25 de maio de 2009

Desafio Falando de Vinhos - Decanter


Nome: Veja os nomes e detalhes dos vinhos no post sobre o Desafio no Blog Falando de Vinhos.
Safra: -
País: -
Região: -
Produtor: -
Site: -
Importador: Decanter

Uvas/Corte: -
Teor alcoólico: -
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo blog Falando de Vinhos
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 27 de abril de 2009
Onde bebeu: Enoteca Decanter, em São Paulo
Harmonizado com: Pães
Com quem: Claudio, João Felipe e outros oito participantes

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Com um certo atraso, publico meus comentários sobre o Grande Desafio Decanter de Vinhos Syrah, bela iniciativa e organização do amigo João Filipe Clemente do blog Falando de Vinhos. A noite foi ótima, na bela loja da Decanter em São Paulo. João Filipe gentilmente me convidou para participar do Desafio e consegui encaixar minha agenda para estar em São Paulo na data. Todos os sete vinhos da noite foram servidos às cegas sendo 5 deles 100% Syrah e ous outros dois um corte com a Syrah presente. Vinhos foram de 6 países diferentes e todos de um nível muito bom. Em geral todos evoluiram bem na taça.Todos os detalhes dos vinhos podem ser lidos no "Falando de Vinhos". Abaixo um breve comentário sobre cada vinho:

- Schild Estate Shiraz 05: O campeão da noite. Um grande vinho australiano com um nariz intenso, com uma paleta aromática que passava por especiarias e frutas. Paladar instigante, complexo e interessante.Um vinho envolvente.
- Raka Biography 05: Em segundo lugar, mas bem próximo do Schild, ficou este belo vinho sul africano. Nariz surprendente com intenso aroma de café seguido por tostado, chocolate e especiarias. Muito interessante. Na boca um vinho redondo e complexo com um longo final.
- Killerman´s Rush de Clare Valley 05: Mais um aaustraliano de grande qualidade. Este, para mim, foi o vinho com maior tipicidade da cepa. Estilo não tão exuberante quanto os outros dois anteriores, mas de muito equilíbrio.
- Fatasciá Aliré Syrah & Nero d’Avola 05: Na classificação final este vinho ficou em quarto. Na minha pontuação ele ficou em quinto. No nariz algo defumado misturado com frutas maduras. Vinho que preenche a boca e com um final muito agradável. Não me empolgou tanto.
- Les Fées Brunes 05: Este francês, um Crozes- Hermitage, na minha classificação tinha ficado com a quarta posição. Na classificação final ficou em quinto. Acredito que sua avaliação tenha sido prejudicada pois o estilo deste vinho pedia um belo prato de comida. Era o vinho de um outro estilo que facilmente percebia-se que era o francês. Nariz fechado, e paladar de perfil elegante. Vale uma nova avaliação com acompanhado de um jantar.
- Estampa Gold Assemblage Syrah 04: Este foi o chileno da noite, que logo que começamos a degustar os participantes indicaram como sendo o chileno. Como é um corte com Carmenére, esta cepa estava muito presente. Taninos marcados .Este talvez tenha sido o vinho que menos me empolgou.
- Callia Magna Shiraz 06: Vinho que já havia degustado e comentado aqui no blog. Vinho muito bem feito, não tão complexo quanto os outros. Seu grande destaque é o valor em torno de R$ 46,00. Um bom vinho fácil de agradar.

Foi uma ótima noite e gostaria de agradecer o convite feito pelo João Filipe e parabenizá-lo pela organização.

Pergunta da Semana - 118

Toda semana o Le Vin au Blog publica uma nova pergunta para conhecer um pouco mais sobre os seus gostos e hábitos. Nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Você costuma procurar por restaurantes que fazem uma marcação justa no valor do vinho? Na hora de escolher onde jantar você dá preferência para estes restaurantes? Costuma frequentar lojas de vinho que tem restaurante junto?

24 de maio de 2009

Cadus - Syrah 2002


Nome: Cadus
Safra: 2002
País: Argentina
Região: Luján de Cuyo
Produtor: Nieto Senetiner
Site: http://nietosenetiner.com/
Importador: -

Uvas/Corte: Syrah
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: De cortiça, grande e com logomarca gravada
Numeração da garrafa: -
Preço: 180 pesos
Onde foi comprado: Ligier, em Buenos Aires
Quando foi comprado: 14 de fevereiro de 2008
Degustado em: 2 de maio de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Yakisoba
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Cor vermelha com reflexos violetas e grande untuosidade. Aromas que sugerem cassis e olivas, com notas de fumaça e de chocolate devido a seu tempo de permanência no carvalho. O sabor é intenso e profundo. Na boca surge um vinho estruturado, com volume, concentração e elegância, taninos aveludados. Tem uma boa integração da fruta com a madeira.

