31 de março de 2008

Vinha da Tapada 2004



Nome: Vinha da Tapada Coelheiros
Safra: 2004
País: Portugal
Região: Alentejo
Produtor: Herdade dos Coelheiros
Site: http://www.herdadecoelheiros.pt/vinhos.htm

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon, Trincadeira, Aragonês e Castelão
Teor alcoólico: 13%
Preço: R$ 95

Onde foi comprado: Restaurante Bazzar, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 23 de março de 2008.
Degustado em: 23 de março de 2008
Onde bebeu: Restaurante Bazzar, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Peito de pato ao molho de damasco com risotto de gran padano (Claudio) e Penne rústico com molho de abóbora (Rafaela)

Comentário do Produtor
Cor: Rubi intenso
Aroma: Frutos vermelhos maduros com toque de madeira.
Sabor: Cheio, redondo, bem equilibrado e complexo. Boa frescura com final de prova frutado e prolongado.

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame gustativo: Eita vinho bom! Adorei. Comecei degustando com a ótima focaccia do Bazzar. Estou numa fase de focaccias. Quero aprender a fazer em casa. Vinho harmonioso, agradável, que não agride em nada o paladar. Fomos ao Bazzar, que fica numa bela rua de Ipanema a convite do 'tio' Roberto, pai da minha amiga Claudine, prima do Claudio. Como sempre, a conversa foi muito agradável. Gosto do senso de humor do 'tio' Roberto, que completa 81 anos neste fim de março. Bom, nem parece, na verdade. Já agendamos o almoço do dia dos pais. Espero que não demore!
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
O rótulo expressa exatamente o que o vinho é: detalhes da tradição portuguesa (azulejos pintados), em uma roupagem mais moderna de rótulo.
Exame visual: Rubi intenso
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinha da Tapada foi o vinho que mais bebi neste ano. Esta foi a terceira garrafa. Tio Roberto nos convidou para comemorar o aniversário de 81 anos com um almoço no Restaurante Bazzar, em Ipanema. Ele me pediu para indicar um vinho para acompanhar o almoço. A carta de vinhos do restaurante não é muito grande, mas conta com bons rótulos. Selecionei três vinhos diferentes e a Claudine fez a escolha por esta garrafa portuguesa. Acho que a minha indicação foi boa e acredito que todos na mesa gostaram, tanto que pedimos a segunda garrafa. Da mesma forma que comentei nos outros posts, este é um vinho português que consegue juntar muito bem o sabor característico das castas portuguesas com uma vinificação um pouco mais moderna, o que resulta em um vinho muito agradável. Além disto, o prato que eu escolhi estava ótimo, mas o molho de Damasco, levemente doce, não harmonizou tão bem. o Almoço foi muito agradável, assim como o vinho.
Nota: 88.0+

Chateau Maucaillou - Moulis 1999


Nome: Château Maucaillou
Safra: 1999
País: França
Região: Moulis-en-Médoc - Bordeaux
Produtor: Château Maucaillou
Site: http://www.chateau-maucaillou.com/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 60%, Cabernet Franc 2%, Merlot 32% e Petit Verdot 6%
Teor alcoólico: 13%
Preço: 27 euros
Onde foi comprado: No próprio Château, na França
Quando foi comprado: Julho de 2004
Degustado em: 21 de março de 2008
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Bruschettas caprese
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Les vins du Château MAUCAILLOU sont en général somptueux en couleur, d’une puissance aromatique particulièrement subtile et agréablement fruitée ; aux saveurs très mures, concentrées ; harmonieusement équilibrés, corsés et généreux, tout en finesse et en élégance. Ils sont « longs en bouche » avec une certaine « amabilité » qui les caractérisent et une aptitude au vieillissement remarquable grâce à des tannins très fins, mais bien présents.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô.
Exame olfativo: Cheiro de açougue e de alguns cheiros já sentidos em outros vinhos antes.
Exame gustativo: Este vinho foi degustado para comemorar as 15 mil visitas do Le Vin au Blog. Não nega ser um vinho com jeito de velho mundo. Quando provado apenas com queijo, parece ter gosto de chocolate branco. O ideal é degustá-lo a 18ºc. O sabor fica muito melhor quando esta nessa temperatura. Não é nem adstringente, nem sedoso. Agradável. Superleve. Parece o companheiro ideal para aqueles dias quentes de verão. Deixa um gosto forte e bom na boca.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples, em papel vergê, com uma ilustração esquemática do Château. Rótulo correto sem ser tão atraente
Exame visual: Bordô/Grená claro. Poucas lágrimas.
Exame olfativo: Clássico nariz de vinho velho mundo. Difícil definição, mas com toques de rolha, pimentão e cereja.
Exame gustativo: Este foi o vinho que guardei por mais tempo. Estava preocupado como o vinho estava, pois durante a maior parte do tempo ele não foi guardado nas melhores condições. Percebo que os vinhos franceses, principalmente os comprados na França e trazidos para o Brasil, sofrem mais quando não são armazenados corretamente. Algumas vezes cogitamos em degustar esta garrafa, mas acabava deixando para depois. Quando observei que a quantidade de sedimentos tinha aumentado, resolvi colocá-lo como prioridade para abrir. Na noite em que abrimos o vinho, já estava preparado para o ele não estar bom, contudo ele não só estava em ótimas condições como estava no ponto para beber. Decantamos o vinho por duas horas e logo na primeira taça ele se mostrou maduro. Seus nove anos de idade fez muito bem ao vinho apesar de acreditar que ele ainda suportaria mais um ou dois anos de garrafa. Servimos a uma temperatura de 19º que se mostrou a ideal. Degustar um vinho francês de qualidade é um prazer. Este Maucaillou tinha corpo médio, bem equilibrado e principalmente elegante. Um Bordeaux nada agressivo. Taninos já amadurecidos e macios. Final suave. Permanência concentrada no céu da boca. Um vinho francês fácil de beber e de paladar muito agradável.
Nota: 89.0+

Pergunta da Semana - 58

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho.

Inspirado na harmonização realizada pela World Wine no Fasano Al Mare na semana passada*, Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Você já degustou algum vinho natural (ausência de elementos químicos desde o plantio até a vinificação)?

Le Vin au Blog agradece a sua participação.

* Em breve, comentários dos vinhos degustados no almoço.

