27 de abril de 2008

Santa Helena Siglo de Oro - Cabernet Sauvignon 2006* #cbe


* Este foi o vinho escolhido pelo Colheita de Vinhos para ser o vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs. A dinâmica da confraria é a seguinte: todo mês é escolhido um vinho para ser degustado por todos. No primeiro dia do mês seguinte são postados os comentários. Se você quiser participar da Confraria também, deixe uma mensagem.
Nome: Santa Helena Siglo de Oro
Safra: 2006
País: Chile
Região: Valle de Colchagua
Produtor: Viña Santa Helena S.A.
Site: http://www.santahelena.cl/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: R$ 23,60
Onde foi comprado: Alipão, em Botafogo, Rio de Janeiro.
Quando foi comprado: 2o de abril de 2008
Degustado em: 22 de abril de 2008
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa à bolonhesa
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Esta elegante linha de vinhos nasce a partir de uma seleção das melhores uvas do Valle de Colchagua, no uso cuidadoso de técnicas de vinificação e na dedicação da equipe de enólogos da Santa Helena. Nosso Cabernet Sauvignon é um vinho tinto de excepicionais características, grande corpo e grande aroma. Ideal para acompanhr carnes vermelhas, queijos maduros e pratos bem condimentados.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro de chocolate com baunilha, fumaça de cigarro.
Exame gustativo: Em uma outra experiência com este vinho, havíamos achado que deixava um amargo esquisito na boca. E não foi muito diferente desta vez. Ele se mostra também ácido demais na língua, não tem taninos aparentes. Ele tem uma boa permanência, mas o gosto que fica na boca é ruim. Vinho simples, de corpo médio. Ficou melhor sem a comida. Talvez devesse ter ficado aberto por mais tempo, não sei. Só sei que não seria um vinho que provaria uma terceira vez.
Nota: 84.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo simples e bem equilibrado.
Exame visual: -
Exame olfativo: Cacau/chocolate ao leite, morango, pimentão. Álcool um pouco aparente.
Exame gustativo: Um vinho simples de corpo leve/médio. Não encontramos neste Cabernet a elegância que temos encontrados em outros chilenos desta faixa de preço. Apresentou alguns desequilíbrios principalmente no final, com amargor em excesso e até um pouco de álcool aparente. Unidimensional que não empolga. Funcionou melhor quando um pouco resfriado. Deixamos decantando por cerca de 1 hora. No início paracia que iria funcionar bem com a comida mas no final, sem a massa, melhorou um pouco.
Nota: 83.0

26 de abril de 2008

Pergunta da Semana - 62

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho.

Nesta semana, Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Você costuma receber catálogos de importadoras ou lojas? Você tem o hábito de colecioná-los por algum tempo?

Château Petit Védrines 2004 - Sauternes


Nome: Château Petit Védrines
Safra: 2004
País: França
Região: Sauternes - Bordeaux
Produtor: Château Doisy-Védrines
Site: -

Uvas/Corte: Sémillon, Sauvignon Blanc, Muscadelle
Teor alcoólico: 14%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pela importadora World Wine
Quando foi comprado: -
Degustado em: 17 de abril de 2008
Onde bebeu: Em São Paulo, durante uma reunião de trabalho
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e demais participantes da reunião

Comentário do Produtor
Cor: Amarelo médio com reflexos dourados, coloração muito vívida e brilhante.
Aroma: No nariz apresenta boa intensidade combinando de maneira muito harmoniosa
frutas, como pêssegos e pêras, a um toque de "mofo", típico deste tipo de vinho, além de uma doçura composta principalmente por um aroma de mel de laranjeira.
Sabor:Apresenta a quantidade ideal de doçura muito bem equilibrada por sua agradável
acidez. Combinam-se na boca sabores de maçãs, pêssegos, mangas com um toque de geléia de abacaxi e mel

Comentário do Claudio
Rótulo:
Estilo clássico de rótulos. Sem novidades.
Exame visual: -
Exame olfativo: Algo de coco.
Exame gustativo: Este foi o quarto vinho da reunião. Um vinho de sobremesa que me chamou muito a atenção. Este Sauternes tem o equilíbrio de açúcar e acidez que, para o meu paladar, é o ideal para um vinho de sobremesa. Prefiro vinhos com menos açúcar. Muito interessante.
Nota: 88.0

25 de abril de 2008

Crémant de Bourgogne Perle de Vigne Brut Grande Réserve



Nome: Crémant de Bourgogne Perle de Vigne Brut Grande Réserve
Safra: -
País: França
Região: Bourgogne
Produtor: Louis Bouillot
Site: -

Uvas/Corte: Pinot Noir 80% e Chardonnay 20%
Teor alcoólico: 12%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pela importadora World Wine
Quando foi comprado: -
Degustado em: 17 de abril de 2008
Onde bebeu: Em São Paulo, durante uma reunião de trabalho
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e demais participantes da reunião

Comentário do Produtor
Cor: Amarelo-palha com reflexos dourados apresentando ótima pérlage com bolhas pequenas, numerosas e persistentes.
Aroma: Muito elegante marcado por notas de frutas secas com toques de manteiga, pão torrado e levedura.
Sabor: Corpo médio, rico em notas de frutas frescas acompanhado de acidez marcante, boa cremosidade e final de boca muito persistente.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Dourado em excesso. Poderia ser mais sutil.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Terceiro vinho da reunião e o primeiro a acabar. Um espumante agradável, fácil de se beber, boa acidez e um final levemente cremoso.
Nota: 87.0

Moma Rubicone 2005


Nome: Moma Rubicone
Safra: 2005
País: Itália
Região: Rubicone - Emilia-Romagna
Produtor: Umberto Cesari
Site: -

