20 de novembro de 2016

Adolfo Lona Brut Rosé para fechar um domingo tranquilo

Nome: Adolfo Lona Brut Rosé
País: Brasil
Região: Garibaldi
Produtor:  Adolfo Lona

Uvas/Corte: Chardonnay e Pinot Noir
Teor alcoólico: 12,2%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Vinícola Adolfo Lona, em Garibaldi
Quando foi comprado: Setembro 2015
Degustado em: 25 de outubro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Queijos, pães, aceto com perfume de figo e azeite
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Espumante excelente. Jantar com espumante para fechar um domingo de estudos, nublado, com almoço no Empório Jardim e a perspectiva de uma semana cheia.

Comentário do Claudio
Quer provar um excelente espumante rosé? A dica é este, feito pelo método charmat, pelo amigo Adolfo Lona. É um espumante certeiro, muito bem feito e que certamente vai agradar. Muito fácil de beber e de se gostar, tem boa acidez, boa estrutura, pode acompanhar certos pratos ou vai bem sozinho também, versátil. Ótima pedida e que foi muito bem com nossos pães e queijos.

6 de novembro de 2016

Um vinho jovem, descomplicado e gostoso: L.A. Jovem Riesling 2015

Nome: Luiz Argenta Jovem
Safra: 2015
País: Brasil
Região: Flores da Cunha

Produtor: Luiz Argenta

Uvas/Corte: Riesling
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça

Onde foi comprado: Luiz Argenta
Preço: R$ 22 (meia garrafa)

Degustado em: 4 de novembro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Esfihas + focaccia
Com quem: Claudio e Rafaela


Comentário do produtor
Cor: Coloração amarela com intensos reflexos esverdeados. Aroma: Aromas muito intensos que lembram frutas tropicais, como o maracujá e pêssego. Sabor: Elegante, jovem e refrescante. Com boa acidez e persistência.

Impressões da Rafaela
Vinho fresco, jovem, gostoso. Ideal para terminar um dia repleto de atividades e também para combater o cansaço. Primeiro vinho 2015 bebido neste ano (ainda era 2015!). 


Comentário do Claudio
Compramos esta meia garrafa durante nossa visita à vinícola, em dezembro de 2014. A Luiz Argenta é conhecida por usar garrafas de design diferenciado em seus rótulos e este riesling segue essa ideia. Em boca é um vinho fresco, leve, boa acidez, um pouco ligeiro. Para beber de forma descontraída, é um vinho agradável. Não é um riesling característico, mas vai agradar.

5 de novembro de 2016

Para dar sorte: J. Chiapella - Marselan 2013

Nome: J. Chiapella
Safra: 2013
País: Uruguai
Região: Canelones

Produtor: Bodega J. Chiapella

Uvas/Corte: Marselan
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça

Onde foi comprado: Vinos del Mundo, em Puntal del Este, no Uruguai
Degustado em: 23 de novembro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pães, queijos, azeite
Com quem: Claudio e Rafaela


Comentário do produtor
http://www.bodegajchiappella.com/pdf/chiappella_marselan.pdf

Impressões da Rafaela
Planejamos beber uma meia garrafa, mas o Claudio perguntou se eu queria ver outras opções. Falei que sim. Quando vi este rótulo com uma joaninha, falei imediatamente: quero este! Então a meia garrafa virou uma garrafa inteira. O vinho começa tímido, mas vai abrindo à medida que respira um pouco. Também ajudou a melhorá-lo colocar na temperatura adequada.


Comentário do Claudio
Já provei alguns vinhos feitos da uva Marselan e gostei. Quando vi este vinho no Uruguai e com um rótulo divertido resolvi comprá-lo para provar. Este J. Chiapella é um vinho mais rústico e que vale a pena deixar respirando um tempo antes de beber, pois irá "abrir" um pouco. Funcionou melhor a uma temperatura mais baixa. Em boca, tem um paladar firme, direto, com notas achocolatadas, mas sem ser adocicado, com leve nota amarga em seu final. Um vinho autêntico, de estilo próprio, que eu gostei, mas pode não agradar a todos.

4 de novembro de 2016

Chardonnay - Excelente vinho da Bouza

Nome: Bouza
Safra: 2013
País: Uruguai
Região: Montevidéu

Produtor: Bodega Bouza

Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Rolha: Cortiça
Preço: 20 dólares

Onde foi comprado: Free shop do belo Aeroporto de Carrasco, em Montevidéu
Quando foi comprado: Janeiro de 2015
Degustado em: 24 de outubro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa caseira
Com quem: Claudio e Rafaela


Impressões da Rafaela
Como os vinhos da Bouza são bons! Todos os que provamos se mostraram fantásticos. Este então é daqueles fáceis de se gostar. Bem feito, harmonioso. Adorei! Começamos o planejamento da próxima viagem. Quer dizer, não da próxima diretamente, mas a viagem grande do ano que vem (que realizamos em julho/agosto de 2016 para a França)! Eu adoro viajar e planejar viagens. Esta semana também foi de volta aos treinos de corrida. Temos uma prova marcada para dezembro e estou bem animada. Foi uma semana produtiva. Que venham outras assim!

Comentário do Claudio
Gosto muito dos vinhos da Bouza. Quem visita o Uruguai tem que conhecer a vinícola que é muito bacana. Além de excelentes tintos, produzem vinhos brancos muitíssimos interessantes. Este Chardonnay é assim. Um vinho envolvente, muito bem feito e que vai rápido e deixa aquela vontade de mais uma tacinha. Um Chardonnay equilibrado, de boa acidez e muito elegante. Belo vinho branco.

3 de novembro de 2016

Pizzato Brut Tradicional 2012

Nome: Pizzato Brut Branco Tradicional D.O.V.V.
Safra: 2012
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves
Produtor: Pizzato Vinhos e Vinhas

Uvas/Corte: Chardonnay e Pinot noir
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Número da garrafa: 3230
Onde foi comprado: Cadeg
Degustado em: 17 de outubro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pizza requentada + saladinha orgânica fresca
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Referencial da casa para espumantes, vem sendo elaborado desde 2006, sempre pelo método tradicional e com colheita designada. De 2006 a 2008, seguiu as regras da indicação de procedência Vale dos Vinhedos (I.P.V.V.). A partir de 2009, até a presente tiragem, todas as colheitas ostentaram a insígnia da denominação de origem vale dos vinhedos (D.O.V.V.).

Impressões da Rafaela
Este dia começou bem cedo, lá em Volta Redonda, para onde fomos ontem para assistir ao casamento de Diego e da Liz. A festa foi superanimada, em um lugar bacana. Como o Claudio tinha prova neste sábado de manhã, saímos cedo do casamento, pois tínhamos de chegar antes das nove. O plano deu mais ou menos certo. Chegamos cedo ao Rio, mas ficamos parados um tempão na Linha Vermelha. Sorte que a prova foi depois do recreio e deu para fazer sem problemas. Eu vim pra casa, para estudar, como sempre. Consegui adiantar a parte sobre a imprensa brasileira. Agora, por ora, encerram-se as viagens e poderei me dedicar de maneira melhor ao doutorado. Estou na reta final (Estava, naquele outubro de 2015). Nesta semana começam as entrevistas e depois parto para a pesquisa de campo em si. Para terminar este longo dia de forma delicada, nada melhor que um espumante muito bem feito. Este Pizzato é muito bom. Fiquei bem satisfeita. Quando menos percebemos, a garrafa havia chegado ao fim.

Comentários do Claudio
A Pizzato é uma vinícola brasileira que acho bem interessante. Sob o comando do Flávio Pizzato, a vinícola produz ótimos e consistentes tintos e brancos. Engraçado que quando pensamos nesta vinícola, espumantes não são a primeira coisa que vêm à cabeça, mas deveriam ser. Provei alguns de seus espumantes e o resultado está cada vez mais consistente. Este brut é um ótimo deles, com tudo que um espumante bem feito deve ter: boa complexidade, perlage fina e intensa, nariz rico e bastante interessante, em boca é elegante, delicado, boa acidez, uma excelente conjunto. Um espumante que vai bem sozinho e também vai acompanhar bem comidas leves. Vale provar todos os espumantes da Pizzato.

2 de novembro de 2016

Adolfo Lona Nature perfeito para acompanhar a melhor comida árabe do Rio

Nome: Adolfo Lona Nature
País: Brasil
Região: Garibaldi
Produtor:  Adolfo Lona

Uvas/Corte: Chardonnay e Pinot Noir
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Vinícola Adolfo Lona, em Garibaldi
Quando foi comprado: Setembro 2015
Degustado em: 9 de outubro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Comida árabe do Largo do Machado
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
O espumante método tradicional Adolfo Lona sempre mantêm as leveduras durante períodos superiores a um ano e por isso apresenta um exuberante conjunto de características aromáticas e gustativas que o diferenciam dos outros espumantes comercializados no Brasil.

Impressões da Rafaela
Sexta-feira é o dia em que procuro resolver tudo que não deu para fazer durante os outros dias da semana. Nesta, aproveitei para ir à lavanderia, pegar roupas na costureira, ir ao salão, colocar carta no correio... No dia seguinte iríamos viajar a Porto Alegre, então também aproveitei para estudar um pouco. Claudio iria passar pelo Largo do Machado no final da tarde. Então sugeri, assim como quem não quer nada, que ele passasse na rotisseria árabe e comprasse algumas coisinhas gostosas para o jantar. Ele trouxe nosso prato preferido: arroz com lentilhas, coberto por carne moída bem temperadinha e cebolas fritas para acompanhar duas kaftas cobertas por cebola, salsa e hortelã. Como eu amo esta comida! O espumante do seu Adolfo estava excelente, perfeito!

Comentário do Claudio
Quem gosta de comida árabe e mora no Rio, conhece bem as comidinhas vendidas no Largo do Machado. Um verdadeiro clássico carioca. Passei por lá e comprei uma porção para o jantar. Aí resolvemos abrir um vinho para acompanhar. Escolhemos o espumante Nature do mestre e amigo Adolfo Lona. Este espumante é um dos meus preferidos. Elegante, delicado, muito equilibrado, boa complexidade. Um Nature feito com muito cuidado e que realmente encanta. Um espumante que certamente está entre os melhores feitos no Brasil e que merece ser provado. Além de tudo, foi uma boa companhia para a nossa comida árabe. Um belo jantar. Recomendo, a comida e o espumante.

1 de novembro de 2016

Aniversário se comemora com Amarone!

Nome: Masi Costasera Amarone classico
Safra: 2007
País: Itália
Região: S. Ambroglio di Valpolicella
Produtor: Masi Agricola

Uvas/Corte: Corvina, rondinella, molinara
Teor alcoólico: 15%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Verona
Quando foi comprado: Julho de 2010
Degustado em: 1º de outubro de 2015
Onde Bebeu: Zazá Bistro, em Ipanema, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Esfera de cordeiro, tapiocas e samosas e pastilhas marroquinas, Curry de Frango Orgânico e Paleta de Cordeiro Braseada com especiarias, sobre ravióli de batata baroa com molho de iogurte trufado, hortelã e amêndoas crocantes
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Proud, majestic, complex and exuberant: this is Masi's gentle giant. A benchmark for the Amarone category, which, together with Barolo and Brunello, makes up the aristocracy of the Italian wine world. The product of Masi's unrivalled expertise in the appassimento technique, whereby traditional grapes for the Valpolicella Classica area - Corvina, Rondinella and Molinara - are laid out on bamboo racks to concentrate their aromas during the winter months.

Impressões da Rafaela
No final de semana em que caiu meu aniversário (em 2015!), nós viajamos para o Rio Grande de Sul com amigos. Então ainda estava faltando a nossa comemoração particular. Eu já havia escolhido este vinho fazia tempo. Aproveitamos que havia uma promoção na cidade chamada Rolha Zero para escolher um restaurante ao qual sempre pensamos em voltar, mas nunca surgia a oportunidade. Desta vez, tudo conspirou a favor. O Zazá é um lugar diferente, um alternativo chique, com comida deliciosa. Foi uma ótima escolha. O vinho estava excelente. Foi uma noite bem especial.

Comentários do Claudio
Para comemorar o aniversário da Rafaela resolvemos aproveitar a promoção do Rolha Zero e escolhemos jantar no ótimo restaurante Zazá Bistrô em Ipanema. Levamos um Amarone para o restaurante, um dos vinhos preferidos da Rafaela. O escolhido foi de um produtor muito tradicional da região, o Masi. Vinho muito bom, com todas as características de um bom Amarone, bom corpo, estrutura, notas adocicadas em final de boca, um belo vinho. Foi um excelente jantar e uma noite bem agradável.

29 de outubro de 2016

Prunotto Barolo 2005

Nome: Prunotto
Safra: 2005
País: Itália
Região: Barolo
Produtor: Prunotto

Uvas/Corte: Barolo
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Verona, na Itália
Quando foi comprado: Setembro 2010
Degustado em: 8 de outubro de 2015
Onde Bebeu: Policarpo, no Humaitá, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Massa com ragú e polpetone com arroz à piemontese
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Garnet in colour and on the nose, wide and complex with hints of violet and forest fruit aromas. On the palate, full and velvety and well balanced. Due to its structure and characteristics, it is a perfect match for meat and game dishes, and tasty cheeses. Ideal serving temperature 17°C

Impressões da Rafaela
Este foi um dia muito feliz, pois terminei um processo que estava em andamento há sete anos, pelo menos. Creio que até mais, pois já havia iniciado a espera ainda em Florianópolis. Desde este dia sou uma cidadã italiana. O passaporte só posso pedir depois de seis meses, depois que meu registro tiver sido feito no meu Comune na Itália, mas para quem já esperou tanto, seis meses não são nada (* Como os posts anteriores, este também está beeem atrasado, agora já tenho meu passaporte italiano e até já ousei em duas viagem :)). Ainda mais que nos próximos seis meses estarei muiiiito ocupada terminando meu doutorado. Assim, resolvemos comemorar em um restaurante italiano. Eu escolhi ir no Policarpo, uma cantina pequenininha e com comida saborosa aqui no Humaitá. Foi uma ótima escolha. A massa que escolhi estava deliciosa. O Barolo, infelizmente, já tinha perdido o vigor, mas ainda assim foi bom relembrar onde o compramos. Na viagem realizada à Itália em 2010, visitamos a cidade dos meus antepassados e foi um momento bem importante para mim. Na prática, minha vida segue igual, mas dá uma enorme satisfação transferir a pasta da cidadania de "projetos em andamento" para o status "projetos concluídos". Alegria de uma seguidora do método GTD. :)

Comentários do Claudio
Gosto de esperar os vinhos envelhecerem um pouco para beber. A grande dúvida é quanto tempo esperar para abrir uma garrafa? Será que está na hora certa de abrir? Sempre é difícil saber, mas as vezes uso uma dica dada pelo meu amigo e blogueiro Alexandre Frias: em torno de 10 anos de vida, abra a garrafa. Foi o que fizemos com este Barolo que havíamos comprado na Itália. O vinho estava na adega aqui de casa e a expectativa era boa. O mundo do vinho sempre nos reserva surpresas, infelizmente as vezes não tão agradáveis. O vinho apresentou leves sinais que estava bouchonné e consequentemente estava longe de sua forma ideal. De toda forma o jantar valeu para comemorar a cidadania italiana da Rafaela.

