29 de junho de 2007

Terras de Xisto 2002




















Nome:
Terras de Xisto
Safra: 2002
País: Portugal
Região: Redondo, Alentejo
Produtor: Roquevale SA
Site: http://www.roquevale.pt/

Uvas/Corte: Aragonez, Trincadeira, Castelão e Moreto
Teor alcoólico: 12%
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: vinho gentilmente oferecido pelo Mauro
Degustado em: 23 de junho de 2007
Onde bebeu: Casa do Mauro e Marcela
Harmonizado com: Costela de porco e batatas ao forno
Com quem: Claudio, Rafaela, Marcela, Mauro, Junia e Fernando

Comentário Produtor
Vinho proviniente das castas tradicionais do Alentejo, de cor rubi, com aroma vinoso intenso, a frutos vermelhos; ao sabor confirma-se a vinosidade, é macio, tem alguma adstringência, corpo e persistência.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo:
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Desequilibrado. Vários elementos que não conversam entre si ocupando um espaço. A vinícola já trocou o rótulo das novas safras mas pelo que vi no site ainda não acertaram a mão.
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Foi o segundo vinho da noite. Não degustamos com atenção para fazer uma análise mais detalhada. Me pareceu um alentejano simples e agradável. Sem grandes defeitos nem virtudes.
Nota: 86.0

27 de junho de 2007

Cabernet de Reserva 2004




















Nome:
Cabernet de Reserva - J. Carrau Pujol
Safra: 2004
País: Uruguai
Região: Cerro Chapeu
Produtor: Bodegas Carrau
Site: http://www.bodegascarrau.com/

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13%
Preço: -
Onde foi comprado: No Uruguai pelo Fernando
Quando foi comprado: vinho gentilmente oferecido pelo Mauro
Degustado em: 23 de junho de 2007
Onde bebeu: Casa do Mauro e Marcela
Harmonizado com: Costela de porco e batatas ao forno
Com quem: Claudio, Rafaela, Marcela, Mauro, Junia e Fernando

Comentário Produtor
Tinto de crianza elaborado con Cabernet Sauvignon de la región Cerro Chapeu, con las técnicas más recientes que logran el máximo cuidado de las frutas. Macerado gentilmente mediante sumergido de los orujos, logran un vino con alta expresividad y estructura apta para desarrollarse en las barricas de roble francés.
NOTA DE CATA - Aroma potente donde se conjugan las notas dadas por el roble junto a los aromas frutados típicos de la variedad. En boca se muestra armónico y de taninos maduros. Servir a temperatura ambiente (18ºC)

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Bom, como já escrevi várias vezes, quando bebemos vinhos na casa de outras pessoas, raramente eu consigo analisar o vinho com o mesmo 'cuidado' de quando bebido em casa. Nesse jantar agradável na casa da Marcela e do Mauro, não foi diferente. A lembrança que tenho do vinho é bastante boa, pois estava na companhia de pessoas que gosto. Além da Marcela e do Mauro, estavam também a Junia e o Fernando. Este vinho foi dado ao Mauro pelo Fernando. Sempre que ia ao supermercado pensava em comprar um vinho da marca Pujol, que é a mesma desse vinho, mas sempre imaginava um que tem a garrafa em um formato diferente. Resumindo, sobre o vinho em si, tenho pouco a dizer. Apenas que é um vinho bom, que merece ser provado com mais atenção. Para finalizar, a costela feita pelo Mauro estava muito boa - e olha que este tipo de comida nem está entre os meus 10 favoritos.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Solução original para este rótulo. Uma única faixa colocada em espiral serve de Rótulo e contra rótulo. O design gráfico poderia ser mais atraente para ter mais harmonia.
Exame visual: Violeta transparente
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Não analisamos corretamente o vinho pois estávamos aproveitando a conversa e o jantar preparado pelo Mauro. É um bom Cabernet de uma grande produtora de vinhos no Uruguai. Não me pareceu muito complexo porém bastante agradável. Paladar típico de Cabernet. Álcool bem integrado e cresceu muito junto com a costela. Para a harmonização a nota é 87.0+
Nota: 86.0+

26 de junho de 2007

Pergunta da Semana - 18

Queremos saber das suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, Le Vin au Blog pergunta:

- Um vinho pode ser inesquecível por diversos motivos: um dia especial, um lugar diferente, a companhia, a comida, uma grande safra, um produtor tradicional.... Qual foi a sua garrafa inesquecível?

25 de junho de 2007

Indaba Merlot 2004




















Nome:
Indaba
Safra: 2004
País: Africa do Sul
Região: Western Cape
Produtor: Indaba Wines
Site: http://www.indaba.co.za/

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: R$ 19,00
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul
Quando foi comprado: 22 de junho de 2007
Degustado em: 22 de junho de 2007
Onde bebeu: Casa do Mario
Harmonizado com: Pães, salame, azeitonas, pizza
Com quem: Claudio, Rafaela, Ricardo, Raquel e Mario

Comentário Produtor
Whiff of blue and black berries with just a hint of chocolate mint. Wood tannins slightly firm, expected to soften up with age.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Cheiro de mel.
Exame gustativo: Logo que bebi, senti gosto de capuccino. O engraçado veio logo em seguido, quando o Claudio começou a me falar que o vinho estava com gosto esquisito. Claro - pensei - tem gosto de chocolate! E o Claudio não é um dos maiores fãs de chocolate. Raquel e eu gostamos mais, mas Ricardo e Mario também aprovaram. Estava gostoso, combinou com o clima da noite, que acabou em frente ao computador, ouvindo o podcast do mário, com o funk da Sharapova - você deveriam ver: http://globoesporte.globo.com/ESP/0,,GEN326-6081,00.html.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Primeiro vinho que degustamos em que o rótulo é impresso diretamente na garrafa. Isto confere um ar de modernidade a garrafa. Gostava da garrafa antiga deste mesmo vinho que buscava um ar mais rústico, mais "africano" para o rótulo. Assim como o rótulo do último australiano comentado, é uma nova concepção para vinhos.
Exame visual: Tom bordô escuro.
Exame olfativo: Lembra um pouco aquele cheiro característico de Cabernets.
Exame gustativo: Tinha bebido este mesmo Indaba de uma safra anterior e tinha recordações de ser um vinho agradável. Estava querendo testar a safra 2004 e resolvemos comprar. O vinho estava bastante diferente daquilo que recordava da safra anterior. Vinho de sabor final muito marcante, como um café expresso extremamente forte ou um chocolate escuro. Não me agradou muito pelo fato de não gostar de chocolate. De qualquer forma é um vinho com personalidade, uma boa estrutura. Nota-se os taninos e a maior característica é o seu final forte e com uma boa permanência. Me pareceu um vinho com mais rústico, sem madeira e sem excesso de açúcar.
Nota: 86.0+

24 de junho de 2007

Wild Roo Chardonnay 2005



















Nome:
Wild Roo
Safra: 2005
País: Austrália
Região: Murray Valley - South Eastern
Produtor: Andrew Peace Wines
Site: http://www.apwines.com/

Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: vinho gentilmente comprado pelo Mario
Degustado em: 22 de junho de 2007
Onde bebeu: Casa do Mario
Harmonizado com: Pães, salame, azeitonas, pizza
Com quem: Claudio, Rafaela, Ricardo, Raquel e Mario

Comentário Produtor
This smooth fruity Chardonnay is made by one of Australia´s top medal winning wineries, Andrew PeaceWines. This is a part of the world where kangaroos really do leap over the vines and kookaburras chuckle in swaying gum trees. This authentic Chardonnay is made from clean ripe grapes and has delicious fresh tropical fruit overtones. It is excellent with grilled meats, fish and vegetables as well as picnics and light lunches.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Amarelo ouro
Exame olfativo: Cheiro adocicado.
Exame gustativo: Eu gostei do vinho docinho que o Mario nos ofereceu quando chegamos à casa na noite da última sexta-feira. Bom, é tudo que tenho a dizer, pois estava mais interessada na conversa do que no vinho. Fazia um tempão que não íamos à casa do Mario. Já vai fazer um mês que a Marie foi para Paris e estivemos lá uma semana antes de ela partir. Fomos recebidos pelo Petit Gateau, o gatinho, que já está ficando um gatão. Muito fofo. Pouco depois, chegaram a Raquel e o Ricardo, para completar. Foi divertido.
Nota: 85.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Design moderno e bem diferente para um vinho. Sem dúvida nenhuma é marcante pela sua originalidade. Muita gente vai desconfiar de um vinho com um rótulo que não se parece de vinho....mas acredito que apenas um estranhamento inicial. Cores de grande contraste, amarelo e preto e um ícone de um canguru (referência direta a origem australiana) são usados neste rótulo que lembra um pouco placas de trânsito.
Exame visual: Dourado claro
Exame olfativo: Pode parecer engraçado mas o cheiro me lembrou muito aquelas cocadas pretas feitas em tachos que as vezes vemos sendo feitas nas ruas.
Exame gustativo: Este é o primeiro chardonnay aqui no blog. Muito licoroso e doce são as característica deste vinho de estilo moderno um pouco fake. Não apresenta leveza nem refrescância. Primazia do açucar. É agradável mas não parece um chardonnay verdadeiro. Para quem gosta deste estilo é um bom exemplar. Funcionou bem acompanhando o bate papo.
Nota: 85.0+

23 de junho de 2007

Le Mire 2005




















Nome:
Le Mire Sangiovese di Toscana
Safra: 2005
País: Itália
Região: Toscana
Produtor: Agricoltori del Geografico
Site: www.sophenia.com.ar

Uvas/Corte: Sangiovese 95%, Merlot 5%
Teor alcoólico: 12%
Preço: R$ 18,30
Onde foi comprado: Supermercado Zona Sul, no Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 18 de julho de 2007
Degustado em: 18 de julho de 2007
Onde bebeu: Pizzaria do Supermercado Zona Sul, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pizza 4 estações
Com quem: Claudio e Rafaela


Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: Aquele cheirinho de vinho europeu, que eu ainda não estou bem certa se eu gosto.
Exame gustativo: Eu, com todo meu conhecimento :), achei este vinho bom, mas fraco. Não apresenta nada de mais, mas pelo preço, pode ser que mereça ser provado. Se bem que por R$ 18 pode-se comprar coisa melhor, mais marcante pelo menos - e no bom sentido. Compramos esse vinho para acompanhar uma pizza comida no Zona Sul em meio a famílias com suas crianças pequenas.
Nota: 85.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Uma ilustração de uma flor marca este rótulo. Com certeza é diferente e marcante, nem todo mundo vai gostar do estilo.
Exame visual: Lembra a cor de outros Chiantis. Claro e ralo, com um peculiar tom avermelhado, um pouco de bordô. Lágrima grossa.
Exame olfativo: Em seu início, cheiro pouco perceptível. Depois de um tempo aberto, percebe-se framboesa com leve floral. Depois, segue para um cheiro de terra.
Exame gustativo: Vinho muito simples e leve, mas que funcionou muito bem com a pizza que comemos. Produzido por um grande produtor de vinhos italianos. Quando estive na Itália, bebi um Chianti deste mesmo produtor e por isso acabei escolhendo este vinho. Vinho que não compromete, básico, porém bem feito. Bom para acompanhar uma pizza. Leve amargo no seu final. Primeiro vinho com rolha sintética vermelha que bebemos.
Nota: 83.0+

Pergunta da Semana - 17

Queremos saber das suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, Le Vin au Blog quer saber:

- Qual o vinho brasileiro que você mais gostou?

19 de junho de 2007

Gran Hacienda 2005




















Nome:
Gran Hacienda
Safra: 2005
País: Chile
Região: Valle del Rapel
Produtor: Santa Rita
Site: www.santarita.com

Uvas/Corte: Carménère 48%, Cabernet Franc 37%, Cabernet Sauvignon 15%,
Teor alcoólico: 14%
Preço: R$ 38,00
Onde foi comprado: Garrafeira, Leblon
Quando foi comprado: maio de 2007
Degustado em: 12 de junho de 2007
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Lombo de porco com arroz oriental
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário Produtor
Our innovative Gran Hacienda Carménère / Cabernet Franc / Cabernet Sauvignon blend is ruby red with violet hues originated from the Carménère. A rich, red and black fruit aroma is beautifully balanced with wood notes given by the Cabernet. On the palate, it is a structured wine with soft tannins and a long finish.

Comentário da Rafaela

Exame visual: Magenta.
Exame olfativo: Cheiro levemente adocicado. Um pouco de ameixa.
Exame gustativo: Depois de nossa tentativa frustrada de degustar o Portal, acabamos escolhendo outro dos vinhos que temos em casa. A decisão foi rápida, pois a comida já estava na mesa. Optamos pela combinação de três uvas, que também despertava bastante interesse. A primeira taça foi fora da temperatura ideal, pois o vinho havia acabado de ser aberto. Na segunda taça, já dava para notar uma grande diferença. É impressionante como a temperatura pode fazer toda a diferença. O que se manteve de uma para outra foi o amarguinho no final do gole, que o Claudio disse ser devido à uva Carmenère. Bom, eu duvidava disso, mas ele vivia repetindo que a Carmenère é meio enjoativa, pois a verdade é que não consegui beber até o fim da última taça. Só não dá para dizer que o vinho era ruim porque combinou com o queijo do seu RAR e começo a desenvolver a teoria de que o vinho é realmente ruim quando não combina com o gran formaggio do seu RAR...
Nota: 83.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo simples que trás uma ilustração da entrada da vinícola. Um rótulo clean que valoriza o produto.
Exame visual: Tom bordô.
Exame olfativo: Inicialmente cheiro doce passando para toques de metalizado
Exame gustativo: Vinho que me decepcionou. Compramos este vinho pelo corte que era interessante. Inicialmente com pouco tempo de decantação e fora da temperatura o vinho se mostrou muito vivo e com final que queimava. Melhorou depois de algum tempo e numa temperatura de cerca de 18º. Esperava que as duas Cabernets dessem uma estrutura ao vinho contudo não foi o que se percebeu. O vinho passa pela boca sem praticamente ser notado (frutas, taninos...nada de interessante), parecendo ser ralo, sem envelhecimento. Começamos a sentir o vinho apenas no seu final onde a Carmenère aparece forte e viva. Tenho uma certa implicância com este final que esta uva deixa. Passa a Carmenère e o gosto que se segue é um amargo um pouco elevado. Deve ser degustado acompanhando uma refeição. Não acredito em uma evolução com o tempo. Não me agradou.
Nota: 83.0

14 de junho de 2007

Nuestra Señora Del Portal 2003




















Nome:
Nuestra Señora Del Portal
Safra: 2003
País: Espanha
Região: Terra Alta, Catalunya
Produtor: Celler Vinos Piñol
Site: http://www.vinospinol.com/

Uvas/Corte: Merlot 30%, Cabernet Sauvignon 30%, Garnacha 20% , Syrah 10% , Tempranillo 10%
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: R$ 60,00
Onde foi comprado: Essen, Florianópolis
Quando foi comprado: outubro de 2006 pela Rafaela
Degustado em: 12 de junho de 2007
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Lombo de porco com arroz oriental
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário Produtor
Vino joven elaborado a partir de Cabernet Sauvignon, Tempranillo, Merlot, Syrah y Garnacha, madurado 4 meses en barricas nuevas de roble francés y americano. Aroma frutal con un marcado y atractivo componente balsámico de monte bajo; recuerdos de romero, notas de frutas muy madura. Buena estructura en la boca, con cuerpo, equilibrado y potencial de sabores, moderadamente tânico, algo cálido; muy personal en aromas de boca, donde se intensifican los recuerdos de hiebas aromáticas.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este vinho foi um dos presentes de aniversário do Claudio no ano passado. Estava guardado e há alguns meses decidimos que seria degustado em uma data especial: o dia dos namorados. E assim foi, ou quase. Claudio abriu o vinho antes de eu chegar em casa, para decantar por um tempo como sempre fazemos. Ao abrir, Claudio percebeu que a rolha estava infiltrada, havia depósito na garrafa e o cheiro do vinho estava esquisito. Assim mesmo, o deixamos decantando por mais de uma hora. Ao prová-lo, porém, vimos que estava intragável. O vinho acabou indo ralo abaixo, literalmente... para minha tristeza - dupla, pois havia sido presente de aniversário do Claudio e havia escolhido para o dia dos namorados. Bom, passados alguns dias, resolvi escrever para a Essen, a loja de Florianópolis, onde eu havia comprado o Portal em outubro passado. No dia seguinte, recebi resposta da proprietária da loja. Abaixo, partes da mensagem: "Lamentamos muito o ocorrido, principalmente num dia tão especial. Não recebemos outras reclamações, problemas de rolha em geral ocorrem de forma isolada. Se possível gostaríamos que nos trouxesse a garrafa desse vinho para darmos uma olhada na rolha. Independente disso estaremos lhe entregando outra garrafa, agora da safra 2004.". Ficamos superfelizes pelo fato de ela ter respondido. Só não sabemos ainda quando conseguiremos levar a garrafa e a rolha até lá. :)
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo simples e sem muito destaque. Detalhes em hot stamp cobre. Não é muito atraente.
Exame visual: -

Exame olfativo: -
Exame gustativo: Tínhamos grandes expectativas para provar este vinho. Um corte de 5 uvas que parecia ser muito interessante. Porém nada mais decepcionante que você abrir o vinho e constatar que a rolha estava um pouco infiltrada e o cheiro estranho. Mesmo assim decantamos e percebemos que tinha muito depósito na garrafa além do aspecto turvo. Tudo indicava que o vinho não estava bom o que apenas comprovamos quando bebemos. Vamos esperar a outra garrafa que a Essen nos prometeu para poder provar.
Nota: -