Finca Flichman - Cabernet Sauvignon 2004



Nome: Finca Flichman
Safra: 2004
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Vinícola Finca Flichman
Site: http://www.fincaflichman.com.ar


Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: R$ 17,00 - minidecanter
Onde foi comprado: Pizzaria Fiametta de Botafogo, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 21 de março de 2008
Degustado em: 21 de março de 2008
Onde bebeu: Pizzaria Fiametta de Botafogo, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Buffet mediterrâneo
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Vinho argentino fino tinto seco, elaborado a partir de uvas viníferas Cabernet Sauvignon. Apresenta cor vermelha intensa, aroma de frutas maduras e sabor surpreendente, suave e harmonioso, característico do seu varietal. Graduação alcoólica 13,5% vol - 750ml (vidro). Vinho importado da Argentina.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A Fiametta é uma ótima pizzaria, aonde gostamos muito de ir. Fica perto de casa, tem a melhor pizza do Rio e os preços, apesar de não serem exatamente baixos, são honestos. De dia, na hora do almoço, eles costumam ter um buffet mediterrâneo. Creio que seja só de segunda a sexta, nos feriados também. Custa R$ 19,90, o que é um preço razoável para almoço aqui. Resolvemos ir lá na sexta-feira santa. Chegamos num ótimo horário, 13h, não tinha nem filas. Como era feriado, resolver pedir um decanterzinho, que equivale a meia garrafa. Eles têm quatro ou cinco opções. Já havíamos provado este Finca Flichman depois de ouvir os comentários do expressa-mente! Resolvemos degustá-lo novamente e ele continuou sendo um bom companheiro para pizza branca, queijos, saladas e acepipes. Só não harmonizou 100% com uma massa com peixe e brócolis, o prato quente do buffet. Não é um vinho superespecial, mas acho que não faz feio.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:

Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Para acompanhar o nosso almoço na sexta-feira santa, pedimos este vinho na Fiametta. Não analisamos com calma, mas é um vinho correto e que funcionou bem para acompanhar nossa refeição.
Nota: 86.0

Costamiòle 1997 - Barbera d'Asti


Nome: Costamiòle
Safra: 1997
País: Itália
Região: Barbera d'Asti
Produtor: Prunotto S.R.L. Alba
Site: http://www.prunotto.it/

Uvas/Corte: Barbera 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo Joffre e Cricia
Quando foi comprado: -
Degustado em: 15 de março de 2008
Onde bebeu: Casa do Joffre e da Cricia, em Teresópolis, na região serrana do Rio
Harmonizado com: Pães e queijos
Com quem: Claudio, Rafaela, Joffre, Cricia e Clarisse

Comentário do Produtor
Colore granato e rubino molto profondo con riflessi viola e neri. Profumo ricco di frutta, soprattutto prugna e ciliegia con note di viola, cannella, cacao e cuoio. In bocca è avvolgente, denso ricco di tannini morbidi ma ben strutturati. Si abbina agli arrosti di carne, selvaggina ed a formaggi stagionati.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este vinho foi bom, mas eu realmente não estou preparada para certos vinhos europeus. Nos meus planos, ainda está passar uma temporada na Itália, por vários motivos, e aí talvez eu aprenda a gostar mais dos vinhos de lá.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples.
Exame visual: Tom já com alaranjado característico de vinho mais antigo.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este foi o segundo vinho da noite em Teresópolis. Joffre tinha alguns vinhos na adega,dentre eles alguns trazidos da Itália. Vinho do Velho Mundo, já com 11 anos de vida e pronto para beber. Corpo médio, taninos de boa qualidade, já se pode notar seu amadurecimento e um sabor "bem italiano". Vinho para acompanhar comida. Bom final. Um Barbera bem agradável.
Nota: 88.0+

26 de março de 2008

Pergunta da Semana - 57

Toda quarta-feira, o Le Vin au Blog coloca aqui uma pergunta diferente para saber sobre as suas experiências no mundo do vinho.

Nesta semana, seguimos uma sugestão do Artur e da Eliana, apreciadores de bons vinhos que volta e meia passam por aqui. Eles comentaram não ter o olfato tão apurado e perguntam aos outros degustadores:

- Qual o melhor caminho para desenvolver o olfato? Alguma dica sobre como aperfeiçoá-lo? Existem cheiros mais fáceis de serem sentidos?

Le Vin au Blog agradece a sua participação.

25 de março de 2008

Blend de Selección 2004



Nome: Blend de Selección
Safra: 2004
País: Argentina
Região: Valle de Uco - Mendoza
Produtor: Joffré e Hijas - R.J. Viñedos
Site: http://www.rjvinedos.com/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon e Merlot
Teor alcoólico: 14%
Preço: 68 pesos
Onde foi comprado: Ligier, em Buenos Aires
Quando foi comprado: 12 de fevereiro de 2008
Degustado em: 15 de março de 2008
Onde bebeu: Casa do Jofre, da Cricia e da Clarisse, em Teresópolis, região serrana do Rio
Harmonizado com: Pães e queijos
Com quem: Claudio, Rafaela, Joffre, Cricia e Clarisse (que preferiu ficar brincando no tapete)

Comentário do Produtor
Blend de Selección es creado a partir de uvas maduras de parcelas seleccio-nadas, donde la cosecha es realizada a mano y en cajas de 18 Kgs. Luego de una cuidadosa elaboración el vino es macerado, descubado y colocado en barricas de roble, primordialmente francés, durante 12 meses. Finalmente el vino es embotellado y dejado en esti-ba para culminar su óptima maduración. Partida limitada de 6.000 botellas. Blend de Selección es un vino excepcional que deleita por su exquisita armonía entre nuestros Cabernet Sauvignon y Merlot, provenientes de Terroir de características únicas. Su impresionante color se destaca no sólo por su intensidad, también por sus reflejos rubíes y violáceos. En nariz, cautiva por su opulencia en frutos rojos, especialmente guinda y pimiento rojo maduro, con delicadas notas de pimienta y aceituna negra. Luego, aromas a lavanda y violeta y una sofisticada presencia de chocolate, ahumados y tabaco de su guarda en roble. En boca es de entrada dulce, redondo, robusto y de gran estructura. Es untuoso, de notable balance tánico y riqueza frutal. Tiene lágrimas de llamativa concentración y un final largo muy elegante.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho muito gostoso, mas como não fiz nenhuma anotação na hora, lembro-me agora que harmonizou muito bem com o queijo parmesão e com o ótimo pão do Green Fruit. Enquanto nós tomávamos nosso vinho, Clarisse se divertia no tapete em frente à tevê. Ela é muito esperta e não vai demorar nada nada para ela começar a engatinhar e só um pouco mais para começar a falar.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo que eu gosto. A tipologia manuscrita traz personalidade. Conjunto com harmonia.
Exame visual: Violeta escuro
Exame olfativo:
Exame gustativo: Fomos até Teresópolis conhecer a Clarisse, filha do Joffre, e tivemos uma noite muito agradável por lá. Levei este vinho que tínhamos comprado em Buenos Aires para degustarmos juntos, pois o produtor tem o mesmo nome dele. Foi o primeiro vinho da noite e foi um ótimo começo. Gostei deste blend que se mostrou um vinho com personalidade. Um vinho de bom corpo, que alia muito bem elegância com potência. Tem estrutura e deve ficar mais algum tempo em garrafa, vai evoluir muito bem. Paladar firme, com um primeiro ataque mais rústico e com final mais redondo e macio. Acompanha bem a comida. Vinho muito interessante, que combinou com o clima agradável da noite.
Nota: 89.0+

