4 de fevereiro de 2007

Montchenot 1996




















Nome:
Montchenot

Safra: 1996
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Bodegas Lopez

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon (predomínio), Merlot e Malbec
Teor alcoólico: 12,8%
Preço: R$ 28,00 - preço na Aregentina
Onde foi comprado: Em Buenos Aires, Argentina, pelo Helio
Quando foi comprado: Julho de 2006
Degustado em: 03 de fevereiro de 2007
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Bruschettas, queijos gouda e gruyere, gran formaggio
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Notas de degustación. Vino de color rubí intenso, con sutiles tonos caoba. Se manifiestan aromas complejos. En boca revela una excelente estructura con taninos suaves y maduros presentando un largo final.Degustación. De acuerdo a la preferencia del consumidor, el añejamiento de este vino en su botella puede prolongarse por un período de 10 años o más, pudiendo lograrse lo que hoy es el Montchenot 15 ó 20 años. Por sus características es un vino ideal para acompañar carnes rojas y comidas con salsas suaves. Se aconseja consumir a una temperatura de 18 a 20 grados centígrados. Para mantener sus atributos intactos, durante la guarda, la botella debe permaneceren posición horizontal, de manera que el vino se encuentre en contacto con el corcho, alejado del calor y la luz.

Comentário da Rafaela
Exame visual: Achei a cor 'engraçada' quando coloquei no decantador. É um vermelho meio alaranjado, quase um telha clarinho.
Exame olfativo: Não consegui, infelizmente, sentir nada.
Exame gustativo: Nem a lua, nem as velinhas conseguiram dar muito charme ao vinho. O rótulo era bonito; a safra, de 10 nos atrás; mas não adiantou, o vinho não consegui mais que ser bonzinho. Não desgostou, mas não conseguiu chamar a atenção. É leve, nada complexo, ácido no final e... de uvas que não me ganharam ainda. Talvez um dia eu evolua e goste dessa combinação dos "bordôs", mas a verdade é que sou mais os meus "simplinhos" Malbecs, Tempranillos e Pinot Noirs... Quero registrar que nesta noite de sábado a lua estava incrível e promoveu um verdadeiro espetáculo no céu, com nuvens nos formatos mais inusitados. Estava muito legal. Adorei. Tanto quanto a brincadeira a que nos propomos fazer. Claudio separou os vinhos, eu escolhi um e ele teve de adivinhar qual era. Foi engraçado. Talvez ele conte mais sobre isso.
Nota: 84.0

Comentário do Claudio
Exame visual:
Tom de telha para o alaranjado. Claro.
Exame olfativo: Nariz lembrava vinhos terrosos. A Cabernet se sobrepõe às outras e puxa para um cheiro de pimentão verde. Álcool presente. Aromas muito fracos para um vinho de mais de 10 anos.
Exame gustativo: Como descrito pela Rafaela, provei este vinhos "às cegas". Separei algumas garrafas e ela escolheu o vinho sem eu saber qual foi. O Montchenot foi decantado por 2 horas. Quando provei veio a decepção. Não descobri qual vinho tinha sido escolhido, muito mais por, antecipadamente, acreditar que o Montchenot seria um grande vinho, do que pela prova em si. Tinha lido críticas exepcionais sobre a safra 1995 deste mesmo vinho. Além disso, sabia que ele havia sido produzido por uma conceituada bodega. Consegui comprar um da safra 1996 que nem de perto chegava a ser o que tinha lido. Não é um vinho ruim. Lembra muito bordeauxs médios. Este é um vinho que passa 10 anos em tonéis de madeira antes de ser engarrafado. A tendência é esperar um vinho com um certo grau de complexidade, mas se mostrou um vinho, até certo ponto, simples, leve, poucos taninos e com uma leve acidez no seu final. Pode ser um belo exemplo de como uma safra pode interferir na qualidade final do vinho. De qualquer forma a experiência de fazer uma prova "às cegas" é muito interessante. Vamos repetir com outros formatos.
Nota: 85.0

2 comentários:

Anônimo disse...

Um amigo está trazendo duas gfs deste vinho diretamente da Argentina. Já bebi o da safra 1994. Espetacular. Grande vinho. Espero que o meu não seja como o de vcs. Será que o excesso de tempo no decanter não estragou o vinho. Alguns vinhos mais antigos, após muito decanter, perdem o pouco de seus aromas. Não costumo deixá-los aerando por mais do que 30 minutos. Vou provando e verificando a evolução. Depois que bebê-lo, volto dizendo o que achei.

Abs,

le vin au blog disse...

Olá Anônimo,

Quero provar outra garrafa deste vinho novamente...acredito que alguma coisa errada aconteceu.

Abs.,