Nesta semana, o Le Vin au Blog pergunta:

- Você costuma beber Vinho do Porto? Quando recebe pessoas em casa, costuma servi-lo como aperitivo? Costuma utilizar para outras finalidades, como cozinhar, por exemplo?

18 de junho de 2009

Crios de Suzana Balbo - Torrontes 2008


Nome: Crios de Susana Balbo
Safra: 200
País: Argentina
Região: Salta
Produtor: Susana Balbo - Dominio del Plata
Site: http://www.dominiodelplata.com.ar/
Importador: Cantu

Uvas/Corte: Torrontes 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 32
Onde foi comprado: Alipão, na Dona Mariana, Botafogo, Rio
Quando foi comprado: 6 de junho de 2009
Degustado em: 6 de junho de 2009
Onde bebeu: Casa da Marcela e do Mauro
Harmonizado com: Moqueca de camarão e lulas
Com quem: Claudio, Rafaela, Junia, Regina Helena, Marcela e Mauro

Comentário do Produtor
De cor amarelo brilhante com nuances esverdeados, aromas bem definidos floral e lichia, paladar mineral, bem equilibrado e muito fresco, elegante com leve acidez.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Amarelinho.
Exame olfativo: Difícil, mas com algumas notas cítricas, como diriam os entendidos.
Exame gustativo: Gostei bastante. Ele não era um vinho branco dos mais dóceis, pois de vez em quando dava uma espetadinha na boca, com um leve amargo no gosto. Não achei que harmonizou muito bem com a comida, mas como a comida estava bem quente, foi refrescante. Achei curiosa a maneira como ele tomava conta da boca inteira, como se não deixasse nenhum espacinho livre de sentir o seu gosto, do início do gole até descer pela garganta. É um bom vinho!
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Bem resolvido rótulo da linha Crios. Onde com uma ilustração de duas pequenas mãos inseridas dentro de uma outra maior representa as "crias", filhos de Susana Balbo.
Exame visual: Bem claro
Exame olfativo: Bastante aromático e agradável. Notas cítricas com leve toque doce.
Exame gustativo: Saí de casa para comprar um Sauvignon Blanc para acompanhar a moqueca que a Marcela e o Mauro estavam fazendo. Como não encontrei nenhum que me empolgasse resolvi testar a harmonização com este Torrontés. Não funcionou muito bem com o prato. Isoladamente este Crios é um ótimo vinho. Bom corpo, sabor intenso e rico. Na boca notas cítricas acompanhadas de algo doce, como coco. Final com lembrança de laranja e limão e algo floral. Vinho muito bem feito e bastante interessante.
Nota: 88.0 +

Pergunta da Semana - 121

Toda semana o Le Vin au Blog publica uma nova pergunta para conhecer um pouco mais sobre os seus gostos e hábitos. Há alguns dias, compramos pela internet, em uma loja de Bento Gonçalves, os vinhos para a formatura da mãe da Rafaela e aproveitamos para encomendar alguns para trazermos para o Rio. Devido ao valor pago pelos vinhos, o frete foi grátis. Baseados nessa experiência, nesta semana, o Le Vin au Blog pergunta:

- Quando você compra um vinho pela internet, por e-mail ou por telefone, você se incomoda de pagar frete? Em sua opinião, o valor do frete deveria ser inversamente proporcional ao valor pago pelo vinho?