Comentário da Rafaela
Exame visual: A cor mais comum de vinho: rubi.
Exame olfativo: Arde o nariz. Achei que tinha cheiro de fumaça.
Exame gustativo: A mesma sensação de ardência sentida no nariz também se sente na boca. É adstringente, mas não chega a incomodar. Gosto de cigarro, de fumaça, meio amargo, mas, apesar de todas essas características, é um bom vinho, porém, eu esperava mais. Sempre que pensava em beber este vinho, eu pensava: será uma ótima experiência. Achei que seria uma garrafa especial. Sei lá. Não foi ruim, mas não teve todo esse estilo que eu esperava. Meu decepcionante.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo pequeno e mesmo assim marcante.
Exame visual: Rubi
Exame olfativo: Um pouco fechado e leve álcool presente. Parece que já entrou em declínio. Ameixa, compota e alguma especiaria.
Exame gustativo: Este foi um daqueles vinhos que você vai degustar com uma expectativa alta e o resultado não acompanha aquilo que você estava esperando. O vinho já está bem maduro, corpo firme, sabor intenso. Syrah com estilo bem argentino. Madeira integrada e fruta em compota. Vinho um pouco unidimensional. Vinho que funciona sozinho, não precisa de comida para acompanhar. É um bom vinho, agradável, mas sem nenhuma surpresa. Realmente esperava mais.
Nota: 87.0 +

18 de maio de 2009

Caleo - Negro Amaro 2006


Nome: Caleo
Safra: 2006
País: Itália
Região: Salento, Puglia
Produtor: Caleo - Vinícola Botter
Site: -
Importador: Interfood

Uvas/Corte: Negro Amaro 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 54
Onde foi comprado: Restaurante Pomodorino, na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio
Quando foi comprado: 30 de abril de 2009
Degustado em: 30 de abril de 2009
Onde bebeu: Restaurante Pomodorino, na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio
Harmonizado com: Massa com molho funghi (Claudio) e Capeletti recheado com brie e nozes com molho de amêndoas (Rafaela)
Com quem: Claudio, Rafaela, Miguel e Paula

Comentário do Produtor
Cor: Vermelho rubi intenso.
Aroma: Frutas Vermelhas.
Paladar: Boa estrutura, com boa persistência de taninos com amargor agradável no seu final.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Cor de telha, clarinho.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Na véspera do feriado, acompanhados por nossos amigos Paula e Miguel, voltamos ao Pomodorino, restaurante que gostamos muito, pelo ambiente, pela boa comida e pelos preços. Não decepcionou. Quando o Claudio provou este vinho, disse que achava que poderia ser melhor. A impressão mudou com o tempo. Ele foi ficando melhor. Eu gostei e tomaria novamente. Ficou bom com o meu prato de massa, que, aliás, é muito bom, mas se torna um pouco enjoativo depois da metade.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Estava gripado nesta noite e meu paladar estava um pouco comprometido. Escolhi este vinho sem ter nenhuma referência sobre ele. A minha primeira impressão não tinha sido boa, mas com um tempo de aberto e acompanhado da massa se mostrou um vinho bastante agradável. Vinho de corpo leve, graduação alcóolica baixa que dá um perfil mais sutil e elegante. Estilo velho mundo que ficou muito interessante com as massas. Apesar da gripe foi uma noite agradável com o Miguel e a Paula.
Nota: 87.0

16 de maio de 2009

Pergunda da Semana - 117

Toda semana o Le Vin au Blog publica uma nova pergunta para conhecer um pouco mais sobre os seus gostos e hábitos. Há duas semanas, perguntamos de qual tipo de uva você estava enjoado. Nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Em qual tipo de cepa você está mais interessado no momento? Quais tipos de vinhos ou de que países que você tem degustado mais atualmente?

