29 de junho de 2008

Filósofos 2003



Nome: Filósofos
Safra: 2003
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Viña el Cerno
Site: www.elcerno.com.ar

Uvas/Corte: Malbec 40%, Cabernet Sauvignon 40% e Merlot 20%
Teor alcoólico: 13,60 %
Preço: 120 pesos
Onde foi comprado: Winery, em Buenos Aires
Quando foi comprado: 11 de dezembro de 2007
Degustado em: 6 de junho de 2008
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Lombinho de porco com panachê de legumes
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Crianza : 10 meses en barrica de roble francés de primer uso. Notas de Cata: de brillante color guinda, lágrimas intensas y persistentes. Aromas especiados, alcanfores, menta y pimienta negra, frutas rojas como guindas y ciruelas maduras. Algo de canela, vainilla y tabaco. Equilibrada acidez en boca con dulces taninos. Perdurable en boca con un muy buen recuerdo final.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Não conferi a cor. Temos o costume de degustar nossos vinhos à meia luz e nem sempre lembro de ligar a luz sobre a mesa para ver a cor.
Exame olfativo: Cheiro da seção de vinhos do Zona Sul. Cheiro daquelas mercearias do interior, onde se vende um pouco de tudo. Vinho rico em aromas.
Exame gustativo: Preciso contar um pouco sobre como foi que compramos este vinho lá em Buenos Aires. Em dezembro, quando fomos passar uns dias na Argentina, pesquisamos preços em várias lojas. Acabamos gostando mais da Ligier e da Winery. No dia anterior a nossa volta para casa, fomos compras os vinhos. Escolhemos a Winery mais perto, mas antes fomos em uma loja da Ligier. Ao chegar à loja da Winery, os vendedores estavam todos perto da porta. Era cedo ainda e não tinha muito movimento na loja. Tão logo entramos, um deles falou que deveríamos deixar nossas bolsas na porta, pois não se podia entrar com sacolas da concorrente ali. Bom, nosso espanhol não é lá grande coisa e só fomos entender isso bem mais tarde. Na hora, pensamos que eles estavam dizendo para deixarmos as sacolas ali para podermos olhar com mais calma outros vinhos. Logo após soltarmos as bolsas, um deles disse rindo: É um chiste. Claro que não sabíamos a tradução de chiste. É algo como uma piadinha, uma brincadeira, mas só fomos entender isso depois. Bem depois de sair da loja, na verdade. Quando eles viram que não tínhamos entendido, um dos vendedores pediu para outro pegar nossas sacolas e colocar em lugar mais apropriado, perto do caixa, e fomos escolher nossos vinhos, com ele nos ajudando. Acabamos comprando vários bons vinhos e lá pelo final, acho que meio para se redimir, ele nos indicou este: Filósofos. Falando que se tratava de um vinho superbom. E ele não estava mentindo. Trata-se de um vinho muito bom, que esquenta a boca, mostrando um gosto levemente ácido, mas agradável. Tem corpo médio, não é nem viscoso, nem adstringente. Quando você deixa o vinho por mais tempo na boca, sente bem os taninos. Vale a pena ser provado.
Nota: 91.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo simples, que podia ser mais interessante. Foi usado uma tipologia manuscrita, que poderia ter sido um pouco mais trabalhada. A garrafa é bastante pesada.
Exame visual: Tom de cereja, translúcido.
Exame olfativo: Difícil definição apesar de uma boa gama de cheiros. Algo vegetal, com cereja ao fundo. Leve toque de baunilha. Boa complexidade.
Exame gustativo: Escolhemos este vinho para ser o vinho em comemoração às 20.000 visitas ao Le Vin au Blog. Sempre procuramos "algo para comemorar" quando vamos beber algum vinho. Este vinho foi indicado pelo vendedor da loja Winery, como contou a Rafaela. Aqui no Brasil, nem sempre podemos confiar nas "dicas" de vendedores. Neste caso, o vendedor argentino nos deu uma boa dica. Não conhecia este vinho e nem o seu produtor: Viña el Cerno. Procurei algumas informações e descobri alguns dados interessantes. Os vinhos produzidos pela vinícola só eram vendidos para quem fosse até lá comprar e visitar. A vinícola é o projeto pessoal de Pedro Martinez, que elaborou seu primeiro vinho em 1997. O sonho do Pedro era fazer vinhos de qualidade, com seu toque pessoal e vender diretamente para quem fosse visitar a vinícola. A vinícola cresceu através do boca-a-boca. Quem comprava o vinho, indicava a um amigo. Um destes visitantes se tornou amigo do produtor e depois de muito custo, o convenceu a vender vinhos em Buenos Aires. De qualquer forma, os vinhos são de produção limitada, quase artesanais. Este Filósofos é um vinho sério e muito bem feito, de sabor bem característico do corte de uvas que é feito. Sabor limpo, você sente a uva. Vinho com perfil mais vegetal, pouca fruta e com madeira integrada, que apenas arredonda os taninos. Equilibra muito bem elegância e potência com características de vinho gastronômico. Acidez agradável. Potencial para envelhecer mais alguns anos. Bom e longo final concentrado no céu da boca. Melhorou depois de um tempo abeto. Foi decantado por cerca de 1 hora. Ótimo vinho que aconselho para quem for à Argentina.
Nota: 91.0 +

28 de junho de 2008

Pergunta da Semana - 70

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho. Nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Você participa de alguma confraria? Ou costuma degustar vinhos regularmente com os mesmos amigos, apesar de não chamar esse encontro de confraria? Com que freqüência vocês costumam se reunir? Onde vocês costumam fazer as degustações?

