19 de fevereiro de 2007

Bodega Lurton - Malbec Reserva 2004




















Nome: Bodega Lurton

Safra: 2004
País: Argentina
Região: Valle de Uco
Produtor: Bodega J. F. Lurton
Site: www.bodegalurton.com

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 13.5%
Preço: R$ 25,00 (preço na Argentina)
Onde foi comprado: na Argentina, trazido pelo Hélio
Quando foi comprado: Julho de 2006
Degustado em: 17 de fevereiro de 2007
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Massa com molho de tomate e depois queijos gouda e massdan
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário da Rafaela
Exame visual: Cor de cereja - a frutinha, não aquela em compota, que o Claudio diz ser feita de chuchu.
Exame olfativo: Comecei sentindo cheiro de banana verde. Bom, meu nariz nem sempre é o dos mais confiáveis... depois de um certo tempo comecei a sentir um cheiro doce, me lembrou o cheiro de bala, mas não soube identificar qual. O cheiro doce persistiu até a última taça.
Exame gustativo: Eu gostei do vinho, apesar de ele não ser nada complexo e não provocar muitas reações dentro da boca. Senti uma acidez no final, quando desce pela garganta. Nada de taninos. De vez em quando sentia um gosto de morango, mas posso ter sido influenciada. Eu vi que sou muito vulnerável. Desta vez, fui eu quem foi submetida a uma prova às cegas. Quer dizer, mais ou menos, pois eu tinha dito que queria beber um vinho com uvas conhecidas e que gosto. Claudio me disse uma série de vinhos e disse que poderia ser um malbec ou um syrah. Um Lurton Malbec e um Luna Syrah, para ser mais exata. Essas eram as duas opções e acreditam que consegui errar? Pois é. Durante a maior parte do tempo achei que fosse o malbec. O cheiro era de um malbec, mas na última hora resolvi apostar no syrah. Não poderia ter tomado decisão pior. Apesar de não ser o gosto característico dos malbecs que eu havia provado antes, ele era muito mais malbec que syrah, mas, aí, na última hora, depois de um ataque de riso, resolvi dizer que era o Luna... Errei, para minha total decepção... Espero que da próxima vez eu siga meu instinto, meu nariz (mesmo que nem sempre muito confiável) e meu paladar. A massinha simples, apenas com molho de tomate, estava muito boa e o céu foi limpando à medida em que íamos tomando o vinho.
Nota: 86.0

Comentário do Claudio
Exame visual:
Violeta/cereja não tão escuro.
Exame olfativo: Nariz interessante. A tendência foi cheiros doces, como frutas - banana e papaya -, cheiro de balas, caramelo.
Exame gustativo: Desta vez, a brincadeira de provar às cegas ficou com a Rafaela, como ela descreveu acima. É um bom vinho, sem muitas arestas, apenas com uma leve acidez no seu final. Não é um vinho que desperte muitos interesses. Um vinho correto, sem, contudo, ser complexo. Não me pareceu ser um vinho de guarda. A parte interessante da degustação ficou por conta da harmonização. Comemos uma massa com molho de tomate e depois, como os franceses, alguns pedaços de queijo. O vinho se comportou de maneira completamente diferente nos dois momentos da degustação. O paladar cresceu muito com os queijos, principalmente com o Gouda Coroa. Vale a pena tentar casar comidas diferentes para ver o que se comporta melhor. A regra de harmonização que se deve seguir é aquela que mais agrada ao paladar de cada um. Foi decantado por duas horas e meia.
Nota: 86.0

Nenhum comentário: