30 de agosto de 2007

Travessia - Cabernet Sauvignon/Merlot 2004












Nome: Travessia
Safra: 2004
País: Chile
Região: Valle Central
Produtor: Concha y Toro
Site: http://www.conchaytoro.com/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 85%, Merlot 15%
Teor alcoólico: 13%
Preço: R$ 13,90
Onde foi comprado: Cadeg, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 25 de agosto de 2007
Degustado em: 25 de agosto de 2007
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Diversas comidinhas da festa
Com quem: Claudio, Rafaela, Claudine, Marcela, Mauro, Regina Helena, Raquel, Ricardo, Wagner, Roberta e Jaime

Comentário do Produtor
Los Mejores frutos del Valle Central de Chile fueron seleccionados para emprender esta Travessia alrededor del mundo. Dos cepas tintas, Cabernet Sauvignon y Merlot, participan en esteintenso, sedoso y beien balanceado vino. Deliciosos aromas a ciruelas, frutas negras y frambuesas característicos del Merlot, armonizan a la perfección con las notas a frutas rojas, tabacco y estructura en boca del Cabernet Sauvignon. Disfrute de esta Travessia con deliciosos platos a base de carnes rojas y blancas, quesos y pastas.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Entre este e o primeiro vinho bebido na festa, fico com este. Porém, ele não foi devidamente analisado.
Nota: 84.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples e moderno, porém usa uma combinação de cores estranha, que não combina com vinho. Não agradou.
Exame visual: -
Exame olfativo: Um pouco mais frutado que o anterior.
Exame gustativo: Segundo vinho da noite, que também é uma indicação de "ótima compra" pela revista Gula. É mais um vinho básico da Concha y Toro. Um pouco mais encorpado e frutado que o primeiro vinho da noite, mas é um vinho simples. Vinho para o dia-a-dia, que não vai mudar a sua vida.
Nota: 84.0

29 de agosto de 2007

Pergunta da Semana - 27

Queremos saber das suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, Le Vin au Blog quer saber:

Você já degustou algum espumante brasileiro? Qual é o seu preferido? Qual indicaria para quem ainda não conhece os espumantes produzidos por aqui?

28 de agosto de 2007

Casa Perini - Merlot 2005




















Nome:
Casa Perini
Safra: 2005
País: Brasil
Região: Vale Trentino - Farroupilha/RS
Produtor: Vinícola Perini
Site: http://www.vinicolaperini.com.br/

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 12%
Preço: R$ 17,50
Onde foi comprado: Alipão, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 24 de agosto de 2007
Degustado em: 25 de agosto de 2007
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Diversas comidinhas da festa
Com quem: Claudio, Rafaela, Claudine, Marcela, Mauro, Regina Helena, Raquel, Ricardo, Wagner, Roberta e Jaime

Comentário do Produtor
O aroma lembra especiarias, frutas maduras e algumas notas de café e baunilha. Vinho equilibrado e macio ao paladar. Harmoniza com carnes vermelhas, caças, massas, pizzas, queijos e embutidos.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Cor de jabuticaba
Exame olfativo: Cheiro de vinho do velho mundo, ou seja, não é dos cheiros que eu mais aprecio neste mundo...
Exame gustativo: Este foi o primeiro vinho bebido em nossa festinha de um ano. Já na primeira taça, não gostamos muito de nossa escolha, mas ainda não estamos em condições de jogar um vinho pela pia, então tentamos apreciá-lo de maneira displicente. A festinha, preciso contar, foi para comemorar o meu primeiro ano no Rio de Janeiro e, por tabela, também o um ano morando juntos. A festinha foi muito legal, vieram pessoas que estiveram bem próximas durante este um ano. Uma das presenças mais especiais - não que as outras não fossem - foi a da Claudine, que por acaso estava no Rio no fim de semana. Claudine foi quem nos apresentou e é meio nossa madrinha.
Nota: 83.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Gosto dos rótulos desta linha da Casa Perini. Moderno e elegante.
Exame visual: -
Exame olfativo: Típico cheiro de vinho do velho mundo, lembrando alguns Bordeauxs, aspectos vegetais.
Exame gustativo: Não fui feliz na seleção dos vinhos para a noite em que íamos receber alguns amigos em casa. Queria descobrir alguns vinhos que ainda não havíamos bebido e que tivesse bom custo/benefício. Fui consultar a Revista Gula e ver se conseguia alguma coisa. Escolhi este vinho da Casa Perini, que estava classificado como "ótima compra". Esperava mais. Pelo nariz, se desenhava um vinho estilo velho mundo, mais elegante e com menos madeira e açúcar. Realmente essas características estavam presentes, porém faltou uva. Este Merlot mostrou-se sem presença, sem potência alguma, extremamente leve, parecendo ainda mais básico e simples do que era. Com as comidas, ganhou um pouco, mas ficou devendo para uma "ótima compra".
Nota: 81.0