24 de junho de 2008

Cadoro Valpolicella 2004



Nome: Cadoro
Safra: 2004
País: Itália
Região: Valpantena - Veneto
Produtor: Cantina Sociale Della Valpantena
Site: -

Uvas/Corte: Corvina, Veronese e Rondinella
Teor alcoólico: 12%
Preço: Gentilmente oferecido pelo Hélio e pela Luana
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: maio de 2008
Degustado em: 31 de maio de 2008
Onde bebeu: Casa da Marie e do Mário
Harmonizado com: Queijos de Teresópolis, salame lá de Braço do Norte/SC e outros quitutes
Com quem: Claudio, Rafaela, Marie, Mário, Hélio e Luana

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Parecia ter gás carbônico no início, pois fazia uma cosquinha na língua. Bom retrogosto, boa permanência. Cheiroso no final. Muito bom com os queijos. Devo registrar aqui que de tanto o Mário falar sobre a novela dos mutantes, resolvemos assistir todos juntos um capítulo da novela Caminhos do Coração, da Record. Acho que nunca rimos tanto.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Não é um rótulo atraente. Falta equilíbrio entre os elementos. Elementos dourados podem ser revistos.
Exame visual: Tom alaranjado
Exame olfativo: Defumado, bacon, vinagre, azeitonas.
Exame gustativo: Segundo vinho da noite que foi levado pelo Hélio. É difícil achar bons Valpolicellas aqui no Brasil com um preço baixo. Este Cadoro não foge à regra. É um vinho simples, de corpo leve para médio com um paladar levemente salgado e final com um amargor aparente. Vinho fácil de se beber e que pode acompanhar comida. Um italiano leve para o seu dia-a-dia.
Nota: 85.0 +

Château Cluzan 2005 - Bordeaux




Nome: Château Cluzan
Safra: 2005
País: França
Região: Bordeaux
Produtor: Château Cluzan
Site: http://www.sichel.fr/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot
Teor alcoólico: 13%
Preço: Gentilmente oferecido pela Marie e pelo Mário
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 31 de maio de 2008
Onde bebeu: Casa da Marie e do Mário
Harmonizado com: Queijos de Teresópolis, salame lá de Braço do Norte/SC e outros quitutes
Com quem: Claudio, Rafaela, Marie, Mário, Hélio e Luana

Comentário do Produtor
Vignoble de taille moyenne, magnifiquement tenu par M. Guy Cluzan, d'une grande rigueur dans le suivi de son vignoble ainsi que dans sa vinification. M. Cluzan choisit de produire un vin fruité, de couleur profonde présentant une bonne structure avec des arômes purs, francs et directs. Le vin est mis en bouteille tôt, sans élevage en barrique, pour préserver sa fraîcheur.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Na feriado de Corpus Christi, o Hélio fez um megafesta lá em Teresópolis. Como estávamos em Florianópolis, acabamos não indo, mas a Marie e o Mário foram e conheceram o Greenfruti, um supermercado muito bom que tem lá. O resultado foi que compraram uns queijos e nos convidaram, e ao Hélio e a Luana, para ir na casa deles degustar os tais queijos. Foi uma noite muito agradável, de boas risadas. O Petit Gateau estava até mais traquilinho e eu fui boazinha com ele - normalmente, eu fico atormentando-o o tempo todo. Este primeiro vinho da noite. É um vinho da região de Bordeaux, mas os mais entendidos falaram que ele não tem muito a ver com os vinhos de lá. Eu achei que combinou com as comidinhas.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Típico rótulo francês. Estilo tradicional que valoriza a garrafa.
Exame visual: -
Exame olfativo: Leve madeira e um pouco de álcool aparente.
Exame gustativo: Primeiro vinho da noite. Um Bordeaux surpreendente, pois nem de perto parecia um vinho desta região da França. Corpo leve, bastante frutado com final curto e um pouco amargo. Unidimensional. Um vinho simples, que vai agradar quem procura um vinho frutado e com certa maciez. Já para quem procura um vinho francês, não é este Cluzan o vinho.
Nota: 85.0

Durbanville Hills - Pinotage 2005



Nome: Durbanville
Safra: 2005
País: África do Sul
Região: Durbanville Hills district
Produtor: Durbanville Hills
Site: http://www.durbanvillehills.co.za/

Uvas/Corte: Pinotage 100%
Teor alcoólico: 14,0%
Preço: Gentilmente oferecido pelo Dorva
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Angeloni, em Florianópolis
Degustado em: 26 de maio de 2008
Onde bebeu: Casa do Dorva, da Cris e da Elis
Harmonizado com: Salame e queijos de Braço do Norte, interior de Santa Catarina
Com quem: Claudio, Rafaela, Dorva, Cris e Elis, sendo que as duas não provaram o vinho, claro

Comentário do Produtor
"Soft entry, medium-bodied with richly concentrated fruit flavours on the palate complemented by tastes of prunes."
Colour: Dark ruby with purple edges
Bouquet: Strawberries and plums with dark chocolate and sweet berries
Taste: Soft entry, medium-bodied with richly concentrated fruit flavours on the palate complemented by tastes of prunes.
Food pairing: An ideal partner to robust dishes made from game poultry, venison and red meats, especially stews and casseroles