12 de maio de 2009

Colección Privada - Sauvignon Blanc 2007


Nome: Colección Privada
Safra: 2007
País: Chile
Região: Vale de Casablanca
Produtor: Viña Casablanca
Site: http://www.casablancawinery.com/
Importador: Casa Flora

Uvas/Corte: Sauvignon Blanc 100%
Teor alcoólico: 13.5%
Rolha: Sintética, preta.
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 60 no restaurante, mas pode ser encontrado nas lojas por R$ 35
Onde foi comprado: Restaurante Ponderox, na Barra da Tijuca, no Rio
Quando foi comprado: 25 de abril de 2009
Degustado em: 25 de abril de 2009
Onde bebeu: Restaurante Ponderox, na Barra da Tijuca, no Rio
Harmonizado com: Espetinho de badejo e camarão com arroz de brócolis (R$ 62, Claudio) e salmão com crosta de amendôas e risotto de aspargos (R$ 48, Rafaela)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vinho de exuberantes aromas florais, integrados com notas frescas de lima e uma surpreendente gama de frutas tropicais. Refrescante, delicado e muito persistente, tem grande tipicidade e ótima expressão varietal.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Amarelinho.
Exame olfativo: Cheiro típico de vinho branco.
Exame gustativo: Eu sempre fico com um pé atrás em relação a vinhos brancos, sempre fico na expectativa de que sejam mais docinhos do que realmente são. Este aqui harmonizou bem com o prato que escolhi. Bebemos este vinho durante o almoço e depois fomos ao cinema. Eu queria ver Eu te amo, cara, mas acabamos assistindo a Odeio o Dia dos Namorados. Não achei tão ruim quando bonequinho do jornal O Globo achou, mas é filme de sessão da tarde, não para ver no cinema. Já Eu te amo, cara é muito legal, adorei! É uma comédia romântica para meninos.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Utiliza o contraste preto/branco. Simples e objetivo.
Exame visual: Límpido e levemente dourado.
Exame olfativo: Um pouco fechado com notas de frutas tropicais como papaia e manga.
Exame gustativo: Um bom vinho da interessante região de Casablanca no Chile. Jovem, agradável, corpo leve e com acidez adequada. Um Sauvignon Blanc básico e bem feito. Funcionou bem com o salmão e com o camarão. É uma opção interessante de vinho branco.
Nota: 86.0+

Carmelo Patti - Cabernet Sauvignon 2003


Nome: Carmelo Patti
Safra: 2003
País: Argentina
Região: Lujan de Cuyo
Produtor: Bodegas y Vinedos El Lagar S.R.L.
Site: -
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14%
Rolha:De cortiça, tamano médio e com logomarca gravada.
Numeração da garrafa: - / 38.622
Preço: 65 pesos argentinos
Onde foi comprado: Vinoteca, Mendoza
Quando foi comprado: 19 de dezembro de 2008
Degustado em: 21 de abril de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pão do Zona Sul com azeite trufado que ganhamos da Nina e do Marcel e risotto de arroz integral com cenoura e cogumelos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Color: Muy bello por su intensidad, rojo muy profundo con reflejos rojo fuego, buen brillo, es atractivo por su personalidad.
Aroma: Elegante, muy intenso, impresiona por su penentrante matiz, complejo, vainilla de buena madera (Roble francés), buena tipicidad, es un excelente vino destinado a larga guarda.
Paladar: Muy complejo, especiado, sabroso, largo final, armónico y equilibrado, con más tiempo de botella, este vino vigoroso y corpulento, será magnífico. CO.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Translúcido, grená, bem limpo.
Exame olfativo: Cheiro de açougue.
Exame gustativo: Quando estive em Mendoza no final do ano passado, sempre que eu perguntava a alguém uma recomendação de vinho, ouvia: "experimenta o Carmelo Patti". Acabei comprando uma garrafa para trazer para casa. E valeu a pena. Trata-se de um vinho elegante. Não se sente os 14% de álcool, leve na boca, apesar de ter um paladar intenso. Na minha opinião, harmonizou melhor com os pães do que com a comida em si. Uma ótima compra. Gostaria de registrar aqui um comentário sobre o pão do Zona Sul. Eles fazem um pão, com formato de uma baguette, que vale ser provado, é muito bom, com uma composição diferente do pão francês. Sempre faz sucesso com as visitas.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Estilo antigo e não muito atraente. Mas o estilo "old school", combina com o vinho.
Exame visual: Límpido, grená.
Exame olfativo: Fechado no início. Depois que se abra passa a ser instigante, com defumado, carne, embutidos e toques de couro. Interessante.
Exame gustativo: Vinho argentino com estilo diferente da grande maioria de vinhos argentinos. Vinho do estilo velho mundo, estilo próprio, com personalidade. Prima pela elegência. Sabor l´mpido que com tempo no decanter foi se abrindo , aparecendo frutas em seu final, ficando mais intenso. Equilibrado, álcool integrado, perfil gastronômico. Um estilo que gosto bastante. Ba acidez e com capacidade de envelhecer por mais alguns anos. Um bom vinho e gostaria de conhecer os outros rótulos deste produtor. Recomendo.
Nota: 90.0