17 de junho de 2009

Marco Luigi Grande Reserva da Família - Cabernet Sauvignon 2004


Nome: Marco Luigi Grande Reserva da Família
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Marco Luigi
Site: www.marcoluigi.com.br
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha:De cortiça tamanho médio
Numeração da garrafa: 1.499/3.500
Preço: Cerca de R$ 60,00
Onde foi comprado: Diretamente com a vinícola
Quando foi comprado: Outubro de 2008
Degustado em: 3 de junho de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Espaguete com molho de tomates; pinhões
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Elaborado com uvas Cabernet Sauvignon extremamente maduras originárias de um vinhedo minuciosamente planejado para a elaboração deste vinho , onde a produção por pé é de no máximo 2Kg de uva . O rigoroso cuidado justifica a excelência deste vinho elaborado em pequeníssima quantidade , com rica graduação alcoólica , encorpado e de equilíbrio perfeito. Apresenta um complexo bouquet de frutas vermelhas maduras e notas de baunilha , resultado de um longo estágio em barricas de carvalho . Sem dúvida um vinho de grande personalidade e com alto potencial de envelhecimento.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Cor límpida. Achei engraçado que parecia ter purpurina no fundo do copo, talvez fosse a luz sobre a mesa...
Exame olfativo: Cheiro bom na primeira tentativa. Depois, ficou ainda mais rico - ou não sei se foi minha imaginação. Senti cheiro de baunilha, pimenta vermelha e maionese...
Exame gustativo: Aproveitando o primeiro friozinho aqui no Rio, decidimos de última hora tomarmos um vinho nesta noite. Claudio preparou um espaguete maluco, contendo até mesmo açúcar mascavo. Sendo a receita louca ou não, a comida ficou bem boa e combinou com o vinho. Já bebemos vários Marco Luigi. Este estava especialmente bom, do jeito que eu esperava. Quando tomei os primeiros goles, pensei: é um vinho já bom nos primeiros goles, diferente de outros que melhoram ao longo da degustação. Pois estava enganada, ele ficou melhor com mais tempo no decanter. Claudio fez algum comentário sobre ele passar rápido pela boca e ser mais sentido quando já está pegando a descida da garganta. Concordei, mas isso não me desagradou. Depois da massa, ainda provamos o vinho com uma outra comida: os pinhões trazidos lá de Vacaria, colhidos com todo o carinho pela minha tia Onira especialmente para serem trazidos para o Rio. Obrigada, madrinha, estavam mesmo muito bons.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
O mais equilibrado da linha Marco Luigi Reserva. Procura um easpecto envelhecido. A ilustração é confusa e o dourado poderia ser melhor empregado.
Exame visual: Límpido, grená vivo, parecendo um vinho mais jovem. Lágrimas finas na taça.
Exame olfativo: Um pouco fechado e de difícil definição. Algo como amora e especiarias.
Exame gustativo: Aproveitando a noite fria no Rio de Janeiro resolvemos degustar este Cabernet da Marco Luigi. O ataque inicial segue o estilo da linha reserva com uma fruta intensa. A diferença deste para os outros que com mais tempo aberto este ataque inicial fica menos intenso e assim mais interessante. Passagem pela boca é ligeira, mas o seu final é bastante marcante com fruta e algo de embutido. Sua evolução na taça foi boa, aumentando a tipicidade da casta. É um vinho bem feito, com cuidado que ainda pode evolir mais um pouco. Harmonizou bem com os pinhões. Um vinho interessante que vale provar.
Nota: 87.0- 88.0

16 de junho de 2009

13ª Harmonização Virtual

Não, não cansamos de fazer harmonizações em casa, mas desta vez estamos planejando algo diferente para a harmonização virtual entre blogs. A ideia partiu do Gourmandise: por que não provar um prato tradicional em um restaurante harmonizado com um vinho pré-definido? O Le Vin au Blog gostou da sugestão.

Depois de pensarmos um pouco, chegamos ao seguinte formato: Arroz de pato harmonizado com Luis Pato Baga 2005.

A ideia é simples: escolher um restaurante da cidade que tenha em seu cardápio Arroz de pato. Melhor se tiver o vinho na carta, mas caso não tenha, já aproveitamos para testar o serviço, levando o vinho de casa.

Desta vez, os comentários serão publicados no dia 22 de junho.

Participe!