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Desde que eu soube da gravidez da minha amiga Cris, eu planejava ir conhecer a Elis logo nos primeiros meses. Acabamos nos encontrando em fevereiro e pude ver a Cris ainda com o barrigão. A Elis nasceu no dia 14 de março, superfofinha e bochechuda. Nesta ida a Florianópolis, uma visita à Cris era obrigatória. Fomos lá na segunda de tarde, após umas caminhadas pelo centro. Depois de conhecer a pequeninha e colocar a conversa em dia com a Cris, o Dorva chegou do jornal. Lá pelas tantas, ele resolveu que iria abrir um vinho. Era só cinco e meia da tarde, mas... beleza, estávamos mesmo de folga naquele dia. Logo a mesa já estava com queijinhos cortados e salame de um lugar lá perto de Braço do Norte, a cidade da Cris - onde eu passei um natal bem legal anos atrás. O vinho era realmente muito bom, como o Dorva havia anunciado. Não lembro mais de muitos detalhes, pois não fizemos anotações, mas sei que ele vende no Angeloni e vale a pena ser provado. Espero voltar logo a Florianópolis para acompanhar mais um pouquinho o crescimento da Elis.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Bonito rótulo que valoriza a garrafa.
Exame visual: Violeta escuro e fechado
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Sair um pouco da rotina é bom e com um vinho melhor ainda. Ficamos numa segunda feira em Florianópolis. Durante a visita que estávamos fazendo à Elis, o Dorva resolvei abrir uma garrafa de vinho. Era final de tarde, sentamos na mesa da cozinha e com um ótimo queijo e um salame caseiro degustamos este Pinotage sul africano. Vinho de corpo médio, sem arestas. Um vinho bastante frutado e concentrado. É saboroso, firme. Poderia ter um pouco mais de elegância e menos fruta, mas o melhor do vinho foi o clima agradável e o bom papo no final de tarde daquela segunda feira.
Nota: 87.0

17 de junho de 2008

Marqués de Monistrol Reserva Selección Especial


Nome: Marqués de Monistrol Reserva Selección Especial
Safra: -
País: Espanha
Região: Cava
Produtor: Marqués de Monistrol
Site: http://www.arcobu.com/Marqu%E9s%20de%20Monistrol/home_i.htm

Uvas/Corte:
Macabeo, Xarel.lo, Parellada
Teor alcoólico: 11,5%
Preço: Gentilmente oferecido pelo Jacy
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 25 de maio de 2008
Onde bebeu: Casa do Jacy e da Márcia, em São José
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio, Rafaela, Márcia e Jacy - Camille e Nicolas estavam por ali, mas bem longe do espumante

Comentário do Produtor
De color dorado con reflejos brillante, ¨perlage¨ fino y persistente. Aroma intenso y fresco, con un cierto toque floral. En boca es fino y suave en su neto dulzor.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de um fim de semana de programação intensa, durante o qual tivemos feijoada, passeio pela Beira-Mar, Ironman, ida à Lagoa e jantar na Pizza Hut, o compadre Jacy resolveu abrir um espumante que ele falou que seria muito bom. E realmente foi. Eu gosto de espumantes docinhos, mas este nem precisou ser assim para me agradar. Ele era muito agradável e combinou com a conversa de fim de noite. Foi neste mesmo dia que vimos muitas sessões do desenho "Mumble Jumble" com o Nicolas. :)
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Bonita garrafa. O conjunto valoriza o produto.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Final de noite de domingo o Jacy nos ofereceu este Cava que estava muito agradável. Não degustamos com atenção mas o paladar era bem equilibrado, não muito complexo e com açúcar na medida que eu gosto para espumantes.
Nota: 87.0

15 de junho de 2008

Salton Brut 2007 e Posh


Nome: Salton Brut e Posh
Safra: 2007
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Produtor: Salton e Vinícola Panceri
Site: www.salton.com.br e www.panceri.com.br

Uvas/Corte: -
Teor alcoólico: 11% e 11,6%
Preço: Gentilmente oferecido pela Val e pela Ana Paula
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 23 de maio de 2008
Onde bebeu: Apartamento da Val, na Cachoeiro do Bom Jesus, em Florianópolis
Harmonizado com: -
Com quem: Rafaela, Valéria, Márcia, Romí, Ana Paula, Tati, Sandra, Alícia, Viviane, Gisele e Janaína

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: No dia da feijoada, lá pelo meio da tarde, um chamado: todas as meninas já lá para o apartamento. Obedientes, fomos todas. Lá, uma surpresa, nem tão supresa assim. As meninas costumam se reunir para beber espumante e decidiram levar alguns para a feijoada. Foi bem legal, mas acabei bebendo apenas um golinho. Depois da feijoada, não dava mais para encarar muita coisa.
Nota: -

14 de junho de 2008

Pergunta da Semana - 69

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho. Nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Você costuma comprar vinhos por impulso? Como você escolhe os vinhos que vai comprar? Sai de casa decidido? Acontece de ver alguma promoção ou um vinho que quer beber há tempos e não resiste?

11 de junho de 2008

Casillero del Diablo - Merlot 2006



Nome:
Casillero del Diablo
Safra: 2006
País: Chile
Região: Vale Central
Produtor: Concha y Toro
Site: www.casillerodeldiablo.com

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: -
Preço: Gentilmente oferecido pelo Jacy
Onde foi comprado: Supermercado da Cachoeira do Bom Jesus em Florianópolis
Quando foi comprado: 24 de maio de 2008
Degustado em: 24 de maio de 2008
Onde bebeu: Cachoeira do Bom Jesus, no norte da Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis
Harmonizado com: Feijoada da Feijó
Com quem: Claudio, Rafaela, Jacy, Márcia, Camille, Nicolas, Val, Ângelo, Romí, Sarah, Ewaldo, Sandra, João Gabriel, Dorva, João, Cléo, Marquinhos, Jana, Rafael, Tati, Isadora, Ana Paula, Fabian, João Pedro, Vivi, Celso, Alícia, Gi, Renê e Fábio