26 de agosto de 2007

Vila Regia - Douro 2004




















Nome:
Vila Regia
Safra: 2004
País: Portugal
Região: Douro
Produtor: Sogrape Vinhos
Site: http://www.sogrape.pt/

Uvas/Corte: Touriga Nacional, Touriga Francesa, Tinta Roriz e Tinta Barroca
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: -
Onde foi comprado: Adegão Português, Rio Design Barra
Quando foi comprado: 23 de agosto de 2007
Degustado em: 23 de agosto de 2007
Onde bebeu: Adegão Português, Rio Design Barra
Harmonizado com: Bacalhau à Lagareiro

Comentário do Produtor
VILA REGIA TINTO apresenta uma cor vermelha de boa intensidade e um aroma dominado pelos frutos vermelhos, nomeadamente framboesa e morango, ainda que se façam já sentir aromas terciários com notas de especiarias como pimenta e canela. Na boca tem um ataque suave, com uma evolução onde se nota a sua acidez que, embora discreta, está bem envolvida no seu corpo, contribuindo para um conjunto agradável de equilíbrio e harmonia.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples, mas bastante elegante. Valoriza o vinho.
Exame visual: Rubi
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Bebi este vinho durante um jantar de trabalho. Não fiz uma análise com atenção. De qualquer maneira, achei-o um vinho simples, porém bem feito e fácil de beber. Pertence a linha básica da vinícola, a qual o classifica como de ótimo custo/benefício. Melhorou bastante com algum tempo aberto, deixando o seu final mais redondo e um pouco frutado. Característica de vinhos portugueses do Douro. Não comprometeu o ótimo prato de bacalhau do Adegão. Acredito que este vinho possa ser encontrado na faixa dos R$ 28: uma boa compra para um vinho simples, mas equilibrado e agradável.
Nota: 86.0

24 de agosto de 2007

Casa Silva Gran Reserva - Petit Verdot 2005




















Nome:
Casa Silva Gran Reserva
Safra: 2005
País: Chile
Região: Colchagua Valley
Produtor: Casa Silva
Site: http://www.casasilva.cl/

Uvas/Corte: Petit Verdot 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: R$ 68,00
Onde foi comprado: Symposium Vinhos, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 18 de agosto de 2007
Degustado em: 18 de agosto de 2007
Onde bebeu: Symposium Vinhos, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Patê, pães, frios e queijos
Com quem: Claudio, Ricardo, Raquel, Rozane, Alan, Eron e Valéria.

Comentário do Produtor
Redondo, taninos firmes, boa acidez e notas de amora. Final muito longo e persistente.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Os vinhos da Casa Silva seguem uma identidade visual baseada no "CS" do logotipo e a tipologia tradicional usada para escrever o nome da vinícola. Não gosto do logotipo, esteticamente sem harmonia, mas inegavelmente os vinhos da Casa Silva são facilmente identificados, sua identidade visual acaba sendo forte. Gosto do texto no rótulo.
Exame visual: Violeta/rubi muito intenso e fechado. O vinho de cor mais bonita da noite. Pela exame visual, já dava para imaginar um belo vinho.
Exame olfativo: Nariz interessante e peculiar. Algo de chiclete de tutti-frutti. Uma mistura de floral com frutas doces maduras. Intenso. Mais um indício de um bom vinho.
Exame gustativo: Último e melhor vinho da noite e o primeiro 100% Petit Verdot do blog. Neste mesmo sábado, durante a tarde, tinha passado por uma loja de vinhos na Cobal do Humaitá e visto pela primeira vez este lançamento da Casa Silva. O vendedor da loja falou que pela manhã um grupo degustou alguns vinhos, entre eles este Gran Reserva. Todos falaram muito bem dele, inclusive o vendedor que tinha provado também. Vinho de sabor intenso, que preenche a boca. Temos a sensação de que o vinho gruda em nossa língua. Vinho de bom corpo, muito bem equilibrado, com boa acidez, taninos macios e álcool integrado. Alia perfeitamente potência com elegância. Longa permanência, bastante agradável com notas frutadas. Fechamos muito bem a noite. Um vinho que recomendo e gostaria de degustar novamente.
Nota: 90.0+

23 de agosto de 2007

Casa Silva Reserva - Shiraz 2005




















Nome:
Casa Silva Reserva
Safra: 2005
País: Chile
Região: Colchagua Valley
Produtor: Casa Silva
Site: http://www.casasilva.cl/

Uvas/Corte: Shiraz 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: R$ 42,00
Onde foi comprado: Symposium Vinhos, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 18 de agosto de 2007
Degustado em: 18 de agosto de 2007
Onde bebeu: Symposium Vinhos, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Patê, pães, frios e queijos
Com quem: Claudio, Ricardo, Raquel, Rozane, Alan, Eron e Valéria.

Comentário do Produtor
Intense ruby colour with blue hues. On the nose, intense, with notes of black cherries and raspberries. On the palate, concentrated, with excellent integration of fruit and oak, well balanced, soft tannins, long and persistente finish. Fully express the charm of Shiraz.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Os vinhos da Casa Silva seguem uma identidade visual baseada no "CS" do logotipo e a tipologia tradicional usada para escrever o nome da vinícola. Não gosto do logotipo, esteticamente sem harmonia mas inegavelmente os vinhos da Casa Silva são facilmente identificados, sua identidade visual acaba sendo forte. Gosto do texto no rótulo.
Exame visual: Violeta escuro.
Exame olfativo: Nariz não tão agradável no seu início, algo como suor passado para algo vegetal. Depois de aberto por algum tempo notas de frutas vermelhas surgiram. Gerou um bom debate na mesa sobre percepção de cheiro nos vinhos.
Exame gustativo: Terceiro vinho da noite. Depois de um Merlot e um Tannat, resolvi sugerir um Shiraz para provarmos e compararmos uma uva diferente. Há algum tempo, eu já queria provar algum vinho da Casa Silva e sabia que nesta loja eles vendem diversos vinhos da vinícola. Diferente dos vinhos anteriores, este Shiraz é potente e encorpado, muita fruta em boca. Como disse o Ricardo, foi o vinho "mais porrada" até aquele momento. Vinho que preenche a boca com um final firme e longo, porém com leve amargor e ainda um pouco quente. Os 14,5% de álcool estavam bem integrados. É um vinho muito bem feito. Pareceu-me ainda jovem, sempre tenho a curiosidade de ver estes vinhos potentes com alguns anos a mais de vida. Deveria ter sido aberto antes para "respirar". Acredito que tenha sido uma boa pedida pela uva e pelo estilo. Uma boa prévia para o que ainda viria.
Nota: 87.0+

Pergunta da Semana - 26

Queremos saber das suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, Le Vin au Blog quer saber:

Faz pouco mais de uma semana que estamos com uma novidade em casa: uma adega climatizada. Antes dela, nossos vinhos penavam no armário da cozinha, que apesar de ser bem escuro, não era dos mais frescos. Agora, estão protegidos na nova 'geladeirinha para vinhos'. Ainda deslumbrados com a nova compra, aproveitamos para perguntar a vocês, como costumam armazenar seus vinhos?