24 de março de 2008

Altue - Cabernet Sauvignon 2006



Nome: Altue
Safra: 2006
País: Chile
Região: Valle Central
Produtor: Vitivinicola Cremaschi Barriga S.A.
Site: http://www.cremaschifurlotti.cl/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo Mario e Marie
Quando foi comprado: -
Degustado em: 8 de março de 2008
Onde bebeu: Casa da Marie e do Mário, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pães e queijos
Com quem: Claudio, Rafaela, Mário, Marie, Ricardo e Raquel

Comentário do Produtor
The fermentation took place in stainless steel tanks at 28°C. 25% of the wine was aged for 8 months in French Oak Barrels and 4 months in bottle, prior to its release. Intense purple with ruby highlights. Floral nose, chocolate, rosemary, blackberry and buttery vanilla oak. Its complex palate boasts a wealth of a ripe cabernet fruit, leading into vibrant finish.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Depois do Agustinos, este Altue ficou meio sem graça, mas continua sendo um bom companheiro para boa conversa.
Nota: 85.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples que usa impressão em cobre e um corte diferenciado na sua base, lembrando um relevo montanhoso.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Assim como disse a Rafaela, este foi o segundo vinho tinto da noite, que acabou ofuscado pela qualidade superior do anterior. Como analisamos anteriormente, o Altue é um vinho simples, mas uma boa companhia para petiscos e um bom papo entre amigos.
Nota: 85.0

23 de março de 2008

Agustinos Reserva - Cabernet Sauvignon 2006


Nome: Agustinos
Safra:
2006
País:
Chile
Região:
Vale do Aconcágua
Produtor:
Viñedos y Bodegas Corpora S.A.
Site:
http://www.cremaschifurlotti.cl/

Uvas/Corte:
Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico:
14%
Preço:
-
Onde foi comprado:
Gentilmente oferecido pelo Mario e Marie
Quando foi comprado:
-
Degustado em:
8 de março de 2008
Onde bebeu:
Casa da Marie e do Mário, na Tijuca, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
Pães e queijos
Com quem:
Claudio, Rafaela, Mário, Marie, Ricardo e Raquel

Comentário do Produtor

Este vino presenta un color rojo rubí de buena intensidad. En nariz muestra una intensidad agradable, especiada y frutal a la vez, con notas tostadas y de café, así como con toques herbáceos. En boca es un vino con un buen balance entre la madera y la fruta. Su complejidad implica notas de frutos rojos, como zarzaparrilla, buen cuerpo y taninos suaves y persistentes.

Comentário da Rafaela
Exame visual:
-
Exame olfativo:
-
Exame gustativo:
Vinho bem agradável, que acompanhou de forma perfeita a exibição de "O Poderoso Chefão". Estávamos havia tempos para ver este filme todos juntos e finalmente saiu. Foi bem legal. Claudio e Ricardo, que ainda não tinham visto, também gostaram.
Nota:
87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples e bem equilibrado. Usa tipologia com boas proporções. Combina com o vinho.
Exame visual:
-
Exame olfativo
: Clássico nariz de Cabernet.
Exame gustativo
: Boa surpresa depois da decepção com o vinho francês que não estava bom. Segue uma linha interessante de Cabernets chilenos que procuram um estilo mais elegante como o Aquitânia que degustamos. Vinho muito agradável e equilibrado onde a madeira não se faz notar. Bom corpo, taninos suaves. Um vinho interessante que pode funcionar bem com comida. Uma boa opção para quem quer saborear um Cabernet Sauvignon mais clássico.
Nota:
87.0

Frédéric Lornet - Arbois 2002



Nome:
Frédéric Lornet
Safra:
2002
País:
França
Região:
Arbois
Produtor:
Frédéric Lornet
Site:
-

Uvas/Corte:
Savagnin 100%
Teor alcoólico:
13%
Preço:
-
Onde foi comprado:
Gentilmente oferecido pelo Mario e Marie, comprado em Paris
Quando foi comprado:
-
Degustado em:
8 de março de 2008
Onde bebeu:
Casa da Marie e do Mário, na Tijuca, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
Pães e queijos
Com quem:
Claudio, Rafaela, Mário, Marie, Ricardo e Raquel

Comentário do Produtor

-

Comentário da Rafaela

Exame visual:
-
Exame olfativo:
-
Exame gustativo:
Infelizmente, este vinho não pôde ser degustado. Estava passado, com cheiro de perfume que venceu. Uma pena.
Nota:
-

Comentário do Claudio
Rótulo:
A garrafa se destaca pelo seu formato diferenciado. Uma composição agradável.
Exame visual:
-
Exame olfativo
: -
Exame gustativo
: Quando o Mario voltou de Paris no ano passado, ele trouxe esta garrafa de vinho de lá. Estava empolgado em degustar, pois foi um vinho desta mesma região, Jura, na França, que degustamos em 2005 na casa da Marie, em Paris. E ele tinha gostado muito. Fiz uma viagem por Portugal e Espanha em 2005 e no final da viagem fui me encontrar com o Mario em Paris. A Marie me recebeu muito bem em sua casa. Na noite em que cheguei, eles abriram uma excelente garrafa do "Jacques Tissot - Arbois". Foi uma bela recepção em Paris. Por isso ficamos muito decepcionados quando abrimos a garrafa e o vinho não estava bom. Acontece.
Nota:
-

João Pato 2005


Nome:
João Pato
Safra:
2005
País:
Portugal
Região:
Bairrada
Produtor:
Luis Pato
Site:
http://www.luispato.com

Uvas/Corte:
Touriga Nacional, com uma pequena parcela de Baga
Teor alcoólico:
13%
Preço:
-
Onde foi comprado:
Adegão Português, Barra da Tijuca
Quando foi comprado:
-
Degustado em:
5 de março de 2008
Onde bebeu:
Adegão Português, Barra da Tijuca
Harmonizado com:
Bacalhau à lagareiro

Comentário do Produtor

Em 2005 alterámos o perfil deste vinho com a utilização da casta Touriga Nacional como dominante, e com um processo de vinificação para criar um vinho de consumo imediato. Apresenta aroma a violetas e cerejas com um toque de morango e amora. Excelente a acompanhar pratos de peixe de cozinhado simples e também pratos de carne grelhada. Envelhece bem por dez anos.