Comentário do Produtor
Suave y de buen cuerpo. Equilibrado, de taninos maduros y un delicioso y largo final.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Em maio, decidimos ir visitar alguns amigos em Florianópolis. Minha comadre Márcia resolveu fazer uma feijoada. O que era para ser uma pequena reunião de amigos, virou uma festa no salão de festas do apartamento de praia da Val e do Ângelo. Claudio e eu ajudamos a fazer a tal da feijoada, que ficou muito boa por sinal. Foi um dia divertido. Revi alguns dos meus amigos de Florianópolis, coloquei a conversa em dia com a Gi, conheci a Sarah pessoalmente e outros rostos de conhecidos lá do jornal. Obrigada meninas, Márcia e Val, pelo empenho todo. Quanto ao vinho, o Jacy queria beber um vinho e fomos num mercadinho do lado do condomínio na Cachoeira. Acabamos escolhendo esse Casillero, que se comportou de maneira adequada, mas sem grandes destaques para a harmonização.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo que já está na cabeça de todo mundo. A Concha y Toro faz um marketing bem feito para esta linha de vinho. É um rótulo simples que se torna marcante pela tipologia usada e pela ilustração do "diabo".
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Não degustamos este vinho com atenção. Nossa preocupação estava toda na feijoada feita pela Marcia. O Jacy resolveu comprar um vinho para tentar harmonizar. Não tinha muitas opções de vinho no pequeno mercado onde fomos comprar. Tentamos este tradicional Merlot. Não chegou a harmonizar mas também não comprometeu. Sobre o vinho, segue a linha: bem feito, arredondado pela madeira.

Nota: -

3 de junho de 2008

Pergunta da Semana - 68

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho. Nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Você costuma guardar vinhos em casa? Ou prefere comprar somente antes de degustá-los? Se costuma guardar, qual é o número-limite de vinhos para ter em casa? Você costuma escolher vinhos de guarda para comprar?

2 de junho de 2008

Calza - Tannat 2004



Nome:
Calza
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Produtor: Calza Júnior
Site: -

Uvas/Corte: Tannat 100%
Teor alcoólico: 12,8%
Preço: R$ 12,90
Onde foi comprado: Tumelero Bebidas, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 6 de maio de 2008
Degustado em: 21 de maio de 2008
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Bruschettas caprese e Salada Rafaela (alface americana, cenoura ralada, pêra bem picadinha, cebola e alho picados em pedaços minúsculos e tomate, temperados com aceto balsâmico, pimenta-do-reino, sal e azeite de oliva)
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Cepa de cor predominante vermelho rubi intenso com aroma sutil de baunilha que lhe confere personalidade no paladar, tem um domínio de taninos agradável. Temperatura ideal de consumo: 15º a 20º C.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro frutado ao ser colocado no decanter, mas depois foi esse cheiro foi desaparecendo.
Exame gustativo: No início do mês de maio, passei uns dias na casa da minha mãe, nos Campos de Cima da Serra, no Rio Grande do Sul. Na volta, deu a tradicional passadinha na Tumerlo Bebidas, em Caxias do Sul. Poderia ter ido direto para Porto Alegre, mas Claudio já havia me dado uma lista enorme de opções e eu, no final das contas, já estou pegando o gosto por comprar vinhos. Eu havia escolhido seis vinhos e já estava empacotando quando a moça me disse quanto tinha dado a conta. Achei que levar mais este Calza, que esta tão bem falado, não me deixaria mais pobre. :) Como é um vinho barato, nem pensamos em deixá-lo guardado por muito tempo. Numa noite em que calhou de beber um vinhozinho, ele foi a nossa primeira opção. Ele vale muito mais que os seus doze reais. É um vinho honesto, agradável. Na minha modesta opinião, acho que esta vinícola tem potencial para vinhos ainda melhores. Vale provar.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Design ultrapassado. Uso do dourado envelhece o rótulo. Logotipo sem expressão. Merece um novo design.
Exame visual: Bordô/sangue claro.
Exame olfativo: Leve, vegetal. Inicio frutado que desapareceu depois.
Exame gustativo: Prestem atenção nesta vinícola. Este Tannat que degustamos é um vinho muito bem feito. Vinho leve, sem defeitos aparentes, vinho que acompanha comida e pela faixa de preço uma ótima opção para o seu dia-a-dia. Um tannat não tão característico, suave, elegante, muito correto. Vinícola mostra um bom potencial.
Nota: 86.0+

Salton Volpi - Merlot 2005



Nome: Salton Volpi
Safra: 2005
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, Serra Gaúcha
Produtor: Salton
Site: http://www.salton.com.br

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 12,2%
Preço: R$ 15,00
Onde foi comprado: Cadeg, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 17 de maio de 2008
Degustado em: 17 de maio de 2008
Onde bebeu: Em Casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Arroz-carreteiro, paçoca de pinhão, lingüiça com cebola feita no forno, salada mista
Com quem: Claudio, Rafaela, Carol, Marcelo, Paula (com Arthur na barriga), Miguel, Raquel, Ricardo, Marie e Mário