21 de agosto de 2007

Carlos Montes - Tannat 2004



















Nome:
Carlos Montes
Safra: 2004
País: Uruguai
Região: Las Piedras - Canelones
Produtor: Bodega Montes Toscanini
Site: http://www.montestoscanini.com

Uvas/Corte: Tannat 100%
Teor alcoólico: 13%
Preço: R$ 39,00
Onde foi comprado: Symposium Vinhos, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 18 de agosto de 2007
Degustado em: 18 de agosto de 2007
Onde bebeu: Symposium Vinhos, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Patê, pães, frios e queijos
Com quem: Claudio, Ricardo, Raquel, Rozane, Alan, Eron e Valéria.

Comentário do Produtor
• Degustação: O aspecto visual é de uma cor rubi intensa e madura. Com aromas complexos e elegantes, couro, café, tabaco, em um fundo de frutas vermelhas muito maduras, e madeira muito bem fundida. Em boca, é intenso e sedoso despejando grande complexidade. Taninos muito maduros e afinados, mas uniformes. De final longo e morno. Mantém-se com firmeza para confirmar a sua distinção.
• Acompanhamento: Ideal para acompanhar pratos a base de carnes e massas com salsas saborosas e intensas.

,Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo simples e direto que casou bem com o estilo do vinho e com a garrafa de "ombros largos".
Exame visual: Grená escuro.
Exame olfativo: Nariz fechado, apenas com um pouco de álcool se sobresaindo. Precisava ter sido decantado.
Exame gustativo: Este foi o vinho mais austero da noite. De estilo bem diferente do primeiro vinho degustado. Este vinho me pareceu mais rústico e definitivamente pedia uma comida para acompanhar. Acredito que ele cresceria se tivesse sido decantado. Taninos marcados e final um pouco quente, mas com boa permanência. Seu final não era tão característico de Tannat. Álcool poderia estar um pouco mais integrado. Gosto deste estilo de vinho, melhor quando acompanha um prato. Foi interessante, pois pudemos comparar com o primeiro vinho de estilo mais amadeirado.
Nota: 86.0+

20 de agosto de 2007

Cremaschi Furlotti Reserva - Merlot 2005




















Nome:
Cremaschi Furlotti Reserva
Safra: 2005
País: Chile
Região: Valle Del Maule
Produtor: Vitivinícola Cremaschi Barriga S.A.
Site: http://www.cremaschifurlotti.cl/

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: R$ 32,00
Onde foi comprado: Symposium Vinhos, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 18 de agosto de 2007
Degustado em: 18 de agosto de 2007
Onde bebeu: Symposium Vinhos, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Patê, pães, frios e queijos
Com quem: Claudio, Ricardo, Raquel, Rozane, Alan, Eron e Valéria.

Comentário do Produtor
De uma intensa cor violeta escura, seu aroma é complexo, onde frutas vermelhas se mesclam com notas de couro, especiarias e madeira. Ideal com pastas, queijos e carnes vermelhas. Este vinho não foi estabilizado para preservar a sua excepcional qualidade.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo tradicional com um desenho em bico de pena de um cacho de uvas rebaixado ao fundo. A mistura de tipologia não está harmônica. O vinho tem um estilo mais moderno do que o rótulo transmite. Detalhes em dourado e papel Vergê ajudam a compor este estilo clássico, que busca mostrar a tradição da família em produzir vinhos.
Exame visual: Tom rubi/violeta claro.
Exame olfativo: Nariz bastante agradável. De estilo moderno, combina madeira com fruta maduras e toques de baunilha. Algo achocolatado ao fundo.
Exame gustativo: Estava em casa no sábado à noite quando a Raquel me ligou chamando para ir a uma nova loja de vinhos no bairro das Laranjeiras. Já tinha passado duas vezes por lá, porém todas durante o dia. A loja, com algumas mesas para você degustar os vinhos ali mesmo, é bastante aconchegante, com um simpático e atencioso dono, o uruguaio José. Este foi o primeiro dos quatro vinhos diferentes que bebemos durante a noite. Não conhecia este Merlot chileno, que já estava aberto na mesa, quando cheguei. Vinho de corpo médio com característica de vinho moderno, com açúcar e madeira levemente presentes. Seu final é característico de Merlot porém um pouco curto. De qualquer formam é um vinho bem feito, agradável e fácil de beber. Leve adstringência.
Nota: 87.0

16 de agosto de 2007

Terras D'ervideira 2004
















Nome:
Terras D'ervideira
Safra: 2004
País: Portugal
Região: Alentejo
Produtor: Ribeira da Ervideira Lda
Site: http://www.ervideira.pt/

Uvas/Corte: Aragonez, Trincadeira e Castelão.
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: R$ 18,20
Onde foi comprado: Lidador do Botafogo Praia Shopping, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 16 de agosto de 2007
Degustado em: 16 de agosto de 2007
Onde bebeu: em casa
Harmonizado com: Massa com molho de tomates e brócolis
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Um tinto jovem. Apresenta uma cor granada intensa, com notas de ameixa, frutos silvestres e especiarias, no aroma. Na boca é aveludado, com um conjunto equilibrado de acidez e suaves taninos.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Rubi, translúcido, com certo tom amarelado nas pontas. Bonita cor.
Exame olfativo: Vinho com bons aromas. O primeiro cheiro que senti foi meio amanteigado. Logo em seguida, senti um cheiro mais terroso.
Exame gustativo: Saí tarde do trabalho hoje, queria ter feito muitas coisas, como ir ao Maracanã com o Fabiano, meu amigo de Vacaria, ou ir à academia ou outras coisas que tinha que fazer antes de viajar amanhã para 'casa', no Rio Grande do Sul, mas acabou dando tudo errado e ao sair do metrô, resolvi passar na Lidador e comprar meia garrafa. Ao chegar lá, não encontrei nada que me contentasse. Decidi pedir ajuda a um vendedor, disse que queria um vinho barato, mas que não fosse horrível, pois queria abrir apenas para beber uma tacinha e não me sentir culpada por deixar o resto na geladeira. Ele me mostrou esse português e resolvi acreditar. Bom, ele parecia bem mais confiável que o gordinho da Expand... O vinho é leve, mas meio ácido. Claudio ficou mais incomodado com a acidez, mas eu achei que o vinho, pelo preço, serviu direitinho para o que eu queria desde o início. Foi bom para acompanhar a massa com molho vermelho e brócolis (eu não sou muito de carne). Nada além disso também. Quando ele permanece por mais tempo na boca, começa a queimar um pouco, assim como quando toca a garganta, mas não é um vinho para ser totalmente desprezado.
Nota: 85.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo muito simples e sem nenhum atrativo. Necessita de um redesenho.
Exame visual: Vermelho sangue/rubi vivo e translúcido.
Exame olfativo: Álcool presente. Cheiro amanteigado e leve madeira ao fundo. Com o tempo evolui para fruta como maçã.
Exame gustativo: Vinho alentejano simples que mostrou um pouco de desequilíbrio com sua acidez elevada. O vinho tem boas características, que com atenção você consegue perceber. Porém, a acidez acaba brigando e ofuscando o sabor de fruta e a certa maciez que se apresentam. Um pouco de adstringência e final quente com o retrogosto ácido também. Não casou muito bem com o molho vermelho da massa. Não é um vinho ruim, cumpriu sua função pelo seu valor.
Nota: 85.0

12 de agosto de 2007

Pergunta da Semana - 25

Queremos saber das suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, Le Vin au Blog quer saber:

A Revista Gula lançou recentemente uma edição especial com "a maior degustação anual do Brasil". Entre os degustadores, está um blogueiro que vez ou outra passa aqui pelo Le Vin au Blog, Marcel Tadao Miwa do Gourmandise. Aproveitamos o assunto, para perguntar a você se costuma acompanhar essas edições especiais das revistas especializadas ou se costuma consultar alguma publicação para escolher seus vinhos.

