28 de fevereiro de 2009

Les Fumées Blanches - Sauvignon Blanc 2006


Nome: Les Fumées Blanches
Safra: 2006
País: França
Região: Poumeyrade - Languedoc
Produtor: Jacques & François Lurton
Site: www.domainesfrancoislurton.com
Importador: Zahil

Uvas/Corte: Sauvignon Blanc
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Tampa de rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo João Filipe no aniversário do Falando de Vinhos
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 10 de fevereiro de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Sushi Kotobuki
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Robe : Couleur pâle avec des reflets verts et jaunes. Brillant.
Nez : Nez d’une très grande intensité mêlant fruits tropicaux, fleur blanche et agrumes.
Bouche : La bouche est délicate et d’une grande fraîcheur. On y retrouve les arômes d’agrumes (pamplemousse, citron) et de fruits tropicaux.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Amarelo clarinho.
Exame olfativo: Coco. Senti também cheiro de algo defumado, mas talvez seja porque o Claudio tenha comentado isso. No final, cheiro de salsinha e tempero frito na panela, mas talvez fosse algum vizinho cozinhando àquela hora da noite. :)
Exame gustativo: Eita vinho chatinho. Não gostei. Esperava algo mais doce. Esse deixava um gosto de café na boca, além de deixar as gengivas ardidas. Vinho sem nada de mais. Acho que prefiro harmonizar o sushi com espumante mesmo, com vinho branco foi meio esquisito.
Nota: 85.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Leve, bonito e equilibrado. Um bom design.
Exame visual: amarelo bem clarinho
Exame olfativo: Coco, bala de coco e leve toque de algo mineral
Exame gustativo: Aproveitamos uma noite de calor e resolvi comprar alguns sushis e sashimis no Kotobuki para tentar harmonizar com este vinho branco. Este Sauvignon Blanc estava um pouco denso, parecia vinho branco envelhecido em madeira. Lembrava frutas como damasco e pêssego e toques minerais. Corpo médio, achei que estava faltando um pouco de acidez e frescor ao vinho. Não empolgou. Funcionou bem com os sushis, os dois tinham exatamente o mesmo peso. Talvez esperasse mais deste vinho que se mostrou fechado.
Nota: 85.0

27 de fevereiro de 2009

Luna - Cabernet Sauvignon 2004


Nome: Luna
Safra: 2004
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Finca La Anita SA
Site: www.fincalaanita.com
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14,40%
Rolha: De cortiça, tamanho médio e com logomarca gravada.
Numeração da garrafa: - / 9173
Preço: 42 pesos
Onde foi comprado: Ligier, em Buenos Aires
Quando foi comprado: 7 de dezembro de 2007
Degustado em: 7 de fevereiro de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pizza de quatro queijos da Sadia
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
A la vista presenta gran intensidad de color con tonalidades rojas y pardas. Aroma profundo con dejos de ciruela pasa y menta. Buen volumen en boca, con taninos adecuados en densidad y madurez. Muy persistente, con agradable retrogusto dulce que recuerda a frutos secos maduros.
Comentário da Rafaela
Exame visual: Cor de Escort XR3 - acho que pouca gente ainda se lembra dessa cor...
Exame olfativo: Cheiro da seção de frios do Zona Sul, supermercado que tem aqui perto de casa. Um quê de gelatina quando se mistura o pó à água quente. Cheiro de vinícola, como o da Almaviva, por exemplo. Como se pode ver, o cheiro mudou muito ao longo da degustação.
Exame gustativo: Escolhemos este Luna para estrear o nosso lindo bloquinho. :) Trata-se de um vinho adstringente, com fim de fruta. Melhora muito depois de ficar algum tempo aberto. Segundo o Claudio, não é um vinho para iniciantes. Muito bom.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Este já é o novo rótulo da linha Luna. Simples e sem muitos atrativos.
Exame visual: Rubi
Exame olfativo: Nariz que variou bastante. Passou por pimenta, leve fruta, especiaria e final com toques vegetais. Não é um nariz clássico de Cabernet Sauvignon, mas bem interessante.
Exame gustativo: Este vinho é produzido por uma Bodega argentina que aprecio bastante: Finca La Anita. O Luna é a segunda linha de vinhos desta vinícola que produz quantidades pequenas de vinhos e com um grande cuidado. Já degustamos outros vinhos desta vinícola e todos com bom resultado. Todos os vinhos degustados eram vinhos com características e personalidade próprios. Este Luna não fugiu à regra. Vinho peculiar e que de início pode não agradar quem não degusta vinhos regularmente. Sabor inicial que misturava frutas com algo vegetal. Depois e um tempo no decanter, evoluiu bastante. Corpo médio e sabor intenso. Longo e marcante final. Um Cabernet que mistura sabores de fruta madura com pimenta e notas vegetais. Muito interessante. Recomendo. Para quem mora no Rio, o supermercado Prezunic está com uma promoção e toda a linha Luna está por R$ 48,00. Se comparado com o valor na Argentina ainda é caro, mas na importadora este vinho custa cerca de R$ 61,00. O armazenamento do supermercado não é bom, mas acho que vale arriscar, tanto o Cabernet Sauvignon quanto o Syrah.
Nota: 90.0