Comentário do Claudio

Rótulo:
Rótulo simples, com uma pequena e discreta ilustração de um pato. De acordo com o vinho.
Exame visual:
Grená escuro
Exame olfativo
: -
Exame gustativo
: Este é o segundo vinho que bebo do renomado produtor da Bairrada, Luis Pato. Já degustei também um vinho de sua filha, Flilipa Pato. Degustei este vinho durante um almoço de trabalho, por isto não provei com toda a atenção. Um vinho bem feito da uva Touriga Nacional. Vinho simples, lembrando o sabor de outros vinhos portugueses mais tradicionais. Não é um vinho marcante mas acompanha bem a comida e não fará feio em nenhuma mesa. Um vinho português com preço acessível. Acho que ainda pode evoluir na garrafa.
Nota:
86.0 +

19 de março de 2008

Salton Talento 2004




















Nome:
Talento
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Tuiuty, Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinhos Salton S.A.
Site: http://www.salton.com.br/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 60%, Merlot 30%, Tannat 10%
Teor alcoólico: 12.5%
Preço: R$ 39,00
Onde foi comprado: Presente do Mauro
Quando foi comprado: Outubro de 2007
Degustado em: 1º de março de 2008
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Espetinhos mistos, arroz, farofa de banana e salada
Com quem: Claudio, Rafaela, Mario, Marie, Ricardo e Raquel

Comentário do Produtor
A colheita das uvas é feita de forma manual com seleção do vinhedo, cachos e grãos. O suco das uvas é fermentado e macerado a baixa temperatura durante 20 dias (maceração peculiar pré-fermentativa a baixa temperatura). Depois disso, o vinho é levado para barricas de carvalho francês novas onde permanece por 12 meses. Após engarrafado, estagia durante 12 meses na garrafa. Límpido com coloração roxa bordô intenso. Possui aromas de frutas vermelhas em confeitaria, suaves toques de baunilha, côco e tabaco fresco. Paladar macio com excelentes taninos maduros, encorpado e prolongado. Potencial para amadurecimento e complexidade.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo:-
Exame gustativo: Já havíamos provado este vinho, de safra diferente, em outra oportunidade e ele se mostrou bastante correto. Foi o que mais fez sucesso aqui em casa nesta noite. Mario e Raquel gostaram muito. Ele realmente é muito agradável e parece se dar bem com vários tipos de comidas. O preço do Mundial é outro atrativo para quem mora no Rio de Janeiro.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo com personalidade marcante que combina com o caráter do vinho.
Exame visual: Grená escuro
Exame olfativo: Nariz doce e atraente. Nariz moderno.
Exame gustativo: Este foi o segundo vinho brasileiro da noite. Já haviamos bebido um Talento da safra 2002 e tinha se mostrado o melhor vinho brasileiro degustado pelo blog. Este 2004 mostrou as boas características do 2002, mas me pareceu ainda um pouco jovem. O 2002 estava mais redondo e no ponto ideal para degustar. De qualquer forma é um vinho muito bem feito, de estilo moderno, com bom corpo, frutado e redondo. Mostra que temos condições de fazer bons vinhos e de diferentes estilos no Brasil. Já fomos convidados por um casal de amigos para degustar outro Talento 2004, que em breve comentaremos aqui no blog. Quem ainda não provou o Talento deve degustar.
Nota: 87.0 +

18 de março de 2008

Angheben - Touriga Nacional 2004



Nome: Angheben
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Encruzilhada do Sul (Serra do Sudeste do RS)
Produtor: Angheben Adega de Vinhos Finos
Site: http://www.angheben.com.br/

Uvas/Corte: Touriga Nacional 100%
Teor alcoólico: 12,5%
Preço: R$ 29
Onde foi comprado: Tumelero Bebidas, em Caxias do Sul
Quando foi comprado: 18 de agosto de 2007
Degustado em: 1º de março de 2008
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Espetinhos mistos, arroz, farofa de banana e salada
Com quem: Claudio, Rafaela, Mario, Marie, Ricardo e Raquel

Comentário do Produtor
Um vinho ímpar. Casta de origem portuguesa que encontrou em Encruzilhada do Sul um ambiente extremamente favorável, gerando um vinho potente, encorpado, com aromas intensos e complexos, e paladar harmônico e marcante.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Quando a Marie comentou que este vinho tinha cheiro de floresta, de terra molhada, todo mundo riu, mas depois confirmou. Ela estava certa. Eram estes mesmos os aromas sentidos.
Exame gustativo: Juro que não é preconceito, mas só pelo cheiro já fiquei meio desconfiada de que teria algo contra este vinho. Não me entendam mal. Ele não é ruim. Apenas não combina muito com o meu gosto, que tende para os vinhos com cara de novo mundo. Apesar de ele ser produzido no Rio Grande do Sul, talvez em uma degustação às cegas ele se passasse por algum europeu. Bom, não dá para negar de que se trata de um vinho brasileiro diferente. E, só por isso, já vale um chance.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples e austero. Poderia ser um pouco mais leve e agradável.
Exame visual:
Grená escuro
Exame olfativo
: Como definiu a Marie: cheiro de floresta. Umidade, algo vegetal.
Exame gustativo
: Fizemos uma noite de vinhos brasileiros de diferentes estilos. Este foi o primeiro vinho da noite. Este Angheben merece a sua atenção. Não é um vinho fácil de início. Ele segue um estilo de vinho brasileiro que já provamos antes, como o Dal Pizzol Ancellotta ou o Don Abel Merlot. É um estilo de vinho mais rústico. Um pouco austero, que não passa pela madeira e que tenta reproduzir a expressão da uva e do terreno. Deixamos no decanter por cerca de uma hora, mas a primeira impressão não foi tão agrádavel. Somente depois de mais algum tempo ele abriu um pouco e se mostrou mais agradável e interessante. Um vinho que pedia comida. Um vinho que parece que deveria envelhecer mais um pouco, mas não sei se tem estrutura para tal. Gosto deste estilo de vinho e tenho curiosidade para ver como estará a produção destes vinhos brasileiros daqui a alguns anos. Acho que a produção vai evoluir bastante. De qualquer forma acho que vale provar este Angheben.
Nota:
86.0+

Alamos - Pinot Noir 2007 #cbe


* Este foi o vinho escolhido Le Vin Quotidien pelo para ser o vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs. A dinâmica da confraria é a seguinte: todo mês é escolhido um vinho para ser degustado por todos. No primeiro dia do mês seguinte são postados os comentários. Se você quiser participar da Confraria também, deixe uma mensagem. Leia também os comentários dos blogs: Vinho para Todos, Colheita de Vinhos e Di Vinho Viver .

Nome: Alamos
Safra:
2007
País:
Argentina
Região:
Mendoza
Produtor:
Bodegas Esmeralda S.A.
Site:
http://www.catenawines.com/es/index.html

Uvas/Corte:
Pinot Noir 100%
Teor alcoólico:
14%
Preço:
R$ 23,84
Onde foi comprado:
Importadora Mistral, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado:
29 de fevereiro de 2008
Degustado em:
29 de fevereiro de 2008
Onde bebeu:
Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
Pizza Quatro Queijos e queijos brie e maasdam
Com quem:
Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor

Alamos Pinot Noir es un vino elegante, delicado y complejo, de color rojo granate. A la nariz se perciben aromas de frutos rojos frescos como cereza y frutilla, con notas de especias, y frutos confitados. El roble hace su aporte con notas ligeras de vainilla y licor. En boca, de impacto dulce y gran complejidad, es untuoso, de cuerpo ligero, con taninos suaves y redondos que le otorgan un final largo y persistente.