11 de maio de 2009

Pergunta da Semana - 116

Toda semana o Le Vin au Blog publica uma nova pergunta para conhecer um pouco mais dos seus gostos e hábitos. Esta pergunta é inspirada numa ideia que tivemos esses dias: ter uma parreirinha na varanda. Conseguimos uma muda lá no Rio Grande do Sul, com a minha mãe (quem escreve aqui é a Rafaela). Aproveitaremos uma viagem em julho para trazer a plantinha para o Rio. Com isso, nesta semana, o Le Vin au Blog pergunta:

- Você teria uma parreira em casa, mesmo que só por diversão? De qual cepa seria?

Armador - Cabernet Sauvignon 2005


Nome: Armador
Safra: 2005
País: Chile
Região: Vale del Maipo
Produtor: Odfjell
Site: http://www.odfjellvineyards.cl/
Importador: World Wine

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 14%
Rolha: De cortiça, tamanho médio.
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 49
Onde foi comprado: La Botella, em Ipanema, no Rio
Quando foi comprado: 20 de abril de 2009
Degustado em: 20 de abril de 2009
Onde bebeu: La Botella, em Ipanema, no Rio
Harmonizado com: Queijos nacionais camembert, brie, gruyére e de cabra mais uma massinha com o imbatível molho de tomates do La Botella
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Su color rubí está rodeado por un aura violeta. Siguiendo con las características de las vendimias anteriores, hay aromas anisados, vainilla, ciruelas, higos, arándanos y las típicas notas de regaliz del terroir de Odfjell. La faceta distintiva es el paladar; la vendimia 2005 es más fuerte, más concentrada y más rica que años anteriores. El vino crece y evoluciona en el paladar siendo jugoso y fresco al mismo tiempo. Sabores a frutas y taninos maduros persistentes en boca.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô.
Exame olfativo: Cheiro de vinho frutado.
Exame gustativo: Não é segredo para ninguém que evitamos beber vinhos fora de casa desde que voltamos da Argentina e do Chile com vários bons vinhos. Achamos abusivos os preços praticados por alguns restaurantes. Então, quando resolvemos provar algo fora de casa, vamos a lugares onde os vinhos são vendidos pelo preço de loja, como é o caso do La Botella. Além, claro, de adorarmos o ambiente e, no meu caso, a massa com molho de tomate. Na véspera do feriado, eu queria muito dar uma saída. Claudio topou minha oferta e lá fomos nós para Ipanema. Foi um ótimo programa. A única coisa é que evitamos beber os mesmos vinhos e todos os mais baratos de lá, nós já provamos. Então, nos vimos obrigados a escolher um vinho um pouco mais caro do que gostaríamos. De qualquer forma, o vinho se mostrou bem agradável. Frutado, moderno, do tipo que eu gosto.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo que transmite confiança. Simples, mas bastante equilibrado visualmente.
Exame visual: Rubi.
Exame olfativo: Nariz leve, um pouco fechado. Ameixa e toques de defumado.
Exame gustativo: Bom vinho chileno. Corpo médio, bem equilibrado. Toques de ameixa e groselha, fruta madura e final com pimenta preta e algo vegetal. Leve amargor que não chega a atrapalhar. Boa intensidade dos sabores. Funcionou bem com o queijo de cabra. É um bom vinho sem ser complexo. É bem feito, boa personalidade. Uma boa opção, agradável, frutado sem ser exagerado. Vale provar os vinhos da Odfjell.
Nota: 88.0

10 de maio de 2009

Casa de Santar - 2000


Nome: Casa de Santar
Safra: 2000
País: Portugal
Região: Dão
Produtor: Casa de Santar
Site: www.santar-sa.pt
Importador: -

Uvas/Corte: Touriga nacional
Teor alcoólico: 13.5%
Rolha: De cortiça, tamanho médio, com logomarca gravada.
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo Marcelo
Onde foi comprado: Lisboa, Portugal
Quando foi comprado: 2008
Degustado em: 18 de abril de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Bolinhas de carne/frango feitas no forno ao molho de mostarda acompanhada por batatas cozidas no creme de leite no forno
Com quem: Claudio, Rafaela, Carol e Marcelo

Comentário do Produtor
Vinho de cor retinta, no aroma muito concentrado em frutos vermelhos e violetas, na boca prima pelo seu porte, o equilibrio é aqui a nota dominante. Apresenta-se envolvente na boca, taninos muito finos e um final aveludado.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho muito gostoso, nos presenteado pelo Marcelo e pela Carol. Toda a deferência do Marcelo para com este vinho se mostrou muito apropriada. É realmente um vinho dos bons. E, o melhor, ele pode ser bebido sozinho, apesar de não ter se saído tão mal com a comida. Foi uma noite de ótimos vinhos e melhor companhia impossível. Que venham outros encontros como esse.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Tradicional e sem grandes atrativos.
Exame visual: Rubi alaranjado.
Exame olfativo: Intenso. típico de vinhos portugueses.
Exame gustativo: Este foi o segundo vinho da noite. Marcelo trouxe este vinho de Portugal e estava guardando para uma ocasião especial pois ele gosta muito da cepa Touriga Nacional. Resolveu trazer o vinho para o nosso jantar. O vinho combinou muito com o estilo do primeiro vinho. Safra 2000, este Dão estava já maduro, boa evolução. De perfil elegante, taninos finos e muito equilibrado. Boa complexidade de sabores. Poderia ter uma permanência maior, mas de qualquer modo é um vinho muito interessante e agradável. Assim como os dois vinhos portugueses, a noite foi muito boa.
Nota: 90.0

7 de maio de 2009

Cabeça de Burro 2002


Nome: Cabeça de Burro
Safra: 2002
País: Portugal
Região: Douro
Produtor: Caves Vale do Rodo
Site: http://www.cavesvalerodo.com/
Importador: -

Uvas/Corte: Touriga franca, tinta roriz, tinta barroca
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: De cortiça, de média para pequena, fina e com leve infiltração.
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo Marcelo, depois de sua viagem a Portugal em 2006
Onde foi comprado: Portugal
Quando foi comprado: Junho 2006
Degustado em: 18 de abril de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pães e azeites aromatizados
Com quem: Claudio, Rafaela, Marcelo e Carol

Comentário do Produtor
O CABEÇA DE BURRO é um vinho que apenas se produz em anos de excepcional qualidade. Provém dos melhores vinhedos da Região Demarcada do Douro (Baixo Corgo). As castas utilizadas são: Touriga Franca, Tinta Roriz e Tinta Barroca. É vinificado com desengace total e intensa maceração. A sua comercialização faz-se após um estágio mínimo de doze meses em vasilhas de madeira e seis meses em garrafa. Deve beber-se uma hora após a abertura da garrafa e à temperatura de 18 - 20ºC.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Muito cheiroso.
Exame gustativo: Quando abrimos, ficamos com medo de ele já estar passado. Este vinho foi trazido pelo Marcelo de Portugal em 2006 e desde então tentávamos agendar a degustação. Antes de termos a adega climatizada, ele ficou por meses no armário, que, digamos, não tinha lá as melhores condições de armazenamento. Por isso, o medo. Felizmente, ele estava em seu melhor estado, equilibrado, muito gostoso.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Feio e estranho. Não é atraente. Necessita de um redesenho urgente.
Exame visual: Grená indo para o alaranjado.
Exame olfativo: Frutas leves e delicado. Muito interessante.
Exame gustativo: Passado a expectativa se o vinho estaria bom, veio logo a grata surpresa de o vinho estar no ponto ideal para o consumo. Evoluido, maduro e com uma elegância marcante. Com boas características de vinhos franceses, este exemplar do Douro estava com fruta na medida certa, tanino suaves e paladar muito agradável. os 12,5% de álcool foi determinante para este estilo do vinho. Este foi o primeiro vinho do ótimo jantar com o Marcelo e a Carol.
Nota: 89.0 +

6 de maio de 2009

Pergunta da Semana - 115

Toda semana o Le Vin au Blog publica uma nova pergunta para conhecer um pouco mais dos seus gostos e hábitos. Nesta semana, o Le Vin au Blog pergunta:

- Existe algum vinho, algum estilo, alguma uva que você tenha provado tantas vezes que está um pouco enjoado e procura evitar? Qual é?

Aurora Moscatel - Casa Perini Brut


Nome: Aurora Moscatel e Casa Perini Brut
Safra: -
País: Brasil
Região: a
Produtor: Vinícola Aurora e Vinícola Perini
Site: http://www.vinicolaaurora.com.br/; http://www.vinicolaperini.com.br/
Importador: -

Uvas/Corte: Moscato, Moscato Bianco e Moscato Giallo; Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 7,5 %; 11,5%
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Champanheria Ovelha Negra, em Botafogo, Rio
Quando foi comprado: 13 de abril de 2009
Degustado em: 13 de abril de 2009
Onde bebeu: Champanheria Ovelha Negra, em Botafogo, Rio
Harmonizado com: Filé aperitivo
Com quem: Claudio, Miguel, Ricardo, Wagner e Marcelo

Comentário do Produtor
Elaborado com as variedades Moscato Bianco e Moscato Giallo, pelo processo Asti, o espumante Aurora Moscatel é jovem, refrescante e companheiro ideal tanto para ser consumido só quanto para acompanhar sobremesas leves. De exuberantes aromas florais e sabor agradável.

Vinho espumante natural fino, 100% elaborado com uvas Chardonnay, com a segunda fermentação realizada pelo processo Charmat. Cor amarelo palha, aromas florais e frutados, ressaltados pela leveza do seu perlage fino, intenso e com espuma cremosa persistente. Excelente companheiro para todas as horas.

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Toda a primeira segunda feira de cada mês, meus amigos de faculdade se reunem em algum lugar. Nesta último evento, o Marcelo escolheu especialmente a Champanheria Ovelha Negra para nos contar que ele e a Carol tinham ficados noivos. Assim, ele queria brindar com espumante a notícia. O primeiro da noite foi escolhido pelo noivo, o Aurora Moscatel, que é um dos preferidos da Carol. Docinho e agradável. Acho o Marco Luigi Moscatel mais equilibrado, mas quem gosta do estilo o Aurora não vai desagradar. A segunda escolha foi minha. Tinha escolhido outros três antes do Perini, mas todos estavam em falta... O Perini é bom, apenas tinha um leve amargor sobrando. De qualquer forma, o mais importante da noite era a notícia. Dali seguimos para jogar sinuca no Boteco Taco.
Nota: -

4 de maio de 2009

Casa Valduga Identidade - Ancelotta 2006


Nome: Identidade
Safra: 2006
País: Brasil
Região: Encruzilhada do Sul, no Rio Grande do Sul
Produtor: Casa Valduga
Site: www.casavalduga.com.br
Importador: -

Uvas/Corte: Ancellotta
Teor alcoólico: 13%
Rolha: De cortiça, tamanho médio e logomarca gravada.
Numeração da garrafa: -
Preço: Presente do Jacy e da Márcia
Onde foi comprado: Casa Valduga, no Vale dos Vinhedos
Quando foi comprado: dezembro de 2008
Degustado em: 14 de abril de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa com carne de soja e molho de tomate
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
A identidade desta variedade revela-se pela coloração intensa, vermelho violáceo. No aroma, a principal característica são as frutas vermelhas maduras e doces de ameixas, amoras e figos secos. Também aparecem notas de especiarias como a pimenta preta. Vinho estruturado, taninos doces e redondos, apresenta amplitude e bom corpo, com muita persistência gustativa.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Um tom escuro impressionante.
Exame olfativo: Cheiro conhecido, mas que não identifiquei.
Exame gustativo: Este vinho foi comprado pelos nossos compadres Márcia e Jacy quando eles foram passar um dia no Vale dos Vinhedos e fizeram um curso de degustação na Casa Valduga. O legal deste vinho é que quem compra pode dar uma identidade ao vinho. Eles, no caso, colocaram as digitais e assinaram. :) Tomara que a Joana consiga tirar este rótulo bem direitinho. Quando começamos a prová-lo, pensei que seria ótimo bebê-lo em frente à lareira, num dia bem frio, comendo uma comida bem pesada. Ele me passou essa sensação, de aconchego. Ele tem um estilo diferentão, pesado. Acho que funciona melhor com uma comida mais elaborada e pesada. Não ficou ruim com a nossa massa com carne de soja, mas talvez harmonizasse melhor com outra comida. Com o queijo prima donna, por exemplo, ficou melhor. Segundo o Claudio, "se acertar a harmonização, vai que é uma beleza". Concordo com ele. Obrigada, amigos, o presente foi aprovado. :)
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Interessante o conceito de você personalizar o rótulo. Uma boa estratégia de marketing.
Exame visual: Um violeta muito escuro. Tinge a taça.
Exame olfativo: Algo vegetal com pimente e leve fruta ao fundo. Já sentido em outros vinhos nacionais.
Exame gustativo: Vinho de estilo mais rústico, gastrônomico e com boa tipicidade. Na boca, toques vegetais, lembrabdo o estilo "velho mundo". Corpo médio, leve álcool ainda aparente, sem madeira marcada e que evoluiu com tempo no decanter. Acredito que se você conseguir um bom prato para fazer uma harmonização o vinho irá crescer muito e ficar mais interessante. Provamos com um pedaço de queijo que tínhamos em casa e funcionou de forma bem interessante. Vale experimentar.
Nota: 86.0 +