12 de junho de 2007

Altosur Malbec 2005
















Nome:
Altosur
Safra: 2005
País: Argentina
Região: Tupungato, Mendoza
Produtor: Finca Sophenia
Site: www.sophenia.com.ar

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: R$ 32,00
Onde foi comprado: Expand Store do Centro
Quando foi comprado: 05 de abril de 2007 pela Rafaela como presente de Páscoa
Degustado em: 08 de junho de 2007
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: bruschettas e massa com molho vermelho e cenouras
Com quem: Claudio, Rafaela e Márcia

Comentário Produtor

De atractivos rojos con tonos violetas. En nariz de intensos frutos maduros, cereza, moras y ciruelas frescas combinadas con notas especiadas y florales. En boca sus dulces y redondos taninos aumentan la sensación de frutosidad y equilibrio. Vino de buena intensidad, concentración y persistencia.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Eu estava muito distraída nesta noite. E por vários motivos. Bom, o primeiro é porque eu estava cozinhando e isso é algo que requer toda a atenção do mundo. O segundo é que mais interessante que o vinho era a companhia que tivemos no jantar: minha querida comadre Márcia, vinda de Florianópolis para cobrir o Fashion Rio e que ficou aqui conosco no fim de semana. Achei que o AltoSur é um bom vinho, bom custo benefício. Talvez eu esperasse mais por ser um Malbec. Queria que fosse mais porque esse foi o presente de Páscoa do Claudio. O vinho fez bom papel junto com as bruschettas da entrada e a massa com molho vermelho e cenouras do prato principal. A conversa fluiu agradável e quando isso acontece, comidas e bebidas acabam sendo coadjuvantes, que foi o caso nesta noite.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo clean e equilibrado. Bonito mas não trás novidades.
Exame visual: Violeta um pouco escuro.
Exame olfativo: Cheiro de difícil definição. Um pouco de fruta como ameixa passando para um cheiro um pouco vegetal. Sutil presença de álcool.
Exame gustativo: Gostoso Malbec de boa relação custo benefício. Nas primeiras taças apresentou taninos firmes, sabor forte um pouco quente ainda e toques doce, dando características macias. Seu final é agradável misturando ameixa com um pouco de madeira. Nas taças seguintes ele perdeu um pouco as caracteríticas passando uma leve adstringência e evoluindo um pouco de secura na boca. Notas vegetais passaram a ser sentidas. É um malbec agradável.
Nota: 86.0+

10 de junho de 2007

Pergunta da Semana - 16

Queremos saber das suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, Le Vin au Blog quer saber:

- Você bebeu vinho no Dia dos Namorados? Qual foi?

8 de junho de 2007

Don Luis Cabernet Sauvignon 2005




















Nome:
Don Luis
Safra: 2005
País: Chile
Região: Vale del Maipo
Produtor: Cousiño Macul
Site: www.cousinomacul.com

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14.0%
Preço: -
Onde foi comprado: Comprado pelo Mario
Degustado em: 04 de junhode 2007
Onde bebeu: Casa do Mario
Harmonizado com: Pães, queijos, patê e salame
Com quem: Claudio, Mario, Ricardo, Miguel, Marcelo

Comentário do Produtor
Con un profundo color púrpura, este Cabernet varietal ofrece compuestos aromáticos de zarzamoras maduras, y ciruelas con un fondo de cedro y cacao. De cuerpo medio con taninos ligeros, captura la esencia de la fruta del valle de Maipo. En boca los sabores continúan en la línea de la zarzamora y cassis con notas de aceitunas negras. Con taninos ligeros y suaves, acaba con una armoniosa nota de cereza. En la copa se abre maravillosamente, revelando que puede disfrutarse como un vino joven o guardarse por 2 a 5 años.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo tradiciona e clássico. Segue um estilo de rótulo de vinho do velho mundo com uma ilustração da propriedade. Utiliza papel vergé creme e faca especial nas bordas. Um rótulo correto.
Exame visual: Violeta.
Exame olfativo: Típico nariz de Cabernet
Exame gustativo:Terceiro vinho da noite. Mais uma garrafa comprada pelo Mário. Não fiz uma análise correta em nenhum dos vinhos bebidos, mas vale aqui o registro. Este é mais um vinho chileno feito com a uva Cabernet Sauvignon que consegue bom resultado. Vinho bem feito e de ótimo custo/benefício.
Nota: 86.0+