Comentário do Produtor
Cor roxa intenso, com reflexos violáceos. Aromas de frutas vermelhas como cereja e framboesa, frutas negras como ameixas passas, cassis e amoras, especiarias, baunilha, chocolate e café. Sabor macio e intenso, de excelente retrogosto e grande permanência de sabor. Uvas 100% merlot, são provenientes de vinhedos cultivados a uma altitude média de 750 metros sobre o nível do mar em solos pedregosos, com baixos níveis de matéria orgânica e solos produndos de coloração vermelha (“terra rossa”). A vinificação é realizada com seleção manual de uvas (cachos e grãos), fermentação com leveduras selecionadas e com extração de aroma e sabor a baixas temperaturas com macerações prolongadas. O vinho foi amadurecido em bordalesas de carvalho francês e americano 50/50 e depois de engarrafado passou por um estágio, que deve ser de no mínimo 6 meses, em garrafa.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Esta foi a segunda vez que provamos este Volpi. Infelizmente desta vez, eu não consegui fazer nenhuma anotação e agora já não lembro mais o que achei. Veja o que escrevi na primeira degustação.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Tinha tudo para ser um grande rótulo: uma obra do artista brasileiro Alfredo Volpi ilustra o rótulo. Contudo, a colocação do lettering tornou o rótulo pesado e sem estilo, empurrando o vinho para uma categoria abaixo do que realmente ele é. Merecia ser revisto.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Quarto e último vinho da noite. Apenas confirmou o que já havia escrito sobre este vinho. Copio o meu comentário da degustação passada:"..... Já havíamos degustado este vinho da safra 2004. Este Merlot é um vinho sempre recomendado por diversos críticos. Gosto deste Salton mas acho que falta um pouco de delicadeza. Um vinho de corpo médio, frutado e com final levemente amargo, típico de Merlot. É uma ótima opção na sua faixa de preço. Um pouco pesado, mas saboroso. Se este vinho tivesse um pouco mais de sutileza e elegância faria este vinho pular de categoria. De qualquer maneira acho que é uma opção boa que deve ser provado. ...."
Nota: 86.0+

Pergunta da Semana - 67

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho. Nesta semana, o Le Vin au Blog quer saber:

- Com que freqüência você costuma degustar vinhos?

Don Laurindo Reserva - Merlot 2005



Nome: Don Laurindo
Safra: 2005
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Produtor: Don Laurindo
Site: http://www.donlaurindo.com.br/

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 13%
Preço: R$ 28,00
Onde foi comprado: Alipão, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 17 de maio de 2008
Degustado em: 17 de maio de 2008
Onde bebeu: Em Casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Arroz-carreteiro, paçoca de pinhão, lingüiça com cebola feita no forno, salada mista
Com quem: Claudio, Rafaela, Carol, Marcelo, Paula (com Arthur na barriga), Miguel, Raquel, Ricardo, Marie e Mário

Comentário do Produtor
Elaborado a partir de uma cuidadosa seleção de uvas desta variedade. Vinho de cor vermelho púrpura. Seu aroma é frutado ressaltando frutas vermelhas maduras e especiarias. Na boca apresenta-se aveludado de corpo médio e taninos finos. Aconselha-se consumir em até 5 anos. Acompanha vitelo, cordeiro, frango e carnes grelhadas, bacalhau, massas, pizzas, paellas, queijos camembert, brie e port salut.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este eu não degustei. Acho que estava ocupada comendo o pudim de leite moça feito pela Carol.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Segue a identidade já conhecida do Don Laurindo. Design mais tradicional sem fortes apelos.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Terceiro vinho da noite Gaúcha. Mais um bom merlot nacional que funcionou bem com a comida. Vinha agradável, paladar característico de Merlot com leve amargo no final, algo de chocolate. Boa estrutura, corpo médio. Uma boa opção.
Nota: 87.0

Pizzato Reserva Egiodola 2004



Nome: Pizzato Reserva
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Produtor: Pizzato
Site: http://www.pizzato.net/

Uvas/Corte: Egiodola
Teor alcoólico: 12,8%
Preço: R$ 28,00
Onde foi comprado: Alipão Vinhos, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 17 de maio de 2008
Degustado em: 17 de maio de 2008
Onde bebeu: Em Casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Arroz-carreteiro, paçoca de pinhão, lingüiça com cebola feita no forno, salada mista
Com quem: Claudio, Rafaela, Carol, Marcelo, Paula (com Arthur na barriga), Miguel, Raquel, Ricardo, Marie e Mário

Comentário do Produtor
A cultivar EGIODOLA foi implantada em 1988 pela família do Sr. Plínio Pizzato. À época, o incentivo para o plantio partiu da orientação do departamento técnico da Cooperativa Vinícola Aurora (a família foi associada à Cooperativa do início dos 80 até meados dos 90).
Variedade de origem francesa, disposta em 2,3 hectares, sistema de condução da planta em espaldeira dupla (lira). Até 2002, as uvas foram vendidas para terceiros; a primeira vinificação a partir da cultivar Egiodola foi no ano de 2002, com o vinho sendo vendido para terceiros apesar da boa impressão causada então. Para a safra 2003, foram separados 3.000 litros, sendo lançado em maio de 2004.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Claudio não viu que eu ainda estava no primeiro vinho e completou a minha taça com este vinho. Só depois que eu já havia bebido alguns goles é que fomos nos dar conta do erro. Aí já era tarde demais. Acabei bebendo a combinação e até que não ficou das piores, mas recomendo não fazer isso em casa.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo sóbrio. Usa-se a preto como base. Não é muito atraente apesar de bem equilibrado.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Segundo vinho da noite e bem diferente do primeiro. Escolhi este Pizzato para provar esta uva francesa que ainda não conhecia. Este vinho é bem vegetal, corpo médio. Como o Miguel definiu, um vinho mais de estilo francês. O vinho é bom mas faltou alguma coisa...vale ficar atento às novas safras. Valeu a experiência.
Nota: 86.0+

Salton Volpi - Pinot Noir 2006



Nome: Salton Volpi
Safra: 2006
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Produtor: Salton
Site: http://www.salton.com.br/

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 13,3%
Preço: R$ 18,80
Onde foi comprado: Cadeg, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 17 de maio de 2008
Degustado em: 17 de maio de 2008
Onde bebeu: Em Casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Arroz-carreteiro, paçoca de pinhão, lingüiça com cebola feita no forno, salada mista
Com quem: Claudio, Rafaela, Carol, Marcelo, Paula (com Arthur na barriga), Miguel, Raquel, Ricardo, Marie e Mário