28 de outubro de 2016

Festa dos 25 de reunificação da Alemanha

Nome: Schloss Friedwald
País: Alemanha
Região: Pflaz

Uvas/Corte: Graueburgunder
Rolha: Cortiça

Comprado em: Gentilmente oferecido na recepção do Consulado Alemão
Quando foi degustado: 2 de outubro de 2015
Degustado em: Residência do Cônsul Geral da Alemanha no Rio de Janeiro, em Santa Teresa
Harmonizado com: Comidinhas alemãs

Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela

Todo 3 de outubro, ou em data perto disso, há uma festa na residência do cônsul geral da Alemanha no Rio de Janeiro. O castelinho em Santa Teresa se abre para receber a comunidade alemã na cidade e alguns agregados, como Claudio e eu. Como trabalho em uma organização alemã, sempre sou convidada. Fazia alguns anos que não íamos, mas neste ano como a festa era especial - 25 anos de reunificação da Alemanha -, fiquei animada para ir (*desculpem aí, queridos leitores, mas as postagens estão tão atrasadas, que já faz 26 agora). Como a festa é realizada no jardim, mesmo quando há muita gente não fica apertada. Bebemos este vinho branco para acompanhar as comidinhas alemãs pelo Il Piccolo Café, que apesar do nome faz comida alemã. Foi um programa divertido.

Comentário do Claudio
As festas organizadas pelo cônsul da Alemanha para comemorar a data nacional em sua bela casa em Santa Teresa no Rio são sempre bem animadas e temos a chance de comer alguma comida 
típica alemã, o que gosto muito. Para minha sorte sempre tem um ou dois vinhos alemães sendo servidos. Desta vez resolvi beber um branco, da uva Pinot Gris (Graueburgunder).  Um vinho de boa acidez, leve, fácil de beber e de gostar, bem feito. Um vinho bem escolhido para a festa. Vale destacar que a Alemanha sempre nos surpreende com excelentes vinhos brancos.

22 de outubro de 2016

Salton Evidence Brut #winebar

Nome: Salton Evidence Brut
País: Brasil
Região: Tuiuty
Produtor: Salton

Uvas/Corte: Chardonnay e Pinot Noir
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Gentilmente nos presenteado pela vinícola no âmbito do projeto Winebar

Degustado em: 27 de setembro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Comida Thai

Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Gostoso, mas não o meu preferido. Bom para acompanhar sem compromissos um almoço de domingo, especialmente o primeiro almoço na varanda depois de longo inverno. No final deste dia fomos ao Rock in Rio. Eu realizei um sonho antigo, que era assistir a pelo menos um dia de festival. Escolhi a noite em que o A-ha faria show e não me arrependi. Mesmo com toda chuvarada que caiu na cidade do rock, foi uma experiência fantástica! Repetiria!

Comentário do Claudio
Com novo rótulo, o espumante Evidence da Salton se mostrou bastante agradável. Em boca, sabor intenso, acidez correta. Um espumante fácil de se beber, bem feito e de bom custo. Um espumante sem erro, versátil. Vale provar.

Excelente vinho uruguaio: Mburucuyá Assemblage Collection - Edición Limitada

Nome: Mburucuyá Assemblage Collection - Edición Limitada
Safra: 2011
País: Uruguai
Região: Canelones
Produtor: Antigua Bodega Stagnari

Uvas/Corte: Syrah, cabernet franc, merlot, tannat e sangiovese
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça

Comprado em: Janeiro de 2015
Onde compramos: Vinos del Mundo, em Punta del Este, Uruguai
Quando foi degustado: 4 de outubro de 2015
Degustado em: Bottega del Vino, no Leblon, Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pera (glaçada com gorgonzola, nozes e salada verde), p
eito de peru recheado (tornedor de peru com fricaseé de batatinha e cogumelos) e tiramisú / Bruschetta (com tomate, mussarela e pesto de manjericão), filleto (medalhão de file com 5 pimentas e gratin de batata) e mil folhas de creme e calda de frutas
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela

O dia amanheceu nublado e não demorou para cair uma chuvinha fina. Claudio foi correr na academia e eu fiquei escrevendo sobre as minhas hemerotecas. Quando ele voltou resolvemos ir almoçar no Leblon. Queríamos aproveitar duas promoções que estavam rolando no Rio: a Restaurante Week e o Rio Rolha Zero, que faz parte do Rio Wine and Food Festival. A escolha não poderia ter sido melhor. A Bottega do Vinho é excelente. Os pratos estavam deliciosos, assim como o clima. O vinho acompanhou o almoço de forma magistral. Creio que na próxima viagem ao Uruguai iremos comprar mais uma garrafa. Ótima compra.

Comentário do Claudio
Uma excelente surpresa. Comprei este vinho em Punta del Este. Fiquei bastante curioso com o corte de cinco uvas. Como era de um produtor tradicional, resolvi comprar para provar. Quando fui pagar o vendedor me falou: "Este vinho é um 'Chateauneuf du Pape' uruguaio". Sempre fico com um pé atrás com afirmações deste tipo, mas ao menos serviu para deixar com curiosidade. Aproveitamos o Rio Rolha Zero para levá-lo à
 Bottega del Vino e prová-lo. Como dito, foi uma excelente surpresa. Um vinho muito bem feito, seguindo um estilo mais velho mundo, muito equilibrado e ainda com potencial de envelhecimento. Boa acidez, taninos finos, bom final de boca. Um vinho muito interessante e marcante. Gostaria de ter mais uma garrafa dele para ver seu envelhecimento.

30 de setembro de 2016

Meia garrafa de um Saint-Émilion Grand Cru

Nome: Gravet-Rennaissance
Safra: 2010
País: França
Região: St. Emilion


Uvas/Corte: Merlot 65%, Cabernet Franc 35%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça

Onde foi comprado: Free shop do belo Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris
Degustado em: 12 de setembro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Ossobuco com arroz
Com quem: Claudio e Rafaela


Impressões da Rafaela
Neste dia eu estava com vontade de beber um espumante, mas Claudio me convenceu a escolher um tinto. No final nem foi tão ruim assim. Foi um vinho delicioso, bom do jeito que eu espero que um vinho seja. Gostei muito. Neste dia eu estava me preparando para as provas de minha segunda graduação, que seriam na semana seguinte. Beber este vinho me trouxe ótimas lembranças de St. Émilion. De sobremesa ainda teve um icewine trazido do Canadá pela mãe do Claudio no ano anterior.



Comentário do Claudio
Um típico vinho francês feito com um corte bem equilibrado de Merlot e Cabernet Franc que resultou em um vinho elegante, de boa acidez, estilo velho mundo, feito para acomapanhar comida. Agradável final com sabores concentrados na boca. Um vinho que dá prazer em beber. Pena que era apenas uma meia garrafa. Depois ainda provamos uma pequena garrafinha de um delicioso Icewine canadense. Dois vinhos em doses pequenas mas cheio de sabores, acompanharam bem o jantar.




5 de setembro de 2016

Vinhos portugueses no encontro mensal dos amigos da faculdade


Nome: Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo Reserva / Monte da Ravasqueira Vinha das Romãs
Safra: 2011 / 2012
País: Portugal
Região: Douro / Alentejo
Produtor: Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo / Monte da Ravasqueira

Uvas: Tinta Roriz, Tinta  Amarela, Tinto Cão, Touriga Nacional e vinha velha / Syrah e Touriga Franca
Teor alcoólico: 14,1% / 13%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: Clube Paissandu, Rio de Janeiro
Quando foi comprado e degustado em: 1º de setembro de 2015
Com quem: Claudio, Miguel, Marcelo e Carlinhos

Comentário do Claudio
Sempre que o Marcelo vai para Portugal, ele volta com algumas garrafas de vinhos. Então em nosso encontro mensal dos colegas de faculdade, podemos provar vinhos diferentes. Nesta vez fomos até o Clube Paissandu e abrimos dois bons vinhos: um Alentejano, mais complexo e interessante, o preferido da noite; e um ótimo vinho do Douro. Perfeito para acompanhar o papo e a noite agradáveis.