Don Giovanni - Cabernet Franc 2005


Nome: Don Giovanni
Safra: 2005
País: Brasil
Região: Bento Gonçalves
Produtor: Don Giovanni
Site: http://www.dongiovanni.com.br/
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Franc 100%
Teor alcoólico: 12,8%
Rolha: De cortiça, pequena e com logomarca gravada.
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 13,50, meia garrafa
Onde foi comprado: Distribuidora de Bebidas, em Búzios
Quando foi comprado: 30 de maio de 2009
Degustado em: 30 de maio de 2009
Onde bebeu: Orla Bardot, em Búzios
Harmonizado com: Salgadinhos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Beber um vinho ao ar livre era algo que estava em nossos planos há algum tempo. Aqui no Rio, isso é meio difícil, por vários motivos, mas em Búzios achamos que dava para fazer. De tarde, fomos a uma lojinha de vinhos e escolhemos essa meia garrada do Don Giovanni Cabernet Franc. Tínhamos pensado em outras, mas na hora de escolher, achamos que seria melhor uma meia garrafa, pois ainda queríamos ir ao cinema. Decisão acertada. A garrafinha serviu para matarmos a nossa vontade e ainda ficamos satisfeitos com o vinho. Lá, ele chama-se Vino di Búzios. Segundo a moça da loja, os turistas adoram levar para dar de presente. A garrafa é bem bonitinha, com formato diferente. E o vinho mostrou-se bem honesto. Abrimos a garrafa antes de sairmos de casa, para não precisarmos levar o abridor. Munidos de taças e de um salgadinho para dar uma enganada antes do jantar, escolhemos um banquinho na Orla Bardot, que tem uma estátua de Brigitte Bardot, e ficamos de papo até a hora do cinema - fomos ver o filme Titãs - a vida até parece uma festa. Bem bom! Valeu o programa completo. Aliás, valeu o fim de semana todo. :)
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo personalizado escrito "Vino di Búzios". Vale destacar o formato diferenciado da garrafa.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Foi um ótimo programa sentar à beira-mar, na orla de Búzios, e degustar um vinho. O clima estava friozinho, o que ajudou a compor o cenário para o vinho. Compramos essa garrafa sem grandes expectativas, mas o vinho se mostrou bastante agradável. Um vinho de corpo leve, que cairia bem com uma comida. De paladar mais vegetal, final levemente curto. Um vinho com características de outros Vale dos Vinhedos que degustamos. Fácil de se beber, ainda mais no cenário em que estávamos. Foi um ótimo fim de semana.
Nota: 86.0+

15 de junho de 2009

De Bortoli Vat4 / Calyptra / Baron Philippe de Rothschild


Nome: De Bortoli Vat4 / Calyptra Reserva / Baron Philippe de Rothschild
Safra: 2005 / 2003 / 2007
País: Austrália / Chile / Chile
Região:Riverina, NSW/ Valle del Cachapoal / Maipo
Produtor: De Bertoli Wines / Agricola Porto Fino / Baron Philippe de Rothschild
Site: http://www.debortoli.com.au/; http://www.calyptra.cl/

Importador: Zona Sul / Terramatter / Brasif
Uvas/Corte: Petit Verdot 100% / Cabernet Sauvignon 100% / Merlot 100%
Teor alcoólico: 14,5% / 13,5% / 13,5%
Rolha: Tampa de rosca/ Cortiça, tamanho médio e com logomarca gravada. / Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 29 / Gentilmente oferecido pelo Gustavo / Gentilmente oferecido pelo Flávio e pela Cris
Onde foi comprado: Zona Sul / Lidador / -
Quando foi comprado: Maio de 2008 / 26 de maio de 2009 / Março de 2009
Degustado em: 26 de maio de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Azeites aromatizados e duo de porco com legumes ao molho de mostarda e cogumelos de Paris
Com quem: Claudio, Rafaela, Gustavo, Cris e Flávio

Comentário do Produtor
The palate exhibits rich mocha characters, dark berry fruits, sweet pepper and silky tannins. It is intensely fruit driven with integrated coconut and toasty oak flavours and beautiful mid palate weight.

Color: Rubi violáceo, intenso y profundo.
Nariz: Expresándose con mucha personalidad peri sin ninguna exhuberancia caricatural, la nariz entrega un fruta fresca y madura de casis, cerezas, y jaleas de frambuesas, sutilmente aumentada de madera balsámica. Se suman notas de sotobosque, tierra y cuero para finalmente entregar un conjunto elegante y armonioso.
Boca: jugosa en ataque, la boca marca su fruta con mucha brillantez y precisión, armándose de a poco por una estructura generosa de taninos finos y firmes al servicio de un cuerpo medio a la materia fresca. El final se comparte entre la fruta inicial presentada en nariz y los rastros tanicos asegurando su buen potencial de guarda.

NOTAS DE DEGUSTAÇÃO: O Vale Central é influenciado por dois fatores: durante dia, brisas marítimas e à noite ar frio das montanhas andinas. A característica deste Merlot é muito aroma de fruta. O vinho é fermentado em tanques de aço inoxidável. Sua cor é vermelho rubi brilhante. No nariz apresenta uma explosão de frutas vermelhas, cerejas e ameixas pretas. Na boca, revela uma fina estrutura com taninos generosos. Todo o refinamento e redondeza da uva Merlot é evidenciado neste vinho.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Marcamos esse jantar para aproveitar a vinda do primo do Claudio, o Gustavo, ao Rio. Como ele é compadre da Cris e do Flávio, nossos vizinhos, achamos que a noite ficaria ainda melhor com a companhia deles. De início, o jantar foi marcado para o dia 20 de maio, o que significava não contar com o Flávio, que já tinha se planejado para ver o jogo do Fluminense. Também era noite de decisão entre Inter e Flamengo - na semana anterior tínhamos ido ao Maracanã para ver o Inter, meu time, jogar. Quase perto da hora do jantar, Gustavo ligou para desmarcar. Logo achei que era por causa do jogo. Afinal, o flamenguista devia ter-se dado conta do jogo, mas não foi por isso. Gustavo pegou um resfriado e, doente, nem iria aproveitar muito bem o jantar, a conversa. Com a mudança, ficamos com o time completo na semana seguinte. :) Nem preciso dizer, acho, que o jantar foi ótimo. Pena só que a Gabi e os meninos não estavam no Rio. Conversamos bastante, rimos, degustamos os vinhos e a comida preparada pelo Claudio - com minha ajuda, claro. Só esquecemos de um 'pequeno' detalhe e o Flávio teve de provar porco, mas tudo foi compensado com a maravilhosa sobremesa trazida pela Cris. Adoramos. Tomara que possamos fazer outros desses! Ah, em relação aos vinhos, gostei mais do primeiro, mas os outros também não fizeram feio.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O jantar foi bastante animado e divertido que acabomos esquecendo de usar nossos bloquinhos para fazer as anotações sobre os vinhos. O primeiro vinho da noite foi um Petit Verdot australiano, comprado no Zona Sul. Esta é a segunda safra diferente que degustamos deste vinho e o resultado continuou sendo bem interessante. Boa característica da Petit Verdot, sem ser frutado em demasia. Um vinho que vale provar. Estão vendendo a safra 2006 que já li que foi melhor avaliada que as outras duas que degustamos, fica a dica. Passamos para um bom Cabernet Sauvignon chileno. Um vinho com toques de pimentão, menos intenso contudo de bom equilíbrio. O jantar foi muito agradável e espero que a gente consiga repetir outras vezes com a presença da Gabi e os meninos.
Nota: 88.0 +; 87.0; 85.0

11 de junho de 2009

Pergunta da Semana - 120

Toda semana o Le Vin au Blog publica uma nova pergunta para conhecer um pouco mais sobre os seus gostos e hábitos. Nesta semana, inspirado pelo Dia dos Namorados, o Le Vin au Blog pergunta:

- A sua comemoração de Dia dos Namorados vai ser com vinho? Qual será?

(No caso de já ter passado a data, qual foi? Harmonizado com que prato?)

La Misión Sauvignon Blanc 2007


Nome: La Misión
Safra: 2007
País: Chile
Região: San Luis de Pirque, Valle del Maipo
Produtor: William Fèvre
Site: http://www.wfchile.cl/
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Sauvignon Blanc 100%
Teor alcoólico: 12,8%
Rolha: Sintética, azul
Numeração da garrafa: - / 20.000
Preço: R$ 20
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul de Botafogo
Quando foi comprado: 24 de maio de 2009
Degustado em: 24 de maio de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Couscous com frutos do mar
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Nuestras viñas La Misión Sauvignon Blanc crecen en San Luis de Pirque, localidad del Valle del Maipo, siendo ésta la región vitícola más antigua de Chile. Estas parras son clones importados directamente de Francia por el Sr. William Fèvre, y son caracterizadas por su pureza.
Los aromas de La Misión Sauvignon Blanc 2007 son florales, frescos y elegantes. Este vino presenta notas de durazno blanco, melón y pomelo.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Logomarca divertida que brinca com a tipologia. O conjunto é agradável.
Exame visual: Muito claro, límpido e translúcido
Exame olfativo: Leve toque de frutas tropicais ao fundo.
Exame gustativo: Estava um belo domingo de sol no Rio de Janeiro. A temperatura estava agradável e durante a caminhada que estava fazendo na orla de Ipanema pensei que estava um dia ideal para comer um prato de frutos do mar e beber um sauvignon Blanc para acompanhar. Saí da praia passei no supermercado, comprei camarões, lulas e um pedaço de peixe e este vinho. Chegando em casa preparei um couscous marroquino com os frutos do mar. É um vinho básico, com acidez bem acentuada que funcionou perfeitamente bem com o prato (puxei um pouco na pimenta do reino) e com o belo dia. Vinho com álcool integrado, e final levemente cítrico e com toques minerais. Sozinho não é tão interessante, mas foi uma ótima companhia ao prato.
Nota: 89.0 (pela harmonização do belo dia, prato e vinho)

Cartoixa - 2003


Nome: Cartoixa
Safra: 2003
País: Espanha
Região: Priorat
Produtor: Celler d'Scala Dei
Site: -
Importador: -

Uvas/Corte: 48% Cabernet Sauvignon, 47% Garnacha Tinta, 5% Syrah
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Supercomprida, de cortiça.
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Madrid, pelo nosso amigo Dorva
Quando foi comprado: Outubro de 2007
Degustado em: 21 de maio de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Queijo minas padrão, focaccia de alecrim do Café Botânica, pães e azeites
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color granate oscuro. Amplio bouquet de frutos negros, compota de ciruela, fruta en alcohol, con un toque especiado de pimienta negra y nuez moscada y un agradable fondo balsámico procedente de la crianza. En boca muestra una gran expresividad aromática, potencia, con taninos intensos y cuerpo imponente. Su evolución en botella ha redondeado sus rasgos.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Turvo.
Exame olfativo: Cheiro de vinho licoroso. Por muito pouco não achei que estava estragado.
Exame gustativo: Quando coloquei este vinho no decantador, fiquei impressionada com a quantidade de depósito. Cheguei a pensar que o vinho estava até passado, mas depois ele se mostrou um pouco mais agradável. Não sei se é porque fiquei meio impressionada, mas achei o gosto meio alcoólico demais, como se fosse um vinho licoroso.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo que utiliza um texto sobre o vinho sempre inspira confiança. A logomarca Scala Dei que desequilibra um pouco o conjunto.
Exame visual: Muito turvo, com muitos sedimentos
Exame olfativo: Intenso e ficando desequilibrado. Frutas com especiarias. Um pouco de álcool presente.
Exame gustativo: O vinho estava com muitos sedimentos. Mesmo decantando ele ainda ficava com o aspecto turvo. Ficamos com medo dele não estar bom. O paladar não estava comprometido, apenas os primeiros sinais de declínio do vinho apareciam. Ainda assim seu sabor era intenso, estilo novo mundo, algo como uma mistura de vinhos do Chile com Austália. A Cabernet Sauvignon em certos momentos se destacava. No início o final estava um pouco desequilibrado, mas com um tempo aberto melhorou muito repetindo a intensidade de sabores. Fiquei curioso para degusta outros vinhos da região do Priorat.
Nota: 88.0

9 de junho de 2009

Cuvée Benoit Beaujolais - 2006


Nome: Cuvée Benoit
Safra: 2006
País: França
Região: Beaujolais
Produtor: Les Vins Henry Fessy
Site: -
Importador: Zona Sul

Uvas/Corte: Gammay
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: Presenteado pela Gabriele
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 17 de maio de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Lanchinho da noite, com milho, queijo fundido, queijo minas padrão comprado a caminho de Secretário
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: Transparente, clarinho.
Exame olfativo: Cheiro de vinícola, apesar de o Claudio dizer que cheiro de vinícola é melhor. Leve cheiro de mercearia.
Exame gustativo: Minha chefe, a Gaby, está voltando para a Alemanha e além de nos dar vários livros, ela presenteou alguns funcionários com uma garrafa de vinho. Escolhi este francês. Foi uma boa escolha. Trata-se de um vinho levinho, mas gostoso, que foi melhorando ao longo do nosso lanche. Vinho que se presta para acompanhar um jantar despretensioso. O melhor é servi-lo em temperatura ambiente.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo ao estilo francês. Sem nada de novo.
Exame visual: Rubi bem claro.
Exame olfativo: Leve fruta como morango.
Exame gustativo: Abrimos este vinho sem muitas espectativa. Um Beaujolais já com 3 anos e sem nenhuma referência sobre ele, achamos melhor beber de forma descompromissada. No início ele estava com gás carbônico e leve álcool aparecendo. Coloquei um pouco no decanter e deixei a temperatura subir um pouco (tinha resfriado). Feito isto, o vinho passou a surpreender positivamente. É um Gamay que já estava perdendo um pouco da vivacidade, mas bastante agradável e fácil de se beber. Leve, ligeiro, notas de morango e suco de uva. Um vinho para se beber sem compromisso.
Nota: 86.0+

6 de junho de 2009

Vika - Syrah/Cabernet Sauvignon 2007


Nome: Vika
Safra: 2007
País: Argentina
Região: San Juan
Produtor: Cerro Correa - Bodega La Guarda
Site: http://www.bodegalaguarda.com.ar/
Importador: Race Comercio - Bodega Barra

Uvas/Corte: Syrah e Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,9%
Rolha: Sintética, preta.
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelos dindos do Claudio, Guilherme e Sônia
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 16 de maio de 2009
Onde bebeu: Sítio dos dindos do Claudio, em Secretário
Harmonizado com: Pães, queijos, frios, aipim
Com quem: Claudio, Rafaela, Guilherme, Sônia, Marcela, Mauro, Regina Helena, Fernando, Eliane, Fernanda e Mariana

Comentário do Produtor
Apresenta cor vermelha intensa. No nariz aparece notas defumadas com geléia de frutas vermelhas e figo. De excelente volume, taninos firmes e agradável sensação final.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este vinho se saiu muito bem durante o superagradável jantar servido na casa dos padrinhos do Claudio durante o fim de semana que passamos em Secretário, na Serra Fluminense. Foi uma noite daquelas que você não esquece. Todos em volta de uma mesa enorme, comida deliciosa e muita boa conversa. Esperamos repetir em breve. Durante o passeio, aproveitamos para ver como estavam as plantinhas que levamos para o sítio. Desta vez, levamos nosso pezinho de pau brasil.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Preto, estilo moderno. A fonte utilizadona logomarca é de estilo moderno e com personalidade. O rótulo recebeu uma laminação fosca.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Degustamos este vinho em um jantar durante o final de semana que passamos na região serrana do estado do Rio. O clima mais anemo da região é sempre um convite a degustar um vinho. Nesta noite, o meu padrinho resolveu abrir este argentino que eu não conhecia. É um vinho que carrega todo o perfil de vinho argentino moderno: bastante fruta, madeira ao fundo e grande corpo. Não é um vinho complexo, mas se mostrou equilibrado. Combinou com os diversos queijos e pães do jantar. Para quem gosta do estilo, é um vinho que não vai decepcionar.
Nota: 87.0