Comentário do Produtor
De coloração rubi claro com aromas de frutos negros (framboesa, amora, mirtilo e cereja), tostados, baunilha, fumaça e especiarias. Sabor prolongado, agradável e harmônico.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Ao som de Engenheiros do Hawaii, Nenhum de Nós, Kleiton e Kledir, Wonkavision e José Mendes, realizamos aqui em casa a 1ª Noite Gaúcha. Havíamos pensado em fazer um jantar francês aqui em casa um tempo atrás, mas numa das conversas sobre o tal jantar, surgiu a idéia de fazer uma Noite Gaúcha. Afinal, nossa casa é 50% gaúcha. Como a mãe havia me mandado muitos pinhões pelo correio e eu estava prestes a ir novamente para o pago querido, resolvemos que a Noite Gaúcha seria logo depois que eu voltasse. E assim foi, pagando excesso de bagagem, voltei com a mala cheia de vinhos, charque e mais um pouco de pinhão, além de quase 10 quilos de feijoão - mas este fica para outro post. Eu nunca havia feito os pratos escolhidos. Que dirá o Claudio, mas resolvemos tentar assim mesmo. Os vinhos, no final, acabaram sendo comprados na Cadeg, algo parecido com a Ceasa que tem aqui no Rio. Claudio até encontrou um que eu havia comprado por lá, exatamente este Pinot Noir. Só que aqui ele pagou R$ 18, enquanto eu paguei R$ 44. Depois de vermos o mesmo vinho em Florianópolis por R$ 49, chegamos à conclusão de que o preço aqui estava mesmo errado. A primeira edição da Noite Gaúcha foi um sucesso de público e de crítica. Obrigada aos amigos pela presença e especialmente à Carol pelo pudim de leite moça, que estava tri-bom. Quanto ao Salton Volpi, eu simplesmente adorei. É um vinho excelente. Ainda bem que temos ainda uma garrafa em casa. Mais comentários, infelizmente, não posso fazer, pois bebia um golinho, ia até a cozinha, falava com algum dos convivas, ouvia Engenheiros...
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Segue a linha da família de vinhos Volpi: apresenta um trabalho do artista. A tipologia e o dourado poderiam ser melhor aplicado.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este foi o primeiro vinho da seleção de vinhos do Rio Grande do Sul que fizemos para a noite Gaúcha. A Rafaela trouxe uma garrafa deste vinho, mas quando estava escolhendo quais vinhos comprar achei este mesmo vinho aqui no Rio pelo incrível preço de R$ 18. Tinha lido bons comentários sobre este Pinot Noir e que pela sua pequena produção a Salton apenas iria vender o vinho apenas na vinícola ou em poucos lugares por lá. Por isto a surpresa de encontrar na Cadeg aqui no Rio. Este vinho foi uma ótima escolha e agradável surpresa. Vinho leve, frutado e muito agradável com as características da Pinot Noir sobressaindo. Muito bem feito, apenas com um pouco de madeira em excesso mas que foi positivo para o vinho. Quase todos gostaram e se surpreenderam com mais este bom trabalho feito pela Vinícola Salton. Temos uma outra garrafa guardada em nossa adega que iremos degustar em breve e fazer uma análise mais criteriosa. De qualquer maneira é um vinho que recomendo e que vale provar. Se você achar o vinho compre-o.
Nota: 88.0+

Montes Alpha - Cabernet Sauvignon 2005


Nome: Montes Alpha
Safra: 2005
País: Chile
Região: Valle do Aconchagua
Produtor: Viña Montes
Site: http://www.monteswines.com/english/nuestros_vinos/alpha.htm

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: R$ 82
Onde foi comprado: La Botella, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 12 de maio de 2008
Degustado em: 12 de maio de 2008
Onde bebeu: La Botella, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Queijos e sanduíches
Com quem: Claudio, Marcelo, Ricardo e Miguel

Comentário do Produtor
Now a legend, MONTES ALPHA Cabernet Sauvignon 1987 was Chile's and our first really PREMIUM wine, the PIONEER that showed the way to all others in Chile and remains the #1 in the Chilean PREMIUM niche which established very early our credibility as a world class premium wine producer. Many have followed but MONTES ALPHA wines continue to lead and frequently obtain a distinction that makes it very hard to challenge this hard-earned position in the mind of wine lovers. With prices of US$16 to 20 in the USA, all have received TOP SCORING and BEST VALUE from WINE SPECTATOR, quite an achievement for Chilean wines at that price level..

Comentário do Claudio
Rótulo:
Forte identidade visual. Rótulo que transmite confiança ao vinho. Marcante.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Terceiro e último vinho da noite. Depois de uma certa indecisão sobre qual vinho seria escolhido optamos pelo Montes Alpha. É um vinho muito comentado mas que nunca tinha experimentado. Assim como outros Cabernets chilenos que degustamos este também é muito agradável. Um vinho moderno que busca o equilíbrio. Corpo médio e muito bem feito. Percebe-se o cuidado ao se fazer este vinho. Taninos macios. Um Cabernet trabalhado e muito agradável. Uma opção interessante para um Cabernet chileno.
Nota: 88.0+

Painter Bridge - Zinfandel 2005


Nome: Painter Bridge
Safra: 2005
País: Estados Unidos
Região: Califórnia
Produtor: J. Loh
Site: www.painterbridge.com

Uvas/Corte: Zinfandel 78,5% e Syrah 21,5%
Teor alcoólico: 13%
Preço: R$ 54,00
Onde foi comprado: La Botella, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 12 de maio de 2008
Degustado em: 12 de maio de 2008
Onde bebeu: La Botella, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Queijos e sanduíches
Com quem: Claudio, Marcelo, Ricardo e Miguel