Marco Luigi Reserva da Família - Merlot 2003


Nome: Marco Luigi Reserva da Família
Safra: 2003
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinícola Marco Luigi
Site: www.marcoluigi.com.br
Importador: -

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: De cortiça aglomerada, com logomarca impressa. Tamanho médio.
Numeração da garrafa: 2.675 / 5.000 garrafas
Preço: R$ 45,00 em média.
Onde foi comprado: Diretamente com a vinícola
Quando foi comprado: outubro de 2008
Degustado em: 4 de fevereiro de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Massa caseira feita pelo Claudio, com molho de tomates
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vinho encorpado, harmonioso, de guarda, denso e sedoso.Cor: Belíssima coloração rubi.Aroma: Grande intensidade de aromas frutados lembrando frutas de bosque, amora, chocolate e baunilha.Sabor: Apresenta persistência prolongada com ótimo volume de boca. Equilibrada acidez e maciez dos taninos nobres e doces.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Mais um vinho agradável da Marco Luigi. Desta vez, acompanhando um jantar que o Claudio preparou para comemorarmos o fato de o meu anteprojeto de mestrado ter passado na seleção, a primeira etapa de todo o processo. O prato desse jantar não poderia ser melhor: massa feita em casa com molho de tomates. Claudio leu a receita no site de um amigo dele, o Joffre, e resolveu fazer. Ficou realmente muito boa. Vinho de corpo médio, bem cheiroso.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
A tentativa foi de passar o conceito de "vinho artesanal". Contudo acredito que pesaram um pouco na mão com elementos demais que até desvalorizam o vinho. Acho que vale pensar num redesenho.
Exame visual: -
Exame olfativo: Uma mistura interessante de chá, cravo e especiarias. Final com um pouco de terra.
Exame gustativo: Um Merlot de sabor intenso tendendo a ir para algo frutado. No início o vinho pareceu ter um carater mais rústico, mas ele evoluiu para uma fruta madura. Não tem as características marcantes de um Merlot, um vinho diferente, de sabor peculiar. Corpo médio, álcool integrado e madeira não aparente. É um bom vinho, agradável, mas não chegou a empolgar. Vinho que vai bem com a comida e tinha potencial para ficar mais um pouco na garrafa. Talvez evolua um pouco mais.
Nota: 86.0 - 87.0

25 de fevereiro de 2009

Mairena - Bonarda 2005 / Mora Negra - Bonarda/Malbec 2005


Nome: Mairena / Mora Negra
Safra: 2005 / 2005
País: Argentina / Argentina
Região: Mendoza / San Juan, Mendoza
Produtor: - / Finca Las Moras
Site: - / www.fincalasmoras.com
Importador: -

Uvas/Corte: Bonarda 100% / Malbec e Bonarda, respectivamente
Teor alcoólico: 13,7% e 14,5%, respectivamente
Rolha: Ambas de cortiça, com logomarca impressa. Mairena de tamanho médio e Mora Negra de médio para grande.
Numeração da garrafa: - / - ; - / 10.018
Preço: 39 pesos / gentilmente oferecido pela Raquel e pelo Ricardo
Onde foi comprado: Vines, em Mendoza / em Buenos Aires
Quando foi comprado: 19 de dezembro de 2008 / janeiro de 2009
Degustado em: 31 de janeiro de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Azeites especiais preparados pelo Claudio e carne de porco com molho de cogumelos e polenta
Com quem: Claudio, Rafaela, Raquel e Ricardo

Comentário do Produtor
Mairena:
Vista - Púrpura muy intenso. Nariz - Perfume especiado por su contacto com madera. Boca - De buena estructura y aterciopelado. Ideal para acompañar carnes de caza, pastas, quesos y salsas muy condimentadas.
MORA NEGRA muestra elegancia y una pureza de frutas excepcionales, debidas a su especial proceso de elaboración. El color es rojo púrpura denso y el aroma muestra un frutado intenso, con notas amables de vainilla y ahumado. De boca ampulosa, rica, redonda, con aromas y sabores amalgamados con taninos suaves, toques de chocolate y frutas maduras.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este jantar fez parte dos encontros de inauguração da sala, iniciados na outra semana com a Claudine e o Marcus. Em homenagem ao amor da Raquel pela Itália, colocamos no cardápio uma polenta, que acompanhou uma carne de porco bem macia. Claudio também preparou um molhinho com cogumelos frescos, que deu um toque diferente à carne. Raquel anda apaixonada pela uva Bornarda, por isso escolhemos na nossa adega esse Mairena, que eu havia trazido de Mendoza. Eles estavam loucos para provar o Mora Negra. Os vinhos se mostraram muito bons e fizeram uma boa parceria com a comida.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O Mairena foi o primeiro vinho da noite. Um bonarda muito bem feito e bastante equilibrado. Vinho bastante agradável e sem excessos. Um bom exemplar desta uva. O segundo vinho da noite foi o Mora Negra. Já havíamos degustado este vinho e quando a Raquel pediu alguma indicação de vinho que tivesse Bonarda eu sugeri este. É um vinho com estilo bem moderno: bastante intensidade, fruta marcada e presente, madeira para arredondar o conjunto, passa 15 meses em barrica. Vinho bastante intenso e para quem procura um vinho neste estilo o Mora Negra é uma boa dica. Foi um ótimo jantar.
Nota: 89.0; 88,0 +

Pergunta da Semana - 105

O Le Vin au Blog publica uma pergunta nova toda quarta-feira. Nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Normalmente, quando você vai degustar um vinho, quanto costuma beber? Uma ou duas taças? Meia garrafa? Já bebeu uma garrafa inteira sozinho?

23 de fevereiro de 2009

Salton Volpi - Pinot Noir 2006



Nome: Salton Volpi
Safra: 2006
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Produtor: Salton
Site: http://www.salton.com.br/

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 13,3%
Preço: R$ 31,00
Onde foi comprado: Tumelero Bebidas, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 6 de maio de 2008
Degustado em: 29 de janeiro de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
De coloração rubi claro com aromas de frutos negros (framboesa, amora, mirtilo e cereja), tostados, baunilha, fumaça e especiarias. Sabor prolongado, agradável e harmônico.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Um vermelho sangue desbotado.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Esta foi a terceira vez que provamos este vinho. Eu estava sem muita vontade de ficar escolhendo qual vinho seria, então disse para o Claudio que eu adivinharia qual era o que estávamos bebendo. E não é que realmente adivinhei? Ele apresentava gosto de fruta vermelha, doce de morango. Levinho, mas não sei se é o tipo de vinho que agradaria a todos.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Segue a linha da família de vinhos Volpi: apresenta um trabalho do artista. A tipologia e o dourado poderiam ser melhor aplicados.
Exame visual: Rubi claro, cor de Pinot Noir.
Exame olfativo: Furtas doces, algo de morango e leve floral.
Exame gustativo: Esta é a terceira vez que degustamos este Salton Pinot Noir. O resultado nas duas outras vezes tinha sido bastante positivo e resolvi guarda uma garrafa para degustar com calma. Esta garrafa foi a que menos me impressionou. Talvez pela expectativa gerada pelas outras duas. Continua ainda um Pinot bastante agradável, mas desta vez me pareceu mais frutado e menos elegante que das outras vezes. Toques sutis, que eram bastante interessantes, deram lugar a uma fruta mais marcada. Por outro lado a madeira, que estava presente nas outras garrafas, parecia mais domada nesta. Evoluiu bem com um tempo no decanter. De qualquer forma é um vinho fácil de se beber, de coropo leve, com toques de cerejas no final.
Nota: 87.0

21 de fevereiro de 2009

Pergunta da Semana - 104

O Le Vin au Blog publica uma pergunta nova toda quarta-feira. Nesta semana, mais uma pergunta finalista da nossa promoção. Ela foi elaborada pela Ivania Amaral, de Campinas.

- Você está em uma festa e o anfitrião serve para todos um vinho especial, o qual vem sendo guardado há muito anos para a ocasião. O anfitrião faz todas as pompas e confetes para o tal vinho. Ao prová-lo, só você percebe que o vinho está bouchonée. O que você faria nessa situação?



P.s.: Os bloquinhos foram enviados no dia 9 de fevereiro. Se você já recebeu o seu, por favor nos avise. Obrigado.

18 de fevereiro de 2009

Azul Reserva 2003 / Château de Pressac 2004


Nome: Azul Reserva e Château de Pressac - Saint-Émilion Grand Cru, respectivamente
Safra: 2003 e 2004, respectivamente
País: Argentina e França, respectivamente
Região: Mendoza e Saint-Émilion, respectivamente
Produtor: Bodega La Azul e Jean-François et Dominique Quenin, respectivamente
Site: www.bodegalaazul.com.ar e www.chateau-de-pressac.com
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon, Malbec e Merlot /Merlot 72%, Cabernet Franc 14%, Cabernet Sauvignon 12%, Carmenère 1% e Noir de Pressac 1%, respectivamente
Teor alcoólico: 14.4% e 13,5%, respectivamente
Rolha: Média para pequena, de cortiça com logomarca gravada e média, de cortiça com a logomarca gravada.
Numeração da garrafa: -
Preço: 60 pesos. O segundo foi gentilmente oferecido pelo Miguel e pela Paula
Onde foi comprado: Vines, no Park Hyatt, em Mendoza e Freeshop do aeroporto de Paris, respectivamente
Quando foi comprado: 19 de dezembro de 2008 , -
Degustado em: 24 de janeiro de 2009
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Azeites aromatizados preparados pelo Claudio e steak au poivre com batatas inspiradas em receita do Elvira's Bistrot
Com quem: Claudio, Rafaela, Miguel e Paula

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Eu decidi comprar este vinho depois de ouvir falar muito bem dele nas minhas andanças por Mendoza. Ao prová-lo, achei-o bem louco, vivo, explosivo. Ele estava com depósito. Apesar de eu não achá-lo tão bom quanto as pessoas me falaram, acho que ainda assim é um vinho que vale ser provado. Em relação ao segundo vinho da noite, o cheiro sugeria ser um vinho mais leve, mas não foi nada disso. Ele era superforte, marcante, com gosto de estrebaria.
Nota: 88.0 e 87.0, respectivamente

Comentário do Claudio
Rótulo:
O Azul tem um rótulo moderno e interessante. O Saint Emillion já segue uma linha tradicional francesa de rótulo com a imagem do Château estampada.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Foi uma ótima noite na companhia do Miguel e da Paula. O primeiro vinho degustado foi o Azul que a Rafaela tinha comprado em Mendoza. Resolvemos abrir logo pois li que ele já estava passando do seu melhor momento. Esta garrafa me pareceu ainda estar no seu melhor. Vinho de bom corpo, sabor intenso, taninos macios e álcool bem integrado apesar de 14,4%. Vinho de estilo moderno e leve toque de madeira. Muito bem feito e final longo. Apresentou muitos depósitos na garrafa. O segundo vinho da noite foi gentilmente trazido pelo Miguel. Um interessante Saint-Émilion que tinha características bem distinta em relação ao argentino. O destaque ficou para o intenso nariz que lembrava café. Realmente marcante. Estes toques de café se repetiram na boca. Vinho intenso, mas elegante. Vinho com personalidade e de um estilo que me agrada. Foi um bom jantar.
Nota: 89.0 - 89.0

17 de fevereiro de 2009

Essencia Valdemar Rosado 2006 - Cune Rosado 2006


Nome: Essencia Valdemar, Cune Rosado
Safra: 2006
País: Espanha
Região: Rioja
Produtor: Bodegas Valdemar; CVNE
Site: http://www.valdemar.es/; http://www.cvne.com/
Importador: Mistral; Vinci

Uvas/Corte: Garnacha 100%; Tempranillo 100%
Teor alcoólico: - ; 13,5%
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 47,00 (site Mistral); R$ 58,00 (site Vinci)
Onde foi comprado: Restaurante Bilbao, em São Paulo
Quando foi comprado: 16 de janeiro de 2009
Degustado em: 16 de janeiro de 2009
Onde bebeu: Restaurante Bilbao, em São Paulo
Harmonizado com: Diversas Tapas
Com quem: Claudio e demais participantes da reunião

Comentário do Produtor
100% Garnacha. Es limpio, de buena intensidad, con aromas a grosellas y fresas, bien conjugadas con notas florales.

Elegante color cereza sobre fondos morados. Aroma intenso a frutos rojos grosellas, frambuesas. Las notas cítricas que aparecen al introducirlo en boca, nos da un excelente equilibrio.

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Não conseguimos degustar o vinho rosé para fazer nossa indicação para a Confraria dos Enoblogs. Para não passar em branco, mesmo fugindo um pouco da proposta de preço da Confraria, resolvi, com atraso, publicar este dois bons vinhos espanhóis que degustei durante um almoço de trabalho em São Paulo. Dois vinhos equilibrados, refrescante e que casou muito bem com a ótima comida do restaurante Bilbao. Vale destacar que o restaurante possui uma área interna aberta, onde existem algumas parreiras. Nada melhor que em plena capital paulista almoçar debaixo de parreiras. Muito agradável. As tapas degustadas estavam excelentes. Vale muito conhecer este restaurantes nos Jardins. Gostei dos dois vinhos. O Essencia me pareceu mais vivo e jovem e o Cuneum, um pouco mais elegante. Como estava em um almoço de trabalho não fiz nenhuma anotação.
Nota: -

Finca La Linda - Malbec 2006 / Rupestro - Merlot/Sangiovese 2006


Nome: Finca La Linda e Rupestro
Safra: 2006
País: Argentina e Itália, respectivamente
Região: Mendoza e Umbria, respectivamente
Produtor: Luigi Bosca e Cantina Cardeto, respectivamente
Site: www.luigibosca.com.ar e www.cardeto.com, respectivamente
Importador: Decanter

Uvas/Corte:Malbec 100% e Merlot 80%/Sangiovese 20%, respectivamente
Teor alcoólico: 14% e 13,5, respectivamente
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 10,50 e R$ 11, a taça respectivamente
Onde foi comprado: Pizzaria Fiametta, no Rio
Quando foi comprado: 22 de janeiro de 2009
Degustado em: 22 de janeiro de 2009
Onde bebeu: Pizzaria Fiametta, no Rio
Harmonizado com: Pizza Napoletana, a nossa preferida de lá
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Finca La Linda - Característica cor vermelho intenso. Aromas a cereja e especiaria. Envelhecido em carvalho francês por três meses. Vinho bem equilibrado com taninos balanceados.

Rupestro - Colore:rosso rubino con riflessi porporaProfumo:ricco ed aromatico con note di marasca e frutta rossa. Sapore:pieno, di corpo con straordinaria corrispondenza gusto olfattiva. Giustamente tannico. CONSIGLI DEL PRODUTTOREA: bbinamento: perfetto con primi piatti rossi o sughi di carne come pure con arrosti e grigliate miste. Note di servizio:servire a 14°-16°C in bicchieri da vino giovane.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Dia de chuva no Rio, um entre tantos, tínhamos uns compromissos na rua, que se alongaram mais do que gostaríamos. Ao invés de jantar em casa, decidimos seguir adiante e comer uma pizza. Escolhemos um lugar que gostamos muito e sempre somos bem atendidos. Sem pestanejar, fomos logo pedindo a nossa pizza preferida, a Napoletana. Claudio, guloso, pediu logo uma grande, mas uma média dá tranquilamente para duas pessoas sairem alimentadas. Para acompanhar a comida e o diazinho frio, decidi aproveitar a troca de fornecedor da Fiametta, que agora está com a Decanter, e pedi o meu queridinho Finca La Linda, que estava exatamente da maneira como eu lembrava dele, agradável, frutado na medida certa e combinando direitinho com a pizza. Foi um jantar muito bom.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A Fiametta mudou sua carta de vinhos que agora passa a ser 100% da importadora Decanter. Gosto bastante dos vinhos desta importadora. A carta não é tão extensa, mas podemos encontrar boas opções por preços rozoáveis para restaurante. Algumas opções de vinhos em taça, entre eles o Finca la Linda e o Rupestro. Dois vinhos básicos que considero bastante interessantes. Nesta noite o La Linda da Rafaela caiu melhor que o Rupestro que pedi. De qualquer modo, valeu ter pedido uma tacinha para acompanhar o boa pizza de lá.
Nota: -

13 de fevereiro de 2009

Pergunta da Semana - 103

O Le Vin au Blog publica uma pergunta nova toda quarta-feira. Nesta semana, colocamos mais uma pergunta finalista em nossa promoção. Esta foi enviada pelo Mauro, do Rio de Janeiro:

- Se você fosse escolher uma região produtora de vinho para morar, qual seria?

8 de fevereiro de 2009

Chateau Souverain - Zinfandel 2003 / Ruffino Chianti 2007



Nome: Chateau Souverain / Ruffino
Safra: 2003 e 2007, respectivamente
País: Estados Unidos da América e Itália, respectivamente
Região: Califórnia e Toscana, respectivamente
Produtor: Chateau Souverain e Ruffino, respectivamente
Site: www.souverain.com e www.ruffino.it
Importador: -

Uvas/Corte: Zinfandel e Sangiovese, respectivamente
Teor alcoólico: 14,5% e 12,5%, respectivamente
Rolha: As duas de cortiça, tamanho médio e com a logomarca gravada.
Numeração da garrafa: -
Preço: O Chateau Souverain foi gentilmente comprado pelo Lê nos Estados Unidos e o italiano, a Claudine e o Marcus compraram no free shop quando voltaram da Itália no ano passado.
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 21 de janeiro de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa fresca da Veronese com nosso molho de tomate feito em casa
Com quem: Claudio, Rafaela, Claudine e Marcus

Comentário do Produtor
Chianti:
Colore: Rosso rubino
Profumo: Chianti Ruffino esibisce come sempre un bouquet deliziosamente vinoso, dove le note floreali e fruttate conducono il gustatore verso un finale leggermente speziato di pepe bianco e nocciole.
Sensazioni Gustative: di buona struttura, armonia e persistenza, Chianti Ruffino si propone come un giovane Sangiovese che si abbina benissimo a molti piatti della cucina tradizionale italiana. E' davvero un vino dagli usi molto versatili.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Alguns dias antes desse jantar, eu (o Claudio estava em São Paulo) havia recebido minha amiga Gabi, de Caxias do Sul, e o namorado dela, o Leo, aqui do Rio, para um lanche, mas foi com este jantar, acompanhados da Claudine e do Marcus, que inauguramos oficialmente a nossa sala nova. E não poderia ter sido melhor. Ótima companhia, ótima comida, vinhos agradáveis e uma conversa que poderia ter entrado a madrugada. Os vinhos se mostraram bons companheiros. O primeiro, o norte-americano, mostrou-se uma boa mostra da uva Zinfandel, que a Claudine ainda não conhecia, mas foi com o segundo que a comida ficou ainda melhor. Não adianta, parece que massa com molho de tomate nasceu para ser acompanhada por um vinho italiano. Adoramos. Em relação à comida, acho que agora não conseguiremos viver mais sem molho de tomate caseiro. Que me perdoe a Pomarola, mas não há nada melhor do que tomates frescos.
Nota: 88.0 e 90.0, respectivamente

