8 de março de 2009

Château Ducos - Petit Verdot 2006


Nome: Château Ducos
Safra: 2006
País: Brasil
Região: Vale do São Francisco
Produtor: Ducos Vinícola
Site: www.ducosvinicola.com.br
Importador: -

Uvas/Corte: Petit Verdot
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Meio torta, de cortiça, de pequena para média.
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 34,90
Onde foi comprado: L´Orangerie, em Laranjeiras, no Rio
Quando foi comprado: 17 de fevereiro de 2009
Degustado em: 17 de fevereiro de 2009
Onde bebeu: L´Orangerie, em Laranjeiras, no Rio
Harmonizado com: Torradinhas, pasta da casa com casca de laranja, azeite e queijos gouda, master e primadona
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Devidos a seus cachos intensamente coloridos e de casca resistentes, este vinho ostenta uma cor púrpura bem marcada e estrutura fina e marcante. Na boca, tem gosto aveludado e fino, onde as características típicas da casta se misturam aos exuberantes aromas florais invocando os sabores de cerejas negras, amoras e framboesas.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô escuro.
Exame olfativo: Fruta, banana (em formato de mariola, bananada), cenoura com maionese.
Exame gustativo: Desde que voltamos da última viagem, combinamos ficar um tempo sem comprar vinhos, apenas o vinho do mês e os das harmonizações. Desde o início do ano, saímos apenas uma vez para beber vinhos fora de casa, mas nesta terça deu uma vontade de dar uma saidinha. Entre comer uma pizza no Braz e uma ida à L'Orangerie, acabamos escolhendo a segunda para evitar filas. Escolhemos este vinho brasileiro, comentado pelo Oscar e com preço acessível para acompanhar uns queijinhos. Ele estava meio esquisito no início, com muito gás carbônico, mas foi melhorando ao longo da noite. Não é exatamente um vinho que eu repetiria. Ele tem um gosto, às vezes, de campo queimado. Deve ser decantado.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Simples e desequilibrado. Usa uma ilustração de um cavalo. Merece um redesenho.
Exame visual: Rubi indo para o violeta.
Exame olfativo: Fruta vermelha madura. Leve toque doce ao fundo. Presença de ameixa, pimenta e um pouco de álcool.
Exame gustativo: Uma casta interessante, um produtor italiano, um enólogo francês, tudo isto desenvolvido em terras nordestinas brasileiras. Tinha lido alguns comentários sobre este vinho e, oor curiosidade, resolvi escolher esta garrafas para degustarmos no L'Orangerie. Logo que foi aberto, apresentou muito gás carbônico. Colocamos no decanter e em pouco tempo o gás foi sumindo, o vinho foi abrindo e evoluindo. Este vinho não passa em madeira. Sabor intenso, leve acidez, taninos marcados e levemente verdes. Adstringente. Se mostrou um bom parceiro para comida. Deve crescer com um prato de carne, por exemplo. Evolui positivamente com tempo no decanter. Vinho interessante, simples, mas que vale a pena ser provado. Acho que tem tudo para crescer nas próximas safras. Vamos ficar atentos.
Nota: 86.0 +

Um comentário:

Leonardo Castanha disse...

Sou de Recife e vou procurar experimentar esse "Chateu Ducos"! Alguns vinhos produzidos aqui no Vale do São Francisco de fato não me agradaram muito(sobretudo no item custo beneficio). O "Boticceli" por exemplo ja chegou a ser comercializado por R$ 12,00 (supermercado Bompreço - Rede Wal-Mart)enquanto na mesma prateleira temos o novato "Panul" (òtimo chileno) a R$ 11,90 (promoção). Aí é duvidar da capacidade de raciocinio do consumidor...

Parabéns pelo Bolg e um grande abraço!