Comentário do Produtor
The 2006 Painter Bridge Zinfandel shows great color density with youthful purple-red hues. The aromas are spicy red fruits of raspberry, blackberry and plum, with white and black pepper spice. The palate delivers a plump, full, yet supple wine, with red fruit flavors and spicy Zinfandel pepperiness. Enjoy with pasta Puttanesca, pizza or grilled meats.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Uma pincelada transmite toda a personalidade ao rótulo. Simples, equilibrado e bem feito.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fiz algumas sugestões para o segundo vinho da noite, a pedido dos outros integrantes da mesa. Entre os vinhos sugeridos estava um americano da uva Zinfandel que ninguém ali havia bebido ainda. O primeiro californiano desta uva que bebi foi o Fife, um excelente vinho, que minha prima Patrícia trouxe para mim de lá. Um ótimo vinho que deixou boas lembranças da Zinfandel. Antes de ganhar o Fife por muitas vezes vi nas lojas o Painter Bridge, de um grande produtor californiano, e tinha vontade de experimentar. Não é tão fácil achar aqui no Brasil vinhos americanos desta uva com preços razoáveis. Todos toparam experimentar, mas o resultado não foi bom. Este vinho tinha açúcar em excesso, deixava em seu final um sabor de mel muito forte e que aos poucos se tornou enjoativo. Em nada lembrava a minha primeira experiência com a Zinfandel. Depois descobri que este vinho é um corte com Syrah. Até um certo percentual é permitido nos Estados Unidos misturar a Zinfandel com outra uva e no rótulo citar apenas uma. De qualquer forma, todos acharam a experiência válida, mas já pensando em qual seria o próximo vinho da noite.
Nota: 85.0

Amalaya de Colomé 2005




Nome: Amalaya de Colomé
Safra: 2005
País: Argentina
Região: Valle Calchaqui, Salta
Produtor: Colomé
Site: www.bodegacolome.com

Uvas/Corte: Malbec, Cabernet Sauvignon, Tannat e Bonarda
Teor alcoólico: 14,2%
Preço: R$ 45,00
Onde foi comprado: La Botella, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 12 de maio de 2008
Degustado em: 12 de maio de 2008
Onde bebeu: La Botella, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Queijos e sanduíches
Com quem: Claudio, Marcelo, Ricardo e Miguel

Comentário do Produtor
Este vinho "Amalaya" que significa milagre em nossa língua nativa Quichua, é produzido a partir do correto e equilibrado blend das variedades malbec, cabernet sauvignon, tannat e bonarda. As condições extremas de altitude, clima árido, solos arenosos e pedregosos dificultam o desenvolvimento das plantas que embora obtendo baixa produtividade resultam em um vinho concentrado, de cor escura e forte personalidade. Nossas três fazendas de vinhedos estão situadas no Valle Calchaqui na província de Salta, no Noroeste da Argentina. O vinho Amalaya capta a essência da beleza e bondade desta região vitivinícola única e remota. A fazenda Colomé, junto ao seu luxuoso hotel da cidade de Salta, abriga uma das paisagens de montanha mais extraordinárias da Argentina.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Quando cheguei ao La Botella, Miguel e Ricardo, também designers, estavam comentando sobre este rótulo. Assim como eles acho que a fonte usada junto com o dourado deixou um pouco pesado, faltou harmonia. Acho que os rótulos da família dos vinhos Colomé podem crescer com pequenos ajustes.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este foi o primeiro vinho da noite. Miguel e o Ricardo me pediram para escolher o vinho enquanto esperávamos o Marcelo chegar. Já estava querendo degustar este vinho há algum tempo. Tinha provado um pouco no evento "Wines of Argentina" e também tinha dado de presente para o tio Roberto uma garrafa mas nunca havia degustado. Foi uma boa escolha. O Amalaya é um vinho de bom corpo, moderno e com bastante fruta. O corte diferenciado com 4 uvas criou um sabor bem interessante e único ao vinho. Bom final e pelo preço, cerca de R$ 38,00 na importadora, se torna um vinho muito mais interessante. Quem procura um vinho de bom corpo e fruta, o Amalaya é uma boa escolha. Vale provar.
Nota: 89.0+

Anna de Codorníu


Nome: Anna de Codorníu
Safra: -
País: Espanha
Região: Sant Sadurni d'Anoia
Produtor: Codorníu SA
Site: www.codorniu.com

Uvas/Corte: Chardonnay 70%, Macabeo 10%, Parellada 10%, Reserva 10%
Teor alcoólico: 11,5%
Preço: -
Onde foi comprado: Alipão, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: Novembro de 2005
Degustado em: 11 de maio de 2008
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Com nada, infelizmente
Com quem: Claudio, Rafaela, Mauro, Marcela e Regina Helena