Comentário do Claudio
Rótulo:
Dois rótulos simples e tradicionais.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Foi uma noite muito agradável quando a Claudine e o Marcus vieram jantar aqui em casa. Degustamos duas garrafas de vinho acompanhadas por uma massa fresca e molho de tomate caseiro. O primeiro vinho da noite foi um Zinfandel norte-americano, que meu primo Lê trouxe da Califórnia para mim no ano passado. Não é uma uva que encontramos por aqui com frequência. Já degustei alguns vinhos da Zinfandel e, no geral, são vinhos interessantes, leves e com final adocicado. Este Chateau Souvrain é um vinho equilibrado, bem agradável e com seis ano de vida, no ponto para beber. Fácil de se gostar, não fugiu a regra do leve adocicado no final de boca. Toque de fruta e mel. Estava funcionando bem com a massa até nós abrirmos o Chianti Ruffino. Não há nada melhor para acompanhar uma massa com molho vermelho básico do que um Chianti. Já degustei outras safras do Ruffino. É um vinho de corpo leve, sabor agradável, 12,5% de álcool. Um bom Chianti básico. Junto com a comida parece que o vinho dá um upgrade. Quem for degustar este Chianti ou qualquer outro vinho da uva Sangiovesse, não deixe de testar o vinho harmonizando com um bom molho de tomates. Foi uma ótima noite.
Nota: 88.0 e 87.0 +,

6 de fevereiro de 2009

Quinta da Neve - Pinot Noir 2006


Nome: Quinta da Neve
Safra: 2006
País: Brasil
Região: São Joaquim, Santa Catarina
Produtor: Quinta da Neve
Site: http://www.acavitis.com.br/quinta_neve.html
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir
Teor alcoólico: 13,8%
Rolha: De cortiça, tamanho médio
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Essen Vinhos, em Florianópolis
Quando foi comprado: 26 de maio de 2008
Degustado em: 20 de janeiro de 2009 (corrigido pela Beda, havíamos colocado 2008...)
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Risotto de camarão com cogumelos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Um Pinot Noir de incrível tipicidade varietal, um marco para a vinicultura brasileira. A tonalidade rubi de média intensidade traz reflexos intensos e vivos. Os aromas de clima frio remetem às frutas silvestres e à cereja, emolduradas por elegantes notas de carvalho francês. A boca é vibrante e harmônica, com taninos de trama muito fina que enaltecem a fruta e firmam a estrutura. Termina limpo e com ótima persistência. (Guilherme Corrêa – Sommelier)

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô clarinho.
Exame olfativo: Cheio de casca de laranja.
Exame gustativo: Os catarinenses realmente sabem fazer vinhos bons! Este Quinta da Neve é leve, harmonioso, agradável ao paladar, equilibrado. Ele tem um gostinho mais forte no final, mas que não incomoda como certos vinhos que têm um amargo no fim do gole. A sensação é a mesma de quando você come algo como uma framboesa, que fica aquele leve amarguinho no final. É isso.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Este já é o novo rótulo dos vinhos Quinta da Neve. Explora muito bem o "Q" e o ícone de neve. Bem resolvido e marcante. Clean.
Exame visual: Rubi claro e transparente.
Exame olfativo: Difícil definição, mas já sentido em outros vinhos
Exame gustativo: Mais um bom vinho vindo de Santa Catarina. Este Pinot tem corpo leve, notas mais herbáceas com um final indo para algo como cereja. Boa acidez, equilibrado e um final bastante agradável. Não é um vinho tão complexo, mas tem boa intensidade e paladar interessante. Tem alguma coisa no paladar já sentida em outros vinhos vindos de Santa Catarina e que me agrada. Vale a pena observar a evolução das novas safras deste vinho. Este vinho foi escolhido para comemorar 35.000 visitas no Blog.
Nota: 87.0 +

5 de fevereiro de 2009

Pergunta da Semana - 102

O Le Vin au Blog publica uma pergunta nova toda quarta-feira. Nesta semana, colocamos uma pergunta que foi finalista da nossa Promoção. Ela foi enviada pelo Vitor, de Cascavel/PR:

- Se você comprou um vinho caro e está bebendo na presença de quem não aprecia vinhos e lhe perguntam quanto o vinho custou, você fala a verdade? Sente-se constrangido em dizer quanto pagou?

