12 de janeiro de 2009

Achaval Ferrer - Cabernet Franc 2005




















Nome:
Achaval Ferrer Cabernet Franc
Safra: 2005
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Achaval Ferrer
Site: http://www.achaval-ferrer.com/
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Franc
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: -
Numeração da garrafa: -
Preço: 47,50 pesos a taca
Onde foi comprado: The vines of Mendoza – Calle Espejo, 567, no Centro de Mendoza
Quando foi comprado: 12 de dezembro de 2008
Degustado em: 12 de dezembro de 2008
Onde bebeu: The vines of Mendoza – Calle Espejo, 567, no Centro de Mendoza
Harmonizado com: Bolachinhas salgadas, cortesia do winebar
Com quem: Rafaela

Comentário do Produtor
-

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Já estava meio alegrinha quando terminei de degustar o Angélica Zapata Chardonnay, mas como era sexta-feira à noite, estava sozinha na cidade e não tinha grandes planos para o resto da noite, resolvi provar uma tacinha mais. Difícil escolher em uma lista tão grande e – depois de uma taça – tão interessante. Resolvi pedir ajuda a Paula, atendente do tasting room. Pedi sua opinião sobre três vinhos: um Bressia Malbec, um Foster Malbec e um Achaval Ferrer Cabernet Franc, sendo que os últimos dois faziam parte daquela lista com 50% de desconto. Ela perguntou do que eu gostava e respondi que me atraem os mais frutados. Ela respondeu sem pestanejar: prova este Achaval Ferrer que é muy bueno. E realmente era. A cor era muito forte, um bordô muito vivo. Senti cheiro de fazenda e comentei com Paula que costumo sentir os cheiros mais esquisitos. Ela me disse que é normal, pois cada um tem suas referências. Trata-se de um vinho muito bom, também forte, sem ser pesado, com uma acidez muito equilibrada. Desconfio, com todo o meu conhecimento no assunto, que merece ser tomado com uma comida. É outro que espero ter a oportunidade de provar de novo. Achaval Ferrer é um dos apoiadores do winebar. Falando no Vines, a idéia é muito boa. Não é um bar regular, mas um lugar para quem aprecia vinhos, onde se pode degustar bons vinhos, que não são necessariamente muito conhecidos. Conversei um pouco com dois dos atendentes, Alex e Paula. Alex nasceu na Rússia, mas morou na Ucrânia e depois foi, com os pais, para o Canadá, onde cresceu. Desde janeiro de 2007, mora na Argentina e, se entendi bem, começou a estudar Enologia neste ano. Ele me explicou que a Vines trabalha apenas com vinhos de bodegas butique, algumas bem pequenas, mas que vendem também alguns vinhos diferenciados de bodegas maiores, como é o caso dos vinhos da Catena Zapata. Já Paula é do México, um país, segundo ela, onde não há uma tradição de se beber vinhos, apesar de produzir alguns vinhos muito bons. Muito simpática, ela me indicou algumas vinícolas para visitar. Ela estudava direito no México e depois de visitar Mendoza resolveu se mudar para lá. Procurou cursos de direito, mas ao se deparar com o curso para formação de Sommelier, decidiu mudar de rumo. E não se arrepende. Ela é colega de um Salton, que disse para ela que a família dele tem uma vinícola no Brasil. Contei a ela que é uma das maiores vinícolas brasileiras e que tem, pelo menos, dois bons vinhos: o Salton Desejo e o Salton Talento. Depois de todo este texto, só posso terminar dizendo que foi uma ótima noite em Mendoza. Saí bem borracha dali, mas valeu a pena. Ainda mais que conheci dois noruegueses e, finalmente, pude dizer a alguém de lá que adoro o A-ha. Eles ficaram felizes.
Nota: 94.0

2 comentários:

Alexandre (Diário de Baco) disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Alexandre (Diário de Baco) disse...

Oi Rafaela...

Acho os vinhos da Achaval Ferrer excelentes, mas só conheço o malbec e os blend Quimera.

Fiquei curioso com esse cabernet, ainda mais frutadão, como você disse. Ainda gosto desse estilo.

Vou procurar...parece que quem tem é a Expand.

abs!
Alexandre