Uvas/Corte: Sangiovese, Merlot e Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pela importadora World Wine
Quando foi comprado: -
Degustado em: 17 de abril de 2008
Onde bebeu: Em São Paulo, durante uma reunião de trabalho
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e demais participantes da reunião

Comentário do Produtor
Cor: Vermelho rubi intenso com reflexos grená
Aroma: Intenso, limpo e refinado com notas de frutas maduras como ameixa, cereja preta, mirtilo (blueberry), alcaçuz e toque floral de violeta, herbáceo e adocicado de baunilha
Sabor: Comprova as sensações aromáticas, taninos um pouco pungentes, álcool bem equilibrado e bom corpo. Mostra-se muito intenso com final de boca persistente com sabor de cereja preta e ameixa

Comentário do Claudio
Rótulo:
Belo rótulo com uma obra de arte do artista Giorgio Morandi
Exame visual: grená escuro.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Segundo vinho degustado durante a reunião. Não foi degustado com atenção mas eu gosto muito da uva Sangiovese e este vinho não decepcionou. Gostoso vinho italiano que pedia um bom prato de massa. Um vinho que gostaria de degustar novamente.
Nota: 87.0

Punto Niño Chardonnay 2006



Nome: Punto Niño Chardonnay
Safra: 2006
País: Chile
Região: Maipo
Produtor: Laroche
Site: -

Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pela importadora World Wine
Quando foi comprado: -
Degustado em: 17 de abril de 2008
Onde bebeu: Em São Paulo, durante uma reunião de trabalho
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e demais participantes da reunião

Comentário do Produtor
Cor: Amarelo palha com reflexos dourados, límpido e brilhante
Aroma: Ótima intensidade aromática com grande frescor, apresenta notas de frutas cítricas e frutas amarelas maduras, como abacaxi e pêssego e toque de madeira
Sabor: Saboroso, corpo estruturado, frescor marcante com ótima acidez e delicadas notas amadeiradas. Final de boca elegante e persistente

Comentário do Claudio
Rótulo:
Bonita garrafa com um grafismo moderno no rótulo. Bem equilibrado.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Degustamos alguns vinhos durante uma reunião de trabalho em São Paulo. Não analisei corretamente os vinhos mas vale aqui um registro. Este foi o primeiro deles. Um Chardonnay chileno de corpo médio e boa acidez. Um vinho correto e agradável.
Nota: 86.0+

Vat 4 - Petit Verdot 2004


Nome: Vat 4
Safra: 2004
País: Austrália
Região: Riverina, NSW
Produtor: De Bortoli Wines
Site: http://www.debortoli.com.au/

Uvas/Corte: Petit Verdot
Teor alcoólico: 13,5 %
Preço: R$ 28
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul, no Leblon
Quando foi comprado: maio de 2007
Degustado em: 16 de abril de 2008
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa à carbonara.
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Nariz: Aromas frutales intensos con delicadas notas de violeta y sutil vainilla y chocolate.
Paladar: Complejo con intensos sabores frutales. Gran equilibrio entre roble y taninos.
Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô.
Exame olfativo: Rico em aromas, senti cravo-da-índia e outras especiarias.
Exame gustativo: Trata-se de um vinho com personalidade. Eu resisti durante muito tempo para beber este vinho. Sempre o empurrava para o fim da lista, mas nesta noite resolvi baixar a guarda e dar-lhe uma chance. Ainda bem. O vinho é realmente bom. Lembra um gosto de tabaco - não que eu já tenha comida tabaco alguma vez na vida. Longa permanência e gosto agradável na boca. O gosto fica todo na boca, sem descer pela garganta.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo simples e equilibrado. Esta safra foi a última com rolhas de cortiça. A nova safra já vem com tampa de rosca.
Exame visual: Bonita cor violeta/bordô escuro. Esta uva é usada para dar "cor" em alguns cortes.
Exame olfativo: Ameixa, algo defumado e especiarias
Exame gustativo: Este vinho apareceu no supermercado Zona Sul na mesma época que eu procurava um vinho 100% Petit Verdot para degustar. É muito fácil achar esta uva em proporções pequenas em cortes com Cabernet ou Merlot porém, um vinho somente com a Petit Verdot, não é tão simples assim. Este seria o primeiro vinho a ser degustado desta uva mas degustei um Casa Silva antes deste. Estava com uma boa espectativa com relação à esta garrafa australiana e ele não decepcionou. Decantamos por cerca de 1:30h. e na primeira taça já pudemos sentir que este seria um bom vinho. Sabor forte, paladar intenso, frutado sem ser um "fruit bomb". É uma uva com personalidade. No paladar ameixas, frutas escuras, chocolate e leve madeira. Ficou melhor servido à cerca de 20º. Leve amargor e sem presença de taninos. Um vinho saboroso e surpreendente pela faixa de preço. Funcionará bem com carnes. Vale provar.
Nota: 88.0+

24 de abril de 2008

Abadal - Cabernet Franc/Tempranillo 2004



Nome: Abadal
Safra: 2004
País: Espanha
Região: Pla de Bages
Produtor: Masies D Avinyó
Site: http://www.abadal.net/

Uvas/Corte: Cabernet Franc 60%, Tempranillo 40%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: R$ 40,30
Onde foi comprado: Espírito do Vinho, Cobal do Humaitá
Quando foi comprado: 18 de Agosto de 2007
Degustado em: 09 de Abril de 2008
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Bruschettas
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vino conceptual de variedades complementarias. La singularidad del mestizaje. La tradición de lo autóctono. El Cabernet Franc, concentrado y generoso. El Tempranillo, elegante y fresco. Unión de toffee con fruta roja. Cuatro meses de barrica: La fusión en complejidad de un vino joven.S ervir a 16 ºC