Zucardi Serie A - Malbec 2007



Nome: Serie A
Safra: 2007
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Familia Zuccardi
Site: http://www.familiazuccardi.com/
Importador: Expand

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça, tamanho médio para pequeno.
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 55,00
Onde foi comprado: Loja Expand de Ipanema
Quando foi comprado: 11 de maio de 2009
Degustado em: 11 de maio de 2009
Onde bebeu: Loja Expand de Ipanema
Harmonizado com: Quijos e carpaccio
Com quem: Claudio e Joffre

Comentário do Produtor
-

Comentário do Claudio
Rótulo:
Papel texturizado, hot stamp na logomarca. Moderno, clean e equilibrado. Transmite confiança.
Exame visual: Violeta indo para o grená.
Exame olfativo: Fechado e curto, com leve toque vegetal.
Exame gustativo: Há algum tempo que tentava marcar de beber um vinho com o Joffre e colocar o assunto em dia. Por um período, trabalhei no escritório dele e sempre tínhamos algumas garrafas de vinho por lá... Em alguns dias, no final de tarde, abríamos uma garrafa e ficávamos trabalhando e aproveitando uma taça de vinho. Depois disso, saímos algumas vezes para degustar uma garrafa, mas já tinha algum tempo que não nos encontrávamos para um vinho e para colocar a conversa em dia. O Joffre está com um novo site do Chef em Casa no ar (convido-os para visitar). No site, vocês vão encontrar receitas, dicas e os vídeos que o Joffre e o Léo fazem para a tv de Teresópolis. Vale a visita. Voltando ao vinho, o Zuccardi é um vinho agradável, bem feito, um pouco ligeiro na boca, pouca madeira e boa acidez. É aquele tipo de vinho que você bebe, gosta, mas não fica na sua memório por muito tempo. De qualquer maneira, valeu o encontro e espero que não demore tanto para bebermos outra garrafa.
Nota: 87.0

4 de junho de 2009

Amadeu Brut - Rosé


Nome: Amadeu Brut Rosé
Safra: -
País: Brasil
Região: Pinto Bandeira
Produtor: Vinícola Cave de Amadeu
Site: http://www.amadeu.com.br/
Importador: -

Uvas/Corte: 50% Merlot, 30% Cabernet Sauvignon e 20% Pinot Noir
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 39,00
Onde foi comprado: Cobal do Humaitá
Quando foi comprado: 09 de maio de 2009
Degustado em: 10 de maio de 2009
Onde bebeu: Casa da Marcela e do Mauro
Harmonizado com: Feijoada
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena, Mauro e Marcela

Comentário do Produtor
Amadeu: O Espumante Amadeu Brut Rosé é elaborado pelo método champenoise, trazendo um caráter mais jovial.NOTAS DE DEGUSTAÇÃO:Apresenta uma bela coloração cereja claro, com excelente perlage. Boa intensidade aromática lembrando frutas vermelhas, como morango. No paladar, apresenta uma boa acidez; agradável e versátil para comida.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Havíamos provado este vinho na última harmonização virtual, com risotto de feijoada. Quando fomos convidados para esta feijoada pelo Mauro e pela Marcela, resolvemos testar o espumante, que havia feito tanto sucesso, com uma legítima feijoada. Mais uma vez, o Amadeu se saiu muito bem. Vale mesmo experimentar.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo um pouco fechado e pesado devido ao preto. Poderia ser mais atraente e leve. Não espelha a bonita cor do espumante.
Exame visual: Linda cor, algo de pêssego rosado.
Exame olfativo: Morango, muito agradável.
Exame gustativo: Degustamos este espumante pela primeira vez durante o jantar da Harmonização Virtual com o Risotto de feijoada. O resultado foi ótimo (leia aqui). Ficamos com vontade de provar o espumante com uma feijoada. Quando a Marcela e o Mauro nos convidaram para comer uma, compramos uma garrafa do espumante para tirar a prova. E o resultado não poderia ter sido melhor. Excelente harmonização. Equilíbrio perfeito entre prato e bebida. O Amadeu repetiu todas as boas características da primeira garrafa que degustamos e com a feijoada ficou ainda melhor. Fácil de se beber. A garrafa acabou rapidamente. Não tenho dúvidas em recomendar este espumante para fazer companhia a uma boa feijoada. Experimentem!!!
Nota: 90.0