8 de agosto de 2007

Dal Pizzol - Ancellotta 2004




















Nome:
Dal Pizzol
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Bento Gonçalves, Serra Gaúcha
Produtor: Vinícolo Monte Lemos
Site: http://www.dalpizzol.com.br/

Uvas/Corte: Ancellotta 100%
Teor alcoólico: 12.5%
Preço: R$ 36,00
Onde foi comprado: Lidador do centro, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: maio de 2007
Degustado em: 07 de agosto de 2007
Onde bebeu: em casa
Harmonizado com: Risoto de curry e frango
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
O vinho apresenta coloração intensa, vermelho rubi vivo, com aromas de frutas vermelhas maduras, como ameixa e mirtilo. De paladar generoso, persistente, amplo e com taninos macios, é um vinho com estrutura e corpo marcante. Possui paladar redondo, retro-gosto agradável com taninos sedosos e civilizados.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Cor forte.
Exame olfativo: O cheiro me lembrou algum vinho italiano que já havíamos bebido.
Exame gustativo: Este é um tipo de vinho que me incomoda um pouco, tem gosto mais terroso, menos trabalhado, lembra bastante um vinho europeu e talvez eu ainda não esteja preparada para eles... Bom, o vinho é bom, mas não é nada trabalhado. Quem prefere um argentino malbec previsível, talvez não goste tanto desse, mas vale a pena provar.
Nota: 87.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Este vinho vem com a nova programação visual dos vinhos Dal Pizzol. Um rótulo tradicional, já visto, que trouxe um ar clássico para o vinho. Sem dúvida foi este objetivo que a vínicola quis alcançar ao mudar os seus rótulos.
Exame visual: Violeto/rubi intenso, forte e escuro. Bonita cor.
Exame olfativo: Cheiro de vinho do velho mundo, mais rústico: terra, pimentão, um pouco de couro, suor. No final, um pouco de álcool.
Exame gustativo: Ancellotta é uma casta italiana (região de Lambrusco) que foi introduzida no Rio Grande do Sul nos anos 90, na tentativa de se descobrir novas castas que se adptem ao clima da região. Tentativa feita também com a uva Teroldego (leia os comentários do vinho Salton Series). Ficamos curiosos em degustar este Dal Pizzol, pois ele é um dos vinhos indicados pelo cineasta e sommelier Jonathan Nossiter (Mondovino), defensor do vinho brasileiro e dos vinhos que expressem o seu terroir, sem interferência do homem. Sem dúvida, este vinho tem essas características: é um vinho mais rústico e firme que leva seu paladar direto à sensação da uva, lembra muito suco de uva feito em casa. É um sabor peculiar, tanto pela uva quanto pelo estilo, que foge da "padronização amadeirada", que acabamos bebendo com mais frequência. Decantamos o vinho por uma hora antes de servir. Vinho que funciona melhor com comida. Ínicio um pouco quente e um final curto (poderia ser mais longo). Na taça, as lágrimas eram finas e rápidas. Estilo de vinho que eu gosto, mas certamente não vai agradar a todos. Se você quer provar algo diferente, de uma uva diferente, este vinho pode ser uma boa pedida. Vamos ver como esta casta vai funcionar nas safras futuras. Vale registrar que este vinho teve bom espaço em mídia quando foi lançado.
Nota: 86.0 +

Robert´s Rock - Chenin Blanc/Chardonnay 2006




















Nome:
Robert´s Rock
Safra: 2006
País: África do Sul
Região: Paarl Valley

Produtor: KWV Internacional
Site: http://www.kwv.co.za/

Uvas/Corte: Chenin Blanc 53%, Chardonnay 47%
Teor alcoólico: 13%
Preço: R$ 17,85
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 07 de agosto de 2007
Degustado em: 07 de agosto de 2007
Onde bebeu: em casa
Harmonizado com: Provamos apenas uma taça.
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
This medium bodied fresh and fruity white wine has green grassy sauvignon blanc characteristics on the nose balanced with tropical fruitiness from the chenin blanc on the palate.