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô, indo para o telha nas extremidades.
Exame olfativo: Cheiro que arde o nariz, ameixa seca.
Exame gustativo: Gosto de ameixa seca. Eu achei este vinho meio "aguado", o que o Claudio traduziu para "não muito encorpado". Gosto de casca de laranja. Vinho engraçado, você o sente apenas em cima da língua, parece não chegar ao céu da boca. Ganhou um pouco de corpo na temperatura certa. Sem retrogosto. Ficou diferente quando o bebemos mais quente. Melhor não servir muito gelado.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples com um pequeno grafismo em detalhe. O rótulo recebe uma laminação fosca e a palavra Abadal um verniz brilho em relevo.
Exame visual: Bordô leve.
Exame olfativo: Defumado misturado com frutas como amora e ameixa. Já sentido em outros vinhos.
Exame gustativo: Gosto de comprar vinhos para provar uvas diferentes ou cortes pouco comuns. A mistura de Cabernet Franc com Tempranillo me despertou o interesse em provar este vinho espanhol (sempre gosto de provar vinhos espanhóis). Além disto, tinha lido alguns bons comentários sobre o Abadal. É um vinho de corpo médio para leve. Seu sabor é intenso, proveniente da Cabernet Franc. Acidez um pouco elevada e levemente quente. Taninos leves e madeira leve. Permanência se concentra na boca. É um vinho correto e fácil de se beber, não vai fazer feio, principalmente se acompanhar um prato de comida. Fiz um teste de harmonização com goiabada e funcionou bem. Decantado por 1 hora.
Nota: 86.0 +

Pergunta da Semana - 61

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho.

Nesta semana, Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Você costuma levar vinhos para o restaurante? Já pagou a rolha alguma vez? O que você acha dessa prática?

Le Vin au Blog agradece a sua participação.

18 de abril de 2008

Botticelli - Cabernet Sauvignon 2006


Nome: Botticelli
Safra: 2006
País: Brasil
Região: Vale do São Francisco
Produtor: Vinícola do Vale do São Francisco
Site: http://www.botticelli.com.br/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 12%
Preço: -
Onde foi comprado: Degustado durante lançamento do filme Estômago
Quando foi comprado: -
Degustado em: 7 de abril de 2008
Onde bebeu: Gula Gula, no Fashion Mall, no Rio
Harmonizado com: Massa com molho de tomate e manjericão
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-
Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois de saber que havia sido realizada uma sessão para blogueiros do filme Estômago, fui me infor com a Zencrane Filmes se também haveria uma sessão assim aqui no Rio. Descobri que já havia passado, mas a Claudia foi muito gentil e nos convidou para a pré-estréia. Claro que aceitamos o convite. Logo depois da apresentação do filme, que vale a pena ser assistido, fomos jantar no Gula Gula. Ali, em volta do restaurante, estava ocorrendo o coquetel do lançamento do filme. Saí do restaurante e fui lá pegar uma tacinha do vinho que estavam servindo para poder comentar aqui. Era um Botticelli. Claudio já conhecia, eu não. Bom, não gostei muito de qualquer jeito. O álcool estava muito forte. O vinho se revelou bem desiquilibrado. E senti também gosto de plástico, apesar de estar sendo servido em taças de vidro. Recomendo o filme, mas não o vinho.
Nota: 80.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Bebemos este vinho após assistir o bom filme Estômago. (leia em Le Vin au Blog Notícias). Foi servido um cocktail após o filme e resolvemos pegar uma taça deste vinho. Não é um bom vinho. Desequilibrado e muito pesado, foi o pior vinho do vale do São Francisco que já degustei.
Nota: 79.0

6 de abril de 2008

Argento Malbec 2007 e Argento Reserva Cabernet Sauvignon 2007


Nome: Argento e Argento Reserva
Safra: 2007
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Bodegas Esmeralda
Site: http://www.fincalosquiroga.com/

Uvas/Corte: Malbec e Cabernet Sauvignon, respectivamente
Teor alcoólico: 13,5% - 13,2%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo Ricardo e pela Raquel
Quando foi comprado: -
Degustado em: 5 de abril de 2008
Onde bebeu: Casa da Raquel e do Ricardo
Harmonizado com: Pães, patês, azeitonas e pepinos
Com quem: Claudio, Rafaela, Ricardo, Raquel, Miguel, Paula, Mario, Marie, Maria Claudia, Marcelo, Carol, Christian e Marlene

Comentário do Produtor
Argento Cabernet Sauvignon 2007 presenta un intenso y profundo color rojo rubí. Su aroma remite a pequeños frutos rojos con suaves toques de menta y eucalipto. En boca, se perciben los mismos descriptores que en nariz, junto a leves dejos de especias y pimienta negra. De buen volumen y textura aterciopelada, el final es longevo, con taninos maduros y redondos.
Servir a 17 ºC.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Ricardo e Raquel aproveitaram o aniversário do Ricardo para exibir as fotos da viagem que fizeram ao Marrocos. Foi muito divertido, como são todos os encontros com eles e os outros meninos/meninas. Rimos muito. Esses Argentos são velhos conhecidos nossos e se mostraram, como sempre, ótimas companhias para o bom bate-papo.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O Ricardo e a Raquel serviram dois vinhos da linha Argento. Já degustamos vários vinhos desta linha e sempre com bons resultados pela boa faixa de preço. Vinho fácil de se beber, que agradou a todos na festa. Argento sempre é uma ótima opção.
Nota: 86.0-87.0

5 de abril de 2008

Pergunta da Semana - 60

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho.

