20 de dezembro de 2008

Casa Marin


Nome: Cipreses Vineyard Sauvignon Blanc e Litoral Vineyard Pinot Noir
Safra: 2006 e 2004
País: Chile
Região: San Antonio
Produtor: Casa Marin
Site: http://www.casamarin.cl/
Importador: -

Uvas/Corte: Sauvignon Blanc 100% e Pinot Noir 100%
Teor alcoólico: 14% e 14,5%
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: incluídos no preco da visita, que custou 17 doláres cada
Onde foi comprado: Bodega Casa Marin, em San Antonio, no Chile
Quando foi comprado: 5 de dezembro de 2008
Degustado em: 5 de dezembro de 2008
Onde bebeu: Bodega Casa Marin, em San Antonio, no Chile
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio, Rafaela e Felipe

Comentário do Produtor
Cipreses: Cor amarelo palha com notas verdeais, brilhante. Nariz intenso, mineral, pleono de frutas tropicais. Na boca, bom corpo, bela textura, fresco e complexo.

Litoral: Cor rubi medianamente escuro. Nariz com aromas de cereja e outras frutas vermelhas maduras, mirtilo e defumado. Excelente acidez e vivacidade, com sabores vibrantes confirmando os aromas. Potente e muito longo, com um belo final de boca frutado.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Alugamos um carro e saímos pouco depois das oito da manhã de Santiago. Curioso é que não há muitas placas indicando o caminho. Tínhamos umas orientações e fomos seguindo o fluxo. Depois de muito andar, finalmente uma placa indicando Viña del Mar. Como saímos muito cedo, paramos em um posto de gasolina para comer medialunas e tomar um café. No caminho, já começamos a avistar videiras e algumas indicações de nomes de vinícolas. O passeio é bonito. Nosso plano era passear pelas vinícolas e seguir para o Pacífico, para um banho de mar. Ledo engano. Estava um frio danado e não deu nem para molharmos os pés no Pacífico. Voltando à estrada para Casablanca, encontramos fácil o caminho para chegar à Casa Marin. Fomos atendidos por um moço, que chamou quem nos apresentaria a vinícola. Tratava-se de Felipe, filho da dona da Casa Marin. Ele foi contando como o negócio começou. A mãe trabalhou durante anos em bodegas e sempre quis ter a sua. Compraram esses poucos mais de 40 hectares em San Antonio e chamaram especialistas chilenos para analisar a viabilidade de fazer uma vinícola ali. Os chilenos não deram nenhuma esperança aos Marin, que não se convenceram e foram atrás de especialistas da Califórnia. A resposta foi diferente, mas eles também não quiseram entrar no negócio. Apelaram para um empréstimo bancário e começaram a plantar as vinhas. Tudo anda em um ritmo mais lento ali, pois é muito mais frio do que em qualquer outra região vinícola. Sofrem influência direta do Oceano, que fica a apenas quatro quilômetros. Isso foi no início dos anos 2000. Felipe foi estudar enologia e vinicultura na Nova Zelândia e na Califórnia, e sua mãe, desde que resolveu insistir no sonho, já foi premiada várias vezes, inclusive com o título de melhor enóloga chilena. A visita é especial, pois não tem o tom de espetáculo das outras que visitamos. É tudo muito sincero e às vezes até ingênuo. Não são os muitos os turistas que chegam lá, apenas os que já ouviram falar dos vinhos da Casa Marin. Ele brincou que se precisassem viver das vendas da lojinha as vinícola, estavam perdidos. Depois de nos mostrar onde o vinho é feito, ele perguntou se queríamos ver as parreiras de perto. Fomos, acompanhados por um cachorro que cuida da casa dele, que fica logo ali, entre as parreiras. Foi um passeio especial.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo clássico e simples. Combina com a proposta da vinícola.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Esta foi uma das melhores visitas a vinícolas que fizemos no Chile. As instalações da Casa Marin são bem simples. Fomos recebidos por Felipe, filho da premiada enóloga Maria Luz Marin. Felipe, também enólogo, mora e trabalha na vinícola. O clima da visita foi bem intimista, como se tivéssemos visitando um amigo e é exatamente neste clima que eles procuram lidar com os vinhos. Vencendo as adversidades com o clima frio da região, a Casa Marin conseguiu em pouco tempo um grande reconhecimento aos seus vinhos, principalmente os Sauvignon Blanc e os Pinot Noir. Seguindo no bate-papo animado com o Felipe, degustamos estes dois excelentes vinhos entre perguntas sobre a rotina da vinícola, detalhes de produção e distribuição. É muito bacana degustar o vinho acompanhado por quem é o responsável por cuidar diariamente do vinhedo e está presente na vinificação. Você consegue perceber um pouco da personalidade das pessoas refletidas no vinho que elas produzem. A propriedade não é grande, cerca de 40 hectares que ficam a mais ou menos 4 km do Oceano Pacífico. Esta propriedade esta dividida em pequenas parcelas. Cada parcela de terra é vinificada separadamente dando origem a cada vinho. Degustamos primeiro o excelente e marcante Sauvignon Blanc Cipreses. É um vinho que de cara te conquista. Mais complexo e com mais corpo que os Sauvignon Blancs. Um vinho que merece ser conhecido e, de preferência, acompanhado por frutos do mar. Trouxemos uma garrafa para degustarmos aqui. O segundo vinho foi um Pinot Noir bem diferente de outros que já provei. Personalidade própria e toques de couro, defumado e algo de carne como um Jamon Serrano e um final agradável onde frutas aparecem. Um vinho que pede um prato de comida e que ainda deve crescer. Instigante. A visita terminou com uma caminhada entre os vinhedos, onde descobrimos que os pássaros da região adoram as uvas da Casa Marin. Eles são os maiores "inimigos" dos vinhos.
Nota: 93.0+ , 91,0

3 comentários:

vlmauricio disse...

Muito interessante essa história da Casa Marin, pena que quando fui ao Chile não a conhecia, se não poderia ter visitado.

Parabéns pelo blog, tenho lido regularmente e as degustações e comentários são muito interessantes!

Le Vin au Blog disse...

Vlmauricio,

Obrigado pelo comentário. Realmente a Casa Marin foi uma visita bem especial para nós.

Feliz Natal!

Roberson disse...

Os dois Sauvignon Blanc (Cipreses e Laurel) e os dois Pinot Noir (Lo Abarca e Litoral) são belos vinhos. Os SB estão no mesmo nível de bons Pouilly-Fumé.