3 de junho de 2009

Pergunta da Semana - 119

Toda semana o Le Vin au Blog publica uma nova pergunta para conhecer um pouco mais sobre os seus gostos e hábitos. Nesta semana, inspirado pelo friozinho que chegou à região Sul e, de forma mais moderada, ao Rio, o Le Vin au Blog pergunta:

- Chegamos à época de receitas especiais combinadas com vinhos diferentes. Você já programou algum jantar para curtir o frio? Alguma receita? Com qual vinho?

2 de junho de 2009

D. V. Catena - Malbec-Malbec 2004




















Nome: D. V. Catena
Safra: 2004
País: Argentina
Região: Lunlunta e Agrelo, Lujan de Cuyo, Mendoza
Produtor: Bodega Catena Zapata
Site: http://www.catenawines.com/
Importador: -

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça, tamanho médio, com logomarca gravada
Numeração da garrafa: -
Preço: 85 pesos
Onde foi comprado: Catena Zapata, em Mendoza
Quando foi comprado: 18 de dezembro de 2008
Degustado em: 8 de maio de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Empanadas do Rei das Empanadas, de Copacabana
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário Produtor
Este vino es el resultado del corte de dos Malbec provenientes de viñedos ubicados em diferentes microclimas de la provincia de Mendoza. Uno de Ellos es de la zona de Lunlunta a 860 mts de altura y el otro es de la zona de Agrelo, a 940 mts. Nuestras investigaciones em Bodega Catena Zapata nos indican que al elaborar un vino varietal de corte con uvas provenientes de estas zonas se obtienen características superiores a las de cada una evaluada individualmente. Cada componente hace su aporte para lograr un vino caracterizado por su notoria concentración y complejidad.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Cor superintensa, rubi. Quando caiu no decanter, parecia violeta.
Exame olfativo: Fruta com pimenta, pêssego, laranja e, no final, cigarro.
Exame gustativo: Comprei este vinho durante a visita que fiz à Catena Zapata, em Mendoza, em dezembro passado. Infelizmente, não harmonizou com a comida. De qualquer forma, é um ótimo vinho, classudo. Creio que por causa da comida, ficou levemente ácido. Ele me pareceu fugir um pouco dos malbecs argentinos a que estou mais acostumada. O vinho tem uma boa permanência. As primeiras duas taças foram como os primeiros 10 minutos de corrida, mais difíceis, mas depois disso, assim como numa corrida, tudo foi uma beleza. Lá pelas tantas, achei um gosto de damasco, talvez um quê de morango. Vale provar.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo clássico e elegante. Feito em um papel especial com uma ilustração da imagem de Domingo Vicente Catena, que poderia ser mais trabalhada. Um rótulo com estilo.
Exame visual: Violeta intenso, opaco. Bonita cor.
Exame olfativo: Um pouco fechado. Notas de frutas escuras e pimenta.
Exame gustativo: Vinho que difere um pouco dos tradicionais Malbecs argentinos. É um corte de dois malbecs de duas regiões diferentes. Na boca é intenso, de bom corpo e boa textura. Vinho que dá a impressão de já seguir uma nova tendência para os Malbecs argentinos: madeira e fruta estão bem domados tentando buscar um caminho da elegância. Um bom vinho, com personalidade, bem feito. Leve amargor no final, mas não pareceu defeito. Decantamos por 40 minutos, Ainda pode evoluir na garrafa.
Nota: 88.0+