Nesta semana, Le Vin au Blog gostaria de saber:

- O outono já chegou e com ele algum frio. Você costuma beber mais vinhos no Outono e no Inverno ou suas degustações não dependem da estação?

Le Vin au Blog agradece a sua participação.

4 de abril de 2008

Salton Talento 2004




















Nome:
Talento
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Tuiuty, Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinhos Salton S.A.
Site: http://www.salton.com.br/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 60%, Merlot 30%, Tannat 10%
Teor alcoólico: 12.5%
Preço: R$ 39,00
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelos anfitriões
Quando foi comprado: -
Degustado em: 29 de março de 2008
Onde bebeu: Casa do Gilberto e da Julia
Harmonizado com: Churrasco e risoto de funghi
Com quem: Claudio, Rafaela, Gilberto, Julia, Cristina e Renato

Comentário do Produtor
A colheita das uvas é feita de forma manual com seleção do vinhedo, cachos e grãos. O suco das uvas é fermentado e macerado a baixa temperatura durante 20 dias (maceração peculiar pré-fermentativa a baixa temperatura). Depois disso, o vinho é levado para barricas de carvalho francês novas onde permanece por 12 meses. Após engarrafado, estagia durante 12 meses na garrafa. Límpido com coloração roxa bordô intenso. Possui aromas de frutas vermelhas em confeitaria, suaves toques de baunilha, côco e tabaco fresco. Paladar macio com excelentes taninos maduros, encorpado e prolongado. Potencial para amadurecimento e complexidade.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo:-
Exame gustativo: Terceira vez que este vinhos nos agrada. A essa altura da noite, eu não estava mais prestando muita atenção aos vinhos, mas posso dizer que o Salton Talento, que faz parte da linha premium da Salton, é uma boa escolha. Fica aqui também registrado um elogio à Julia, uma cozinheira de mão cheia. Todas as comidas que provei na casa dela estavam muito boas - e isso que nem provei os pratos feitos especialmente para o Vinicius. :) A sobremesa também estava uma delícia. Acho até que vou pedir a receita da torta que tinha recheio feito à base de leite condensado. Supersimples e superboa. E também lembrar que sempre fico feliz de ir até a casa do Vinicius, pois posso brincar com o Esperto, um legítimo Garfield.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo com personalidade marcante que combina com o caráter do vinho.
Exame visual: Grená escuro
Exame olfativo: Nariz doce e atraente. Nariz moderno.
Exame gustativo: Este foi o terceiro vinho da noite. Há pouco tempo tínhamos degustado este mesmo Talento da safra 2004 e tinha achado ele mais frutado e mais moderno que o 2002. Isto se confirmou nesta garrafa. Sem dúvida é um bom vinho, fruta presente bom corpo mas ainda prefiro a safra 2002 que degustamos antes. Acho que vale comprar uma garrafa do Talento 2004 e esperar uns dois anos para beber. Tende a crescer. De qualquer forma foi um vinho que agradou.
Nota: 87.0+

Salton Volpi - Merlot 2005



Nome: Salton Volpi
Safra: 2005
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, Serra Gaúcha
Produtor: Salton
Site: http://www.salton.com.br

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 12,2%
Preço: R$ 17
Onde foi comprado: Supermercado Mundial, na Lapa, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 29 de março de 2008
Degustado em: 29 de março de 2008
Onde bebeu: Casa do Gilberto e da Julia, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pães com queijo brie e geléia de damasco
Com quem: Claudio, Rafaela, Gilberto, Julia, Cristina e Renato

Comentário do Produtor
Cor roxa intenso, com reflexos violáceos. Aromas de frutas vermelhas como cereja e framboesa, frutas negras como ameixas passas, cassis e amoras, especiarias, baunilha, chocolate e café. Sabor macio e intenso, de excelente retrogosto e grande permanência de sabor. Uvas 100% merlot, são provenientes de vinhedos cultivados a uma altitude média de 750 metros sobre o nível do mar em solos pedregosos, com baixos níveis de matéria orgânica e solos produndos de coloração vermelha (“terra rossa”). A vinificação é realizada com seleção manual de uvas (cachos e grãos), fermentação com leveduras selecionadas e com extração de aroma e sabor a baixas temperaturas com macerações prolongadas. O vinho foi amadurecido em bordalesas de carvalho francês e americano 50/50 e depois de engarrafado passou por um estágio, que deve ser de no mínimo 6 meses, em garrafa.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro de sardinha.
Exame gustativo: O gosto deste vinho me fez lembrar de outros vinhos que bebemos e dos quais eu não gostei muito, infelizmente. Ele tem um gosto de café e pode-se sentir um pouco também de gosto de morango e de amora. É um vinho simples, que não achei muito atraente e não sei se faria questão de provar de novo. Apesar de ele ser bem melhor do que muitos do mesmo preço.
Nota: 84.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Tinha tudo para ser um grande rótulo: uma obra do artista brasileiro Alfredo Volpi ilustra o rótulo. Contudo, a colocação do lettering tornou o rótulo pesado e sem estilo, empurrando o vinho para uma categoria abaixo do que realmente ele é. Merecia ser revisto.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este foi o segundo vinho da noite. Já havíamos degustado este vinho da safra 2004. Este Merlot é um vinho sempre recomendado por diversos críticos. Gosto deste Salton mas acho que falta um pouco de delicadeza. Um vinho de corpo médio, frutado e com final levemente amargo, típico de Merlot. É uma ótima opção na sua faixa de preço. Um pouco pesado, mas saboroso. Se este vinho tivesse um pouco mais de sutileza e elegância faria este vinho pular de categoria. De qualquer maneira acho que é uma opção boa que deve ser provado.
Nota: 86.0+