Comentário Rafaela

Exame visual:
Bordô turvo.
Exame olfativo:
Para mim, tinha cheiro de vinho branco ou espumante, doce, que lembrava frutas. Até o final, tinha álcool no cheiro.
Exame gustativo:
Acho que não tivemos muita sorte com este vinho. Eu normalmente adoro vinhos feitos à base de Pinot Noir, mas este aqui estava muito esquisito. Primeiro, que apesar de ser superjovem, a cor dele parecia de um vinho velho, meio passado. Depois, o gosto era ardido na boca. Ele nem era tão pesado, mas tinha algo que incomodava muito. Outra coisa engraçada é que o gosto ficava somente na boca, nem quando você engolia, o gosto acompanhava o líquido. Em resumo, fraco.
Nota: -


Comentário Claudio

Rótulo:
Segue a já bastante conhecida identidade visual da linha Alamos.
Exame visual:
Grená, porém não estava transparente como deveríamos esperar de um Pinot Noir. O vinho estava um pouco turvo.
Exame olfativo:
Notava-se algo estranho para um vinho tão jovem. Álcool presente e alguma coisa de fruta fresca.
Exame gustativo:
Quando provamos a primeira taça notamos aquilo que estávamos suspeitando pelos exames visual e olfativo: o vinho não estava bom. Estava em um processo de ficar "bouchonné". Com isto as características estavam todas alteradas: estava fora de balanço, sem nenhum retrogosto e em alguns momentos queimando na boca. Com isso, nossa avaliação ficou comprometida.
Nota:
-

Bodegas Julian Chivite



Nome: Gran Feudo Chardonnay 2006, Gran Feudo Rosado 2006, Gran Feudo Crianza 2004, Viña Salceda Crianza 2002, Colección 125 Reserva 2000 e Gran Feudo Moscatel Dulce Natural 2006
Safra:
-
País:
Espanha
Região:
Navarra
Produtor:
Bodegas Julián Chivite
Site:
http://www.chivite.com

Uvas/Corte:
-
Teor alcoólico:
-
Preço:
-
Onde foi comprado:
Gentilmente oferecido pela Mistral
Quando foi comprado:
-
Degustado em:
27 de fevereiro de 2007
Onde bebeu:
Restaurante Porcão Ipanema, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
Pão
Com quem:
Claudio

Comentário do Produtor

- Gran Feudo Chardonnay 2006 - COLOUR : Pale straw with lemon tinges.NOSE : Crisp and fruity.PALATE : Fresh and clean, with an excellent acidity balance that strengthen its fruity aromas.
- Gran Feudo Rosado 2006 - COLOUR : Bright strawberry pink with a faint touch of violet. NOSE : Full, clean and fragrant. Aromas of woodland berries and mixed fruit. PALATE : Excellent balance between fruit and acidity. Fresh, soft and long on the palate, fruity, clean, with floral reminiscences.
- Gran Feudo Crianza 2003 - COLOUR : Clear, with a brilliant medium-red cherry colour, with paler rim. NOSE : A well-balanced blend of soft fruits, oak and spice. PALATE : Well balanced, spicy fruit. On the aftertaste, soft with hints of toast and “confit” reminiscences.
- Viña Salceda Crianza 2003 - COLOUR: Dark cherry colour, medium-high intensity. Brilliant.
NOSE: Good intensity, complex. Hints of spices and noble wood,clearly reminiscent of fruit. (black fruits, blackberries, blueberries) PALATE : Pleasant beginning, full body. Good balance and nice tannins. Long persistence with a clean aftertaste, reminding the hints on the nose.
- Colección 125 Reserva 2000: COLOR : Profundo, granate muy oscuro, sin evolución, joven, muy entero. AROMA : Muy intenso, cautivante, evocando los frutos negros, el cigarro habano, la madera de cedro. PALADAR : Ataque potente y muy sabroso, evolucionando sobre una buena estructura tánica, densa y fresca. Final especiado y muy largo.
- Gran Feudo Blancodulce de moscatel 2005 - Color: Amarillo dorado con algún reflejo verde.
Aroma: Muy intenso, franco, fino y complejo. Recuerda a la uva fresca de moscatel, con notas florales y algún tostado muy discreto (rosas, miel). Paladar: En boca el ataque es sedoso, fresco y fundido. Evolución amplia, llena de sabores, cremosa. Final muy largo, potente y limpio, recordando los aromas frutosos y florales, con algún detalle a madera bien integrada (corteza de pan, pan tostado). Buen balance acidez/azúcar. Final muy largo y potente.

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual:
-
Exame olfativo
: -
Exame gustativo
: No mesmo dia que degustei o Vinha da Tapada, fui convidado para participar de uma apresentação dos vinhos das Bodegas Chivite, importado pela Mistral.
Foram apresentado seis vinhos que faço um breve comentário sobre cada um abaixo:
- Chardonnay - Vinho simples e básico com bom frescor e alta acidez. No nariz, abacaxi, pêssego e algo de coco queimado.
- Rosado - Vinho sem nenhuma presença, muito leve. Vinho para se beber "ao redor da piscina". Nariz com algo de refresco fake de alguma fruta vermelha.
- Crianza - Vinho que já degustamos em uma harmonização virtual. Tive as mesmas impressões: pouco atraente e com alguns desequilíbrios aparentes. Vinho básico que não me agradou.
- Viña Salceda - Vinho básico, mas um pouco mais equilibrado e atraente que o anterior. Porém, unidimensional.
- Colección 125 - Este vinho é realmente interessante. Nariz rico com especiarias e um toque exótico de tabaco, muito bom. Na boca, vinho de bom corpo, ótimo ataque inicial e sabor com algo exótico. Boa permanência. Muito interessante. O melhor da apresentação.
- Moscatel - Licoroso e com sabor muito forte da casca da uva.
Nota:
86 - 83 - 85 - 86+ - 90+ - 86, respectivamente

Forster Mariengarten Kabinett - Riesling 2005*



* Este post trata sobre a sexta harmonização realizada em parceria com o Gourmandise, dos amigos Marcel e Nina. Diferente das edições passadas, desta vez escolhemos o prato e Nina e Marcel decidiram qual seria o melhor vinho para acompanhá-lo. O resultado você pode conferir abaixo. Não deixe de acessar o Gourmandise, o AmuseBouche e o Tá Bem Bom.