6 de junho de 2007

Tittarelli Reserva 2001 - Tempranillo




















Nome:
Tittarelli Reserva
Safra: 2001
País: Argentina
Região: Tierra de Cuyo, Mendoza
Produtor: Bodega Tittarelli
Site: www.vinostittarelli.com.ar

Uvas/Corte: Tempranillo 100%
Teor alcoólico: 13.0%
Preço: -
Onde foi comprado: Comprado pelo Marcelo
Degustado em: 04 de junhode 2007
Onde bebeu: Casa do Mario
Harmonizado com: Pães, queijos, patê e salame
Com quem: Claudio, Mario, Ricardo, Miguel, Marcelo

Comentário do Produtor
Elaborado con uvas de variedad Tempranillo 100%.Vino elaborado con especial cuidado anológico atendiendo particularmente el potencial de la uva y su habitat. De color rojo violáceo, notable frutado, tabaco y avellana. Excelente estructura tánica. Sorprende por su volumen de boca y prometedora lengevidad.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo bonito clean e clássico. Segue um linha gráfica que já vinos em outros vinhos mas os detalhes como o corte e a tipologia são peculiares a esta garrafa. o rótulo da safra atual já está diferente.
Exame visual: Grená escuro.
Exame olfativo: Toques de tabaco e madeira. Nariz intenso.
Exame gustativo: Segundo vinho da noite. Esta garrafa foi levada pelo Marcelo. Não fiz uma análise correta em nenhum dos vinhos bebidos, mas vale aqui o registro. Vinho mais encorpado e de paladar mais forte e definido. Boa estrutura e taninos presentes. Bom vinho.
Nota: 87.0

5 de junho de 2007

Foral D. Henrique 2004 - Dão




















Nome:
Foral D. Henrique
Safra: 2004
País: Portugal
Região: Mangualde, Dão
Produtor: Adega Cooperativa de Mangualde, CRL.
Site: -

Uvas/Corte: Touriga Nacional, Jaen
Teor alcoólico: 12.5%
Preço: R$ 29,00
Onde foi comprado: Comprado pelo Mario
Degustado em: 04 de junhode 2007
Onde bebeu: Casa do Mario
Harmonizado com: Pães, queijos, patê e salame
Com quem: Claudio, Mario, Ricardo, Miguel, Marcelo

Comentário do Produtor
Cor intensa, aromas abaunilhados, com algumas notas de frutos secos. Na boca apresenta-se macio com taninos redondos e um final de boca persistente.

Comentário do Claudio
Rótulo:
Não é bonito nem atraente. Tom escuro e perfil antigo que não corresponde às características do vinho. Merecia um redesenho.
Exame visual: Grená.
Exame olfativo: Toques de baunilha e madeira puxando para o doce. Bastante agradável.
Exame gustativo: Este foi o primeiro vinho de quatro que bebemos na reunião mensal que tenho com os amigos de faculdade. Aproveitamos o frio do Rio e resolvemos beber os vinhos comprados pelo Mário. Não fiz uma análise correta em nenhum dos vinhos bebidos, mas vale aqui o registro. Este Dão é um vinho leve e agradável. Estava com muito gás carbônico no início, mas me pareceu um vinho com um perfil moderno e sem muitas arestas. Perdeu um pouco com as comidas.
Nota: 85.0+

4 de junho de 2007

Pergunta da Semana - 15

Queremos saber das suas experiências no mundo do vinho e por isso toda quarta-feira colocaremos aqui uma pergunta nova. Participe! Le Vin au Blog agradece!

Nesta semana, Le Vin au Blog quer saber:

- Com quem você mais gosta de beber vinhos?

1 de junho de 2007

Duetto Cabernet Sauvignon - Merlot 2004 * #cbe




















* Este vinho foi escolhido para ser o vinho degustado neste mês pela Confraria Brasileira de Enoblogs. A dinâmica da confraria é a seguinte: todo mês é escolhido um vinho para ser degustado por todos. No primeiro dia do mês seguinte são postados os comentários. A nossa primeira participação foi no mês de março com o vinho Rio Sol (não deixe de ler o post também!). Abaixo, nossas observações sobre o Duetto. Se você já tiver degustado este vinho, deixe seu comentário. Ah, não esqueçam de conferir as análises de nossos enoamigos da Confraria. Os links estão ao lado.