Paulo Laureano Clássico 2006



Nome: Paulo Laureano Clássico
Safra: 2006
País: Portugal
Região: Alentejano
Produtor: Paulo Laureano Vinus, Lda.
Site: http://www.paulolaureano.com

Uvas/Corte: Trincadeira 50% e Aragonês 50%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: R$ 18
Onde foi comprado: Supermercado Mundial, na Lapa, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 29 de março de 2008
Degustado em: 29 de março de 2008
Onde bebeu: Casa do Gilberto e da Julia, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pães com queijo brie e geléia de damasco
Com quem: Claudio, Rafaela, Gilberto e Julia

Comentário do Produtor
A excelência dos mnelhores vinhos traduz-se na sua simplicidade. Identidade, elegância e notas de prazer traduzem de forma clara o Paulo Laureano Clássico.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Claudio decidiu comprar este vinho depois que Nina e Marcel falaram bem sobre ele no Gourmandise. Nesta noite, na verdade, os vinhos da noite seguiam um tema: vinhos comprados no Mundial, que descobrimos há algum tempo é um ótimo lugar para se comprar vinhos, devido aos preços baixos que pratica. A noite começou animada com os meninos preparando um churrasco na varanda. Depois de colocarem a mesa no terraço também e de fazermos o primeiro brinde da noite, não é que desabou uma chuvona? De início, achamos que não seria nada, mas ainda bem que tiramos tudo de fora, pois choveu à beça. Já instalados lá dentro, pudemos conferir as características deste vinho: frutado, gosto de framboesa, docinho, boa permanência, apresentou retrogosto agradável e uma acidez equilibrada. É um vinho simples, mas que foi um ótimo começo para a agradável noite.
Nota: 85.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
A linha de vinhos de Paulo Laureno utiliza o preto o branco e o prata em seus rótulos. Bom resultado.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Primeiro vinho da noite. Escolhemos o tema "vinhos comprado no Mundial" e este português estava com um bom preço. Já tinha lido boas críticas além do comentário no Gourmandise. É um vinho muito agradável, de corpo médio para leve, paladar suave com toques de frutas tendência a ser doce. Bem equilibrado, fácil de se beber, sutil e pela faixa de preço se torna uma opção excelente. Vinho mais básico da linha mas muito bem feito, irá agradar e bom para acompanhar comidas leves ou tira gosto.
Nota: 86.0+

Passo Doble - Malbec/Corvina 2005



Nome:
Passo Doble - Masi
Safra: 2005
País: Argentina
Região: Tupungato
Produtor: Masi Agricola
Site: http://www.masi.it

Uvas/Corte: Malbec 65%, Corvina 30%, Merlot 5%
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: R$ 47,00
Onde foi comprado: La Botella, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 27 de março de 2007
Degustado em: 27 de março de 2007
Onde bebeu: La Botella, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Patês e queijos
Com quem: Claudio, Rafaela, Mauro e Marcela

Comentário do Produtor
La doppia fermentazione dell'uva Malbec con una percentuale di uva Corvina leggermente appassita apporta al vino ricchezza di aromi, struttura, tannini eleganti e morbidi, ottenendo così un vino di classe con potenziale di lungo affinamento. Passo Doble è eclettico negli abbinamenti: dalle carni, alla selvaggina, ai formaggi saporiti e stagionati.
Comentário da Mistral - Passo Doble é um vinho argentino diferente de todos que você já provou. Este delicioso tinto é elaborado por Masi - o rei do Amarone e o grande mestre da passificação de uvas - utilizando a uva Malbec, a mais emblemática do país, cortada com a italiana Corvina, da região do Veneto. Como acontece com os saborosos tintos vênetos, a Corvina é parcialmente passificada, ou seja, a uva perde água em esteiras de palha, concentrando os açúcares. Quando estas uvas são adicionadas ao mosto, acontece uma segunda fermentação, resultando em um vinho concentrado e cheio de sabor. A ótima acidez o deixa fresco e seco, ideal para acompanhar diversos pratos. Para Jancis Robinson, ele é "extraordinário" e "great value", "um vinho único, com um final de boca mais seco e sofisticado do que a maioria dos vinhos argentinos". Excelente relação qualidade/preço!

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Tabaco presente no cheiro e no gosto.
Exame gustativo: Esta foi a nossa segunda boa experiência com este vinhos e a terceira com vinhos Masi. Trata-se de um vinho que merece atenção. Gosto marcante que remete um pouco a tabaco, levemente adstringente, boa permanência e ótimo retrogosto. Álcool bem integrado. Lágrimas rápidas e finas. Ou seja, um vinho que realmente vale a pena ser degustado. Ele fechou a noite das comemorações do aniversário da Marcela, que haviam começado ainda à tarde numa animada ida ao cabeleireiro. Aproveito para renovar os votos de um feliz aniversário à Marcela, que ela tenha pelo menos mais 40 anos de vida repletos de bons momentos, alegrias e saúde.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo que chamou muito a minha atenção. Primeiro, pelo formato original. Depois, pela técnica de silkscreen utilizada. O rótulo tem personalidade e combina perfeitamente com o estilo do vinho. Bom trabalho.
Exame visual: Grená translúcido, puxando para o telha. Lembra alguns valpolicellas.
Exame olfativo: Tabaco, ameixa.
Exame gustativo: Segundo vinho da noite e a segunda vez que degustamos o gostoso Passo Doble. Mais uma vez o vinho estava muito agradável. É uma pedida certa para quem procura um vinho argentino diferente em seu sabor. A combinação da uva Malbec com a Corvina e o seu modo de fermentação faz com que o vinho ganhe um sabor único. Leia os comentários do Primeiro Masi que degustamos. Seu paladar lembra um pouco alguns vinhos feito com uvas de vinhas velhas.Um belo, e interessante vinho, uma excelente compra.
Nota: 88.0+

Cisplatino - Tannat/Merlot 2005* #cbe



















* Este foi o vinho que escolhemos para ser o vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs. A dinâmica da confraria é a seguinte: todo mês é escolhido um vinho para ser degustado por todos. No primeiro dia do mês seguinte são postados os comentários. Se você quiser participar da Confraria também, deixe uma mensagem. Leia também os comentários dos blogs: Vinho para Todos, Colheita de Vinhos , Le Vin Quotidien e Di Vinho Viver .