Nome: Forster Mariengarten Kabinett
Safra:
2005
País:
Alemanha
Região:
Pfalz
Produtor:
Weingut Eugen Müller
Site:
http://www.weingut-eugen-mueller.de/

Uvas/Corte:
Riesling 100%
Teor alcoólico:
10%
Preço:
R$ 46,00
Onde foi comprado:
Espírito do Vinho, Cobal do Humaitá, Rio de Janeiro
Quando foi comprado:
8 de março de 2008
Degustado em:
10 de março de 2008
Onde bebeu:
Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
Torta de cebolas e salada verde
Com quem:
Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor

-

Comentário da Rafaela

Exame visual:
Tom amarelinho, que depois evoluiu para um tom champanhe.
Exame olfativo:
Perfurmado, cheiro de um buquê de flores do campo.
Exame gustativo:
Vinho que não pede necessariamente uma comida. Parece ser perfeito para uma noite de calor. Faria sucesso em uma festa com muitas mulheres, pois tem todo jeito de bebida que mulheres gostam de beber. Gosto doce, mas sem ser enjoativo. Presença clara de taninos. Ótimo retrogosto. O primeiro gosto que senti foi de um doce aquecido, algo como uma bananada quente, um coco queimado, não sei bem, algo assim. Vale registrar que este foi o primeiro vinho alemão do blog, também o primeiro com a uva riesling.
Nota:
88.0
Nota do vinho harmonizado com a comida:
86.0

Harmonização:
Desta vez, fomos nós quem escolhemos a receita. resolvemos sugerir uma que gostamos muito, que era feita pela avó do Claudio, dona Cedinha: Torta de cebolas. Não foi a primeira vez que fizemos, mas foi a primeira que saiu meio errada. A massa, apesar do gosto ótimo, ficou mais mole que o normal, o recheio não ficou igual a sempre. Não sei o que aconteceu. Só sei que esses detalhes acabaram prejudicando a harmonização. Creio que não coloquei manteiga suficiente na hora de refogar as cebolas e o gosto ficou muito forte. Também não comprei creme da Nestlè - fiz com o da Parmalat. Claudio acha que isso também alterou o gosto. O que aconteceu então foi que o gosto da cebola brigou demais com o vinho - e ganhou! Ficou melhor quando o vinho era degustado apenas com a massa, sem o recheio. Uma pena. Testamos também com goiabada e ficou bem melhor. O vinho combina bem com doces.

Comentário do Claudio
Rótulo:
O formato da garrafa é bonito. O rótulo nem tanto. Sem graça e usando dourados sem muito critério. Vale destacar que o papel usado é perolizado.
Exame visual:
Dourado claro
Exame olfativo
: Bastante perfumado.
Exame gustativo
: Este foi o primeiro vinho alemão comentado aqui no blog. Foi o primeiro vinho da uva Riesling que degustamos. Mesmo jovem, o vinho apresentou um final de boca um pouco licoroso. No geral, é um vinho leve e fácil de se beber. Para o meu paladar, um pouco doce demais. Depois de algumas taças, pode "cansar" um pouco. É um vinho que pode muito bem ser indicado como aperitivo ou até mesmo acompanhar uma sobremesa. Este vinho foi o de menor teor alcoolico que já degustamos. Apresentou um pouco de gás carbônico no início. Na boca, algo frutado, como maça ou nectarina. Um vinho simples, mas valeu pela experiência de degustarmos algo de uma região que nunca tinhamos comentado.
Nota:
86.0
Nota do vinho harmonizado com a comida:
86.0

Harmonização:
Nossa harmonização ficou um pouco comprometida, pois não estávamos em um dia inspirado. Fazemos regularmente esta receita da minha saudosa avó, e quando surgiu a idéia de nós indicarmos o prato, pensei nesta receita. Sempre o resultado é ótimo, mas desta vez não "acertamos a mão". Acho que não deixamos a cebola o tempo suficiente na panela e seu gosto estava mais presente do que de costume. Por isto, a acidez da cebola com o doce do vinho criou um terceiro paladar, algo como quando o suco de tangerina começa a ficar passado. O sabor ficou menos doce, mas acho que tinha potencial para se tornar uma harmonização melhor. Fizemos um teste com a massa e funcionou bem melhor. Acredito que pelas propriedades da manteiga. Por último, fizemos um teste com um pedaço de goiabada que se mostrou muito interessante. Mais uma vez a experiência foi divertida.

7 de março de 2008

Vinha da Tapada 2004



Nome: Vinha da Tapada Coelheiros
Safra:
2004
País:
Portugal
Região:
Alentejo
Produtor:
Herdade dos Coelheiros
Site:
http://www.herdadecoelheiros.pt/vinhos.htm

Uvas/Corte:
Cabernet Sauvignon, Trincadeira, Aragonês e Castelão
Teor alcoólico:
13%
Preço:
-
Onde foi comprado:
Gentilmente cedido pela Mistral Importadora
Quando foi comprado:
-
Degustado em:
27 de fevereiro de 2008
Onde bebeu:
Casa do Gilberto, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
-

Comentário do Produtor
Cor: Rubi intenso
Aroma: Frutos vermelhos maduros com toque de madeira.
Sabor: Cheio, redondo, bem equilibrado e complexo. Boa frescura com final de prova frutado e prolongado.

Comentário do Claudio
Rótulo:
O rótulo expressa exatamente o que o vinho é: detalhes da tradição portuguesa (azulejos pintados), em uma roupagem mais moderna de rótulo.
Exame visual:
Rubi intenso.
Exame olfativo
: -
Exame gustativo
: Participei da gravação de um programa do canal de TV Shoptime, durante o qual este vinho foi apresentado e aberto. Não foi possível degustar no estúdio, então provamos uma taça dele logo depois. Tinha degustado este vinho no início do ano e ainda estava vivo na minha memória. Seu paladar confirmou as boas características deste Alentejano. Vinho com sabor de vinho português mas com um toque de vinho moderno: um pouco de madeira ao fundo, taninos macios e bastante saboroso. Na primeira vez que o bebi, foi durante um almoço. Ele funciona ainda melhor com comida. De qualquer forma, é um vinho que recomendo, muito bem feito.
Nota:
88.0+

Pergunta da Semana - 56

Queremos saber sobre as suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Estamos na Semana Santa, e o Le Vin au Blog gostaria de saber:

- Como costuma ser o domingo de Páscoa em sua casa? Você costuma comer bacalhau? E degustar vinhos? Teria algum para sugerir?

6ª harmonização virtual

Participe da 6ª Harmonização Virtual

Depois de umas curtas férias, voltamos com as nossas harmonizações virtuais. Para mudar um pouquinho, nesta edição, a receita foi indicada pelo Le Vin au Blog e coube ao Gourmandise escolher qual seria o vinho mais adequado.

Convidamos todos os amigos blogueiros e também quem gosta de cozinhar e de beber vinhos para participar. Se você não tiver um blog, não se preocupe, pode usar os nossos para mostrar o resultado da experiência.

Para receber a receita e o nome do vinho, basta deixar um comentário com seu e-mail em um dos blogs ou enviar uma mensagem para levinaublog@gmail.com e/ou ninocamori@hotmail.com.


A data sugerida para postagem é 18 de março.