3 de maio de 2009

Santa Carolina Barrica Selection - Petit Verdot 2005



Nome: Barrica Selection
Safra: 2005
País: Chile
Região: Valle del Rapel
Produtor: Santa Carolina
Site: http://www.santacarolina.com/
Importador: -

Uvas/Corte: 85% Petit Verdot, 9% Syrah, 6% Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 14%
Preço: R$ -
Onde foi comprado: Baden Baden, Campos do Jordão, em São Paulo
Quando foi comprado: 11 de abril de 2009
Degustado em: 11 de abril de 2009
Onde bebeu: Baden Baden, Campos do Jordão, em São Paulo
Harmonizado com: Salsichas, sopa alemã, founde de queijo, salada de batatas
Com quem: Claudio, Rafaela, Oswaldinho, Érica, Patrícia, Marcela, Mauro e Tiago

Comentário do Produtor
This wine features an intense red scarlet colour. Exuberant and complex, it offers a myriad of aromas such as blackberries, ripe apricots and violets. Sweet tones of vanilla, toffee and cocoa taken from ageing in small french oak barrels for 18 months, are perfectly integrated to the fruit. This outstanding Petit Verdot is concentrated, with great structure and very flavourful. Strongly expressive, persistent and with a great bottle ageing potential.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nesse sábado, viajamos do Rio para Tremembé para um encontro da família do Claudio. Conheci muitos novos parentes e reencontrei outros tantos. Foi bem legal. Gostaria muito de poder fazer o mesmo com os meus primos algum dia. Depois de uma tarde de churrasco na casa dos tios Lena e Luiz Heleno, fomos conhecer Campos do Jordão, uma cidade famosa pelos restaurantes, hotéis e pelo frio. Estava levemente friozinho. Gostamos muito do centro da cidade, todo cuidado, com belas casa em estilo alemão. Quando a fome bateu, nosso bando foi parar na Baden Baden, lugar com mesas livres àquela hora. Pedi uma sopa alemã muito gostosa. Patty estava com vontade de beber um vinho e resolvemos acompanhá-la. O vinho mostrou bem agradável.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo que me despertou a curiosidade de provar o vinho. Passa seriedade.
Exame visual: Alaranjado escuro
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Ano passado degustamos este vinho. O resultado não tinha sido tão bom: o vinho tinha fruta em excesso, parecendo uma geléia. Fomos dar um rápido passeio na agradável cidade de Campos do Jordão que eu não conhecia. Paramos no restaurante Baden Baden e a Patrícia queria beber um vinho. O clima ameno da cidade foi propício para degustar um vinho. Acabei escolhendo novamente este Petit Verdot. E para minha surpresa o resultado foi outro. O vinho estava bem mais agradável, sem aquela compota toda que da primeira vez tinha atrapalhado. Foi uma boa opção.
Nota: 88.0

2 de maio de 2009

Hétszölö Tokaji Aszú 1997 - 6 Puttonyos


Nome: Hétszölö Tokaji Aszú
Safra: 1997
País: Hungria
Região: Tokaj
Produtor: Tokaji Hétszölö
Site: www.tokaj.com
Importador: -