Comentário da Rafaela
Exame visual:Cor de suco de abacaxi.
Exame olfativo: Cheiro docinho, igual a grande parte dos vinhos brancos mais baratos.
Exame gustativo: Bom, eu não tenho vergonha de dizer que gosto de vinho tinto caro e vinho branco barato, o mais doce possível... Bom, este não foi barato o suficiente, pois nem era tão doce. Era sim leve demais, sem nada de diferente ou marcante. Serviu bem para cair dentro da panela do risoto superbom que o Claudio preparou para a gente naquela noite.
Nota: 85.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo moderno com uma obra de arte no topo. Acho que é um estilo interessante para um vinho Sul africano.
Exame visual: Dourado claro.
Exame olfativo: Bouquet um pouco fechado, início com um pouco de papaya e grama e final leve toque de álcool e algo mineral.
Exame gustativo: Comprei este vinho para poder fazer um risoto. A idéia não era beber e sim usar para cozinhar. Confesso que quando fui ao supermercado comprar procurei algo diferente para poder analisar e acabei escolhendo este sul africano. Enquanto preparava o risoto provei uma taça deste corte que nunca tinha degustado. Apesar da pouca idade o vinho não tinha o frescor e nem era tão jovem quanto esperava. Sabor ainda fechado. Início queimando um pouco a boca e leve acidez. Tem uma boa permanência mas com um retrogosto um pouco amargo e desequilibrado. Não me agradou muito. De uma outra vez que fiz um risoto usei um torrontés argentino que era mais perfumado e achei que deu um resultado mais interessante ao prato. Se você costuma fazer risotos deixe um comentário com qual vinho branco você costuma usar. Este foi o primeiro vinho com tampa de rosca do blog.
Nota: 83.0

5 de agosto de 2007

Pergunta da Semana - 24

Queremos saber das suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, Le Vin au Blog quer saber:

Por estarmos tão próximos do Dia dos Pais, gostaríamos de saber se você costuma degustar vinhos com seu pai, se ele se interessa pelo assunto ou, ainda, se você costuma dar vinhos de presente em datas como essa. Bebeu algum vinho neste domingo?

4 de agosto de 2007

Marson Reserva - Cabernet Sauvignon 2004


















Nome:
Marson Reserva
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Cotiporã, Rio Grande do Sul

Produtor: Cave Marson
Site: http://www.cavemarson.com.br/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 12%
Preço: R$ 20,00 - 375 ml
Onde foi comprado: Restaurante Gula Gula, Ipanema, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 03 de agosto de 2007
Degustado em: 03 de agosto de 2007
Onde bebeu: Restaurante Gula Gula, Ipanema, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Baby beef, farofa e batatas e quiche com salada verde
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
A la vista presenta colores rojos vivaces. Atractivo aroma, típico de este varietal, que recuerda a frutos rojos y pimiento dulce, los cuales, combinados con las notas de vainilla aportadas por el roble, te otorgan elegancia y complejidad. En boca, taninos poderosos pero dulces y amables, contribuyen a lograr una especial estructura, realzando la nobleza de este variedad.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro já sentido em outros vinhos, mas não muito com jeito de Cabernet Sauvignon.
Exame gustativo: Vinho correto dentro da realidade dele. Simples, mas que serviu muito bem como acompanhamento para nosso jantar no belo Gula Gula de Ipanema.
Nota: 86.0


Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo que transmite classe a esta linha de vinhos através da utilização de preto, de poucos elementos e pelo tamanho. Passa modernidade também.
Exame visual: Violeta, um pouco translúcido.
Exame olfativo: Discreto nariz. Um pouco de verdura e terra.
Exame gustativo: Um vinho leve, simples, porém bem feito. Assim como o nariz, seu paladar é discreto, sem muita energia. Um Cabernet tímido, com 12% de álcool, mas que não apresenta defeitos. Os vinhos da Marson são sempre visto em restaurantes. Nunca tinha degustado nenhum deles. Depois de passar o dia trabalhando em São Paulo, cheguei tarde de volta ao Rio e resolvemos jantar no Gula Gula. Acompanhou bem a carne que comi. Uma opção barata e simples que, se por um lado não vai te trazer tanto paladar, por outro, não vai te incomodar.
Nota: 85.0