Nome: Duetto
Safra: 2004
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Site: www.casavalduga.com.br

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon, Merlot
Teor alcoólico: 12.6%
Preço: R$ 27,28
Onde foi comprado: Castelo do Vinho
Quando foi comprado: 26 de maio de 2007
Degustado em: 31 de maio de 2007
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Frango ao curry, arroz
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário Produtor

Visão: tons rubi, límpido e envolvente.Olfato: bouquet acentuado, equilibrado. Frutas vermelhas e especiarias. Paladar: vinho maduro, bom corpo, volumoso e macio. Consumo: 16 – 18 ºC.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Rubi
Exame olfativo: Quando passa por uma aeração, o vinho exala um cheiro de legumes cozidos, couve-flor cozida, algo que me remete a outro cabernets bebidos antes. Mais tarde, senti cheiro de abacaxi, mas ao contar isso para o Claudio, tive de ouvir um: - Aí não!
Exame gustativo: Acabamos acertando no dia de degustar este vinho. Hoje, 31 de maio, está um friozinho gostoso, que me remete a boas lembranças dos tempos de Rio Grande do Sul. O bom do frio do Rio é que não é preciso andar cheia de casacos, pois nunca vai passar de 14 graus - pelo menos, até agora não passou... Quando cheguei em casa, depois de um longo dia de trabalho, Claudio já estava com quase tudo pronto. Dava para sentir o cheirinho bom de comida do corredor. Só deu tempo de tirar os sapatos, dar uma ajuda na arrumação da mesa, acender as velinhas - pois sempre tem de ter velinhas - e começar a experiência de beber o Duetto. Pois bem, já havíamos bebido este vinho, ou parecido, em duas ocasiões e a experiência havia sido bem boa - na Stravanganze, no Rio, e na Casa de Pedra, no Vale dos Vinhedos. Eu gostei, mas ele é um vinho simples, há de se dizer. Existe algo do cheiro que lembra alguns vinhos franceses que já bebi. Isso não é exatamente um elogio, pois eu não sou lá muito fã do cheiro dos vinhos franceses - pelo menos dos provados até agora. Vale a pena provar, mas se tiver outra opção, vá em frente na próxima opção. Ele tem um amarguinho no final, que não chega a incomodar, mas podia ser melhor. No início, com a comida, ficou mais ácido, mas essa sensação passou logo depois.
Nota: 85.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Um rótulo clássico. Bem clean, harmônico. Bonito mas já vimos rótulos semelhantes em outros vinhos. Não é marcante.
Exame visual: Rubi
Exame olfativo: Nariz clássico de corte bordalês. Início metalizado passando para vegetais e um pouco de pimenta.
Exame gustativo: Vinho simples. Lembra muito alguns vinhos básicos de Bordeaux. Sabor bem característico deste corte porém sem nenhuma complexidade. Final presente e com um elevado sabor amargo, um pouco desequilibrado. Leve adstringência e leve secura na boca. Vinho para se beber com comida. Preparamos um frango ao curry que não comprometeu na harmonização. Ficou decantando por 1:30h. contudo ele ainda evoluiu um pouco nas últimas taças sem chegar a empolgar em nenhum momento.
Nota: 83.0

Rincón Privado Merlot 2003
















Nome:
Rincón Privado Merlot
Safra: 2003
País: Argentina
Região: Finca Santa Luisa, San Rafael, Mendoza
Produtor: Bodegas Lavaque
Site: www.vinasdealtura.com

Uvas/Corte: Merlot
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: R$ 12,98
Onde foi comprado: Zona Sul
Quando foi comprado: 29 de maio de 2007
Degustado em: 29 de maio de 2007
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Bruschettas caprese
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do produtor:
Vista: intenso, bien estructurado. De color rojo profundo.
Nariz: se perciben las notas de frutos maduros y mermelada.
En boca: la entrada es agradable, redonda, sin aristas. Se afirman las notas de frutos maduros en armonía con la vainilla y el ahumado propios del aporte que le otorga su paso por roble. Es un vino noble, de personalidad singular. Temperatura de servicio: 16º a 18º C.