Esperamos pelo seu e-mail.
Abraços.
Le Vin au Blog e Gourmandise

Argento - Cabernet Sauvignon 2007



Nome: Argento
Safra:
2007
País:
Argentina
Região:
El Mirador, Rivadavia districts of Mendoza
Produtor:
Bodegas Esmeralda
Site:
http://www.argentowine.com

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico:
13%
Preço:
R$ 16,86
Onde foi comprado:
Supermercado Zona Sul de Botafogo, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado:
26 de fevereiro de 2008
Degustado em:
26 de fevereiro de 2008
Onde bebeu:
Supermercado Zona Sul de Botafogo, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
Pizza Quatro Estações
Com quem:
Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual:
Bordô.
Exame olfativo:
-
Exame gustativo:
Fazia um tempão que não comíamos uma pizza do Zona Sul acompanhada por um vinho. Normalmente quando fazemos isso, escolhemos vinhos acessíveis, que custam apenas um pouco mais do que gastaríamos com um suco, um refrigerante ou dua tacinhas. Este Argento sempre se mostra uma boa opção. Não foi diferente desta vez. Ele harmonizou muito bem com a pizza quatro estações e com a conversa e o momento. É um vinho doce, frutado e muito agradável, além de ter um ótimo custo/benefício.
Nota:
86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
O conhecido rótulo do Argento. Acho que é uma identidade visual bem resolvida que agrega valor ao vinho. Garrafa fina e alta.
Exame visual: Violeta.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Fomos comer uma pizza no Zona Sul e acabamos escolhendo este Argento para acompanhar. Já degustamos todos os vinhos desta linha, que é, sem dúvida, uma ótima escolha pelo preço. Vinhos corretos e saborosos por um preço melhor ainda. Contudo, de todos os degustados, este Cabernet foi o que menos gostei. Estava um pouco "quente" na boca e tinha sabores menos intensos que os outros. Ainda bem jovem.
Nota: 85.0+

Quinta do Portal Colheita 2002


Nome: Quinta do Portal Colheita
Safra: 2002
País: Portugal
Região: Douro
Produtor: Sociedade Quinta do Portal
Site: http://www.quintadoportal.com/

Uvas/Corte: 25% Touriga Nacional; 45% Tinta Roriz; 30% Touriga França
Teor alcoólico: 12.62%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo Fábio
Quando foi comprado: 22 de fevereiro de 2008
Degustado em: 22 de fevereiro de 2008
Onde bebeu: Adegão Português, no Rio Design Barra
Harmonizado com: Bacalhau espiritual e filé ao molho de natas, acompanhados por batatas portuguesas e arroz
Com quem: Claudio, Rafaela, Julia, Gilberto e Fábio

Comentário do Produtor

De cor rubi, evidencia aromas de compota de fruta, canela e notas de madeira que enriquecem o perfil aromático. Estruturado na boca e com taninos suaves, forma um conjunto muito equilibrado, com muito boa acidez. Perfeito para acompanhar pratos de carnes e caça. Colhida manualmente e transportada para vinícola em caixas de 18Kg. Imediatamente após o corte são retirados os engaços e as uvas são gentilmente esmagadas; a mistura então é levada para fermentação em tanques de aço inoxidável a uma temperatura controlada de 25 - 28ºC. Fermentação 100% malolática. Envelhecido em barris novos e de um ano de carvalho francês, de 225 litros, por 9 meses antes do engarrafamento. Envelhecido nas garrafas por pelo menos mais 4 meses antes da liberação

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Muito diferente do primeiro degustado nesta mesma noite. Enquanto o primeiro era superencorpado, este revelou-se mais leve, mas não menos interessante. Entre os dois, fico com o primeiro, o Quinta do Tourão, mas este também vale ser provado.
Nota: 88.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Garrafa interessante, pois tem um alto relevo imitando uma alça de uma porta. Além disso, o rótulo aparece no pé da garrafa com uma ilustração em que aparece um portal. Gosto do estilo, que cria uma personalidade própria à garrafa.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo
: Este foi o segundo vinho da noite. É um vinho mais simples, não tão intenso quanto o Quinta do Tourão, contudo é um vinho bem feito, fácil de se beber e que pode ser uma ótima companhia para um jantar. Vale provar. Um vinho correto e agradável.
Nota: 87.0

6 de março de 2008

Pergunta da Semana - 55

Queremos saber sobre as suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, novamente inspirados pelos amigos que deixam comentários, desta vez foi o Guga, o Le Vin au Blog quer saber:

- Você prefere rolha sintética ou rolha de cortiça? E quanto às tampas de rosca? Já deixou de comprar algum vinho por que tinha este tipo de tampa?

Quinta do Tourão Reserva 2001


Nome: Quinta do Tourão Reserva
Safra: 2001
País: Portugal
Região: Torre de Moncorvo, Douro
Produtor: Sociedade Agrícola do Vale da Vilariça
Site: -

Uvas/Corte: Touriga Nacional, Tinta Roriz e Touriga França
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo Fábio
Quando foi comprado: 22 de fevereiro de 2008
Degustado em: 22 de fevereiro de 2008
Onde bebeu: Adegão Português, no Rio Design Barra
Harmonizado com: Bacalhau espiritual e filé ao molho de natas, acompanhados por batatas portuguesas e arroz
Com quem: Claudio, Rafaela, Julia, Gilberto e Fábio

Comentário do Produtor

O vinho resultante da conjugação das castas Touriga Nacional, Tinta Roriz e Touriga França, com a maturação e nas proporções mais correctas, atinge na região demarcada do Douro altos níveis qualitativos.Produzido na Quinta do Tourão situada no Douro Superior, dentro do microclima do Vale da Vilariça, nas suas encostas xistosas consegue atingir a máxima potencialidade das referidas castas e delas extrair todas as suas características sui generis. Alia-se a esta qualidade, à vinificação tradicional em lagares de granito da Quinta da Silveira, com pisa a pé e com uma maceração prolongada bem como o estágio em cascos novos de carvalho francês. Resulta, pois, um vinho único, cor retinta, aroma fino, profundo e complexo, encorpado, robusto, com forte presença de taninos de grande elegância.Pode criar depósito com o envelhecimento. Foram engarrafadas desta Reserva apenas 9.000 garrafas, todas numeradas.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Bordô escuro.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Concordo totalmente com o comentário do produtor. Este é um ótimo vinho, que vale ser provado. O único cuidado com ele é que precisa ser decantado, pois apresenta muito depósito. A comida também estava ótima. Comeria muitas vezes mais aquele bacalhau espiritual. E apesar de eu não comer carne vermelha, aquele molho do filé estava muito bom.
Nota: 89.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
O rótulo antigo e até certo ponto feio. Este vinho merecia um rótulo melhor.
Exame visual: Bordô escuro.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Vinho bastante interessante da região do Douro. Vinho de bom corpo, já com 7 anos e no ponto para degustar. Rico no paladar, taninos redondos, bom final e funcionou muito bem com os pratos servidos. Apresentou muitos sedimentos, sendo necessário decantar, o que ajudou a abrir o vinho que melhorou com o tempo. Um bom vinho português.
Nota: 89.0

4 de março de 2008

Domaine du Pegau Cuvée Réservée - Châteauneuf du Pape 2002



Nome: Domaine du Pegau Cuvée Réservée
Safra: 2002
País: França
Região: Châteauneuf-du-Pape
Produtor: Paul Féraud ei Fille
Site: http://www.pegau.com/