Nome: Cisplatino
Safra: 2005
País: Uruguai
Região: Rio de la Plata
Produtor: Pisano Family Vineyards
Site: http://www.pisanowines.com/

Uvas/Corte: Tannat 60%, merlot 40%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: R$ 32,00
Onde foi comprado: La Botella
Quando foi comprado: 27 de março de 2008
Degustado em: 27 de março de 2008
Onde bebeu: La Botella
Harmonizado com: Tábua de queijos e patês, massa com molho pomodoro e Sanduíche de salsichas
Com quem: Claudio, Rafaela, Marcela e Mauro

Comentário do Produtor
El Cisplatino es un vino que encierra en su nombre la historia en común que nuestro país y Brasil recorrieron en su período de independencia primero del dominio Español y después del Portugués. (1821- 1828).Es un vino compuesto en su gran mayoría por Tannat (uva insignia de nuestro país) perfectamente combinado con el Merlot. Tiene un toque apenas tostado que le otorga al vino un carácter especial. La fruta está muy presente y es un vino potente en la boca y de grandes aromas. La fuerte estructura del Tannat encuentra su equilibrio en la armonización que le otorga el Merlot.
COLOR:Ruby Profundo.
AROMA:delicado y concentrado. Ciruela, nueces, especias y hongos
SABOR:amable pero con cuerpo. Muy buena densidad. Sabores de arándanos, moras y otros frutos silvestres, pasas, ahumados.
GASTRONOMIA: Buen compañero de carnes, corderos, pastas y quesos. Va muy bien con empanadas, pasteles. Muy bueno en estructura y concentración.
Sugerimos servirlo en el entorno de los 18ºC.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro frutado.
Exame gustativo: Aproveitamos o aniversário da Marcela para voltar ao La Botella, lugar que gostamos muito e fazia já algum tempo que não visitávamos. Antes de decidirmos ir com a Marcela e o Mauro, já havíamos pensado em degustar o vinho do mês lá. O Cisplatino é um vinho bom, barato e honesto. Esta garrafa apresentou boa acidez, uma permanência grande e um ótimo retrogosto. Não foi nada agressivo às papilas. O gosto é bastante frutado. O corpo é médio. Não sei se é porque estava com vontade de sair para comemorar o aniversário da Marcela com um vinho e a companhia era boa, mas o vinho mostrou realmente muito bom. As lembranças são ótimas. Ele harmonizou muito bem com o queijo gruyère.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo que peca nos detalhes. Tem elementos para ser um rótulo bonito, mas principalmente pelo peso de algumas tipologias usadas, ele acaba não ficando tão harmônico. Esta garrafa é fina e alta. Com alguns ajustes, este rótulo iria ganhar muito.
Exame visual: Bordô claro.
Exame olfativo: Frutas vermelhas.
Exame gustativo: Escolhemos este uruguaio para ser o vinho do mês da confraria na idéia de degustar no "La Botella", uma loja de vinho em Ipanema que gostamos muito. Aproveitamos também para comemorar o aniversário da Marcela. Já havíamos degustado este mesmo vinho da safra 2004, que mostrou-se bastante agradável. O Uruguai está fazendo vinhos bastante interessantes. Temos algumas garrafas de lá aguardando para serem degustadas. Este Cisplatino mostrou-se ainda mais agradável que o da safra anterior. É um vinho jovem, corpo de leve para médio, com paladar agradável e frutado. Vinho equilibrado, bem feito, elegante que mostrou ser uma ótima opção em sua faixa de preço (cerca de R$ 20,00 no site da Mistral). A combinação Tannat-Merlot é interessante, com a Merlot arredondando a Tannat. Álcool integrado. Funcionou bem com os queijos. Boa acidez e um saboroso final. Quem busca um vinho fácil de se beber, este Cisplatino é uma boa opção, está pronto para ser degustado.
Nota: 88.0

3 de abril de 2008

Le Vin au Blog Notícias

Você já conhece o Le Vin au Blog Notícias?
É o espaço de notícias do Le Vin au Blog.

Confira o texto sobre o filme Estômago que entra em cartaz nacionalmente nesta sexta-feira, 11 de abril.

Clique aqui e dê uma passadinha lá.

Pergunta da Semana - 59

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho.

Nesta semana, Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Você costuma ir a feiras ou eventos de apresentação de vinhos? Já participou de alguma degustação realizada por vinícolas, restaurantes ou importadoras?

Le Vin au Blog agradece a sua participação.

2 de abril de 2008

Gevrey-Chambertin 1er 2005


* Este vinho foi degustado durante uma apresentação de vinhos naturais promovida pela World Wine no Rio de Janeiro, a qual contou com a presença dos produtores franceses Philippe Pacalet e Marcel Lapierre. Se quiser saber mais sobre o encontro, acesse nosso novo blog: "Le Vin au Blog Notícias" .