Comentário da Rafaela

Exame visual: Cor rubi, translúcida, clara.
Exame olfativo: Num primeiro momento, senti um cheiro amadeirado, como aquele que se sente na casa quando acabaram de chegar móveis novos, feitos de madeira de verdade. Há, no fundo, um cheiro metálico, mas que some ao longo da degustação.
Exame gustativo: Antes de tudo, preciso comentar que as bruschettas estavam ótimas. Foram feitas a quatro mãos, mais com as mãos do Claudio. Já provamos o Rincón Privado em outras duas situações. Foi a primeira vez que optamos por um merlot - comprado rapidamente no Zona Sul depois de tomarmos uma chuvona ao ir até o Canecão comprar convites para o show do Nando Reis. O vinho tem um preço que dá até para desconfiar. Se a pessoa nunca ouviu falar dele ou provou anteriormente, pode achar que não se trata de um vinho que vale a pena, pois é barato demais. Ele, porém, vale muito a pena, se pensarmos que custa menos de R$ 15. O vinho é macio, agradável. Depois das deliciosas bruschettas caprese, provamos pão italiano com queijo do seu RAR e geléia de damasco derretidos no forno. Ficou muito bom. A notícia ruim para quem não vive no Rio de Janeiro, é que o Rincón Privado é importado pelo supermercado Zona Sul e não temos certeza se é vendido em outros locais do país.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Rótulo:
Vários elementos com lingugens diferentes mas apesar disto eu acho o rótulo interessante. Apenas o corte diferenciado poderia ser suprimido.
Exame visual: Rubi indo para o violeta.
Exame olfativo: Pimentão, um pouco de álcool , leve metalizado ao fundo e final doce, lembrando framboesa.
Exame gustativo: Uma noite fria e chuvosa no Rio de Janeiro que pedia um vinho. Não queríamos beber muito, apenas uma taça e aí resolvemos comprar um barato pois assim não teria problema sobrar um pouco na garrafa. Lembrei deste vinho que já tinha bebido algumas vezes, tanto o Merlot quanto o Malbec, Cabernet Sauvignon e o Torrontés. Ele é um vinho imbatível na sua faixa de preço (R$ 13,00). Este Merlot estava bem equilibrado e por ser 2003 no ponto para beber, sem desequilíbrios característicos de vinhos muito jovens com preços baixos. Na boca sentimos um pouco de fruta e uma acidez na medida certa. É um vinho simples mas muito agradável e que não vai pesar no seu bolso. De todas as uvas degustadas, o Merlot é o melhor desta linha. Vale provar.
Nota: 86.0

Portal Del Alto - Cabernet Sauvignon 2004




















Nome:
Portal Del Alto
Safra: 2004
País: Chile
Região: Central Valley
Produtor: Vitivinícola y Comercial Millahue LTDA
Site:

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13%
Preço: R$ 28,00
Onde foi comprado: Vinho comprado e oferecido gentilmente pelo Mario
Degustado em: 26 de maio de 2007
Onde bebeu: Casa da Marie e do Mario
Harmonizado com: Pães, queijos e salame
Com quem: Claudio, Rafaela, Mario, Marie, Ricardo, Raquel e Miguel

Comentário do Produtor
Delisiosa exprecion varietal em que toso se expresa com limpiaza y frutosidad. Hya claros aromas a frambuezas, cerezas y guindas, más suaves aroma a vainilla y coco preveniente de la madera.La boca es muy frutal, muy jugosa y chispeante, com todos los elemtos em pleno equilibrio. Em el final de boca aparece la fruta copn gran nitidez em um vino simple y honesto pero de uma excelente relacion calidad precio.

Comentário da Rafaela
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: O vinho serviu bem para acompanhar mais um encontro bacana na casa do Mário e da Marie. Fazia um tempão que não íamos lá. Desta vez, tínhamos duas razões em especial: conhecer o Petit Gateau, um gatinho lindo que Marie e Mário adotaram. Ele é muito fofo, mas não está disponível para todos... Mário não é (ou era) muito de beber vinho, mas como ele adora receber bem os amigos, passou a comprar vinhos, para acrescentar à enorme listas de coisas que ele sempre oferece para quem vai lá - cerveja, caipirinha, contreau... Ah, a outra razão, que nem é das mais legais assim - por um lado: Marie está indo passar uma temporada em Paris. Sentiremos falta! Quanto ao vinho, vale ser provado.
Nota: -

Comentário do Claudio
Rótulo:
Rótulo um pouco confuso poderia ser mais leve e limpo. Gosto da gama de tons utilizada mas o peso da tipologia não combina com estilo de traço usado na ilustração ao fundo. Poderia ser melhor.
Exame visual: Rubí escuro
Exame olfativo: Característico de Cabernet, puxando para os vegetais, sem ser muito forte.
Exame gustativo: Bom Cabernet da linha básica do Portal del Alto de um importante enólogo chileno. Um vinho agradavel bom ataque inicial e com um final forte. Vinho bom para acompanhar comida. Agradável sem ser complexo.
Nota: 86.0