Uvas/Corte: Furmint (90 a 100%), Harslevelü
Teor alcoólico: 11%
Rolha: De cortiça, tamanho médio e com logomarca gravada.
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pela Raquel e pelo Ricardo
Onde foi comprado: Hungria, quando a dupla andou por lá no ano passado
Quando foi comprado: 2008
Degustado em: 9 de abril de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: damascos, geléia de damascos, queijo prima donna, queijo brie, patê de foie gras e pães
Com quem: Claudio, Rafaela, Raquel e Ricardo

Comentário do Produtor
A magnificent old gold colour. To the nose, elegant, subtle and complex aromas with a hint of fruit (apricot, plum, peach, orange) or of honey, hazelnuts … The taste is sumptuous and unmatched. Its complexity and its rarity confirm the mysterious and engaging character of this true “king of wines, wine of the kings” (Louis XIV).

Comentário da Rafaela
Exame visual: Ouro.
Exame olfativo: Definitivamente um pouco de mel, pêssego e damasco.
Exame gustativo: Estávamos há meses planejando degustar esse vinho, mas primeiro não conseguíamos marcar com o Ricardo e a Raquel, depois não sabíamos com o que iríamos harmonizá-lo. Finalmente, na quinta-feira santa, conseguimos. E foi uma maravilha. Acho que este foi o melhor vinho licoroso que eu já provei. Adoramos. Ele não é para ser bebido igual água, é mais pesadinho e deve ser dividido com outras pessoas - uma garrafinha é muito para um casal. Agradecemos aos nossos amigos pela gentileza de dividir esse vinho tão bom conosco. Tomara que tenhamos vários outros jantares neste ano.
Nota: 94.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Estilo clássico e antigo. Combina com o vinho.
Exame visual: Bela cor de ouro velho.
Exame olfativo:Aromas bem diferentes, passando por mel, amêndoas. Interessante.
Exame gustativo: Este foi o primeiro Tokaji comentado e degustado aqui no blog. Quando o Ricardo e a Raquel foram para a Hungria, nos avisaram que trariam uma garrafa para degustarmos juntos. Conseguimos marcar a data, compramos algumas coisas que poderiam harmonizar com o vinho e finalmente o provamos. Um tokaji é realmente diferente de qualquer outro tipo de vinho. Naturalmente, imaginamos que pode lembrar um late harvest, mas seu paladar é único. Um equilíbrio perfeito entre acidez e açúcar residual, com claros toques de mel, amêndoas e algum doce queimado. Textura cremosa. Sabor é marcante e único com um final muito longo. Realmente é uma experiência interessante, a qual despertou a vontade de provar outros tokajis. Quanto à harmonização, o melhor resultado obtido foi quando provamos o vinho com damascos junto com a geléia. Cresceu ainda mais. Ótima noite.
Nota: 91.0

1 de maio de 2009

Obikwa - Pinotage 2007



Nome: Obikwa
Safra: 2007
País: África do Sul
Região: Stellenbosch
Produtor: Distell Limited
Site: http://www.brandfile.obikwa.co.za
Importador: Interfood

Uvas/Corte: Pinotage
Teor alcoólico: 13.5%
Rolha: Sintética e pequena
Numeração da garrafa: -
Preço: Presente de aniversário da Raquel e do Ricardo para o Claudio
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: 2008
Degustado em: 9 de abril de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Yakisoba de frango
Com quem: Claudio, Rafaela, Raquel e Ricardo

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Quando a Raquel chegou, Claudio partiu para a cozinha para preparar um saboroso yakisoba. Enquanto esperávamos a comida ficar pr0nta, aproveitamos para navegar no novo blog do Mário, nosso amigo que está fazendo um regime e treinamento para correr 10km no fim do ano. Quando o yakisoba ficou pronto, atacamos. Estava muito bom! E o Obikwa, na minha singela opinião, foi um bom companheiro. Equilibrado, discreto. Gostei!
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo marcante pelos grafismos tribais e cores intensas.
Exame visual: Rubi claro.
Exame olfativo: Leve álcool aparente e algo doce como marmelada.
Exame gustativo: Este foi o primeiro vinho da noite. O Obikwa é uma opção de vinho leve e agradável. É um vinho básico, mas com boas características. Na boca é doce sem ser frutado. Final ligeiro com algo de doce queimado. Álcool se mostrou integrado. Um vinho agradável, fácil de se beber. Uma boa opção para o dia a dia.
Nota: 86.0