4 de setembro de 2016

Vinho que não precisa ser provado: Joffré Malbec 2014

Nome: Joffré
Safra: 2014
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: RJ Viñedos

Uva: Malbec
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: Traga, em Botafogo, Rio de Janeiro
Quando foi comprado e degustado em: 11 de setembro de 2015
Harmonizado com: Empanadas, provolone e pães
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Claudio voltou de Florianópolis tarde da noite de sexta-feira. Eu havia planejado conhecer um lugar novo. Escolhi o Traga, restaurante italiano aqui em Botafogo. Apesar dele estar cansado, topou pedir um vinho. Acabamos escolhendo pelo preço este Joffré. Ah, se arrependimento matasse. Nossa que vinho sem graça. O jantar não foi totalmente perdido porque as comidinhas estavam gostosas.

Comentário do Claudio
Este malbec argentino é um vinho básico, de entrada da vinícola. Um vinho muito frutado, doce, em um estilo que não me agradou. Um vinho sem personalidade de um produtor que já tinha provado outros bons vinhos. Foi bastante decepcionante, mas ao menos as comidas estavam excelentes.

3 de setembro de 2016

Rio Gastronomia, feira que vale a pena conferir

Nome: Tabali Reserva
Safra: 2012
País: Chile
Região: Limarí Valley
Produtor: Tabali

Uvas/Corte: Syrah 100%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e degustado: Rio Gastronomia, no Jockey Club do Brasil
Quando foi comprado e bebido: 27 de agosto de 2015
Harmonizado com: Comidinhas vendidas nos food trucks do evento
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do produtor
Deep red colour. In the palate is full bodied, with plums and black cherry flavours, elegant and well balanced . Very attractive wine that shows all the potential of Limarí valley in this variety with a good ageing potential. Great structure and remarkably long finish.

Impressões da Rafaela
Se tem algo que eu adoro é uma feira com diversas opções de comidinhas e bebidas gostosas. Mesmo antes da modinha dos food trucks, o jornal O Globo já organizava uma feira muito legal, a Rio Gastronomia. Em 2015, a feira ainda foi no Jockey. Neste ano será realizada no lugar preferido do momento, o Porto Maravilha. No ano passado compramos este vinho que harmonizou muito bem com o clima da noite friazinha e com as comidas gostosas que escolhemos. Foi ótimo. Neste ano já estamos planejando participar novamente. O Rio Gastronomia 2016 será de 4 a 13 de novembro.

Comentários do Claudio
O Rio Gastronomia é um evento bem bacana, ano passado ele aconteceu no Jockey Club. Sempre muito bem organizado e com um clima bem gostoso para você provar comidinhas e beber um vinho. Compramos uma garrafa de outro vinho que sempre mostra regularidade, o Tabali Syrah. Esta uva se deu muito bem na região de Limari e sempre que provamos este vinho ele se mostra bastante agradável, bem feito, uma ótima pedida por um custo bom. Fica a dica do vinho e do evento.

1 de setembro de 2016

Finca La Linda - Malbec 2013

Nome: Finca La Linda
Safra: 2013
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Luigi Bosca

Uvas/Corte: Malbec 100%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: Restaurante Galetos em São Paulo
Quando foi compra: 3 de setembro de 2015
Com quem: Claudio, Gilberto e Oswaldo

Comentários do Claudio
Finca La Linda é um clássico vinho de entrada da vinícola Luigi Bosca. Bebemos algumas safras deste vinho, mas há algum tempo não bebia. Sempre confiável e bem feito, é um vinho para beber sem compromisso, não terá erro. Assim foi com este malbec da safra 2013. Para acompanhar o nosso galeto resolvi escolher esta garrafa que cumpriu bem seu papel.

29 de agosto de 2016

Sempre uma ótima escolha: Luna 2011 da Finca La Anita

Nome: Luna
Safra: 2011
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Finca La Anita

Uvas/Corte: Syrah 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: http://www.wine.com/
Quando foi comprado: Dezembro de 2013
Degustado em: 6 de setembro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Polpetone com arroz
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do produtor
Al igual que todos los vinos de Finca La Anita, Luna Syrah es vinificado a partir de uvas propias. Las de este Luna Syrah pertenecen al cuartel Nº 4 de nuestra Finca en Agrelo, Mendoza. Seis meses en barricas de roble francés tostado medio. De color purpura con matices azulados, este syrah presenta deliciosos aromas especiados, de sensación aterciopelada en boca, untuoso y elegante sin desmesura en su concentración. Tenemos la certeza de que nuestros amigos lo disfrutarán plenamente si lo beben joven, apreciando los matices que el reposo en maderas de roble francés nuevo le ha otorgado. También deparará sorpresas su evolución en la guarda. Servirlo fresco, 16 a 18ºC en copas amplias, ideal para acompañar comidas especiadas.

Impressões da Rafaela
Depois do almoço na casa da Marcela e do Mauro, onde comemos uma deliciosa feijoada, seguimos a esbornia em casa com polpetones da Voilà acompanhados de um arroz jasmim. Para acompanhar, este excelente vinho argentino. Eu nunca visitei a Finca La Anita e às vezes passamos anos sem beber vinhos de lá, mas tenho um carinho tão especial por esta vinícola. Ela me lembra os primeiros anos de Le Vin au Blog. Beber um Finca La Anita era motivo de festa, os vinhos eram guardados para comemorações. Sinto um pouco de falta desta época.

Comentários do Claudio
Gosto muito dos vinhos da vinícola Finca la Anita. Já bebemos alguns vinhos desta vinícola e todos sempre muito prazerosos. Este Luna também foi assim. Com uma bonita cor bordô escuro e vivo em boca se mostrou intenso e de boa estrutura. Claras notas achocolatadas e algo condimentado e depois de um tempo na taça o seu final ficou bem mais presente e gostoso. Um vinho que mostrou uma mistura bem agradável de notas de pimenta preta e leve notas doces. Vale muito provar este vinho e conhecer todo o portfolio desta vinícola.

Da'divas Brut

Nome: Dadivas Brut
País: Brasil
Região: Encruzilhada do Sul
Produtor: Lidio Carraro

Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: 
Degustado em: 29 de agosto de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pães caseiros
Com quem: Claudio e Rafaela

Descrição do produtor: 
Coloração amarelo-palha com reflexos dourados, destaca-se pelo perlage fino e abundante.
Seu aroma remete a frutas cítricas como maçã verde, abacaxi e frutas como melão e pera, com nuances de flores brancas. Paladar delicado, seco e fresco, cremosidade em boca e boa persistência final. Uma experiência que não pode passar sem ser percebida.


Impressões da Rafaela
Espumante bem gostoso, que foi muito bem com os pães feitos em casa e os queijos. No final da noite e durante a madrugada Claudio preparou pãezinhos para levar ao café da manhã da minha colega Ursula. Foi um sucesso. Nesta noite também teve superlua, algo que passou a ser noticiado nos últimos tempos cada vez com mais frequência.

Comentário do Claudio
Gosto dos vinhos da Lidio Carraro. A linha Da`divas sempre se mostrou consistente e agradável, mas ainda não tinha bebido nenhum espumante deles. Este foi uma boa surpresa. Um espumante bem feito, com leves notas cítricas em boca, boa acidez, fresco, leve e agradável. Foi uma boa companhia para os pães. Vale provar, fica a dica.

27 de agosto de 2016

Jantar com amigos acompanhado por vinhos brasileiro e libanês

Nome: Aracuri / Cuvée de Printemps
Safra: 2014 / 2013
País: Brasil / Líbano
Região: Campos de Cima da Serra, RS / Valee de la Bekaa
Produtor: Aracuri / Chateau Ksara

Uvas/Corte: Pinot Noir / Gamay e Tempranillo
Comprado e degustado em: 21 de agosto de 2015
Onde Bebeu: Bistrô Ouvidor, em Botafogo, Rio de Janeiro
Com quem: Claudio, Rafaela, Tiago e Débora

Impressões da Rafaela
O Bistrô Ouvidor fica entre a nossa casa e a casa do Tiago e da Débora. Já aconteceu algumas vezes de nos encontrarmos ali para jantar e colocar a conversa em dia. Nesse dia não foi diferente, mas havia dois motivos especiais para celebrar: o casamento do Tiago e da Débora marcado para outubro e a notícia de que estavam esperando um bebezinho - que já nasceu e se chama João. :) O jantar, como sempre, foi superagradável. Ficamos muito felizes com o encontro, o convite e a notícia.