4 de fevereiro de 2009

Gillmore Hacedor de Mundos Reserva - Cabernet Sauvignon 2001



Nome: Gillmore

Safra: 2001
País: Chile
Região: Valle Loncomilla
Produtor: Viña Tabontinaja SA
Site: www.gillmore.cl
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: De cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 9.600 pesos chilenos
Onde foi comprado: Vinoteca, no Aeroporto de Santiago, Chile
Quando foi comprado: 9 de dezembro de 2008
Degustado em: 18 de janeiro de 2009
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizza Quatro Estações do Zona Sul
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Não sei não, mas eu diria que o Claudio caiu no conto do vendedor da loja de vinhos... : ) Infelizmente, este vinho não estava mais tão bom para ser bebido. Ainda deu para experimentarmos um pouco, mas deixamos bastante no decanter. Em alguns momentos, o vinho tentou dizer: eu já fui bom um dia, mas, uma pena, já tinha ficado guardado por tempo demais. Temos outro Gillmore na adega, de uma safra mais nova, que eu também comprei no free shop do aeroporto. Vamos ver como ele se sai em uma degustação futura.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Gosto do estilo. Uma ilustração que foge do lugar comum. Tem personalidade. Podia ter um pouco mais de equilíbrio entre os elementos.
Exame visual: Rubi com depósitos.
Exame olfativo: Nitidamente prejudicado por ter passado do tempo.
Exame gustativo: Deixei para comprar algumas garrafas na Vinoteca do Aeroporto de Santiago antes de embarcar de volta para o Brasil. Já estava com a intenção de comprar um vinho Gillmore, um Cabernet Franc. Aí o vendedor da loja me indicou este Cabernet Sauvignon, da safra 2001. Fiquei na dúvida se o vinho já não teria passado do ponto, mas como os vinhos que estava levando na mala eram em geral vinhos para guardar por algum tempo, resolvi arriscar levar esta garrafa para ser aberta logo. O vendedor me falou que ele ainda estaria bom. Não estava. Já tinha claramente passado do tempo. Não sei como ele estava armazenado e se este vinho aguenta este tempo todo. Esta garrafa que abrimos já estava uns 2 ou 3 anos fora do tempo. Todas as características estavam comprometidas. Contudo era possível perceber que deveria ter sido um vinho interessante. A Rafaela comprou uma garrafa da safra 2004, que acredito estará no ponto para degustar.
Nota: -

3 de fevereiro de 2009

Monte Cinco - Petit Verdot 2007


Nome: Monte Cinco
Safra: 2007
País: Argentina
Região: Luján de Cuyo, Mendoza
Produtor: Arturo Bertona
Site: http://www.montecinco.com.ar/
Importador: -

Uvas/Corte: Petit Verdot
Teor alcoólico: 13,6%
Rolha: De cortiça, tamanho médio
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente oferecido pela Raquel e pelo Ricardo, que o trouxeram de Buenos Aires semanas atrás
Onde foi comprado: Buenos Aires
Quando foi comprado: Janeiro 2009
Degustado em: 17 de janeiro de 2009
Onde bebeu: Casa da Marie e do Mário
Harmonizado com: Pães e uma salada deliciosa feita pela Marie
Com quem: Claudio, Rafaela, Ricardo, Raquel, Mário e Marie

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de um sábado que incluiu passeio com a minha amiga Márcia pela Lagoa de manhã e uma tarde inteira sentada em frente ao computador, decidimos aceitar o gentil convite da Marie e do Mário e a carona da Raquel e do Ricardo e partimos para a Tijuca. Àquela altura do dia, eu estava com uma dor de cabeça horrível, que, mais tarde, se revelou algo bem pior, mas meio escatológico demais para este blog. :) Provei este vinho e o achei bem normal, sem nada que o destacasse, mas também nada que o denegrisse. Ricardo ficou meio decepcionada, esperava bem mais. Eu, no final das contas, achei gostoso de beber.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo muito interessante por usar uma cor que pouco vemos nos rótulos de vinhos.
Exame visual: violeta vivo
Exame olfativo: ainda fechado, com leve toque de álcool e madeira
Exame gustativo: Gosto bastante da uva Petit Verdot. Acho que ela tem um sabor particular e intenso que me agrada. Já degustei alguns bons vinhos desta uva. O Monte Cinco é um vinho que podemos perceber as características desta uva: um vinho intenso, forte. Não é um vinho complexo, podemos até classifica-lo com um vinho direto, mas que me agradou. Acho que ele cresceria com uma comida mais forte, uma carne talvez. Em boca alguma coisa como uma mistura de ameixa com pimentão. Retrogosto lembrando café. Não é um grande vinho, mas me agradou.
Nota: 87.0

2 de fevereiro de 2009

Pergunta da Semana - 101

Em primeiro lugar, muito obrigado a todos que participaram da Promoção Pergunta da Semana - 101. Ficamos surpresos e bastante felizes com o resultado. Nossos bloquinhos serão recebidos em diversos estados brasileiros.