Comentário do Produtor
Color amarillo pajizo, claro y vivaz. Notas aromáticas inconfundibles aportadas por la Chardonnay sin enmascarar las de las otras variedades, que le aportan unas características inconfundibles y personalísimas. El equilibrio entre acidez y azúcares le hacen apto para los paladares amigos de los brut.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Infelizmente, esperamos demais para abrir este espumante. Ele está na geladeira desde muito tempo e sempre ficamos esperando por uma ocasião especial. No Dia das Mães, consideramos que a data merecia, mas tivemos uma surpresa nada agradável. O cheiro era de perfume vencido e o gosto... Argh... Horrível. Uma pena. Havíamos separado até as tacinhas da avó do Claudio, que tem um formado arredondado, superbonitas. Aprendemos a lição. Certas bebidas têm de ser bebidas logo. Ocasião especial é todo dia.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Em geral, as garrafas da Codorníu são bem feitas. Mesmo sem nada em especial, gosto do estilo desta garrafa.
Exame visual: Amarelo muito escuro para uma cava. Pelo exame visual já dava para perceber que a garrafa estava vencida.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Comprei este Cava em Novembro de 2005, pois queria abrir no dia do meu aniversário daquele ano. Dos vinhos espumantes, os meus favoritos são os Cavas espanholas. Na época, tinha lido alguns bons comentários sobre a Anna de Codorníu. Resolvi comprar uma meia garrafa, que por algum motivo acabei não abrindo naquele dia. Por diversas vezes pensamos em abrir, mas ela acabava ficando na geladeira. Até que finalmente resolvemos abrir no Dia das Mães deste ano, na esperança do vinho ainda estar bom, mas quase na certeza de que estaria ruim. E realmente estava completamente passada. Compraremos outra para degustar.
Nota: -

1 de junho de 2008

Doña Dominga - Chardonnay/Semillon 2007


Nome: Doña Dominga
Safra: 2007
País: Chile
Região: Conchagua Valley
Produtor: Viña Casa Silva Ltda.
Site: http://www.casasilva.cl/

Uvas/Corte: Chardonnay 85% e Semillon 15%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: R$ 16,80
Onde foi comprado: Zona Sul Leblon, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 10 de maio de 2008
Degustado em: 11 de maio de 2008
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Salmão no forno e um superprato feito à base de batatas pela mãe do Claudio, o qual não sabemos o nome
Com quem: Claudio, Rafaela, Regina Helena, Marcela e Mauro

Comentário do Produtor
Yellow colour. On the nose, lively, with notes of tropical fruits.
On the palate, good acidity and a touch of banana. Agreeable finish.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: No Dia das Mães, recebemos três visitas que gostamos muito, a Marcela, o Mauro e a mãe do Claudio. Claudio preparou um salmão para a homenageada do dia. Para cozinhar e depois ser degustado, compramos este Doña Dominga no Zona Sul, que estava por um bom preço. Ele harmonizou bem com a comida, que ficou equilibrada com o sabor do vinho.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Segue a linha de vinhos desta marca. Apresenta uma ilustração de um casal dançando o Huasco. Conjunto pouco atraente.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Escolhi este vinho para preparar o prato para o Dia das Mães. Acabamos degustando este vinho durante o almoço. Vinho branco correto, simples e agradável. Um vinho bem feito, de uvas provenientes de vinhas velhas, sem muitas surpresas, mas que pode ser uma opção boa pelo seu baixo custo. Fácil de se achar nos Supermercados Zona Sul. É uma das marcas produzidas pela Casa Silva do Chile.
Nota: 86.0

Porto Comenda White * #cbe


* Este foi o vinho escolhido pelo Gourmandise, que estréia neste mês na Confraria Brasileira de Enoblogs, assim como o blog Diário de Baco. A dinâmica da confraria é a seguinte: todo mês é escolhido um vinho para ser degustado por todos. No primeiro dia do mês seguinte são postados os comentários. Se você quiser participar da Confraria também, deixe uma mensagem.

Nome: Porto Comenda White
Safra: -
País: Portugal
Região: Douro
Produtor: Manoel D. Poças Junior
Site: -

Uvas/Corte: -
Teor alcoólico: 19%
Preço: R$ 44,00
Onde foi comprado: Pão de Açúcar, no Flamengo, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 31 de maio de 2008
Degustado em: 31 de maio de 2008
Onde bebeu: Casa do Mário e da Marie
Harmonizado com: Pães e queijos
Com quem: Claudio, Rafaela, Mário, Marie, Hélio e Luana

Comentário do Produtor
Branco, aroma distinto e gosto suave. O vinho do Porto é produzido no Douro, a mais antiga Região Demarcada do Mundo (século XVIII). O selo de garantia do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto certifica a origem e a qualidade deste vinho.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Âmbar.
Exame olfativo: Cheiro forte de álcool no início. Depois de ficar um pouco no copo, o cheiro do álccol ficou mais ameno, mas infelizmente não consegui identificar muitos cheiros. Claudio apontou abricó.
Exame gustativo: Antes de qualquer outro comentário, devo dizer que fiquei surpresa ao saber que existia vinho do porto branco. Na minha ignorância, pensava que só existissem vinhos tintos. É um vinho doce, licoroso naturalmente, mais pesado, encorpado. Deve ser bebidos aos poucos e apenas um pouco devido ao alto nível alcoólico. Na boca, ele dá uma queimada na língua e pode-se sentir um amarguinho quando é engolido. Depois de descer garganta abaixo, fica um gosto doce na boa, de mel, damasco. A permanência é longa. Eu gostei do vinho, mas é mesmo um vinho para aperitivo. Gostei de termos comprado, pois agora temos um aperitivo para servir para as visitas.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Pouco atraente, estilo antigo. Precisa de um redesenho.
Exame visual: Ambar claro.
Exame olfativo: Um pouco de álcool no início, melhorou com tempo em taça. Mel, algo como uma geléia de apricot, doce queimado.
Exame gustativo: Degustei pouquíssimos vinhos do Porto e este é o primeiro que publicamos no blog, além de ser o primeiro branco também. O paladar acompanha o nariz. Um pouco pesado, licoroso e com sabor de algo que lembrava doce queimado. No final algo amargo, tipo suco de tangerina depois de um tempo feito. Permanência média e passado o leve amargo torna-se agradável. Não é um vinho complexo. Funcionou bem com um pedaço de melão (aquele levemente alaranjado). Valeu a experiência.
Nota: 86.0