Comentário do Claudio
Encontramos a Débora e o Tiago no Bistro Ouvidor e acabamos jantando juntos. Em uma noite muito agradável, bebemos duas garrafas de vinhos. Abrimos com o bem equilibrado e interessante Pinot da Aracuri, mais uma vinícola dos Campos de Cima da Serra. Vinho que mostra boa evolução a cada safra e a boa adaptação da Pinot nesta região gaúcha. O segundo vinho da noite foi escolhido pelo Efraim, sommelier e até então sócio da casa que conhece tudo de vinhos. Ele apostou que não descobriria de onde era o vinho que ele tinha escolhido... Realmente foi uma surpresa, um diferente e bem feito vinho libanês que acompanhou bem a noite. Foi um jantar muito agradável.

21 de agosto de 2016

Abraxas 2007

Nome: Abraxas
Safra: 2007
País:Uruguai
Região: Lomas de la Paloma
Produtor: Domínio Cassis

Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Encontro de Vinhos
Degustado em: 26 de agosto de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Comidas Voilà
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Este vinho traz boas lembranças.

Comentário do Claudio
Este Abraxas é um vinho clássico e icônico. A safra 2002 foi marcante e gerou um vinho memorável, se tornando objeto de desejo dos apreciadores desta cepa e dos vinhos do Uruguai. Em um encontro de vinhos realizado em São Paulo, um dos expositores era exatamente a Domínio Cassis e ele tinha algumas garrafas para venda da safra 2007. Comprei e deixei na adega por algum tempo. Resolvemos abrir este dia e ele se mostrou um belo vinho. Tinha menos estrutura e potencial de envelhecimento que o 2002, já estava no tempo certo para ser aberto. Não perdeu seu estilo de vinho do velho mundo, já maduro, com leves notas de envelhecimento. Um vinho sem excessos, prazeroso e feito num estilo que me agrada muito. Tempos depois conseguimos comprar em Punta del Este algumas garrafas da safra 2002, mas isto será história para outros post.

Brunello di Montalcino Camigliano 2010

Nome: Brunello di Montalcino
Safra: 2010
País: Itália
Região: Montalcino
Produtor: Camigliano

Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo Marcel
Quando foi comprado: Julho de 2013
Degustado em: 23 de julho de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pães e acepipes, massa e molhos caseiros
Com quem: Claudio, Rafaela, Nina e Marcel

Descrição do produtor: 
Dai migliori vigneti dell’azienda, la produzione dei quali viene mantenuta molto sotto il limite consentito da disciplinare, vengono selezionate le uve per la produzione del Brunello. Grande vino, dai profumi intensi e dai tannini equilibrati, che sa esprimere tutte le caratteristiche del “terroir” per la qualità e tipicità, sia nella selezione dei cloni, che nella scelta dei terreni meglio esposti e soleggiati. Un vino di classe che promette un'evoluzione interessante e prolungata nel tempo. Si consiglia nelle occasioni importanti, per festeggiare una persona cara o un ospite di riguardo.

Impressões da Rafaela
Sempre ficamos felizes quando a Nina nos avisa que estão vindo ao Rio. Desta vez havíamos pensado em ir ao restaurante Puro no Jardim Botânico, mas como o Marcel viria de outra região e só depois pegariam o voo para o Rio, resolvemos fazer algo em casa, para evitar um atraso no restaurante. No final, deu tudo certo na viagem de vinda, mas acabamos ficando aqui em casa mesmo. Nina e Marcel trouxeram até sobremesa. Foi uma noite animada em ótima companhia. Tomara que possamos repetir em breve.

Comentário do Claudio
Recebemos para jantar os amigos Marcel e Nina que estavam no Rio. Sempre é muito agradável encontrá-los. Nesta noite o Marcel gentilmente trouxe uma garrafa deste excelente e equilibrado Brunello. Para quem gosta de Brunellos, este é um vinho certeiro. Acompanhou perfeitamente a noite e o bom papo.

20 de agosto de 2016

Voilà acompanhado de um bom vinho dos Campos de Cima da Serra

Nome: Fazenda Santa Rita
Safra: 2012
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra Gaúcha
Produtor: Fazenda Santa Rita

Uvas/Corte: Pinot Noir
Teor alcoólico: 13,3%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Supermercado Bortolon, em Vacaria
Degustado em: 8 de agosto de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Boeuf bourguignon Voilá
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Provamos mais uma vez este vinho de Vacaria, que sempre se mostra uma boa compra. Infelizmente não fizemos anotações e estamos fazendo este post meses depois de tê-lo bebido. Lembro-me apenas de ter gostado bastante do jantar. O vinho acompanhou um ótimo prato da Voilà.

Comentário do Claudio
Já há algum tempo que provamos os vinhos dessa nova região produtora de vinhos no Rio Grande do Sul, os Campos de Cima da Serra. Uma uva que tem mostrado bons resultados na região é a Pinot Noir. Pelos resultados, notamos que ela tem se adaptado bem às condições de clima (frio) e altitude (mais de 900m). A cada safra os produtores da região mostram progresso e evolução. Este foi mais um vinho interessante que bebemos e que mostra todo potencial da região. Bom vinho, que vai crescer nas próximas safras.

19 de agosto de 2016

Fondue com champagne e vinho e chileno

Nome: Möet & Chandon / Viña Laroche
Safra: - / 2013
País: França / Chile
Região: Champagne / Valle de Casablanca
Produtor: Möet &; Chandon / Viña Laroche

Uvas/Corte: - / Sauvignon Blanc
Degustado em: 16 de julho de 2015
Onde Bebeu: Casa do Miguel e da Paula, Rio de Janeiro
Harmonizado com: Fondue e pães
Com quem: Claudio, Rafaela, Paula, Miguel, Rafa e Tuti

Impressões da Rafaela
Na véspera de nossa viagem a Jundiaí, finalmente conseguimos marcar para comer um fondue na casa do Miguel e da Paula. Foi ótimo, depois de tanto tempo, colocar a conversa em dia. Ainda pudemos ver os meninos e o Bono. Miguel resolveu abrir esta garrafa de champagne que já tinha há algum tempo. Nós levamos este chileno que estava gostoso.

Comentário do Claudio
Sempre é gostoso ir na casa do Miguel comer um fondue. Clima agradável, papo animado. Para abrir a noite, Miguel abriu uma garrafa de Champagne Moet &Chandon. Não sei se a garrafa ficou armazenada por muito tempo, mas o Champagne infelizmente não estava não estava em sua melhor forma. Passamos para o o agradável Sauvignon Blanc chileno. Vinho muito bem equilibrado, sem aquelas notas verdes em excesso que encontramos em alguns Sauvignons Blanc daquele país. Funcionou com o queijo do fondue. Um bom vinho que acompanhou bem a noite.

25 de julho de 2016

Despedida dos Campos de Cima da Serra com Fazenda Santa Rita

Nome: Fazenda Santa Rita
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra
Produtor: Vinícola Fazenda Santa Rita

Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: Bendita Pizzaria, em Vacaria
Preço: R$ 36,50
Quando foi comprado e degustado: 02 de janeiro de 2016
Harmozidado com: Pizza marguerita, calabresa, milho e portuguesa
Com quem: Claudio e Rafaela

Depois de muitas horas de estrada, chegamos cansados e famintos a Vacaria. Como já havíamos combinado com a mãe que comeríamos na estrada, resolvemos comer novamente uma pizza na Bendita, a melhor pizzaria de Vacaria. Para acompanhar e fechar nossa viagem até ali, escolhemos este espumante da Fazenda Santa Rita, que havíamos provado anteriormente e gostado. Foi uma escolha bem agradável e que acompanhou perfeitamente os sabores escolhidos. Lá pelo final do jantar o cansaço foi batendo mais forte e percebemos que era hora de voltar para casa.

24 de julho de 2016

Até logo, Punta del Este

Nome: Carrau
País: Uruguai
Região: San José
Produtor: Bodegas Carrau

Uvas/Corte: Chardonnay
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: Mariskonea, na Península, em Punta del Este
Quando foi comprado e degustado: 1º de janeiro de 2016
Harmozidado com: Mexilhões à provençal, cogumelos à provençal e camarões ao alho
Com quem: Claudio e Rafaela

Planejamos pegar mais um sol neste última dia em Punta del Este, mas o dia amanheceu meio nublado. Mudamos os planos e fomos passear em Manantiales. Infelizmente estava tudo ainda em ritmo de ressaca pós-virada e o local que havíamos escolhido para o almoço ainda estava fechado. Resolvemos comprar um pão no La Linda, café ótimo do qual já estamos sentindo muitas saudades. Voltamos à Península e escolhemos El Novillo Alegre para almoçarmos. Mais tarde o tempo melhorou e conseguimos até ir mais um pouco à praia. Para fechar a temporada, escolhemos um restaurante de frutos do mar pertinho do apartamento. O atendimento foi muito atencioso, os pratos que escolhemos estavam deliciosos e o vinho foi um bom companheiro para tudo isso.
Passamos o ano sentindo saudades de nossos dias em Punta de Este, cidade que gostamos demais. Até breve, Punta!

23 de julho de 2016

Despedida de 2015 com o ótimo Albariño Bouza

Nome: Albariño Bouza
País: Uruguai
Região: Montevidéu
Produtor: Bodegas Bouza

Uvas/Corte: Albariño
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Nin y Gutierrez, em Punta del Este
Quando foi comprado: 29 de dezembro de 2015
Degustado em: 31 de dezembro de 2015
Onde Bebeu: Apartamento no centrinho de Punta del Este
Harmozidado com: Paella comprada no Devoto
Com quem: Claudio e Rafaela     

Fechamos o ano com um belo dia de praia. De manhã tomamos café no centrinho de Punta e providenciamos o que comeríamos à noite, para não ter atropelo. No meio do caminho ainda provamos mais algumas empanadas. Foi um dia tranquilo, harmonioso, em excelente companhia, perfeito para fechar um ano bom. Apesar de todos os problemas a nossa volta e de 2015 ter sido um ano complicado em diversos aspectos, para nós não foi tão ruim assim. Que venha 2016 com muitas alegrias, saúde, sucesso e motivos para brindar!

22 de julho de 2016

Ótima pedida em Punta: El Palenque

Nome: Finca Piedra
Safra: 2011
País: Uruguai
Região: San José
Produtor: Estancia Finca Piedra

Uvas/Corte: Cabernet Franc
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: El Palenque, em Punta del Este
Preço: 600 pesos uruguaios
Quando foi comprado e degustado: 30 de dezembro de 2015
Harmozidado com: Chorizo ($ 95), picanha de cordeiro($ 480), matambrito de cerdo ($ 480) e papas fritas ($ 130)
Com quem: Claudio e Rafaela

Em ritmo de fim de ano este dia passou lentamente. Almoçamos no Tomillo y Canela. Havíamos ouvido falar muito bem deste pequeno restaurante e resolvemos provar. Claudio comeu uma massa excelente. Rafaela provou um prato com toque mais oriental. Para acompanhar a comida pedimos um Don Pascual Cabernet Sauvignon, simples e honesto.
À noite fomos jantar no nosso querido El Palenque, onde o atendimento é sempre bom e a comida também. Fomos em nossas opções mais tradicionais: cordero, matambrito de cerdo e papas fritas. Sem erro! O El Palenque é um local bastante amplo, mas que costuma ficar cheio. Ideal é fazer uma reserva ou chegar cedo, como fazemos. Em Punta, em vários restaurante, éramos os primeiros a chegar. Nós e as famílias com crianças. Depois de um dia na praia, correndo ou andando de bicicleta, no início da noite já estávamos supercansados. Nesta, porém, como ainda não havíamos ido jogar nossos 10 reais no Conrad, seguimos para lá após o jantar. Como agora as máquinas não usam mais moedinhas, achamos que perdeu um pouco a graça. De qualquer forma, sempre nos divertimos nos caça-níqueis.

21 de julho de 2016

Visita obrigatória na região de Punta del Este: Restaurante Narbona

Nome: Narbona
País: Uruguai
Região: Puerto Carmelo
Produtor: Bodega y Granja Narbona

Uvas/Corte: Pinot Noir
Rolha: Cortiça
Comprado e bebido no: Restaurante Narbona, em Maldonado/Punta del Este
Preço: 550 pesos uruguaios
Degustado em: 27 de dezembro de 2015
Harmonizado com:  Tabua de queijos Narbona ($ 500), ravioli recheados com espinafre, ricota e tomate ($ 650)) e cordeiro assado por sete horas e legumes ($ 1.100)
Que lugar maravilhoso! Sabe uma casa de fazenda antiga, com uma piscina no centro de um pátio bem cuidado e decorado com luzinha presas em um fio ao redor do quintal? Sofás, guardanapos de pano, bom vinho, excelente comida? Pois assim é o restaurante da vinícola Narbona em Punta del Este. Além disso ainda há uma loja em que você simplesmente tem vontade de comprar tudo. E quando dizemos tudo é tudo mesmo. Pães, queijos, doce de leite, granola maravilhosa (esta compramos), mel, temperos, vinhos... 
Neste dia mudamos de casa. Saímos do apartamento do Michael e fomos para o da Ana María, na Península. Começamos um outro estilo de rotina dentro da mesma viagem. Ali ficamos mais perto do movimento do centrinho da cidade e do local para onde íamos todos os dias para correr e caminhar. Foi bom. Tivemos a chance de aproveitar tudo que mais gostamos em Punta. 

20 de julho de 2016

Nosso presente de Natal: jantar na Table de Jean Paul

Nome: Garzón Rosé
Safra: 2014
País: Uruguai
Região: Garzón
Produtor: Bodega Garzón

Uvas/Corte: Pinot Noir
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Preço: 750 pesos uruguaios
Onde foi comprado e bebido: Table de Jean Paul, em Punta del Este
Quando foi comprado e degustado: 26 de dezembro de 2015
Harmonizado com: Tábua de queijos ($ 650), croquetas ($ 200), lagostins ($ 900) e tartare ($ 900)
Com quem: Claudio e Rafaela

Decidimos nos dar de presente de Natal um jantar em um restaurante especial. Depois de algumas pesquisas na web, nos decidimos pela Table de Jean Paul, um lugar bonito, que à noite fica com um ar muito romântico e agradável. Depois de um dia na praia passamos no lugar para fazermos a reserva, podendo escolher até nossa mesa preferida. O jantar foi muito bom, com direito a comida gostosa e este vinho bem feito da Garzón, vinícola que visitamos em nossa viagem de 2014 e de que gostamos muito - eles fazem também ótimos azeites.

19 de julho de 2016

Combinação agradável: De Lucca Reserva + El Novillo Alegre

Nome: De Lucca Reserva
Safra: 2011
País: Uruguai
Região: Canelones
Produtor: Vino de El Colorado

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Preço: 390 pesos uruguaios
Onde foi comprado: Supermercado Devoto
Quando foi comprado: Dezembro de 2015
Degustado em: 25 de dezembro de 2015
Onde Bebeu: Apartamento em Punta del Este
Harmonizado com: Pamplona de cerdo, Brochete de pollo y papas fritas
Com quem: Claudio e Rafaela

Depois do passeio em Manantiales, voltamos para casa, ficamos um pouco na piscina, antes de fazermos uma caminhada pela Playa Mansa até o centro. Foram boas duas horas de caminhada, ida e volta. Quando chegamos novamente em casa, a fome já era grande, nos arrumamos e fomos até El Novillo Alegre, restaurante de carnes aqui perto de onde ficamos. A lua cheia deixou o caminho mais bonito. Compramos para trazer para casa, onde este vinho nos aguardava para acompanhar o jantar. Eu gostei do vinho, mas talvez ele pareça muito frutado para alguns apreciadores. Foi um belo jantar.