Nome: Gevrey-Chambertin 1er
Safra: 2005
País: França
Região: Borgonha
Produtor: Philippe Pacalet
Site: -

Uvas/Corte: Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 14%
Preço: R$ 620 (preço sugerido para venda)
Onde foi comprado: Gentilmente cedido pela World Wine
Quando foi comprado: 26 de março de 2008
Degustado em: 26 de março de 2008
Onde bebeu: Fasano al Mare, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Costeleta de cordeiro em crosta de nozes
Com quem: Claudio, Rafaela e convidados

Comentário do Produtor
Muito equilibrado, envolvente e elegante, com aromas de frutas negras, como cerejas e ameixas, combinadas a notas de almíscar, pétalas de rosas, alcaçuz e resinas e toque defumado. Sabor vivo e muito flexível, com fantástica concentração e complexidade de sabores com notas de frutas vermelhas maduras, chocolate, flores e rica mineralidade no final da boca. Elaborado a partir de uvas Pinot Noir de videiras "plant fin" cultivadas de maneira orgânica, com idade média de 55 anos, de três parcelas diferentes de vinhedos e com rendimento de 34hl/ha. A vinificação é feita sem adição de SO2, utilizando apenas leveduras indígenas. O processo de fermentação dura 3,5 semanas sendo feitas duas pigeages diárias. O afinamento do vinho "sur-lie" é feito durante 16 meses sem adição de SO2 a uma temperatura constante de 12ºC. O engarrafamento do vinho é manual e por gravidade. Harmoniza com carnes vermelhas, especialmente cordeiro com toque de trufas negras e queijos maduros.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Grená.
Exame olfativo: Rico em aromas.
Exame gustativo: Este foi o vinho com o gosto mais rico, mais repleto de referências. Não sei se posso dizer que este vinho foi melhor do que o Morgon, pois gostei muito do segundo vinho do almoço, mas ele com certeza era especial. Encorpado, gostoso, complexo, ele era frutado, mas sem ser demais. Assim como os outros era límpido. Devo confessar também que não fui feita para beber três vinhos em uma única refeição. Apesar das ótimas lembranças deste vinho e de poder dizer com certeza de que se tratava de um vinho muito interessante, a minha concentração já não estava mais funcionando muito bem a essa altura da tarde.
Nota: 94.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo seguindo o mesmo estilo do Chablis, feito pelo mesmo artista. Reflete o estilo e a personalidade do vinho
Exame visual: Cereja intenso.
Exame olfativo: Rico e complexo. Uma grande gama de aromas. Elegante.
Exame gustativo: Este foi o último vinho servido durante o ótimo almoço no Fasano. Este é um Pinot Noir marcante e memorável. Um vinho que ainda vai evoluir muito com anos em garrafas. Sua estrutura permite ser guardado por muito anos ainda. Rico e complexo no paladar com sabores envolventes e ótimo final de boca. De bom corpo, harmonizou bem com o cordeiro e risoto. Assim como os outros vinhos paladar elegante e que expressa claramente o terroir. Gostaria de provar este vinho daqui a alguns anos. Foi um almoço extremamente agradável.
Nota: 93.0-95.0

1 de abril de 2008

Morgon 2005 *


* Este vinho foi degustado durante uma apresentação de vinhos naturais promovida pela World Wine no Rio de Janeiro, a qual contou com a presença dos produtores franceses Philippe Pacalet e Marcel Lapierre. Se quiser saber mais sobre o encontro, acesse nosso novo blog: "Le Vin au Blog Notícias" .
Nome: Morgon
Safra: 2005
País: França
Região: Beaujolais, Bourgogne
Produtor: Marcel Lapierre
Site: http://www.marcel-lapierre.com/

Uvas/Corte: Gamay 100%
Teor alcoólico: 13%
Preço: R$ 120,00 (preço sugerido para venda)
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pela World Wine
Quando foi comprado: -
Degustado em: 26 de março de 2008
Onde bebeu: Fasano al Mare, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Massa fresca recheada de vitela com founde de parmesão
Com quem: Claudio, Rafaela e outros convidados