Uvas/Corte: Predominância de Grenache, Mourvèdre e Syrah
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: 28 euros
Onde foi comprado: Lavínia, Paris pela Marcela e Mauro
Quando foi comprado: Janeiro de 2006
Degustado em: 20 de fevereiro de 2008
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Macarrão ao molho vermelho
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor

A beautifully balanced, early drinking Chateauneuf-du-Pape. The primary nose is dominated by notes of spice and tobacco, typical of vintages where the young wine is not overwhelmed by super-ripe fruit. The palate contains nice notes of red fruit, and appears to be gaining in concentration with age. It is a leaner style of wine, sandwiched between the great vintages of 2001 & 2003, but in its own way gives a true reading of the ‘terroir’ of Chateauneuf.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro de bacon, doce de coco. Definitivamente cheiro de vinho de velho mundo.
Exame gustativo: Desta vez, diferente das demais, quando o Claudio faz uma lista de vinhos para eu escolher, eu poderia pegar qualquer vinho das nossas reservas. Bom, tinha dois em mente, mas como este Domaine du Pegau estava mais a mão foi ele mesmo o escolhido da noite. Ele deveria ter sido bebido ainda em novembro, no aniversário do Claudio, mas não conseguimos na época. Quando escolhi, já fiquei com certo medo, pois vinhos do velho mundo sempre me causam temor. Tenho medo, muito medo, de não gostar. Este, porém, foi uma ótima surpresa. O vinho estava muito bom - e olha que nem foi a melhor safra dele. Inicialmente, senti gosto de salame, depois de tabaco. É um vinho diferente, surpreendente. Realmente causou uma boa impressão.
Nota: 90.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Vinhos de Châteauneuf du Pape seguem esta linha de rótulos. Tipologia característica e no geral nem sempre atraente...mas como mudar uma identidade visual tão característica e com tanta tradição? Acho que qualquer um desconfiaria de um vinho desta região com um rótulo moderno.
Exame visual: Grená
Exame olfativo: Cheiro de bacon, defumado. Clásico cheiro de velho mundo.
Exame gustativo: Bebi este vinho sem saber qual era. Mas pelo nariz e logo ao primeiro gole já dava para perceber que era um vinho francês. E realmente era um vinho da bela região de Chateauneuf du Pape. Tinha curiosidade para degustar este vinho. Havia encomendado um vinho desta região para Marcela e o Mauro quando eles foram à França. Porém, quando fiz a encomenda, não tive atenção de indicar a safra. E a safra de 2002 foi considerada uma das piores safras da região. Muitos produtores simplesmente não fizeram vinhos neste ano. Havia lido alguns comentários que falavam que o produtor do Domaine du Pegau não colocaria o seu nome em jogo produzindo um vinho que ele achasse ruim. Mais curiosidade fiquei quando li excelentes críticas para as safras 2003 e 2004 (12º melhor vinho do ano pela WS). Este 2002 estava bastante interessante: corpo médio com sabores que lembravam tabaco e alguma coisa apimentada, boa permanência, taninos que permitiam envelhecr um pouco mais e aquele sabor peculiar de vinho francês, velho Mundo. Pela facilidade de compra, acabamos bebendo muitos vinhos do Novo Mundo e é muito interessante beber um bom vinho francês em um estilo completamente diferfente, onde a sutileza e sabores mais ligados à terra aparecem ao mesmo tempo que você percebe que o vinho pede para acompanhar uma bom jantar. Valeu a experiência. Realmente 2002 não deve ter sido uma boa safra pois este vinho não estava espetacular conforme a crítica falou sobre as safras 2002 mas foi um vinho muito bom que nos trouxe bastante prazer em degustar!
Nota: 89.0

Reservado - Carmenére




Nome: Reservado
Safra:
País: Chile
Região: Valle del Maipo
Produtor: Concha y Toro
Site: www.conchaytoro.com

Uvas/Corte: Carmenere 100%
Teor alcoólico: -
Preço: R$ 29
Onde foi comprado: Churrasco ao Vivo, em Canasvieiras, Florianópolis
Quando foi comprado: 16 de fevereiro de 2008
Degustado em: 16 de fevereiro de 2008
Onde bebeu: Churrasco ao Vivo, em Canasvieiras, Florianópolis
Harmonizado com: Galeto, picanha e outras carnes acompanhadas por polenta frita, farofa e arroz
Com quem: Claudio, Rafaela, Márcia, Jacy, Nicolas, Camille, Valéria, Ângelo, Jade, Felipe, Fábio, Ana Paula, Cris, Dorva e D. Marlene

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Já provamos o reservado em outras ocasiões. Acho que é um vinho que cumpre bem seu papel de acompanhar qualquer comida e tornar uma refeição agradável. Outro motivo para estar feliz naquele dia foi o fato de me reencontrar com o Nicolas, depois de um ano e três meses. Ele está enorme e muito fofo, falando algumas poucas frases e desenhando muito. Ele até disse "dinda", para minha felicidade. Muito fofo!
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Segundo vinho do almoço. O Reservado é uma linha básica da Concha y Toro. Não sou muito fã desta uva. Não me agradou muito.
Nota:
-

Comte de Valmont - Merlot 2003



Nome: Comte de Valmont
Safra: 2003
País: Argentina
Região: Lujan de Cuyo - Mendoza
Produtor: Bodegas Chandon
Site: -

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: -
Preço: R$ 29
Onde foi comprado: Churrasco ao Vivo, em Canasvieiras, Florianópolis
Quando foi comprado: 16 de fevereiro de 2008
Degustado em: 16 de fevereiro de 2008
Onde bebeu: Churrasco ao Vivo, em Canasvieiras, Florianópolis
Harmonizado com: Galeto, picanha e outras carnes acompanhadas por polenta frita, farofa e arroz
Com quem: Claudio, Rafaela, Márcia, Jacy, Nicolas, Camille, Valéria, Ângelo, Jade, Felipe, Fábio, Ana Paula, Cris, Dorva e D. Marlene

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Faço aqui mais um registro do que uma análise, pois neste dia estava mais interessada no que acontecia ao redor da taça do que no que estava dentro dela. O vinho foi escolhido pelo Ângelo, que optou por uma safra de R$ 29, como ele mesmo deixou bem claro. Este foi o penúltimo dia do nosso cruzeiro, que parou por algumas horas em Florianópolis. Foi muito bom rever meus amigos, de quem eu sinto tanta falta. Estava com muitas saudades daqueles encontros em que para qualquer lado da mesa que você olhe, você vê um rosto familiar e sempre tem algo para dizer ou uma novidade para saber. Fazia realmente muito tempo que eu não tinha essa sensação tão boa.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
-
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Assim como a Rafaela, não degustei este vinho com atenção para uma avaliação. De qualquer forma é um vinho simples e correto, o primeiro do nosso almoço durante as poucas horas que passamos em Florianópolis.
Nota: -

3 de março de 2008

Pergunta da Semana - 54

Queremos saber sobre as suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, inspirado na sugestão do amigo do espressa-mente, o Le Vin au Blog quer saber:

- Qual foi o pior vinho que você já provou? Qual não recomendaria de jeito algum?