18 de julho de 2016

Fish Market: comida gostosa em Manantiales

Nome: Catamayor Reserva
País: Uruguai
Região: San José
Produtor: Bodegas Castijo Viejo

Uvas/Corte: Sauvignon Blanc
Teor alcoólico: 11,5%
Rolha: Cortiça
Preço: 380 pesos uruguaios (meia garrafa)
Onde foi comprado e degustado:  Fish Market, em Manantiales
Comprado e bebido em: 25 de dezembro de 2015
Harmonizado com:  Lulas à doré ($ 395), pescado del dia brotola ($ 550) e arroz jasmin ($ 220)
Com quem: Claudio e Rafaela

O Dia de Natal começou lindamente na paderia La Linda, em Manantiales, Ficamos com um pouco de receio, por ser feriado, mas quando chegamos lá os pães estavam frescos, as facturas apetitosas. Foi tudo ótimo. Pedimos iogurte com granola, que veio também com mirtilos. Excelente! Os pães são realmente muito bons. Depois seguimos para a Bikini Beach, jogamos frescobol e tomamos banho de sol. Lá pelo começo da tarde, cansados de sol, fomos almoçar. Para acompanhar a comidinha gostosa, meia garrafa deste vinho bom. Rafaela normalmente não gosta de SB, mas este estava bem ameno. Depois ainda voltamos ao La Linda para um cafezinho com facturas, esses doces uruguaios deliciosos.

17 de julho de 2016

Natal no Uruguai com um vinho alemão especial

Nome: Spätburgunder
Safra: 2003
País: Alemanha
Região: Bonenheim
Produtor: Michael Kerz

Uvas/Corte: Pinot Noir
Teor alcoólico: 16%
Rolha: Cortiça
Preço: Gentilmente nos presenteado pelo Michael Kerz, produtor alemão que anualmente passa uma temporada no Uruguai
Degustado em: 24 de dezembro de 2015
Onde Bebeu: Apartamento em Punta del Este
Harmonizado com: Ravioli com molho de tomate e bolognesa

Planejamos nossa ceia de Natal no dia anterior. Decidimos não jantar fora. Então compramos algo prático para fazermos em casa. Durante o dia fomos à praia, almoçamos novamente no Tea for Three, ficamos um pouco na piscina, eu li praticamente todo o livro sobre os Guinle e ainda fomos dar uma corridinha na Península. Quando fomos preparar o nosso jantar descobrimos que estávamos sem gás. Pânico, mas que logo passou. Pegamos o carro para dar volta e ver se havia algo aberto. Como não havia, improvisamos e poucos minutos depois tínhamos o nosso jantar feito... no microondas. 
O vinho que acompanhou o jantar foi nos presenteado pelo Michael, alemão que nos alugou o apartamento em 2014 e desta vez. Durante uma parte do ano ele produz vinhos na Alemanha, especialmente pinot noir. Vinho com muitos anos de vida, álcool elevado, ainda muito bom. No restante do ano, Michael viaja pelo mundo e depois se refugia por dois ou três meses no Uruguai. Ele tem muita história pra contar.
O dia foi tão puxado que às 22h30 já estávamos cansadíssimos. Dormimos antes da meia-noite, mas, entre um sono e outro, ouvi ao longe o foguetório característico da data.

16 de julho de 2016

Tão esperado almoço no La Huela, em José Ignácio

Nome: J.P. Chiapella
País: Uruguai
Região: Punta del Este
Produtor: Vinícola Garzón

Uvas/Corte: Chardonnay
Rolha: Cortiça
Preço: 600 pesos uruguaios
Onde foi comprado: La Huela, em Punta del Este
Comprado e degustado em: 23 de dezembro de 2015
Onde Bebeu: La Huela, em Punta del Este
Harmonizado com: Lulas, peixe e batatas fritas
Com quem: Claudio e Rafaela

Apesar das nuvens ainda cinzas no céu, vestimos roupa de praia e rumamos a José Ignácio, como havíamos programado. Quando chegamos lá, fomos contemplados com o sol. Neste dia nos programamos para conhecer o parador La Huela, lugar descontraído que fica bem na saída da praia de José Ignácio. Passamos a manhã na praia, jogando e pegando um sol. Quando deu 12h30 fomos caminhando até o La Huela. Ainda estava tranquilo, mas durante a uma hora e meia que ficamos lá, o lugar lotou. Observamos que ainda há poucos brasileiros em Punta, mas bastante argentinos e americanos. Eu havia pensado em beber um clericot, mas acabamos indo de vinho branco mesmo. Claudio não é muito fã de drinques. Para acompanhar, lulas à doré e depois dividimos um peixe com fritas. Estavam excelentes.Valeu a experiência. À tarde, ficamos mais um pouco na praia, mas lá pelas 17h voltamos, pois ainda queríamos dar uma volta de bicicleta. O Itaú está emprestando bicicletas neste verão para os correntistas. Adoramos a ideia. Andamos durante uma hora, mas é permitido ficar até três horas com a bike, o que faremos em breve.

15 de julho de 2016

Los Cerros de San Juan, um vinho de Colonia, Uruguai

Nome: Maderos
Safra: 2011
País: Uruguai
Região: Colonia, Uruguai
Produtor: Viñedos y Bodega Los Cerros de San Juan

Uvas/Corte: Tannat
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Preço: 393 pesos uruguaios
Onde foi comprado: Supermercado Devoto
Quando foi comprado: Dezembro de 2015
Degustado em: 22 de dezembro de 2015
Onde Bebeu: Apartamento em Punta del Este
Harmonizado com: Empanadas de carne e massa com molho de frango
Com quem: Claudio e Rafaela

Descrição do produtor: 
Este Albariño Reserva de Garzón es el icono de los vinos blancos uruguayos. Resultado de la selección manual de las mejores uvas de los viñedos de menor rendimiento que aseguran al producto una complejidad y elegancia especiales. Posee notas intensas de fruta con carozo tipo durazno blanco junto a una mineralidad y persistencia en boca que lo convierten en un elegante vino de alta gama.

Gostamos muito de jantar fora, mas desta vez optamos por comer também alguns dias em casa. Compramos algumas comidas prontas no supermercado local e jantamos na varanda do apartamento que alugamos novamente neste ano em Punta – o mesmo do ano passado. Começamos o dia jogando frescobol na Praya Mansa, que é a mais próxima do apartamento. As nuvens pesadas prometiam chuva e achamos melhor estarmos perto de casa, caso chovesse. Dito e feito. Jogamos mais ou menos uma hora e, vinte minutos depois de sairmos da praia, choveu forte. Aproveitamos para comprar uns vinhos, ir ao shopping, almoçar em um lugar bem simpático chamado Tea for Three. O clima melhorou e conseguimos até dar uma corrida na Península. Mais tarde passamos no super e viemos para casa para um jantar gostoso com este bom vinho produzido na cidade de Colonia. No fim do dia, o céu se abriu, com esperanças de um dia seguinte de calor.