Comentário do Produtor
Suave e bastante agradável, com aroma frutado muito rico, marcado principalmente por cereja e morango com leve toque de violetas e de especiarias, como cravo e alcaçuz. Na boca, os sabores repetem seus aromas, aliados a uma acidez marcante e muito bem equilibrada. O corpo médio preenche a boca e o final é delicado e bastante agradável. As uvas provêm de vinhas de 45 anos, a colheita é manual e feita tardiamente a fim de esperar pela maturidade ideal. Também é importante destacar que toda a viticultura é orgânica. As uvas passam por uma triagem rigorosa, o que permite menor aplicação de agentes e conservantes, como enzimas e SO2. A fermentação é feita com cachos inteiros e com maceração semi-carbônica. O amadurecimento ocorre em tanques de carvalho ou em barricas de 228 litros, com idades de 3 a 14 anos. Hamonização: peixe como o atum, carnes vermelhas e aves.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô claro.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este foi o segundo vinho do almoço harmonizado organizada pela World Wine no Fasano al Mare. Estávamos sentados ao lado do simpático produtor Marcel Lapierre, que até nos disse para ligar quando fossemos para a França. Seu vinho é muito saboroso, límpido e leve. Talvez eu tenha ficado tão impressionada com esses vinhos por ter sido a primeira experiência com vinhos naturais, mas a verdade é que nunca havia provado vinhos tão "limpos" quanto esses. Eles passam uma sensação de leveza, além de parecerem (e não têm mesmo) ser tão livres de "aditivos". Eles são o que são - e conseguem ser muito bons. Foi a melhor harmonização do almoço. E também este é o vinho mais acessível dos três que provamos e creio que vale cada centavo.
Nota: 95.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Segue um estilo simples da maioria dos vinhos da região da Bourgogne.
Exame visual: cereja/bordô vivo. Bonita cor.
Exame olfativo: Morango, cereja, leve e agradável.
Exame gustativo: Este foi o segundo vinho servido no almoço e na minha opinião o mais surpreendente dos três. A primeira surpresa veio com a cera que envolvia o gargalo da garrafa. É difícil abrir vinhos com cera sem que ela se esfarele e que caia dentro da garrafa. A equipe de garçons (vale aqui destacar o ótimo serviço do Fasano al Mare) ficou um pouco apreensiva ao perceber que abririam algumas garrafas com cera. Rapidamente o produtor, Marcel Lapierre, que estava sentado ao nosso lado, mostrou como deveria ser aberto e explicou para a mesa que ele tinha desenvolvido uma cera especial que evitava qualquer tipo de transtorno. Existe muito preconceito com a uva Gamay, talvez pelos vinhos Beaujolais sem expressão que chegam por aqui. Mas bastou o primeiro gole para te a certeza que quando se trabalha bem esta uva o resultado será surpreendente. Muitos convidados na mesa chegaram a sugerir que este vinho poderia ser confundido com um Pinot Noir. O Morgon foi o vinho do almoço que me pareceu com sabor mais marcante de um vinho natural: limpo, claro e com ótimo frescor. Um vinho de corpo leve com ótimo equilíbrio e elegantemente frutado. Um vinho vivo que é muito fácil de se beber e de gostar. Um vinho feito para beber sem parar, prazeroso. Final longo. A harmonização com a pasta foi perfeita. Foi uma excelente experiência.
Nota: 92.0

Chablis 1er Cru "Beauroy" 2004 *


* Este vinho, assim como os próximos dois a serem postados, foram degustados durante uma apresentação de vinhos naturais promovida pela World Wine no Rio de Janeiro, a qual contou com a presença dos produtores franceses Philippe Pacalet e Marcel Lapierre. Se quiser saber mais sobre o encontro, acesse levinaublognoticias.blogspot.com, a nova empreitada do Le Vin au Blog.

Nome: Chablis 1er Cru "Beauroy"
Safra: 2004
País: França
Região: Chablis - Bourgogne
Produtor: Philippe Pacalet
Site: -

Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: -
Preço: R$ 420,00 (preço sugerido para venda)
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pela World Wine
Quando foi comprado: 26 de março de 2008
Degustado em: 26 de março de 2008
Onde bebeu: Fasano Al Mare, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Frutos do mar empanados e cevada com salmão, molho de nozes e vinagre balsâmico
Com quem: Claudio, Rafaela e outros convidados

Comentário do Produtor
Aroma intenso, com frescor e mineralidade marcante típica de Chablis. As notas de frutas maduras são complementadas por toque tostado proveniente do carvalho. Sabor: corpo médio, boa complexidade de sabores e untuosidade que preenche a boca. Final elegante e de boa persistência. Elaborado com uvas colhidas manualmente de vinhas com mais de 40 anos cultivadas de forma orgânica em solo argilo calcário. A fermentação é feita com controle de temperatura, com leveduras indígenas e sem SO2. O amadurecimento é feito em barricas de carvalho francês semi-novas (1 ano de uso) por 14 meses. O engarrafamento é manual e por gravidade. Consumir a 10ºC/12ºC.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Um tom de amarelo que puxa para o dourado.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Em primeiro lugar, o que mais me chamou a atenção neste vinho foi a sensação de estar bebendo algo leve, fluído, que não tinha nada que agredisse a boca. Parecia realmente puro - e depois fiquei sabendo o porquê. Os vinhos chamados de naturais são feitos sem o uso de aditivos, seja no plantio e manutenção do vinhedo, seja na "fabricação" do vinho. Ele apresentou um ótimo frescor e parecia levemente viscoso. Realmente muito bom. Ele foi degustado com lula e camarões e depois por um salmão com um maravilhoso molho de nozes. Tudo de ótima qualidade. Preciso dizer que esta história começou porque fomos convidados pela World Wine (nosso primeiro convite do gênero) para participar de uma degustação de vinhos naturais no Fasano Al Mare. Claro que aceitamos. Não teria como deixar passar uma gentileza dessas. Era uma apresentação para jornalistas e entendidos. Sorte que a Fabiana, diretora de marketing da World Wine, foi muito atenciosa e nos fez sentir muito bem entre todos aqueles "experts".
Nota: 94.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
O design do rótulo reflete toda a personalidade deste vinho.
Exame visual: Bonito tom dourado.
Exame olfativo: Nariz intenso e muito rico, toques minerais. Destaca-se notas tostadas, coco queimado. Empolgante.
Exame gustativo: Este foi o primeiro vinho apresentado durante o almoço promovido pela importadora World Wine no restaurante Fasano Al Mare com a presença dos produtores. Este foi sem dúvida o melhor vinho branco degustado aqui no Blog. Uvas provenientes de vinhas velhas e de baixa produtividade que conferem ao vinho um sabor puro, muito intenso, mineral. Paladar potente e acidez marcante. Frescor e complexidade caminham lado a lado na sua boca. Final saboroso e elegante de boa permanência. O grande destaque deste vinho fica com a pureza e a harmonia dos sabores, expressão perfeita do terroir pela forma natural de plantio e produção. Um vinho inesquecível. Este Chablis foi harmonizado com frutos do mar empanados, que funcionou perfeitamente e em seguida com uma entrada com Salmão e cevada que não teve o resultado tão bom quanto os frutos do mar. Foi uma ótima experiência.
Nota: 94.0