Pode parecer aquelas frases prontas, de programa de auditório, mas realmente não foi nada fácil escolher a pergunta que mais gostamos, pois várias eram muito interessantes. Infelizmente, não podemos enviar vinhos para os cinco finalistas, mas esses participantes receberão dois Bloquinhos Le Vin au Blog. E as respectivas perguntas serão publicadas nas próximas semanas.


Vamos ao que interessa. A pergunta vencedora da Promoção Pergunta da Semana – 101 é a seguinte:

- Se você recebesse R$ 300 para serem gastos exclusivamente com vinhos, o que você faria com o dinheiro? Compraria, por exemplo, um vinho de R$ 300, três vinhos de R$ 100, 10 vinhos de R$ 30? Compraria algum rótulo especial?
A pergunta vencedora foi criada e enviada pelo João Filipe Clemente, de São Paulo, autor do blog Falando de Vinhos. Em poucos dias, ele receberá uma garrafa do Orzada Malbec 2005 e o Bloquinho Le Vin au Blog.
Os demais participantes receberão pelo correio o nosso bloquinho, que acaba de sair da gráfica.

Muito obrigado e continuem repondendo à Pergunta da Semana, começando pela pergunta campeã.

Porcupine Ridge - Syrah 2006 / Tamaral - Tempranillo 2005


Nome: Porcupine Ridge / Tamaral
Safra: 2006 e 2005, respectivamente
País: África do Sul e Espanha, respectivamente
Região: Cabo da Boa Esperança e Ribera del Duero, respectivamente
Produtor: Boekenhoutskloof e Bodegas e Vinhedos Tamaral, respectivamente
Site: http://www.boekenhoutskloof.co.za/ e http://www.tamaral.com/, respectivamente
Importador: Mistral e Barrinhas

Uvas/Corte: Syrah 100% e Tempranillo 100%, respectivamente
Teor alcoólico: 14,5% e 13.5%, respectivamente
Rolha: Rolhas de cortiças, tamanho médio e logomarca estampada
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 68 e 57, respectivamente
Onde foi comprado: La Botella, em Ipanema, no Rio
Quando foi comprado: 8 de janeiro de 2009
Degustado em: 8 de janeiro de 2009
Onde bebeu: La Botella, em Ipanema, no Rio
Harmonizado com: Queijos nacionais e espaguete com molho de tomate
Com quem: Claudio, Rafaela, Lu e Helton

Comentário do Produtor
Tamaral - Ante la vista, un vino muy limpio y brillante. Bonito color rojo guinda con ribete aún azulado. Capa alta. En nariz es un vino muy franco y potente, sobresale la fruta, toques especiados (vainilla) de una madera muy fina. Complejo e intenso en nariz, frutosidad madura. Muy elegante. En boca, muy cálido y sedoso. Vivacidad y untuosidad. Estructurado. Excelente equilibrio del tanino con la fruta. Postgusto muy largo. Final persistente y complejo. Muy expresivo.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de meses combinando, fomos ao La Botella com o Helton e a Lu no final da tarde desta quinta-feira. Como sempre, a conversa foi ótima, acompanhada por estes dois ótimos vinhos. Dos dois, creio que todos preferiram mais o primeiro. O segundo, apesar de ser bom, ficou menos expressivo diante do primeiro. Durante a ida ao La Botella, matei a saudade do espaguete com molho de tomate, que só eles conseguem preparar. Estava tudo ótimo. Adoramos a companhia e esperamos realizar muitas outras degustações ao longo do ano.
Nota: 89.0 e 87.0, respectivamente

Comentário do Claudio
Rótulo:
Dois rótulos modernos, interessantes e com ilustração a mão livre. Bons rótulos.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: La Botella é um ótimo lugar aqui no Rio para se degustar um vinho. Começamos a noite com um ótimo Syrah sul africano. Foi uma boa surpresa esta garrafa. Um Syrah bem feito, com notas interessantes de especiarias e toques frutados. Um vinho redondo, sem exageros e que pode-se beber sozinho ou acompanhando uma comida. Agradável final. Um vinho que vale experimentar. Depois passamos para um vinho espanhol, da Ribera del Duero. Decepcionou um pouco. Um vinho agradável e correto, mas sem nenhum atrativo. Uma daquelas garrafas que você bebe, é agradável, não apresenta nenhum desequilíbrio mas depois de um tempo você nem lembra mais que você degustou. A noite foi bastante agradável na companhia do Helton e da Lu. Estamos aguardando a volta deles para o Rio para abrirmos outras garrafas.
Nota: 88.0+ e 86.0