14 de julho de 2016

Bem-vindos ao Uruguai: Albariño Garzón

Nome: Albariño Garzón
Safra: 2012
País: Uruguai
Região: Punta del Este
Produtor: Vinícola Garzón

Uvas/Corte: Albariño 
Teor alcoólico: 13,4%
Rolha: Cortiça
Preço: 490 pesos
Onde foi comprado: El Palenque, em Punta del Este
Comprado e degustado em: 21 de dezembro de 2015
Onde Bebeu: El Palenque, em Punta del Este
Harmonizado com: Matambrito de cerdo, assado de cordero, papas fritas + panqueque de dulce de leche
Com quem: Claudio e Rafaela


Mais um dia longo de viagem, mas, da mesma forma, tranquila. Saímos cedinho de Vacaria, planejando almoçar em Porto Alegre. Tudo transcorreu tão bem que acabamos almoçando em Pelotas, quase as duas horas. Escolhi o local pelo Foursquare e acabamos indo a um restaurante bem simples, mas com comida saborosa. Um prato feito com o melhor feijão da cidade. Como o tempo era determinado por nós mesmos, decidimos tomar um café e comer um docinho. Afinal, estávamos em Pelotas. Olhei mais uma vez o aplicativo e fomos direcionados ao Café Central perto do mercado. Só que no caminho nos deparamos com o Imperatriz Doces Finos e sua bela vitrine de doces. Pronto, paramos ali mesmo. E foi ótimo! Comi uma queijadinha de primeira. Claudio considerou o quindim de primeira linha. Concluída esta etapa, seguimos reto rumo ao Chuí, onde passamos pela imigração e demos uma olhadinha no free shop. Como já escrevi outras vezes, não somos exatamente as pessoas que se encantam com free shops, mas queríamos olhar os preços dos vinhos. Menos de três horas depois estávamos chegando ao nosso destino. Encontramos o zelador Fernando com a chave, que sorriu ao nos rever. Claudio deu buenas tardes e perguntou se podia estacionar na vaga já conhecida do apartamento do Michael. “Como siempre”, respondeu o Fernando. Tomamos banho, desfizemos as malas e fomos ao El Palenque para nos sentirmos devidamente no Uruguai. Para começarmos “leve”, escolhemos o albariño da Garzón. Adorei! Não tem toda a delicadeza do Bouza, mas também é uma ótima opção. Jantar excelente, em ótima companhia, para dar início a nossa nova temporada em Punta del Este.

13 de julho de 2016

Churrasco feito por um carioca para acompanhar o espumante da região

Nome: Aracuri Rosé Brut
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra
Produtor: Vinícola Aracuri

Uvas/Corte: 70% Pinot Noir 30% Chardonnay
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Supermercado Bortolon
Degustado em: 20 de dezembro de 2015
Onde bebeu: Casa da Luci, em Vacaria
Harmonizado com: Churrasco e acompanhamentos
Com quem: Claudio e Rafaela

Descansados da enorme viagem do dia anterior, fomos ao comércio para comprar este vinho para o almoço. Claudio fez o churrasco, enquanto a mãe preparava arroz, salada, farofa, maionese e maçã caramelada. O espumane Aracuri acompanhou perfeitamente o almoço. À tarde ainda fomos dar uma olhada no movimento do centro da cidade, animado pelas compras natalinas. Tomamos um cafezinho na recém-inaugurada Algo Mais, a melhor cafeteria de Vacaria.

12 de julho de 2016

Primeira parada da viagem a Punta del Este

Nome: Fazenda Santa Rita
Safra: 2014
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra
Produtor: Vinícola Fazenda Santa Rita

Uvas/Corte: Pinot Noir
Teor alcoólico: 12,3%
Rolha: Cortiça
Preço: R$ 29,50
Onde foi comprado: Bendita Pizzaria
Comprado e degustado em: 19 de dezembro de 2015
Onde bebeu: Bendita Pizzaria
Harmonizado com: Pizza de quatro queijos e marguerita
Com quem: Claudio e Rafaela

Saímos de casa na sexta-feira depois da confraternização de natal do Claudio no trabalho. Pretendíamos jantar com a Nina e o Marcel em São Paulo, mas pegamos um trânsito pesado ao sair do Rio. O jantar ficaria muito tarde. Acabamos comendo na estrada, em uma lanchonete muito engraçada em São José dos Campos. Chegamos a São Paulo quase às 23h e logo caímos na cama. A viagem começaria cedo no dia seguinte. Saímos às 7h20 de São Paulo rumo ao Rio Grande do Sul, com uma paradinha rápida em Curitiba para almoçarmos. A viagem rendeu bem e às 20h30 estávamos chegando a Vacaria. Como ainda era cedo, aproveitamos para comer uma pizza na Bendita. Para acompanhar, o pinot noir da Fazenda Santa Rita. É um vinho leve, mas com tom mais adocicado. Não foi servido na temperatura ideal, mas ainda assim foi um ótimo jantar para comemorar a viagem bem-sucedida até ali.

9 de julho de 2016

Viagem ao Vale dos Vinhedos

A viagem ao Vale dos Vinhedos, realizada entre 17 e 20 de setembro, foi muito boa. Nem mesmo a chuva forte que nos acompanhou durante todo o período atrapalhou o passeio. Contamos com a companhia dos amigos Cristiano, Valdirene, Gilberto e Julia. Foram dias muito agradáveis, visitando vinícolas, comendo muito bem e provando vinhos excelentes.

O fim de semana prolongado começou ainda na quinta-feira com uma rápida passagem por Gramado. Como iríamos para a região de colonização italiana, optamos por um restaurante alemão neste primeiro dia. Escolhemos o Höppner, que apesar de ser meio caro serve uma comida saborosa. Eu matei a vontade de comer um Käsespätzle. Estava muito gostoso.

Passeamos então um pouco por Gramado e seguimos para Garibaldi, onde encontraríamos o seu Adolfo Lona. Cris e Val já estavam lá nos esperando. Seu Adolfo conseguiu até que a Val provasse alguns vinhos! Como sempre, fomos muito bem recebidos. Após provarmos os excelentes espumantes do seu Adolfo, fomos jantar no Primo Camilo. Comemos muito bem durante a viagem toda, mas este foi o meu jantar preferido. Provamos um franco com molho de morango acompanhado por risoto de ervas. Não vejo a hora de poder voltar lá.

Na sexta-feira, eu preferi ficar no hotel estudando, mas Claudio, Cris, Gilberto e Julia fizeram duas visitas na parte da manhã. Quando retornaram, fomos almoçar no restaurante Casa Madeira, que faz parte dos negócios da Casa Valduga. Nós ficamos hospedados ao lado, na Villa Valduga. Morgana e Jana nos receberam e responderam a todas as nossas perguntas. Comi codorna pela primeira vez na vida e uma comida com toque italiano de primeira. Em seguida, visitamos o Jardim Leopoldina, onde fizemos uma degustação de cervejas e de sorvetes. O lugar é lindo. Lembramos da Wine Run realizada em 2014. A chegada foi no campo de futebol ao lado do Jardim Leopoldina. À noite, só consegui comer uma sopinha de agnoline.

Na manhã de sábado eu tinha um compromisso na UCS. Nesse meio tempo, Cris, Claudio e Val visitaram Galópolis e a loja de bebidas Tumelero. O almoço foi no sempre bom Danúbio, restaurante bem tradicional de Caxias. Na parte da tarde voltamos à Luiz Argenta, em Flores da Cunha. O lugar é lindo e a vinícola é mesmo impressionante. Eu estava bem cansada nesse momento, mas ainda assim deu para aproveitar a visita e as informações nos passadas pela Silvia.

À noite, acompanhados ainda pela Eliane, pelo Luis e pela Zilá, comemoramos meu aniversário no Restaurante Maria Valduga. Os pratos estavam deliciosos. Para fazermos um brinde, bebemos o Blush, de que gosto muito. Depois seguimos com um pinot noir.


O encerramento destas miniférias foi com uma visita à Vinícola Salton. Fiquei impressionada com a estrutura. Fomos muito bem recebidos pelo Tiago, que explicou de maneira clara e completa o funcionamento da Salton e sobre os vinhos degustados. Provamos alguns dos melhores vinhos da Salton, como Desejo 2008, Septimus 2009, Lucia Canet e série Gerações (o espumante José Salton e o tinto Antonio Nini Valduga 2011). Voltamos felizes.